Antibióticos

48,530 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
35 Likes
Statistics
Notes
  • gostei muito do seu slide.. muito explicativo.. meu bebe ficou internado uma vez e tomou 3 desses antibióticos várias vezes ao dia, durante 30 dias... staficilin, cloranfenicol e cefriaxona... coitadinho.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
48,530
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
61
Actions
Shares
0
Downloads
1,712
Comments
1
Likes
35
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Antibióticos

  1. 1. ANTIBIÓTICOS Profº Diogo Tenório
  2. 2. Agentes antibacterianos• Conceito de Antibióticos: – É uma substância que tem a capacidade de interagir com microorganismos unicelulares unicelulares ou pluricelulares que causam infecções no organismo.
  3. 3. Agentes antibacterianos
  4. 4. Agentes antibacterianos• Bacteriostático X Bactericida: – Bactericida mata a bactéria; causa lise da bactéria. A lise bacteriana pode liberar substâncias que causam efeitos indesejáveis no organismo humano. – Bacteriostático inibe a reprodução da bactéria. – Obs.: Nunca se deve associar um bactericida com um bacteriostático, pois o bactericida terá sua ação diminuída. Dessa forma, você estará deixando de matar a bactéria para apenas diminuir o crescimento dela.• Resistência natural e adquirida: – Resistência natural ocorre independente de o indivíduo usar ou não o antibacteriano; a bactéria não vai responder. – Resistência adquirida ocorre quando o tratamento é interrompido antes do tempo necessário; assim, ficam cepas resistentes.
  5. 5. Agentes antibacterianos• Principais classes de agentes antibacterianos incluem: – Penicilinas – Aminoglicosídios – Cefalosporinas – Tetraciclinas – Macrolídios – Fluoroquinolonas – Sulfonamidas – Cloranfenicol
  6. 6. PENICILINASPENICILINAS• Mecanismo de ação: – As penicilinas geralmente possuem ação bactericida. As penicilinas penetram na bactéria e, quando ela está se multiplicando, inibem a síntese da parede celular bacteriana, levando a lise (destruição) da bactéria.
  7. 7. PENICILINAS• As penicilinas podem ser classificadas: – PENICILINAS SENSÍVEIS À PENICILINASE – PENICILINAS QUE RESISTEM À PENICILINASE – PENICILINAS DE ESPECTRO AUMENTADO
  8. 8. PENICILINAS• Penicilinas sensíveis à penicilinase: FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ALGUMAS INDICAÇÕES Benzilpenicilina ou Penicilina IM Faringoamigdalite G benzatina (Benzetacil®) estreptocócica, sífilis, etc. Penicilina G cristalina (K+ ou IM e IV Erisipela, pneumonia, Na+) faringite, sífilis, etc. Penicilina G procaína IM Pneumonia , sífilis, faringite, etc. Penicilina V (Pen-ve-oral®) VO Faringite estreptocócica, erispela, etc. – Obs.: Sais sódicos ou potássicos são usados com a penicilina G cristalina para neutralizar a acidez; eles não alteram a função dela. – A procaína é um anestésico local, mas o indivíduo ainda sente dor. A dor é provocada pela ação irritante do fármaco e pela distensão muscular. Pode-se colocar um pouco de lidocaína também para diminuir a dor.
  9. 9. PENICILINAS• Penicilinas resistentes à penicilinase: FÁRMACCO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO / ALGUMAS INDICAÇÕES POSOLOGIA Oxacilina (Staficilin-N®) IV e IM Meticilina Dicloxacilina
  10. 10. PENICILINAS• Penicilinas de espectro aumentado: FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ALGUMAS INDICAÇÕES Ampicilina (Binotal®) VO, IV e IM Otite, faringite, IU, + Sulbactam (Unasyn®) meningite, etc. Amoxicilina (Amoxil®, VO, IV e IM Antibiótico mais usado em Hiconcil®, Novocilin®) pediatria. Primeira escolha + Clavulanato (Clavulin®) na otite média aguda. Útil nas faringites, sinusites, pneumonias, infecção urinária, dentre outras.
  11. 11. PENICILINAS• Penicilinas de espectro aumentado: – São encontradas sozinhas ou já associadas ao sulbactam e ao ácido clavulônico, que são ácidos beta-lactâmicos, porém sem efeito antibacteriano. Servem para a penicilinase se ligar a eles e não destruir a ampicilina ou a amoxicilina. Se a ampicilina ou a amoxicilina forem administradas sozinhas, elas serão inativadas, não terão os efeitos desejados. Só precisa associar quando a bactéria for produtora de penicilinase.
  12. 12. PENICILINAS• Principais efeitos Indesejáveis: – Reações de hipersensibilidade (alérgicas) • Erupções cutâneas • Febre • Choque anafilático agudo – Distúrbios gastrointestinais (penicilinas de amplo espectro)• Dica: Geralmente os nomes das penicilinas possui a terminação CILINA.
  13. 13. PENICILINAS• ALGUNS CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS: • As penicilinas não cristalinas devem ser aplicadas c/ agulhas mais calibrosas: 30x8 ou 30x9; • As penicilinas cristalinas devem ser diluídas em 50 a 100 mL de soro, p/ diminuir risco de flebite; • Antes de serem adm verificar se o paciente já tomou e apresenta processo alérgico; • Estimular a hidratação, devido a eliminação renal; • Observar os efeitos tóxicos.
  14. 14. CEFALOSPORINASCEFALOSPORINAS – Cefalosporinas é um grupo de antibióticos beta- lactâmicos produzidos por fungos do gênero Cephalosporium; daí vem o nome do grupo. – As cefalosporinas naturais têm menor atividade antibacteriana. Começaram a inserir radicais para formar cefalosporinas semi-sintéticas, que são usadas atualmente.• Mecanismo de ação: – Bactericida: semelhante às penicilinas
  15. 15. CEFALOSPORINAS• Classificação das cefalosporinas: – Cefalosporinas de 1ª geração – Cefalosporinas de 2ª geração – Cefalosporinas de 3ª geração – Cefalosporinas de 4ª geração
  16. 16. CEFALOSPORINAS• Cefalosporinas de 1ª geração: – Podem ser utilizadas como terapia alternativa em pacientes alérgicos a penicilina. FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ALGUMAS INDICAÇÕES Cefazolina (Kefazol®) IM, IV Cefalotina (Keflin®) IV Cefalexina (Keflex®) VO IU, infecções de pele (furunculose), infecções das vias aéreas, etc.
  17. 17. CEFALOSPORINAS• Cefalosporinas de 2ª geração: FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ALGUMAS INDICAÇÕES Cefuroxima (Zinacef®) VO, IV Cefoxitina (Mefoxin®) IM, IV Cefaclor (Ceclor®) VO IU, infecções de pele, infecções de vias aéreas, etc.
  18. 18. CEFALOSPORINAS• Cefalosporinas de 3ª geração: FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO INDICAÇÕES Cefotaxima (Claforan®) IM, IV Ceftriaxona (Rocefin®) IM, IV Pneumonia, meningite, IU, etc. Ceftazidima (Fortaz®) IM, IV
  19. 19. CEFALOSPORINAS• Cefalosporinas de 4ª geração: FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO ALGUMAS INDICAÇÕES Cefepima (Maxcef®) IM, IV Cefpiroma (Cefrom®) IM, IV
  20. 20. CEFALOSPORINAS• Interações com as cefalosporinas: • Álcool
  21. 21. CEFALOSPORINAS• Reações adversas: – Diarréia – Reações alégicas – Nefrotoxicidade – Urticárias
  22. 22. CEFALOSPORINAS• Dica: Geralmente os nomes das cefalosporinas iniciam-se com CEF.
  23. 23. MACROLÍDIOSMACROLÍDIOS• Em 1952, a eritromicina foi isolada do Streptomices erythreus.• Os macrolídios têm boa tolerabilidade, boa absorção oral e atividade contra microrganismos resistentes a outras drogas. Não causam tantos efeitos adversos nem causam irritação do trato gastrintestinal.
  24. 24. MACROLÍDIOS• Mecanismo de ação: – São bacteriostáticas: inibem o crescimento ou a reprodução das bactérias, inibindo a síntese protéica no ribossoma bacteriano.• Fármacos: – Eritromicina – Azitromicina – Claritromicina
  25. 25. MACROLÍDIOS FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO INDICAÇÕESEritromicina (Eritrex®) VO, IVAzitromicina (Zitromax®, VO, IV Amidalite, faringite, sinusite,Astro®) otite, infecções da pele, urogenitais etc.Claritromicina (Klaricid®) VO, IV
  26. 26. MACROLÍDIOS• Efeitos indesejáveis e contra-indicações: • Náuseas, diarréia, dor abdominal • Cefaléia e tonturas (pouco freqüente) • Interação com antiácidos, diminuindo seus níveis em até 24% • Evitar exposições à luz solar (uso de protetor)
  27. 27. MACROLÍDIOS• Dica: Geralmente os nomes dos macrolídeos possuem a terminação TROMICINA.
  28. 28. TETRACICLINASTETRACICLINAS• Classificação: São classificadas pela ação. – Ação curta: Oxitetraciclina e Tetraciclina – Ação intermediária: Demeclociclina – Ação longa: Doxiciclina e Minociclina
  29. 29. TETRACICLINAS FÁRMACO VIAS DE ADMINISTRAÇÃO INDICAÇÕESTetraciclina (Tetrex®) VO Cólera, sífilis, uretrite, acne,Doxiciclina (Vibramicina®) VO etc.
  30. 30. TETRACICLINAS• Mecanismo de ação: – São bacteriostáticas: inibem o crescimento ou a reprodução das bactérias, inibindo a síntese protéica no ribossoma bacteriano.• Contra-indicação: – Possuem tendência a se depositar em dentes e ossos em crescimento, podendo retardar o crescimento ósseo. Por isso, são contra-indicadas em gestantes, lactantes e crianças com até 8 anos de idade. Os dentes ficam cinza ou marrom, mais frágeis, mais susceptíveis a cáries, pois ocorrem alterações no esmalte e na resistência
  31. 31. TETRACICLINAS• Efeitos indesejáveis das tetraciclinas: – Distúrbios do trato gastrintestinal: náusea, vômito e diarréia. Ocorrem principalmente com a administração por via oral, por causa da ação irritante. Para prevenir, deve-se administrar durante as refeições. – Efeitos em tecidos calcificados: retardo do crescimento ósseo, alterações nos dentes – Fototoxicidade (erupções vermelhas nas áreas expostas a luz solar): para prevenir deve-se evitar exposição ao sol e usar filtro solar.
  32. 32. TETRACICLINAS• Interações com as tetraciclinas: – Leite e seus derivados (queijo, iogurte, etc.). Antiácidos (Mg, Al e Ca): inativam e impedem a absorção, formando quelatos (complexos não absorvíveis) que sofrem precipitação. – Barbitúricos (anticonvulsivantes) e álcool: – Anticoncepcionais (orais e injetáveis), podendo deslocá- los e diminuir a meia-vida. Podem ocorrer falhas na contracepção.
  33. 33. TETRACICLINAS• Dica: Geralmente os nomes das tetraciclinas possuem a terminação CICLINAS.
  34. 34. CLORANFENICOLCLORANFENICOL (Quemicetina®)• Mecanismo de ação: – São bacteriostáticas: inibem o crescimento ou a reprodução das bactérias, inibindo a síntese protéica no ribossoma bacteriano.• Farmacocinética: – Administração: oral, tópica e parenteral. Existem várias formulações; pomada e colírios, de uso tópico, por exemplo. – Boa absorção no trato gastrintestinal.
  35. 35. CLORANFENICOL• Interações com o cloranfenicol: • Álcool • Pode-se observar: ardência na face, dificuldades respiratórias, náuseas, vômitos, transpiração, queda de pressão, vertigem e visão borrada, quando usado com álcool.
  36. 36. CLORANFENICOL• Efeitos indesejáveis: – Síndrome cinzenta do recém nascido (síndrome do bebê cinzento): • Observada quando da utilização do cloranfenicol em recém-nascidos, especialmente prematuros. • Pode ocasionar: distensão abdominal, vômitos, diarréia, flacidez, hipotermia, pigmentação cinzenta: hipóxia (baixos níveis de oxigênio nas células), cianose (Descoloração azulada ou púrpura da pele e membranas mucosas devido a um aumento na quantidade de hemoglobina desoxigenada no sangue), Colapso circulatório e morte, se não for diagnosticada e tratada rapidamente. • Deve-se ao aumento dos níveis do cloranfenicol na corrente circulatória, em viturde de sua meia-vida, no recém-nascido, atingir cerca de 27 horas (em lugar das seis habituais).
  37. 37. CLORANFENICOL• Efeitos indesejáveis (continuação): – Depressão reversível da medula óssea: leucopenia (diminuição do número de glóbulos brancos no sangue), trombocitopenia (diminuição no número de plaquetas sanguíneas), anemia. – Terapia prolongada pode causar neurite óptica (comprometimento visual; pode ser irreversível)

×