Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

  1. 1. Fernando Pessoa Ortónimo e Heterónimos
  2. 2. FERNANDO PESSOA
  3. 3. Fernando Pessoa  Fernando António Nogueira Pessoa;  13 de Junho de 1888 —30 de Novembro de 1935  Poeta, escritor e tradutor;  Solitário  Muito retraído  Pouca vida amorosa/social  Bem sucedido
  4. 4. Caraterísticas Temáticas Identidade perdida Nostalgia da infância Dor de viver Dor de pensar Ironia
  5. 5. Caraterísticas Temáticas Tentativa de superação da dor através de:  Evocação da infância;  Refúgio no sonho;  Ocultismo (correspondência entre o visível e o invisível);  Criação dos heterónimos
  6. 6. Fernando Pessoa – O que me dói não é O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... São as formas sem forma Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  7. 7. Analise interna O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... Ausência São as formas sem forma Ocultismo Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. Refugio no sonho São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  8. 8. Quadra Quadra Quadra Analise externa O que me dói não é O que há no coração Mas essas coisas lindas Que nunca existirão... São as formas sem forma Que passam sem que a dor As possa conhecer Ou as sonhar o amor. São como se a tristeza Fosse árvore e, uma a uma, Caíssem suas folhas Entre o vestígio e a bruma. Redondilha menor Cruzada Cruzada Cruzada Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"
  9. 9. ALBERTO CAEIRO
  10. 10. Caraterísticas Temáticas Objectivismo Sensacionismo Anti-metafísico Panteísmo Naturalista
  11. 11. Caraterísticas estilísticas  Discurso em verso livre;  Ausência de preocupações estilísticas;  Indisciplina espontâneo; formal e ritmo lento mas  Vocabulário simples e familiar;  Número reduzido de vocábulos e de classes de palavras;  Pouca adjectivação, predomínio de substantivos concretos, uso de verbos no presente do indicativo ou no gerúndio;  Frases predominantemente coordenadas;  Uso de paralelismos comparações simples; de construção, de
  12. 12. Alberto Caeiro – Guardador de Rebanhos O que nós vemos das cousas são as cousas. Por que veríamos nós uma cousa se houvesse outra? Por que é que ver e ouvir seriam iludirmo-nos Se ver e ouvir são ver e ouvir? O essencial é saber ver, Saber ver sem estar a pensar, Saber ver quando se vê, E nem pensar quando se vê Nem ver quando se pensa. Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!), Isso exige um estudo profundo, Uma aprendizagem de desaprender E uma sequestração na liberdade daquele convento De que os poetas dizem que as estrelas são as freiras eternas E as flores as penitentes convictas de um só dia, Mas onde afinal as estrelas não são senão estrelas Nem as flores senão flores, Sendo por isso que lhes chamamos estrelas e flores.
  13. 13. RICARDO REIS
  14. 14. Caraterísticas Temáticas  É um poeta clássico e romântico, da serenidade epicurista  Tem crença nos deuses enquanto as nossas emoções e sentimentos  Estoicista
  15. 15. Caraterísticas Temáticas  A filosofia do poeta é de um epicurismo triste  Ataraxista (tranquilidade perturbação)  Carpe Diem capaz de evitar a
  16. 16. Caraterísticas Temáticas  Ricardo Reis acredita que a felicidade e a tranquilidade não é 100% alcançável  Tem um ideal ético de apatia que permite a ausência da paixão e a liberdade.  É um poeta Inexorável
  17. 17. Ricardo Reis – Amor o que vejo Amo o que vejo porque deixarei Qualquer dia de o ver. Amo-o também porque é. No plácido intervalo em que me sinto, Do amar, mais que ser, Amo o haver tudo e a mim. Melhor me não dariam, se voltassem, Os primitivos deuses, Que também, nada sabem. Ricardo Reis, in "Odes" (Inédito)
  18. 18. Análise Externa Divisão Métrica A/mo/ o /que/ ve/jo/ por/que/ dei/xa/rei (Decassílabo) Estrofes Tem três estrofes, cada estrofe composta por três versos chamando-as de Terceto. Rimas Este poema é composto por versos soltos e por uma rima interpolada (“(…) dia de o ver,/(…)mais que ser,”)
  19. 19. Análise Externa Recursos Estilísticos Eufemismo (“Amo o que vejo porque deixarei/Qualquer dia de o ver.”) Hipérbato (“Melhor não me dariam (…)”) Hipérbole (“(…) amo o haver tudo e a mim.”) Perífrase (“No plácido intervalo em que me sinto, (…)”)
  20. 20. Análise Interna O poema tem como principais características:  Efemeridade da vida  A inevitabilidade da morte e por sua vez a sua aceitação calma e serena da ordem das coisas
  21. 21. ÁLVARO DE CAMPOS
  22. 22. Biografia  Nasceu a 15 de Outubro de 1890, em Tavira, por volta das 13:30;  Altura: 1,75m;  Magro;  Cabelo liso pertado ao lado;  Cara tapada, tipo judeu português;  Educação vulgar de Liceu;  Extremo oposto a Ricardo Reis.
  23. 23. Caraterísticas Temáticas Fase decadentista Fase futurista/sensacionista Fase intimista e pessoa
  24. 24. Fase decadentista  Fase de tédio, da abulia e do cansaço  Procura de novas sensações “É antes do ópio que a minh'alma é doente. Sentir a vida convalesce e estiola E eu vou buscar ao ópio que consola Um Oriente ao oriente do Oriente. “ Opiário
  25. 25. Fase futurista/sensacionista Atração pelas máquinas, pelo progresso e pela vida moderna Sensações provocadas por esta atração Angústia existencial
  26. 26. Fase futurista/sensacionista “... Deixai-me partir a cabeça de encontro às vossas esquinas, E ser levado da rua cheio de sangue Sem ninguém saber quem eu sou!” Ode Triunfal
  27. 27. Fase intimista e pessoa Apatia, melancólica e abulia, angustia, tédio, cansaço Encontro com Pessoa ortónimo  Nostalgia da infância  Dor de pensar  Fragmentação do eu  Angústia existencial
  28. 28. Fase intimista e pessoa “NÃO: Não quero nada. Já disse que não quero nada. Não me venham com conclusões! A única conclusão é morrer. “ Lisbon Revisited (1923)
  29. 29. Álvaro De campos – Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De os ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas!
  30. 30. Ode triunfal Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro. Porque o presente é todo o passado e todo o futuro E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão, E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta, Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século cem, Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por estes volantes, Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando, Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.
  31. 31. Ode triunfal Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável!
  32. 32. Analise externa e interna Bárbaro Quadra Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Rima branca À dolorosa luz das grandes lâmpadas eléctricas da fábrica
  33. 33. Nona Analise externa e interna Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos, De os ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso De expressão contemporâneo de vós, ó máquinas! Rima Cruzada
  34. 34. Irregular Analise externa e interna Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical Grandes trópicos humanos de ferro e fogo e força Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro. Rima Porque o presente é todo o passado e todo o futuro Emparelhada E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão, E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta, Átomos que hão-de ir ter febre para o cérebro do Ésquilo do século cem, Andam por estas correias de transmissão e por estes êmbolos e por estes volantes, Rugindo, rangendo, ciciando, estrugindo, ferrejando, Fazendo-me um excesso de carícias ao corpo numa só carícia à alma.
  35. 35. Sétima (redondilha maior) Analise externa e interna Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime! Ser completo como uma máquina! Poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo! Poder ao menos penetrar-me fisicamente de tudo isto, Rasgar-me todo, abrir-me completamente, tornar-me passento A todos os perfumes de óleos e calores e carvões Desta flora estupenda, negra, artificial e insaciável! Rima Emparelhada
  36. 36. FIM

    Be the first to comment

    Login to see the comments

  • cristianatomas5

    Nov. 13, 2017
  • isabelmariasanchesvi

    Dec. 9, 2017
  • MartaLopes85

    May. 29, 2018
  • MariaFernandaAmojo

    Nov. 3, 2018
  • CatarinaAthaydeMasca

    Nov. 28, 2018
  • GuilhermeVincius2

    Apr. 22, 2019
  • JacintaAlvares

    Jun. 15, 2019
  • CarlotaFernandes2

    Jun. 16, 2019
  • CarolinaTaipas

    Jun. 17, 2019
  • JooMonteiro121

    Jul. 9, 2019
  • LaraAragao

    Oct. 24, 2019
  • claudiosemedo353

    Nov. 23, 2019
  • RuiRibeiro132

    Nov. 28, 2019
  • ChelziaChanaise

    Feb. 27, 2020
  • SuelemRodrigues3

    Mar. 7, 2020
  • SimoneCarvalho70

    Apr. 27, 2020
  • mayararicardo52

    May. 5, 2020
  • Afraudizio

    May. 8, 2020
  • NaraDuque

    Nov. 21, 2020
  • Carol_taborda_3

    Jul. 1, 2021

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

Views

Total views

54,505

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

104

Actions

Downloads

878

Shares

0

Comments

0

Likes

36

×