Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Rankia Funds Experience Lisbon 2018

44 views

Published on

Rankia Funds Experience Lisbon 2018: Manuel Puerta, APAF

Published in: Economy & Finance
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Rankia Funds Experience Lisbon 2018

  1. 1. Manuel Puerta da Costa, CFA Presidente da Direcção APAF Executive Board Member BPI Gestão Activos ASSET MANAGEMENT @ glance
  2. 2. 1. APAF 2. Asset Management - 20 Years of Change 3. Growing Bigger , and better? 4. Who´s winning 5. Challenging Times 6. Regulatory Tsunami
  3. 3. APAF – Associação Portuguesa de Analistas Financeiros +30 Anos História > 400 Associados ao longo dos anos CEFA reconhecido pela CMVM (PBS and ISEG) ESG and Risk certification >800 diplomados Pós Graduação em Análise Financeira Interlocutor de CMVM, OE, BoP, APB, APFIPP, APS, AEM e outras associações financeiras
  4. 4. 20 years is a lot of time 1. Crescimento explosivo: AuM cresceu de 18 para 62 triliões de Euros (+7%). Os resultados cresceram de 23 para 64 Biliões de Euros (+6%) 2. Orientação Global dos Investidores e Gestores 3. Mercado Único Europeu, uma realidade mais próxima (60% dos fundos são Lux/Ireland based vs 25% antes) 4. Barbell, cada vez um dado imperativo (1/3 das estratégias são passiva ou alternativas, antes 15%) 5. Alta concentração e alta visibilidade (top3, mais de 50% de quota de mercado) >> O maior gestor (Blackrock) tem o tamanho do Balanço do BCE, ie, acima de 4Bn EUR
  5. 5. Who´s Winning 1. Os gestores de Activos americanos, passaram de uma quota de 5% dos Activos dos Fundos de Pensões para uma quota de 30% dos AuM europeus 2. Os gestores Passivos (ETF, Index Funds), ganharam preponderância 3. Os Fluxos anuais de investimento deixaram de ser maioritariamente americanos (42% nos primeiros anos do século) e passaram a ser de RoW (os fluxos US apenas representavam 22% em 2016 nos 4 maiores mercados europeus). O mercado é menos “US centric” nos flows.
  6. 6. Who´s Winning 1. Por domiciliação, os fundos Lux/Ireland passaram de 25% para 60% dos Fundos gesridos na Europa, o que significa que o market share dos locais, passou para metade 2. A Gestão passiva e de Alternativos (Hedge Funds, non-UCITS) passou de 15% dos AuM para 32% da Indústria. E a tendência não dá sinais de abrandamento, traduzindo uma clara separação entre alfa e beta
  7. 7. Who´s Winning – Going Big
  8. 8. Revenue Segments Na Europa (third party), as receitas das sociedades gestoras brutas (e líquidas) tem estado sob pressão ao longo dos últimos anos, descendo de 74 bps (36 net) para 65 bps (34 net) em 2016 (Fonte: Relatórios McKinsey) - No segmento de Retalho o decréscimo foi de cerca de 10% de 121 bps para 110 bps brutos, sendo o dobro das Institucionais em termos líquidos e o triplo em termos Brutos - No segmento Institucional, o decréscimo, partindo de uma base de 33 bps (25 bps net), desceu sensivelmente o mesmo que no retalho passando em 2016 para 23 bps net Esta descida encontra justificação devido 53% a alteração de Mix e 47% a descida de margins negociadas.
  9. 9. Cost Functions i. Na Europa o aumento de custos, de 6% por ano entre 2013 e 2016, teve expressão maioritária com tecnologia e com “sales and marketing” ii. É notória uma capacidade de controlar custos com back-office (ao contrário de outras regiões do Mundo, onde os valores disparam 20% e 100%) iii. Verifica-se também alguma melhoria da eficiência operacional com a descida de 23.4bps para 21.9 bps de custos /AuM, o valor mais baixo das três regiões cobertas no Relatório citado, tornando a Europa o HUB de gestão mais competitivo e concorrencial
  10. 10. Regulatory Tsunami 1. AIMFD 2. MIFID2 3. UCITS V 4. PRIPPS 5. EMIR 6. Reg Indexes 7. Closet Index Trackets 8. MMFs 9. Basel II, Solvency III, CSD, IDD 10. FATCA, DoddFrank (US), Auto-Enrolment (UK)
  11. 11. Challenging Times A. BREXIT: processo , transição e resultado final (passaportes e delegação) B. Decréscimo do “Profit Pool”, por falta de eficiência operacional e crescimento das receitas modesto C. Margem do Negócio sob pressão: passivos, transparência e concorrência por quota D. Pressão regulatória (directa e indirecta) e campanhas de supervisão aumentam os custos e alteram os modelos de negócio para os gestores, reduzindo as oportunidades de investimento para o retalho e para os institucionais E. Conjunto pouco habitual de pressão Geo-Política e MacroEconómica: taxas de juro, guerras comerciais, construção europeia, Robo advising and IA, Active Mgmt, digitalização, Big Data Analytics

×