Deus ex machina - apresentação sobre artigo

378 views

Published on

Como explicar que o artigo “COMPUTING MACHINERY AND INTELLIGENCE”, escrito por Alan Turing em 1950, onde este simplesmente conjecturava a possibilidade das máquinas poderem pensar no ano 2000, tenha sido objecto de tanta polémica e de tanta controvérsia, que continua inclusive ainda nos nossos dias? Esta pequena apresentação completa o nosso ensaio sobre o artigo de Turing.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
378
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Deus ex machina - apresentação sobre artigo

  1. 1. Deus ex machina ouDeus ex homo? Fernando Melo Manuel Loureiro Patrícia Rocha Renato Roque
  2. 2. Deus ex machina ou Deus ex homo Turing é um dos matemáticos mais famosos do século XX, por ter sido capaz, num artigo de 1936, de responder ao desafio de Hilbert e por ter apresentado uma solução, para resolver todos os problemas matemáticos devidamente formulados, com uma máquina, a MdT. 2
  3. 3. Alan Turing Uns anos mais tarde, em 1950, Turing escreveu um artigo em que defendia que no prazo de 50 anos as máquinas – ou seja os computadores – seriam capazes de pensar. Este artigo foi objecto de polémicas e de discussões enormes que ainda hoje se mantêm 3
  4. 4. O jogo da imitaçãoPerante a dificuldade de definir “ o que é pensar” e sobretudocomo provar o pensamento das máquinas, Turing propõe umjogo: o jogo da imitação. 4
  5. 5. Variante do jogo da imitaçãoPropõe depois uma variante do jogo, onde o computador substituio homem e onde o objectivo do jogo passa a ser identificar amáquina. Turing acredita que modificando um computador parater uma capacidade de memória adequada, aumentandosatisfatoriamente a sua velocidade de trabalho e fornecendo-lheum programa apropriado, podemos fazer com que desempenhe opapel de A no jogo da imitação, tão bem ou melhor do que umhumano.Segundo ele, se isto acontecer, as máquinas pensam… 5
  6. 6. As críticas e a situação actualO artigo foi objecto de muitas polémicas, quase todas centradas,como se esperaria, no conceito de pensar e de inteligência, mas oque é curioso é constatar que até 1991 não houve qualquertentativa concreta para implementar o teste.Desde 1991 tem-se realizado anualmente um célebre concurso,promovido por Hugo Loebner, onde são premiadas as máquinasmais próximas de um humano, mas onde até hoje nenhumaarrecadou o 1º prémio, pois nenhuma passou o teste de Turing,superando os humanos em absoluto, apesar de logo na primeiraedição ter havido vários programas que foram confundidos comhumanos por elementos do júri, e ter acontecido um humano (quetinha um conhecimento fora do comum da obra de Shakespeare)ser tomado por um programa de computador. 6
  7. 7. Alguns números curiosos do artigo• Turing afirma cheio de orgulho por exemplo que já é capaz de produzir cerca de mil bits de código por dia• Que o super computador de Manchester tem uma capacidade de 165000 bits, ou seja uma memória de cerca de 20K• Para suportar a sua conjectura, diz acreditar numa capacidade de memória de 109 bits, como uma meta possível para o ano 2000. Hoje, cada um de nós em suas casas, terá pequenos computadores, com mais de 1012 bits de capacidade, ou seja mais de mil vezes o que Turing foi capaz de prever.• Turing suporta a sua previsão de máquinas com capacidade de aprendizagem com a capacidade “espantosa” que, quanto a ele, já seria possível de implementar nessa altura: 10 mega bits ou seja cerca de 1 MByte de memória!Estes números evidenciam a dificuldade em prever o futuro, mesmopara um cientista com a visão de Turing 7
  8. 8. E já agoraSe estivereminteressados leiam oanexo do artigo, ondeencontram aquilo querealmente nos deu gozo,o verdadeiro lado lúdico ede jogo associado à MdT.Nesse anexo propomosuma solução para a MdT,capaz de decidir combase no teste de Turing,se as máquinas pensam. 8
  9. 9. Extensão do cenário anteriorNeste cenário temos uma situação aparentemente paradoxal emque uma máquina de Turing decide se outra máquina de Turingpensa. Mas esta situação é afinal a mesma do cenário anterior,pois Turing demonstrou uma equivalência entre qualquercomputador e uma MdT, a MdT que lhe equivale. 9
  10. 10. Extensão do cenário anteriorE afinal é a situações paradoxais destas a que assistimos todos osdias. Ou não vai ser um humano a decidir qual o valor a dar aonosso trabalho, que foi produzido também por humanos?Uma pergunta óbvia neste cenário seria. A MdT juiz tambémpensa? Pode alguém que não pensa decidir que outro alguémpensa? Se se exigir que o juiz passe na prova do jogo de imitaçãopara poder ser juiz, quem vai avaliar o primeiro juiz? Perguntasque ficam para o próximo trabalho 10

×