asmudançasclimáticastêmescalas?
Elisa Quartim - FAUEloísa Albuquerque - PROCAMGuilherme Abuchahla - PROCAMHeloísa Tozato - PROCAMLarissa Giroldo - PROCAML...
Sim.vejamos como:a escalacausasregistrosbiodiversidadeACV - análise do ciclo de vidamicroclima urbanoimpactos econômicosim...
a escalaA escala: dimensão do espaço e do tempoPode expressar diferentes modos de percepçãoe concepção do realEstratégia d...
Flutuações climáticas são fenômenos de meso-escala(entre 1000 e 1 mi de anos)escala grande: fenômeno ampliado, detalhado(e...
causas   medições e modelos
Emissões anuais globais do efeito estufa antropogênicosentre 1970 e 2004Participação dos diferentes gases do efeito estufa...
O forçamento radiativo é uma medida da influência deum fator na alteração do equilíbrio da energia que entra e saido siste...
Observam-se as substâncias     que possuam:capacidade de absorção de radiação infravermelhatempo de residência na atmosfer...
a(t): Forçamento radioativo (coeficiente específico de absorção de IV)c(t): Concentração residual do gás
registrosA história da humanidade é também a história dosgrandes desastres naturais.Civilizações: desastres naturais + mit...
O clima é a sucessão habitual dos tipos de  4tempos (meteorológicos) em determinadaépoca, com caracterização baseada em gr...
Desastres naturaisDinâmica interna da Terra:                              Terremotos                              Maremoto...
Desastre natural: situação ou evento queultrapassa a capacidade de resposta de um determinadolocal, necessitando de assist...
ClassificaçãoIntensidade - relação com PIB municipal:I prejuízos inferior 5% PIB municipal – recursos menoresII prejuízos ...
Evolução – tempo de ocorrência:Súbitos – enchentes e ressacasGraduais – enchente fluvial e secasOrigem:Naturais – independ...
EM DATA – Emergency Events Database (ONU)
Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança
Global – INPE (2007)
Brasil – INPE (2007)
O aquecimento do clima tem ocorrido sem dúvidaspela observação do aumento da média global de temperatura doar e dos oceano...
aumento globaldo nível do marna costa brasileira:40 cm/sécmédia: 24 cm/sécindícios deassociação com oaquecimento globalde ...
Metodologias de mensuração de riscos - mudanças climáticas         (Banco Mundial, Universidade Columbia             & Pro...
No Brasil a Escola Nacional de Saúde Pública, criourecentemente um estudo sobre indicadores desuscetibilidade às mudanças ...
Geotecnologiaprevenção de desastres naturais                                                    Geofísica                 ...
Definição de rotas de evacuação, abrigos e centros deoperação de emergências, gerenciamento de sistemas dealerta.         ...
Gt5   parte i
Gt5   parte i
Gt5   parte i
Gt5   parte i
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Gt5 parte i

663 views

Published on

Published in: Technology, Sports
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
663
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Gt5 parte i

  1. 1. asmudançasclimáticastêmescalas?
  2. 2. Elisa Quartim - FAUEloísa Albuquerque - PROCAMGuilherme Abuchahla - PROCAMHeloísa Tozato - PROCAMLarissa Giroldo - PROCAMLúcia Omar - PROCAMRafael Viñas - POLIRicardo dAvila - IEE
  3. 3. Sim.vejamos como:a escalacausasregistrosbiodiversidadeACV - análise do ciclo de vidamicroclima urbanoimpactos econômicosimpactos sociais
  4. 4. a escalaA escala: dimensão do espaço e do tempoPode expressar diferentes modos de percepçãoe concepção do realEstratégia de aproximação do realMedida que confere visibilidade ao fenômenoInseparabilidade entre tamanho e fenômenoComo se comporta o fenômeno estudado? Como o fenômeno seexpressa espacialmente?
  5. 5. Flutuações climáticas são fenômenos de meso-escala(entre 1000 e 1 mi de anos)escala grande: fenômeno ampliado, detalhado(ex: escala local)escala pequena: fenômeno reduzido, generalizado A escala deve dar sentido ao recorte espacial objetivado.
  6. 6. causas medições e modelos
  7. 7. Emissões anuais globais do efeito estufa antropogênicosentre 1970 e 2004Participação dos diferentes gases do efeito estufaantropogênicos nas emissões totais em 2004, em termos deCO2-eqParticipação dos diferentes setores no total das emissõesde gases de efeito estufa antropogênicos em 2004, emtermos de CO2-eq
  8. 8. O forçamento radiativo é uma medida da influência deum fator na alteração do equilíbrio da energia que entra e saido sistema Terra-atmosfera e é um índice da importância dofator como possível mecanismo de mudança do clima.O forçamento positivo tende a aquecer a superfície,enquanto o forçamento negativo tende a esfriá-la. (IPCC,2007)
  9. 9. Observam-se as substâncias que possuam:capacidade de absorção de radiação infravermelhatempo de residência na atmosferaliberação de CO2 na decomposiçãoCaracterísticas relevantes em uma substância causadora dasmudanças climáticas:absorção de radiação infravermelha e tempo de vidasuficiente para expressiva contribuição às mudançasclimáticas.
  10. 10. a(t): Forçamento radioativo (coeficiente específico de absorção de IV)c(t): Concentração residual do gás
  11. 11. registrosA história da humanidade é também a história dosgrandes desastres naturais.Civilizações: desastres naturais + mitosReligiões: atribuem à ira dos deuses - senso depassividade e inevitabilidadeHistórico de grandes desastresCientistas: regulação pelo ser humanoAtual - técnico-científico informacional
  12. 12. O clima é a sucessão habitual dos tipos de 4tempos (meteorológicos) em determinadaépoca, com caracterização baseada em grandenúmero de dados de uma estação meteriológica. OMM- Organização Mundial de Meteoriologia: 30 anos de dados para caracterizar um clima
  13. 13. Desastres naturaisDinâmica interna da Terra: Terremotos Maremotos Vulcões TsunamisDinâmica externa da Terra: Tempestades Tornados Inundações Ressacas
  14. 14. Desastre natural: situação ou evento queultrapassa a capacidade de resposta de um determinadolocal, necessitando de assistência externa para o retorno da“normalidade”, ou seja, é um evento imprevisto e/oufrequentemente súbito, que causa grandes danos eprejuízos às áreas afetadas. 10 ou mais vítimas fatais 100 ou mais pessoas afetadas declaração de estado de emergência pedido de assistência internacional
  15. 15. ClassificaçãoIntensidade - relação com PIB municipal:I prejuízos inferior 5% PIB municipal – recursos menoresII prejuízos entre 5% e 10% PIB - especiaisIII prejuízos entre 10% e 30% PIB - situação de emergênciaIV prejuízos acima de 30% PIB - calamidade pública / ajudainternacional
  16. 16. Evolução – tempo de ocorrência:Súbitos – enchentes e ressacasGraduais – enchente fluvial e secasOrigem:Naturais – independem de ações antrópicasMistos – ações antrópicas agravamDuração:Episódicas – inundaçõesCrônicas – erosão
  17. 17. EM DATA – Emergency Events Database (ONU)
  18. 18. Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança
  19. 19. Global – INPE (2007)
  20. 20. Brasil – INPE (2007)
  21. 21. O aquecimento do clima tem ocorrido sem dúvidaspela observação do aumento da média global de temperatura doar e dos oceanos, assim como pelo derretimento de neve e gelo eo aumento do nível do mar.Entre 1995 e 2006 ocorreram as maiores temperaturasobservadas desde 1850.
  22. 22. aumento globaldo nível do marna costa brasileira:40 cm/sécmédia: 24 cm/sécindícios deassociação com oaquecimento globalde origemantrópica(Mesquita et al., 2009)
  23. 23. Metodologias de mensuração de riscos - mudanças climáticas (Banco Mundial, Universidade Columbia & Pro Ventiar Consortiner, 2005).
  24. 24. No Brasil a Escola Nacional de Saúde Pública, criourecentemente um estudo sobre indicadores desuscetibilidade às mudanças climáticas na áreade saúde, baseado no IBGE, estabelecendo três índices: Vulnerabilidade sócio-econômica Vulnerabilidade epidemiológica Vulnerabilidade climatológica
  25. 25. Geotecnologiaprevenção de desastres naturais Geofísica relevo, vegetação, rios, precipitaçãoHumanaspopulação, ocupação do solo, pobreza, atividade econômica,educação SIG – sistema de informações geográficas sensoriamento remoto, GPS (sistema de posicionamento global)
  26. 26. Definição de rotas de evacuação, abrigos e centros deoperação de emergências, gerenciamento de sistemas dealerta. Previsão modelos metereológicos e hidrológicosImagens de satélite e monitoração.

×