Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Minicurso Avaliacao de Interfaces

3,529 views

Published on

Interface Evaluation Workshop. Presenters: Sofia Ferres and Renato Costa.
Several usability methods were approached, to identify and apply best practices in interaction design.

Faber Ludens Institute for Interaction Design, Curitiba, Brazil. April/2009.

Published in: Design, Travel, Technology
  • Be the first to comment

Minicurso Avaliacao de Interfaces

  1. 1. Avalia ção de Interfaces Parte 1 <ul><li>Minicurso </li></ul><ul><li>Instituto Faber-Ludens de Design de Interação </li></ul><ul><li>Faculdades Internacionais San-Martin </li></ul>
  2. 2. Programação <ul><li>Manhã </li></ul><ul><li>Recomendações de usabilidade, listas de verificação, avaliação de especialista, avaliação heurística. </li></ul><ul><li>Tarde </li></ul><ul><li>Fundamentos de psicologia cognitiva, percurso cognitivo, técnicas de &quot;guerrilha&quot;, avaliação de benchmark. </li></ul>
  3. 3. Classificação dos métodos <ul><li>Formativos ou somativos, </li></ul><ul><li>Qualitativos ou quantitativos, </li></ul><ul><li>Empíricos ou analíticos. </li></ul>
  4. 4. Métodos analíticos Tipos de análise <ul><li>Preditiva, </li></ul><ul><li>Interpretativa, </li></ul><ul><li>Experimental. </li></ul>
  5. 5. Métodos analíticos Vantagens <ul><li>Não envolvem usuários, </li></ul><ul><li>Preservam a confidencialidade, </li></ul><ul><li>Possuem rapidez de avaliação, </li></ul><ul><li>Reduzem custos de execução: também conhecidos como avaliação econômica. </li></ul>
  6. 6. Etapas para an álise <ul><ul><li>Análise contextual </li></ul></ul><ul><ul><li>Reconhecer o sistema / Conhecer o contexto de uso da interface ( tarefa, usuário, ambiente) </li></ul></ul><ul><ul><li>Obter indícios de problemas ( Contatar projetistas e usuários) </li></ul></ul><ul><ul><li>Avaliação </li></ul></ul><ul><ul><li>Definir prioridades para critérios de avaliação ( Contatar o cliente) </li></ul></ul><ul><ul><li>Realizar uma varredura crítica do sistema </li></ul></ul>
  7. 7. Recomenda ções de Usabilidade <ul><li>São conjuntos de orientações baseados em teorias, experiência e senso comum. </li></ul><ul><li>Têm o objetivo de auxiliar profissionais a explicar e pensar sobre aspectos de usabilidade dos seus projetos. </li></ul>
  8. 8. Recomenda ções de Usabilidade Classificação <ul><li>As recomendações podem ser de alto ou baixo nível de orientação, variando entre esse dois extremos. </li></ul>Alto nível Baixo nível
  9. 9. Recomenda ções de Usabilidade Alto nível <ul><li>Características </li></ul><ul><li>Abordam aspectos mais fundamentais, gerais </li></ul><ul><li>São amplamente aplicáveis e mais duradouras </li></ul><ul><li>Problema </li></ul><ul><li>Esclarecimento é importante para interpretação correta da orientação </li></ul>
  10. 10. Recomenda ções de Usabilidade de Alto Nível Exercício Rápido <ul><li>Esclareçam o significado da seguinte orientação : Controle do usuário </li></ul>Projetar produtos de modo que o nível de controle do usuário sobre as ações realizadas pelo produto e a adequação do seu estado inicial ao usuário sejam maximizadas.
  11. 11. Recomenda ções de Usabilidade de Alto Nível Exemplo <ul><li>Oito regras de ouro de Ben Shneiderman: </li></ul><ul><li>Perseguir a consistência, </li></ul><ul><li>Fornecer atalhos, </li></ul><ul><li>Fornecer feedback informativo, </li></ul><ul><li>Marcar o final dos diálogos, </li></ul><ul><li>Fornecer prevenção e manipulação simples de erros, </li></ul><ul><li>Permitir o cancelamento das ações, </li></ul><ul><li>Fornecer controle e iniciativa ao usuário, </li></ul><ul><li>Reduzir a carga de memória de trabalho. </li></ul>
  12. 12. Recomenda ções de Usabilidade Baixo nível <ul><li>Características </li></ul><ul><li>Melhores práticas, baseadas na experiência </li></ul><ul><li>São aplicadas por projeto ou empresa </li></ul><ul><li>Ajudam a criar linguagem comum: terminologia, aparência, interação etc. </li></ul>
  13. 13. Recomenda ções de Usabilidade Baixo nível <ul><li>Problemas </li></ul><ul><li>Muito específicas e incompletas </li></ul><ul><li>Autores encapsulam experiência </li></ul><ul><li>Podem estar incorretas </li></ul>
  14. 14. Recomenda ções de Usabilidade de Baixo Nível Exemplo <ul><li>Critério Presteza da Ergolist </li></ul><ul><li>Os títulos de telas, janelas e caixas de diálogo devem estar no alto, ou centrados ou alinhados e à esquerda. </li></ul><ul><li>Mas nas mesmas recomendações encontramos: </li></ul><ul><li>Critério Flexibilidade da Ergolist </li></ul><ul><li>O usuário deve ter a possibilidade de personalizar o sistema, em função de crescente compreensão que tem dele. </li></ul>
  15. 15. Recomenda ções de Usabilidade Terminologia <ul><li>Alguns termos usados pelos autores da área são: princípios, regras, heurísticas, diretrizes, critérios, padrões, metas, conceitos, entre outros. </li></ul>Autores Alto nível Baixo nível Preece et al Metas e princípios Princípios e regras Shneiderman et al Princípios Diretrizes Baecker et al Princípios e regras Diretrizes
  16. 16. Recomenda ções de Usabilidade Exercício <ul><li>Escolham 4 conjuntos de recomendações e posicionem na escala, </li></ul><ul><li>Tempo 15 minutos. </li></ul>
  17. 17. Listas de Verifica ção <ul><li>São listas com diretrizes que garantem a usabilidade de um produto. </li></ul>
  18. 18. Listas de Verifica ção Como fazer <ul><li>Recrutar avaliadores, </li></ul><ul><li>Criar lista, </li></ul><ul><li>Reunir avaliadores, </li></ul><ul><li>Executar avaliação, </li></ul><ul><li>Redigir e apresentar relatório. </li></ul>
  19. 19. Listas de Verifica ção Exemplos <ul><li>Ergolist do LabUtil http://www.labiutil.inf.ufsc.br/ergolist/check.htm </li></ul><ul><li>Checklist da Xerox Corporation http://www.stcsig.org/usability/topics/articles/he-checklist.html </li></ul>
  20. 20. Listas de Verifica ção Vantagens <ul><li>Não envolvem necessariamente especialistas, </li></ul><ul><li>Reduzem a subjetividade, </li></ul><ul><li>Podem levar direto a soluções, </li></ul><ul><li>Podem ser usadas no levantamento de requisitos. </li></ul>
  21. 21. Listas de Verifica ção Desvantagens <ul><li>Dependem da competência do criador da lista, </li></ul><ul><li>Dependem da interpretação do avaliador, </li></ul><ul><li>Depende do ambiente da avaliação, </li></ul><ul><li>Dificuldade de priorizar os problemas. </li></ul>
  22. 22. Listas de Verifica ção Exercício <ul><li>Avaliar website da sua empresa com base em um dos critérios da Ergolist, </li></ul><ul><li>Tempo 20 minutos. </li></ul>
  23. 23. Avalia ção de Especialista <ul><li>É um julgamento fundamentado sobre aspectos de usabilidade de produtos feito por especialista com estudo e prática no assunto. </li></ul>
  24. 24. Avalia ção de Especialista Como fazer <ul><li>Recrutar especialistas, </li></ul><ul><li>Reunir especialistas, </li></ul><ul><li>Executar avaliação, </li></ul><ul><li>Redigir relatório. </li></ul>
  25. 25. Avalia ção de Especialista Relatório <ul><li>Exemplo de formatação </li></ul>
  26. 26. Avalia ção de Especialista Prós e contras <ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>Melhor rela ção custo x benefício. </li></ul><ul><li>Desvantagens </li></ul><ul><li>Dependem da competência do avaliador, </li></ul><ul><li>Incerteza sobre veracidade da previsão. </li></ul>
  27. 27. Avalia ção Heurística <ul><li>Tipo de avaliação de especialista, na qual os avaliadores baseiam-se em princípios de usabilidade próprios ou desenvolvidos por outros especialistas. </li></ul>
  28. 28. Avalia ção Heurística Como fazer <ul><li>Recrutar avaliadores, </li></ul>
  29. 29. Avalia ção Heurística Como fazer (continuação) <ul><li>Reunir avaliadores para passar: </li></ul><ul><li>Visão do projeto, </li></ul><ul><li>Contexto de uso, </li></ul><ul><li>Priorização de heurísticas e abordagens. </li></ul>
  30. 30. Avalia ção Heurística Como fazer (continuação) <ul><li>Executar avaliação, </li></ul><ul><li>Especialistas trabalham em paralelo, </li></ul><ul><li>Anotações ou registro das verbalizações, </li></ul><ul><li>Modelo de descrição de problema. </li></ul>
  31. 31. Avalia ção Heurística Como fazer (continuação) <ul><li>Redigir relatório. </li></ul><ul><li>Classificar por severidade: freqüência, impacto e persistência </li></ul>
  32. 32. Avalia ção Heurística Abordagens <ul><li>Por tarefa realizadas pelo usuário, </li></ul><ul><li>Pela estrutura do menu, </li></ul><ul><li>Pelos níveis de abstração, </li></ul><ul><li>Pelos elementos da interface, </li></ul><ul><li>Pelas qualidades esperadas. </li></ul>
  33. 33. Avalia ção Heurística Vantagens <ul><li>Encontra mais problemas de usabilidade, </li></ul><ul><li>Maior gravidade dos problemas encontrados. </li></ul>
  34. 34. Avalia ção Heurística Desvantagens <ul><li>Depende das heurísticas escolhidas, </li></ul><ul><li>Depende da competência dos especialistas, </li></ul><ul><li>Pode encontrar problemas equivocados, </li></ul><ul><li>Pode propor soluções superficiais. </li></ul>
  35. 35. Avalia ção Heurística Exercício <ul><li>Avaliar website da sua empresa com base nas 10 heurísticas de Nielsen, </li></ul><ul><li>Tempo 40 minutos. </li></ul>
  36. 36. Avalia ção de Interfaces Parte 2 <ul><li>Minicurso </li></ul><ul><li>Instituto Faber-Ludens de Design de Interação </li></ul><ul><li>Faculdades Internacionais San-Martin </li></ul>… continuação
  37. 37. Introdu ção à Psicologia Cognitiva <ul><li>Estudo de como as pessoas percebem , aprendem , estruturam , armazenam e usam o conhecimento. </li></ul><ul><li>Cognitivismo defende que grande parte do comportamento humano pode ser entendida em termos de como as pessoas pensam. </li></ul>
  38. 38. Introdu ção à Psicologia Cognitiva <ul><li>O sistema nervoso é a base da capacidade de percepção , adaptação e interação com o mundo. </li></ul><ul><li>Por meio desse sistema recebemos , processamos e depois respondemos às informações. </li></ul><ul><li>O córtex cerebral nos possibilita pensar. É dividido entre direito e esquerdo . </li></ul>
  39. 39. Psicologia Cognitiva Memória <ul><li>É o meio pelo qual mantemos e acessamos nossas experiências passadas para usar a informação no presente. </li></ul><ul><li>Existem 3 operações comuns de memória: codificação , armazenagem e recuperação . </li></ul><ul><li>Capacidade de Recordação < Reconhecimento </li></ul>
  40. 41. Psicologia Cognitiva Memória <ul><li>Existe uma distinção entre memória explícita e implícita. </li></ul><ul><li>Explícita: recordar ou reconhecer palavras, fatos, imagens de um determinado conjunto de itens. </li></ul><ul><li>Implícita: recordamos algo, mas não temos consciência de que estamos tentando fazê-lo. </li></ul>
  41. 42. Psicologia Cognitiva Busca cognitiva <ul><li>Varredura do ambiente para procurar características específicas – procurar ativamente alguma coisa quando não se tem certeza onde ela está. </li></ul><ul><li>Alarmes falsos podem interferir na busca, assim como fatores de distração . </li></ul><ul><li>O número de alvos e fatores de distração afeta a dificuldade de realização da tarefa . </li></ul>
  42. 43. Psicologia Cognitiva Busca cognitiva
  43. 44. Psicologia Cognitiva A atenção cognitiva Sensações + Memórias + Processos de pensamento ATENÇÃO (processos controlados + processos automáticos) Ações
  44. 45. www.abril.com.br
  45. 46. Percurso Cognitivo <ul><li>É uma forma de avaliação de especialista, mas não se baseia só em princípios de design e usabilidade </li></ul><ul><li>É uma forma de avaliação do ponto de vista do usuário </li></ul><ul><li>A análise é feita através da execução das tarefas propostas na interface </li></ul>
  46. 47. Percurso Cognitivo Como fazer <ul><li>Procedimento para a avaliação: </li></ul><ul><li>Sobre uma proposta de design, os avaliadores simulam a execução da tarefa, efetuando uma série de perguntas sobre cada passo: </li></ul><ul><li>O que o usuário precisa saber antes de realizar a tarefa? </li></ul><ul><li>O que o usuário deve aprender ao realizar a tarefa ? </li></ul>
  47. 48. Percurso Cognitivo Vantagens <ul><li>Não requer participantes </li></ul><ul><li>Rápido para diagnosticar erros e prescrever melhorias </li></ul><ul><li>N ão há análise de dados </li></ul>
  48. 49. Percurso Cognitivo Desvantagens <ul><li>Recai sobre o especialista o julgamento sobre a interface </li></ul><ul><li>Ele deve ter ótimos conhecimentos sobre fatores humanos e habilidades cognitivas. </li></ul>
  49. 50. Percurso Cognitivo Atividade
  50. 51. Técnica de Guerrilha <ul><li>Avaliações de usabilidade informais, em razão a tempo e dinheiro </li></ul>
  51. 52. Técnica de Guerrilha Como fazer <ul><li>É comum utilizar táticas de guerrilha para tentar estabelecer a usabilidade num ambiente hostil: </li></ul><ul><li>Alertar para a importância da abordagem de design centrado no usuário; </li></ul><ul><li>Lutar pelo orçamento de forma a alocar profissionais ao &quot;projeto usabilidade“; </li></ul><ul><li>Institucionalizar a usabilidade na empresa. </li></ul>
  52. 53. Técnica de Guerrilha Como fazer Custo em usabilidade [estimativa de Mantei&Teorey] +-$130,000 Uso de protótipos em papel - $2,160 Testes de usabilidade com 3 participantes, não 5 - $11,520 Estudos “thinking aloud” + notas pessoais ao invés de softw. - $5,520 Sem necessidade de sala de observação - $17,600 Apenas 2 focus groups ao invés de 3 pesquisas de mercado - $2,000 Apenas1 focus group ao invés de 3 análises de espec. - $4,000 Especialista de usabilidade para avaliação heurística + $3,000 (…) Custo da técnica de redução: $65,330
  53. 54. Técnica de Guerrilha Como avançar <ul><li>Colaborar nos grupos de pesquisa e de CRM </li></ul><ul><li>Contatar call center </li></ul><ul><li>[ou seja] Armar-se de dados e provas </li></ul><ul><li>[para] Desenvolver uma forte argumentação de negócio </li></ul>
  54. 55. Técnica de Guerrilha Prós e contras <ul><li>Vantagens </li></ul><ul><li>Melhor rela ção custo x benefício. </li></ul><ul><li>Desvantagens </li></ul><ul><li>Incerteza sobre o comprometimento da avaliação; </li></ul><ul><li>Representa apenas um primeiro passo para política de usabilidade na empresa. </li></ul>
  55. 56. Benchmarking <ul><li>Comparar os produtos em desenvolvimento com produtos já existentes no mercado (seu desempenho), e identificar oportunidades de melhoria. </li></ul>
  56. 57. Benchmarking
  57. 58. Benchmarking Como fazer <ul><li>Identificar as empresas </li></ul><ul><li>Coletar dados </li></ul><ul><li>Determinar os marcos de referência </li></ul><ul><li>Verificar o gap de desempenho entre marcas </li></ul><ul><li>Estabelecer metas funcionais </li></ul><ul><li>Implementar ações específicas </li></ul><ul><li>Recalibrar marcos de referência </li></ul>
  58. 59. Benchmarking Como fazer (continuação) <ul><li>Recorrer a boas práticas da área </li></ul><ul><li>Pesquisa sobre empresas concorrentes / líderes </li></ul><ul><li>Pesquisar dados específicos do produto </li></ul>
  59. 60. Benchmarking Como fazer (continuação) recorrer a boas práticas da área. www.smashingmagazine.com / www.sitepoint.com / www.welie.com / //interactions.acm.org / //thinkvitamin.com / www.interaction-design.org / www.thinkflowinteractive.com / Livros sobre usabilidade e design pesquisa sobre empresas concorrentes / líderes. Associações representativas / Estudos “opensource” (ex. FISTERA) / Pesquisa adquiridas ($)
  60. 61. Benchmarking Atividade
  61. 62. Benchmarking Atividade
  62. 63. www.faberludens.com.br

×