TolêRancia E MediaçãO

7,327 views

Published on

Published in: Travel, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
7,327
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
14
Actions
Shares
0
Downloads
99
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

TolêRancia E MediaçãO

  1. 1. IMIGRANTES EM PORTUGAL<br />Autores:<br />Marília Gomes; Aida Silva; Inês Raposeiro; Ricardo Raposo<br />
  2. 2. TIPOS DE MIGRAÇÕES<br />EMIGRAÇÃO<br /> A emigração é o acto relativamente espontâneo de deixar o local de residência para se estabelecer noutro território, regra geral, este fenómeno dá-se quando as pessoas procuram melhores condições de vida. Ao longo dos séculos, desde a época dos Descobrimentos, o fenómeno da emigração levou muitos Portugueses e, consequentemente, muitos naturais do Vale do Minho a emigrar. Seguindo ritmos distintos, registando a par da emigração legal, a emigração clandestina e mostrando preferências diversificadas consoante a antiguidade e a tradição emigratória, as características sociais e as oportunidades de saída oferecidas à população portuguesa deram origem à formação de diversas comunidades de portugueses residentes no estrangeiro que têm contribuído para o crescimento económico desses países. Os emigrantes do Vale do Minho escolheram países do outro lado do atlântico ou do Norte da Europa para residirem, quer tenha sido por razões culturais, por espírito de aventura ou, esta é a mais comum, por razões económicas.<br /> <br />
  3. 3. Migrações Internas/Externas ou Internacionais<br /> São internas se os deslocamentos realizam-se de umas regiões para as outras, dentro do mesmo país, e externas ou internacionais se os deslocamentos se fazem de um país para outro(emigração/ imigração). Nas externas, se a migração é efectuada para outro país do mesmo continente, é intracontinental, se por outro lado, é para outro país de outro continente, é intercontinental. No que respeita às migrações internas (êxodos rurais e urbanos) falaremos delas mais adiante.<br />
  4. 4. Migrações Temporárias e Definitivas<br />Temporárias - a mudança é apenas por um determinado período de tempo (pode ir de alguns dias até poucos anos - por exemplo, contratos temporários de trabalhadores portugueses na indústria hoteleira e construção civil, na Suíça - ou apenas umas semanas de férias noutro lugar). Dentro das migrações temporárias, há ainda as migrações sazonais (têm a ver com determinadas estações do ano - por exemplo a contratação de trabalhadores para as vindimas, ou as férias balneárias). <br />Definitivas - são aquelas em que os indivíduos decidem ir para um determinado local, para aí se estabelecerem definitivamente, podendo eventualmente regressar após muitos anos.<br />pt/carlhenr/9ano4.htm<br /> <br />
  5. 5. IMIGRAÇÃO<br /> Considera-se imigração o movimento de entrada num país, com estadia permanente ou temporário e com a intenção de trabalho e/ou residência, de pessoas ou populações.<br />Tipos de Migrações:<br /> Migração Internacional Implica o cruzamento de fronteiras e podem envolver distâncias curtas ou longas e povos culturalmente semelhantes/diferentes. <br /> Migração InternaEnvolvem deslocação de uma área para outra no interior do mesmo país (província, região ou município)<br />
  6. 6. Êxodo Rural <br />Êxodo Rural é quando as pessoas abandonam o campo, em busca de melhores condições de vida, nos centros urbanos.<br /> As possibilidades de emprego menos pesado e melhor remunerado; possibilidade de promoção social; presença de meios de transporte, dos familiares ou amigos que já vivem nas cidades; melhores possibilidades de alojamento, acesso aos serviços de saúde, à cultura e à educação; incitam ao deslocamento<br />
  7. 7. Migrações Sazonais <br /> As migrações sazonais são aquelas feitas por pessoas em determinadas estações do ano para trabalhar.<br />Migrações Pendulares<br /> Migrações Pendulares são simples fluxos populacionais que não correspondem verdadeiramente a migrações, pois não são realizados com intuito de mudança definitiva, estando embutida na saída do indivíduo a ideias concreta do seu retorno ao local de origem, e por isso o uso do termo "movimento pendular de população". Diferencia-se do conceito de migração por não ter carácter permanente. Alguns exemplos de migrações pendulares que são realizadas por pessoas que moram numa determinada cidade e trabalham noutra.<br />
  8. 8. Migrações Turisticas<br /> Sucede, por exemplo, com os muitos milhões de pessoas que anualmente procuram áreas de lazer para passar as suas férias, dando origem às chamadas migrações turísticas.<br /> Quando as migrações temporárias se efectuam apenas em determinadas épocas do ano, ou seja, quando têm uma certa periocidade no tempo designam-se por migrações sazonais.<br /> <br />
  9. 9. Causas da migração<br /> Razões económicas relacionadas com diferenças de rendimento. Procura de melhores condições de vidasão migrações laborais.<br /> Catástrofes ambientais De um modo geral, este motivo de migrações, leva a que sejam migrações forçadas, pois devido a causas naturais (cheias, terramotos, secas, vulcões...) a vida e a sobrevivência das pessoas fica em risco, pelo que se vêem forçadas a abandonar os seus locais de residência.(por exemplo: o tsunami na Ásia ou o furacão Katrina nos Estados Unidos) <br /> Razões Políticas/Religiosas: perseguições devido a ideais políticos e religiosos  migrações de refugiados/ requerentes de asilo.<br />(Castles, 2005)<br />
  10. 10. Imigração em Portugal: factos e números<br /> Começa-se a falar em Portugal como país de imigrantes em finais da década de 90.<br /> Intensificação dos fluxos migratórios tornou-se mais visível e mais diversificada – surge a presença de pessoas do Leste da Europa (com especial destaque para a Ucrânia), mas também da Índia e de China. Regista-se também um aumento da população brasileira. <br /> No entanto, Portugal continua a ser um país de emigrantes – dois fenómenos coexistem.<br />
  11. 11.
  12. 12. Do total de estrangeiro com estatuto de residência 138046 eram do sexo<br />masculino e 112051 do sexo feminino; o que traduz uma relação de masculinidade de123 homens por cada 100 mulheres.<br />
  13. 13. Até aos anos noventa do século xx, Portugal foi procurado por imigrantes dos<br />países lusófonos. Mas actualmente a população dos países de leste ocupa um dos<br />lugares de destaque na imigração. No entanto o grande “boom” da imigração ocorreu a<br />partir de 1999 e só no ano 2003 abrandou razoavelmente, (SOS Racismo 2001)<br />
  14. 14. A entrada de muitos imigrantes, tem provocado consequências graves nacidadania, Tais como: discriminação dos imigrantes e dos próprios filhos destesmesmo que tenham cá nascido;<br />Preconceitos racistas e xenófobos, que têm dificultado o dialogo<br />intercultural;<br />Estes são, talvez, os problemas mais inerentes que os imigrantes enfrentam nasociedade. No entanto, será que podemos falar de soluções para osproblemas comuns da imigração? Parece que não. De acordo com as publicações (SOS Racismo 2002), asautoridades desde sempre fecharam os olhos sobre esta realidade avassaladora e nuncase interessaram com as consequências e “repercussões de tal postura no seio de umacomunidade”.<br />
  15. 15. Os Emigrantes<br />
  16. 16.
  17. 17. Concluímos que:<br />- A maioria dos inquiridos concorda que os imigrantes contribuem para o aumento da criminalidade, e que vêm tirar postos de trabalho que deveriam ser dos portugueses, e que a sua presença enriquece a vida cultural do país.<br /><ul><li>Ao mesmo tempo que vêem os imigrantes como ‘alegres e bem dispostos’, ‘simpáticos’ e ‘competentes’, também consideram que contribuem para o aumento da ‘prostituição’, da ‘violência’ e do ‘tráfico de droga’. </li></ul>- Neste sentido, confirmámos a hipótese de que estereótipo em relação ao imigrantes ‘tirarem’ postos de trabalho que deveriam ser dos portugueses se relaciona significativamente com atitudes de oposição à imigração e de discriminação. <br />
  18. 18. Podemos assim concluir que este facto constitui uma excelente oportunidade euma maior reflexão sobre os problemas que todos os imigrantes enfrentam desde osmais comuns, até aos mais conhecidos (como os referidos), mas também umacontribuição para o desenvolvimento e reconhecimento de nosso país.<br />Nemtudo é nefasto para a sociedadeportuguesa; ou seja, nem sempre os imigrantes sãoculpados de uma maior violência e do aumento de bairros degradados…mas também,contribuem para o reconhecimento cultural, a nível desportivo neste caso para o paísque os acolhe.<br />
  19. 19. REGIÕES DE PORTUGAL QUE OS IMIGRANTES ESCOLHEM PARA VIVER<br />Distribuição geográfica dos estrangeiros legalmente residentes:<br />Ao acompanharmos o estudo feito por Baganhaetal, (2002) verificamos quemais de metade dos estrangeiros residentes em Portugal, se concentram exclusivamenteo distrito de Lisboa. Esta massificação de imigrantes na capital é explicável por factoresde ordem social e económica:<br />Os imigrantes quando imigram têm motivos fortes para o fazer, (como já vimosanteriormente nas “razões da imigração”), para tal escolhem países que possibilitam ummaior conforto, maior estabilidade económica e social (entre outros). Assim, aoescolherem como destino Portugal, e ao residirem em Lisboa e arredores, é porquenormalmente encontram: “o maior nível de integração internacional de economiametropolitana, a grande dimensão da bacia de emprego ou a elevada oferta de comércioe serviços” (Baganha 2002).<br />
  20. 20.
  21. 21. A equipa do SOS RACISMO “A imigração em Portugal”pretendeu mostrar “nº de residentes estrangeiros pordistrito”.<br />- Os imigrantes franceses, italianos e espanhóis registam índices em maior quantidade(%) nas regiões da grande Lisboa (49.26%), Porto (8.31%), Faro (10.54%) e emCoimbra (4.19%).<br />- Os grupos de europeus vindos de países como Alemanha (36.60%), Reino Unido<br />(31.30%) ou a Holanda (28.80%) concentram-se na área da grande Lisboa e em áreascomo o Algarve, pois são imigrantes qualificados. No entanto, são em menor<br />quantidade nas ilhas.<br />- Os imigrantes vindos de África continuam a concentrarem-se em Lisboa (67.35%).<br />- 68.86% dos imigrantes de Angola distribuem-se por Lisboa e arredores, como Setúbal(12.04%). O mesmo acontece com os Cabo Verdianos e os imigrantes de Moçambique.<br />- Os imigrantes de África do sul distribuem-se por Lisboa, sem dúvida, mas também<br />pela cidade de Faro. Isto devido à distância da viagem e por serem zonas perto do mar,o que possibilita o contacto entre Portugal e o continente Africano.<br />- Lisboa ainda continua a ser a zona que os imigrantes preferem para residir, é o casodos imigrantes vindos da América (43.98%). No entanto os Açores parecem ser umlugar de destaque para os americanos do norte, pois 16.94% residem nos Açores,enquanto que os americanos do sul como os brasileiros e os venezuelanos preferem Lisboa e Aveiro para residir. No entanto, estes imigrantes já se dispersam mais por todo o país. <br />Podemos concluir que Lisboa e as suas áreas periféricas continuam no “topo” das preferências dos imigrantes para residirem.<br />
  22. 22. Fonte: SEF, 31/12/2001<br />Concluímos:<br />-A cidade de Lisboa é sem dúvida a escolhida pelos vários imigrantes para poderemrefazer a sua vida. (121.039)<br />-Em seguida também é visível que os distritos de Santarém; Setúbal; Faro e Porto são osdistritos que mais imigrantes permanecem a seguir ao distrito de Lisboa,<br />- Distritos como Guarda, Bragança, Castelo Branco e Portalegre são os distritos ondemenos imigrantes estrangeiros residem,<br />-É significativa a presença de imigrantes nos Açores (2.605) e na Madeira (2.836).<br />
  23. 23. FIM<br />

×