Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Minicurso biogás

4,819 views

Published on

Palestra Sobre Biogás Apresentada na II Semana de Biologia da UESPI

Published in: Education

Minicurso biogás

  1. 1. Engº. Agrº. M.Sc. Sebastião P. do Nascimento Corrente, PI – 21 de setembro de 2011
  2. 2. <ul><li>BIOGÁS: </li></ul><ul><ul><ul><li>Histórico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conceitos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Fontes e Processo de Obtenção </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Composição e Características </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Usos e Benefícios </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Balanço Energético </li></ul></ul></ul>SUMÁRIO
  3. 3. <ul><li>BIOGIGESTOR: </li></ul><ul><ul><ul><li>Histórico </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Conceito </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Modelos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Custos de produção (Fabricação) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Viabilidade socioeconômico </li></ul></ul></ul>SUMÁRIO
  4. 4. INTRODUÇÃO
  5. 5. Os dez maiores problemas para a humanidade nos próximos 50 anos ? 1. Energia 6. Educação 2. Água 7. Democracia 3. Alimentos 8. População 4. Meio ambiente 9. Doenças 5. Pobreza 10. Terrorismo & guerra Agricultura
  6. 6. Elaboração: D. L. Gazzoni - Dados da FAO População Mundial
  7. 7. População Brasileira Fonte: ONU
  8. 8. Fonte: ONU Urbana Rural População Urbana e Rural: Mundo
  9. 9. Fonte: ONU Esperança de Vida Austrália, Islândia, Nova Zelândia, Japão, Suécia,
  10. 10. Fonte: EIA: “International Energy Outlock 2004” Demanda Mundial de Energia * * Gigatoneladas de óleo equivalente
  11. 11. Consumo per capita de energia Fonte: BPStatistical Review of World Energy Elaboração: GV Agro Região Tropical: favorável à produção de Energia Renovável
  12. 12. Fonte: EIA: “International Energy Outlock 2006” Matriz Energética Mundial Fóssil
  13. 13. Fonte: BEM / EPE / MME Matriz Energética Brasileira 46,3% 53,7%
  14. 14. <ul><li>O mundo consome cerca de 320 mil milhões de Kilowatts/hora de electricidade por dia. </li></ul><ul><li>Equivalente ao consumo ininterrupto de cerca de 22 lâmpadas de 100 watts por pessoa. </li></ul><ul><li>Nos próximos 100 anos, gastaremos 3 vezes mais… </li></ul>CONSIDERAÇÕES À medida que os combustíveis fósseis “limpos” (gás e petróleo) se esgotam, passaremos a consumir os “sujos”: carvão, xistos petrolíferos e por fim areias betuminosas. A rentabilidade será menor e a nossa civilização desmoronar-se-á…Mas há alternativas. No limite, dispomos de 50 anos para reconstruir o mundo.
  15. 15. PARTE 01 - BIOGÁS
  16. 16. BIOGÁS 1. Histórico <ul><li>1667: descoberto por Shirley; </li></ul><ul><li>Um século depois: descoberta da presença de metano no gás; </li></ul><ul><li>Século XIX: Ulysse Gayon realiza a fermentação anaeróbia; </li></ul><ul><li>1884: Louis Pasteur – biogás = fonte de aquecimento e iluminação; </li></ul>
  17. 17. BIOGÁS 1. Histórico <ul><li>1859: utilização de biogás numa colônia de leprosos, na Índia; </li></ul><ul><li>1895: primeira experiência européia; </li></ul><ul><li>Redução da exploração do biogás; </li></ul><ul><li>1940: 2 a Guerra Mundial; </li></ul><ul><li>1950-60: abundância de fontes de energia; </li></ul><ul><li>1970:biogás volta a despertar interesse. </li></ul>
  18. 18. BIOGÁS 2. Conceitos <ul><li>É um combustível gasoso, com um conteúdo energético elevado, semelhante gás natural, composto principalmente, por hidrocarbonetos de cadeia curta e linear. </li></ul>
  19. 19. BIOGÁS 2. Conceitos <ul><li>Também é conhecido como gás dos pântanos </li></ul><ul><li>Resultado da decomposição de matéria orgânica </li></ul><ul><li>Só acontece em meio anaeróbio, através de bactérias metanogênicas </li></ul>
  20. 20. BIOGÁS 3. Fontes e Processos de Obtenção
  21. 21. BIOGÁS 3. Fontes e Processos de Obtenção <ul><ul><li>Formação comum na natureza: pântanos, lamas escuras, locais onde a celulose sofre decomposição </li></ul></ul><ul><ul><li>Resultante da digestão anaeróbia de resíduos orgânicos, em condições controladas de temperatura, água, alcalinidade, pH e ausência de oxigênio </li></ul></ul>
  22. 22. BIOGÁS 3. Fontes e Processos de Obtenção <ul><ul><li>Como acontece: Através de complexo de culturas mista de microorganismos, que metablizam materiais orgânicos complexos, tais como carboidratos, lipídios e proteínas </li></ul></ul>
  23. 23. Substancias Organicas Complexas (Polimeros) Ácidos Orgânicos Hidrogênio Acetato Metano (CH 4 ) 76% 20% 4 % CO 2 24% 52% SO 4 = H 2 S CO 2 Sulfato Redutoras - BRS Hidrólise e Acidogénese Fases I e II Acetogénese Metanogênese Fase III Fase IV Digestão Anaeróbia de R esíduos S ólidos O rgânicos BIOGÁS
  24. 24. BIOGÁS 4. Composição e Características <ul><li>CH 4 – 55 a 80% </li></ul><ul><li>CO 2 – Restante </li></ul><ul><li>Ar (N 2 + O 2 ) – Contaminante </li></ul><ul><li>H 2 S – de 1000 a 15000 ppm (0,01 a 0,15%) </li></ul><ul><li>H 2 O – saturado </li></ul>
  25. 25. BIOGÁS 4. Composição e Características &quot;O Biogás é um gás inflamável produzido por microorganismos, quando matérias orgânicas são fermentadas dentro de determinados limites de temperatura, teor de umidade e acidez, em um ambiente impermeável ao ar”.
  26. 26. BIOGÁS 4. Composição e Características <ul><li>Baixa densidade e incompressibilidade </li></ul><ul><li>Odor desagradável pela presença dos contaminantes, principalmente o gás sulfídrico </li></ul><ul><li>Presença de componentes corrosivos, principalmente água e H 2 S </li></ul>
  27. 27. BIOGÁS 5. Usos e Benefícios <ul><li>Conversão em Energia Elétrica </li></ul><ul><li>Queima direta em processos que necessitem calor (conforto térmico, cozinha, iluminação, refrigeração) </li></ul><ul><ul><li>Exemplos: Refrigeradores, secadores de grãos, chocadeiras, fogão doméstico, lampião, caldeiras </li></ul></ul>
  28. 28. BIOGÁS 5. Usos e Benefícios <ul><li>Motor combustão interna adaptado para gás </li></ul><ul><li>Uso local ou até uns 15 km </li></ul><ul><li>O uso em pequena escala em áreas urbanas permite a reciclagem da água e seu uso econômico para reuso no sistema sanitário e/ou em irrigação </li></ul>
  29. 29. BIOGÁS 5. Usos e Benefícios <ul><li>Produção de biofertilizante de alta qualidade: sem metais pesados, sem vidros </li></ul><ul><li>Economia de energia em sistemas produtivos como laticínios, criação de porcos, etc </li></ul><ul><li>Eliminação de agentes patogênicos </li></ul><ul><li>Diminui os custos de tratamento de esgotos </li></ul>
  30. 30. BIOGÁS 5. Usos e Benefícios <ul><li>Eliminação dos custos com transportes </li></ul><ul><li>Preservação da natureza </li></ul><ul><li>Uso na cozinha é higiênico </li></ul><ul><li>Não polui </li></ul>
  31. 31. Geração de energia elétrica e térmica Fertilizante liquido Composto Gás veícular GNV Gás natural GN BIOGÁS 5. Usos e Benefícios
  32. 32. BIOGÁS 5. Usos e Benefícios TRH Tempo de Retenção Hidráulica Eliminação de patogênios Organismo T º C TRH Dias % de redução Salmonella spp Salmonella typhosa Ascaris lumbricoides Cistos de parasitas 30 30 29 30 6-20 6 15 10 82-98 99 90 100
  33. 33. BIOGÁS 6. Equivalência e Balanço Energético Fonte:Manual de Biodigestão Winrock International Brasil. Quadro comparativo do potencial de produção de biogás a partir de dejetos
  34. 34. BIOGÁS 6. Equivalência e Balanço Energético 0 50 100 150 200 250 300 350 400 800 Milho Lixo organ. doméstico Resíduos orgânicos Dejetos de gado Lodo de esgoto Rend.Espec.Biogás [Nm³/t de resíduos]
  35. 35. BIOGÁS 6. Equivalência e Balanço Energético 1 m 3 Metano 1.71 l Prod. Metilados 9.7 k W/h eleticidade 1.3 kg of carvão 1.15 l of petroleo 1 l oleo comb 2.1 kg Madeira (seca) 0.94 l Gas Natural
  36. 36. BIOGÁS 6. Equivalência e Balanço Energético Necessidades diárias família 5 pessoas
  37. 37. BIOGÁS 6. Equivalência e Balanço Energético 100 – 150 Nm 3 Biogás (equivalente a 60-100 l. Gasolina ) 0,5 t. Composto 300 l. Fertilizante líquido 1 t. Resíduos Orgânicos
  38. 38. Qual é a autonomia de um veículo movido a combustível produzido em 1 ha? BIOGÁS Biogás (Brasil / Europa: milho, girassol) 72.000 km Biodiesel 23.000 km (Europa: canola, girassol) Biodiesel 11.500 km (Brasil: soja, mamona, dendê) Bioetanol 43.000 km (Brasil: cana de açucar) Bioetanol 26.000 km (Europa: trigo, beterraba, milho)
  39. 39. PARTE 02 - BIODIGESTOR
  40. 40. BIODIGESTOR <ul><li>Equipamento destinado a produzir biogás; </li></ul><ul><li>Constitui-se de uma câmara fechada, onde é colocado material orgânico, em solução aquosa, onde sofre decomposição, gerando o biogás, que irá se acumular na parte superior da câmara; </li></ul><ul><li>Primeira instalação: 1857, na Índia, nas proximidades de Bombaim; </li></ul><ul><li>Instalação do primeiro digestor no Brasil: 1949; </li></ul><ul><li>Em 1980 – instalação na Granja do Torto(Brasília); </li></ul>
  41. 41. BIODIGESTOR TIPOS <ul><li>Modelo Indiano: </li></ul><ul><li>Desenvolvido na China – pouco espaço físico: enterrado; </li></ul><ul><li>Parede central; </li></ul><ul><li>Cúpula móvel - Campânula em aço como gasômetro – pressão constante; </li></ul><ul><li>Concentração de sólidos não superior a 8% - entupimentos; </li></ul><ul><li>Alimentação contínua de dejetos. </li></ul>Fig. – Biodigestor modelo indiano. Fig. – Biodigestor modelo indiano construído em ferro e cimento artesanalmente.
  42. 42. BIODIGESTOR TIPOS <ul><ul><li>b) Modelo Chinês: </li></ul></ul><ul><ul><li>Cúpula fixa, de alvenaria; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tanque de armazenamento - Pressão variável; </li></ul></ul><ul><ul><li>Sistema de controle – pressão constante; </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixos custos de construção – não possuem partes móveis e partes metálicas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Maior durabilidade; </li></ul></ul><ul><ul><li>Enterrados, ocupando pouco espaço e protegidos contra variações climáticas; </li></ul></ul>Fig. – Biodigestor modelo chinês.
  43. 43. BIODIGESTOR TIPOS <ul><li>c) Modelo Balão ou da Marinha: </li></ul><ul><ul><li>Baixo custo de implantação; </li></ul></ul><ul><ul><li>Facilidade de transporte; </li></ul></ul><ul><ul><li>Construção diretamente sobre o terreno ou profunda; </li></ul></ul><ul><ul><li>Fácil limpeza, descarga e manutenção; </li></ul></ul><ul><ul><li>Curta vida útil: ~ 5 anos; </li></ul></ul><ul><ul><li>Muito utilizado em áreas onde o lençol freático é muito superficial ou há afloramento de rochas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Cúpula de plástico maleável – infla com a produção de gás </li></ul></ul>Fig. – Biodigestor modelo de Marinha. Fig. – Biodigestor modelo Plastisul
  44. 44. BIODIGESTOR <ul><li>Escolha do tipo de biodigestor: </li></ul><ul><li>Condições locais; </li></ul><ul><li>Disponibilidade de substrato; </li></ul><ul><li>Experiência e conhecimento do construtor; </li></ul><ul><li>Investimento envolvido; </li></ul>
  45. 45. BIODIGESTOR <ul><li>Instalação de um biodigestor: </li></ul><ul><ul><li>Localização: </li></ul></ul><ul><ul><li>condições locais de solo; </li></ul></ul><ul><ul><li>facilidades na obtenção, preparo e armazenamento de biomassa: até 20m do ponto de coleta do substrato; </li></ul></ul><ul><ul><li>facilidades na remoção e utilização do biofertilizante; </li></ul></ul><ul><ul><li>distância de utilização do biogás; </li></ul></ul>
  46. 46. BIODIGESTOR <ul><ul><li>Segurança: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Área onde será instalado o biodigestor deve ser considerada como uma região inflamável; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Área cercada, não permitindo o acesso de animais; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dispositivos de segurança ao longo do sistema de distribuição de gás; </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Colocação de uma tela de arame de malha fina no interior do cano de distribuição, próximo do ponto de consumo de biogás, de forma a evitar que o fogo propague-se até o biodigestor. </li></ul></ul></ul>
  47. 47. BIODIGESTOR
  48. 48. <ul><li>Divulgação de um insumo energético ecologicamente correto – queima do metano e substituição de lenha ou algum derivado do petróleo; </li></ul><ul><li>Possibilidade a ser utilizada no meio rural – utilização de esterco animal; </li></ul><ul><li>Contribuição para a disponibilidade energética ao homem do campo; </li></ul><ul><li>Viabilidade técnica do uso de biodigestores para a geração de biogás – simplicidade de operação; </li></ul>CONCLUSÕES
  49. 49. <ul><li>melhoria na limpeza interna da granja, redução de odores, menor quantidade de vetores (principalmente moscas) </li></ul><ul><li>redução nos microorganismos patogênicos e, </li></ul><ul><li>os efeitos benéficos do uso do Biofertilizante na agricultura </li></ul>CONCLUSÕES
  50. 50. “ Ás vezes ser moderno é olhar para trás” Gilberto Gil Eng. Agrônomo: Sebastião Pereira do Nascimento Email: [email_address]

×