Sistema nervoso visceral

38,239 views

Published on

sistema nervoso visceral

  • Be the first to comment

Sistema nervoso visceral

  1. 1. SISTEMA NERVOSO VISCERAL Seriviço de Neurologia e Neurocirurgia Dr. Carlos Frederico Rodrigues
  2. 2. CONCEITO Estruturas nervosas periféricas que se ocupam do comando motor para as vísceras são designadas Sistema Nervoso Autônomo (SNA). Posteriormente descobriu-se a participação do SNC nesse controle e a existência de fibras aferentes que participam do processamento de informações viscerais. Passou-se então a denominar-se Sistema Nervoso Visceral.
  3. 3. CONCEITO Sistema Nervoso Visceral – conjunto de estruturas centrais e periféricas, que se ocupam do controle do meio interno, em contraposição às estruturas nervosas que tem por função a vida de relação – Sistema nervoso somático. Sistema Nervoso: SNSomático – vias aferentes, centros e vias eferentes. SNVisceral – Vias aferentes, centros e vias eferentes (Sistema nervoso autônomo.
  4. 4. VIAS AFERENTES VISCERAIS Tem origem nos receptores: visceroceptores. Situam-se nas paredes das vísceras e ligam-se a fibras nervosas que conduzem os impulsos sensitivos até a medula espinhal ou ao tronco cerebral, onde penetram através dos nervos espinhais ou cranianos. Não existe diferença anatômica, portanto, entre a porção aferente do sistema nervoso somático e a do sistema nervoso visceral.
  5. 5. VIAS AFERENTES VISCERAIS Do ponto de vista funcional, podemos registrar alguma diferenças entre estes dois sistemas: A informação somática, na maioria das vezes, se torna consciente, as viscerais são frequentemente inconscientes. Mesmo as informações viscerais conscientes são difusas e mal localizadas, ao contrário da sensibilidade somática, que é precisa e bem localizada.
  6. 6. CENTROS NERVOSOS VISCERAIS As informações viscerais são processadas no SNC em diferentes estruturas. Reflexos autonômicos podem ser integrados na medula espinhal ou no tronco encefálico (centros viscerais na formação reticular e núcleo do trato solitário no Bulbo). No cérebro outras estruturas participam do controle visceral: o hipotálamo, áreas do sistema límbico e do próprio córtex cerebral.
  7. 7. CENTROS NERVOSOS VISCERAIS O destaque é o hipotálamo, uma região que se ocupa basicamente da regulação do meio interno e que é o principal centro controlador do sistema nervoso autônomo. Lembrar que a divisão entre sistema nervoso somático e visceral é didática. Nos diversos níveis do SNC encontram-se estruturas que se ocupam tanto da função somática quanto da função visceral.
  8. 8. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES Porção eferente do sistema nervoso visceral envolve sempre dois neurônios. O primeiro situado na medula espinhal ou no tronco encefálico e o segundo situado em gânglios viscerais. O neurônio cujo pericário se encontra na medula espinhal ou no tronco encefálico e cujo axônio vai até o gânglio é chamado de neurônio pré-ganglionar.
  9. 9. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES O neurônio situado no gânglio, cujo gânglio vai até a víscera, leva o nome de neurônio pós-ganglionar. Essa situação difere da porção eferente do sistema nervoso somático, onde o neuônio motor se ririge diretamente à musculatura esquelética. O SNA costuma ser dividido, segundo critérios anatômicos, químicos e fisiológicos, em duas porções que são o sistema nervoso simpático e o parassimpático.
  10. 10. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES A primeira diferença anatômica entre simpático e parassimpático diz respeito à posição do neurônio pré-ganglionar. Os pré-ganglionares do simpático estão situados na medula espinhal torácica e lombar alta Os pré-ganglionares do parassimpático estão no tronco encefálico e no sacro.
  11. 11. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES Os gânglios do simpático são visíveis a olho nu e se dispõem de cada lado da coluna vertebral em uma cadeia ganglionar que leva o nome de tronco simpático. Os do parassimpático são microscópicos e se situam na própria parede da víscera a ser inervada. Sendo assim, os pré-ganglionares do simpático são curtos e os pós longos. Os do parassimpáticos são longos nos pré-ganglionares e curtos no pós.
  12. 12. Fig 5.1
  13. 13. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES Os neurônios pré-ganglionares tanto do simpático quanto do parassimpático são colinérgicos – usam a acetilcolina como neurotransmissor. Os pós-ganglionares no simpático são noradrenérgicos (em sua maioria) e os parassimpáticos colinérgicos. Em virtude disso, os efeitos do simpático e do parassimpático em uma mesma víscera são diferentes.
  14. 14. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES A principal diferença fisiológica é que o simpático tem ação mais generalizada e predomina em momentos em que é importante para o organismo a mobilização de reservas e o gasto de energia. O parassimpático possui ação local e predomina em situações de repouso, onde ocorre restituição de energia.
  15. 15. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ESTRUTURA E DIVISÕES A ação mais generalizada do simpático se explica em grande parte pela sua anatomia: um único neurônio pré faz sinapse com vários neurônios pós. Além disso, fibras pré dirigem-se para a medula da glândula supra- renal, cujas células secretam adrenalina na corrente sanguínea – síndrome de emergência. O parassimpático atua diretamente na víscera, os gânglios estão na própria parede do órgão. Promove a salivação, liberação de suco gástrico e abertura dos esfíncteres, o que possibilita a utilização do alimento pelo ortanismo.
  16. 16. PRINCIPAIS AÇÕES DO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICOÓRGÃO SIMPÁTICO PARASSIMPÁTICOOlho Midríase MioseGlândulas salivares e Pequena secreção / Secreção abundantelacrimais vasoconstricçãoGlândulas sudoríparas Sudorese abundante Sem inervaçãoCoração Taquicardia, Bradicardia e vasodilatação coronária. vasoconstricção coronáriaBrônquios Dilatação ConstricçãoIntestinos Diminuição da peristalse Aumento da peristalseBexiga urinária Relaxamento ContraçãoGenitais masculinos Ejaculação Ereção do pênisMedula supra-renal Agrenalina no sangue Sem açãoFígado Liberação de glicose Pequena sínteseMúsculos eretores piloereção Sem inervação
  17. 17. O SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO Os neurônios pré-ganglionares situam-se na substância cinzenta da medula entre T1 e L2. A fibra pré-ganglionar sai da medula pela raiz anterior e chega ao tronco simpático. O tronco simpático é constituído por uma série de dilatações: gânglios paravertebrais.
  18. 18. O SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO No tronco a fibra pré estabelece contato com a pós. Pode ocorrer no mesmo gânglio ou em gânglios caudais e craniais. Frequentemente, a inervação visceral se faz através dos plexos viscerais, um emaranhado de fibras nervosas tanto simpáticas quanto parassimpáticas que terminam nas paredes viscerais.
  19. 19. O SISTEMA NERVOSO PARASSIMPÁTICO Os neurônios pré-ganglionares parassimpáticos podem ser encontrados na medula sacral ou em núcleos do tronco encefálico. Os neurônios pré da divisão cranial dão origem a fibras nervosas que sairão pelos nervos cranianos oculomotor, facial, glossofaríngeo e vago. O vago irá inervar as vísceras torácicas e abdominais.
  20. 20. CONSIDERAÇÕES FINAIS O conhecimento da anatomia e da fisiologia do Snvisceral é importante não só para a compreensão dos processos envolvidos no controle do meio interno. Esses mecanismos, quando ativados em excesso, pelo estresse por exemplo, podem provocar doenças – IAM, úlcera péptica, asma brônquica e etc.

×