Aula biossegurança

21,851 views

Published on

3 Comments
24 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
21,851
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
1,276
Comments
3
Likes
24
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula biossegurança

  1. 1. BIOSSEGURANÇA Profª Jeanine Porto Brondani Taquara, 06 de agosto de 2012.
  2. 2. Conceito Num aspecto geral, “Biossegurança” significa {Vida +Segurança}, ou seja, a vida livre de perigos. Biossegurança, portanto é um conjunto deprocedimentos, ações, técnicas, metodologias, equipamentose dispositivos capazes de eliminar ou minimizar riscosinerentes as atividades de pesquisa, produção, ensino,desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, quepodem comprometer a saúde do homem, dos animais, domeio ambiente ou a qualidade dos trabalhos desenvolvidos.
  3. 3. RISCOS PROFISSIONAIS(Portaria do Ministério do Trabalho, MT nº. 3214, de 08/06/78)• 1. Riscos de Acidentes• 2. Riscos Ergonômicos• 3. Riscos Físicos• 4. Riscos Químicos• 5. Riscos Biológicos
  4. 4. RISCOS BIOLÓGICOSNR – 32 Consideram-se agentes biológicos os mi-crorganismos, geneticamente modificados ou não; as culturas de células; os parasitas; as toxinas e os príons.Ex: bactérias, fungos, parasitos, vírus, estruturas protéicas etc.
  5. 5. VIAS DE TRANSMISSÃO• 1. Direta - transmissão do agente biológico sem a intermediação de veículos ou vetores. Exemplos: transmissão aérea por bioaerossóis, transmissão por gotículas e contato com a mucosa dos olhos;• 2. Indireta - transmissão do agente biológico por meio de veículos ou vetores. Exemplos: transmissão por meio de mãos, perfurocortantes, luvas, roupas, instrumentos, vetores, água, alimentos e superfícies.
  6. 6. PRECAUÇÕES PADRÃO As precauções padrão devem seradotadas no cuidado a todo e qualquerpaciente para reduzir o risco de transmissãode micro-organismos para prevenir infecçõescruzadas. Elas são indicadas na presença desangue, fluidos corporais, secreções eexcreções (exceto o suor) e em mucosas epele não íntegras.
  7. 7. As medidas que compreendem as precauções padrão são: * Higienização das mãos; * Uso de equipamento de proteçãoindividual (EPI); * Cuidados no descarte de objetosperfurocortantes; * Cuidados com artigos como roupas,equipamentos e superfícies.
  8. 8. • Organização Mundial de Saúde (OMS):Momento 1 – imediatamente antes do contato com o paciente;Momento 2 – antes da realização de procedimentos invasivos;Momento 3 – após contato com matéria orgânica;Momento 4 – após o contato com o paciente;Momento 5 – após contato com as superfícies ao redor do paciente.
  9. 9. Precauções de contato As precauções de contato são medidasusadas nos cuidados a pacientes portadoresde bactérias resistentes. Elas visam umbloqueio epidemiológico mediante autilização de barreiras físicas - luvas eaventais - para todos os contatos. Evitarutilizar estetoscópios próprios ou colocarpastas ou outros objetos na vizinhança dopaciente.
  10. 10. Precauções de gotículas Essas precauções se referem às infecçõestransmitidas por gotículas (perdigotos), comoinfecções virais (gripes, H1N1) ou meningitesbacterianas, por exemplo. Além das precauçõespadrão, é necessário o uso de máscara cirúrgicae avental na prevenção. Não há necessidade deo paciente estar em quarto com portas fechadas,tendo em vista que a distância percorrida pelasgotículas não é maior que um raio de 1,5 m aoredor do paciente. Nas bronquiolites virais napediatria adotamos o uso de avental, máscara,cirúrgica e luvas.
  11. 11. Precauções aéreas Neste tipo de precaução o germe ficasuspenso no ar, portanto há necessidade deisolamento do paciente em quarto com portasfechadas e preferentemente com pressãonegativa, para que o ar do interior do quartonão chegue aos corredores. É necessário o usode máscaras N95 (“bico de pato”) além dasprecauções padrão para prevenção datransmissão destas infecções. A principalinfecção contemplada com este tipo deprecaução é a tuberculose.
  12. 12. Outras recomendações:• O avental branco é para ser utilizado somente no hospital, evite utilizá-lo fora do ambiente hospitalar.• Roupas verdes são de uso exclusivo para as áreas de bloco cirúrgico e Centro de Terapia Intensivo Adulto.• Evite sentar no leito dos pacientes.• Não coloque pastas, prontuários e itens pessoais (roupas, cadernos, pastas, bolsas) sobre a cama do paciente.• Evite alimentar-se nas salas de prescrição e no quarto do paciente.
  13. 13. Orientações do vestuário de acordo com a NR 32:• Avental sempre fechado;• Sapato cobrindo 2/3 do dorso do pé, inclusive no verão;• Não utilizar adereços: anéis, pulseiras, colares e brincos muito• Grandes, pois a dificuldade de higienização dos mesmos pode ser transporte de germes multirresistentes. Da mesma forma, o crachá Deverá ficar fixo no bolso para evitar o contato com o leito do paciente;• Cabelos compridos devem estar presos;
  14. 14. • Uso de EPI para evitar a exposição ao material biológico, de acordo com a necessidade dos procedimentos a serem realizados:• Luvas - não esquecer a importância da lavagem das mãos antes e após a retirada das mesmas e evitar o contato em qualquer material com as luvas contaminadas, por exemplo: maçanetas das portas. O uso do álcool gel pode substituir a lavagem das mãos quando esta se torna difícil;• Óculos ou máscara facial;• Aventais impermeáveis.
  15. 15. LIXO HOSPITALAR De acordo com a RDC ANVISA nº 306/04 e ResoluçãoCONAMA no 358/05, os RSS são classificados em cinco grupos:A, B, C, D e E.Grupo A - engloba os componentes com possível presença deagentes biológicos que, por suas características de maiorvirulência ou concentração, podem apresentar risco deinfecção. Exemplos: placas e lâminas de laboratório, carcaças,peças anatômicas (membros), tecidos, bolsas transfusionaiscontendo sangue, dentre outras.
  16. 16. Grupo B - contém substâncias químicas que podemapresentar risco à saúde pública ou ao meioambiente, dependendo de suas características deinflamabilidade, corrosividade, reatividade etoxicidade. Ex: medicamentos apreendidos, reagentesde laboratório, resíduos contendo metais pesados,dentre outros.Grupo C - quaisquer materiais resultantes deatividades humanas que contenham radionuclídeosem quantidades superiores aos limites de eliminaçãoespecificados nas normas da Comissão Nacional deEnergia Nuclear - CNEN, como, por exemplo, serviçosde medicina nuclear e radioterapia etc.
  17. 17. Grupo D - não apresentam risco biológico, químicoou radiológico à saúde ou ao meio ambiente,podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares.Ex: sobras de alimentos e do preparo de alimentos,resíduos das áreas administrativas etc.Grupo E - materiais perfuro-cortantes ouescarificantes, tais como lâminas de barbear,agulhas, ampolas de vidro, pontas diamantadas,lâminas de bisturi,lancetas, espátulas e outrossimilares.
  18. 18. Orientações quanto ao descarte do material utilizadoDescarte no Descartex ou pote rígido:• Todo o material perfurocortante.
  19. 19. Descarte no saco de lixo preto (Resolução ANVISA - RDC nº 306):• sobras de alimentos e frutas;• papel engordurado;• papel toalha / papel carbono;• panos usados• erva de chimarrão / pó de café;• sachet de chá;• fraldas descartáveis;• papel higiênico,• ataduras sem secreção;• propés e máscaras descartáveis;• gesso;• Hastes flexíveis
  20. 20. Descarte no saco de lixo verde (Resolução ANVISA - RDC nº 306):• embalagens de papel, plástico e alumínio vazias;• copos descartáveis;• folhas / papéis;• isopor;• latas de alumínio;• embalagens pet e tetra pak;• bolsas de soro;• frascos de dietoterapia;• embalagens de material cirúrgico (plasteril);• embalagem de medicação (invólucro externo).
  21. 21. Descarte no saco de lixo branco (Resolução ANVISA - RDC nº 306):• curativo e gaze com sangue ou fluídos corpóreos;• luvas de procedimento;• bolsa transfusional vazia;• kits e bolsas dializadoras;• seringas e equipos;• cateter / sondas;• abaixador de língua;• recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde.
  22. 22. Questões práticas relativas à exposição de raios X O que fazer quando houver realização de exames de raios X móvel numa área onde há atividade com acadêmicos? • Afastar-se no mínimo a 2m do leito durante o procedimento de emissão de raios X e nunca conter o paciente. • Usar sempre todo o equipamento de proteção disponível na sala (luvas, avental, óculos e protetor de tireóide plumbífero) quando não estiver protegido por uma barreira de proteção (biombo);
  23. 23. EPIs
  24. 24. IMUNIZAÇÃO
  25. 25. Tratamento dos artigos• Artigos críticos: aqueles que penetram, através da pele e mucosas, nos tecidos subepiteliais e no sistema vascular (bisturis, agulhas etc.);• Artigos semi-críticos: os que têm contato com a pele não-íntegra ou com mucosas íntegras (endoscópios, laringoscópios, entre outros);•• Artigos não críticos: que têm contato com a pele íntegra (termômetro axilar, estetoscópios etc).
  26. 26. • Descontaminação é o processo de eliminação total ou parcial da carga microbiana de artigos e superfícies para um manuseio seguro.• Limpeza é o procedimento pelo qual se processa a remoção da sujidade; pode ser feita por:- fricção mecânica com água e sabão;- máquinas de limpeza com jatos de água quente ou detergentes;-máquinas de ultra-som com detergentes/desencrostantes.
  27. 27. • Desinfecção é o processo de destruição de microorganismos em forma vegetativa, mediante a aplicação de agentes físicos ou químicos, sendo principalmente utilizados:• Hipoclorito de Sódio a 0,5% (meio químico líquido);• Álcool Etílico a 70% (meio químico líquido);• Formaldeído a 4% (meio químico líquido);• Glutaraldeído a 2% (meio químico líquido);• Pasteurização de 60 a 90°C por 30 min (meio físico líquido).
  28. 28. Esterilização é o processo de destruição de todas as formas de vida microbiana (bactérias, esporos, fungos e vírus) mediante a aplicação de agentes químicos e físicos.• Autoclavagem – 127°C por 30 min (meio físico);• Estufa ou forno de Pasteur – 170°C por 120 min (meio físico);• Glutaraldeído a 2% por 10 h (meio químico líquido);• Formaldeído a 4% por 18 h (meio químico líquido);• ET – Óxido de Etileno – tempo de aeração 6 a 24h (meio químico gasoso).
  29. 29. BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO• Nunca pipete com a boca, nem mesmo água destilada. Use dispositivos de pipetagem mecânica.• Não coma, beba, fume, masque chiclete ou utilize cosméticos no laboratório.• Evite o hábito de levar as mãos à boca, nariz, olhos, rosto ou cabelo, no laboratório.• Lave as mãos antes de iniciar o trabalho e após a manipulação de agentes químicos, material infeccioso, mesmo que tenha usado luvas de proteção, bem como antes de deixar o laboratório.• Objetos de uso pessoal não devem ser guardados no laboratório.
  30. 30. • Utilize jalecos ou outro tipo de uniforme protetor, de algodão, apenas dentro do laboratório. Não utilize essa roupa fora do laboratório.• Não devem ser utilizadas sandálias ou sapatos abertos no laboratório.• Utilize luvas quando manusear material infeccioso.• Não devem ser usados jóias ou outros adornos nas mãos, porque podem impedir uma boa limpeza das mesmas.• Mantenha a porta do laboratório fechada. Restrinja e controle o acesso do mesmo.• Não mantenha plantas, bolsas, roupas ou qualquer outro objeto não relacionado com o trabalho dentro do laboratório.
  31. 31. • Descontamine por autoclavação ou por desinfecção química, todo o material com contaminação biológica, como: vidraria, caixas de animais, equipamentos de laboratório, etc..., seguindo as recomendações para descarte desses materiais.• Descontamine todo equipamento antes de qualquer serviço de manutenção.• Cuidados especiais devem ser tomados com agulhas e seringas. Use-as somente quando não houver métodos alternativos.• Seringas com agulhas ao serem descartadas devem ser depositadas em recipientes rígidos, a prova de vazamento e embalados como lixo patológico.
  32. 32. • Referências• Os riscos biológicos no âmbito da Norma Regulamentadora Nº. 32. Riscos Biológicos Guia Técnico. Brasília 2008. Disponível em:• Gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Brasília, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_gerenc iamento_residuos.pdf• Informações e orientações para acadêmicos da Faculdade de Medicina da UFRGS. Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) Disponível em: http://www.hcpa.ufrgs.br/downloads/academico/orientaes _alunos_famed.pdf
  33. 33. BIOSSEGURANÇA Profª Jeanine Porto Brondani Taquara, 07 de março de 2012.

×