Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Entrevista Do RúBen Rodrigues Final

1,487 views

Published on

  • Be the first to comment

Entrevista Do RúBen Rodrigues Final

  1. 1. Entrevista do Rúben Rodrigues ao Cavaleiro da Dinamarca Introdução Vamos fazer uma entrevista imaginária à personagem principal do conto de Sophia M.B.A. “O Cavaleiro da Dinamarca”. Este peregrino dinamarquês vivia no Norte da Dinamarca, ocupava o seu tempo a cuidar do seu cavalo, a coisa mais interessante que fez foi a sua peregrinação a Jerusalém, à Terra Santa, onde nasceu o menino Jesus. É por causa desta peregrinação que eu vou fazer esta entrevista ao Cavaleiro da Dinamarca. Ruben -Boa tarde, senhor Cavaleiro. Cavaleira –Olá, boa tarde, senhor jornalista! Ruben -Será que lhe podia fazer uma entrevista sobre a sua peregrinação à Palestina? Cavaleiro -Sim, claro que sim! Teria muito gosto em ser entrevistado. Ruben - Então vamos começar. Cavaleiro – Sim, vamos lá. Ruben -Porque é que o senhor Cavaleiro decidiu fazer esta peregrinação? Cavaleiro - Queria estar na terra Santa no Natal a rezar por mim e por todo o mundo, na gruta onde nasceu o menino Jesus. Ruben -O senhor disse à sua família que ia para a Palestina na noite de Natal. Porquê? Cavaleiro - Nessa época, a família estava toda reunida, bem como todos os meus amigos e, além disso, era noite de Natal, tinha tudo a ver com a minha peregrinação e poderia vir a rezar ao menino Jesus, no sítio onde nascera. Rúben - O senhor decidiu ir com o mercador de Veneza para Veneza, porquê? Cavaleiro - Achei o percurso que o mercador me disse era mais rápido do que esperar pelo outro barco que ia para a minha terra.
  2. 2. Rúben -O senhor ficou espantado com a cidade de Veneza, porquê? Cavaleiro - Espantadíssimo! As ruas eram canais onde deslizavam barcos finos e escuros, os palácios cresciam das águas que reflectiam os mármores, as pinturas e as colunas… enfim parecia um sonho! Algo nunca visto! Rúben - Ficou tão emocionado com a história de Vanina. Conte-nos a razão. Cavaleiro -Eu fiquei emocionado porque a história era muito romântica… e eu sou muito sentimental e emotivo! Rúben -Não ficou em Veneza, apesar de ter sido convidado pelo mercador. Explique- nos esta atitude. Cavaleiro - Tinha feito uma promessa à minha família e a todos os meus amigos: estaria com eles 2 anos depois da minha partida da Dinamarca, no Natal, é claro! Rúben -Ficou ainda mais espantado com Florença do que Veneza. É verdade? Cavaleiro – De facto, eu fiquei ainda mais espantado com Florença, porque tudo era mais grave e austero e havia muita sabedoria. Rúben - Resolveu demorar-se mais algum tempo em Florença, porquê? -Eu resolvi demorar-me mais algum tempo em Florença porque fiquei maravilhado com tudo o que ouvia e via. Rúben -Também não aceitou o convite do banqueiro, apesar de ter sido influenciado por ele, porquê? Cavaleiro - Precisamente não aceitei pela mesma razão que apresentei ao meu amigo de Veneza. Rúben -Continuou a sua viagem por terra, porquê? - Sabe que se esperasse pelo barco não ia chegar a tempo cá, à minha terra Natal. Rúben – Por que razão ficou impressionado com o paladar da comida de Antuérpia? Cavaleiro – Hummm! Nunca tinha provado aquelas especiarias. Rúben -O que é que o senhor Cavaleiro achou da história de Pêro Dias? Cavaleiro -Eu achei uma história triste porque Pêro Dias morreu. Rúben -Porque é que não aceitou o convite do flamengo apesar de ter sido influenciado por ele, mais uma vez?
  3. 3. Cavaleiro -Precisamente não aceitei pela mesma razão que apresentei ao meu amigo de Veneza e de Florença. Rúben -O que é que o fez esquecer-se do cansaço e do frio, quando regressava? Cavaleiro - Foi a vontade e a alegria de estar tão perto da minha família. Rúben - A floresta parecia-lhe fantástica e estranha, porquê? Cavaleiro -Ela estava imóvel, muda, suspensa, silenciosa e a solidão parecia assustadora e desmedida. Rúben -Os pinheiros do Norte chamam-se abetos, porquê? Cavaleiro -Os pinheiros do Norte chamam-se abetos porque são largos em baixo, afilados em cima, têm o tronco coberto de ramos desde o chão e crescem em forma de cone da terra para o céu. Rúben -Não voltou para trás para a aldeia de lenhadores para passar lá a noite, porquê? Cavaleiro - Se eu não chegasse a casa naquele dia, a minha família ia pensar que eu estava morto. Rúben -Na floresta mudou de direcção da direita para a esquerda, porquê? Cavaleiro -Eu mudei de direcção, porque pensei que me tinha enganado na direcção do rio. Rúben -Como é que o senhor Cavaleiro conseguiu afugentar os lobos e o urso? Cavaleiro –Eu afugentei os lobos e o urso quando disse com toda a minha fé : ”- Hoje é noite de trégua, noite de Natal” e os animais fugiram. Rúben -O senhor Cavaleiro como é que conseguiu ter as últimas forças antes de chegar a sua casa? Cavaleiro -Eu rezei a oração dos Anjos e Deus ajudou-me. Comecei a ver uma luz que parecia ser uma fogueira, mas não! Era o abeto que estava em frente a minha casa que estava iluminado de estrelas que os Anjos do Natal tinham enfeitado. Rúben -Como é que o senhor Cavaleiro se sentiu ao ver que estava em frente da sua casa? Cavaleiro -Eu quando vi que estava em frente da minha casa fiquei muito contente e feliz porque tinha conseguido chegar antes do Natal e tinha cumprido a promessa que fiz a todos.
  4. 4. Conclusão Obrigada por nos ter contado a sua aventura maravilhosa e fascinante. Agora que conhecem a obra: “ O Cavaleiro da Dinamarca”, aproveitem para viajarem e divertirem-se com outras obras da Sophia M.B.A e viverem grandes aventuras.

×