Reciclagem do Lixo Eletrônico Luiz Bursztyn IDG Now! » Central de Álbum de Fotos » Homem de lixo
Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
Lixo eletrônico também. Fonte:  http://www.metarec.com.br/e-lixo-e-o-ciclo-das-chuvas/ “ imagine que as chuvas caem em cim...
http://www.youtube.com/watch?v=sl2j83LCHss&feature=related
<ul><li>regulamenta a reciclagem  de materiais descartados, bem como as formas de manejo e aterramento de dejetos, proibin...
<ul><li>Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos ap...
No Brasil, um problema a mais... <ul><li>M esmo que a lei seja aplicada com todo o rigor, boa parte do lixo eletrônico nos...
Reciclagem de lixo-e _______ PROCESSO PROPOSTO (PC-Vida, CEDIR (USP), outros)
1 Pedidos de descarte de equipamentos inutilizados ou doações de equipamentos em funcionamento; Sistema para registrar ped...
2 O doador pode entregar seu lote no Ponto de Coleta ou simplesmente pedir que seja buscado em seu endereço. Caso tenha qu...
3 Transporte Deve ser criado um serviço que recolha os equipamentos recebidos nos Pontos de Coleta e os leve até o depósit...
4 Armazenamento/Depósito: Espaço organizado com os equipamentos doados que aguardam avaliação/triagem do Laboratório.
5 Triagem: classificação e avaliação Os laboratórios, anexos aos depósitos, fazem a triagem dos equipamentos recebidos, se...
6 Reciclagem Desmontagem: extração de componentes (placas, hd’s, drive’s, etc...);  Beneficiamento dos componentes que fun...
7 Reutilização Testes: equipamento ainda “em funcionamento” deve ser examinado em bancada, identificar necessidade de repa...
Pontos de Coleta: Lan Houses
Pontos de Coleta | Depósitos | Laboratórios
Questões a discutir <ul><li>Remuneração dos Pontos de Coleta com base em trocas (economia solidária); </li></ul><ul><li>Ne...
<ul><li>Conclusão ? </li></ul>
<ul><li>Obrigado. </li></ul>
<ul><li>Art. 1 o   Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e ...
<ul><li>Art. 9 o   Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade:  não ...
<ul><li>Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos ap...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Rio Info 2010 - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - Luiz Bursztyn

1,009 views

Published on

Rio Info 2010 - Fórum de Negócios - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - 02/09/2010

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,009
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
32
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Rio Info 2010 - Negócios em Fórum - Responsabilidade Socioambiental - Luiz Bursztyn

  1. 1. Reciclagem do Lixo Eletrônico Luiz Bursztyn IDG Now! » Central de Álbum de Fotos » Homem de lixo
  2. 2. Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
  3. 3. Resíduos sólidos são um grande problema para a humanidade
  4. 4. Lixo eletrônico também. Fonte: http://www.metarec.com.br/e-lixo-e-o-ciclo-das-chuvas/ “ imagine que as chuvas caem em cima de milhares de toneladas de lixo eletrônico que contem chumbo, mercúrio e vários outros metais pesados e essa sopa radiativa corre pela água para, rios, córregos, açudes e por ai vai.”
  5. 5. http://www.youtube.com/watch?v=sl2j83LCHss&feature=related
  6. 6. <ul><li>regulamenta a reciclagem de materiais descartados, bem como as formas de manejo e aterramento de dejetos, proibindo a manutenção de lixões em todo o país; </li></ul><ul><li>- prevê a responsabilidade compartilhada pela gestão dos resíduos sólidos, envolvendo fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e consumidores no monitoramento do ciclo de vida dos produtos. </li></ul>LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  7. 7. <ul><li>Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de:  </li></ul><ul><li>§ 3 o   Sem prejuízo de exigências específicas fixadas em lei ou regulamento, em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS, ou em acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial, cabe aos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes dos produtos a que se referem os incisos II, III, V e VI ou dos produtos e embalagens a que se referem os incisos I e IV do  caput  e o § 1 o  tomar todas as medidas necessárias para assegurar a implementação e operacionalização do sistema de logística reversa sob seu encargo, consoante o estabelecido neste artigo, podendo, entre outras medidas:  </li></ul><ul><li>I - implantar procedimentos de compra de produtos ou embalagens usados;  </li></ul><ul><li>II - disponibilizar postos de entrega de resíduos reutilizáveis e recicláveis ;  </li></ul><ul><li>III - atuar em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis, nos casos de que trata o § 1 o . </li></ul>LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  8. 8. No Brasil, um problema a mais... <ul><li>M esmo que a lei seja aplicada com todo o rigor, boa parte do lixo eletrônico nosso, ao contrário dos pneus e eletrodomésticos, não tem etiqueta de marca. São máquinas montadas, órfãs de fabricantes e de corresponsáveis por sua coleta pós vida útil. </li></ul>
  9. 9. Reciclagem de lixo-e _______ PROCESSO PROPOSTO (PC-Vida, CEDIR (USP), outros)
  10. 10. 1 Pedidos de descarte de equipamentos inutilizados ou doações de equipamentos em funcionamento; Sistema para registrar pedidos, descrever as doações ,localizar pontos de coleta e e mitir recibos de entrega;
  11. 11. 2 O doador pode entregar seu lote no Ponto de Coleta ou simplesmente pedir que seja buscado em seu endereço. Caso tenha que ser buscado, este é um problema a ser resolvido . Caso seja entregue, deve ser conferido com o declarado, um recibo deve ser emitido e o equipamento deve ser guardado em depósito do Ponto de Coleta. O Ponto de Coleta deve ser recompensado por meio de trocas ou moeda complementar. Deve ser criado um sistema de pontuação associado a prêmios. Estes equipamentos devem ser reunidos até que estejam em quantidade que compense o transporte até o depósito.
  12. 12. 3 Transporte Deve ser criado um serviço que recolha os equipamentos recebidos nos Pontos de Coleta e os leve até o depósito mais próximo. A ferramenta web acompanha o movimento dos equipamentos entre Pontos de Coleta e Depósito.
  13. 13. 4 Armazenamento/Depósito: Espaço organizado com os equipamentos doados que aguardam avaliação/triagem do Laboratório.
  14. 14. 5 Triagem: classificação e avaliação Os laboratórios, anexos aos depósitos, fazem a triagem dos equipamentos recebidos, separando aqueles que ainda podem ser reutilizados dos que não podem mais e que, por isso, são encaminhados para a reciclagem.
  15. 15. 6 Reciclagem Desmontagem: extração de componentes (placas, hd’s, drive’s, etc...); Beneficiamento dos componentes que funcionam; Descaracterização (trituração ou destruição) quando solicitada; Segregação dos diferentes materiais para comercialização.  
  16. 16. 7 Reutilização Testes: equipamento ainda “em funcionamento” deve ser examinado em bancada, identificar necessidade de reparos e da eliminação de eventuais dados dos doadores. Preparar equipamento para a nova vida útil.   Montagem / Reparos: melhoria do estado geral de equipamentos pela troca de componentes..   Cessão de uso: a ferramenta web deve gerir uma lista de solicitantes de equipamentos com as características desejadas por cada um. 
  17. 17. Pontos de Coleta: Lan Houses
  18. 18. Pontos de Coleta | Depósitos | Laboratórios
  19. 19. Questões a discutir <ul><li>Remuneração dos Pontos de Coleta com base em trocas (economia solidária); </li></ul><ul><li>Necessidade de governança; </li></ul><ul><li>Ferramenta web para anunciar ofertas, coordenar coleta, coordenar pedidos de equipamentos para uso social, contabilizar pontos, comunicação entre os participantes; </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Conclusão ? </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Obrigado. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Art. 1 o   Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>§ 1 o   Estão sujeitas à observância desta Lei as pessoas físicas ou jurídicas , de direito público ou privado, responsáveis, direta ou indiretamente, pela geração de resíduos sólidos e as que desenvolvam ações relacionadas à gestão integrada ou ao gerenciamento de resíduos sólidos </li></ul>LEI Nº 12.305 , de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  23. 23. <ul><li>Art. 9 o   Na gestão e gerenciamento de resíduos sólidos, deve ser observada a seguinte ordem de prioridade: não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos. </li></ul><ul><li>Art. 30.  É instituída a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, a ser implementada de forma individualizada e encadeada, abrangendo os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes, os consumidores e os titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos, consoante as atribuições e procedimentos previstos nesta Seção.   </li></ul>LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)
  24. 24. <ul><li>Art. 33.  São obrigados a estruturar e implementar sistemas de logística reversa, mediante retorno dos produtos após o uso pelo consumidor, de forma independente do serviço público de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, os fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes de:  </li></ul><ul><li>§ 3 o   Sem prejuízo de exigências específicas fixadas em lei ou regulamento, em normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama e do SNVS, ou em acordos setoriais e termos de compromisso firmados entre o poder público e o setor empresarial, cabe aos fabricantes, importadores, distribuidores e comerciantes dos produtos a que se referem os incisos II, III, V e VI ou dos produtos e embalagens a que se referem os incisos I e IV do  caput  e o § 1 o  tomar todas as medidas necessárias para assegurar a implementação e operacionalização do sistema de logística reversa sob seu encargo, consoante o estabelecido neste artigo, podendo, entre outras medidas:  </li></ul><ul><li>I - implantar procedimentos de compra de produtos ou embalagens usados;  </li></ul><ul><li>II - disponibilizar postos de entrega de resíduos reutilizáveis e recicláveis ;  </li></ul><ul><li>III - atuar em parceria com cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis, nos casos de que trata o § 1 o . </li></ul>LEI Nº 12.305 , DE de 2 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

×