Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Escrita Academica em Ingles (modulo 1)

10,734 views

Published on

Introdução à disciplina / Introduction to the course.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Escrita Academica em Ingles (modulo 1)

  1. 1. Escrita Acadêmica em Inglês Prof. Dr. Ron Martinez PRPPG Universidade Federal do Paraná
  2. 2. Resultados (em andamento) do questionário... (n = 152, 153, 154...)
  3. 3. 39% 37%
  4. 4. 83%
  5. 5. Por que em inglês?
  6. 6. Por que em inglês? • CAPES/CNPq etc. reagem à concorrência mundial; • As revistas reagem a CAPES/CNPq, e à concorrênciapara aumentar o número de citações nos artigos; • As universidades reagem a CAPES/CNPq, e os diversos rankings de universidadesno Brasil, e no mundo. • Os rankings tendem a favorecer o uso de inglês.
  7. 7. Será que inglês resolve? • Man et al. (2004)*, respondendo à pergunta "Porque certos países publicam mais do que outros?" afirmam que existem dois fatores que relacionados com sucesso na publicação: proficiência em inglês, e investimento na pesquisa. • Os avaliadores de manuscritos não rejeitam artigos por causa de problemas de língua (somente). * Man, J. P., Weinkauf, J. G., Tsang, M., & Sin, J. H. D. D. (2004). Why do some countries publish more than others? An international comparison of research funding, English proficiency and publication output in highly ranked general medical journals. European journal of epidemiology,19(8), 811-817.
  8. 8. http://www.worldmapper.org/images/largepng/205.png
  9. 9. Investimento na Ciência, Tecnologia e Inovação (por região) Fonte: https://www.nsf.gov/statistics/2016/nsb20161/
  10. 10. RicardoMarcelo Fonseca, Reitor da UFPR (Gazeto do Povo, 19 a 25 de agosto de 2017) "Um país que queira dar um verdadeiro salto de desenvolvimento econômico só conseguirá fazê-lo com pesados investimentos na educação superior, em ciência, tecnologia e inovação. […] A ciência e a tecnologia brasileiras estão, hoje, à beira do abismo".
  11. 11. Clarissa Ribeiro Reily Rocha,pesquisadorada USP e MIT, vencedorado 8º Prêmio Octavio Frias de Oliveira (Pesquisa em Oncologia), 2017 "Não há como ter pesquisa de qualidade sem financiamento, mesmo que haja formação, mesmo que haja interesse".
  12. 12. EXEMPLO: Arquivos Brasileiros de Oftamologia Idioma de Publicação e % de Citações FONTE: Chamon, Wallace. (2013). A questão do idioma nas Revistas Oftalmológicas Brasileiras. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, 76(1), V-VI.
  13. 13. SciELO:Metas de internacionalização (2015) 21
  14. 14. Loureiro, Luiz Victor Maia, Callegaro Filho, Donato, Rocha, Altieres de Arruda, Prado, Bernard Lobato, Mutão, Taciana Sousa, Donnarumma, Carlos del Cistia, & Giglio, Auro del. (2013). Existe viés de publicação para artigos brasileiros sobre câncer?. Einstein (São Paulo), 11(1), 15-22.
  15. 15. 61%17%
  16. 16. Arq. Bras. Cardiol.,v.98,n.3,p.62-63,2012
  17. 17. Foco na "produção"
  18. 18. Sarewitz, Daniel. "The pressure to publish pushes down quality." Nature, vol. 533, no. 7602, 2016. Academic OneFile, Accessed 18 Jun. 2017.
  19. 19. Fonte: Guardian, 6/12/13
  20. 20. Pressão
  21. 21. 74%
  22. 22. Solidão
  23. 23. Falta de atenção
  24. 24. Falta de confiança
  25. 25. Inglês, escrita científica, e síndrome de impostor
  26. 26. O QUE É A SÍDROME DO IMPOSTOR? “Sentimentos de inadequação, inautenticidade ou fraude pessoal, dúvida, autoeficácia baixa e, por vezes, ansiedade generalizada” (YATES; CHANDLER, 1998, apud BERNAT, 2008, p. 1).
  27. 27. O CICLO Dúvidas sobre si mesmo Perfeccionismo ProcrastinaçãoSucesso! (Yes!) Desconto no sentimento de sucesso
  28. 28. Usuários não nativos de uma língua • “sentimentos de inautenticidade e fraudulência . . . estão relacionados ao senso de inadequação no papel de professor ou ‘expert’ em uma língua que não seja a língua nativa do indivíduo” (BERNAT, 2008, p. 1)
  29. 29. AS VANTAGENS DE SER UM NÃO NATIVO • Bi/Multilíngue (YES!) – entendimento e atenção às idiossincrasias de duas ou mais línguas; • Mais atenção à gramática e aos usos da(s) outra(s) língua(s) – e, por vezes, conhecimento explícito de gramática também.
  30. 30. COMO ISSO ESTÁ RELACIONADO COM A SUA ESCRITA EM INGLÊS?
  31. 31. COMO ISSO ESTÁ RELACIONADO COM A SUA ESCRITA EM INGLÊS? • Ninguém é um escritor nativo – a escrita é uma habilidade que é estudada e aprendida, e envolve noções de gênero, discurso, expectativas retóricas e MUITA prática. • A escrita é também uma atividade que envolve diálogo, planejamento prévio, compartilhamento de atividades e conhecimentos e MUITA edição. (CANAGARAJAH, no prelo)
  32. 32. COMO ISSO ESTÁ RELACIONADO COM A SUA ESCRITA EM INGLÊS?
  33. 33. COMO ISSO ESTÁ RELACIONADO COM A SUA ESCRITA EM INGLÊS? • Exemplos (CANAGARAJAH, no prelo): “após escrever muito tipos de relatórios e artigos, eu descobri que há certos tipos de formatos . . . Então se você estiver familiarizado com esses tipos de formatos, é fácil terminá-los” “mesmo que você seja falante nativo de inglês, se você não tiver praticado o suficiente, seu artigo não será tão bom” “Eu envio minha escrita para a pessoa . . . E depois a gente marca um horário e provavelmente até esse horário ele vai ter lido meu trabalho, e podemos conversar sobre a ideia, como organizá-la e como escrever”
  34. 34. NESTA DISCIPLINA • Conhecimento sobre gênero acadêmico • Recursos eletrônicos • Conhecimento estratégico • Conversas com editores • Colaboração
  35. 35. Objetivos da disciplina
  36. 36. Além da "produção"
  37. 37. Independente de língua
  38. 38. Será que inglês resolve? • Man et al. (2004), respondendo à pergunta"Porque certos países publicam mais do que outros?" afirmam que existem dois fatores que relacionados com sucesso na publicação: proficiência em inglês, e investimentona pesquisa. • Os avaliadores de manuscritos não rejeitam artigos por causa de problemas de língua (somente).
  39. 39. Problemas de "inglês" não causam rejeição • Belcher, D. D. (2007). Seeking acceptance in an English-only research world. Journal of Second Language Writing, 16(1), 1–22. • Bordage, G. (2001). Reasons reviewers reject and accept manuscripts: the strengths and weaknesses in medical education reports. Academic Medicine. • Pierson, D. J. (2012). The Top 10 Reasons Why Manuscripts Are Not Accepted for Publication. Respiratory Care, 49(10).
  40. 40. Motivos mais comuns para rejeição: Belcher (2007) Bordage (2001) Pierson (2012) Revista errada X ✓ X Método com problemas ✓ ✓ ✓ Falta de detalhes X ✓ ✓ Problemas com estatística X ✓ ✓ Discussão inadequada (ou não fundamentada) ✓ ✓ ✓ Formatação inapropriada X ✓ X Falta de lógica na escrita ✓ ✓ ✓ Literatura inadequada ✓ ✓ ✓ Falta de relevância ✓ ✓ ✓ Relevância não clara ✓ ✓ X Inglês incorreto X X X
  41. 41. Motivos mais comuns para rejeição: Belcher (2007) Bordage (2001) Pierson (2012) Revista errada X ✓ X Método com problemas ✓ ✓ ✓ Falta de detalhes X ✓ ✓ Problemas com estatística X ✓ ✓ Discussão inadequada (ou não fundamentada) ✓ ✓ ✓ Formatação inapropriada X ✓ X Falta de lógica na escrita ✓ ✓ ✓ Literatura inadequada ✓ ✓ ✓ Falta de relevância ✓ ✓ ✓ Relevância não clara ✓ ✓ X Inglês incorreto X X X
  42. 42. I live in Curitiba., where it rains a lot. I have many umbrellas.
  43. 43. Motivos artigos são aceitos (Bordage, 2001)
  44. 44. Exemplo real de critérios
  45. 45. Camadas de sucesso (ou fracasso) LÍNGUA ESRCRITA PESQUISA
  46. 46. LÍNGUA ESCRITA PESQUISA
  47. 47. I live on Curitiba. I has many umbrellas.
  48. 48. Motivos artigos são aceitos (Bordage, 2001)
  49. 49. O que você precisa para esta disciplina?
  50. 50. Nível de inglês?
  51. 51. Formato das aulas • "Macro → Micro" • Facetas globais de construção de texto acadêmico → Elementos linguísticos do gênero • Fase 1 (14h00-15h30) Aula mais expositiva, todos juntos no auditório, um único ministrante • Fase 2 (15h45-17h00) Aula mais prática, em grupos separados por área, orientados por diversos colaboradores
  52. 52. Faça o cadastro: goformative.com • Este site será um dos principais usados para a realização de diversas atividades ao longo da disciplina. • Sem acesso ao site não será possível avaliar o aluno. ALUN@S DOCENTES
  53. 53. Avaliação • Todos os encontros terão avaliações, que acontecerão durante e após as aulas; • As atividades de avaliação (no Formative) correspondem a 90% da nota final; • O acesso às atividades será fechado na terça-feira às 17h00, antes do próximo encontro; • A prova final (peso: 10%) consiste em um artigo, cuja nota será atribuída pelo orientador de cada aluno; • Presença será controlada por meio dos exercícios realizados durante as aulas.
  54. 54. Outras fontes de auxílio SEU ORIENTADOR
  55. 55. Comitê Assessor Intersetorial • Profa. Dra. Beatriz Alves Marchiori- SEPT • Profa. Dra. Cláudia C. Hecke Krüger- Ciências da Saúde • Profa. Dra. Chirlei Glienke - Ciências Biológicas • Prof. Dr. José Eduardo Pécora Junior - Ciências Sociais Aplicadas • Profa. Dra. Noela Invernizzi - Educação • Profa. Dra. Eloana Janice Bonfleur - Ciências Agrárias • Profa. Dra. Monica Okamoto - Ciências Humanas • Dra. Adriana Tulio Baggio - SACOD • Dr. Bruno Tucunduva - Ciências Biológicas • Abimael Alves de Oliveira Junior – Setor de Tecnologia • Elaine Kaspchak – Setor de Tecnologia • Ingrid Larissa Melo de Souza - Ciências Biológicas • Leandro Rodrigo Canto Bonfim - Ciências Sociais Aplicadas • Maiara Regina Kososki - Ciências Sociais Aplicadas • Marina Reback Domingues Garcia - Ciências da Terra
  56. 56. Equipe de revisores, tradutores e assessores • Isabel Akemi Yoshino • Thais Cons • Daniele Nogueira Alves Ferrarini • Bruna Negrelli • Alexandre Alves dos Santos • Marianna Imaregna Pedri • Victor Oliveira Almeida Diogo Goes • Profa. Dra. Jane Marian • Katia Mulon
  57. 57. Auxílio do • Durante as aulas: membros da equipe do CAPA (bolsistas e docentes) estarão presentes para auxiliar, inclusive para tirar as dúvidas de pessoas participando virtualmente; • Depois das aulas: o CAPA oferece assessoria personalizada - é só comparecer ao CAPA durante as horas de funcionamento. Mais informações: www.capa.ufpr.br → "Serviços" → "Consulta Individualizada"
  58. 58. www.capa.ufpr. br → "Cursos" →"Escrita Acadê mica em Inglês"
  59. 59. LÍNGUA ESCRITA PESQUISA
  60. 60. Participação obrigatória do orientador
  61. 61. Auxílio do orientador • Ao longo da disciplina, haverá diversos exercícios que envolverão o orientador de cada aluno; • Tal envolvimento não requer proficiência em língua inglesa; • Será necessário que cada aluno cadastre o nome e email de seu orientador através do site da disciplina (www.capa.ufpr.br → "Cursos" →"Escrita Acadêmica em Ingl ês"), e nos alerte caso o orientador não esteja cumprindo com seu papel.
  62. 62. www.capa.ufpr.br → "Cursos" →"Escrita Aca dêmica em Inglês"
  63. 63. Também na página da disciplina (no site do CAPA)... Todos os PowerPoints de cada aula (disponíveis no dia) Resumos das aulas (disponíveis somente depois) Links para leitura, diversos recursos úteis,etc.
  64. 64. No fim da página do site da disciplina:
  65. 65. Cronograma da Disciplina • 30/08 - Introdução • 06/09 - IMRaD,Os erros mais comuns, uso de alguns recursos eletrônicos • 13/09 - Planejamento estratégicodo artigo: o "naysayer" no texto, claims + warranting,CARS, they say/I say, problem-solution • 20/09 - Título, Resumo e Introdução • 27/09 - Não terá aula (escrita em casa) • 04/10 - Escrita da Introdução e conceitos coerência, coesão e clareza, e uso de voz autorial • 11/10 - Escrita do Método • 18/10 - Escrita dos Resultados • 25/10-Escrita da Discussão • 01/11 - Escrita da Conclusão • 08/11 - Título e Resumo (de novo), alunos trocam artigos em andamento com colegas (grupos de 5-6) • 15/11 - Feriado (leitura dos artigos em casa) • 22/11-Feedback em grupos • 29/11 - Lidando com editores e revistas, mesa redonda com editores e pesquisadores; o papel da publicação na carreira
  66. 66. Obrigado, e não esqueçam de... • Fazer o cadastro no Formative • Fazer o cadastro do Orientador • Fazer as atividades ("Módulo 1 - Introdução") no Formative

×