Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

ComéRcio ElectróNico

5,341 views

Published on

  • Be the first to comment

ComéRcio ElectróNico

  1. 1. COMÉRCIO ELECTRÓNICO 1. DEFINIÇÃO O Comércio Electrónico ou “comércio virtual” engloba qualquer tipo de transacção comercial, em que as partes envolvidas interajam através de meios electrónicos, e não através de trocas ou contactos físicos. 2. EVOLUÇÃO HISTÓRICA A definição de comércio electrónico tem sofrido algumas alterações ao longo dos últimos anos. Inicialmente, em meados dos anos 70, significava a simplificação das transacções comerciais, com recurso a tecnologias como EDI (Electronic Data Interchange) e EFT (Electronic Funds Transfer). Mais tarde (anos 80) surgiram também outras formas de comércio electrónico, com o desenvolvimento e aceitação dos cartões de crédito. No final do ano 2000, várias empresas americanas e europeias começaram a oferecer serviços através da Internet. Desde então, as pessoas começaram a associar à expressão ‘comércio electrónico’ a facilidade de efectuar compras através da Internet usando protocolos de segurança e serviços de pagamento electrónico. 3. EQUIPAMENTOS UTILIZADOS O comércio electrónico engloba diversos tipos de tecnologias, como:  Internet/ World Wide Web (Web);  Correio electrónico;  Fax;  EDI (electronic data interchange - transferência electrónica de dados); e  Pagamentos Electrónicos (Cartões de crédito, Multibanco…).
  2. 2. 4. TIPOS O Comércio Electrónico pode-se dividir em quatro tipos: - Negócio-Negócio (business-business) O comércio Business-to-Business (B2B) engloba todas as transacções electrónicas de bens ou serviços efectuadas entre empresas. Neste tipo de comércio electrónico actuam normalmente os produtores e grossistas no comércio tradicional. - Negócio-Consumidor (business-consumer) O tipo de comércio electrónico Business-to-Consumer (B2C) distingue-se pelo estabelecimento de relações comerciais electrónicas entre as empresas e os consumidores finais. Este tipo de comércio tem-se desenvolvido bastante com a utilização da Internet, existindo já várias lojas e centros comerciais virtuais que comercializam todo o tipo de bens de consumo, tais como computadores, software, livros, CDs, automóveis, produtos alimentares, produtos financeiros, publicações digitais, etc.. - Negócio-Administração Pública (business-administration) Esta área do comércio electrónico (B2A) engloba todas as transacções realizadas on-line entre as empresas e a Administração Pública. Envolve uma grande quantidade e diversidade de serviços, designadamente nas áreas fiscal, da segurança social, do emprego, dos registos e notariado, etc. O tipo de serviços tem vindo a aumentar consideravelmente nos últimos anos com os investimentos feitos em e-government (Governo Electrónico). Com exemplo destaca-se o portal “Declarações Electrónicas”, que permite o fácil relacionamento dos utilizadores com a Direcção Geral dos Impostos (DGCI). - Consumidor-Administração Pública (consumer-administration) Este modelo (C2A) engloba todas as transacções electrónicas efectuadas entre os indivíduos e a Administração Pública, nomeadamente em termos de Educação (formação à distância, divulgação de informação), Saúde (marcação de consultas, pagamento de serviços) ou Impostos (entrega de declarações, pagamentos)
  3. 3. 5. ACEITAÇÃO De acordo com os dados do EUROSTAT, o comércio electrónico tem uma expressão baixa em Portugal. Os dados de 2007, relativos ao 1º trimestre, indicam que apenas 6% das pessoas de 16 a 74 anos de idade são utilizadores de comércio electrónico. É de notar, contudo, que estes dados reportam a pessoas que encomendaram ou pagaram bens ou serviços em transacções efectuadas em páginas na Internet e, portanto, ignoram a grande parte do comércio electrónico que decorre através de máquinas ATM, de telemóveis ou de redes de sensores que detectam a prestação de serviços. Também de acordo com o EUROSTAT, os dados de 2007 para o conjunto das pequenas, médias e grandes empresas indicam que apenas 24% utilizam a Internet ou outras redes electrónicas para efectuar e/ou receber encomendas. 6. VANTAGENS E DESVANTAGENS As principais vantagens deste tipo de comércio são as seguintes: - Globalização dos mercados - os limites do Comércio Electrónico não são definidos geograficamente ou através das fronteiras dos países, mas sim pela cobertura das redes computacionais. Desta forma, e como as redes mais importantes são de natureza global, o Comércio Electrónico permite até ao mais pequeno fornecedor, estabelecer a sua presença e conduzir os seus negócios, no mundo inteiro. O maior benefício para o consumidor é a diversidade de escolha; - Maior proximidade entre fornecedores e clientes – esta proximidade traduz-se em ganhos de produtividade e competitividade; o consumidor sai beneficiado com a melhoria na qualidade do serviço, resultante da maior proximidade e de um suporte pré e pós-venda mais eficiente. Com as novas formas de comércio electrónico, os consumidores passam a dispor de lojas virtuais abertas 24 horas por dia. - Redução de Custos – a redução significativa dos custos de transacção traduz-se na redução dos preços praticados aos clientes;
  4. 4. As principais desvantagens associadas ao comércio electrónico são as seguintes: - Forte dependência das tecnologias da informação e da comunicação (TIC); - Cultura de mercado avessa às formas electrónicas de comércio (os clientes não poderem tocar ou experimentar os produtos); - A perda de privacidade dos utilizadores, a perda de identidade cultural e económica das regiões e países; - Insegurança na realização das transacções comerciais. 7. LEGISLAÇÃO Em Portugal existe a “Associação de Comércio Electrónico em Portugal (ACEP)” que é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas formas de Comércio Electrónico. Visa constituir um fórum independente e aberto para o debate, potenciação, promoção, generalização e dignificação do Comércio Electrónico em Portugal. Por outro lado, em Junho de 2000 foi elaborada pelo Parlamento Europeu uma Directiva relativa ao comércio electrónico, que visa reforçar a segurança jurídica deste tipo de comércio com vista a aumentar a confiança dos utilizadores. Para o efeito, estabelece um quadro jurídico estável ao sujeitar os serviços da sociedade da informação aos princípios do mercado interno (livre circulação e liberdade de estabelecimento) e instaurar um número limitado de medidas harmonizadas. 8. SEGURANÇA E PRIVACIDADE DE DADOS O Comércio Electrónico requer mecanismos efectivos e confiáveis para garantir a privacidade e a segurança das transacções. Estes mecanismos devem suportar a confidencialidade, a autenticação (permitir que as partes envolvidas numa transacção se certifiquem da identidade uma da outra), e a não-repudiação (garantir que as partes envolvidas numa transacção não possam,
  5. 5. subsequentemente, negar a sua participação). Como os mecanismos reconhecidos de privacidade e segurança dependem da certificação por parte de uma terceira entidade (por exemplo governamental), o Comércio Electrónico para ser global, necessitará do estabelecimento de um sistema de certificação, também ele global. Aluno: Ricardo Marinheiro Disciplina: STC

×