Textos de divulgação científica exemplos

16,899 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
16,899
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
68
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Textos de divulgação científica exemplos

  1. 1. Por que a torrada cai de ponta-cabeça?Parece perseguição do azar: quando escapa da mão, um pedaço de pão ou torrada sempre aterrissa com a manteiga voltadapara baixo. Mas, segundo o físico Robert Matthews, da universidade de Aston, em Birmingham, na Inglaterra, o inevitávelacidente não é obra do destino, mas resultado da ação da força de gravidade. Depois de passar dias criando e resolvendocomplicadas equações, ele chegou à conclusão de que a manteiga sempre vai de encontro ao chão simplesmente porque atorrada não tem tempo, durante a queda, de se virar para cima. Quando escorrega de uma mesa de altura média (cerca de80 centímetros), ela começa a girar no ar. Daí para frente, o movimento segue o mesmo sentido, ao longo da queda. Paranão cair de cabeça para baixo, a torrada teria que dar uma volta bem grande em torno de si mesma, ou seja, percorrer cercade 270 graus, voltando a face amanteigada para cima. Mas, no final dos 80 centímetros da viagem, ela não tem tempo paraisso. Matthews fez os cálculos e concluiu: se não quiser manchar o tapete, melhor comer sua torrada no alto de uma escada.(Superinteressante, ano 9, nº 10)Um ouvido para cada somEstudo mostra que se ouve melhor música do lado esquerdo e frases do lado direitoA aptidão musical de algumas pessoas, enquanto outras não conseguem cantar no chuveiro sem causar a ira dos vizinhos,sempre intrigou os cientistas. A resposta desse mistério pode estar no lugar mais óbvio: o ouvido, de acordo com umapesquisa recente. Segundo o estudo da escola de medicina da Universidade da Califórnia, publicado na revista científicaamericana Science, o ouvido humano é especializado: o direito capta melhor as palavras e o esquerdo, os sons musicais.Durante seis anos, os pesquisadores fizeram testes com um aparelho que emite sons em mais de 3.000 recém-nascidos,antes que eles saíssem do hospital. Um dos sons era parecido com o ritmo de um discurso. O outro era de tons musicais. Osbebês reagiram melhor ao escutar os sons parecidos com música no ouvido esquerdo e ao ouvir sons semelhantes aconversas no direito. As diferenças entre os lados do corpo não são novidade, mas nunca se havia percebido que isso inclui aespecialização da percepção auditiva. No fim do século XIX, o médico francês Paul Broca elaborou a teoria de que ohemisfério direito do cérebro, associado à criatividade e à aptidão musical, controla o lado esquerdo do corpo. O hemisférioesquerdo, associado à capacidade analítica e à fala, controla o lado direito. Pesquisas científicas realizadas no séculoseguinte comprovaram que Broca estava certo. O que se vê agora, com o trabalho dos pesquisadores da Universidade daCalifórnia, é que esse tipo de organização das funções cerebrais tem conexões ainda mais amplas. "O estudo mostrou que oprocesso auditivo ocorre primeiro no ouvido e só depois vai para os hemisférios cerebrais", diz a pesquisadora Barbara Cone-Wesson, uma das responsáveis pelo trabalho. "Desde o nascimento, o ouvido está preparado para distinguir todos os tiposde som e enviá-los para o lado correto do cérebro." Uma pesquisa anterior tinha observado que crianças com problemas deaudição no ouvido direito têm maior dificuldade de aprendizado que aquelas com problemas no ouvido esquerdo – masfaltava uma explicação para essa diferença. Outro estudo, este da Universidade Estadual Sam Houston, no Texas, haviaconcluído que frases com grande carga emocional, como declarações de amor e críticas, são mais bem lembradas se ditasno ouvido esquerdo. "As descobertas podem ajudar a desenvolver aparelhos auditivos específicos para captar melhor aspalavras ou a música, de acordo com a necessidade do deficiente auditivo", diz a médica Yvonne Sininger, que coordenou otrabalho da Universidade da Califórnia.(Revista Veja On-line)Gelatina Doce curiosidade.A Gelatina é uma sobremesa rápida, fácil de fazer e está disponível nos mais variados sabores e cores. Mas para muitaspessoas ela é verdadeiramente um a incógnita. De que é feito, como vira pó? Vamos tentar esclarecer algumas dessasdúvidas. E veremos como é doce saciar a curiosidade! Tem gente que vai torcer nunca mais comer gelatina na vida. Mas épreciso dizer a verdade: a gelatina é produzida a partir da pele, dos ossos e dos tendões, as fibras que unem os músculosaos ossos, de animais como bois e porcos. A primeira vista pode não parecer muito apetitoso. Mas faz todo o sentido se agente souber que a gelatina nada mais é do que um tipo de proteína, chamado de colágeno, que existe em grandequantidade nessas partes do corpo dos animais, e do nosso próprio organismo também. Para se transformar em gelatina, apele, os ossos e os tendões de bois e porcos passam por um longo processo. Primeiro, eles são lavados. A seguir sãofervidos em água para a retirada da gordura. Depois, passam um bom tempo de molho em uma solução ácida ou alcalina (ocontrário de ácida). Essa etapa é muito importante, porque é quando o colágeno começa a ser quebrado em pedaçosmenores, o que permite que ele se torne solúvel, ou seja, que se dissolva em água. Mas o processo não acaba aí, apósretirar o colágeno de peles, ossos e tendões, transformar o colágeno e me líquido, será preciso submetê-lo a uma secagem,formando aí folhas de gelatina, que encontramos em casa de produtos naturais. Se forem trituradas essas folhas darãoorigem a um pó que, misturado a açúcares, corantes e aromatizantes, formarão a gelatina que conhecemos e compramos nomercado. Então, aprendeu como se faz? E agora, pronto (a) para degustar uma gelatinazinha geladinha?Revista Ciências Hoje das Crianças, Ano 20. nº 181, Julho de 2007. pp.3 a 5.

×