Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Como avaliar a cultura de segurança do paciente

23,252 views

Published on

Aula elaborada pela Dra. Claudia Tartaglia Reis, propõe o uso de metodologias avaliativas e a mobilização da alta gestão e das lideranças do hospital para a avaliação da cultura de segurança paciente

Published in: Healthcare

Como avaliar a cultura de segurança do paciente

  1. 1. Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Como avaliar a cultura de segurança do paciente?
  2. 2. Cultura de segurança  Integra o “DNA” das organizações de alta confiabilidade (sistemas complexos)  A segurança é prioritária → continuamente desenvolvida na estrutura organizacional
  3. 3. As organizações de saúde poderiam ser consideradas organizações de sistemas complexos?
  4. 4. O risco: Organizações de saúde x organizações de alta confiabilidade Aviação comercial ↓ “Atividade segura” Risco de morte = 1 a cada 10.000.000 de decolagens nível de segurança sigma 7→ Tráfico rodoviário sigma 4→ Fragata et al., 2014
  5. 5. O risco: Organizações de saúde x organizações de alta confiabilidade Atenção à saúde hospitalar ↓ Risco de morte por erro (em escala global) 1 óbito a cada 300→ internações (sigma 3) Exceção para Anestesiologia (sigma 5) Risco de sofrer um evento adverso 10%→ Fragata et al., 2014
  6. 6. ORGANIZAÇÕES DE ALTA CONFIABILIDADE ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE Crença de que algo pode sair errado Crença de que tudo vai dar certo Foco sobre a confiabilidade do sistema Foco sobre a eficiência do sistema Humildade para buscar entender e aprender o que não se conhece Crença de que se sabe tudo o que se precisa saber Comportamento que valoriza o trabalho em equipe Presença de elevados gradientes de hierarquia entre os profissionais Chassin & Loeb, 2011
  7. 7. Portaria MS nº529, de 1º de abril/2013  Gestão de risco para a qualidade do cuidado e segurança do paciente criar/fortalecer a→ CULTURA DE SEGURANÇA Brasil, 2013
  8. 8. Cultura de Segurança  Estabelece aos profissionais de saúde responsabilidade pela sua própria segurança, pela segurança de seus colegas, pacientes e familiares  Encoraja e recompensa a identificação, a notificação e a resolução dos problemas relacionados à segurança  Promove o aprendizado organizacional a partir da ocorrência de incidentes  Prioriza a segurança acima de metas financeiras e operacionais  Proporciona recursos, estrutura e responsabilização para a manutenção efetiva da segurança Brasil, 2013
  9. 9. A avaliação da cultura de segurança na área da saúde como FERRAMENTA DE GESTÃO (Sorra & Nieva, 2004
  10. 10. Métodos de avaliação da cultura de segurança na área da saúde → Abordagem epidemiológica quantitativa (uso de questionários de auto-preenchimento) → Abordagem sócio-antropológica qualitativa (técnicas de observação associadas a entrevistas)
  11. 11. Questionário validado e disponível para livre uso no Brasil: Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) (AHRQ – Sorra & Nieva, 2004) Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira do Hospital Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde Pública 2012; (28)11:2199-2210. Reis CT, Laguardia J, Vasconcelos AG, Martins M. Reliability and Validity of the Brazilian Version of the Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC): a Pilot Study. (prelo) http://proqualis.net/sites/proqualis.net/files/000002442leoxaL.pdf
  12. 12. Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) – (Pesquisa sobre cultura de segurança em hospitais) → 42 questões = 12 dimensões da cultura de segurança Opção de resposta aos itens → escala likert com 5 opções de respostas, que variam de “concordo totalmente” a “discordo totalmente”, ou de “sempre” a “nunca”.
  13. 13. - Expectativas do supervisor/chefe e ações promotoras da segurança (4 itens) - Aprendizado organizacional – melhoria contínua (3 itens) - Trabalho em equipe dentro das unidades (4 itens) - Abertura da comunicação (3 itens) - Retorno da informação e comunicação sobre os erros (3 itens) - Respostas não punitivas aos erros (3 itens) - Adequação de pessoal (4 itens) 7 DIMENSÕES DO NÍVEL DA UNIDADE/SETOR
  14. 14. - Apoio da gestão hospitalar para a segurança do paciente (3 itens) - Trabalho em equipe entre as unidades hospitalares (4 itens) - Mudanças de turno e transições entre unidades/serviços (4 itens) 3 DIMENSÕES DO NÍVEL ORGANIZACIONAL
  15. 15. - Percepção geral da segurança (4 itens) - Frequência da notificação de eventos de segurança (3 itens) 2 DIMENSÕES DE RESULTADO
  16. 16. - Percentual de respostas positivas obtido nas dimensões da cultura Medida obtida para avaliar a cultura de segurança = [nº de respostas positivas aos itens da dimensão X___________________________ nº total de respostas válidas aos itens da dimensão X (positivas, neutras e negativas, excluindo-se os dados ausentes) x 100
  17. 17. Respostas positivas - Opções “concordo totalmente” / “concordo”, ou “sempre” / “quase sempre” nas sentenças escritas positivamente para segurança do paciente. - Opções “discordo totalmente” / “discordo”, ou “nunca” / “raramente” nas sentenças escritas negativamente para a segurança do paciente.
  18. 18. Interpretação das medidas obtidas % de respostas positivas > ou = a 75% → dimensão da cultura fortalecida % de respostas positivas < ou = a 50% → dimensão da cultura fragilizada
  19. 19. - Quando são assinaladas as opções “concordo totalmente” / “concordo”, ou “sempre” / “quase sempre” nas sentenças escritas positivamente para segurança do paciente e - quando são assinaladas as opções “discordo totalmente” / “discordo”, ou “nunca” / “raramente” nas sentenças escritas negativamente para a segurança do paciente. Respostas positivas
  20. 20. EX: Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “Percepção geral da segurança ” (47% de respostas positivas) – Hospital X Positiva Neutra Negativa A15. A segurança do paciente jamais é comprometida em função de maior quantidade de trabalho a ser concluída. A18. Os nossos procedimentos e sistemas são adequados para prevenir a ocorrência de erros. A10R. É apenas por acaso que erros não acontecem por aqui. A17R. Nesta unidade, temos problemas de segurança do paciente.
  21. 21. EX: Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “Percepção geral da segurança ” (47% de respostas positivas) – Hospital X Positiva Neutra Negativa A15. A segurança do paciente jamais é comprometida em função de maior quantidade de trabalho a ser concluída. A18. Os nossos procedimentos e sistemas são adequados para prevenir a ocorrência de erros. A10R. É apenas por acaso, que erros não acontecem por aqui. A17R. Nesta unidade, temos problemas de segurança do paciente. “Concordo totalmente” ou “concordo” “Discordo totalmente” ou “discordo”
  22. 22. EX: Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “passagem de plantão/turno e transferências” (48% de respostas positivas) – Hospital X F3R. O processo de cuidado é comprometido quando um paciente é transferido de uma unidade para outra. F5R. É comum a perda de informações importantes sobre o cuidado do paciente durante as mudanças de plantão ou de turno. F7R. Com frequência ocorrem problemas na troca de informações entre as unidades do hospital. F11R. Neste hospital, as mudanças de plantão ou de turno são problemáticas para o paciente. Positiva Neutra Negativa
  23. 23. Preparando a pesquisa em seu hospital - Mobilizar a alta gestão e as lideranças do hospital com relação à importância da realização da pesquisa na instituição - Determinar o profissional/equipe que irá conduzir o projeto no hospital - Determinar a forma como o questionário será distribuído no hospital (em papel ou via e-mail, intranet etc.)
  24. 24. Preparando a pesquisa em seu hospital - Determinar o tamanho da amostra - Determinar o período de coleta de dados e planejar visitas semanais para a coleta dos questionários preenchidos com agendamento prévio da próxima visita (que deverá ser avisado)
  25. 25. Quem é elegível a preencher o questionário? - Profissionais com contato/interação direta com o paciente (médicos, enfermeiros, funcionários administrativos) - Profissionais que podem não ter contato/interação direta com o paciente, mas cujo trabalho afeta o cuidado com o paciente (staff de unidades de farmácia, laboratório etc.) - Supervisores, gerentes, administradores Sorra & Nieva, 2004
  26. 26. Controle da qualidade dos dados - Após a coleta dos questionários preenchidos, estes devem ser revisados quanto à qualidade do preenchimento:  Respostas em branco são esperadas, pois há situações abordadas que podem não se aplicar a determinado profissional.  Questionários que não tiverem pelo menos uma seção inteira preenchida deverão ser excluídos da análise.  Questionários que tenham uma mesma opção de resposta marcada numa mesma seção deverão ser excluídos. Sorra & Nieva, 2004
  27. 27. 1. Amostra composta por uma única categoria profissional → Coletar informações de uma única categoria profissional Ex.: Enfermagem – Pode-se optar por incluir todos os profissionais desta categoria profissional ou por um subconjunto de profissionais (por sorteio, dentro da categoria profissional). IMPORTANTE! Essa abordagem não é suficiente para representar a visão de todo o staff do hospital. Tipos de amostras
  28. 28. Tipos de amostras 2. Amostra de setores específicos dentro do hospital Ex.: Emergência, Farmácia, Clínicas diversas etc. – Três exemplos de caminhos, listados na ordem da amostra mais representativa para a menos representativa da população do hospital:  Um subconjunto dos funcionários de todos os setores do hospital (amostra mais representativa)  Todos os profissionais de alguns setores selecionados  Um subconjunto de profissionais de alguns setores do hospital (amostra menos representativa)
  29. 29. 3. Amostra mista Inclui profissionais dos dois tipos de amostras abordados anteriormente. Ex.: Coletar informações de toda uma categoria profissional, por exemplo, da enfermagem, e somente um subconjunto dos demais profissionais de cada setor do hospital. Usar uma combinação de tipos de amostra permite selecionar uma amostra mais ampla ou selecionar diversos tipos de staff na tentativa de representar melhor a diversidade da população do hospital. Tipos de amostras
  30. 30. - Percentual de retorno de 30 a 50% dos questionários distribuídos (caso a opção seja por distribuí-los em papel). - Estudos demonstram que o percentual de retorno é bem menor (em torno de 10 a 15%) quando realizado por e-mail/intranet. O tamanho da amostra deve ser em torno de 2 a 3 vezes o número de questionários que se pretende receber de retorno. Sorra & Nieva, 2004.
  31. 31.  Não imponha. Pesquisas sobre cultura podem facilitar discussões sobre riscos e segurança quando os profissionais estão engajados nesses projetos e não porque gerentes ou reguladores as impuseram.  Portanto, faça parceria com as lideranças! Envolva desde o profissional da gestão até o profissional da ponta. A participação deve ser voluntária e consentida.  É fundamental garantir o anonimato dos participantes para melhorar o percentual de resposta. Facilita entregar o questionário acompanhado de um envelope não identificado. Considerações Finais
  32. 32.  A avaliação da cultura permite obter uma visão geral de grande valor para o ambiente de segurança; possibilita verificar onde algo está errado, onde se deve priorizar ações de melhoria e verificar a disseminação da cultura ao longo dos anos.  A partir de um diagnóstico da cultura realizado por método quantitativo, uma investigação qualitativa posterior pode ser oportuna. Considerações Finais
  33. 33. Chassin MR, Loeb JM. The ongoing quality improvement journey: next stop, high reliability. Health Aff 2011; 30(4):559-568. Fragata J, Sousa P, Santos RS. Organizações de saúde seguras e fiáveis/confiáveis. In: Sousa P, Mendes W, organizadores. Segurança do Paciente, criando organizações de saúde seguras. Editora Fiocruz, Rio de Janeiro, 2014. Ministério da Saúde. Portaria nº 529 de 1º de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente, Brasil, 2013. Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira do Hospital Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde Pública 2012; (28)11:2199-2210. Sorra JS, Nieva VF. Hospital Survey on Patient Safety Culture (Prepared by Westat, under Contract No. 290-96-0004). AHRQ Publication No. 04-0041. Rockville, MD. September 2004. Referências
  34. 34. Claudia Tartaglia Reis PhD, MPH clautartaglia@gmail.com Elaboração Produção proqualis.net

×