Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Tumores genitais (Pénis e testículo)

5,055 views

Published on

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Tumores genitais (Pénis e testículo)

  1. 1. Pio Vitorino Dalito Chume Onésia Chitsembe Deolinda Nhaducue Maputo, 02 de Abril de 2014
  2. 2.  Epidemiologia  Factores etiológico associados  Classificação  Quadro Clínico  Diagnóstico  Estadiamento  Tratamento  Diagnóstico Diferencial  Prognóstico  Bibliografia
  3. 3. • São os tumores mais raros nos países desenvolvidos; • Representa 0,4% dos tumores malignos no sexo masculino nos EUA e 2,1% no Brasil; • Representa 10-20% dos tumores que acometem os homens nos países subdesenvolvidos; • O carcinoma epidermóide representa 95% das neoplasias do pénis; •São raros os tumores que metastizam para o pénis (bexiga, próstata e retossigmóide); • Ocorre com mais frequência aos 60 anos; • É raro na infância e juventude. Epidemiologia
  4. 4.  Má higiene genital;  A não Circuncisão;  Fimose;  Lesões Dermatológicas pré- cancerosas: • Leucoplasia • Balanite • Condiloma acuminado (HPV 16 e 18) Factores Etiológicos Associados Balanite Condiloma acuminado
  5. 5.  Lesão caracterizada por placa vermelha, aveludada e com ulcerações;  Geralmente envolve a glande;  Até 1/3 dos pacientes podem apresentar em simultaneo carcinoma invasivo do pénis. (Mikhail,1986);  Não é observada associação com neoplasia maligna visceral. Eritroplasia de Queyrat Doença de Bowen É um carcinoma de células escamosas in situ;  A lesão: placa vermelha escamosa ou crostosa;  É mais comum no corpo do pénis;  10% dos casos torna-se carcinoma infiltrativo; 25% dos casos está associado a uma neoplasia maligna visceral;
  6. 6.  Carcinoma de células escamosas (95-98%)  Melanoma  Carcinoma de células basais  Doença de Paget  Sarcoma de Kaposi Melanoma S.kaposi
  7. 7.  Constitui cerca de 95% dos cânceres do pénis;  Tem como variante o ca verrucoso (carcinoma não infiltrativo); História Natural  inicia como uma lesão exofítica ulcerativa ou papilar e cresce gradualmente envolvendo toda glande ou corpo, podendo chegar ao escroto.  Em casos avançados pode haver invasão sa uretra e autoamputação peniana por necrose tecidual.  Disseminação:  Linfática (+++): linfonodos inguinais, pélvicos e periaórticos  Hematogénica(«10%): pulmões, fígado, cérebro ou ossos . Carcinoma de Células Escamosas
  8. 8. Sintomas:  Lesão peniana ulcerativa ou nodular de crescimento exofítico e lento;  Dor no local da lesão;  Sintomas miccionais irritativos;  Sangramento. Sinais:  Lesão restrita ao pénis;  Linfonodos inguinais aumentados Diagnóstico
  9. 9. Biópsia da Lesão Exames Laboratoriais:  Anemia e leucocitose (dça crónica/infecção local) Exames Imagiológicos (estudo de metástases)  Raio-x do tórax  Tc do abdómen e pelve  Cintiligrafia óssea
  10. 10. Jackson (1996) Estágio I Tumor restrito à glande ou ao prepúcio Estágio II Tumor envolvendo o corpo do pénis Estágio III Metástase operável para linfonodos inguinais Estágio IV Tumor estendendo-se além do corpo do pénis Metástases inguinais ou à distância inoperáveis.
  11. 11. Carcinoma in situ  Conservador: aplicação local de creme de fluoruracil, ou tto a laser. Carcinoma invasivo  Prepúcio: circuncisão simples;  Glande ou porção distal do corpo: penectomia parcial com margem de 2cm;  Porção proximal do corpo ou em casos nos quais a penectomia parcial resulta em coto peniano ou comprimento insuficiente para a função sexual/direccionamento do jacto urináio : Penectomia Total com uretrostomia perineal. Tto da Lesão Primária
  12. 12.  Antibióticos de largo espectro via oral por 4-6 semanas; Se Persistir:  Considerar como doença metastática  Dissecções bilaterais sequenciadas dos linfonodos ileoinguinais Quimioterapia  Doença inoperável  Metástases inguinais volumosas  Metástases à distância (cisplatina e 5-fluoruracil) Radioterapia ( tto paleativo)  Retardo da ulceração, das complicações infecciosas e alívio da dor. Linfonodos regionais
  13. 13. Cancro siflítico  Lesão ulcerosa pequena, geralmente única, arredondada, com bordos regulares, base dura, fundo limpo e indolor. Cancróide  Múltiplas lesões ulcerativas, arredondadas, com bordos irregulares, base mole, fundo sujo e dolorosa.  Adenopatia unilateral, visível e com sinais inflamatórios e até fistulização ou ulceração. Herpes Simples  Lesões vesiculares, dolorosas, agrupadas sob base eritematosa.;  Adenopatia inguinal;  Sinais sistémicos: febre, cefaleia, mal-estrar, mialgias  Episódios recorrentes.
  14. 14. Clamídia Trachomatis  Micro lesão ulcerativa, indolor  Adenopatias dolorosas geralmente unilateral. Donovanose  Inicia por um nódulo que amolece e ulcera rapidamente, pouco dolorosa; Condilomas Acuminados  Múltiplas vesículas pequenas, agrupadas (lesão em cacho de uva),de consistência mole;  Localizadas em qualquer parte do corpo ou glande.
  15. 15.  80% dos pacientes no estadio N1 tem sobrevida de 5anos;  50% dos pacientes no estagio N2 tem sobrevida de 5anos;  65-90% dos pacientes sem doença sem envolvimento dos linfonodos têm sobrevida de 5 anos;  Só 30-50% dos pacientes com metástases para os linfonodos sobrevive por 5 anos. Se houver metástases para linfonodos ilíacos esta taxa cai para 20%;  A maioria dos pacientes nos quais se preservou +de 4cm de haste peniana mantem a capacidade de penetração.
  16. 16.  São raros, representam entre 1-1,5% dos tumores do homem;  Incidência: 5.3, 3.7, 2.2 e 0.8 /100.000 homens na Suécia, EUA , Brasil e Japão respectivamente;  A prevalência Global é de 1-2%;  É mais frequente na raça branca;  Ocorre em jovens dos 15-40 anos;  90-95% dos casos cura com sucesso;  É mais frequente do lado direito e 1-2% são bilaterais;  Tumor de células germinativas corresponde a 95% das neoplasias. Epidemiologia
  17. 17.  Criptorquídea  Antecedente de tumor contralateral  História familiar (pai-filho:4x; irmãos:8x)  Infertilidade  Traumatismo testicular  Atrofia testicular secundária à infecção  Vasectomia  Tabagismo
  18. 18. Tumores de células germinativas (95%)  Seminomas  Não seminomatosos  Tumores embrionários,  Teratomas,  Coriocarcinomas  Tumores de células mixtas Tumores de células sem função germinativa  Céluas de Laydig,  Células de Sertoli, e  Gonadoblastoma Tumores secundários  Linfoma  Leucemia  Tumores metastáticos
  19. 19. Seminomas (3 subtipos): Classico (80%):  Surge aos 40 anos  Macroscopicamente: nódulos confluentes  Microscopicamente apresenta céluas grandes, de citoplasma claro e núcleo denso  10 – 15% dos casos produz hCG. Anaplásico(5-10%): • Apresenta-se numa fase mais avançada que o clássico • Microscopicamente observam-se 3 ou mais mitoses poe campo Espermatocítico(5-10%):  Mais de 50% tem + de 50 anos  Microscopicamente apresenta células de varios tamanhos, de núcleo redondo com cromatina densa.
  20. 20. 1. Carcinoma de células Embrionárias (2 subtipos) Tipo adulto:  Células gigantes com bordos indiferenciados e figuras mitoticas  Macroscop. Hemorragia e necrose Tipo Infantil/ saco vitelino/endométrico:  Tumor testicular mais comum de latentes e crianças  Microscop. Corpúsculos embrióides semelhantes a um embrião de 1-2 semanas de vida. 2. Teratomas  Microscop. capas de cel germinais em vários estágios de maturacao e diferenciação.  Macrosc: Lobulado com quistos de vários tamanhos cheios de material gelatinoso ou mucinoso. Tumores não Seminomatosos
  21. 21. 3. Coriocarcinoma  Microsc. Se visualizam sincitiotrofoblastos e citotrofoblastos.  Macrosc. Lesões pequenas dentro do testículo com hemorragia central . 4. Tipo de Células Mixtas  Mais de 25% é combinação de teratoma e carcinoma de células embrionárias
  22. 22. 1. Hematogénica: coriocarcinoma 2. Linfática: Testículo direito: região interaortocava, ao nível do hilo renal dto Testículo esquerdo: região paraaórtica ao nível do hilo renal esqdo  Epidídimo, cordão espermático, escroto, túnica alugínea;  Ganglios ingunais;  Retroperitóneo;  Fígado++++  Cérebro++  Ossos+  Rins+  Suprarenais  Trato gastrintestinal  Baço.
  23. 23. Sintomas  Aumento gradual, indolor do volume do testículo  Sensação de peso  10% tem dor aguda (por hemorragia ou infato testicular)  10% tem sintomas relacionados com metástases:  Dispneia (pulmão)  Lombalgia (gangl retroperitoneais q afectam raízes nervosas)  Anorexia, náuseas e vómitos (retroduodenais)  Dor óssea  Edema dos memb. Inferiores (obstrução da veia cava inferior)  10% são assintomáticos
  24. 24. Sinais  Massa testicular dura, sem hiperestesia, ou  Crescimento testicular difuso;  Abaulamento retroperitoneal;  Ginecomastia (5%)  Hemoptise  Adenopatia inguinal e supraclavicular
  25. 25. EXAMES LABORATORIAIS EXAMES IMAGIOLÓGICOS Hemograma: anemia Função hepática: aumento das transaminases Função Renal: aumento da creatinina Marcadores tumorais: aumento de  Alfa feto proteina  ßhCG  LDH Ecografia do testiculo Raio x do tórax TAC abdominal e pélvico
  26. 26. SEMINOMATOSOS NÃO SEMINOMATOSOS Etapas iniciais  Orquiectomia radical+  Radioterapia  Se houver recaída: Quimioterapia Etapas Avançadas  Quimioterapia  Se houver seminomas residuais: Excisão cirúrgica Etapas iniciais  Orquiectomia radical  Recaída: quimioterapia Etapas avançadas  Quimioterapia+  Orquiectomia radical
  27. 27.  Epididimite  Hidrocelo  Espermatocele  Hematocele Traumático  Orquite Granulomatosa  Varicocele  Quisto Epidermóide
  28. 28.  TANCHO, Emil; McANINCH, Jack. “ Urologia General de Smith”. Tradução da 14ª edição em inglês.  DE PAULA, Adriano; NETTO, Joaquim. [et al]“ Carcinoma Epidermóide do Pénis”. Disponível em www.inca.gov.br  R. Damião; Jr. Mattos [et al]. “ Carcinoma do pénis –parte 1”. Disponível em www.projectodiretrizes.org.br  ALBERS, P; ALGABA,F; [et al]. “Orientações Sobre Tumores do Testículo”. Disponível em www.apurologia.pt  Google imagens

×