2400 questoes direito constitucional com gabarito

10,143 views

Published on

2400 Questões de Direito Constitucional com gabarito!

Published in: Education

2400 questoes direito constitucional com gabarito

  1. 1. 1   SÉRIE  QUESTÕES  NÃO  COMENTADAS  (E-­‐BOOK)   DIREITO  CONSTITUCIONAL   Fundação  Carlos  Chagas  -­‐  FCC   2400  Questões  
  2. 2.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     2   Editora  Totus   SHCGN  708/709  Bloco  A  Entrada  9  2o  Pav.  Parte  3     CEP  70.741-­‐610  BRASÍLIA-­‐DF  Fone:  (61)  3962-­‐3023   www.editoratotus.com.br   editoratotus@gmail.com     VP  Concursos  Consultoria  e  Coaching   Centro  Empresarial  Varig  SCN  Quadra  4   Bloco  B  n.  100  Sala  1201   CEP  70.714-­‐900  Brasília-­‐DF  Fone:  (61)  3533-­‐6574   www.vpconcursos.com.br                                   É  proibida  a  reprodução  total  ou  parcial  desta  obra,  por  qualquer  meio  ou   processo,  seja  eletrônico,  mecânico,  fotográfico,  fonográfico  ou  outros.   Todos  os  direitos  estão  reservados  e  protegidos  pela  Lei  nº  9.610,  de   19/02/1998.      
  3. 3.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     3   Apresentação       Há  vários  motivos  para  você  resolver  questões  ao  longo  de  sua  preparação.  O  primeiro  deles  é   saber  como  as  questões  são  construídas  e  quais  aspectos  os  examinadores  costumam  destacar.  Com   questões  organizadas  por  assunto,  é  interessante  que  você,  à  medida  que  estude  os  capítulos  do  seu   livro  teórico,  resolva  alguns  exercícios  referentes  ao  assunto  estudado.  Para  cada  assunto,  você  poderia   resolver  uma  parte  das  questões  (por  exemplo,  uma  a  cada  quatro  questões).     Resolver   questões   também   ajuda   na   memorização   e   na   fixação   dos   conteúdos   já   estudados.   Assim,  à  medida  em  que  avançar  no  estudo  ou  na  revisão  teórica,  você  poderá  resolver  questões  de   assuntos  anteriores  que  ainda  não  tenham  sido  resolvidas.     Um  outro  motivo  que  costumo  destacar  e  que  é  pouco  utilizado  é  o  monitoramento  dos  estudos.   Se  você  em  algum  momento  já  estudou  a  disciplina  e  deseja  fazer  uma  revisão,  é  interessante,  no  início   do  processo,  fazer  uma  espécie  de  simulado.  Uma  amostra  de  100  questões,  por  exemplo,  é  mais  que   suficiente  para  você  estimar  o  seu  nível  de  conhecimento  na  disciplina  de  acordo  com  o  que  costuma   ser   cobrado   pela   banca.   Numa   primeira   rodada,   faça   as   questões   1,   26,   51,   76,   101   etc.   Anote   seu   percentual  de  acertos  e  tire  as  dúvidas  no  seu  material  quanto  às  questões  que  você  tenha  errado  ou   que,  mesmo  acertando,  não  tenha  compreendido  bem.  Numa  segunda  rodada,  faça  as  questões  2,  27,   52,  77,  102  etc.  Novamente,  resolva  as  dúvidas  e  anote  o  seu  percentual  de  acertos.  Repita  o  ciclo  até   que  todas  as  questões  sejam  resolvidas.             Em  que  pese  a  utilidade  dos  materiais  com  questões  comentadas,  principalmente  nos  primeiros   contatos   com   o   conteúdo   teórico,   o   bom   concurseiro   perceberá   que,   em   determinada   altura   dos   estudos,  o  melhor  mesmo  será  resolver  questões  em  grande  quantidade  e  resolver  dúvidas  pontuais  no   material  disponível  ou  até  mesmo  em  pesquisas  na  internet.     Nem   sempre   é   possível   fazer   uma   classificação   exata   porque   às   vezes   diversos   assuntos   são   abordados   dentro   da   mesma   questão.   Agradecemos   aos   que   puderem   informar   sobre   classificações   equivocadas  ou  quaisquer  outros  erros.       Guto  Bello     http://gutobello.blogspot.com      
  4. 4.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     4     Sumário     Conceito  e  Classificação  das  Constituições  ..................................................................................................  5   Aplicabilidade  e  Interpretação  das  Normas  Constitucionais  ......................................................................  10   Poder  Constituinte  e  Reforma  da  Constituição  ..........................................................................................  22   Princípios  Fundamentais  ............................................................................................................................  30   Direitos  e  Deveres  Individuais  e  Coletivos  ....................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Direitos  Políticos  ...........................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Direitos  Sociais  ..............................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Ações  Constitucionais  ...................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Partidos  Políticos  ...........................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Organização  Político-­‐Administrativa  .............................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Intervenção  ...................................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Repartição  de  Competências  ........................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Administração  Pública  ...................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Poder  Legislativo  ...........................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Fiscalização  Contábil  Financeira  e  Orçamentária  ..........................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Processo  Legislativo  ......................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Poder  Executivo  ............................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Poder  Judiciário  .............................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Funções  Essenciais  à  Justiça  ..........................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Controle  de  Constitucionalidade  ...................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Defesa  do  Estado  e  das  Instituições  Democráticas  .......................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Sistema  Tributário  Nacional  ..........................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Ordem  Econômica  e  Financeira  ....................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Ordem  Social  .................................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Finanças  Públicas  ..........................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Diversos  Assuntos  .........................................................................................  Error!  Bookmark  not  defined.   Gabarito  .....................................................................................................................................................  34    
  5. 5.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     5   Conceito  e  Classificação  das  Constituições   1.   (2012   DPE-­‐PR   Defensor   Público)   O   constitucionalismo   fez   surgir   as   Constituições   modernas  que  se  caracterizam  pela  adoção  de     a)   rol  de  direitos  civis,  políticos,  econômicos,  sociais  e   culturais  e  regime  presidencialista  de  governo.     b)   pactos   de   poder   entre   soberanos   e   súditos   que   garantem   àqueles   privilégios,   poderes   e   prerrogativas   sem   a   contrapartida   de   deveres   e   responsabilidades  exigíveis  por  estes.     c)   princípio  do  governo  limitado  pelas  leis,  separação   de   poderes   e   proteção   de   direitos   e   garantias   fundamentais.     d)   controle   de   constitucionalidade   difuso   das   normas   realizado  por  qualquer  membro  do  Poder  Judiciário.     e)   cartas  constitucionais  escritas,  formais,  dogmáticas,   dirigentes,  analítica  e  outorgadas.     2.   (2010   MPE-­‐SE   Analista   Direito)   Considerando   a   evolução  constitucional  do  Brasil,  analise:   I.   A   Constituição   do   Estado   Novo   (1937)   não   contemplava   os   princípios   da   legalidade   e   da   retroatividade   das   leis,   assim   como,   não   previa   o   mandado  de  segurança.   II.  A  Constituição  Republicana  (1891)  instituiu  a  forma   federativa   de   Estado   atribuindo-­‐lhe   a   competência   remanescente  e  fortaleceu  os  direitos  individuais  como   a  garantia  do  habeas  corpus.   III.  A  Constituição  de  1967,  inspirada  na  Carta  de  1934,   ostentou   forte   tendência   à   descentralização   político-­‐ administrativa   da   União   com   ampliação   dos   direitos   individuais,  especialmente  do  direito  de  propriedade.   IV.   A   Constituição   de   1946,   deu   ao   Brasil   a   forma   de   Estado   unitário   com   intensa   centralização   político-­‐   administrativa  e  em  matéria  de  direitos  fundamentais   previu  o  habeas  data  e  o  mandado  de  injunção.     Nesses  casos,  está  correto  o  que  consta  APENAS  em     a)   II,  III  e  IV.   b)   I  e  III.   c)   II  e  IV.   d)   I  e  II.   e)   I,  III  e  IV.   3.   (2009   TJ-­‐MS   Juiz)   Relativamente   às   espécies   de   Constituições,  é  INCORRETO  afirmar  que   a)   uma   Constituição   pode   ter   partes   rígidas   e   partes   flexíveis.   b)   Constituições   escritas   excluem   a   possibilidade   de   costumes  constitucionais.   c)   toda  Constituição  rígida  é  escrita.   d)   toda   Constituição   costumeira   é,   ao   menos   conceitualmente,  flexível.   e)   nem  toda  Constituição  escrita  é  rígida.     4.   (2005   PGE-­‐SE   Procurador   de   Estado)   Consideradas   as  classificações  das  Constituições  segundo  os  critérios   de   estabilidade   e   modo   de   elaboração,   tem-­‐se,   respectivamente,  que  a  Constituição  brasileira  de  1988   é   a)   histórica  e  formal.   b)   sintética  e  escrita.   c)   analítica  e  flexível.   d)   rígida  e  dogmática.   e)   material  e  semi-­‐flexível.    
  6. 6.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     6   5.   (2006   DPE-­‐SP   Defensor   Público)   O   termo   "Constituição"   comporta   uma   série   de   significados   e   sentidos.   Assinale   a   alternativa   que   associa   corretamente  frase,  autor  e  sentido.   a)   Todos   os   países   possuem,   possuíram   sempre,   em   todos   os   momentos   da   sua   história   uma   constituição   real   e   efetiva.   Carl   Schmitt.   Sentido   político.   b)   Constituição   significa,   essencialmente,   decisão   política   fundamental,   ou   seja,   concreta   decisão   de   conjunto   sobre   o   modo   e   a   forma   de   existência   política.  Ferdinand  Lassale.  Sentido  político.   c)   Constituição  é  a  norma  fundamental  hipotética  e  lei   nacional   no   seu   mais   alto   grau   na   forma   de   documento  solene  e  que  somente  pode  ser  alterada   observando-­‐se   certas   prescrições   especiais.   Jean   Jacques  Rousseau.  Sentido  lógico-­‐jurídico.   d)   A  verdadeira  Constituição  de  um  país  somente  tem   por  base  os  fatores  reais  do  poder  que  naquele  país   vigem  e  as  constituições  escritas  não  têm  valor  nem   são  duráveis  a  não  ser  que  exprimam  fielmente  os   fatores   do   poder   que   imperam   na   realidade.   Ferdinand  Lassale.  Sentido  sociológico.   e)   Todas   as   constituições   pretendem,   implícita   ou   explicitamente,   conformar   globalmente   o   político.   Há   uma   intenção   atuante   e   conformadora   do   direito  constitucional  que  vincula  o  legislador.  Jorge   Miranda.  Sentido  dirigente.     6.   (2009   MPE-­‐SE   Analista   do   Ministério   Público   Especialidade  Direito)  A  Constituição  brasileira  de  1824   previa,   em   seus   artigos   174   e   178:   "Art.   174.   Se   passados  quatro  anos,  depois  de  jurada  a  Constituição   do   Brasil,   se   conhecer,   que   algum   dos   seus   artigos   merece   reforma,   se   fará   a   proposição   por   escrito,   a   qual  deve  ter  origem  na  Câmara  dos  Deputados,  e  ser   apoiada   pela   terça   parte   deles."   "Art.   178.   É   só   Constitucional   o   que   diz   respeito   aos   limites   e   atribuições   respectivas   dos   Poderes   Políticos   e   aos   Direitos   Políticos   e   individuais   dos   Cidadãos.   Tudo   o   que   não   é   Constitucional   pode   ser   alterado   sem   as   formalidades   referidas,   pelas   Legislaturas   ordinárias."   Depreende-­‐se  dos  dispositivos  acima  transcritos  que  a   Constituição  brasileira  do  Império   a)   era  do  tipo  semirrígida,  quanto  à  alterabilidade  de   suas  normas,  diferentemente  da  Constituição  vigen   te,  que,  sob  esse  aspecto,  é  rígida.   b)   previa   hipótese   especial   de   revisão   constitucional,   semelhante   àquela   contemplada   no   Ato   das   Disposições   Constitucionais   Transitórias   da   Constituição  vigente,  quanto  a  prazo  e  quorum  para   exercício  do  poder  de  revisão.   c)   impunha   limites   temporais,   materiais   e   circunstanciais   ao   exercício   regular   do   poder   de   reforma  constitucional,  a  exemplo  do  que  se  tem  na   Cons  tituição  vigente.   d)   exigia   quorum   de   maioria   qualificada   para   propositura   de   emendas   à   Constituição   por   membros   do   Legislativo,   diferentemente   da   Constituição   vigente,   que   admite   iniciativa   isolada   de  parlamentares  para  proposta  de  emenda.   e)   poderia   ser   classificada   como   sintética   e   histórica,   em  oposição  à  Constituição  vigente,  que  é  analítica   e  dogmática.     7.   (2007   MPU   Analista   Administrativo)   Conforme   a   doutrina   dominante,   a   Constituição   da   República   Federativa  do  Brasil  de  1988  é  classificada  como   a)   formal,  escrita,  outorgada  e  rígida.   b)   formal,  escrita,  promulgada  e  rígida.   c)   material,  escrita,  promulgada  e  imutável.   d)   formal,  escrita,  promulgada  e  flexível.   e)   material,  escrita,  outorgada  e  semi-­‐rígida.    
  7. 7.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     7   8.   (2004   TRF   4ª   REGIÃO   Analista   Judiciário   Área   Judiciária  Execução  de  Mandados)  No  que  diz  respeito   à   classificação   das   constituições,   considerando-­‐   se   a   origem,  observa-­‐se  que  umas  derivam  do  trabalho  de   uma   Assembléia   Nacional   Constituinte,   composta   de   representantes   do   povo,   eleitos   com   a   finalidade   de   sua   elaboração,   sendo   que   outras   são   elaboradas   e   estabelecidas   sem   a   participação   popular,   através   de   imposição   do   poder   na   época.   Nesses   casos,   tais   constituições  são  denominadas,  respectivamente,     a)   analíticas  e  sintéticas.   b)   outorgadas  e  históricas.   c)   históricas  e  dogmáticas.   d)   promulgadas  e  outorgadas.   e)   dogmáticas  e  promulgadas.     9.   (2009   TRT   7ª   Região   (CE)   Analista   Judiciário   Área   Judiciária  Execução  de  Mandados)  A  Constituição  que   prevê   somente   os   princípios   e   as   normas   gerais   de   regência   do   Estado,   organizando-­‐o   e   limitando   seu   poder,  por  meio  da  estipulação  de  direitos  e  garantias   fundamentais  é  classificada  como:     a)   sintética.   b)   pactuada.   c)   analítica.   d)   dirigente.   e)   dualista.     10.   (2008   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   Considere   o   seguinte   excerto   doutrinário   transcrito,   expressivo   do   constitucionalismo  da  primeira  metade  do  século  XVIII:   Eis,  assim,  a  constituição  fundamental  do  governo  de   que   falamos.   O   corpo   legislativo,   sendo   composto   de   duas   partes,   uma   paralisará   a   outra   por   sua   mútua   faculdade  de  impedir.  Todas  as  duas  serão  paralisadas   pelo   poder   executivo,   que   o   será,   por   sua   vez,   pelo   poder  legislativo.  Estes  três  poderes  deveriam  formar   uma  pausa  ou  uma  inação.  Mas  como  pelo  movimento   necessário  das  coisas,  eles  são  obrigados  a  caminhar,   serão  forçados  a  caminhar  de  acordo.  (MONTESQUIEU,   Charles  Louis  de  Secondat,  baron  de  la  Brède  et  de.  O   espírito   das   leis,   tradução   de   Fernando   Henrique   Cardoso   e   Leôncio   Martins   Rodrigues,   Brasília:   UnB,   1995,  p.  122)  Sobre  este  texto,  é  correto  afirmar  que     a)   a  declaração  de  inconstitucionalidade  é  a  faculdade   de  impedir  própria  ao  poder  de  julgar.   b)   o   corpo   legislativo   é   composto   de   duas   partes   a   bem  das  relações  federativas.   c)   a   faculdade   de   impedir   do   rei   (veto)   pode   ser   superada   pelas   duas   partes   do   corpo   legislativo   (rejeição  do  veto).   d)   "estes  três  poderes"  são  o  poder  legislativo,  o  poder   executivo  das  coisas  que  dependem  do  direito  das   gentes  ("poder  executivo")  e  o  poder  executivo  das   coisas   que   dependem   do   direito   civil   ("poder   de   julgar").   e)   na  hipótese  de  não  haver  acordo  entre  "estes  três   poderes"   acerca   de   um   dado   problema,   eles   se   paralisam   reciprocamente   e   o   problema   fica   sem   solução.    
  8. 8.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     8   11.   (2008   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   No   constitucionalismo  moderno  e  seus  ciclos,  nos  séculos   XVIII,  XIX  e  XX,     a)   na   doutrina   de   Jean-­‐Jacques   Rousseau,   a   nação   aparece  como  titular  da  soberania.   b)   na   doutrina   de   Emmanuel   Joseph   Sieyès,   o   povo   surge  como  titular  da  soberania.   c)   nenhuma   das   constituições   da   França   revolucionária   (ciclo   constitucional   havido   entre   1787   e   1799)   enunciou   os   direitos   sociais   ao   trabalho  e  à  educação,  direitos  de  segunda  geração   que  apenas  são  positivados  a  partir  da  Constituição   mexicana  de  1917.   d)   a  igualdade  de  condições  foi  o  dado  novo  que  mais   impressionou   Alexis   de   Tocqueville   durante   o   período  em  que  esteve  nos  Estados  Unidos.   e)   consta   do   art.   16   da   Declaração   dos   Direitos   do   Homem  e  do  Cidadão,  de  1789,  hoje  sem  vigência,   que   é   destituída   de   constituição   toda   a   sociedade   em   que   a   garantia   dos   direitos   não   esteja   assegurada,   nem   a   separação   dos   poderes   determinada.     12.   (2008   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   No   constitucionalismo  antigo,  mormente  o  ateniense,     a)   o  mecanismo  democrático  utilizado  para  preencher   as  magistraturas  em  geral  era  a  eleição  direta.   b)   a  Grécia  antiga  assemelhava-­‐se  a  uma  federação  de   cidades  submetidas  à  autoridade  política  de  Atenas.   c)   a   graphe   paranomon   ?   que   permitia   verificar   a   correção  da  lei  votada  pela  assembléia  popular  em   face   do   Direito   ancestral   ?   é   antecedente   remoto   do  controle  de  constitucionalidade.   d)   a  nacionalidade,  segundo  proposta  de  Péricles,  era   definida  em  razão  do  local  de  nascimento  (ius  solis).   e)   qualquer   cidadão   podia   votar   e   ser   votado   na   democracia   ateniense,   inclusive   mulheres   e   estrangeiros   com   autorização   de   residência   (metecos).     13.  (2009  PGE-­‐SP  Procurador)  A  Constituição  de  16  de   julho   de   1934   é   considerada   o   marco   inicial   do   constitucionalismo   social-­‐democrático   no   Brasil,   nela   estando  presentes  a  introdução  e  a  reconfiguração  de   institutos  com  o  objetivo  de  conferir  maior  eficiência  à   ação  estatal.  Nesse  sentido,     a)   adotou-­‐se   nova   disciplina   para   o   habeas   corpus   e   para  o  exercício  do  poder  regulamentar.   b)   extinguiu-­‐se   a   Justiça   Federal   e   introduziu-­‐se   a   técnica   de   repartição   vertical   da   competência   legislativa.   c)   introduziu-­‐se   o   controle   abstrato   de   normas   e   o   veto  presidencial.   d)   outorgou-­‐se  ao  Presidente  da  República  autorização   para  expedir  decretos-­‐leis  e  criou-­‐se  o  mandado  de   segurança.   e)   atenuou-­‐se  o  bicameralismo  do  Poder  Legislativo  e   atribuiu-­‐se   certa   europeização   ao   sistema   de   controle  de  constitucionalidade.     14.   (2009   TRT   16ª   REGIÃO   (MA)   Analista   Judiciário   Área   Judiciária   Execução   de   Mandados)   A   doutrina   constitucional   tem   classificado   a   nossa   atual   Constituição  Federal  (1988)  como  escrita,  legal,     a)   formal,   pragmática,   outorgada,   semi-­‐rígida   e   sintética.   b)   material,   pragmática,   promulgada,   flexível   e   sintética.   c)   formal,  dogmática,  promulgada,  rígida  e  analítica.   d)   substancial,   pragmática,   promulgada,   semi-­‐rígida   e   analítica.   e)   material,  dogmática,  outorgada,  rígida  e  sintética.     15.   (2007   TRE-­‐PB   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   O   princípio   da   supremacia   da   Constituição   em   face   das   demais   normas   que   compõem   o   ordenamento   jurídico   estatal,   é   característico  das  Constituições     a)   sintéticas.   b)   rígidas.   c)   flexíveis.   d)   costumeiras.   e)   analíticas.    
  9. 9.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     9   16.   (2007   TRF-­‐4R   Analista   Judiciário   Área   Judiciária   Execução   de   Mandados)   A   Constituição   da   República   Federativa   do   Brasil   (1988),   pode   ser   classificada   quanto  ao  seu  conteúdo,  seu  modo  de  elaboração,  sua   origem,  sua  estabilidade  e  sua  extensão,  como     a)   formal,   histórica   ou   costumeira,   promulgada,   flexível  e  sintética.   b)   material,  dogmática,  outorgada,  rígida  e  sintética.   c)   formal,   dogmática,   promulgada,   super-­‐rígida   e   analítica.   d)   material,   pragmática,   outorgada,   semi-­‐rígida   e   sintética.   e)   formal,  histórica  ou  costumeira,  outorgada,  flexível   e  analítica.    
  10. 10.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     10   Aplicabilidade  e  Interpretação  das  Normas  Constitucionais 17.  (2012  MPE-­‐AL  Promotor  de  Justiça)  Certo  governo   estadual,   tendo   em   vista   o   aumento   do   número   de   crianças   nas   ruas,   decide   intensificar   programas   de   institucionalização,  sob  o  argumento  de  que  esta  ação   protegerá   crianças   em   situação   de   risco   com   mais   eficácia   do   que   o   investimento   em   programas   de   atendimento   social   a   famílias   carentes.   O   Ministério   Público   do   Estado   respectivo   pretende   acionar   o   Judiciário   para   que   se   pronuncie   sobre   a   compatibilidade   da   decisão   governamental   com   a   disciplina   dos   direitos   fundamentais   da   criança   e   do   adolescente  e  fundamenta  sua  petição  em  princípio  de   hermenêutica   constitucional,   denominado   princípio   ......,  tecendo  o  seguinte  raciocínio:   I.   Sob   o   prisma   da   ......,   conclui-­‐se   que   a   opção   do   governo  não  é  idônea  para  os  fins  que  busca,  já  que  a   principal  causa  do  abandono  reside  no  desajuste  social   das  famílias.  Assim,  a  institucionalização  não  atingiria  a   raiz   do   problema   e   não   seria   capaz   de   diminuir   o   número  de  crianças  nas  ruas.   II.   No   entanto,   ainda   que   o   Judiciário   entenda   que   a   medida  é  idônea,  sob  o  prisma  da  ......,  conclui-­‐se  que  a   opção   do   governo   não   é   a   melhor   escolha   possível,   pois  existem  outras  políticas  públicas  menos  gravosas   para   a   garantia   da   proteção   integral   da   criança,   capazes,   inclusive,   de   gerar   melhores   resultados   do   que  a  política  de  institucionalização.   III.   Todavia,   ainda   que   o   Judiciário   entenda   que   a   medida   é   idônea   e   se   materializa   na   melhor   escolha   possível,  sob  o  prisma  da  ......,  conclui-­‐se  que  a  opção   do   governo   não   é   equilibrada   e   não   gera   mais   vantagens   para   a   sociedade,   na   medida   em   que   a   institucionalização   transforma-­‐se   em   uma   espécie   de   punição   à   criança   que   se   encontra   em   situação   de   pobreza,   imputando-­‐lhe   uma   carga   demasiadamente   onerosa  para  suportar.     Os   termos   jurídicos   que   completam   corretamente   as   lacunas  do  texto  são,  respectivamente,   a)   do  efeito  integrador;  idoneidade;  proporcionalidade   em  sentido  estrito;  efetividade.   b)   da  conformidade  funcional;  adequação;  integração;   proporcionalidade.   c)   da   unidade   da   Constituição;   proporcionalidade;   adequação;  justeza.   d)   da   proporcionalidade;   adequação;   necessidade;   proporcionalidade  em  sentido  estrito.   e)   da  máxima  efetividade;  necessidade;  razoabilidade;   efetividade.     18.   (2012   TRT   18ª   Região   (GO)   Juiz   do   Trabalho)   Conhecida   classificação   das   normas   constitucionais,   inspirada   no   jurista   italiano   Vezio   Crisafulli   (normas   constitucionais   de   aplicabilidade   imediata   e   eficácia   plena;   normas   constitucionais   de   aplicabilidade   imediata  e  eficácia  restringível;  normas  constitucionais   de   eficácia   limitada),   implica   classificar   como   norma   constitucional   de   aplicabilidade   imediata   e   eficácia   restringível  a  norma  constitucional:     a)   lei   complementar   disporá   sobre   a   elaboração,   redação,  alteração  e  consolidação  das  leis.   b)   o  Estado  promoverá,  na  forma  da  lei,  a  defesa  do   consumidor.     c)   ninguém   será   submetido   a   tortura   nem   a   tratamento  desumano  ou  degradante.     d)   é   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,   atendidas   as   qualificações   profissionais   que  a  lei  estabelecer.   e)   a   República   Federativa   do   Brasil   buscará   a   integração  econômica,  política,  social  e  cultural  dos   povos   da   América   Latina,   visando   à   formação   de   uma  comunidade  latino-­‐americana  de  nações.     19.   (2012   TST   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   Considere  a  seguinte  norma  constitucional  prevista  no   artigo  5º  ,  XV,  da  Constituição  Federal  de  1988:  É  livre   a  locomoção  no  território  nacional  em  tempo  de  paz,   podendo   qualquer   pessoa,   nos   termos   da   lei,   nele   entrar,  permanecer  ou  dele  sair  com  seus  bens.  Trata-­‐ se  de  norma  de  eficácia     a)   plena.   b)   limitada.   c)   contida.   d)   exaurida.   e)   absoluta.    
  11. 11.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     11   20.   (2012   DPE-­‐PR   Defensor   Público)   Alguns   autores   têm   criticado   o   que   consideram   um   uso   abusivo   dos   princípios   e   da   ponderação   como   forma   de   aplicação   dos   direitos   fundamentais.   Com   frequência   os   intérpretes   dos   direitos   fundamentais   acabam   por   transformá-­‐los  em  princípios,  utilizando-­‐se  em  demasia   do   sopesamento   na   interpretação   de   suas   inter-­‐ relações,   o   que   ocasiona,   muitas   vezes,   perda   de   objetividade   e   racionalidade   na   interpretação,   dificultando   seu   controle.   Sobre   esse   tema,   é   correto   afirmar:     a)   Há   elementos   na   interpretação   com   base   em   princípios   que   podem   aflorar   com   mais   facilidade,   como  a  intuição  e  a  sensibilidade,  por  exemplo,  que   permitirão   ao   bom   juiz   decidir   de   forma   mais   consentânea  com  a  constituição  e  suas  concepções   pessoais  de  justiça.     b)   Não   há   como   se   eliminar   totalmente   toda   subjetividade   na   interpretação   e   aplicação   do   direito,   mas   as   relações   de   preferência   simples   e   sem   qualificativos   devem   ser   eliminadas   para   que   hajam   relações   de   preferências   fundamentadas,   escalonadas   e   condicionadas   sendo   possível   comparar   grau   de   restrição   de   um   direito   fundamental  com  grau  de  realização  de  direito  que   com  ele  colide.     c)   Na   interpretação   de   direitos   fundamentais   não   há   que  se  buscar  racionalidade  ou  objetividade  já  que   o   próprio   constituinte   delegou   ao   intérprete   a   possibilidade  de  lhes  atribuir  significado  conforme  o   momento  histórico  e  as  expectativas  sociais.     d)   É   justamente   na   criação   do   Direito,   a   partir   da   aplicação  dos  princípios,  que  o  juiz-­‐intérprete  supre   a   inexistência   de   legitimidade   democrática   na   sua   investidura  e  exerce  plenamente  suas  prerrogativas   constitucionais.     e)   Essa   crítica   é   improcedente   já   que   as   normas   jurídicas  não  são  fórmulas  e  nem  interpretadas  por   máquinas.   A   subjetividade,   irracionalidade,   impossibilidade   de   controle   e   ausência   de   previsibilidade   das   decisões   são   ônus   a   serem   suportados  pela  socie-­‐  dade  ao  escolher  um  modelo   de  constituição  tão  abrangente  e  irrealizável.     21.  (2012  TRE-­‐PR  Analista  Judiciário  Área  Judiciária)  Em   outubro   de   2011,   ao   apreciar   Recurso   Extraordinário   em  que  se  discutia  a  constitucionalidade  da  exigência   formulada  em  lei  federal  de  aprovação  em  exame  da   Ordem   dos   Advogados   do   Brasil   para   exercício   da   profissão   de   advogado,   o   Supremo   Tribunal   Federal   (STF)   considerou   que   referido   exame   tem   por   fim   assegurar   que   atividades   de   risco   sejam   desempenhadas   por   pessoas   com   conhecimento   técnico  suficiente,  para  evitar  danos  à  coletividade.  No   julgamento,  salientou-­‐se  que,  quanto  mais  arriscada  a   atividade,  maior  o  espaço  de  conformação  deferido  ao   Poder  Público;  sob  essa  ótica,  o  exercício  da  advocacia   sem   a   capacidade   técnica   necessária   afeta   tanto   o   cliente,   indivíduo,   como   a   coletividade,   pois   denega   Justiça,  a  qual  é  pressuposto  da  paz  social.  Nesse  caso,   o  STF     a)   reconheceu   a   eficácia   limitada   da   norma   constitucional   que   assegura   a   liberdade   profissional,  sujeitando  seu  exercício  à  autorização   prévia  do  Poder  Público.   b)   exerceu  interpretação  criativa  e  extrapolou  o  papel   de   guardião   da   Constituição,   uma   vez   que   se   substituiu   ao   legislador,   ao   analisar   o   mérito   da   exigência  legal.   c)   deu   à   exigência   legal   interpretação   conforme   à   Constituição,   para   o   fim   de   excluir   do   alcance   da   norma  a  possibilidade  de  exercício  profissional  sem   a   prévia   aprovação   em   avaliação   promovida   pelo   Poder  Público   d)   procedeu   à   interpretação   teleológica   da   norma   constitucional  segundo  a  qual  é  livre  o  exercício  de   qualquer  trabalho,  ofício  ou  profissão,  atendidas  as   qualificações  profissionais  que  a  lei  estabelecer.   e)   restringiu   o   alcance   da   norma   constitucional   segundo   a   qual   o   advogado   é   indispensável   à   administração  da  Justiça,  ao  condicionar  o  exercício   profissional   à   aprovação   prévia   em   avaliação   promovida  pelo  Poder  Público.    
  12. 12.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     12   22.  (2011  TCE-­‐PR  Analista  de  Controle  Jurídica)  Quando   a   interpretação   de   uma   Constituição   escrita   se   altera   em  decorrência  da  mudança  dos  valores  e  do  modo  de   compreensão  de  uma  sociedade,  mesmo  sem  qualquer   alteração   formalmente   realizada,   no   texto   constitucional,   pelo   Poder   Constituinte   Derivado   Reformador,  está-­‐se  diante  de  uma     a)   interpretação  histórica.   b)   integração  normativa.   c)   desconstitucionalização.   d)   mutação  constitucional.   e)   hermenêutica  geracional.     23.  (2011  TRE-­‐PE  Analista  Judiciário  Área  Judiciária)  No   tocante  à  interpretação  das  normas  constitucionais,  o   Princípio   da   Força   Normativa   da   Constituição   determina  que:     a)   a  interpretação  constitucional  deve  ser  realizada  de   maneira  a  evitar  contradições  entre  suas  normas.   b)   entre  as  interpretações  possíveis,  deve  ser  adotada   aquela  que  garanta  maior  eficácia,  aplicabilidade  e   permanência  das  normas  constitucionais.   c)   os  órgãos  encarregados  da  interpretação  da  norma   constitucional   não   poderão   chegar   a   uma   posição   que   subverta   o   esquema   organizatório   funcional   constitucionalmente  já  estabelecido.   d)   na  solução  dos  problemas  jurídicos  constitucionais,   deverá   ser   dada   maior   primazia   aos   critérios   favorecedores  da  integração  política  e  social.   e)   a  coordenação  e  combinação  dos  bens  jurídicos  em   conflito  seja  destinada  a  evitar  o  sacrifício  total  de   uns  em  relação  aos  outros.     24.  (2011  TCE-­‐SP  Procurador)  Considera-­‐se  de  eficácia   limitada  a  norma  constitucional  segundo  a  qual     a)   os   trabalhadores   urbanos   e   rurais   têm   direito   à   participação  nos  lucros,  ou  resultados,  desvinculada   da  remuneração,  e,  excepcionalmente,  participação   na  gestão  da  empresa,  conforme  definido  em  lei.   b)   não   será   concedida   extradição   de   estrangeiro   por   crime  político  ou  de  opinião,  assim  definido  em  lei.   c)   ninguém   será   obrigado   a   fazer   ou   deixar   de   fazer   alguma  coisa  senão  em  virtude  de  lei.   d)   é   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,   atendidas   as   qualificações   profissionais   que  a  lei  estabelecer.   e)   os   trabalhadores   urbanos   e   rurais   têm   direito   à   duração   do   trabalho   normal   não   superior   a   oito   horas   diárias   e   quarenta   e   quatro   semanais,   facultada   a   compensação   de   horários   e   a   redução   da  jornada,  mediante  acordo  ou  convenção  coletiva   de  trabalho.     25.   (2011   TCM-­‐BA   Procurador   Especial   de   Contas)   Considera-­‐se   de   eficácia   plena   e   aplicabilidade   imediata  a  norma  constitucional  que  assegura     a)   aviso   prévio   proporcional   ao   tempo   de   serviço,   sendo  no  mínimo  de  trinta  dias.   b)   direito  de  greve  aos  ocupantes  de  cargos,  empregos   e  funções  da  Administração  direta  e  indireta.   c)   gratuidade   aos   atos   necessários   ao   exercício   da   cidadania.   d)   promoção  da  defesa  do  consumidor  pelo  Estado.   e)   direito   de   resposta,   proporcional   ao   agravo,   além   da   indenização   por   dano   material,   moral   ou   à   imagem.     26.  (2011  MPE-­‐CE  Promotor  de  Justiça)  A  invocação  à   proteção   de   Deus,   constante   do   Preâmbulo   da   Constituição  da  República  vigente,     a)   é  inconstitucional.   b)   é  ilícita.   c)   não  tem  força  normativa.   d)   não  foi  recepcionada  pelo  texto  constitucional.   e)   é   expressão   de   reprodução   obrigatória   nas   Constituições  estaduais.    
  13. 13.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     13   27.   (2011   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   Considera-­‐se   de  eficácia  limitada  a  norma  constitucional  segundo  a   qual     a)   ninguém   será   obrigado   a   fazer   ou   deixar   de   fazer   alguma  coisa  senão  em  virtude  de  lei.   b)   é   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,   atendidas   as   qualificações   profissionais   que  a  lei  estabelecer.   c)   a   lei   não   prejudicará   o   direito   adquirido,   o   ato   jurídico  perfeito  e  a  coisa  julgada.   d)   são  gratuitos,  na  forma  da  lei,  os  atos  necessários   ao  exercício  da  cidadania.   e)   não   há   crime   sem   lei   anterior   que   o   defina,   nem   pena  sem  prévia  cominação  legal.     28.   (2009   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   Sobre   as   técnicas   de   interpretação   constitucional,   conforme   compreendidas   e   aplicadas   pelo   Supremo   Tribunal   Federal,     a)   a  lei  ordinária  não  pode  inverter  a  interpretação  da   Constituição   firmada   pelo   Supremo   Tribunal   Federal,   porque   o   contrário   seria   dizer   que   o   entendimento  da  Corte  estaria  sujeito  ao  referendo   do  legislador,  ou  seja,  que  o  guarda  da  Constituição   só  firmaria  a  correta  compreensão  da  Lei  Suprema   na   medida   da   inteligência   que   lhe   desse   outro   órgão   constituído,   o   legislador   ordinário,   que,   em   verdade,  está  submetido  ao  Tribunal.     b)   não   cabe   ao   Supremo   Tribunal   Federal,   mediante   redução  teleológica  e  sistemática  do  alcance  literal   do   art.   102,   inciso   I,   alínea   “f”,   da   Constituição   (“Compete   ao   Supremo   Tribunal   Federal,   precipuamente,  a  guarda  da  Constituição,  cabendo-­‐ lhe   ...   processar   e   julgar,   originariamente   ...   as   causas  e  os  conflitos  entre  a  União  e  os  Estados,  a   União   e   o   Distrito   Federal,   ou   entre   uns   e   outros,   inclusive  as  respectivas  entidades  da  administração   indireta”),   excluir   da   sua   competência   as   causas   entre   autarquias   federais   e   Estados-­‐membros   quando   as   primeiras   tenham   sede   ou   estrutura   regional   de   representação   no   território   estadual   respectivo.     c)   a  presunção  de  constitucionalidade  da  lei  é  elidida   pelo   tão-­‐só   ajuizamento   de   ação   direta   de   inconstitucionalidade,   sem   pedido   de   liminar,   visando  a  retirar  a  sua  eficácia  normativa.     d)   o   argumento   histórico,   na   interpretação   constitucional,   reveste-­‐se   de   caráter   absoluto,   porque  revela  a  vontade  do  legislador  constituinte  e   as   circunstâncias   que   motivaram   a   elaboração   de   determinada   norma   inscrita   na   Constituição,   inclusive   permitindo   ao   intérprete   conhecer   as   razões   que   levaram   o   constituinte   a   acolher   ou   a   rejeitar  as  propostas  que  lhe  foram  submetidas.     e)   o   parágrafo   único   do   artigo   481   do   Código   de   Processo   Civil,   introduzido   pela   Lei   nº   9.756,   de   1998  (que  dispensa  a  submissão  ao  plenário,  ou  ao   órgão   especial,   da   argüição   de   inconstitucionalidade,   quando   já   houver   pronunciamento  destes  ou  do  plenário  do  Supremo   Tribunal   Federal   sobre   a   questão),   adotou   orientação  que  não  poderia  decorrer  de  construção   jurisprudencial  do  Supremo,  ainda  que  fundada  na   função   outorgada   à   Corte   de   árbitro   definitivo   da   constitucionalidade  das  leis.    
  14. 14.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     14   29.  (2011  TRT  4ª  REGIÃO  (RS)  Analista  Judiciário  Área   Judiciária)  Analise:   I.   A   União,   os   Estados,   o   Distrito   Federal   e   os   Municípios   organizarão   em   regime   de   colaboração   seus  sistemas  de  ensino.   II.   É   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,  atendidas  as  qualificações  profissionais  que   a   lei   estabelecer.   Em   conformidade   com   o   aspecto   doutrinário,   as   referidas   disposições   caracterizam-­‐se,   respectivamente,  como  normas  constitucionais  de     a)   eficácia  plena  e  de  eficácia  negativa.   b)   princípio  programático  e  de  eficácia  contida.   c)   eficácia  restringível  e  de  eficácia  absoluta.   d)   princípio  programático  e  de  eficácia  plena.   e)   eficácia  relativa  e  de  princípio  programático.     30.  (2011  DPE-­‐RS  Defensor  Público)  No  que  se  refere  à   interpretação  e  à  eficácia  e  aplicabilidade  das  normas   constitucionais,  considere  as  seguintes  afirmações:   I.   A   interpretação   constitucional   evolutiva,   também   denominada   de   mutação   constitucional,   não   implica   alteração  no  texto  constitucional,  mas  na  interpretação   da  regra.   II.   As   normas   que   consubstanciam   os   direitos   fundamentais   são   sempre   de   eficácia   e   aplicabilidade   imediata.   III.   Os   direitos   e   garantias   fundamentais   consagrados   na  Carta  Magna  são  ilimitados,  tanto  que  não  podem   ser   utilizados   para   se   eximir   alguém   da   responsabilização  pela  prática  de  atos  ilícitos.   IV.  No  Direito  Constitucional  brasileiro  fala-­‐se  de  uma   certa  relatividade  dos  direitos  e  garantias  individuais  e   coletivos,  bem  como  da  possibilidade  de  haver  conflito   entre   dois   ou   mais   deles,   oportunidade   em   que   o   intérprete   deverá   se   utilizar   do   princípio   da   concordância   prática   ou   da   harmonização   para   coordenar   e   combinar   os   bens   tutelados,   evitando   o   sacrifício  total  de  uns  em  relação  aos  outros,  sempre   visando   ao   verdadeiro   significado   do   texto   constitucional.   Está   correto   o   que   se   afirma   APENAS   em   a)   I  e  III.   b)   I  e  IV.   c)   I,  II  e  III.   d)   I,  II  e  IV.   e)   II,  III  e  IV.   31.   (2010   TRT   8ª   Região   (PA   e   AP)   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   As   normas   que   o   legislador   constituinte   regulou   suficientemente   os   interesses   relativos  a  determinada  matéria,  mas  deixou  margem  à   atuação   restritiva   por   parte   da   competência   discricionária   do   poder   público,   nos   termos   que   a   lei   estabelecer   ou   nos   termos   de   conceitos   gerais   nelas   enunciados,  são  classificadas  de  eficácia   a)   programática.   b)   plena.   c)   limitada.   d)   contida.   e)   objetiva.    
  15. 15.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     15   32.  (2010  TRT  22ª  Região  (PI)  Analista  Judiciário  Área   Judiciária)   No   tocante   à   aplicabilidade,   as   normas   constitucionais   que   não   regulam   diretamente   interesses   ou   direitos   nelas   consagrados,   mas   que   se   limitam   a   traçar   alguns   preceitos   a   serem   cumpridos   pelo   Poder   Público,   como   programas   das   respectivas   atividades,  pretendendo  unicamente  a  consecução  dos   fins  sociais  pelo  Estado,  são  classificadas  como   a)   análogas.   b)   hermenêuticas.   c)   andrógenas.   d)   programáticas.   e)   satisfativas.     33.  (2010  TCE-­‐RO  Procurador)  Em  fevereiro  de  2010,  o   artigo  6o  da  Constituição  Federal  foi  alterado  para  que,   ao   rol   dos   direitos   fundamentais   que   prevê,   fosse   acrescentado  o  direito  à  alimentação.  A  eficácia  desse   direito  é  classificada  como   a)   plena.   b)   contida  de  princípio  programático.   c)   limitada  de  princípio  institutivo.   d)   contida  de  princípio  institutivo.   e)   limitada  de  princípio  programático.     34.   (2010   TCE-­‐RO   Procurador)   A   interpretação   conforme   a   Constituição   é   uma   técnica   que   pode   ser   aplicada  pelo   a)   Poder   Legislativo,   para   preservar   a   vigência   da   lei,   quando  é  chamado  pelo  STF,  em  ação  declaratória   de  constitucionalidade,  a  prestar  informações  sobre   a   vontade   autêntica   do   legislador   que   embasou   a   fase   de   deliberação   parlamentar   do   projeto   de   lei   aprovado.   b)   Poder   Legislativo,   para   justificar   a   derrubada   de   veto   jurídico   oposto   pelo   Presidente   da   República   com   base   em   declaração   de   inconstitucionalidade   parcial  sem  redução  de  texto.   c)   Supremo   Tribunal   Federal,   em   controle   de   constitucionalidade,   apenas   para   normas   que   possibilitem   mais   de   uma   interpretação,   a   fim   de   preservar  a  lei  no  ordenamento  jurídico  e  adequá-­‐la   aos  valores  da  ordem  constitucional.   d)   Poder   Judiciário,   como   uma   técnica   de   hermenêutica  constitucional,  para  que  promova  um   aperfeiçoamento   da   lei   e   amolde   a   vontade   do   legislador   aos   ditames   das   regras   e   dos   princípios   constitucionais.   e)   Poder   Executivo,   para   justificar   a   adequação   dos   pressupostos   constitucionais   da   urgência   e   da   relevância,   quando   questionada   a   constitucionalidade   de   medida   provisória   em   ação   direta  de  inconstitucionalidade.    
  16. 16.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     16   35.   (2010   TCE-­‐RO   Procurador)   De   acordo   com   a   jurisprudência   do   STF,   se   houver   dispositivos   constitucionais  com  conteúdo  incompatível  dentro  do   texto  constitucional,   a)   deve-­‐se   buscar   uma   interpretação   conciliatória   entre  os  dispositivos,  pois  não  é  possível  considerar   a  existência  de  normas  inconstitucionais  no  texto  da   Constituição.   b)   será   descartada   a   norma   que   afronta   as   cláusulas   pétreas   com   mais   intensidade,   pois   estas   exercem   um   papel   de   meta-­‐controle   da   ordem   constitucional.   c)   aplica-­‐se   o   princípio   da   ponderação,   como   técnica   de  hermenêutica  constitucional,  para  que,  por  meio   do   sopesamento   dos   princípios   constitucionais,   elimine-­‐  se  a  norma  incompatível  com  o  sistema.   d)   deve-­‐se   buscar   uma   norma   hierarquicamente   superior   à   Constituição,   presente   em   Tratados   Internacionais,   a   qual   aponte   uma   referência   valorativa   que   solucione   o   conflito   normativo   nacional.   e)   os  dois  dispositivos  constitucionais  que  entram  em   contradição  devem  ser  eliminados  do  sistema,  por   meio  da  interpretação  do  STF,  a  fim  de  se  garantir  o   princípio  da  unidade  da  Constituição  e  o  da  máxima   eficiência.     36.   (2010   TRE-­‐AC   Analista   Judiciário   Área   Judiciária)   Sobre   a   interpretação   das   normas   constitucionais,   analise:   I.   O   órgão   encarregado   de   interpretar   a   Constituição   não   pode   chegar   a   um   resultado   que   subverta   ou   perturbe   o   esquema   organizatório-­‐funcional   estabelecido  pelo  legislador  constituinte.   II.  O  texto  de  uma  Constituição  deve  ser  interpretado   de  forma  a  evitar  contradições  (antinomias)  entre  suas   normas,   e   sobretudo,   entre   os   princípios   constitucionais  estabelecidos.     Os  referidos  princípios,  conforme  doutrina  dominante,   são  denominados,  respectivamente,  como   a)   da  força  normativa  e  da  justeza.   b)   do  efeito  integrador  e  da  harmonização.   c)   da  justeza  e  da  unidade.   d)   da  máxima  efetividade  e  da  unidade.   e)   do  efeito  integrador  e  da  forma  normativa.     37.   (2010   SEFAZ-­‐SP   Analista   em   Planejamento,   Orçamento   e   Finanças   Públicas   Prova   1)   As   normas   constitucionais   de   eficácia   contida   são   dotadas   de   aplicabilidade   direta   e   imediata,   mas   não   integral,   porque   sujeitas   a   restrições.   Observa-­‐se   que   tais   restrições  podem  ser  impostas   a)   pelo   legislador   constitucional,   por   outras   normas   constitucionais   e   como   decorrência   do   uso   de   conceitos  ético-­‐jurídicos  consagrados.   b)   pelo  legislador  comum,  pelos  Tribunais  Superiores  e   pelos  Chefes  do  Poder  Executivo.   c)   pela   União   Federal,   pelos   Estados-­‐membros,   pelo   Distrito   Federal   e   pelos   Municípios   com   exclusão   dos  Territórios  Federais.   d)   por   outras   normas   constitucionais,   pelo   Supremo   Tribunal  Federal  e  pelo  órgão  superior  do  Ministério   Público  Federal.   e)   pelo   Conselho   da   República,   pela   União   Federal,   pelos   Estados-­‐membros   e   como   decorrência   de   conceitos  ético-­‐jurídicos  consagrados.    
  17. 17.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     17   38.   (2010   DPE-­‐SP   Defensor   Público)   Utilizando-­‐se   a   classificação   de   José   Afonso   da   Silva   no   tocante   a   eficácia  e  aplicabilidade  das  normas  constitucionais,  a   norma   constitucional   inserida   no   artigo   5º,   XII:   "é   inviolável   o   sigilo   de   correspondência   e   das   comunicações   telegráficas,   de   dados   e   das   comunicações   telefônicas,   salvo,   no   último   caso,   por   ordem   judicial,   nas   hipóteses   e   na   forma   que   a   lei   estabelecer   para   fins   de   investigação   criminal   ou   instrução   processual   penal",   pode   ser   classificada   como  norma   a)   de  eficácia  contida,  isto  é,  de  aplicabilidade  direta,   imediata,   porém   não   integral,   ou   seja,   a   lei   infraconstitucional  poderá  restringir  sua  eficácia  em   determinadas  hipóteses.   b)   com   eficácia   relativa   restringível,   isto   é,   o   sigilo   pode   ser   limitado   em   hipóteses   previstas   em   regramento  infraconstitucional.   c)   de  eficácia  relativa  complementável  ou  dependente   de  complementação  legislativa,  isto  é,  depende  de   lei   complementar   ou   ordinária   para   se   garantir   o   sigilo  das  comunicações.   d)   de   eficácia   plena,   isto   é,   de   aplicabilidade   direta,   imediata  e  integral,  não  havendo  necessidade  de  lei   infraconstitucional   para   resguardar   o   sigilo   das   comunicações.   e)   de   eficácia   limitada,   isto   é,   de   aplicabilidade   indireta,   mediata   e   não   integral,   ou   seja,   o   sigilo   somente   poderá   ser   garantido   após   a   integração   legislativa  infraconstitucional.     39.  (2005  PGE-­‐SE  Procurador  de  Estado)  Considera-­‐se   de  eficácia  limitada  a  norma  constitucional  segundo  a   qual   a)   é   vedada   a   utilização   pelos   partidos   políticos   de   organização  paramilitar  (art.  17,  §  4º).   b)   ninguém   será   obrigado   a   fazer   ou   deixar   de   fazer   alguma  coisa  senão  em  virtude  de  lei  (art.  5º  ,  II).   c)   é   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,   atendidas   as   qualificações   profissionais   que  a  lei  estabelecer  (art.  5º  ,  XIII).   d)   é   direito   dos   trabalhadores   urbanos   e   rurais   a   proteção   em   face   da   automação,   na   forma   da   lei   (art.  7º  ,  XXVII).   e)   a  casa  é  asilo  inviolável  do  indivíduo,  nela  ninguém   podendo  penetrar  sem  consentimento  do  morador,   salvo  nos  casos  previstos  na  Constituição  (art.  5º  ,   XI).     40.   (2006   TRE-­‐SP   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   Tendo   em   vista   a   aplicabilidade   das   normas  constitucionais,  considere  o  que  segue:   I.   É   livre   o   exercício   de   qualquer   trabalho,   ofício   ou   profissão,  atendidas  as  qualificações  profissionais  que   a  lei  estabelecer.   II.  São  Poderes  da  União,  independentes  e  harmônicos   entre  si,  o  Legislativo,  o  Executivo  e  o  Judiciário.     Tais   preceitos   são   considerados,   respectivamente,   de   normas  constitucionais  de   a)   eficácia   redutível   ou   restringível;   e   de   princípio   programático.   b)   eficácia  limitada;  e  de  princípio  programático.   c)   princípio  institutivo;  e  de  eficácia  plena.   d)   eficácia   redutível   ou   restringível;   e   de   eficácia   absoluta.   e)   princípio  contido;  e  de  princípio  institutivo.     41.  (2009  PGE-­‐RJ  Técnico  Superior  de  Procuradoria)  A   norma  do  artigo  218,  caput,  da  Constituição,  segundo  a   qual   "o   Estado   promoverá   e   incentivará   o   desenvolvimento  científico,  a  pesquisa  e  a  capacitação   tecnológicas",  deve  ser  classificada  como     a)   inconstitucional   e   sem   nenhum   efeito,   por   ofensa   ao  princípio  da  livre  iniciativa.   b)   programática,  de  eficácia  limitada.   c)   meramente  indicativa  e  não-­‐vinculante  aos  Poderes   Públicos.   d)   plenamente  eficaz,  porém  restringível  por  meio  de   lei.   e)   de  eficácia  plena  e  aplicabilidade  imediata.    
  18. 18.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     18   42.  (2009  PGE-­‐RJ  Técnico  Superior  de  Procuradoria)  O   conceito  de  normas  materialmente  constitucionais     a)   é   antagônico   ao   de   normas   formalmente   constitucionais.   b)   importa  na  atribuição  de  rigidez  às  normas  que  ver-­‐ sem  sobre  matéria  tipicamente  constitucional.   c)   foi   utilizado   pela   Constituição   do   Império   (1824)   para  flexibilizar  parcialmente  a  Constituição.   d)   apenas   apresenta   alguma   utilidade   nos   Estados   dotados  de  Constituições  inorgânicas  (não  escritas)   e  flexíveis.   e)   é  aquele  segundo  o  qual  são  normas  constitucionais   as   que   estejam   contidas   dentro   do   documento   intitulado  Constituição.     43.  (2002  MPE-­‐PE  Promotor  de  Justiça)  O  constituinte   brasileiro   iniciou   a   redação   da   Constituição   Federal   com  um  Preâmbulo,  cuja  força  obrigatória  é     a)   ausente   e   de   nenhuma   utilidade,   tanto   que,   no   dizer   do   Preâmbulo,   a   Constituição   é   promulgada   "sob   a   proteção   de   Deus"   e   o   Estado   brasileiro   é   laico.   b)   inerente   a   ele   e   a   coercibilidade   é   a   regra   para   todas  as  normas  previstas  em  uma  Constituição.   c)   ausente,   destinando-­‐se   a   indicar   a   intenção   do   constituinte,  mas  deve  ser  levado  em  conta  quando   da  interpretação  nas  normas.   d)   presente,   sendo   a   mesma   de   toda   norma   constitucional,  com  a  observação  de  que  se  trata  de   uma  norma  cogente  de  eficácia  plena.   e)   exacerbada,  visto  que  o  Preâmbulo  é  o  resumo  das   normas  constitucionais,  garantindo,  por  si  só  e  sob   a  proteção  de  Deus,  sua  eficácia  normativa.     44.   (2002   MPE-­‐PE   Promotor   de   Justiça)   Quanto   à   aplicabilidade   das   normas   de   um   novo   texto   constitucional   promulgado,   pode-­‐se   dizer   que   uma   norma  tem  eficácia     a)   contida   quando   o   constituinte   regula   e   contém   integralmente   uma   determinada   matéria,   sem   deixar  margem  à  atuação  restritiva  ou  discricionária   do  Poder  Público.   b)   limitada   em   seus   princípios   programáticos   quando   independem   de   ações   metajurídicas   para   sua   implementação.   c)   limitada   em   seus   princípios   institutivos   quando   estrutura  órgãos  ou  institutos  sem  depender  da  lei   ordinária.   d)   plena  quando  produz  todos  os  seus  efeitos  tão  logo   esteja   em   vigor,   independentemente   de   sua   regulamentação.   e)   relativa   restringível   quando   o   legislador   ordinário   pode  restringi-­‐la  sem  qualquer  limite,  até  mesmo  a   ponto  de  cancelá-­‐la.     45.   (2006   SEFAZ-­‐PB   Auditor   Fiscal   de   Tributos   Estaduais   Prova   1)   O   método   de   interpretação   das   normas   constitucionais   segundo   o   qual   se   procura   identificar   a   finalidade   da   norma,   levando-­‐se   em   consideração  o  seu  fundamento  racional,  é  o  método     a)   literal.   b)   gramatical.   c)   histórico.   d)   sistemático.   e)   teleológico.    
  19. 19.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     19   46.   (2010   TCM-­‐PA   Técnico   de   Controle   Externo)   No   que   diz   respeito   à   interpretação   das   normas   constitucionais,   observa-­‐se,   entre   outros   métodos,   aquele   que   dá   relevância   ao   fato   de   não   haver   identidade   entre   norma   jurídica   e   texto   normativo.   A   norma   constitucional   abrange   um   "pedaço   da   realidade   social";   ela   é   conformada   não   só   pela   atividade   legislativa,   mas   também   pela   jurisdicional   e   pela   administrativa.   Assim,   o   intérprete   deve   identificar   o   conteúdo   da   norma   constitucional   mediante  a  análise  de  sua  concretização  normativa  em   todos   os   níveis.   Esse   método   de   interpretação   denomina-­‐se     a)   normativo-­‐estruturante.   b)   científico-­‐sociológico.   c)   hermenêutico-­‐clássico.   d)   tópico-­‐problemático.   e)   hermenêutico-­‐concretizador.     47.   (2010   TRE-­‐AM   Analista   Judiciário   Área   Judiciária)   Com  relação  aos  princípios  interpretativos  das  normas   constitucionais,  aquele  segundo  o  qual  a  interpretação   deve   ser   realizada   de   maneira   a   evitar   contradições   entre  suas  normas  é  denominado  de     a)   conformidade  funcional.   b)   máxima  efetividade.   c)   unidade  da  constituição.   d)   harmonização.   e)   força  normativa  da  constituição.     48.  (2009  TRT  3ª  Região  (MG)  Analista  Judiciário  Área   Judiciária)   Em   conformidade   com   o   art.   113   da   Constituição  Federal:  A  lei  disporá  sobre  a  constituição,   investidura,   jurisdição,   competência,   garantias   e   condições   de   exercício   dos   órgãos   da   Justiça   do   Trabalho.   A   presente   hipótese   trata   de   uma   norma   constitucional  de  eficácia     a)   limitada,   definidora   de   princípio   institutivo   ou   organizativo.   b)   limitada,  definidora  de  princípios  programáticos.   c)   plena,  mas  de  natureza  facultativa  ou  permissiva.   d)   contida,  em  razão  de  restrições  impostas  por  outras   normas  constitucionais.   e)   plena,   mas   de   natureza   obrigatória,   de   programas   ou  diretrizes.     49.   (2008   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   Sobre   as   técnicas   de   interpretação   constitucional,   conforme   compreendidas   e   aplicadas   pelo   Supremo   Tribunal   Federal,     a)   a  lei  ordinária  não  pode  inverter  a  interpretação  da   Constituição   firmada   pelo   Supremo   Tribunal   Federal,   porque   o   contrário   seria   dizer   que   o   entendimento  da  Corte  estaria  sujeito  ao  referendo   do  legislador,  ou  seja,  que  o  guarda  da  Constituição   só  firmaria  a  correta  compreensão  da  Lei  Suprema   na   medida   da   inteligência   que   lhe   desse   outro   órgão   constituído,   o   legislador   ordinário,   que,   em   verdade,  está  submetido  ao  Tribunal.   b)   não   cabe   ao   Supremo   Tribunal   Federal,   mediante   redução  teleológica  e  sistemática  do  alcance  literal   do   art.   102,   inciso   I,   alínea   "f",   da   Constituição   ("Compete   ao   Supremo   Tribunal   Federal,   precipuamente,  a  guarda  da  Constituição,  cabendo-­‐ lhe   ...   processar   e   julgar,   originariamente   ...   as   causas  e  os  conflitos  entre  a  União  e  os  Estados,  a   União   e   o   Distrito   Federal,   ou   entre   uns   e   outros,   inclusive  as  respectivas  entidades  da  administração   indireta"),   excluir   da   sua   competência   as   causas   entre   autarquias   federais   e   Estados-­‐membros   quando   as   primeiras   tenham   sede   ou   estrutura   regional   de   representação   no   território   estadual   respectivo.   c)   a  presunção  de  constitucionalidade  da  lei  é  elidida   pelo   tão-­‐só   ajuizamento   de   ação   direta   de   inconstitucionalidade,   sem   pedido   de   liminar,   visando  a  retirar  a  sua  eficácia  normativa.   d)   o   argumento   histórico,   na   interpretação   constitucional,   reveste-­‐se   de   caráter   absoluto,   porque  revela  a  vontade  do  legislador  constituinte  e   as   circunstâncias   que   motivaram   a   elaboração   de   determinada   norma   inscrita   na   Constituição,   inclusive   permitindo   ao   intérprete   conhecer   as   razões   que   levaram   o   constituinte   a   acolher   ou   a   rejeitar  as  propostas  que  lhe  foram  submetidas.   e)   o   parágrafo   único   do   artigo   481   do   Código   de   Processo   Civil,   introduzido   pela   Lei   no   9.756,   de   1998  (que  dispensa  a  submissão  ao  plenário,  ou  ao   órgão   especial,   da   argüição   de   inconstitucionalidade,   quando   já   houver   pronunciamento  destes  ou  do  plenário  do  Supremo   Tribunal   Federal   sobre   a   questão),   adotou   orientação  que  não  poderia  decorrer  de  construção   jurisprudencial  do  Supremo,  ainda  que  fundada  na   função   outorgada   à   Corte   de   árbitro   definitivo   da   constitucionalidade  das  leis.    
  20. 20.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     20   50.   (2008   MPE-­‐CE   Promotor   de   Justiça)   As   normas   constitucionais  de     a)   aplicabilidade  imediata  e  de  eficácia  plena  excluem   qualquer  espécie  de  regulamentação  legal.   b)   aplicabilidade   imediata   e   de   eficácia   contida   são   plenamente   eficazes   até   a   superveniência   de   lei   regulamentar.   c)   eficácia   limitada   não   impedem   a   recepção   da   legislação   infraconstitucional   anterior   com   elas   incompatíveis.   d)   eficácia   limitada   não   ensejam   o   ajuizamento   de   ação  direta  de  inconstitucionalidade  por  omissão  ou   a  impetração  de  mandado  de  injunção.   e)   aplicabilidade   imediata   e   de   eficácia   plena   não   podem   ser   condicionadas   por   outras   normas   constitucionais.     51.  (2009  PGE-­‐SP  Procurador)  A  determinação  de  que   "a  lei  não  prejudicará  o  direito  adquirido,  o  ato  jurídico   perfeito   e   a   coisa   julgada",   consubstancia   norma   constitucional  de  eficácia     a)   plena  restringível.   b)   plena   irrestringível   e   não   regulamentável   em   nível   ordinário.   c)   limitada  de  cunho  programático.   d)   limitada  de  cunho  preceptivo.   e)   plena  irrestringível,  porém  regulamentável  em  nível   ordinário.     52.   (2009   PGE-­‐SP   Procurador)   A   distinção   entre   a   norma   jurídica   e   a   sua   mera   expressão   textual   resta   sobremodo  evidenciada     a)   no   controle   incidental   de   constitucionalidade,   em   relação  ao  controle  abstrato-­‐principal.   b)   na  interpretação  de  normas-­‐princípio,  em  relação  à   interpretação  de  normas-­‐regra.   c)   mediante   o   uso   do   elemento   sistêmico   da   interpretação,   comparativamente   à   utilização   dos   demais  elementos  exegéticos.   d)   nas  decisões  de  controle  de  natureza  interpretativa,   comparativamente   às   decisões   simples   de   inconstitucionalidade.   e)   no   controle   de   inconstitucionalidade   tendo   como   parâmetro   a   Constituição   Federal,   em   relação   ao   controle  de  nível  estadual.     53.   (2008   TCE-­‐SP   Auditor   do   Tribunal   de   Contas)   Por   força  da  Emenda  Constitucional  no  52,  de  8  de  março   de  2006,  foi  dada  nova  redação  ao  §  1o  do  artigo  17  da   Constituição   da   República,   estabelecendo-­‐se   inexistir   obrigatoriedade   de   vinculação   entre   as   candidaturas   dos   partidos   políticos   em   âmbito   nacional,   estadual,   distrital  ou  municipal.  Referido  dispositivo  foi  objeto  de   impugnação   por   meio   de   ação   direta   de   inconstitucionalidade,   ao   final   julgada   procedente,   pelo  Supremo  Tribunal  Federal,  para  o  fim  de  declarar   que   a   alteração   promovida   pela   referida   emenda   constitucional   somente   fosse   aplicada   após   decorrido   um  ano  da  data  de  sua  vigência  (ADI  3685-­‐DF,  Rel.  Min.   Ellen  Gracie,  publ.  DJU  de  10  ago.  2006).  Na  hipótese   relatada,  o  Supremo  Tribunal  Federal  procedeu  à     a)   interpretação,   conforme   a   Constituição,   sem   redução  de  texto  normativo.   b)   declaração   parcial   de   inconstitucionalidade,   com   redução  de  texto  normativo.   c)   declaração   total   de   inconstitucionalidade,   com   redução  de  texto  normativo.   d)   interpretação,   conforme   a   Constituição,   com   redução  de  texto  normativo.   e)   declaração   de   situação   de   norma   ainda   constitucional.     54.   (2007   TRE-­‐PB   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   As   normas   de   eficácia   contida   são   caracterizadas  por     a)   não   produzirem   efeito   de   auto-­‐aplicabilidade   e   imperatividade  jurídica.   b)   somente  produzirem  efeito  após  a  edição  de  norma   que  a  complemente.   c)   estarem   condicionadas,   para   a   sua   eficácia,   de   regulamentação  posterior  e  futura.   d)   produzirem   efeito   imediatamente,   muito   embora   possam   ter   tais   efeitos   restringidos   por   normas   infraconstitucionais.   e)   se   inviabilizarem   quanto   a   sua   aplicabilidade,   na   hipótese  da  edição  de  lei  ordinária  posterior.    
  21. 21.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     21   55.   (2006   TRT-­‐24R   Analista   Judiciário   Área   Administrativa)   Prescreve   o   artigo   5o,   XV,   da   Constituição   da   República:   "é   livre   a   locomoção   no   território   nacional   em   tempo   de   paz,   podendo   qualquer   pessoa,   nos   termos   da   lei,   nele   entrar,   permanecer   ou   dele   sair   com   seus   bens".   Estamos   diante  de  uma  norma  constitucional  de  eficácia     a)   limitada,  na  medida  em  que  não  é  auto-­‐aplicável.   b)   plena,   mas   com   possibilidade   de   restrição   através   de  lei.   c)   limitada,  na  medida  em  que  sua  aplicação  depende   de  regulamentação  por  lei.   d)   contida,   com   aplicação   imediata,   mas   com   possibilidade  de  restrição.   e)   plena,   não   comportando   nenhuma   espécie   de   restrição.    
  22. 22.   Direito  Constitucional:  FCC  Série  Legislação  em  Lacunas     22   Poder  Constituinte  e  Reforma  da  Constituição   56.   (2012   TRT   18ª   Região   (GO)   Juiz   do   Trabalho)   A   doutrina  do  poder  constituinte  foi  elaborada  na  obra     a)   O  Espírito  das  Leis,  de  Montesquieu.   b)   O  contrato  social,  de  Jean  Jacques  Rousseau.   c)   Leviatã,  de  Thomas  Hobbes.   d)   O   que   é   o   terceiro   Estado?,   de   Emmanuel   Joseph   Sieyès.   e)   Segundo   Tratado   sobre   o   Governo   Civil,   de   John   Locke.     57.  (2012  DPE-­‐SP  Defensor  Público)  Emmanuel  Joseph   Sieyès  (1748-­‐1836),  um  dos  inspiradores  da  Revolução   Francesa,   foi   autor   de   um   texto   que   teve   grande   repercussão   na   teoria   do   Poder   Constituinte.   O   referido  texto  é:   a)   Que  é  o  terceiro  Estado?   b)   O  poder  do  terceiro  Estado.   c)   Que  pretende  o  terceiro  Estado?   d)   Que  tem  sido  o  terceiro  Estado?   e)   A  importância  do  terceiro  Estado.     58.  (2011  TRE-­‐PE  Analista  Judiciário  Área  Judiciária)  O   Poder  Constituinte  derivado  decorrente  consiste   a)   no  estabelecimento  da  primeira  Constituição  de  um   novo  país.   b)   na  possibilidade  de  alterar-­‐se  o  texto  constitucional   do   país,   respeitando-­‐se   a   regulamentação   especial   prevista  na  própria  Constituição  Federal.   c)   na   possibilidade   dos   Estados   membros   de   se   auto   organizarem   através   de   suas   Constituições   Estaduais  próprias,  respeitando  as  regras  limitativas   da  Constituição  Federal   d)   no  estabelecimento  de  uma  Constituição  posterior   de  um  velho  país.   e)   no   fato   de   não   estar   sujeito   a   qualquer   forma   prefixada  para  manifestar  a  sua  vontade.     59.   (2008   TCE-­‐AL   Procurador)   A   Constituição   da   República  veda  que  matéria  constante  de  proposta  de   emenda   constitucional   rejeitada   ou   havida   por   prejudicada   seja   objeto   de   nova   proposta   na   mesma   sessão   legislativa.   Considerando   a   classificação   doutrinária   das   limitações   ao   poder   constituinte   reformador,  esta  vedação  constitucional  caracteriza-­‐se   como  limitação  de  ordem     a)   material.   b)   formal.   c)   circunstancial.   d)   implícita.   e)   relativa.     60.  (2010  MPE-­‐SE  Analista  Direito)  O  processo  formal   de   mudança   das   Constituições   rígidas,   por   meio   da   atuação   do   poder   constituinte   derivado,   com   a   aprovação   de   emendas   constitucionais,   segundo   os   procedimentos   estabelecidos   na   própria   Constituição   pelo  legislador  constituinte  originário,  é  próprio     a)   da   revisão   constitucional   e   da   mutação   constitucional.   b)   da   mutação   constitucional   e   da   reforma   constitucional.   c)   da   reforma   constitucional   e   da   revisão   constitucional.   d)   da  mutação  constitucional  e  do  poder  constituinte   derivado  decorrente.   e)   do   poder   constituinte   derivado   reformador   e   da   mutação  constitucional.    

×