Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

União ibérica & restauração

Como Portugal pedeu a independência em 1580; o domínio filipino e a restauração da independência portuguesa

  • Login to see the comments

União ibérica & restauração

  1. 1. A União Ibérica e a Restauração da Independência 1580-1640 8º A
  2. 2. A União Ibérica Antecedentes Alianças Espanha; matrimoniais entre Portugal e Dificuldades no comércio português (crise no Império do Oriente e na Rota do Cabo); Defesa da ideia de aproximação de Portugal a Espanha, defendida por grande parte da burguesia e da nobreza portuguesas.
  3. 3. A perda da independência 1578 – Batalha de Alcácer Quibir Morte de D. Sebastião sem deixar descendentes Crise dinástica Disputa do trono por vários pretendentes Perda da independência
  4. 4. A morte de D. Sebastião e a crise dinástica
  5. 5. D. António, Prior do Crato Pretendentes ao trono D. Catarina de Bragança Filipe II, rei de Espanha
  6. 6. A União Ibérica Apoios aos pretendentes D. António, Prior do Crato (filho ilegítimo do infante D. Luís defendia a independência nacional): • apoiado pelas classes populares. D. Catarina de Bragança (candidata com mais direitos ao trono pela descendência por via masculina): • apoiada por parte da nobreza e do clero. Filipe II (rei de Espanha, descendente de D. Manuel I pela via feminina): • apoiado por grande parte da nobreza e da burguesia (que esperavam obter privilégios e aumentar os seus rendimentos com a União das duas coroas).
  7. 7. A União Ibérica Apoios aos pretendentes D. António, Prior do Crato (filho ilegítimo do infante D. Luís defendia a independência nacional): • apoiado pelas classes populares. D. Catarina de Bragança (candidata com mais direitos ao trono pela descendência por via masculina): • apoiada por parte da nobreza e do clero. Filipe II (rei de Espanha, descendente de D. Manuel I pela via feminina): • apoiado por grande parte da nobreza e da burguesia (que esperavam obter privilégios e aumentar os seus rendimentos com a União das duas coroas).
  8. 8. Promessas de Filipe II nas Cortes de Tomar 1. Sua Majestade fará juramento de manter todos os direitos, usos, costumes, privilégios e liberdades concedidos ao reino de Portugal [...]. 2. Que havendo de se pôr neste reino vice- rei ou outra pessoa que o haja de governar, seja português [...]. 3. Que todos os cargos superiores e inferiores, assim da justiça como da fazenda e do governo dos lugares, sejam para portugueses e não para estrangeiros [...]. 4. Que os negócios da Índia e da Guiné e de outras partes pertencentes ao reino de Portugal não se tirem dele nem haja qualquer mudança [...]. 5. Que o ouro e a prata que se cunharem em moeda neste reino se cunhem apenas com as armas de Portugal. In Lopes Praça, Coleção de Leis ...
  9. 9. Antecedentes da Restauração da Independência  Desrespeito pelas cláusulas das Cortes de Tomar por parte dos sucessores de Filipe II:  nomeação de estrangeiros para os principais cargos do reino;  desleixo pelas possessões portuguesas;  Lançamento de novos impostos;  Quebra das remessas de prata americana;  Recrutamento de tropas portuguesas para combater nas guerras da Espanha na Europa. DESCONTENTAMENTO
  10. 10. Descontentamento 1628- 1637- Revoltas populares por todo o país «motins da fome». Ex Alterações de Évora (1637) Conjura Revolta do 1º de dezembro de 1640 Restauração da Independência
  11. 11. A Restauração da Independência Defenestração de Miguel de Vasconcelos 1 de dezembro de 1640 Um grupo de nobres, liderado por D. João, 8º duque de Bragança, destituiu a duquesa de Mântua, governadora de Portugal, matou Miguel de Vasconcelos, seu secretário e instaurou a independência do reino.
  12. 12. A Restauração da Independência  Aclamação de D. João com o título de D. João IV;  Portugal obtém o apoio dos inimigos de Espanha (França e Inglaterra);  Portugal prepara-se para uma invasão espanhola iminente (reorganização do exército e da defesa).
  13. 13. A guerra da Restauração Cronologia Principais batalhas 1658-59- Linhas de Elvas 1663- Ameixial 1664- Castelo Rodrigo - Montijo 1665- Montes Claros Outras batalhas 1641-57- Olivença 1663- Évora 1664- Almeida
  14. 14. Forte de S. Sebastião, Castro Marim Forte de Nª Srª da Guia, Cascais
  15. 15. GLOSSÁRIO Impostos Durante a dominação filipina, sobretudo no reinado de Filipe IV (III de Portugal), devido às guerras da Espanha e à quebra das remessas da prata americana, verificou-se um aumento de impostos ou lançamento de novos no nosso país. Foram eles: Real de água= tributo no valor de um real que incidia sobre o consumo de carne e de vinho, que se destinava a financiar o abastecimento de água. Meia anata= direito que se pagava ao ter acesso a um benefício eclesiástico ou a um emprego secular e que correspondia a metade do rendimento anual. Cabeção das sisas= imposto sobre mercadorias, com exceção do ouro, prata, pão cozido, cavalos e armas.

×