Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
1
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP
CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA
CURSO DE PEDAGOGIA
Apre...
2
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
SUMÁRIO
Introdução.........................................................................
3
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
INTRODUÇÃO
Esse trabalho tem por finalidade avaliar e discutir a inclusão no Brasil, exp...
4
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
A educação inclusiva se apoia na premissa de que é preciso olhar para o aluno de
forma i...
5
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
4) Qual é a participação dos pais dos alunos com deficiência, no atendimento, no
acompan...
6
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
3) Como você trata seu amigo?
Trato ele muito bem, porque eu gosto muito dele.
vide em a...
7
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
REFERÊNCIAS
FIGUEIRA, Emilio. A imagem do portador de deficiência mental na sociedade e ...
8
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
ANEXOS
9
UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP
Desenho 1 – aluno José Miguel
Desenho 2 – aluno Eduardo
Desenho 3 – aluna Kamilly
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Desafio inclusão

Trabalho feito para o cumprimento da grade curricular da Faculdade e disseminação com a outras pessoas sobre a inclusão.

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Desafio inclusão

  1. 1. 1 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO DE PEDAGOGIA Aprendizagem e Desenvolvimento Social da Criança, Direitos Humanos e Introdução à Educação Virtual EDUCAÇÃO INCLUSIVA Araçoiaba da Serra-SP- 25/05/2015 Rodolfo Ferreira Duarte RA: 9608493272 Zenilda de Andrade Fregone RA: 9576428571 Jéssica Arruda Couvre RA: 9675467359 Mariane de Milanda Barros RA: 9675449320 Desafio Profissional entregue como requisito para conclusão das disciplinas de Aprendizagem e Desenvolvimento Social da Criança, Direitos Humanos e Introdução à Educação Virtual, sob a orientação do professor-tutor Sonia Palmira Piana Guerbas
  2. 2. 2 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP SUMÁRIO Introdução.................................................................................................................. 03 Inclusão...................................................................................................................... 04 Entrevista de Professor.............................................................................................. 05 Entrevista de Aluno................................................................................................... 06 Considerações Finais................................................................................................. 07 Referências................................................................................................................. 08 Anexos....................................................................................................................... 09 Desenhos dos Alunos................................................................................................. 10
  3. 3. 3 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP INTRODUÇÃO Esse trabalho tem por finalidade avaliar e discutir a inclusão no Brasil, expor ideias e críticas construtiva. Inclusão escolar é acolher todas as pessoas, sem exceção, no sistema de ensino, independentemente de cor, classe social e condições físicas e psicológicas. O termo é associado mais comumente à inclusão educacional de pessoas com deficiência física e mental. A ideia de uma sociedade inclusiva fundamenta-se numa filosofia que reconhece e valoriza a diversidade como característica inerente à constituição de qualquer sociedade. Partindo desse princípio e tendo como horizonte o cenário ético dos Direitos Humanos, sinaliza-se a necessidade de garantir o acesso e a participação de todos a todas oportunidades, independentes das peculiaridades de cada indivíduo. Sabendo que em todas as instituições de ensino existe diversidade e cientes de que a inclusão cresce a cada ano, mesmo as escolas não estando preparadas para acolher e lidar com o diferente. Mas o que é de fato a inclusão? O que leva as pessoas a terem entendimentos e significados tão diferentes? Cabe aqui tecer algumas reflexões, pois dessa forma estaremos contribuindo para uma prática menos segregacionista e menos preconceituosa. INCLUSÃO O artigo 208 da Constituição brasileira especifica que é dever do Estado garantir "atendimento educacional Especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino", condição que também consta no artigo 54 do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). A legislação também obriga as escolas a terem professores de ensino regular preparados para ajudar alunos com necessidades especiais a se integrarem nas classes comuns. Ou seja, uma criança portadora de deficiência não deve ter de procurar uma escola especializada. Ela tem direito a cursar instituições comuns, e é dever dos professores elaborar e aplicar atividades que levem em conta as necessidades específicas dela. Em cinco anos dobrou o número de alunos com deficiência matriculados nas escolas regulares do país. A inclusão deve continuar a crescer e as redes precisam estar prontas para receber bem esses estudantes com ações que vão da melhoria dos espaços físicos à mobilização da comunidade escolar.
  4. 4. 4 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP A educação inclusiva se apoia na premissa de que é preciso olhar para o aluno de forma individualizada e colaborativa, contemplando suas habilidades e dificuldades no aprendizado em grupo. Isso não significa reduzir as expectativas da turma ou deixar de avaliar os estudantes: as metas de conquista do conhecimento são estabelecidas em consonância com o potencial de cada criança. "A escola deve ser um lugar de encontro, de igualdade, de desenvolvimento. Para isso precisamos construir um espaço-tempo de gestão que acolha as diferenças existentes no mundo", defende a pedagoga Carla Mauch, coordenadora geral da associação Mais Diferenças, instituição que atua como consultoria na implementação de práticas e políticas inclusivas. “[....] palavras são expressões verbais de imagens construídas pela mente. Às vezes, o uso de certos termos, muito difundido e aparentemente inocentes, reforça preconceitos. Além dessas falas, temos observado, o medo da mudança com a certeza do fracasso e medo da diferença onde se sentem ameaçados, os que provocam afastamento, o estigma e consequentemente o preconceito. O professor desconhece quem é este sujeito, suas possibilidades, seu desejos, suas dificuldades e limitações”. FIGUEIRA (online). ENTREVISTA NOME: LAURA MORAES VIEIRA PROFISSÃO: PROFESSORA ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO: UNIVERSIDADE PAULISTA 1) O que é inclusão escolar? A expressão “inclusão escolar”, para mim, tem um significado bem amplo. Pode significar simplesmente inserir a pessoa com alguma deficiência na escola ou pode significar dar ao deficiente todo apoio necessário para uma completa aprendizagem. 2) Quais as principais dificuldades enfrentadas por professores e escolas no processo de inclusão? Uma das maiores dificuldades é a falta de preparo do professor, a falta de cursos específicos, e tem também a falta de recursos, espaço físico das escolas, espaços adequados para o atendimento dessas crianças. 3) Você acredita que a inclusão pode contribuir para diminuir o preconceito? Por quê? Sim, porque o preconceito é aprendido, toda a vez que mostramos que é possível escolher os que podem ficar dentro e os que vão para fora de um grupo, seja na escola ou na sociedade em geral.
  5. 5. 5 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP 4) Qual é a participação dos pais dos alunos com deficiência, no atendimento, no acompanhamento? Divergências extremas. Existe a família que coopera, orienta sobre seu filho, e existe a família de luto que não aceita e que se sente agredida quando a escola exige a participação. Precisamos ter bom senso para ajudá-las a nos ajudar. 5) A escola precisa se adaptar para a inclusão? Além de fazer adaptações físicas, a escola precisa oferecer atendimento educacional especializado paralelamente às aulas regulares, de preferência no mesmo local. Assim, uma criança cega, por exemplo, assiste às aulas com os colegas que enxergam e, no contra turno, treina mobilidade, locomoção, uso da linguagem braile e de instrumentos como o soroban, para fazer contas. Tudo isso ajuda na sua integração dentro e fora da escola. ENTREVISTA DE ALUNOS Aluno: José Miguel (nome fictício) 1) Por quê seu amigo é diferente? Pra mim ele não é diferente. 2) Como iniciou sua amizade? Quando ele veio morar na minha rua. 3) Como você trata seu amigo? Eu trato ele de maneira normal, porque ele é igual a todos os meus amigos. vide em anexo desenho 1 Aluno: Eduardo (nome fictício) 1) Por quê seu amigo é diferente? Ele é diferente só porque usa uma cadeira de rodas. 2) Como iniciou sua amizade? Quando começamos a jogar basquete juntos.
  6. 6. 6 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP 3) Como você trata seu amigo? Trato ele muito bem, porque eu gosto muito dele. vide em anexo desenho 2 Aluna: Kamilly Cristine (nome fictício) 1) Por quê seu amigo é diferente? Porque ela é mais carinhosa que as outras crianças. 2) Como iniciou sua amizade? Crescemos juntas, ela mora próximo da minha casa. 3) Como você trata seu amigo? Trato ela muito como se fosse minha irmã. vide em anexo desenho 3 Blog Foi criado um blog onde foi inserido o presente trabalho com mais informações. Disponível: http://amigoespecialinclusao.blogspot.com.br CONSIDERAÇÕES FINAIS Após a análise conclui-se que para o processo de inclusão escolar é importante que haja uma transformação no sistema de ensino que venha beneficiar toda e qualquer pessoa, levando em conta a especificidade do sujeito e não mais as suas deficiências e limitações. Espera-se que este material traga transformações nas instituições escolares e que, principalmente impulsione mudanças de atitudes com relação aos alunos com necessidades educacionais especiais. Mudanças que ocorrem com a efetivação de uma política de educação inclusiva, que implica numa reforma na gestão e no projeto pedagógico da escola. “[....] Uma criança deficiente não é respeitada se for abandona à sua deficiência, do mesmo modo que não é respeitada se se negar a realidade da sua deficiência. É respeitada se a sua identidade, a sua originalidade, da qual a deficiência também faz parte, for favorecida e quase provocada, isto é, se ela for levada a desenvolver-se. Tal é a atitude realista ativa, em situação e em relação. Se for ao contrário, temos o realismo inerte”. (CANEVARO, 1984).
  7. 7. 7 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP REFERÊNCIAS FIGUEIRA, Emilio. A imagem do portador de deficiência mental na sociedade e nos meios de comunicação. In: Ministério da Educação e do Desporto, Secretária de Educação Especial. Integração. Disponível em www.revistaescolapublica.uol.com.br/Inclusão. Acesso em 12/05/2015. http://www.pedagobrasil.com.br/educacaoespecial/inclusaoescolar. Acesso em 12/05/2015. http://www.pedagobrasil.com.br/educacaoespecial/inclusaoescolar.htm. Acesso em 21/05/2015. http://www.pedagogia.com.br/artigos/incluescolar/. Acesso em 21/05/2015.
  8. 8. 8 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP ANEXOS
  9. 9. 9 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP Desenho 1 – aluno José Miguel Desenho 2 – aluno Eduardo Desenho 3 – aluna Kamilly

    Be the first to comment

    Login to see the comments

Trabalho feito para o cumprimento da grade curricular da Faculdade e disseminação com a outras pessoas sobre a inclusão.

Views

Total views

1,726

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

4

Actions

Downloads

14

Shares

0

Comments

0

Likes

0

×