O Bandeirante - n.220 - Março de 2011

294 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
294
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Bandeirante - n.220 - Março de 2011

  1. 1. Jornal O Bandeirante Ano XIX - no 220 - março de 2011 Publicação Mensal da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores - Regional do Estado de São Paulo - SOBRAMES-SP Viver é Cheio de Surpresas!Josyanne Rita de Arruda FrancoMédica PediatraPresidente da Sobrames SP / Biênio 2011-2012 A infância é uma fase feliz, é o dor, anterior sustentáculo de seus ra para a vida. Se der sorte, pas-que todos dizem. Sim, mas feliz membros. O enfado e a intole- sará ao largo do CAPS infantil epara quem? Não há responsabili- rância rugem de todos os lados, da Fundação Casa.dade e nem preocupações, é ver- tornando sala e cozinha ringues Birras, choros, críticas quedade. Uma frustraçãozinha aqui e de vale-tudo, arenas de dramas e desafiam e tentam burlar as leisacolá que passa num instante, fei- comédias da vida privada. A casa sempre fizeram parte da trans-to um dodói que recebe beijinho. parece já não ser um bom lugar... gressão infantil e adolescente, Período longo na cronologia, A criança, que experimentava que inicialmente contesta pararápido nas descobertas. Com o a realidade do adulto com imagi- testar. No entanto, há necessi-tempo comprimido e sem espa- nação e criava outros cenários, ao dade da autoridade que ensina,ço para viver, a criança abandona crescer cede lugar a um devaneio esclarece e orienta, mesmo que oseus castelos de fantasia para ini- juvenil arrogante e fantasioso, coração fique oprimido. É a podaciar uma rotina incompatível com intolerante com o viver ranzinza que vai reflorir o canteiro.sua imaturidade. Já não brinca, dos mais velhos. Estes, por sua Dentre as experiências neces-não cria, não inventa. Como sen- vez, invejando os dias de outro- sárias ao crescimento saudável e àtir felicidade? ra, quando podiam usufruir com boa saúde psíquica, a convivência Quando chega à adolescência, descompromisso do confortável com a família e o brincar são par-o corpo muda e com ele mudam refúgio, tornam-se menos tole- te delas. A capacidade criativa,também os conceitos e as priori- rantes com os mais jovens; para- carregada de energia libidinal,dades. A urgência é a mola mes- doxalmente, ainda mais permis- não eclodiria de forma contumaztra de cada dia e as noites são um sivos. Abandonam seus filhos ale- nos atos de violência que aterro-intervalo indesejado ante tudo o gando não ter tempo, paciência rizam nossa sociedade se os paisque se pretende viver; o costume ou conhecimento para o necessá- reassumissem seu inalienávelde estar longe do lar desde cedo rio cuidado. Elegem a si mesmos papel: exercer autoridade comenche de autoridade jovens tira- em egoísta individualidade. amor, mantendo-se vigilantes aonos que agora não toleram frus- Educar requer disponibilida- crescimento de seus filhos.tração, investidos de uma certeza de de tempo e vontade, é repeti- E as consultas médico-peda-que lhes confere o direito de ser ção cansativa, mas fundamental. gógicas desta pediatra não ter-antes de compreender. Se assim não for, à criança restará minariam em desalento e estu- E, de repente, é como se pes- viver institucionalizada desde a pefação ao ouvir de uma jovemsoas com poucas afinidades pas- mais tenra idade em creches, es- mãe (depois de um quarto desassem a habitar o endereço que colas de período integral, cursos hora sob orientações) o seguinte:de hora para outra não é mais vários em seu tempo livre, alijada “a senhora não quer, então, criarreconhecido como o lar acolhe- da convivência afetiva que prepa- o meu filho?”
  2. 2. 2 O BANDEIRANTE - Março de 2011 EXPEDIENTE Nasceu Maria quando a folia perdia a noite, ganhava o dia...Jornal O BandeiranteANO XIX - no 220 - Março 2011 Preocupados com tanta calamidade pública com as enchentes e desmoronamentos, vendo Teresópolis ePublicação mensal da Sociedade Brasileira de MédicosEscritores - Regional do Estado de São Paulo SOBRAMES-SP. outras cidades se desmontarem transformando casas,Sede: Rua Alves Guimarães, 251 - CEP 05410-000 - Pinheiros -São Paulo - SP Telefax: (11) 3062-9887 / 3062-3604 Editores: ruas, pontes em entulhos e pessoas desaparecidas emJosyanne Rita de Arruda Franco e Carlos Augusto Ferreira simplesmente números, nem notamos que o CarnavalGalvão. Jornalista Responsável e Revisora: Ligia TerezinhaPezzuto (MTb 17.671 - SP). Redação e Correspondência: Rua estava chegando.Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A – V. Municipal – CEP13201-100 – Jundiaí – SP E-mail: josyannerita@gmail.com E invadiu as avenidas, sambódromos, clubes e pra-Tels.: (11) 4521-6484 Celular (11) 9937-6342. Colaboradores ças. Os repórteres trabalharam numa cobertura semdesta edição: Alitta Guimarães Costa Reis, Evanir da SilvaCarvalho, Ligia Terezinha Pezzuto, Roberto Aniche, Sônia par das principais capitais brasileiras; o consumo deRegina Andruskevicius de Castro, Walter Whitton Harris. cerveja disparou, oficinas de costura de fantasia fize-Tiragem desta edição: 300 exemplares (papel) e mais de1.000 exemplares PDF enviados por e-mail. ram milhares de horas extras. Os hotéis ficaram lotados, tudo em nome deDiretoria - Gestão 2011/2012 - Presidente: Josyanne Rita uma festa que vem se modificando ao longo dos séculos, tornando-se cadade Arruda Franco. Vice-Presidente: Luiz Jorge Ferreira.Primeiro-Secretário: Márcia Etelli Coelho. Segundo- vez mais como evento consumista que, como um trator, passa por cima dasSecretário: Maria do Céu Coutinho Louzã. Primeiro- diferenças sociais, religiosas, políticas... até chegar a tão enfadonha quarta-Tesoureiro: José Alberto Vieira. Segundo-Tesoureiro:Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini. Conselho Fiscal feira de cinzas.Efetivos: Hélio Begliomini, Carlos Augusto Ferreira Galvãoe Roberto Antonio Aniche. Conselho Fiscal Suplentes: Morreu Maria quando a foliaAlcione Alcântara Gonçalves, Flerts Nebó e Manlio MárioMarco Napoli. na quarta-feira também morria... Matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião Voltamos a procurar embaixo de barro e escombros aqueles números de da Sobrames-SP desaparecidos, que uma vez encontrados, alimentam a estatística dos que Editores de O Bandeirante perderam suas vidas por causa de uma catástrofe. Nossos irmãos, cidadãos brasileiros optaram por morar em áreas de risco e pagaram caro por esteFlerts Nebó – novembro a dezembro de 1992Flerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1993-1994 deslize. Áreas de risco com escritura registrada em cartório, contribuintes doCarlos Luiz Campana e Hélio Celso Ferraz Najar – 1995-1996 imposto predial e territorial, plantas da casa devidamente aprovadas e comFlerts Nebó e Walter Whitton Harris – 1996-2000Flerts Nebó e Marcos Gimenes Salun – 2001 a abril de 2009 “habite-se” da prefeitura, água, esgoto, luz, telefone, internet, tudo instaladoHelio Begliomini – maio a dezembro de 2009 e legalizado.Roberto A. Aniche e Carlos A. F. Galvão - 2010Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão - janeiro 2011 Parece que há inúmeras maneiras de enganar as pessoas e delas se retirar o tempo, o dinheiro, a dignidade, mesmo que isso custe a vida de algumas Presidentes da Sobrames – SP delas.1º. Flerts Nebó (1988-1990)2º. Flerts Nebó (1990-1992)3º. Helio Begliomini (1992-1994) Roberto Antonio Aniche4º. Carlos Luiz Campana (1994-1996)5º. Paulo Adolpho Leierer (1996-1998)6º. Walter Whitton Harris (1999-2000)7º. Carlos Augusto Ferreira Galvão (2001-2002)8º. Luiz Giovani (2003-2004)9º. Karin Schmidt Rodrigues Massaro (jan a out de 2005)10º. Flerts Nebó (out/2005 a dez/2006) Walter Whitton Harris11º. Helio Begliomini (2007-2008) Cirurgia do Pé e Tornozelo12º. Helio Begliomini (2009-2010) Ortopedia e Traumatologia Geral13º. Josyanne Rita de Arruda Franco (2011-2012) CRM 18317 Av. República do Líbano, 344 Editores: Josyanne R. A. Franco e Carlos A.F. Galvão 04502-000 - São Paulo - SP Revisão: Ligia Terezinha Pezzuto Tel. 3885 8535 Diagramação: Mateus Marins Cardoso Cel. 9932 5098 Impressão e Acabamento: Expressão e Arte Gráfica CUPOM DE ASSINATURAS* longevità Preço de 12 exemplares impressos: R$ 36,00 (11) 3531-6675 Nome:___________________________________________________________ Estética facial, corporal e odontológica * Massagem * Drenagem * Bronze Spray * End.completo: (Rua/Av./etc.) _______________________________________ Nutricionista * RPG Rua Maria Amélia L. de Azevedo, 147 - 1o. andar ________________________________ nº. _______ complemento _________ Cidade:_____________ Estado:_____ E-mail:___________________________ Clínica Benatti Grátis: Além da edição impressa que será enviada por correio, o assinante Ginecologia receberá por e-mail 12 edições coloridas em arquivo digital (PDF) Obstetrícia *Disponível para o público em geral e para não sócios da SOBRAMES-SP Preencha este cupom, recorte e envie juntamente com cheque nominal à SOBRAMES-SP para REDAÇÃO Mastologia “O Bandeirante” R. Francisco Pereira Coutinho, 290, ap. 121 A - V. Municipal - CEP 13201-100 - Jundiaí - SP Dê uma assinatura de “O BANDEIRANTE” de presente para um colega (11) 2215-2951
  3. 3. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Março de 2011 3 O Malho Em fevereiro, que pouca! Pouca gente, poucos trabalhos (belos, é verdade, mas poucos). Parecia a Pizza de uma destas cidades pequenas. Pizza sempre de muito valor literário, mas pequenininha... Notícias Nossa regional irmã de Minas Gerais (SOBRAMES-MG) realizará, com o costumeiro sucesso, a V Jornada Guima-rães Rosa nos dias 19 e 20 de agosto próximo, na Faculdade de Medicina da UFMG, em comemoração ao centenáriodesta importante e renomada academia de formação médica. Os detalhes estão no edital que pode ser acessado nosite www.sobramesmg.org.br A Pizza Literária do mês de março recebeu, com muita alegria, a visita de nosso confrade das Alterosas, José CarlosSerufo. Sua presença discreta, humilde e agregadora tornou nossa reunião festiva ainda mais distinta e de alto nível lite-rário. Agradecemos a participação deste paulista de coração mineiro, que também é um mineiro de certidão paulista. José Carlos Serufo Na última Pizza sentimos falta do nosso querido José Rodrigues Louzã, que estava em tratamento domiciliarnaquela noite. Desejamos vê-lo forte e restabelecido no encontro de abril. Saudade também é notícia e uma ausência muito sentida é a que tem nos provocado o Dr. Flerts Nebó, um dosícones de nossa regional. Estamos todos torcendo por sua melhora, contando com seu breve retorno às nossas reu-niões festivas. E nossos queridos e queridas que há muito tempo não tem frequentado nossos encontros? Que saudade de seustalentos adornando nossos sonhos, seus amáveis rostos iluminando nosso convívio! Continuamos aguardando essesbandeirantes que tanto ajudaram a SOBRAMES-SP a desbravar os nobres caminhos desta vereda literária. Prêmio Bernardo de Oliveira Martins, medalha de 1º lugar para a confreira Márcia Etelli Coelho (dir.) No dia 26 de março, a Dra. Márcia Etelli Coelho participou do “Sarau dos Poetas da Casa” no Espaço CulturalHaroldo de Campos (Casa das Rosas) com a leitura de sua poesia “São Tantos Franciscos” . É costume do sarau, cadaparticipante ler um texto de algum poeta contemporâneo. E a Dra. Márcia escolheu a poesia “Noite Fria” de autoriada presidente da Sobrames São Paulo, Josyanne Rita de Arruda Franco. Em ambas as declamações, foi muito aplau-dida. A Casa das Rosas localiza-se na Avenida Paulista, 37 e oferece oficinas literárias, encontros temáticos e sarauspoéticos mensais. Bem merece uma visita. Nosso confrade Arary da Cruz Tiriba irá ocupar o cargo de Diretor Cultural na Academia de Medicina de São Paulo,biênio 2011-2012. Ao nobre e prestigiado confrade, nossa admiração e aplausos. Parabéns, Dr. Tiriba, por mais esta conquista!
  4. 4. 4 O BANDEIRANTE - Março de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO O BLOG da SOBRAMES-SP está em plena atividade graças ao incansável apoio de nosso confrade Marcos Salun. Vi-sitem e aproveitem mais este espaço de divulgação e interatividade no endereço http://sobramespaulista.blogspot.com Destaque do Mês Para a nossa querida Aida Lúcia Pullin Dal Sasso Begliomini, que sempre conduz os pedidos das deliciosas pizzascom atenção, gentileza, cuidado e muita destreza. Muitíssimo obrigado! Março: Nesta Data Querida, Nossos Parabéns! Helio Begliomini 21/03 Maria da Glória Moreira Civile: 21/03 Itu nos Espera de Braços Abertos! Nossa Jornada XI Médico-Literária Paulista terá lugar em Itu. A cidade berço de nossa república acolherá em seu seio nossa SOBRAMES-SP, como um dia acolheu os bandei-rantes. Estamos organizando uma jornada inesquecível em hotel aconchegante, planejando um roteiro cultural memorável,sem esquecer da selecionada gastronomia que congregará todos à mesma mesa com histórias, causos e canções. Na edição de abril de “O Bandeirante”, todas as informações, fichas de inscrição e formas de pagamento estarãoinseridas. Programem-se para momentos de alegria, deleite, história e grandes emoções neste congraçamento literário e deamizade. Participem conosco! Interior da Igreja de Nossa Senhora da Candelária Telefone que fica na praça central de Itu, onde tudo é grande! Na foto está a tia de nossa presidente Josyanne, Ana Lúcia, que foi também à visita dos hotéis Perfil 2011 Sobrames-SPGeovah Paulo da CruzAtuação: Médico oftalmologistaCidade de nascimento: Patrocínio - MGComida preferida: Gourmet e CozinheiroEsporte (que pratica ou gosta): Assistir futebolLivro de cabeceira atual: Bíblia (para criticar)Filme: os de CarlitosFim de semana (o que prefere fazer): CaminharViagem inesquecível: Sempre que volto aos locais de minha infânciaSonho: Viver bem e muitoIntolerância: Já tive muitas intolerânciasCaracterísticas pessoais: Atualmente velho rebeldeProjeto futuro: Escrever novos livrosFilosofia de vida: Não sofrer dor física, moral, emocional. Compartilhar bom humor.
  5. 5. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Março de 2011 5 Qual é a Minha Parte?Ligia Terezinha Pezzuto O mar se enfureceu Separar materiais com suas ondas a invadir de diferentes naturezas a costa de países, ajudaria na proeza levando vidas e bens. de nosso solo poupar. Sonhos varridos O óleo de cozinha e esforços vãos usado nas frituras. deixam marcas doídas Há mercados que o na alma de irmãos. recolhem, isso é seguro. Antes em equilíbrio, As famosas sacolinhas a natureza hoje geme. podem ser substituídas Diante dos desafios, pela caixa de papelão o semelhante a teme. ou ecológico bornal. Catástrofes muitas Pilhas e baterias, a povoar os jornais. embalagens vazias. São novas histórias, Empresas fabricantes cada vez mais e mais. já as estão aproveitando. Não seria o momento E assim fica um lembrete de ter mais respeito que mais parece um alerta. pela casa onde vivemos Se não fizermos nossa parte, e pensar no que fazemos? breve, breve será tarde. Um simples fechar a torneira, ao nos lavar, serviria pra mostrar que não precisamos esbanjar. MistérioAlitta Guimarães Costa Reis Uma jovem senhora contou-me que sempre teve horror a ratos. E como moram a meio caminho da zona rural,próximo a um brejinho, ratos é que não faltam. A situação complicou-se há semanas com uma das piores enchentesque a região já sofreu. Ela verificou, com horror crescente, que ratos podem nadar. Em sua casa, na porta de seuquarto, colocou papelões dobrados para impedir que passassem por debaixo da porta. O problema é que o estrata-gema não foi suficiente. Uma noite ela encontrou um rato dormindo placidamente no cobertor, fez um escândalo, deu toda a roupa de camapara outra senhora, que filosoficamente comentou que não se importava tanto assim com ratos, “fazer o quê?”. Ela comprou tudo novo, lençóis, fronhas, travesseiros, cobertor, camisola, reforçou os papelões na soleira da porta.Teve paz por uns tempos, até que acordou de noite com um rato passeando no seu braço. Acordou todo mundo como barulho. O irmão descobriu que o intruso estava morando no sofá da sala, pelos excrementos, e o perseguiu portoda a casa madrugada adentro, sem sucesso. Ela não conseguiu dormir, atenta a qualquer barulhinho. Quando o dia clareou, veio a surpresa: o rato havia corrido para o quarto do pai dela, gerando mais um mistério: seo bicho sabia nadar, como é que ele se afogou no conteúdo do penico? As explicações para o fato (rato exausto, urinavenenosa, remédios que o pai tomava) fizeram a família transformá-lo numa lenda semiurbana, e dar boas risadas!
  6. 6. 6 O BANDEIRANTE - Março de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO Como é Belo Viver!Evanir da Silva Carvalho Sophia Quando eu for embora Sônia Regina Andruskevicius de Castro Apenas feche as portas, e não fale a ninguém Será que alguém chora, ou só diga amém? Sairei pelas portas dos fundos, Choramos Pois sei que pertenço ao submundo De contentes E a mais ninguém! Como choram Comigo se apagarão histórias fantásticas Todos os avós Tristezas vividas e alegrias contidas Quando a notícia chegou. Amores secretos e promessas não cumpridas Esperamos Acima de tudo meus passos... Pacientes Descompassos de todas minhas vidas Como esperam Mas jamais esquecerei o êxtase de sonhar Todos os avós E acordar, no melhor lugar do mundo, seus braços... Que o sonho encantou. Como foi maravilhoso viver! Até que um dia Um santo de barba branca Desses que andam pelo céu De bengala E que dão asas Às criancinhas Em noite de gala A porta destranca E diz: vai Sophia. ? Quem é, Quem é? *Seu ar fechado, circunspectoDe quem pensa e analisaFaz falta nestes encontrosFestivos de nossas PizzasEle é ortopedistaUm médico veterano,Um ícone valorosoCujo primeiro nome é _ _ _ _ _ _!*Resposta na edição de abril.
  7. 7. SUPLEMENTO LITERÁRIO O BANDEIRANTE - Março de 2011 7 A Metamorfose do AbacaxiWalter Whitton Harris Dr. Carlos Augusto Galvão Essa fruta tropical (Ananas comosus) é apreciada por quase todos. Diríamos Psiquiatria e Psicoterapiaà exceção daqueles que não toleram sua acidez. Existem também espécies Rua Maestro Cardim, 517ornamentais, não comestíveis, entre as quais se destaca o abacaxi-vermelho Paraíso – Tel: 3541-2593(Ananas bracteatus). Descascar um abacaxi é, por vezes, de execução penosa,devido à sua casca espinhenta. Daí o termo “descascar o abacaxi”, significandoresolver um problema difícil ou desagradável. PUBLICIDADE TABELA DE PREÇOS 2009 Lembro-me bem que, na época do curso secundário, foi construída uma (valor do anúncio por edição)piscina em nosso colégio estadual. Desde a inauguração, não pôde ser utiliza- 1 módulo horizontal R$ 30,00da, porque vazava. Era criticada por todos. O engenheiro responsável esteve 2 módulos horizontais R$ 60,00 3 módulos horizontais R$ 90,00lá diversas vezes, prometendo consertá-la, e nós, moleques, íamos atrás dele, 2 módulos verticais R$ 60,00atormentando-o com um “Veja só quem é que está chegando...”, pois achá- 4 módulos R$ 120,00vamos inconcebível que não se conseguisse reparar os defeitos daquela obra. 6 módulos R$ 180,00De nada adiantou. O resultado foi que permaneceu vazia durante meus sete Outros tamanhos sob consultaanos de ginásio e científico. Apenas uma vez o diretor do colégio pagou — do josyannerita@gmail.compróprio bolso — caminhões-pipa para encher a piscina, e passamos agradá-veis dias quentes de verão nadando. Com o tempo, a piscina se esvaziou. Oabacaxi era tão grande que a forma que se encontrou para descascá-lo foi ade aterrar aquela estrutura incômoda, erguendo-se, em seu lugar, uma quadra REVISÃOpoliesportiva coberta que existe lá até hoje. de textos em geral O abacaxi tornou-se, portanto, em nosso vernáculo, símbolo das dificul- Ligia Pezzutodades. Quantas vezes não recorremos a essa expressão, quando nos referimos Especialista em Língua Portuguesaa um caso complicado em nossa profissão médica? Certa ocasião, com outros (11) 3864-4494 ou 8546-1725colegas da minha área de atuação, discutíamos um grande abacaxi (uma lesãoextensa no calcanhar, após uma fratura exposta do calcâneo, e que deixaratodo o osso descoberto e que, apesar de várias cirurgias plásticas, não se con- ROBERTO CAETANO MIRAGLIAseguia cobrir). Pois bem, não é que, no meio daquela conversa séria, chega um ADVOGADO - OAB-SP 51.532amigo não médico e, ouvindo-nos falar do abacaxi que tentávamos descascar, ADVOCACIA – ADMINISTRAÇÃO DE BENSlembrara da deliciosa fruta que tinha saboreado no dia anterior, que passou NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS – LOCAÇÃOa nos descrever. O papo mudou de rumo para plantações de abacaxis, sua COMPRA E VENDA DE IMÓVEISorigem, seus cuidados e nome científico — que eu não sabia na época — e ASSESSORIA E CONSULTORIA JURÍDICAnão falamos mais no problema abacaxizesco do paciente. TELEFONES: (11) 3277-1192 – 3207-9224 Há quem considerou liderar a SOBRAMES-SP um enorme abacaxi, pois,ao transmitir o cargo para o novo presidente, deu-lhe um abacaxi de verda- Terminou dede como presente! Não que me tenha sentido ofendido, mas acho que levaradiante nossa sociedade não era tarefa tão árdua assim e consegui gerir o escrever seucargo sem maiores problemas. livro? Então Prometi para mim mesmo que, finda minha gestão, procuraria um símbolo publique!melhor para representar a transmissão do cargo. Aproveitando o ditado de“se passar o bastão para diante”, idealizei um bastão de embuia, torneada e Nesta hora importante, não deixe depolida que é entregue para o próximo Presidente, na cerimônia de transmissão consultar a RUMO EDITORIAL.do cargo. Esse bastão permanece com o novo presidente durante toda a sua Publicações com qualidade impecável,gestão, como uma lembrança e lembrete de que tem um cargo carregado de dedicação, cuidado artesanal e preço justo. Você não tem mais desculpasdignidade, esperança e boa-fé. para deixar seu talento na gaveta. Como seria bom se todo abacaxi assim pudesse transformar-se em sólida rumoeditorial@uol.com.brmadeira de lei. (11) 9182-4815
  8. 8. 8 O BANDEIRANTE - Março de 2011 SUPLEMENTO LITERÁRIO ÚltimoRoberto Aniche Último, sou o último da minha espécie.Em extinção, tenho por sol apenasuma luz que me olha deitado, porcéu tenho paredes brancas. A liber-dade me vem por uma janela quepor todos os modos tenta me con-vencer a levantar e a sair por ela. Não há mais ninguém à minhavolta, todos já se foram há muitotempo sem deixar vestígios de suaspresenças. Ser o último me dá o pri-vilégio de não sentir ausências. Nãohá recados a deixar para ninguém;cartas de amor e saudades não têmsentido para os ausentes. Há muitas coisas desapegadasespalhadas pelos cantos e muitomais coisas que sequer terão alguémpara compreendê-las e amá-lascomo eu amei, não há e nem haveráninguém para sentir o prazer da conquista ou o gostinho egoísta de se julgar dono de alguma coisa. Sobrarão muitas coisas, um par de óculos sem receita, livros pela metade que não terminarão de contar suas his-tórias, uma caneta jogada em cima da mesa que alguém certamente irá pegar, roer a ponta e escrever um telefone ourecado num pedaço de papel qualquer para, quem sabe, depois nem se lembrar para que serviria. Centenas de coisas sem memória, quem irá saber o que eu mais gostava de ouvir, o que cada música significava?A gravata ganha num destes aniversários, mantida com o mesmo nó impossível de se refazer, não servirá para nada,além de ser amontoada com outro enorme monte de roupas. O chapéu de esquiador num país tropical se transformaráde alegre lembrança a coisa inútil. Os retratos terão pessoas sem nome, crianças que de tão velhas e esquecidas terão suas imagens apagadas do papelamarelado até desaparecerem sem deixar vestígio. Apenas os documentos falarão por si, como um epitáfio no fimdo espetáculo de circo: ninguém nota, ninguém quer saber, ninguém irá querer ouvir. Todos já se foram e eu sou oúltimo de minha espécie. E olhando a lâmpada que tomo por sol, paredes que tomo por céu, sozinho, último. A porta não se abrirá comum sorriso adolescente, não haverá barulho de alegria. Não preciso pôr os óculos nem vestir a gravata com o mesmonó de tantos anos. A janela continua aberta e eu sinto uma felicidade imensa ao olhar através do seu espaço. Consegui me libertardas roupas, das coisas sem memória, das fotografias em que não mais me reconheço, não preciso mais dos óculos nemda gravata, muito menos de documentos velhos e mofados. Saio do quarto pelo vão da janela, sorrateiramente, sem que ninguém me note, respiro fundo e ando por aí semqualquer pressa. Tenho todo o tempo do mundo. Eu venci, quem se importa com isso? Meu céu é maior, meu sol é maior, fui o último da minha espécie, conquisteio direito de recomeçar tudo de novo!

×