O Bandeirante - n.229 - Dezembro de 2011

303 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
303
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante - n.229 - Dezembro de 2011

  1. 1. Jornal O Bandeirante Ano XX - no 229 - dezembro de 2011 Publicação Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo - SOBRAMES-SP Anjos da esperançaJosyanne Rita de Arruda FrancoMédica PediatraPresidente da Sobrames SP / Biênio 2011-2012 Finda outro período de dias, com o viço que foi adormecendo compartilhamento, ajuda mútuahoras e minutos que se sucederam durante todo o ano, oportunidade e respeito, deverão caber outraem meses até o fechamento do de resgatar os laços fraternos, de vez nos projetos de futuro, en-atual ciclo. Fim de ano... Não será tentar ser mais justo e humano. contrando guarida nos coraçõesapenas o término do calendário No bercinho humilde que é e entre os presentes de Natal.em curso, sempre é o fim de uma manjedoura, o olhar do Menino Brindamos com quem amamos,era. O que levaremos para o fu- Deus para a santa mãe é promes- saudando a vida que nos mo-turo que nascerá no dia seguinte sa de redenção e caridade. Embe- vimenta e a esperança que noscom o sol? Um novo ano de pla- vecidos, olhamos a cena que mu- sustenta. Conosco estão nossosnos, metas, objetivos e desafios. dou a história do mundo. Estrelas amores, nossos sorrisos e nossas Desafiaremos continuar viven- enfeitavam o céu daquela noite lágrimas. Somos todos anjos dado apesar da tristeza e das frus- de bênçãos divinas, mas uma se esperança, elos de reconciliaçãotrações. Continuaremos a buscar destacou apontando o caminho e união que permanecerão juntoso sorriso que enfeita as faces de da natividade, guiou os magos, em resistente corrente, mesmoquem nos olha extasiado pelo arrebatando pastores e seus ani- que o tempo passe, ainda que acarinho apaziguador do bem- mais até o cenário pobre e ilumi- presença física se torne ausênciaquerer. Permaneceremos fiéis à nado. Comovido, ciente de sua irremediável.receita cotidiana que nos molda humanidade na cena anunciada Foi assim que se sucedeu come faz seguir sem romper os pa- por legião de anjos, um pai olha aquela inesquecível e rememora-drões para tentar o novo – e por em silêncio respeitoso a jovem da noite feliz! Aconteceu há mi-isso mesmo os queixumes e res- esposa e seu filhinho; ao lado de lhares de anos, mas continuamosmungos poderão ser recorrentes, sua Sagrada Família, será o guar- festejando a humilde santidadeconhecidos e sem novidades – ou dião da realeza divina. da família sem riquezas que ensi-viraremos a mesa para tentar Milhares de anos se passaram nou ao mundo o quanto o amorproposta alternativa de conforto desde aquela noite. A família de é capaz de transformar a vida e oe serenidade, sem apelar para as Jesus é o destaque do mês de destino de cada um.místicas fórmulas de felicidade e dezembro e a promessa do ano Que o Natal renove os votosrealizações? Enxergaremos ver- vindouro; envolve, em laços de de união e solidariedade para to-dadeiramente nossas vidas? ternura e harmonia, cada cora- das as famílias do mundo! Natal e Ano Novo são a alegria ção sensível, cada emoção palpá- Que o Ano Novo fortaleça osdo calendário! Dezembro celebra vel. Ressalta e relembra todos os vínculos de perseverança, traba-o Dia da Família e o da Justiça no mortais do papel fundamental da lho e coerência capazes de fazermesmo dia oito. Um tempo de família na condução do futuro de do planeta um lugar melhor!querer felicidade, momento de seus membros. Boas Festas! Feliz Natal! Felizdesejar de novo, de fazer contato Apoio, amizade, consideração, 2012!
  2. 2. 2 O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 EXPEDIENTE Que posso escrever nesta conversa de dezembro?Jornal O Bandeirante Que Natal é o mês de Paz, que todas as pessoas devemANO XX - no 229 - Dezembro 2011 se confraternizar e perdoar mágoas e ressentimentos?Publicação mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Que é uma época para renovarmos nossas amizades,Escritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP. nosso amor pelo próximo, de lembrar-se do irmãoSede: Rua Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros -São Paulo - SP Telefax: (11) 3062-9887 / 3062-3604 Editores: com frio e fome sentado em qualquer calçada imundaJosyanne Rita de Arruda Franco e Carlos Augusto FerreiraGalvão. Jornalista Responsável e Revisora: Ligia Terezinha da cidade?Pezzuto (MTb 17.671-SP). Redação e Correspondência: RuaFrancisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP13201-100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.comTels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 9937-6342. Colaboradores Muita calma, faremos isso como bons burgueses emdesta edição: Aída Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini, Alcione todo o mês de dezembro. Vamos chamá-lo de mês doAlcântara Gonçalves, Carlos Roberto Ferriani, Flerts Nebó,Helio Begliomini, Hildette Rangel Enger, José Jucovsky, Perdão Universal. Silenciaremos nossa metralhadoraJosyanne Rita de Arruda Franco, Márcia Etelli Coelho.Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de bucal para os maus motoristas, para os maus políticos,1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. para os amigos que sempre fazemos questão de denegrir por nossa exclusivaDiretoria - Gestão 2011/2012 - Presidente: Josyanne Ritade Arruda Franco. Vice-Presidente: Luiz Jorge Ferreira. vocação.Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo-Secretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro-Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro: Aida Mas alegrem-se: já vai chegar janeiro do próximo ano e poderemos, comoLúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal Efetivos:Hélio Begliomini, Carlos Augusto Ferreira Galvão e Roberto todos os outros sete bilhões de habitantes deste planeta, dar um basta em tudoAntonio Aniche. Conselho Fiscal Suplentes: Alcione AlcântaraGonçalves, Flerts Nebó e Manlio Mário Marco Napoli. isto. Ufa! Acabou o Natal e estaremos voltando à normalidade civilizada: que Matérias assinadas são de responsabilidade de seus se dane o outro motorista. Amigos? Nunca mais! Vizinho com frio e fome, autores e não representam, necessariamente, a opinião da Sobrames-SP quem mandou não trabalhar? Disparo a minha arma mais mortal e certeira: a palavra falada, que se perde ao vento logo depois de atingir seu objetivo. Editores de O BandeiranteFlerts Nebó – novembro a dezembro de 1992 Viva a hipocrisia! Quando será que a humanidade vai evoluir a ponto deFlerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1993-1994Carlos Luiz Campana e Hélio Celso Ferraz Najar – 1995-1996 não precisar de Natais, Semanas Santas, Dias disso ou daquilo para realmen-Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1996-2000Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun – 2001 a abril de 2009 te se melhorar, obedecendo a primeira e mais justa lei criada: amar uns aosHelio Begliomini – maio a dezembro de 2009Roberto A. Aniche e Carlos A. F. Galvão - 2010 outros?Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão - janeiro 2011 Feliz Natal... por enquanto... Presidentes da Sobrames – SP Roberto Antonio Aniche1º. Flerts Nebó (1988-1990)2º. Flerts Nebó (1990-1992)3º. Helio Begliomini (1992-1994)4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996)5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998)6º. Walter Whitton Harris (1999-2000)7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002)8º. Luiz Giovani (2003-2004)9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005)10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006)11º. Helio Begliomini (2007-2008)12º. Helio Begliomini (2009-2010)13º. Josyanne Rita de Arruda Franco (2011-2012) Editores: Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Diagramação: Mateus Marins Cardoso Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica CUPOM DE ASSINATURAS* Preço de 12 exemplares impressos: R$ 36,00 Nome:___________________________________________________________ End.completo: (Rua/Av./etc.) _______________________________________ Aniversário ________________________________ nº. _______ complemento _________ dezembro: nesta data querida, nossos parabéns! Cidade:_____________ Estado:_____ E-mail:___________________________ Evanir da Silva Carvalho – 20/12 Grátis: Além da edição impressa que será enviada por correio, o assinante receberá por e-mail 12 edições coloridas em arquivo digital (PDF) Geovah Paulo da Cruz – 02/12/11 *Disponível para o público em geral e para não sócios da SOBRAMES-SP Helmut Adolf Mataré – 24/12 Preencha este cupom, recorte e envie juntamente com cheque nominal à SOBRAMES-SP para REDAÇÃO “O Bandeirante” R. Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A - V. Municipal - CEP 13201-100 - Jundiaí - SP Manlio Mario Marco Napoli – 10/12 Dê uma assinatura de “O BANDEIRANTE” de presente para um colega
  3. 3. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 3 Maravilhoso marFlerts Nebó Na página 60 do Livro “Uma breve História do Mundo”, encontramos o Capítulo 6 que se intitulou “Mara-vilhoso Mar” e nos relata o seguinte: “Nenhum outro pedaço de água salgada exerceu uma influência tão ampla sobre o nascimento do mundoatual como o Mar Mediterrâneo.” Não fosse esse mar, com suas qualidades peculiares e sua localização extraordinária, a vida econômica, sociale natural, certamente o mundo teria tomado outro rumo. Numa época em que o mar calmo representava um recurso menos dispendioso e mais rápido que a terra,para o transporte de passageiros e diferentes cargas, ele apresentava vantagens, pois o Oeste aproximava-se doOceano Atlântico e o leste era vizinho do Mar Vermelho e do Golfo Pérsico, tendo ainda um longo braço queera o Mar Negro que avançava para o interior da Ásia. Dois braços mais curtos, ladeando a península Itálica chegavam quase ao sopé das montanhas dos Alpes. O mar, poderíamos dizer, unia a África, a Europa e a Ásia, sendo que poderíamos julgar como uma autoestradaaquática, visto que unia regiões diversas, cada qual com seus produtos básicos, como metais: Cobre, Estanho,Ouro, Prata, Chumbo e as bebidas como vinhos, azeite de oliva, além de grãos. E ainda poderíamos aduzir as madeiras e o gado, além de especiarias, as armas e as roupas e seus diferentestecidos. Não vou entrar em dissertação sobre ideias e crenças religiosas, assim como sobre Mitologias de priscaseras. Em resumo o Mediterrâneo seconstituía em um verdadeiro Lago,que tinha uma abertura: o estreito deGibraltar, desaguando no Atlântico. Estando praticamente todo cer-cado por terra, de modo geral apre-sentava-se como um lago calmo porlongos períodos, onde barcos a remoou simples embarcações com umaou por uma pluralidade de velas,como os galeões, transportaram osDescobridores das diferentes regiõesdeste nosso planeta.
  4. 4. 4 O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO Você e euAída Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini Encontro no céu Alcione Alcântara Gonçalves Olhos atentos, Olhares secretos, perdidos Comunicam-se, não falam Mãos não se tocam, se entendem Quero poder ser útil, Mentes pressentem, adivinham, imaginam Para poder te ajudar, Mostrando o verdadeiro caminho, Você, Por onde deves trafegar. Eu e você Somos sem termos sido, Quero saber o teu nome, Vivemos, há muito nos compreendemos Para poder te identificar, Sem realmente nos conhecermos, Nesta nossa linda caminhada, No cotidiano da vida. Em direção a algum lugar. Quero poder te abraçar, Para sentir o teu corpo, No momento do encontro, E também te escutar. Quero saber o que pensas, Para sentir a emoção, Quem é? Quem é? Que brota do teu coração, Quando você me falar. (resposta na edição de janeiro) Quero também te dizer, Elegante e bem disposta Que preparado, ainda não estou; Traz brilho às noites festivas Pressa não tenho de chegar, E se acaso não participa No Éden, pra te encontrar. Sua falta é sempre sentida. Tem a jovialidade No céu sei que estás, Da vida que é bem vivida. Pra lá também eu vou; Seu nome é o mesmo da ópera: Chegar lá, hoje, eu quero; Nossa querida _ _ _ _ ! Quero, mas não vou! Perfil 2011 Sobrames-SPCarlos Augusto Ferreira GalvãoAtuação: Médico PsiquiatraCidade de nascimento: Santarém - ParáComida preferida: Pato no TucupiEsporte: FutebolLivro de cabeceira atual: A Bíblia (Novo Testamento)Filme: A Última Esperança da TerraViagem inesquecível: Festa do Sairé (Santarém – Pará)Sonho: chegar aos cem anos trabalhandoIntolerância: detesto a burriceCaracterísticas pessoais: chaaaaatoProjeto futuro: já estou em meu futuroFilosofia de vida: viver e trabalhar, diminuindo sofrimentos.
  5. 5. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 5 Carta de natal Hildette Rangel Enger Papai Noel Trás de volta Para mim Aquela casa Ao dobrar os sinos Cor-de-rosa Plantada na ladeira Onde a chuva Brincava Márcia Etelli Coelho De fazer lagoas Para meus barcos De papel Viajarem a esmo É meia noite... Primeiro minuto de um Novo Ano. E também o quintal Os sinos da Matriz quebram o silêncio Que eu pensava dos corações que tentam recomeçar. Ser floresta E fazia heroicas caçadas Tocam para perdoar os atos insanos De formigas e gafanhotos que ceifam tantas promessas de vida. Trás de volta Dobram para resgatar a esperança Meu começo acidentado que se vê sufocada pelas contínuas provações. Mas cheio de sonhos E fantasias Ecoam como testemunhas de que, apesar das adversidades, Preciso muito deles tudo vale a pena quando não esmorece a fé. Para continuar A caminhada Bendizem aqueles que vencem o medo e se levantam, E cumprir a minha sina... quando seria tão mais fácil se esconder. P Como não tenho .S. Celebram a coragem do primeiro passo Endereço certo que, mesmo inseguro, enfrenta o desconhecido. Deixa tudo arrumado Direitinho Exaltam os que entendem que a vida se faz no presente Em cima de um caderno e não anulam seus sonhos Onde escrevo poesias com as desculpas do “se... talvez... um dia”. Glorificam aqueles que não desistem da corrida e no último minuto avançam um pouco mais. A trilha é longa. Os desvios são inevitáveis. Mas sempre existe uma estrela para indicar o caminho. O Amor ilumina essa noite especial. Meu coração se revitaliza. E eu nem pergunto por que os sinos ressoam tão fortes. Sei que eles anunciam um novo ciclo. Sinto que eles batem por mim. Reafirmam que a vida sabiamente segue adiante. E eu só preciso aprender a acompanhá-la.
  6. 6. 6 O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO Guimarães Rosa: médico, diplomata, Literato e grande “inventador” de vocábulos1Helio Begliomini João Guimarães Rosa nasceu em Cordisburgo – MG, em 27 de junho de1908. Foi o primeiro dos sete filhos de Florduardo Pinto Rosa ("seu Fulô") e deFrancisca Guimarães Rosa ("Chiquitinha"). Era inteligente, autodidata e com grande aptidão para Línguas. Já aos 7 anoscomeçou a estudar francês e o fez com vários outros idiomas, como se podeverificar neste trecho da entrevista que deu a uma prima, anos mais tarde: "Falo: português, alemão, francês, inglês, espanhol, italiano, esperanto, um pouco derusso; leio: sueco, holandês, latim e grego (mas com o dicionário agarrado); entendo algunsdialetos alemães; estudei a gramática: do húngaro, do árabe, do sânscrito, do lituano,do polonês, do tupi, do hebraico, do japonês, do checo, do finlandês, do dinamarquês;bisbilhotei um pouco a respeito de outras. Mas tudo mal. E acho que estudar o espíritoe o mecanismo de outras línguas ajuda muito à compreensão mais profunda do idiomanacional. Principalmente, porém, estudando-se por divertimento, gosto e distração”. Aos 10 anos passou a residir na casa dos avós, em Belo Horizonte, ondeconcluiu o curso primário. Iniciou o curso secundário no Colégio Santo Antônio,em São João Del-Rei, mas logo retornou a Belo Horizonte onde se formou.Em 1925, com apenas 16 anos, matriculou-se na Faculdade de Medicina daUniversidade de Minas Gerais, concluindo o curso em 1930. Casou-se aos 22 anos, em 27 de junho de 1930 – dia e mês de seu aniversário de nascimento –, com Lígia CabralPenna, na ocasião com 16 anos, com quem teve duas filhas: Vilma e Agnes. Após a formatura começou a exercer sua profissão em Itaguara, então município de Itaúna – MG, onde permane-ceu por cerca de dois anos. Foi nessa localidade que passou a ter contato com os elementos do sertão que serviriamde referência e inspiração à sua obra. Em seguida, Guimarães Rosa serviu como médico voluntário da Força Pública, durante a Revolução Constitucio-nalista de 1932, indo para o setor do túnel em Passa-Quatro – MG, onde tomou contato com o futuro presidente doBrasil, Juscelino Kubitschek de Oliveira, que, naquela ocasião, era o médico chefe do Hospital de Sangue. Entrou,posteriormente, por concurso, para o quadro da Força Pública do Estado de Minas Gerais. Em 1933 foi para Barba-cena na qualidade de capitão médico do 9o Batalhão de Infantaria. Interrompeu sua vida como médico militar ao ser aprovado em 2o lugar no concurso para o Itamaraty, quando setornou diplomata brasileiro, exercendo atividades na Europa (Alemanha e França) e na América Latina (Colômbia). No início da carreira diplomática, exerceu, como primeira função no exterior, o cargo de cônsul-adjunto do Bra-sil em Hamburgo, Alemanha, de 1938 a 1942. Aí conheceu Aracy Moebius de Carvalho que viria a ser sua segundamulher. No contexto da II Guerra Mundial, para ajudar os judeus a fugir para o Brasil, emitiu, ao lado da segundaesposa, agora com o nome de Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, mais vistos do que as cotas legalmente estipuladas,tendo, por essa ação humanitária e de arrojo, ganhado, no pós-guerra, o reconhecimento do estado de Israel. Aracyé a única mulher homenageada no Jardim dos Justos entre as Nações, no Museu do Holocausto, em Israel. João Guimarães Rosa estreou na literatura, em 1929, com a publicação do conto “O mistério de Highmore Hall"na revista “O Cruzeiro”, o qual não faz parte de nenhum de seus livros. Em 1936, a coletânea de versos Magma, obra1. Trabalho classificado para apresentação na IV Jornada Guimarães Rosa da Sobrames – MG, realizada na Faculdadede Ciências Médicas da Universidade Federal de Minas Gerais, de 14 a 15 de outubro de 2011. Anais da IV JornadaGuimarães Rosa. Sografe, Editora e Gráfica Ltda. Belo Horizonte 2011, páginas128-132.
  7. 7. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 7inédita, recebeu o Prêmio Academia Brasileira de Letras, com elogios do po-eta Guilherme de Almeida. Entretanto, destacou-se como contista, novelista Walter Whitton Harris Cirurgia do Pé e Tornozeloe romancista. Também afirmou escrever em transe mediúnico. Ortopedia e Traumatologia Geral CRM 18317 Em 1957 candidatou-se pela primeira vez, sem sucesso, à Academia Bra- Av. Pacaembu, 1.024sileira de Letras. Foi eleito por unanimidade em 6 de agosto de 1963, em sua 01234-000 - São Paulo - SPsegunda candidatura a esse silogeu. Entretanto, adiou a cerimônia de posse Tel.: 3825-8699 Cel.: 9932-5098enquanto pode, pois afirmava ter medo de morrer no dia do evento. Só veio aassumir sua cadeira, a de número 2, em 16 de novembro de 1967, sucedendoo acadêmico João Neves da Fontoura e sendo recebido pelo acadêmico Afonso Dr. Carlos Augusto GalvãoArinos de Melo Franco. Psiquiatria e Psicoterapia Em seu discurso de posse, algumas passagens parecem antever a sua morte. Rua Maestro Cardim, 517Constam nos últimos parágrafos em tom sarcástico as seguintes frases: “A gente Paraíso – Tel: 3541-2593morre é para provar que viveu” e “(...). As pessoas não morrem, ficam encantadas”.Mas a palavra derradeira de seu pronunciamento foi o nome de sua cidadenatal: Cordisburgo. PUBLICIDADE TABELA DE PREÇOS 2009 Fatidicamente, faleceu em 19 de novembro, três dias mais tarde, na (valor do anúncio por edição) 1 módulo horizontal R$ 30,00cidade do Rio de Janeiro, de infarto do miocárdio. Sua morte permanece 2 módulos horizontais R$ 60,00um mistério, sobretudo por estar previamente anunciada em sua obra mais 3 módulos horizontais R$ 90,00marcante – Grande Sertão: Veredas –, romance qualificado por Guimarães 2 módulos verticais R$ 60,00Rosa como uma "autobiografia irracional". De acordo com alguns críticos, 4 módulos R$ 120,00 6 módulos R$ 180,00talvez a explicação esteja na própria travessia simbólica do rio e do sertão Outros tamanhos sob consultade Riobaldo, ou no amor inexplicável por Diadorim, maravilhoso demaise terrível demais, beleza e medo ao mesmo tempo, ser e não ser, verdade josyannerita@gmail.come mentira. REVISÃO Guimarães Rosa caracterizava em seus trabalhos literários a presença dosertão como palco das ações. Sua obra ficou marcada pela linguagem inovado-ra, utilizando elementos de linguagem popular e regional, com fortes traços de textos em geralde narrativa falada. Tudo isso, unindo à sua erudição, permitiu a criação deinúmeros vocábulos a partir de arcaísmos e palavras populares, invenções Ligia Pezzuto Especialista em Língua Portuguesasemânticas e sintáticas. (11) 3864-4494 ou 8546-1725 Recebeu ainda o prêmio do concurso da revista “O Cruzeiro” (quatrocontos, 1929); prêmio Humberto de Campos da Editora José Olympio (2olugar, 1938); prêmio Sociedade Felipe d’Oliveira com o livro Sagarana (1946);prêmio Carmem Dolores Barbosa e prêmio Paula Brito com o livro Grande longevitàSertão: Veredas (1956); e prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira (11) 3531-6675 Estética facial, corporal e odontológica *de Letras pelo conjunto de sua obra (1961). Massagem * Drenagem * Bronze Spray * João Guimarães Rosa desapareceu prematuramente aos 59 anos de idade, Nutricionista * RPGno ápice de sua carreira diplomática e literária. Em 1966 seus livros já estavam Rua Maria Amélia L. de Azevedo, 147 - 1o. andartraduzidos na França, Itália, Estados Unidos da América, Canadá, Alemanha,Espanha, Polônia, Holanda e Checoslováquia. Terminou de Em 1967, considerado fenômeno da literatura brasileira, seria indicadopara o prêmio Nobel de Literatura por iniciativa de seus editores alemães, escrever seufranceses e italianos. A indicação foi barrada em decorrência de sua morte. livro? EntãoNão restam dúvidas de que foi um dos mais importantes escritores brasileiros publique!de todos os tempos. São suas obras: Magna (versos, 1936); Sagarana (contos, 1946); Com o Nesta hora importante, não deixe deVaqueiro Mariano (reportagem poética, 1947); Corpo de Baile (ciclo nove- consultar a RUMO EDITORIAL.lesco, 2 volumes, 1956); Grande Sertão: Veredas (romance, 1956); Primeiras Publicações com qualidade impecável,Estórias (contos, 1962); Manuelzão e Miguilim (1964); No Urubuquaquá, dedicação, cuidado artesanal e preçono Pinhém (1965); Noites do Sertão (1965); Campo Geral (1964); Tutameia justo. Você não tem mais desculpas para deixar seu talento na gaveta.– Terceiras Estórias (contos, 1967); Estas Estórias (contos póstumos, 1969);Ave, Palavra (diversos póstumos, 1970); além de obras em colaboração: O rumoeditorial@uol.com.brMistério dos MMM (1962) e Os Sete Pecados Capitais (1964). (11) 9182-4815
  8. 8. 8 O BANDEIRANTE - Dezembro de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO Casal grávido Um ato de amor José Jucovsky C Criação Milenar de divino sopro A Agora humana amores sopra S Sensuais, pungentes, originais sementes A Atingem matriz, aconchegante ninho L Lastro fecundo de infinitas almas Prefácio G Genes produzidos aos milhões pululam R Rastreando céus, túneis, caminham (do livro Combinando Palavras A Alcançam inteiros seu destino, seu alvo com Nelson Jacintho) V Vibrantes, dois se tornam um I Integração, alvorecer de fulgurante estrela D Dinâmica microscópica a imitar o Cosmo O Oh! Milagre!!...reproduziu-se a VIDA!!!Carlos Roberto Ferriani E ele conseguiu com sabedoria, calma e muita tolerância, entre entraves e incongruências, pelas essências e sem ganâncias, dedicou seu tempo... Esmerou nas latitudes, nas longitudes, tornou histórica nossa participação, quinhão de soberbas atitudes, fez reuniões, desfez confusões, elucidou, clareou caminhos, com carinho. Atendeu a todos, para a Feira se alugou. Foi pai, amigo, conselheiro, nosso olheiro; foi lutador, valente e crente no nosso trabalho. Nosso agasalho da feira do Livro, abrigo nas deiscências, nosso Olinto. O nome dele Nelson Jacintho Ah! Com ter de toda hora, aurora feito amigo “do peito”, Deixamos aqui, de todos, querido Nelson, o nosso maior respeito.

×