Successfully reported this slideshow.

Doença da Membrana Hialina

9,780 views

Published on

conhecida como SAR, SARA E OUTROS

Published in: Science

Doença da Membrana Hialina

  1. 1. DOENÇA DA MEMBRANA HIALINA Síndrome de angustia respiratória (SAR)
  2. 2. INTRODUÇÃO  A síndrome de angústia respiratória (SAR), antigamente conhecida como doença da membrana hialina devido a formação de uma membrana nos alvéolos pulmonares, é uma síndrome de recém nascidos prematuros, que se caracteriza por insuficiência respiratória progressiva e podendo ser fatal, em consequência de atelectasia (bloqueio na passagem do ar pelos brônquios, ou seja ‘murchar’) e imaturidade dos pulmões. A SAR acontece normalmente em recém-nascidos prematuros e entre 28 e 37 semanas de gestação podendo chegar a incidência de 50 a 70% principalmente entre as 28 a 30 semanas aumentando de acordo com o grau de prematuridade. Para os que sobrevivem há risco de complicações respiratórias e neurológicas crônicas.
  3. 3. FATORES QUE LEVAM A SAR  Pulmão imaturo (diminuição de surfactante)  Acidose (complicação metabólica e respiratória)  Hipóxia (diminuição de O2)  Hipovolemia (diminuição de volume)  Diabetes  Parto cesariano eletivo  Estresse fetal
  4. 4. • EXEMPLO DE ATELECTASIA PULMONAR :  Expansibilidade diminuída.  Ausculta diminuída ou ausente nas áreas das lesões.
  5. 5. FISIOPATOLOGIA E ETIOLOGIA A função pulmonar adequada ao nascimento depende de :  Quantidade adequada de surfactante (mistura lipoproteica) que diminui o esforço respiratório.  Uma área de superfície adequada nos espaços aéreos para possibilitar a troca gasosa. A SAR constitui, na diminuição do surfactante pulmonar, desenvolvimento incompleto dos pulmões e parede torácica altamente complacente (mais flexível que a capacidade normal dos pulmões).
  6. 6. COMO OCORRE:  1º O pulmão prematuro leva a diminuição do surfactante.  2º Com isso os alvéolos não funcionam direito e ocorre o seu colapso.  3º Isso leva a atelectasia ( o pulmão “murcha”)  4º Que leva a hipóxia (diminuição do O2) e a retenção de CO2.  5º Tem-se a acidose (diminuição do pH sanguíneo) que leva a vasoconstrição e diminuição do fluxo de sanguíneo pulmonar.  6º O que leva a lesão dos capilares e entram os fibrinogênios para auxiliar na lesão.  7º Daí ocorre a diminuição da complacência pulmonar.
  7. 7. EXEMPLO:
  8. 8. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Os sintomas são habitualmente observados logo após o nascimento através de alguns sintomas : Sinais e Sintomas Primários  Grunhidos ou sons expiratórios (quando o recém-nascido não está chorando).  Retrações esternais, supraesternais, subesternarnais, e intercostais ( tentativa excessiva de puxar o ar ocasionando maior evidencia na caixa torácica).  Batimento das asas do nariz à inspiração.  Taquipneia com menos de 60 respirações por minuto.  Hipotermia (diminuição da temperatura).  Cianose ( diminuição de O2 e mudança da coloração corporal normal para arroxeada).  Diminuição dos sons respiratórios e sons respiratórios secos “em lixa” .  Edema pulmonar.
  9. 9. A medida que progride  As retrações tornam-se acentuadas.  O edema periférico aumenta.  O tônus muscular diminui.  A cianose aumenta.  A temperatura corporal cai.  Ocorrem curtos períodos de apneia.  Pode ocorrer bradicardia ( diminuição do batimento cardíaco).  As alterações na distribuição do sangue pelo corpo resultam em coloração cinza-pálido da pele.  Diminuição dos sons respiratórios. Sinais e Sintomas Secundários  Hipotensão  Edema das mãos e dos pés.  Ausência dos sons intestinais no início da doença.  Diminuição do débito urinário.
  10. 10. EXEMPLO DE CIANOSE :
  11. 11. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA  Teste dos corpos lamelares ( mede uma forma de armazenamento do surfactante no líquido amniótico.  Exames laboratoriais – Exemplos:  Pa CO2 – elevada .  Pressão parcial de oxigênio arterial (Pa CO2) – baixas .  pH sanguíneo – baixo, devido à acidose metabólica.  Cálcio – baixos níveis.  Glicose sérica – baixa .  Radiografia de tórax.  Provas de função pulmonar.
  12. 12. TRATAMENTO  O diagnostico é fundamental para começar o tratamento.  No recém-nascido a doença começa ase manifestar de 6 a 24h após o nascimento. Tratamento de Suporte  Manutenção da oxigenação, se necessário com suporte ventilatório.  Manutenção da temperatura corporal normal.  Manutenção do equilíbrio hidroeletrolítico e acidobásico (líquidos e íons).  Manutenção da nutrição.  Antibióticos quando necessário.  Evitar hipotensão ( diminuição da pressão arterial).
  13. 13. TRATAMENTO AGRESSIVO  Administração de surfactante exógeno nos pulmões em uma fase precoce da doença.  Ventilação de alta frequência (bombas de oxigênio).  Intubação. Complicações  Nos casos não-complicados a recuperação ocorre dentro de 3 a 4 dias.  As complicações do tratamento geralmente são decorrentes das altas concentrações de oxigênio administradas durante períodos pronlongados.  Vazamento de ar : pneumotórax, pneumomediastino, pneumopericárdio.  Hipotensão  Insuficiência cardíaca.  Hemorragia intravascular.
  14. 14. CONCLUSÃO A síndrome de angústia respiratória acomete um elevado número de recém-nascidos e sua mortalidade é alta, o que exige dos profissionais da saúde agilidade, responsabilidade e competência no caso. Nós como técnicos em analises clinicas assumimos fundamental papel no processo, pois cabe a nós a analise, coleta de material para o rápido tratamento do caso clínico , portanto conhecer a análise permite criticidade e rápida ação.
  15. 15. REFERENCIA BIBLIOGRÁFICA  BRUNNER. Nettina. Sandra M. Prática de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012. p.1462 – 1465.

×