Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais

757 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Equidade na Saúde: a Estrutura de Saúde da Família em Minas Gerais

  1. 1. EQUIDADE NA SAÚDE: A ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA EM MINAS GERAIS I Congresso de Fortalecimento da Atenção Primária à Saúde no Estado de Minas Gerais
  2. 2. Equidade na utilização dos serviços de saúde O estudo visou avaliar se a Estratégia Saúde da Família tem contribuído para a equidade na utilização dos serviços de saúde em Minas Gerais. Equidade é a ausência de diferenças sistemáticas no uso dos serviços entre os grupos populacionais e, se estiver presente, deve ser explicada somente pelas diferenças nas necessidades em saúde (Starfield, 2001, Doorslaer, 2006). O que podemos aprender com esse estudo? Quais as implicações específicas para a equidade?
  3. 3. Introdução Os • indicadores sócio-demográficos do estado mostram profundas desigualdades entre as diversas regiões; O incentivo à implantação da ESF em Minas Gerais pela SES priorizou áreas de • maior vulnerabilidade; A despeito disso, o estudo demonstrou que 22% das gestantes e crianças, 27% • das mulheres e 21% dos idosos em áreas com cobertura de ESF eram da classe A-B; Há concentração de ESF em regiões mais vulneráveis e um menor no de ESF • região Centro, logo: as demais regiões, em especial a região Central, ainda estão sob forte influência do modelo tradicional; • Populações não-cobertas pela ESF não foram analisadas: estão em vantagem ou desvantagem?
  4. 4. Comentários (1) • De maneira geral, os indicadores relativos à utilização dos serviços estudados são bastante positivos. • Necessário aprofundar na avaliação da qualidade da assistência, em especial na atenção à mulher, onde há escape dos usuários para outros serviços e muitas possibilidades de melhoria (toxoplasmose, exame de mama). • Acompanhamento de puerpério. • ESF associada a menor BPN: efeito protetor da atenção tradicional? • Complexidade da atenção ao idoso: estamos preparados? Efeito do “curso da vida”: desigualdades serão acentuadas.
  5. 5. Comentários (2) • Os resultados de apoio diagnóstico podem sugerir que persistem dificuldades na média complexidade? • Acesso Necessário continuar o avanço da regionalização dos serviços de saúde no estado: mesmo após ajuste por classe social, escolaridade e morbidade, as disparidades regionais permanecem. • Alguns indicadores mostram ser necessário continuar o apoio na organização do processo de trabalho das ESF: vigilância em saúde e ACS (baixa cobertura de novas vacinas, não realização de visita da ESF em 15% das crianças) .
  6. 6. Comentários (3) • Maior parte da população estudada que possui plano de saúde, o tem há menos de 5 anos: crescimento do emprego formal e planos empresariais. • Os resultados mostram que mesmo com serviços oferecidos pela ESF, classes sociais mais elevadas e pessoas de maior escolaridade (com maior cobertura de planos de saúde) optam por usar serviços privados mas usam a ESF. • O plano de saúde aparece como um dos fatores mais fortemente associados à aos indicadores de utilização de serviços preventivos avaliados. • Há concorrência dos sistemas que deveriam ser complementares? Aumento das iniquidades? Prevenção quaternária.
  7. 7. Comentários (4) • Alguns indicadores podem estar sofrendo a influência do problema da rotatividade e ausência de médicos em ESF? Do contingente populacional de cada ESF? • O essencial nesse estudo é verificar os fatores associados à cobertura das ações estudadas pois a população do estudo é toda adscrita à ESF. • Enormes disparidades regionais, mesmo ajustando por classe social, escolaridade e morbidade, as diferenças permanecem. • Sugestão: em outros estudos, avaliar áreas não cobertas, outros eventos e faixas etárias.
  8. 8. Equidade na realização de consultas médicas Ter uma fonte de cuidado regular foi um dos fatores mais fortemente associados à realização de consultas médicas Turci MA, Lima-Costa MF, Proietti FA, Cesar CC, Macinko J. Intraurban differences in the use of ambulatory health services in a large Brazilian city. J Urban Health 2010; 87:994-1006.
  9. 9. Equidade na realização de exames preventivos - BH Adultos que realizaram exames preventivos nas faixas etárias e intervalos recomendados, por grau de escolaridade, 2010 Aferição da PA nos últimos 2 anos (homens e mulheres ≥ 20 anos) * Até 1° Grau 2° Grau 3° Grau Aferição do colesterol nos últimos 5 anos (homens e mulheres ≥ 20 anos) * Até 1° Grau 2° Grau 3° Grau Realização da mamografia nos últimos 2 anos (mulheres com 50-69 anos) * Até 1° Grau 2° Grau 3° Grau Realização de papanicolau nos últimos 3 anos (mulheres com 25-59 anos) * Até 1° Grau 2° Grau 3° Grau % (IC 95%): Percentagem e intervalo de confiança de 95% *: Diferenças estatisticamente significantes entre faixas etárias (p<0,05) % 92,1 92,6 95,2 % 93,9 94,7 96,7 % 77,0 87,5 93,7 % 85,6 88,0 91,4 IC 95% 90,8-93,2 91,2-93,9 93,8-96,2 IC 95% 92,8-94,8 93,5-95,7 95,4-97,6 IC 95% 72,6-80,9 83,0-91,0 89,0-96,5 IC 95% 83,0-87,8 85,7-90,0 88,6-93,5
  10. 10. Equidade na realização de exames preventivos Mulheres com 25-59 anos de idade que realizaram papanicolau há 2 anos ou menos, por região, Belo Horizonte, 2010. Região CENTRO-SUL BARREIRO NOROESTE OESTE LESTE NORDESTE PAMPULHA VENDA NOVA NORTE %(IC 95%) 90,8 (86,7 -94,9 ) 86,5 (79,6 -93,4 ) 86,1 (79,5 -92,7 ) 85,0 (78,5 -91,6 ) 82,3 (74,1 -90,4 ) 82,3 (74,8 -89,8 ) 81,1 (70,1 -92,2 ) 74,4 (62,7 -86,0 ) 65,9 (53,2 -78,5 ) Percentagem * * % (IC 95%): Percentagem e intervalo de confiança de 95%. *: Diferenças estatisticamente significantes em relação à Região Centro-Sul (p <0,05)
  11. 11. Equidade na realização de exames preventivos Mulheres com 50-69 anos de idade que fizeram exame de mamografia há 3 anos ou menos, por região, Belo Horizonte, 2010. Região VENDA NOVA CENTRO-SUL OESTE NOROESTE BARREIRO PAMPULHA NORDESTE NORTE LESTE %(IC 95%) 90,0 (86,0 -93,9 ) 89,5 (86,3 -92,8 ) 88,8 (85,2 -92,5 ) 88,6 (85,0 -92,2 ) 88,4 (84,0 -92,7 ) 88,1 (83,0 -93,1 ) 87,5 (83,4 -91,6 ) 87,1 (80,6 -93,6 ) 86,3 (81,6 -91,0 ) Percentagem % (IC 95%): Percentagem e intervalo de confiança de 95%. *: Diferenças estatisticamente significantes em relação à Região Centro-Sul (p <0,05)
  12. 12. Conclusão • O mais importante é verificar se estar coberto por ESF é um fator que faz com que as diferenças de utilização se justifiquem apenas pelas diferentes necessidades em saúde. • Sugestão: em outros estudos, avaliar áreas não cobertas, outros eventos e faixas etárias.

×