Profissão: Professor bibliotecário - síntese escrita da apresentação de 27 de Julho

1,210 views

Published on

Análise dos documentos: School Librarian Job Description - CILIP UK 2009 e Portaria 756/2009

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,210
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Profissão: Professor bibliotecário - síntese escrita da apresentação de 27 de Julho

  1. 1. Profissão Professor Bibliotecário Análise comparativa dos documentos: o School Librarians Job Description - CILIP UK 2009 (CILIP - Chartered Institute of Library and Information Professionals ) o RBE 2010 – Designação de professores bibliotecários Portaria nº 756/2009, de 14 de Julho Despacho nº 11120-B/2010, de 6 de Julho Portaria nº 558/2010, de 22 de Julho Curso de Mestrado em Bibliotecas Escolares e Literacias do Século XXI Disciplina Professor Bibliotecário: desenvolvimento de novas competências Docente Mestre Maria José Vitorino Mestranda Sandra Isabel Fialho Nunes Lisboa, 28 de Julho de 2010
  2. 2. Introdução O documento School Librarians Job Description (CILIP1 UK 2009) é um guia orientador e muito concreto que explica quais as funções de um bibliotecário escolar e quais os requisitos necessários para se aceder à profissão no Reino Unido. Ao analisar o documento apercebi-me das semelhanças, e também de algumas diferenças, relativamente ao documento que regulamenta as funções, concurso e designação dos professores bibliotecários em Portugal, a Portaria nº 756/2009, de 14 de Julho. Resolvi, então, estabelecer um paralelo entre os dois documentos com a curiosidade de descobrir em que aspectos seriam estes documentos próximos e em que pontos se afastariam. Análise comparativa O primeiro aspecto a considerar foi o título do cargo: em Portugal, Professor Bibliotecário; no Reino Unido, Bibliotecário Escolar. Se o título diverge, as funções, - segundo aspecto a considerar - na sua maioria, convergem, e foi possível estabelecer uma comparação entre as funções atribuídas em cada um dos casos. Apesar de nem sempre serem totalmente coincidentes, da análise resultou o quadro seguinte, sendo a coluna da direita baseada no artigo 3º da já referida Portaria 756/2009: 1 O CILIP, Chartered Institute of Library and Information Professionals, é um instituto que resultou da união do Institute of Information Scientists (Instituto dos Cientistas da Informação) e da Library Association (Associação de Bibliotecas). Este Instituto certifica competências para acesso à profissão de Bibliotecário Escolar.
  3. 3. Reino Unido Portugal Colaborar com os vários níveis de Assegurar serviço de biblioteca para todos escolaridade, favorecendo a transição entre os alunos do agrupamento eles; Apoiar o aluno em todos os aspectos do seu desenvolvimento Aconselhar sobre recursos de aprendizagem Promover a articulação das actividades da para apoio ao currículo de acordo com as BE com os objectivos do PE, PCA e PCT metas definidas pela escola Fomentar a consciência profissional de quem Assegurar a gestão dos recursos humanos trabalha na biblioteca para que se mantenham afectos à biblioteca actualizados, apostando na formação Gerir e promover uma vasta gama de recursos Garantir a organização do espaço e tradicionais e electrónicos assegurar a gestão funcional e pedagógica dos recursos materiais afectos à biblioteca Criar contextos físicos e virtuais favoráveis à Definir e operacionalizar uma política de aprendizagem curricular ou por iniciativa gestão dos recursos de informação, própria promovendo a sua integração nas práticas de professores e alunos Promover o desenvolvimento de técnicas de Apoiar as actividades curriculares e leitura e literacia para recolha de informação e favorecer o desenvolvimento dos hábitos e criar um ambiente que encoraje em toda a competências de leitura, da literacia da escola a leitura por prazer informação e das competências digitais, trabalhando colaborativamente com todas as estruturas do agrupamento Envolver a Biblioteca em projectos de ligação Apoiar actividades livres, extracurriculares e casa-escola , integrando a família no percurso de enriquecimento curricular incluídas no de aprendizagem do aluno PAA ou PEA Trabalhar com outras entidades para Estabelecer redes de trabalho cooperativo, desenvolver estratégias de literacia da desenvolvendo projectos de parceria com informação integradas na formação entidades locais profissional Monitorizar a eficácia do contributo do centro Implementar processos de avaliação dos de recursos para a docência e para a serviços e elaborar um relatório anual de aprendizagem auto-avaliação a remeter ao Gabinete Coordenador da Rede de Bibliotecas Escolares (GRBE) Participar na escola – intervir através da Representar a biblioteca escolar no presença regular em reuniões com órgãos de conselho pedagógico, nos termos do gestão (senior staff) regulamento interno.
  4. 4. De facto, verifica-se que as funções são semelhantes. Destaca-se, no entanto, a função que o Bibliotecário Escolar, no Reino Unido, tem no que diz respeito ao contacto com a família. O papel dos familiares e a sua envolvência na aprendizagem dos alunos é mais relevante neste país, no que às funções do bibliotecário escolar dizem respeito, pois este deve investir e promover projectos que envolvam a família. A aposta, em Portugal, é na ocupação do tempo dos alunos quando estes não estão em actividades lectivas, não havendo referência directa às famílias. Considerei, ainda, um terceiro aspecto: os requisitos necessários para aceder à carreira. Também aqui existe alguma similitude, embora no Reino Unido as exigências sejam de um grau mais elevado. No Reino Unido, de acordo com este documento do CILIP, é exigida qualificação profissional em biblioteconomia, ciência da informação e gestão da informação. Para além desta formação específica, é igualmente exigida a certificação deste instituto em como está preparado para exercer o cargo ao qual se candidata. Apesar de neste documento não haver referência à experiência docente como factor que influencie na selecção de um candidato, no sítio electrónico do CILIP referem a importância de ter experiência profissional na educação, como deveras relevante para o exercício do cargo de bibliotecário escolar. A experiência de trabalho é igualmente valorizada, sugerindo-se que, enquanto se frequenta o curso de formação/especialização nas áreas exigidas, o candidato, mesmo como voluntário, trabalhe num centro de informação. Em Portugal, a primeira condição para alguém poder candidatar-se ao cargo de professor bibliotecário é ser professor de carreira. Para além de formação na área das bibliotecas escolares e de TIC e de alguma experiência de trabalho em bibliotecas escolares como coordenador ou membro da equipa, está implícito que o candidato terá algumas competências inerentes à profissão
  5. 5. de professor. Assim, não estão descriminadas, como no documento do CLIP, outras competências de que, no Reino Unido, terá igualmente de fazer prova e que se podem verificar na tabela seguinte: Reino Unido Portugal Conhecimento do currículo actual Professor que pertença ao quadro do (não tem de ser professor, mas a agrupamento ou escola não agrupada experiência docente é valorizada) Qualificação profissional em 4 pontos de formação académica ou biblioteconomia, gestão de contínua na área das bibliotecas informação e ciência da informação escolares (certificada pelo CILIP) 50 horas de formação académica ou Conhecimento, compreensão e contínua na área de TIC ou certificação competência em TIC de competências digitais Mínimo 2 anos de experiência num Experiência profissional na área das centro de informação bibliotecas escolares Gestão de informação em diferentes Interesse em desempenhar suportes as funções de professor Competências de comunicação bibliotecário Iniciativas no âmbito do desenvolvimento da leitura Ensino da literacia de informação Gestão de orçamentos Gestão de comportamentos Comprometimento a nível da salvaguarda e promoção do bem-estar das crianças e jovens
  6. 6. Notas finais Conclui-se que estes documentos têm matrizes diferentes, sendo que a portaria é um documento mais mecânico, específico no que ao numero de pontos ou horas de formação são exigidas, e o documento do CILIP um guia orientador para aceder à profissão de bibliotecário escolar; são também produzidos por entidades de natureza diferente, a portaria é um documental legal com origem governamental, o documento do CILIP é institucional; partem os dois de pressupostos diferentes, em Portugal é necessário ser professor de carreira, no Reino Unido não á referência à falta de experiência docente como factor que iniba uma candidatura ao cargo de bibliotecário escolar. Estando estes documentos tão próximos, seria muito proveitoso para as nossas bibliotecas que os professores bibliotecários se aproximassem do que é desejável, que cumprissem as funções que estão expressas nestes documentos e que investissem na sua formação para que os requisitos exigidos fossem respeitados, requisitos que são de facto necessários para o exercício da profissão: Professor Bibliotecário. Lisboa, 28 de Julho de 2010 Sandra Isabel Fialho Nunes
  7. 7. Referências bibliográficas  Portaria nº 756/2009. “D.R., I Série”. 134 (2009-07-14) 4488-4491  Portaria nº 558/2010. “D.R., I Série”. 141 (2010-07-22) 2796  Despacho nº11120-B/2010 “D.R., II Série”. 129 (2010-07-06) 36724-(3)- 36724-(8)  Job description – School librarian. [em linha]. [consult. 2010/07/22] Disponível em WWW:URL: http://www.cilip.org.uk Sites consultados www.cilip.org.uk www.rbe.min-edu.pt

×