Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
C M Y K
CMYK
CORREIO BRAZILIENSE • Brasília, sexta-feira, 15 de março de 2013 • Cidades • 25
Bicicleta,só com seguro
MEDO/...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Seguro de bicicleta

355 views

Published on

Published in: Services
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Seguro de bicicleta

  1. 1. C M Y K CMYK CORREIO BRAZILIENSE • Brasília, sexta-feira, 15 de março de 2013 • Cidades • 25 Bicicleta,só com seguro MEDO/Crescimento do roubo de bikes no DF desperta o interesse dos brasilienses em contratar apólices, que podem variar entre R$ 500 e R$ 2,7 mil. Corretoras da capital não oferecem o serviço, obrigando os ciclistas locais a procurarem firmas de São Paulo Têm amigos que acham caro pagar R$ 500 por ano para ter cobertura, mas, na minha opinião, vale a pena” Rodney Pimenta, analista de sistemas A Secretaria de Segurança Pública do DF divulgou estudo em que mostra o crescimento de roubos de bicicletas em to- do o DF. No ano passado, foram registradas 567 ocorrências contra 517, em 2011. Planaltina e Ceilândia são as cidades que lideram o levantamento, com 91 e 81 crimes, respectivamen- te. O Plano Piloto teve pelo me- nos 25 casos no ano passado. Para Philip James, da ONG Rodas da Paz, o aumento da criminalidade está relacionado ao mercado ilegal de venda de peças. “Sabemos que muitas bicicletas são desmontadas, e as partes vendidas ilegalmente. O ideal seria o governo fazer campanhas para evitar essa prática”, observou. Conscientização O diretor da Associação Bra- sileira dos Fabricantes de Mo- tocicletas, Ciclomotores, Mo- tonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), José Eduardo Gon- çalves, explica que Brasília con- centra um mercado de bikes mais caras. “Devido ao alto po- der aquisitivo da população, muitos têm optado por equipa- mentos feitos de materiais mais nobres, e isso chama a atenção de criminosos”, acredita. O comandante do 1º Bata- lhão de Policiamento (Área Central), Agrício da Silva, refor- ça a necessidade de conscienti- zação da população. “Temos informações de que alguns des- ses produtos são comercializa- dos ilegalmente em locais clan- destinos, como a Feira do Rolo em Ceilândia. Mas só ocorre a venda se há ciclistas interessa- dos em comprar”, concluiu. » SHEILA OLIVEIRA O aumentoderoubosdebi- cicletas no Distrito Fede- ral fez surgir uma nova modalidade de seguro: a cobertura assistida para a prote- ção de bikes. Apesar de a capital federal ainda não ter corretoras que comercializam esse tipo de produto, a demanda de ciclistas brasiliensesquerecorremafirmas especializadas de São Paulo para garantir a contratação de apólices aumentou10%noanopassado. O preço médio de um seguro para bicicleta varia entre R$ 500 e R$ 2,7 mil, o valor e o modelo são levados em consideração no mo- mento da avaliação realizada pe- la empresa. O serviço funciona de forma semelhante ao contra- tos de carros e motos. A diferen- ça, no entanto, é a vistoria, que é feita pela internet, devido à falta de oficinas especializadas cre- denciadas no DF. O cliente inte- ressado em contratar o produto precisa preencher uma ficha com todos os dados da bike, incluindo onúmerodesérieeumacópiada nota fiscal de compra. A modali- dade de seguro oferece três tipos de coberturas: roubo à mão ar- mada, furto à residência e prejuí- zos causados durante o transpor- te do objeto. Mesmo sem ter um levanta- mento da demanda desses se- guros no país, o representante do Sindicato das Seguradoras do DF (Sindseg) Carlos Caval- cante explica que algumas lojas especializadas na venda de bi- kes têm oferecido a cobertura assistida no ato da compra. “Te- mos conhecimento dessa práti- ca, mas não é algo comum”, dis- se. Cavalcante destaca a possi- bilidade de contratação de apó- lices coletivas. “São pacotes contratados por condomínios residenciais que possuem bici- cletários. Nesse caso, o produto só cobre o prejuízo no crime classificado como furto à resi- dência”, declarou. Este ano, apenas nos dois pri- meiros meses, as ocorrências de roubos de bicicletas no DF che- garam a 250. Os dados contribuí- ram para o aumento do interesse dos ciclistas em proteger os equi- pamentos. De acordo com sócio- diretor de uma corretora de segu- ros de São Paulo, Leonardo Fer- raz, a empresa atendeu 15 brasi- lienses no último mês. “Fiquei surpreso com a procura, mas o fato de a violência ter aumentado explica a demanda de novos clientes”, disse. Segundo Ferraz, o produto é oferecido há quase sete anos, mas somente a partir de 2011 a procuracresceu.“Ointeressesur- giu de uma necessidade que vi como atleta de triatlon. Na capi- tal federal, os primeiros a fazer foram amigos que também prati- cam o esporte”, conta. Demanda O perfil dos clientes brasilien- ses é de empresários, com idade média de 30 anos, e que utilizam a bike para fazer trilhas ou parti- cipar de competições. “Geral- mente, são bicicletas um pouco mais caras, que custam em mé- dia R$ 10 mil”, explica José Carlos Anastácio Júnior, proprietário de uma corretora de seguros. Já a empresa de Anastácio Jú- nior oferece o produto na moda- lidade radical. No ano passado, registrou crescimento de 300% na demanda. Atualmente, o em- presário contabiliza mil bicicle- tas com cobertura assistida em todo o país. Em Brasília, em 2012, foram 120 novas solicitações. As indenizações cresceram no mes- mo ritmo. “Tivemos que indeni- zar 12 clientes, sendo que um de- les era do DF”, destaca. O sinistro é pago depois de comprovado o prejuízo, tal como o furto da bicicleta, por exemplo. DeacordocomAnastácioJúnior,a pessoa é obrigada a apresentar à seguradora documento no qual comprova a perda do bem.“É se- melhante ao processo que ocorre no pagamento do benefício para carros. No caso de assalto, é preci- soregistrarocorrência”,informou. O analista de sistema Rodney Pimenta, 41 anos, têm seguro há quase dois anos. O interesse em contratar o produto surgiu de- pois de ouvir relatos de diversos colegas que tiveram equipamen- tos levados por ladrões. “Têm amigos que acham caro pagar R$ 500 por ano para ter cobertu- ra, mas, na minha opinião, vale a pena. Os assaltos estão ocorren- do com maior frequência e não apenas em locais afastados, mas em lugares dedicados ao lazer, como o Parque da Cidade e o Ei- xão (LeiaMemória)”, enumera. Apesar de ter garantias em ca- so de roubo, Pimenta afirma não sesentirprotegido.“Aúnicasegu- rança que tenho é saber que ha- verá ressarcimento da bicicleta, mas, fora isso, continuo na mes- ma apreensão quando saio para pedalar”,afirmouociclista.Atual- mente,oDFcontacomumafrota de mais de 227 mil bikes. Iano Andrade/CB/D.A Press Mercado clandestino 2011 17dejulho A Polícia Militar apreendeu dois adolescentes suspeitos de as- saltarem duas mulheres no Par- que da Cidade. De acordo com a PM, eles teriam roubado as bici- cletas das vítimas. 2012 10defevereiro Um ciclista gravou a tentativa deassaltodetrêshomensnoEixão Sul,comumequipamentoacopla- doaoguidomdabicicleta.Oepisó- dio ocorreu às 14h do domingo, quandoaviaéfechadaparaolazer. 11demarço Agente da 2ª Delegacia de Polícia prenderam um suspeito de rou- bar,pelo menos,três bicicletas na Asa Norte.O homem chegou a ser flagrado por câmeras de seguran- ça do estacionamento de um pré- dio residencial. Memória

×