Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Resumo de aula                                                                       Prof. LéoMetabolismo do PotássioPacie...
Resumo de aula   Prof. Léo
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Metabolismo do potássio

1,196 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Metabolismo do potássio

  1. 1. Resumo de aula Prof. LéoMetabolismo do PotássioPaciente, 24 anos com lesão de c3 e c4, artodese, chega em parada respiratória. No andar, começou aapresentar confusão mental e flacidez. Chegou em GEG, parada respiratória, RCI, PA não mensurável,normotérmica. Conduta inicial: hidratação. HD: Lesão de troncoExame Laboratorial: Hipocalemia.K corporal total: 50 mEq/kgK sérico: 3,5 a 5,0. É o que se trabalha no dia-a-diaO artifício que mantém a maior parte do K dentro das céls (98%) é a bomba Na/K ATPase. O magnésioé o cofator.Cetoacidose diabética- Fisiopatologia: Mais comum em DM tipo 1, o paciente tem déficit de glicose, oorganismo realiza neoglicogênese, seja a partir da glicólise, ou lipólise ou proteólise, e desse processoresulta a formação de corpos cetônicos. Esses corpos cetônicos em grande quantidade levam opaciente a uma condição hiperosmolar, uma acidose metabólica grave, a cetoacidose diabética. Seesse paciente apresenta uma dosagem sérica de K=4,0, a princípio NÃO há déficit de K. Quando háuma condição de déficit de insulina, há neoglicogênese, e a condição de cetonemia se estabelece atéchegar a um limiar que passa a ser excretada na urina (cetonúria). O potencial hidrogeniônico está altoe o pH baixo. Com isso, sai água do meio intra para o meio extracelular. O organismo tenta substituir oH pelo K, forçando sua saída para o meio extracelular. Com a condição de volemia aumentada, o ADHvai ser inibido e o paciente vai urinar (diurese hiperosmótica). Com isso, haverá grande perda deeletrólitos (Na, Mg, Ca,etc), incluindo o K. Por isso, não se pode dizer que o K corporal total vai estarnormal, apesar do valor do K sérico estar na faixa considerada normal.Cetoacidose leve: K sérico normal, K total diminuído; (3,0<k<3,5). Perda de Kt =300mEq.Cetoacidose moderada: K sérico normal a baixo, K total mais diminuído ainda; (2,0<k<3). Perda de Kt=700mEq.Cetoacidose grave: K sérico baixo, K total mais baixo ainda. K<2,0. Perda de Kt>700mEq.Ureia e creatinina estarão elevadas. Pode fazer necrose tubular aguda, consequente de IRA pré-renal.Se a primeira conduta num paciente com acidose diabética for administrar insulina, esse paciente vaicomplicar (ERRADO), porque o K que já era baixo voltou para o meio intracelular, diminuindo aindamais. O paciente vai fazer uma hipocalemia grave e ter PCR. Correto: A primeira conduta é hidratação,para depois avaliar K.HIPOCALEMIA: Insuficiência respiratória, arritmia, flacidez, íleo paralítico.A cada 24h, excretamos 100 mEq de K. Pra não haver déficit, precisamos absorver 100mEq diários. É ovalor que se pode repor sem risco, mesmo sem saber os valores de Ks do paciente.Hidratação: há 25mEq por ampola de KCl, diluindo em SF(500ml). Reposição máxima na primeira horade 5omEq. Insulinoterapia só deve ser feita se Ks>3,3.
  2. 2. Resumo de aula Prof. Léo

×