Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos

138 views

Published on

IV Conference of Regional and Urban Planning International Conference of the Project Community Participation in Planning
Participation in planning and public policy
23th/24th of February, 2017
http://www.ua.pt/conferenciapru

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos

  1. 1. Eduardo Castro | ecastro@ua.pt Metodologias de participação em planos estratégicos
  2. 2. VANTAGENS • Esta conferência ter abordado profusamente o tema PROBLEMAS / DESAFIOS • Como fazer um exercício de igual oportunidade para os participantes? • Como impedir a captura do processo? • Como fazer sínterses objetvas das diversas opiniões? • Como passar da comunicação discursiva às opções? • Como fazer escolhas com domínios de decisão muldimensional? • Como evitar o paradoxo de Condorcet e a indeterminação de Arrow?
  3. 3. 1. Análise Multicritério 2. Decisão por votação 3. Escolhas condicionais a cenários
  4. 4. 1. Análise Multicritério • Escolha definida por uma função multicritério em exercício participativo Vi= f(IijPj) • Valorização direta de Vi (sem uso de funções multicritério)  Menos transparente  Mais vulnerável a preconceitos e a interesses • Iij pode ser definida  A priori por especialistas  Durante o exercício (ou num momento prévio) por participantes  A posteriori por interessados • Pij é definido no exercício participativo  Expressa a escala de valores dos participantes Peso (valorização) da dimensão j Impacto da opção i na dimensão j Valor da opção i
  5. 5. 2. Decisão por votação • Como fugir à indeterminação de Arrow?  Preferências escalares: a cada opção é dado um valor numérico e não apenas uma valoração ordinal  É difícil definir uma valoração escalar  É mais fácil fazer comparações para-a-par  É possível tranformar uma matriz de comparações par-a-par num vetor de valorações  Definindo um vetor de valorações para cada participante é fácil calcular o vetor médio = 𝑃1 𝑃2 𝑃3
  6. 6. 3. Cenários • Porque as escolhas devem depender da evolução exógena do contexto • Porque essa variação é difícil / impossível de prever • Podem definir-se cenários de evolução exógena • Podem pedir aos participantes que definam as suas preferências em função dos cenários • É difícil fazer essa definição. As pessoas têm dificuldade em escolher em função de cenários
  7. 7. Plano de Ação da ADXTUR • Definição de um regulamento de avaliação de projetos • Pesos definidos e justificados em cada projeto pelos proponentes Planos estratégicos Municipais (Vagos, Ílhavo, Sertã) • Ordenação de um conjunto de projetos estratégicos • Impactos definidos pela equipa técnica do projeto em ligação com o Executivo Municipal • Pesos definidos pelos participantes
  8. 8. Eduardo Castro | ecastro@ua.pt Obrigado pela atenção!

×