União ibérica & restauração

17,461 views

Published on

Como Portugal pedeu a independência em 1580; o domínio filipino e a restauração da independência portuguesa

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
17,461
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8,281
Actions
Shares
0
Downloads
244
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

União ibérica & restauração

  1. 1. A União Ibérica e a Restauração da Independência 1580-1640 8º A
  2. 2. A União Ibérica Antecedentes Alianças Espanha; matrimoniais entre Portugal e Dificuldades no comércio português (crise no Império do Oriente e na Rota do Cabo); Defesa da ideia de aproximação de Portugal a Espanha, defendida por grande parte da burguesia e da nobreza portuguesas.
  3. 3. A perda da independência 1578 – Batalha de Alcácer Quibir Morte de D. Sebastião sem deixar descendentes Crise dinástica Disputa do trono por vários pretendentes Perda da independência
  4. 4. A morte de D. Sebastião e a crise dinástica
  5. 5. D. António, Prior do Crato Pretendentes ao trono D. Catarina de Bragança Filipe II, rei de Espanha
  6. 6. A União Ibérica Apoios aos pretendentes D. António, Prior do Crato (filho ilegítimo do infante D. Luís defendia a independência nacional): • apoiado pelas classes populares. D. Catarina de Bragança (candidata com mais direitos ao trono pela descendência por via masculina): • apoiada por parte da nobreza e do clero. Filipe II (rei de Espanha, descendente de D. Manuel I pela via feminina): • apoiado por grande parte da nobreza e da burguesia (que esperavam obter privilégios e aumentar os seus rendimentos com a União das duas coroas).
  7. 7. A União Ibérica Apoios aos pretendentes D. António, Prior do Crato (filho ilegítimo do infante D. Luís defendia a independência nacional): • apoiado pelas classes populares. D. Catarina de Bragança (candidata com mais direitos ao trono pela descendência por via masculina): • apoiada por parte da nobreza e do clero. Filipe II (rei de Espanha, descendente de D. Manuel I pela via feminina): • apoiado por grande parte da nobreza e da burguesia (que esperavam obter privilégios e aumentar os seus rendimentos com a União das duas coroas).
  8. 8. Promessas de Filipe II nas Cortes de Tomar 1. Sua Majestade fará juramento de manter todos os direitos, usos, costumes, privilégios e liberdades concedidos ao reino de Portugal [...]. 2. Que havendo de se pôr neste reino vice- rei ou outra pessoa que o haja de governar, seja português [...]. 3. Que todos os cargos superiores e inferiores, assim da justiça como da fazenda e do governo dos lugares, sejam para portugueses e não para estrangeiros [...]. 4. Que os negócios da Índia e da Guiné e de outras partes pertencentes ao reino de Portugal não se tirem dele nem haja qualquer mudança [...]. 5. Que o ouro e a prata que se cunharem em moeda neste reino se cunhem apenas com as armas de Portugal. In Lopes Praça, Coleção de Leis ...
  9. 9. Antecedentes da Restauração da Independência  Desrespeito pelas cláusulas das Cortes de Tomar por parte dos sucessores de Filipe II:  nomeação de estrangeiros para os principais cargos do reino;  desleixo pelas possessões portuguesas;  Lançamento de novos impostos;  Quebra das remessas de prata americana;  Recrutamento de tropas portuguesas para combater nas guerras da Espanha na Europa. DESCONTENTAMENTO
  10. 10. Descontentamento 1628- 1637- Revoltas populares por todo o país «motins da fome». Ex Alterações de Évora (1637) Conjura Revolta do 1º de dezembro de 1640 Restauração da Independência
  11. 11. A Restauração da Independência Defenestração de Miguel de Vasconcelos 1 de dezembro de 1640 Um grupo de nobres, liderado por D. João, 8º duque de Bragança, destituiu a duquesa de Mântua, governadora de Portugal, matou Miguel de Vasconcelos, seu secretário e instaurou a independência do reino.
  12. 12. A Restauração da Independência  Aclamação de D. João com o título de D. João IV;  Portugal obtém o apoio dos inimigos de Espanha (França e Inglaterra);  Portugal prepara-se para uma invasão espanhola iminente (reorganização do exército e da defesa).
  13. 13. A guerra da Restauração Cronologia Principais batalhas 1658-59- Linhas de Elvas 1663- Ameixial 1664- Castelo Rodrigo - Montijo 1665- Montes Claros Outras batalhas 1641-57- Olivença 1663- Évora 1664- Almeida
  14. 14. Forte de S. Sebastião, Castro Marim Forte de Nª Srª da Guia, Cascais
  15. 15. GLOSSÁRIO Impostos Durante a dominação filipina, sobretudo no reinado de Filipe IV (III de Portugal), devido às guerras da Espanha e à quebra das remessas da prata americana, verificou-se um aumento de impostos ou lançamento de novos no nosso país. Foram eles: Real de água= tributo no valor de um real que incidia sobre o consumo de carne e de vinho, que se destinava a financiar o abastecimento de água. Meia anata= direito que se pagava ao ter acesso a um benefício eclesiástico ou a um emprego secular e que correspondia a metade do rendimento anual. Cabeção das sisas= imposto sobre mercadorias, com exceção do ouro, prata, pão cozido, cavalos e armas.

×