Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Resumo de projectos de gestão de espécies invasoras

171 views

Published on

Apresentação resumo de projectos de gestão de espécies invasoras registados na base de dados até 11 Julho 2017, no âmbito do Workshop “Gestão de espécies invasoras em Portugal: onde estamos e para onde queremos ir?” organizado pelas Associações NATIVA – Natureza, Invasoras e Valorização Ambiental e MONTIS – Associação de Conservação da Natureza, com colaboração da Escola Superior Agrária de Coimbra e do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra.

Mais informação em: http://invasoras.pt/workshop_montis_nativa/

Siga invasoras.pt e https://www.facebook.com/InvasorasPt/

Published in: Environment
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Resumo de projectos de gestão de espécies invasoras

  1. 1. Resumo projectos registados • Até 11 de Julho 2017 • 19 respostas • 5 com animais invasores • 14 com plantas invasoras
  2. 2. Resumo projectos
  3. 3. Resumo projectos
  4. 4. Resumo projectos
  5. 5. Resumo projectos
  6. 6. Resumo projectos
  7. 7. Resumo projectos
  8. 8. Resumo projectos
  9. 9. Resumo projectos
  10. 10. Resumo projectos
  11. 11. Resumo projectos • O que correu bem? – Metodologias seleccionadas foram eficazes – identificação e adaptação das melhores metodologias – Actuar em fases iniciais de invasão – Actuar de forma continuada – Criação de “documentos orientadores” – Formação de técnicos, operacionais, voluntários, etc – Envolvimento dos diferentes actores (proprietários, comunidade escolar, comunidade local, etc.) – Desenvolvimento de soluções técnicas inovadoras – Equipas multidisciplinares
  12. 12. Resumo projectos • O que correu menos bem/dificuldades? – Metodologias seleccionadas não foram eficazes – Re-invasão a partir de terrenos limítrofes – Re-invasão por falta de continuidade – Resultados demorados – Recursos muito avultados (humanos e financeiros) – Flutuação de voluntários – Dificuldade na operacionalização de técnicas de controlo – Descoordenação e falta de estratégia das equipas – Descontinuidade dos programa de financiamento/Prazo de financiamento curtos para a continuidade necessária

×