Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pdf reportagem sobre florbela espanca folha sp

1,680 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Pdf reportagem sobre florbela espanca folha sp

  1. 1. Folha da Manhã SEXTA-FEIRA 02 DE ABRIL DE 2010 POETAFolhaLetras OBRA FALA DE BUSCA E DA VONTADE DE POTÊNCIAMistério lusitanoDepois de ser estudada de forma redundante eredutora, obra de Florbela Espanca é redescobertaRENATA BOMFIM * com as formas do mundo, o que confere a• sua poesia uma sedução própria da alte-F lorbela Espanca (1894- 1930) é ridade. Vivemos numa época desencanta- considerada a voz feminina da, onde impera a sensação de queda do REPRODUÇÃO mais importante da lírica por- paraíso e de perda da unidade mítica, co- tuguesa do século XX. A poeta mo afirmou o pensador Mangabeira Un- nasceu em Vila Viçosa, região ger: “a única forma de nos salvarmos é do Alentejo, terra de mulheres através da vulnerabilidade”, ou seja, per- poetas, de Mariana Alcoforado mitindo que nossas relações sejamos ilu-com suas cartas de amor e de mulheres minadas por emoções que se relacionemcélebres que fundaram conventos, como com desejo e risco, para que nossa visãoMargarida Cheirinha ou Maria das Cha- seja ampliada e nos lancemos para umagas. Vozes femininas e suas muitas histó- instância outra, maior, e para além derias, que de alguma forma, ecoaram a nós mesmos.partir do auditório interior dessa poeta A obra de Florbela Espanca é um conviteque está sendo redescoberta na contem- à experimentação das emoções, é desejo,poraneidade. é risco, somos confrontados com uma po- A trajetória de vida de Florbela Espanca ética que desafia os lugares instituídos efoi marcada pelo desejo de emancipação, a distribuição desses lugares, e esse desa-pela vivência intensa das emoções, da fio se dá através da errância do eu poéticosensualidade e do erotismo, que iam na que busca por conhecer a si mesmo: “Seicontramão do ideário feminino de sua lá! Sei lá! Sei lá bem!/Quem sou? Um fogo-época. A escritora portuguesa Ana de Cas- fátuo, uma miragem.../ Sou um reflexo...tro Osório relatou que Florbela Espanca Um canto de paisagem/ Ou apenas cená-não abriu para si “nenhum horizonte rio!/ Um vaivém” (Espanca, 1996), e trazprofissional” a não ser o de “literata”, e em si o germe do encontro com o ou-este atributo era “o mais desagradável tro:”Procurei-O no seio de toda gente./que podia ser dito de uma senhora que Procurei-O em horas silenciosas!/ [...] Eera vista com um livro na mão”. A extem- nunca O encontrei!... Prince Charmant”poraneidade de Florbela fez com que a (Espanca, 1996).igreja portuguesa a classificasse como A errância do eu florbeliano é a expres-uma pessoa “moralmente perniciosa” e são de uma relação outra com o mundo,um “péssimo exemplo”, o que fez com que se funda não na certeza e nem naque a leitura de seus livros passasse a ser, rigidez, mas na consciência da imper-também, “moralmente” desaconselhável. manência das coisas, dos seres e das rela- Florbela Espanca publicou dois livros de ções. Talvez, seja destino do espírito hu-sonetos em vida, o “Livro de Mágoas” mano estar eternamente em caminho,(1919) e o “Livro de Sóror Saudade” (1923). tanto que a imagem do viajante e doAmbos receberam um frio acolhimento nômade é um arcano que engendra apor parte da crítica. Após o suicídio da po- nostalgia de um outro lugar: “Mostrem-eta, ritualisticamente realizado no dia me esse País onde eu nasci!/ Mostrem-em que completava trinta e seis anos de me o Reino de onde sou Infanta!/ [...]idade, seus livros póstumos, “Charneca Quero voltar! Não sei por onde vim...”em Flor” (1930) e “Reliquiae” (1931), se (Espanca, 1996). A errância corres-esgotaram, demandando novas edições, ponde, também, à quebra do en-que vieram acrescidas de cartas e prefácios clausuramento, um passo em dire-acalorados. É certo que a morte consagrou ção do outro, do encontro, ela res-a tragédia florbeliana, assim como consa- taura a mobilidade e possibilitagrou as de Inês de Castro, de Julieta, de superar as polaridades.Isolda, de Sylvia Plath, de Grace Kelly, de O desejo ardente de Flor-belaDiana Spencer e de tantas outras mulhe- Espanca de fazer dialogarem as-res que, repentinamente, desapareceram pectos variados da feminilidadedeixando uma aura de mistério no ar. por meio de sua poesia gerou Pode-se observar que Florbela Espanca um coro estranho e dissonan-carregou o estigma de ser mulher numa te para a sua época e a teatra-sociedade patriarcal e falocêntrica, mes- lidade de seus versos fez commo assim, através de sua poesia, imagi- que a imagem da mulhernou um mundo em diálogo com outras se fundisse à imagem desubjetividades e formas, trabalhando po- poeta, gerando leituraseticamente variados aspectos do universo reducionistas e fazendofeminino. Ela cantou o amor, a dor, a desi- com que, durante mui-lusão por buscar e não encontrar o ama- tos anos, a sua obra fossedo, a tristeza e o destino que arrasta os se- menos estudada do que o seures independente de sua vontade. A sede de comportamento social e emocional. As-infinito da poeta e a sua ousadia em dialo- sim, a imagem de Florbela foi se delinean-gar com diferentes formas, consti-tuiram- do e terminou por mitificá-la. Os estudio-se num contra-poder e numa hybris femi- sos da obra da poeta também contribuí-nina, ou seja, o desejo de conquistar luga- ram bastante para a formação dessa ima-res cada vez mais altos, de adentrar espa- gem mítica, ao focarem em suas leiturasços masculinos, como a tradição poética: prováveis e, muitas vezes, inventados as-SER POETA pectos curiosos, anedotários e tétricos so- bre sua vida e sobre sua morte, como o de AGENDA LITERÁRIA Florbela ter sido ninfomaníaca ou o deSer Poeta é ser mais alto, é ser maior ela ter sido praticante de incesto, infor-Do que os homens! Morder como quem beija! mações que ajudaram a montar um per- * Três livros publicados pela Compa- * David Grossman acaba de receber maisÉ ser mendigo e dar como quem seja fil de mulher extemporânea, capaz de nhia das Letras ganham adaptação cine- um prêmio, desta vez pelo conjunto daRei do Reino de Aquém e de Além Dor! incomodar a estamental sociedade cató- matográfica. O primeiro deles, “Ilha do obra. Grossman, um dos principais autores lica portuguesa. Não é circunstancial que Medo” (2010), de Martin Scorsese, estreou israelenses da atualidade, autor de “Al-É ter de mil desejos o explendor ela tenha se tornado uma importante no dia 12 de março. O filme é baseado no guém para correr comigo” (2005) e “A mu-E não saber sequer que se deseja! referência para o movimento feminista. romance “Ilha do Medo” (originalmente lher foge” (2009), entre outros, publicadosÉ ter cá dentro um astro que flameja, A poeta, que escolheu para si o mundo publicado como “Paciente 67)”, de Dennis pela Companhia das Letras, foi agraciadoÉ ter garras e asas de condor! da multiplicidade e da resistência ao do Lehane. A segunda produção, "Os homens pela prestigiada Acum (Sociedade de com- emparedamento do ser e que escolheu a que não amavam as mulheres" (2009), do positores, autores e editores de Israel). EmÉ ter fome, é ter sede de infinito! morte, lugar comum por excelência, é diretor Niels Arden Oplev, é o primeiro seus 30 anos de trabalho, David GrossmanPor elmo, as manhãs de oiro e de cetim... bem mais que apenas a “poetisa da dor e longa-metragem do sucesso editorial Tri- tem criado uma voz literária familiar, eÉ condensar o mundo num só grito! da saudade”, é uma persona dramatis que logia “Millennium”, do sueco Stieg Lars- igualmente corajosa e perspicaz. “É uma ainda não teve todas as máscaras revela- son. O lançamento está previsto para o voz israelense, e ainda assim, universal",É amar-te, assim, perdidamente... das. Os seus contos, por exemplo, apenas dia 24 de abril. O terceiro filme é “Quincas escreveram os juízes. Segundo publicaçãoÉ seres alma e sangue e vida em mim à pouco tempo começaram a ser estuda- Berro dÁgua” (2010), de Sérgio Machado do jornal Folha de São Paulo, “a obra do es-E dizê-lo cantando a toda gente! dos e novos documentos e cartas têm (“Cidade Baixa”, 2005), com Paulo José e critor é mundialmente conhecida pelo tom vindo à público, revelando outras facetas Marieta Severo no elenco. Outros roman- pacifista e esquerdista. O intelectual defen- Florbela Espanca possui uma obra pre- dessa mulher instigante. Florbela Espan- ces de Jorge Amado já inspiraram filmes e de que a literatura pode ser uma poderosanhe de encantamento e que tem desperta- ca está sendo redescoberta. minisséries, mas esta é primeira adapta- arma para resgatar a dimensão humana dodo cada dia mais o interesse de leitores e ção para o cinema do romance “A morte e conflito. Ele assina a autoria de mais depesquisadores. O eu florbeliano tem a ca- a morte de Quincas Berro Dágua”. (A.N.) vinte livros”. (A.N.) * POETA E MESTRE EM LETRAS PELApacidade de se metamorfosear e jogar UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

×