A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS

889 views

Published on

Published in: Spiritual
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
889
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A atuação da igreja católica no combate e prevenção a AIDS

  1. 1. A atuação da Igreja no combate e prevenção do HIV/AIDS. Rodrigo F. Menegatti
  2. 2. Pressupostos da Ação da Igreja católica em relação a Aids Jesus Missão salvífica do Reino Práticas Históricas Magistério da Igreja POSIÇÃO DA IGREJA Movimentos teóricos Movimentos práticos - Estudos - Compreensão -Iniciativas assistenciais - Iniciativas preventivas
  3. 3. Esquema cronológico • 1980 - Ano em que o Boletim Epidemiológico reporta o primeiro caso de Aids no Brasil e o primeiro óbito, paciente masculino e a forma de infecção via sexual. • Sabia-se que a nova doença teria surgido nos EUA. • 1983 – na Cidade de S. Paulo, os meios de comunicação divulgaram o primeiro caso público da “peste GAY”. • Desde o início da doença a Aids foi identifica como comportamento homoerótico. • Os antigos ativistas homossexuais foram os primeiros ativistas políticos com ONGs • A Igreja já se fazia presente, sem muito entender.
  4. 4. • 1985 - em S Paulo foi criada o GAPA – Grupo de Apoio a prevenção da AIDS 1ª ONG no Brasil. • 1986 – o Ministério da Saúde criou a Coordenação nacional DST/AIDS. • 1987 – no R. de Janeiro foi fundada a ABIA (Associação Brasileira interdisciplinar de aids) fundada a assumida por uma pessoa soro positiva. • 1989 – no RG foi criado o primeiro grupo pela VIDDA (Valorização, integração, e dignidade do doente de AIDS, por pessoas soropositivas.
  5. 5. Respostas religiosas • As respostas religiosas demoraram mais para aparecer. Em 1985, Dom Eugênio de Araújo Salles, cardeal Arcebispo de RG escreveu um texto publicado pelo jornal Brasil, apontando “ a aids como uma punição e castigo divino, um revide da natureza contra as intervenções que estavam acontecendo no campo da sexualidade”. • 1987 - foi criada a ARCA (Apoio religioso contra a AIDS que procurava sensibilizar grupos religiosos sobre o problema da AIDS. • 1987 - foi criado o Projeto Esperança na Arquidiocese de SP mesclando apoio jurídico, apoio religioso e distribuição de sestas básicas a soropositivos. • 1889 - foi fundada a ALIVI (Aliança pela vida) de inspiração católica orientada para atendimentos de adultos soropositivos.
  6. 6. 1987 • O conselho mundial das Igrejas, que reúne 340 confissões cristãs, através do seu comitê central, publicava uma nota, dizendo: “A crise da AIDS nos desafia no mais profundo de nós mesmos a ser real e verdadeiramente Igreja: ser Igreja como comunidade terapêutica”.
  7. 7. 1989 - Resumo da Alocução de João Paulo II na IV Conferência Internacional sobre AIDS "Viver, para quê?" Promovida pelo Pontifício Conselho para a Pastoral dos Agentes Sanitários. Dirijo-me antes de tudo, com aflita solicitude, aos doentes de AIDS. Irmãos em Cristo, conheceis toda a esperança do caminho da cruz, não vos sintais sós. Convosco está a Igreja, sacramento de salvação, para sustentar-vos em vosso difícil caminho. Ela recebe muito de vosso sofrimento, enfrentando na fé; está perto de vos com o consolo da solidariedade ativa de seus membros, a fim de que não percais nunca a esperança. Não vos esqueçais o convite de Jesus: "Vinde a mim os cansados e atribulado, e eu vos serei descanso" (Mt. 11,28). Convosco estão, amadíssimos irmãos, homens da ciência, que se esforçam por conter e por vencer esta grave enfermidade: convosco estão quantos, no exercício da profissão sanitária ou por eleição voluntária, sustentada pelo ideal da solidariedade humana, dedicam-se vos assistir com toda solicitude e com todo tipo de meios. [...] A oração da Igreja se eleva a cada dia ao Senhor por vós, particularmente pelos que vivem a doença no abandono e na solidão; pelos órfãos, pelos mais fracos, e pelos mais pobres, que o Senhor nos ensinou a considerar os primeiros em seu Reino.
  8. 8. Ilustração do problema “Era uma vez um corpo que possuía um guerreiro que o protegia. Veio a diarreia e o guerreiro a eliminou. Depois veio a tuberculose. O guerreiro a combateu e a venceu. Qualquer doença que quisesse tomar conta daquele corpo, era combatida pelo destemido guerreiro. Graças a ele, o corpo se mantinha saudável. Um dia, porém, chegou um vírus que começou a paquerar o guerreiro. Aproximou-se e se apresentou como inofensivo, confundindo o guerreiro. Depois de alguns anos, quando o guerreiro estava muito fragilizado, voltaram a diarreia, e a tuberculose e um enorme séquito de doenças. Apoderaram-se do corpo e não o soltaram até que o mataram”. José Bernardi
  9. 9. Pastoral de DST/Aids • A realidade da doença já havia se espalhado por todo o Brasil. • Nasce a vontade de envolver número maior de pessoas para somar forças com o ministérios da saúde no para contribuir contra a epidemia. • O primeiro contato da Igreja com o departamento de DST/Aids foi através de seus representantes. • 1999 - a comissão técnico cientifica da Pastoral da Saúde Nacional criou uma comissão para acompanhar a problemática da aids. A comissão seguiria as linhas da pastoral da saúde e se dedicaria à assistência e educação preventiva contra a Aids.
  10. 10. Primeiros passos • 1999 – Ocorreu a primeira reunião em Brasília, com os membros da comissão, que foram apresentados ao presidente da CNBB, Dom Jaime Chemelo, e ao bispo da Pastoral Social, Dom Jacyr Braido. • 2000 - Foi esta mesma Comissão que organizou e realizou o 1º Seminário "Aids e desafios para a Igreja do Brasil", de 12 a 15 de junho em Itaicí, que reuniu o Ministro da Saúde José Serra, o Coordenador Nacional das Políticas de DST/Aids.
  11. 11. Consolidação • 2001 - organização de uma equipe representativa das cinco regiões do Brasil, além do bispo referencial, um secretário executivo e um assessor nacional; • 2002 – desvinculação da Pastoral da AIDS com a Pastoral da Saúde; • 2013 - a Secretaria Nacional da Pastoral está em Porto Alegre na Rua Dr. Timóteo, 31 e o Secretário Executivo é Frei José Bernardi, OFM
  12. 12. Logotipo O logotipo que representa a Pastoral une dinamicamente dois símbolos de solidariedade: a cruz e o laço. A cruz representa a solidariedade de Deus com a humanidade. Por ela, a vida vence a morte. O laço vermelho é símbolo internacional da luta contra a Aids. Unidos, estes símbolos, procuram expressar o compromisso da igreja com quem é portador do HIV e com aqueles que também trabalham na prevenção de novas infecções.
  13. 13. Missão Em comunhão com a igreja, evangelizar homens e mulheres. Atenta às necessidades das pessoas que vivem com HIV, trabalhar na prevenção e contribuir com a sociedade na contenção da epidemia, envolvendo todos os cristãos na luta contra a Aids.
  14. 14. Compromisso "Serviço de prevenção ao HIV e assistência aos soropositivos: a igreja assume este serviço e, sem preconceitos, acolhe, acompanha e defende os direitos daqueles e daquelas que foram infectados pela Aids. Faz também o trabalho de prevenção, pela conscientização dos valores evangélicos, sendo presença misericordiosa e promovendo a vida como bem maior.” (Diretrizes Gerais da CNBB 2003-2006, n. 123)
  15. 15. Documento de aparecida n. 421 “Consideramos de grande prioridade fomentar uma pastoral com pessoas que vivem com HIV – Aids, em seu amplo contexto e em seus significados pastorais: que promova o acompanhamento compreensivo, misericordioso e a defesa dos direitos das pessoas infectadas; que implemente a informação, promova a educação e a prevenção, com critérios éticos, principalmente entre as novas gerações para que despertem a consciência de todos para conter a pandemia. A partir desta V Conferência pedimos aos governos o acesso gratuito e universal aos medicamentos para a Aids e a dose oportuna.”
  16. 16. Formação de agentes pastorais • A pastoral de DST/Aids teve como preocupação desde o início de suas criação a capacitação de agentes para trabalhar no apoio e contenção da epidemia. • A formação através de cursos acontece a nível regional e também nacional. • O objetivo é capacitar cada vez mais os agentes para melhor servir.
  17. 17. Como se organiza? • A Pastoral de DST/Aids vai criando organismos regionais, segundo as orientações da Igreja do Brasil, e se fazendo presente em dioceses, paróquias e comunidades.
  18. 18. Atividades dentro do calendário oficial
  19. 19. Pesquisa realizada acerca da pastoral de DST/Aids • Em poucos países o complexo impacto da religião e de organizações religiosas com relação a epidemia tem sido tão forte quanto o Brasil. • Pensando nisso a ABIA elaborou um projeto de 5 anos para monitorar os trabalhos realizados em três religiões. • A pesquisa está estruturada em dois níveis: coletas de dados e acompanhamento de ações locais e quatro sítios. • 1- Porto Alegre; 2- Rio de Janeiro; 3- São Paulo; 4- Recife.
  20. 20. Qual é o objetivo do projeto • Buscar identificar as diretrizes das religiões; • Os modos de estabelecer as prioridades; • As relações entre Aids, sexualidade e princípios religiosos católicos, tanto local, como nos Documentos da Hierarquia; • As conexões entre as ações da Pastoral e o tema dos direitos humanos. • A relação entre as ações de outras pastorais como: pastoral da juventude, pastoral da saúde, pastoral da mulher marginalizada e pastoral carcerária.
  21. 21. Primeiras constatações Igreja Produção de identidades Linhas ligadas ao rigor Doutrinal Linhas ligadas a pastoral que valorizam mais a caridade Conflitos
  22. 22. O interesse de investigação do Proj. Resp. Religiosas ao HIV/Aids no Brasil em dois níveis: Micro- político V • Que implicações a adesão a determinadas crenças religiosas, aos códigos morais delas decorrentes e a inserção em rotinas e práticas religiosas pode trazer para a vulnerabilidade à aids? • Como a religião entra na estruturação da vida de indivíduos soropositivos, na sua rede de relações, nos seus projetos de vida? • Como a religião entra na vida dos soronegativos, na elaboração de campanhas e na difusão de ideias de prevenção?
  23. 23. • Até que ponto as políticas públicas que visam à prevenção da aids, visam o tratamento e assistência das pessoas vivendo com aids são influenciadas pelos atores políticos religiosos? • Que composições podemos verificar entre o Estado brasileiro e estes atores políticos, em particular no trato das questões que envolvem sexualidade, uso do preservativo, direitos sexuais e direitos reprodutivos, campanhas de esclarecimento acerca da doença, visibilidade da diversidade sexual, etc.? Macro- político
  24. 24. Tensões - Existiram tensões na criação da Pastoral de DST/Aids. - Menos tensões entre atividades de assistência do que de prevenção. - Quase não existe tenções da pastoral com os métodos biomédicos de tratamento. Hierarquia/CNBB/ Cuíria Romana Agente pastorais/Ong
  25. 25. Avanço da pastoral na prevenção Testemunho de um agente formador de novos agentes em Porto Alegre: “no início, nós colaborávamos com a luta contra a Aids secando o chão, com esforço e com humildade estávamos sempre secando o chão, e ele sempre tornava a molhar, mas agora, temos discutido a importância de ajudar a fechar a torneira, para diminuir a quantidade da água que jorra. Dessa forma, estamos discutindo cada vez mais o que fazer com a prevenção, pois temos que evitar que a doença continue a crescer.”
  26. 26. Ecumenismo • “O espaço da luta contra a Aids parece um espaço ecumênico”. • A pastora de DST/Aids tem tido, ao longo dos últimos anos, um diálogo intenso com: - CONIC (Conselho Nacional de Igrejas cristãs do Brasil). - Dia de Vigília pelos Mortos de Aids. -1º Dezembro dia mundial de luta contra a Aids.
  27. 27. Eixos transversais • A Pastoral de DST/Aids procura trabalhar com outras pastorais. • Em particular identificamos ações conjuntas com a Pastoral da Juventude, Pastoral da Mulher Marginalizada, Pastoral Carcerária, Pastoral Universitária e Pastoral Familiar.
  28. 28. Relação da Pastoral com as ONGs • Relações que são simultaneamente de cooperação e de disputa. • Eixo de tensões: Posições, forma de atuar, estratégias, princípios e convênios com o Governo.
  29. 29. O que vem sendo realizado em 4 sítios de atuação da pastoral • Articulações conjuntas com outras Igrejas. • Militância política em favor dos direitos. • Iniciativas: casa fonte colombo. Porto Alegre • Acompanhamento de famílias e portadores. • Capacitação de agentes. • Parcerias com programas municipais. • Atuação junto as comunidades. • Parcerias com outras pastorais. Rio de Janeiro
  30. 30. • Contou sempre mais com iniciativas pessoais. • Dom EvaristoSão Paulo • Conflitos com ONGS • Conflitos das iniciativas pastorais com a hierarquia.Recife
  31. 31. Casa Fonte Colombo Fundada em 30 de novembro de 1999. Exercícios físicos Ação comunitária de incentivo ao diagnóstico Trabalho com crianças
  32. 32. Vigília pelos mortos de Aids
  33. 33. Breve História VIGÍLIA EM MEMÓRIA DAS PESSOAS QUE FALECERAM COM AIDS A Vígilia é um movimento internacional que iniciou em 7 de maio 1983. Um grupo formado por mães, parentes e amigos de pessoas que morreram por causa do HIV, organizou, em Nova Iorque, a Primeira Vigília Pelos Mortos da Aids.
  34. 34. Referências • BERNARD, José (Org). Vulnerabilidade Social e Aids: O desafio da prevenção em tempos de pauperização da epidemia. Porto Alegre: pastoral DST/Aids-CNBB, 2005. 111p. • GAFO FERNÁNDEZ, Javier. 10 palavras-chave em bioética: bioética, aborto, eutanásia, pena de morte, reprodução assistida, manipulação genética, AIDS, drogas, transplantes de órgãos, ecologia. São Paulo: Paulinas, 2000. 339 p. • PASTORAL DST/Aids. Viu e Teve Compaixão...Igreja e Aids. 2ª ed. Porto Alegre: Pastoral de DST/Aids-CNBB, 2005 • RIOS, F. (2006). Religião e AIDS: espostas e desafios. Seminário religião e AIDS: espostas religiosas à epidemia no Rio de Janeiro. (ABIA). Rio de Janeiro.
  35. 35. • SEFFNER, F.; SILVA, C. G. M.; MAKSUD, I.; GARCIA, J.; RIOS, L. F.; NATIVIDADE, M.; BORGES, P.; PARKER, R., E TERTO JR., V.: Respostas religiosas à AIDS no Brasil: impressões de pesquisa acerca da pastoral de DST/AIDS da Igreja Católica. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre v.10, n.10, p. 159-180, 2008. • TERRA, C.; Seffner, F.; PARKER, R. (06/2008). Respostas religiosas a AIDS no âmbito municipal: analisando ações no município de Pelotas. VII Congresso Nacional de Prevenção das DST e AIDS. Florianópolis.
  36. 36. Fontes da Internet • http://www.pastoralaids.org.br/index1.php • http://www.portalcatolico.org.br/main.asp? View={BB63CEDC-F103-40C3-B5C7- F819D54ABE0A}&Team=&params=itemID ={F3AF3C07-B4FF-40F5-8693- 366A72829646}%3B&UIPartUID={2C3D9 90E-0856-4F0C-AFA8-9B4E9C30CA74}. • http://www.pastoralaids.org

×