Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Gil vicente farsa ines

67 views

Published on

ppt

Published in: Education
  • Hello! Get Your Professional Job-Winning Resume Here - Check our website! https://vk.cc/818RFv
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Hi there! Essay Help For Students | Discount 10% for your first order! - Check our website! https://vk.cc/80SakO
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Gil vicente farsa ines

  1. 1. Gil Vicente (1465-1536?) Contextualização •  Gil Vicente testemunhou: •  as lutas polí3cas do reinado de D. João II; •  a descoberta da costa africana; •  a chegada de Vasco da Gama à Índia; •  as conquistas dos seus primeiros governadores; •  a transformação de Lisboa em capital de um Império; •  o fausto do reinado de D. Manuel; •  a construção dos Jerónimos, do convento de Tomar e de outros monumentos; •  as perseguições aos cristãos-novos; •  os começos da crise do reinado de D. João III. •  Gil Vicente viveu numa época dominada pelos Descobrimentos e pelas dualidades do novo Portugal Quinhen3sta: •  Devoção religiosa vs. hipocrisia social; •  Moralismo em público vs. devassidão em privado; •  Valorização do dinheiro vs. diminuição da fé.
  2. 2. •  Gil Vicente criticou: •  todas as classes sociais; •  os vícios da sociedade do século XVI. •  A sua crítica é conseguida através de: •  comicidade; •  naturalidade; •  espontaneidade. •  O teatro vicentino tem o objetivo pedagógico de modificar aquilo que estava mal, por isso, cumpre a máxima latina – Ridendo Castigat Mores. Ridendo CasGgat Mores
  3. 3. •  Trata-se de um género pertencente ao modo dramá3co que apresenta normalmente o tema do engano. De acordo o E- Dicionário de termos literários de Carlos Ceia, Farsa é definida como «um género dramá3co que representa cenas da vida profana, simultaneamente agressivas, pela sá3ra contundente, e fes3vas, pelo cómico hilariante». Farsa de Inês Pereira Farsa - conceito Mote que dá origem à peça «Mais quero ASNO que ME leve que CAVALO que me derrube.» Pêro Marques Inês Pereira Brás da Mata
  4. 4. •  Reduzido número de personagens Ex.: Inês Pereira, Mãe, Lianor Vaz, Pêro Marques, Brás da Mata, Moço, Ermitão •  Abundância de Gpos sociais caracterísGcos da época Ex.: Inês Pereira – jovem em idade de casar Lianor Vaz – alcoviteira Brás da Mata – escudeiro pelintra Pêro Marques – lavrador rús3co Personagens
  5. 5. Inês/Mãe – relação de hierarquia e autoritarismo. Inês/Brás da Mata – autoritarismo, violência, prepotência e subserviência marital. Inês/Pêro Marques – desigualdade emocional. Ele ama a sua esposa e esta desrespeita-o, sendo-lhe infiel. Mãe/Lianor – cumplicidade. Moço/Brás da Mata - autoritarismo e crí3ca, lealdade do Moço em relação ao seu amo. Lianor/Pêro Marques – interesse (obje3vo é conseguir casá-lo com Inês a fim de receber algum benecio com isso). Judeus casamenteiros/Brás da Mata – interesse (obje3vo é conseguir casá-lo com Inês a fim de receberem algum benecio com isso). Inês/Ermitão – amor (reencontro de um amor an3go). Relações entre as personagens
  6. 6. Inês Pereira - Não é uma personagem-3po, mas o seu comportamento tem traços do estereó3po da jovem sonhadora e ambiciosa. Escudeiro Brás da Mata - Crí3ca à pequena nobreza sem recursos próprios. Crí3ca às suas dependências, à parasitagem, à cobardia. Pêro Marques - Representa o rús3co lavrador. A sua linguagem, ignorância, simplicidade e postura ridícula transformam-no numa caricatura. As personagens Gpo: Mãe – Ilustra as bpicas mães protetoras e autoritárias. Lianor Vaz - Representa os alcoviteiros: promove casamentos de conveniência a troco de dinheiro. Judeus casamenteiros - Representam os alcoviteiros: promovem casamentos a troco de dinheiro. Crí3ca à avareza e à men3ra. Moço – Representa os criados e tudo o que estes têm de suportar dos seus amos. Apesar disso, são crí3cos rela3vamente às condutas incorretas dos mesmos. Ermitão - Crí3ca à imoralidade do clero. Crí3ca à hipocrisia com que os membros do clero encaram a sua vocação. RepresentaGvidade das personagens e Personagens Gpo
  7. 7. Temas abordados •  Luta entre forças opostas Ex.: modo de vida popular vs. modo de vida cortês •  Relacionamento humano, familiar e amoroso Ex.: relacionamento mãe/filha, Inês/pretendentes, marido/mulher… •  Oposição dos valores tradicionais e convencionais a valores individuais e pessoais Ex.: diferentes conceções de vida e de casamento •  Recurso frequente ao equacionamento de um triângulo amoroso Ex.: Inês Pereira - Brás da Mata - Pêro Marques Inês Pereira - Pêro Marques - Ermitão
  8. 8. Inês - Solteira Insa3sfação de Inês com a sua vida de solteira • Projeto de libertação de Inês: o casamento como forma de emancipação • Recusa de casamento com o rús3co Pêro Marques → recusa do modo de vida popular • Antagonismo entre Inês e a Mãe (conflito intergeracional): oposição de interesses e conceções de vida → marido ideal: homem “avisado”, com hábitos de corte (Inês) vs. homem que garanta estabilidade económica (Mãe) Inês Pereira Inês – Brás da Mata Centralidade do encontro de Inês Pereira com Brás da Mata: ilusão de Inês (homem “avisado”) → anseio de promoção social (modo de vida cortês) • Reforço do antagonismo entre Inês e a Mãe (conflito intergeracional) • Casamento de Inês e de Brás da Mata; transformação da ilusão do primeiro encontro em desencanto (carácter autoritário e 3rano de Brás da Mata) • Viuvez de Inês (o Escudeiro morre em África), que volta a estar livre Inês – Pêro Marques Casamento com Pêro Marques •  aprendizagem pela experiência; •  perceção dos perigos do casamento; •  anseio de promoção social; •  alteração de a3tude: aceitação do modo de vida popular. • Relação extraconjugal com o Ermitão: •  emancipação/ liberdade
  9. 9. Representação do quoGdiano •  a prá3ca religiosa (ida à missa); •  o hábito de recorrer a casamenteiros (Lianor Vaz e os Judeus); •  a falta de liberdade da rapariga solteira, confinada à casa da mãe e a viver sob o jugo desta; •  a ocupação da mulher solteira em tarefas domés3cas (bordar, coser); •  o casamento como meio de sobrevivência e de fuga à submissão da mãe; •  diferentes conceções de vida e de casamento – diferenças intergeracionais; •  a tradição da cerimónia do casamento, seguida de banquete; • a submissão ao marido da mulher casada e o seu «aprisionamento» em casa; •  modo de vida popular (Pêro Marques) vs modo de vida cortês (Brás da Mata); •  a inércia da nova burguesia que nada fazia para adquirir mais cultura; •  a decadência da nobreza que procurava enriquecer através do casamento e buscava o presbgio perdido na luta contra os mouros; •  a devassidão do clero; a corrupção moral de mulheres que se deixavam seduzir por elementos do clero; o episódio relatado por Lianor Vaz; •  o adultério.
  10. 10. Dimensão safrica •  Presença da sáGra, fonte de cómico Ex.: Farsa de Inês Pereira: Mundo às avessas / subversão da ordem social estabelecida – crise de valores (hipocrisia, 3rania, adultério, devassidão do clero, culto da aparência) – conflitos sociais em potência (casamento entre pessoas de classes sociais dis3ntas) •  Mecanismos – Personagens 3po (3pos sociais caracterís3cos da época) – Recurso ao cómico (de situação, de carácter e de linguagem) A sáGra, estreitamente ligada ao cómico, ao riso e ao caricatural, recai principalmente sobre as personagens de Inês Pereira, Pêro Marques e Brás da Mata.
  11. 11. Dimensão safrica - exemplos Inês Pereira: •  apresenta-se como revoltada contra os trabalhos domés3cos; •  pretende libertar-se através de casamento; •  tem uma noção idealizada do casamento, muito longe da realidade; •  pretende um marido que seja bem-falante, tocador de viola, sedutor, mesmo que nada tenha de comer; •  é cas3gada quando vê desabar, na prá3ca, o seu engano, a sua conceção de casamento; •  encaminha-se, às costas do marido, para um encontro amoroso que fará de si adúltera. Pêro Marques: •  é visto pela primeira vez a caminhar desajeitadamente em busca da casa de Inês; •  revela incapacidade de falar, de seduzir; •  traz presentes inadequados para Inês; •  expõe a sua rus3cidade de campónio que desconhece a função da cadeira; •  mostra a sua ingenuidade em assuntos amorosos, pois, encontrando-se de noite com Inês, não aproveita para lhe dizer palavras de amor; •  leva a mulher às costas , com docilidade e ingenuidade, para se encontrar com um amante: é o modelo do marido enganado e complacente – sem perdão, é cas3gado pelo riso.
  12. 12. Brás da Mata: •  reconhecimento, aquando da sua entrada em cena, acompanhado pelo Moço, de uma figura velha conhecida: o escudeiro pelintra, fanfarrão, pretensioso; •  palavras do Moço, que, direta ou indiretamente, em vários apartes, cas3ga o amo ao lembrar-lhe a pobreza esfomeada e descalça em que vive, ou se espanta com as manias de grandeza de quem até a viola tem de pedir emprestada…; •  respostas do Escudeiro aos pedidos do Moço, a indicar caminhos de men3ra e de dissimulação, ou a propor-lhe o roubo para se alimentar; •  nobcia do modo como morreu: fugindo covardemente da luta. Dimensão safrica – exemplos (cont.)

×