Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Escola Municipal GoiásProjeto Centenário Jorge Amado
Centenário Jorge Amado        ( 10/08/1912 – 06/08/2001)  “O que desejo é que nesta casa o   sentido da vida da Bahia este...
Jorge Leal Amado de Faria foi um dos mais    famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os    tempos..
Obra literáriaEle é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeirossucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cr...
Trecho de “ Capitães da Areia”        “Porque naquelas casas, se o acolhiam, se lhe davam comida e dormida, era como cumpr...
“NÃO ESCREVI MEU PRIMEIRO LIVRO  PENSANDO EM FICAR FAMOSO.   ESCREVI PELA NECESSIDADE  DE EXPRESSAR O QUE SENTIA.”        ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Centenário Jorge Amado

792 views

Published on

Atividade produzida para o aquecimento do Projeto "Centenário Jorge Amado", E.M.Goiás/2012.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Centenário Jorge Amado

  1. 1. Escola Municipal GoiásProjeto Centenário Jorge Amado
  2. 2. Centenário Jorge Amado ( 10/08/1912 – 06/08/2001) “O que desejo é que nesta casa o sentido da vida da Bahia estejapresente e que isso seja o sentimento de sua existência.”
  3. 3. Jorge Leal Amado de Faria foi um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos..
  4. 4. Obra literáriaEle é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeirossucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela e TeresaBatista Cansada de Guerra são criações suas, além de Dona Flor eSeus Dois Maridos e Tenda dos Milagres.
  5. 5. Trecho de “ Capitães da Areia” “Porque naquelas casas, se o acolhiam, se lhe davam comida e dormida, era como cumprindo uma obrigação fastidiosa. Os donos da casa evitavam se aproximar dele, e o deixavam na sua sujeira, nunca tinham uma palavra boa para ele. (...) Mas desta vez estava sendo diferente. Desta vez não o deixaram na cozinha com seus molambos, não o puseram a dormir no quintal. Deram-lhe roupa, um quarto, comida na sala de jantar. (...) Então os lábios de Sem- Pernas se descerraram e ele soluçou, chorou muito encostado ao peito de sua mãe. E enquanto a abraçava e se deixava beijar, soluçava porque a ia abandonar e, mais que isso, a ia roubar. E ela talvez nunca soubesse que o Sem- Pernas sentia que ia furtar a si próprio também.”
  6. 6. “NÃO ESCREVI MEU PRIMEIRO LIVRO PENSANDO EM FICAR FAMOSO. ESCREVI PELA NECESSIDADE DE EXPRESSAR O QUE SENTIA.” Jorge Amado

×