Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Doença da Membrana Hialina

11,064 views

Published on

conhecida como SAR, SARA E OUTROS

Published in: Science

Doença da Membrana Hialina

  1. 1. DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA Síndrome de angustia respiratória (SAR)
  2. 2. INTRODUÇÃO  A síndrome de angústia respiratória (SAR), antigamente conhecida como doença da membrana hialina devido a formação de uma membrana nos alvéolos pulmonares, é uma síndrome de recém nascidos prematuros, que se caracteriza por insuficiência respiratória progressiva e podendo ser fatal, em consequência de atelectasia (bloqueio na passagem do ar pelos brônquios, ou seja ‘murchar’) e imaturidade dos pulmões. A SAR acontece normalmente em recém-nascidos prematuros e entre 28 e 37 semanas de gestação podendo chegar a incidência de 50 a 70% principalmente entre as 28 a 30 semanas aumentando de acordo com o grau de prematuridade. Para os que sobrevivem há risco de complicações respiratórias e neurológicas crônicas.
  3. 3. FATORES QUE LEVAM A SAR  Pulmão imaturo (diminuição de surfactante)  Acidose (complicação metabólica e respiratória)  Hipóxia (diminuição de O2)  Hipovolemia (diminuição de volume)  Diabetes  Parto cesariano eletivo  Estresse fetal
  4. 4. • EXEMPLO DE ATELECTASIA PULMONAR :  Expansibilidade diminuída.  Ausculta diminuída ou ausente nas áreas das lesões.
  5. 5. FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA A função pulmonar adequada ao nascimento depende de :  Quantidade adequada de surfactante (mistura lipoproteica) que diminui o esforço respiratório.  Uma área de superfície adequada nos espaços aéreos para possibilitar a troca gasosa. A SAR constitui, na diminuição do surfactante pulmonar, desenvolvimento incompleto dos pulmões e parede torácica altamente complacente (mais flexível que a capacidade normal dos pulmões).
  6. 6. COMO OCORRE:  1º O pulmão prematuro leva a diminuição do surfactante.  2º Com isso os alvéolos não funcionam direito e ocorre o seu colapso.  3º Isso leva a atelectasia ( o pulmão “murcha”)  4º Que leva a hipóxia (diminuição do O2) e a retenção de CO2.  5º Tem-se a acidose (diminuição do pH sanguíneo) que leva a vasoconstrição e diminuição do fluxo de sanguíneo pulmonar.  6º O que leva a lesão dos capilares e entram os fibrinogênios para auxiliar na lesão.  7º Daí ocorre a diminuição da complacência pulmonar.
  7. 7. EXEMPLO:
  8. 8. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Os sintomas são habitualmente observados logo após o nascimento através de alguns sintomas : Sinais e Sintomas Primários  Grunhidos ou sons expiratórios (quando o recém-nascido não está chorando).  Retrações esternais, supraesternais, subesternarnais, e intercostais ( tentativa excessiva de puxar o ar ocasionando maior evidencia na caixa torácica).  Batimento das asas do nariz à inspiração.  Taquipneia com menos de 60 respirações por minuto.  Hipotermia (diminuição da temperatura).  Cianose ( diminuição de O2 e mudança da coloração corporal normal para arroxeada).  Diminuição dos sons respiratórios e sons respiratórios secos “em lixa” .  Edema pulmonar.
  9. 9. A medida que progride  As retrações tornam-se acentuadas.  O edema periférico aumenta.  O tônus muscular diminui.  A cianose aumenta.  A temperatura corporal cai.  Ocorrem curtos períodos de apneia.  Pode ocorrer bradicardia ( diminuição do batimento cardíaco).  As alterações na distribuição do sangue pelo corpo resultam em coloração cinza-pálido da pele.  Diminuição dos sons respiratórios. Sinais e Sintomas Secundários  Hipotensão  Edema das mãos e dos pés.  Ausência dos sons intestinais no início da doença.  Diminuição do débito urinário.
  10. 10. EXEMPLO DE CIANOSE :
  11. 11. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA  Teste dos corpos lamelares ( mede uma forma de armazenamento do surfactante no líquido amniótico.  Exames laboratoriais – Exemplos:  Pa CO2 – elevada .  Pressão parcial de oxigênio arterial (Pa CO2) – baixas .  pH sanguíneo – baixo, devido à acidose metabólica.  Cálcio – baixos níveis.  Glicose sérica – baixa .  Radiografia de tórax.  Provas de função pulmonar.
  12. 12. TRATAMENTO  O diagnostico é fundamental para começar o tratamento.  No recém-nascido a doença começa ase manifestar de 6 a 24h após o nascimento. Tratamento de Suporte  Manutenção da oxigenação, se necessário com suporte ventilatório.  Manutenção da temperatura corporal normal.  Manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico e acidobásico (líquidos e íons).  Manutenção da nutrição.  Antibióticos quando necessário.  Evitar hipotensão ( diminuição da pressão arterial).
  13. 13. TRATAMENTO AGRESSIVO  Administração de surfactante exógeno nos pulmões em uma fase precoce da doença.  Ventilação de alta frequência (bombas de oxigênio).  Intubação. Complicações  Nos casos não-complicados a recuperação ocorre dentro de 3 a 4 dias.  As complicações do tratamento geralmente são decorrentes das altas concentrações de oxigênio administradas durante períodos pronlongados.  Vazamento de ar : pneumotórax, pneumomediastino, pneumopericárdio.  Hipotensão  Insuficiência cardíaca.  Hemorragia intravascular.
  14. 14. CONCLUSÃO A síndrome de angústia respiratória acomete um elevado número de recém-nascidos e sua mortalidade é alta, o que exige dos profissionais da saúde agilidade, responsabilidade e competência no caso. Nós como técnicos em analises clinicas assumimos fundamental papel no processo, pois cabe a nós a analise, coleta de material para o rápido tratamento do caso clínico , portanto conhecer a análise permite criticidade e rápida ação.
  15. 15. REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA  BRUNNER. Nettina. Sandra M. Prática de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. p.1462 – 1465.

×