Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A Restauração Da Independência

36,169 views

Published on

Apresentação do professor Rui Neto numa aula de História do 8º ano sobre a Restauração da Independência de Portugal em 1640

Published in: Travel, Business

A Restauração Da Independência

  1. 1. O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A Restauração da Independência de Portugal (1640)
  2. 2. Quais foram as razões que levaram à restauração da independência de Portugal em 1640? A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA DE PORTUGAL  A crise do Império Espanhol , na 1ª metade do século XVII, provocada, essencialmente, por dois motivos:  a diminuição das remessas de ouro e prata da América;  o envolvimento da Espanha em guerras (Guerra dos Trinta Anos, 1618-1648) e revoltas internas (ex: Revolta da Catalunha) que levou ao aumento dos impostos. Revolta popular em Espanha, os “motins da fome”, devido ao aumento dos impostos pelos reis espanhóis.
  3. 3.  O grande descontentamento geral dos portugueses , devido ao não cumprimento das promessas feitas nas Cortes de Tomar:  entrega, por Filipe II de Portugal, de cargos da administração e do governo a espanhóis;  aumento dos impostos, por Filipe III de Portugal, que provocou várias revoltas populares, como por exemplo, a Revolta do Manuelinho , em 1637; Revolta do Manuelinho (Alterações de Évora) em 1637. Filipe II Filipe III
  4. 4.  utilização das tropas e navios portugueses nas guerras espanholas contra ingleses, holandeses e franceses;  deficiente defesa das colónias portuguesas, pelo que estas eram frequentemente atacadas e também conquistadas por holandeses, ingleses e franceses (Ex: Brasil e Angola).
  5. 6. No dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de nobres revoltou-se ( atacou o paço da Ribeira, prendendo a vice-rainha, a duquesa de Mântua, D. Margarida Gonzaga, Governadora de Portugal e, então, Regente do rei de Espanha, e matando o secretário de estado, Miguel de Vasconcelos , que se escondera num armário) e aclamou como rei de Portugal o duque de Bragança, com o título de D. João IV . A RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA
  6. 7. A paz foi assinada apenas em 1668, após várias tentativas de invasão dos espanhóis, que foram sempre vencidas (Batalhas de Linhas de Elvas, Montijo, Ameixial, Castelo Rodrigo e Montes Claros).
  7. 8. <ul><li>FIM </li></ul>
  8. 9. D. João IV (1640 - 1656) . Nasceu em Vila Viçosa, a 19 de Março de 1604 e morreu em Lisboa, a 6 de Dezembro de 1656, tendo sido sepultado no Mosteiro de S. Vicente de Fora. Era filho de D. Teodósio II, 7 ° duque de Bragança, e de sua mulher, D. Ana de Velasco. Do seu casamento, celebrado em 12 de Janeiro de 1633, com D. Luísa Francisca de Gusmão,, nasceram: D. Teodósio, D. Ana, D. Joana, D. Catarina, D. Manuel, D. Afonso VI, que herdou a coroa, e D, Maria. Já em 1638, os conjurados da Revolução de 1640 tinham procurado obter a aceitação de D. João para uma revolta contra Espanha. Mas as hesitações, ou cautelas, do duque fizeram levantar a hipótese de se conseguir o regresso do infante D. Duarte, solução que falhou, tendo-se mesmo encarado a instauração de uma república, nos moldes da das Províncias Unidas.  A verdade é, que depois da sua aclamação como rei a 15 de Dezembro de 1640, todas as hesitações desapareceram e D. João IV fez frente às dificuldades com um vigor que muito contribuiu para a efectiva restauração da independência de Portugal. Da actividade global do seu reinado, deveremos destacar o esforço efectuado na reorganização do aparelho militar: reparação das fortalezas das linhas defensivas fronteiriças, fortalecimento das guarnições, defesa do Alentejo e Beira e obtenção de material e reforços no estrangeiro; a intensa e inteligente actividade diplomática junto das cortes da Europa, no sentido de obter apoio militar e financeiro, negociar tratados de paz ou de tréguas e conseguir o reconhecimento da Restauração; a acção desenvolvida para a reconquista do império ultramarino, no Brasil e em Africa; a alta visão na escolha dos colaboradores. Quando morreu, o reino não estava ainda em segurança absoluta, mas D. João IV tinha-lhe construído umas bases suficientemente sólidas para vencer a crise. Sucedeu-lhe D. Afonso VI, seu segundo filho.  

×