Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02

2,119 views

Published on

1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
2,119
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
420
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arevoluofrancesa 100613205417-phpapp02

  1. 1. REVOLUÇÃO FRANCESA
  2. 2. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Golpeou o Antigo Regime• Abriu caminho o predomínio político e social da burguesia.• Permitiu a afirmação do capitalismo como modo de produção dominante na Europa e em outras partes do mundo.• Assegurou a primazia da ideologia iluminista no Ocidente.
  3. 3. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Um movimento do qual participaram vários grupos da sociedade francesa (camponeses, massa pobre urbana,burguesia) descontentes com o predomínio social da nobreza e com o absolutismo dos monarcas, mas que, ao final beneficiou sobretudo a burguesia.
  4. 4. A REVOLUÇÃO FRANCESAMODELO/ CLÁSSICO /REVOLUÇÃO/ BURGUESA
  5. 5. A REVOLUÇÃO FRANCESA “A Grã-Bretanha forneceu o modelo para as ferrovias e fábricas, oexplosivo econômico que rompeu com as estruturas tradicionais domundo não-europeu; mas foi a França que fez suas revoluções e aelas deu suas idéias, a ponto de bandeiras tricolores de um tipo oude outro terem-se tornado o emblema de praticamente todas asnações emergentes, e a política européia (ou mesmo mundial) entre1789 e 1917 foi em grande parte a luta a favor e contra os princípiosde 1789, ou os ainda mais incendiários de 1793. A França forneceuo vocabulário e os temas da política liberal e radical-democráticapara a maior parte do mundo. A França deu o primeiro grandeexemplo, o conceito e o vocabulário do nacionalismo. A Françaforneceu os códigos legais, o modelo de organização técnica ecientífica e o sistema métrico de medidas para a maioria dos países.” (HOBSBAWM, E.J . A Era das Revoluções, p.71)
  6. 6. A REVOLUÇÃO FRANCESA A FRANÇA PRÉ-REVOLUCIONÁRIA
  7. 7. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Economia: predominantemente agrícola• Maioria da população (cerca de 80%) vivendo na área rural e sujeita ao regime servil
  8. 8. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Finanças: déficit financeiro• O Estado arrecadava menos do que gastava• Corte e privilégios da nobreza.
  9. 9. LUIS XVI PolíticaPredomínio do Absolutismo Monárquico, de Direito Divino.
  10. 10. PRIMEIROESTADO = CLERO possuem privilégios não pagam impostos SEGUNDOESTADO = NOBREZA TERCEIRO ESTADO = não possuem DEMAIS privilégios SETORES pagam impostos DA SOCIEDADE Sociedade Estamental
  11. 11. PO PULAÇÃO FRA N CE SA 2 6 M IL H Õ E S DE H A B ITA N T E S 6 0 0 M IL 2 5 M IL H Õ E S P R IV IL E G IA D O S N Ã O P R I V I L E G IA D O S NÃO ERAM PA G AVAM DE 5 0 A T R IB U T A D O S 57 F R A N C O S D E IM P O S T OV IV IA M D E P E N S Õ E S D O R E I P AR A C A D A 10 0 F R A N C O S DE RENDA
  12. 12. A REVOLUÇÃO FRANCESA“Quem, portanto, ousaria dizer que o TerceiroEstado não tem em si tudo o que é necessáriopara formar uma nação completa? Ele é ohomem forte e robusto que tem um dos braçosainda acorrentado. Se suprimíssemos a ordemprivilegiada, a nação não seria algo de menos esim alguma coisa mais. Assim, o que é oTerceiro Estado? Tudo, mas um tudo livre eflorescente. Nada pode caminhar sem ele, tudoiria infinitamente melhor sem os outros.” (E. J. Sieyès. Qu’est-ce que le Triers Êtat.)
  13. 13. A REVOLUÇÃO FRANCESA A QUEDA DO ANTIGO REGIME
  14. 14. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Luís XVI• Ministros das Finanças• Turgot, Necker e Calonne• Propostas: – Aumentar a arrecadação e diminuir os gastos do Estado – Abolir os privilégios dos 1ºs. e 2ºs. Estados.
  15. 15. NECKER
  16. 16. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Luis XVI• procurando minimizar os descontentamentos,• Convoca os Estados Gerais,• Parlamento = poder consultivo, não deliberativo.• O voto era por Estado (cada Estado representado, independente do número de deputados, tinha direito a um voto),
  17. 17. A REVOLUÇÃO FRANCESA• pressão do Terceiro Estado,• a votação fosse per capita (por cabeça)• O Terceiro Estado rebelou-se e, na sala do jogo da péla (espécie de tênis em quadra coberta),• seus representantes juraram que não se separariam enquanto não tivessem dado à França uma constituição.
  18. 18. A REVOLUÇÃO FRANCESA• No dia 9 de julho de 1789,• o Terceiro Estado, contando com o apoio de membros do baixo clero e da nobreza togada, declarou-se em Assembléia Nacional Constituinte, iniciando a redação de uma constituição.
  19. 19. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Em 11 de julho, tropas comandadas pelo rei ocuparam Paris e cercaram o prédio onde se reunia a Assembléia.• Grupos populares insurgiram-se contra a atitude do rei e procuram apoio junto aos soldados.
  20. 20. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Parte deles aderiu ao movimento: o arsenal de armas, situado no Palácio dos Inválidos, foi aberto aos revoltosos que saquearam armas e munições, iniciando assim a revolução.
  21. 21. A REVOLUÇÃO FRANCESA• No dia 14 de julho, os rebeldes tomaram a Bastilha, prisão onde se achavam encarcerados os opositores do absolutismo e símbolo do Antigo Regime.
  22. 22. A REVOLUÇÃO FRANCESA A ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE (1789-1791)
  23. 23. A REVOLUÇÃO FRANCESA• O movimento alastrou-se pela França.• No campo os camponeses chegaram a invadir e incendiar castelos e massacrar membros da nobreza, promovendo sua fuga para outras partes da Europa.• O Grande Medo.
  24. 24. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Na primeira fase da Revolução destacou- se a atuação da burguesia nas cidades e dos camponeses na área rural.• As principais medidas adotadas nessa fase foram:
  25. 25. A REVOLUÇÃO FRANCESA• abolição dos direitos feudais• aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão,
  26. 26. A REVOLUÇÃO FRANCESA• confisco dos bens da Igreja• imposição da Constituição Civil do Clero (1791), segundo a qual a autoridade da Igreja ficava sujeita à autoridade civil;
  27. 27. A REVOLUÇÃO FRANCESA• confisco dos bens da Coroa e da nobreza emigrada com vistas a solucionar o problema financeiro da França.
  28. 28. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Em 1791 aprovada a primeira constituição francesa• monarquia constitucional• três poderes: – o executivo (rei), – legislativo (deputados eleitos por voto censitário) – judiciário.
  29. 29. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Lei Le Chapelier• declarava ilegais as greves e as associações de trabalhadores.
  30. 30. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Luis XVI arquitetou um plano de fuga para o exterior, a fim de se juntar à nobreza emigrada e organizar uma reação à Revolução.• O plano, no entanto, fracassou, o rei foi capturado, reconduzido a Paris, onde jurou a Constituição aprovada em 1791.
  31. 31. A REVOLUÇÃO FRANCESA A MONARQUIA CONSTITUCIONAL (1791-1792)
  32. 32. A REVOLUÇÃO FRANCESA• A Assembléia Constituinte converteu-se em Assembléia Legislativa.• Os partidos aí representados eram os seguintes:
  33. 33. A REVOLUÇÃO FRANCESA• feuillants: monarquistas constitucionais representando a burguesia financeira;
  34. 34. A REVOLUÇÃO FRANCESA• girondinos: republicanos moderados que representavam a grande burguesia comercial e industrial;
  35. 35. A REVOLUÇÃO FRANCESA• jacobinos: republicanos radicais (democratas) que expressavam os interesses das camadas médias da população francesa e da pequena burguesia; desejavam aprofundar as mudanças iniciadas com o movimento de 1789.
  36. 36. A REVOLUÇÃO FRANCESA• cordeliers: grupo heterogêneo, defensor do regime republicano, formado pela camada mais pobre da população urbana.
  37. 37. A REVOLUÇÃO FRANCESA• O rei conspirada junto a governos absolutistas europeus e à nobreza emigrada que se refugiara em nações vizinhas à França.
  38. 38. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Os monarcas europeus temiam a irradiação das idéias revolucionárias francesas para seus países e decidiram ajudar Luís XVI a reverter o quadro em que se encontrava a França.• A Áustria e a Prússia foram importantes aliados do rei francês no plano de intervenção estrangeira na França para restaurar o absolutismo no país.
  39. 39. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Descoberta, em 1792, a tentativa de invasão da França com a anuência do rei, a população se rebela mais uma vez em Paris, ocupa o Palácio Real.• A família real é feita prisioneira, julgada considerada culpada pelo crime de traição• Luis XVI e a Rainha Maria Antonieta são executados.
  40. 40. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Organizou-se um exército popular• comandado por Danton, Robespierre e Marat• enfrentou o exército absolutista.• vencendo-o na Batalha de Valmy.
  41. 41. DANTON
  42. 42. MARAT
  43. 43. CHALOTTE CORDAYAMANTE E ASSASSINADE JEAN PAUL MARAT
  44. 44. ROBESPIERRE•“Chegou a hora da igualdadepassar a foice por todas ascabeças. Portanto, legisladores,vamos colocar o terror naordem do dia.”
  45. 45. A REVOLUÇÃO FRANCESA• A República foi proclamada• Convocada uma nova Assembléia Constituinte eleita por sufrágio universal.• Terminava o período da Monarquia Constitucional• Iniciava-se o período da Convenção.
  46. 46. A REVOLUÇÃO FRANCESA A CONVENÇÃO (1792-1794)
  47. 47. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Fase mais popular democrática e sangrenta da Revolução Francesa.• a Convenção assistiu a profundas divergências entre girondinos (direita) e jacobinos (esquerda).• Os girondinos desejavam consolidar as conquistas burguesas, estancar a Revolução e evitar a radicalização,• Os jacobinos buscavam instituir a democracia na França.
  48. 48. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Em 1793, países europeus - Áustria, Prússia, Inglaterra, Espanha e Holanda - organizaram a Primeira Coalizão Européia contra a França e decidiram invadi-la.
  49. 49. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Os jacobinos assumiram o controle da situação política• duas instituições foram criadas visando o avanço nas conquistas revolucionárias• o Tribunal Revolucionário• o Comitê de Salvação Nacional.• Novo Calendário 1792 (Ano I)
  50. 50. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Inicia-se o chamado Regime do Terror.• Todos os que se mostrassem perigosos à causa revolucionária eram perseguidos. Os principais líderes desse período foram Robespierre, Danton, Marat, Saint-Just.
  51. 51. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Aprovada a Constituição do Ano I (1793)• A implantação da democracia e do sufrágio universal.
  52. 52. A REVOLUÇÃO FRANCESA• As dificuldades econômicas e militares• constante ameaça de invasões externas• violência com que eram tratados os opositores do regime• as cisões no interior do próprio partido• enfraqueceram os jacobinos,• a reação burguesa
  53. 53. A REVOLUÇÃO FRANCESA• A 27 de julho de 1794 (9 Termidor)• a burguesia desfechou um golpe contra os jacobinos que resultou no fechamento do partido, prisão e execução de seus principais líderes.
  54. 54. A REVOLUÇÃO FRANCESA• Uma nova constituição (Constituição do Ano III) foi aprovada, em 1795.• instituiu o Diretório (governo exercido por cinco diretores).• o voto censitário para a formação da Assembléia Legislativa e a divisão em três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).
  55. 55. A REVOLUÇÃO FRANCESA DIRETÓRIO (1795-1799)
  56. 56. A REVOLUÇÃO FRANCESA• O governo do Diretório não conseguiu, entretanto, pacificar e estabilizar a situação da França.• A ameaça estrangeira• A crise financeira• Corrupção• Descontentamento e revolta contra o governo.
  57. 57. A REVOLUÇÃO FRANCESA• A vitória do exército da Segunda Coalizão Européia sobre o exército francês, em 1798, levou o Diretório a ser substituído pelo Consulado, encabeçado por um jovem general francês de carreira brilhante: Napoleão Bonaparte.
  58. 58. A REVOLUÇÃO FRANCESA• O golpe ficou conhecido como o 18 de Brumário, que deu a Napoleão poderes especiais para garantir a pacificação da França. A burguesia apoiou o golpe.
  59. 59. A ERA NAPOLEÔNICA
  60. 60. A ERA NAPOLEÔNICA• O governo de Napoleão Bonaparte, na França, correspondeu à consolidação das conquistas burguesas, verificando-se, no período que vai de 1799 a 1815, uma relativa estabilidade política e prosperidade econômica.• Pacificando a França, Napoleão conquistou a admiração e o respeito dos franceses.
  61. 61. A ERA NAPOLEÔNICAO CONSULADO (1799-1804)
  62. 62. A ERA NAPOLEÔNICA• Golpe 18 do Brumário (1799)• 1800 – Constituição do ano VII• Pacificação e estabilização interna
  63. 63. A ERA NAPOLEÔNICA• Principais medidas – Banco da França – Sociedade Nacional de Fomento a Industrialização – Concordata Reatou relações com a Igreja (Pio VII)
  64. 64. A ERA NAPOLEÔNICA– Código Civil • Igualdade Civil • Propriedade Privada • Proibição de Greves– Reforma Agrária– Reforma no Ensino
  65. 65. A ERA NAPOLEÔNICA• O sucesso de sua política interna levou à alteração da Constituição, em 1804: segundo a Constituição do Ano XII, o Consulado seria substituído pelo Império. Realizado um plebiscito meses depois, Napoleão foi aclamado imperador da França, sendo coroado com o título de Napoleão I na Catedral de Notre Dame.
  66. 66. A ERA NAPOLEÔNICA O IMPÉRIO (1804-1814)
  67. 67. A ERA NAPOLEÔNICA• Napoleão é aclamado Imperador• Guerras• 1806 – Bloqueio Continental• Conflitos com a Rússia (Terra Arrasada)• Derrota (1814)• Exílio na ilha de Elba
  68. 68. A ERA NAPOLEÔNICA• Napoleão foi derrotado não tanto pelo inverno russo quanto por seu fracasso em manter o Grande Exército com suprimento adequado. A retirada de Moscou destruiu o Exército.” • (HOBSBAWM, E.J. A era das revoluções. p. 105)
  69. 69. A ERA NAPOLEÔNICA Governo dos Cem Dias
  70. 70. A ERA NAPOLEÔNICA• Napoleão procurou dar continuidade à sua política expansionista.• O desgaste, porém, impediu-o de obter sucesso: em meados de 1815, tentando ocupar a Bélgica, foi vencido pelas tropas da Sétima Coalizão, chefiadas pelo duque de Wellington, em Waterloo.
  71. 71. A ERA NAPOLEÔNICA• Vencido definitivamente, Napoleão foi exilado na ilha de Santa Helena, litoral africano, onde faleceu em 1821.• Seu governo de dezesseis anos, porém, deixou profundas marcas na França, consolidando, sobretudo, o individualismo burguês, típico do capitalismo em pleno desenvolvimento na Europa.
  72. 72. C O NG RES SO S A N TA A LIA N Ç A D E VIEN A P R IN C IP IO S L i g a M i l i ta r c u j o o b je tiv o e r a l u ta r c o n tr a o a v a n ç o d o li b e r a li s m o L E G IT I M I D A D E RE STAU RA ÇÃ O E Q U IL IB R I OR e s ta b e l e c i m e n to R e stau rar no s E s ta d o s r e s t a b e l e c i m e n to d a s d as e u r o p e u s a s d i n a s ti a s r e l a ç õ e s d e fo r ç a fr o n te i r a s q u e r e in a v a m n o p e r ío d o e n t r e a s p o tê n c i a s n a c io n a is p r é -r e v o l u c i o n á r i o e u r o p é ia s

×