Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revista Perfil Náutico Edição 41

2,708 views

Published on

2013

  • Want to preview some of our plans? You can get 50 Woodworking Plans and a 440-Page "The Art of Woodworking" Book... Absolutely FREE ♣♣♣ http://ishbv.com/tedsplans/pdf
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Want to preview some of our plans? You can get 50 Woodworking Plans and a 440-Page "The Art of Woodworking" Book... Absolutely FREE ➤➤ http://tinyurl.com/yy9yh8fu
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • There are over 16,000 woodworking plans that comes with step-by-step instructions and detailed photos, Click here to take a look ➤➤ http://ishbv.com/tedsplans/pdf
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Get access to 16,000 woodworking plans, Download 50 FREE Plans... ♥♥♥ http://tinyurl.com/y3hc8gpw
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

Revista Perfil Náutico Edição 41

  1. 1. Portofino fly|38 Prêmio Design - Milão / Itália Esportividade e excelência em navegação A exclusividade de saber ousar Yachts São Paulo Representantes autorizados Sua lancha 11.5181 1500 / 11.7853 7552 Fly|47 - Fly|41 - Fly|38 - HT|41- HT|38 - Sport|35 Litoral SP Mar & Vela 12.3896 6537 12.8145 6537 / id 7*88558 www.portofinoyachts.com.br info@portofinoyachts.com.br
  2. 2. Editorial BOM TEMPO, PODE CHEGAR! É searaybrasil.com.br CONSELHO DIRETOR Aldo Alfredo Malucelli aldo@grupocanal.com.br Carlos Alberto Gomes carlos@grupocanal.com.br José “Juca“ Kolling jose.juca@grupocanal.com.br Luiz Alfredo Malucelli luiz@grupocanal.com.br DEPTO. DE JORNALISMO EDITOR E JORNALISTA RESPONSÁVEL Marcelo Fabiani (Buda) marcelo.buda@grupocanal.com.br hora de guardar as blusas e casacos pesados, as meias de lã, os cobertores e desligar o aquecedor. No Brasil, um país imenso, nem todos sofrem com as baixas temperaturas do inverno, mas aqui no sul, onde fica a redação da Perfil Náutico, nós sofremos, quase congelamos. Em Curitiba chegou a nevar, embora poucos tenham visto. A última vez que nevou por aqui foi em 1975. O inverno foi mesmo muito gelado, até para nós, curitibanos. Chegando setembro, com a primavera logo ali, em lindos dias de céu azul, fechamos mais um número da Perfil Náutico. O tema da capa da edição 41 é bem propício para essa época do ano, a temporada das cores, para sair da toca. Os barcos personalizados são uma tendência que se fortalece a cada dia no segmento náutico. Cada vez mais pessoas desejam ter um barco único, com ambientes que se aproximam do aconchego de um lar e, ainda mais, personalizado para ser uma extensão da casa do proprietário. Você vai conhecer exemplos práticos, alguns inimagináveis, mas todos poderão colaborar com a sua criatividade. Temos também uma estreia na seção Canal, dedicada ao mundo da pesca esportiva. A cada edição você terá dicas interessantes para os amantes dessa prática tão prazerosa. Nessa, saiba como decifrar as previsões do tempo. Do Mundo Náutico trazemos quatro matérias: a preparação de uma equipe para a Refeno, a nova fase da antiga “Marejada” de Itajaí (SC), a festa de 30 anos da Ventura e o Desafio Cabo Horn do veleiro Mistralis. Ainda nesta edição, o residencial marine Acqua Ibiúna no interior de São Paulo, a cobertura dos 40 anos da Rolex Ilhabela Sailing Week, e Mergulho no Egito, em Dahab, uma pequena cidade na Península do Sinai. E, na seção Perfil, a versão brasileira da Zaffiro 36, o design tecnológico da Zonda 42, a classe da Prestige 450, a imponência da Ferretti 960, e as novidades diretas da fábrica de Joinville (SC) do estaleiro americano Brunswick. DRT-PR / 6633 REDAÇÃO Leo Suzuki leonardo.suzuki@grupocanal.com.br EDIÇÃO DE ARTE E PROJETO GRÁFICO REVISÃO DRT-PR / 8276 Lumen Design (Jaqueline de Bem Hirano) João Batista Ribeiro COLABORAM NESSA EDIÇÃO Adriana Brandão, Alisson Diniz, Amanda Kasecker, Capitão Pedro Costa, Carolina Schrappe, Felipe Caire, Jorge Nasseh, Luiz Alfredo Malucelli, Rafaella Malucelli, Yukio Ishii. IMPRESSÃO E ACABAMENTO Gráfica Monalisa DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA FC Comercial Distribuidora Ltda. CENTRAL DE PUBLICIDADE COMERCIAL comercial@grupocanal.com.br (41) 3331 8300 JOSÉ “JUCA” KOLLING jose.juca@grupocanal.com.br Rua Jorge Cury Brahim, 712, Pilarzinho, 82.110-040, Curitiba - PR. Fone (41) 3331 8300 Fax (41) 3331 8305 Revista Perfil Náutico Rádio Mix Curitiba - 91,3 MHz 91 Rock Web www.91rock.com.br Artigos assinados não representam necessariamente a opinião da revista. As imagens sem créditos foram fornecidas para divulgação. Revista Perfil Náutico, ano 8, no 41, é uma publicação da Editoral CANAL/mid, divisão de mídia do Grupo CANAL/com. Todos os direitos reservados. FALE COM A GENTE redacao@perfilnautico.com.br Bom leitura, bons ventos e boa primavera! Marcelo Buda CANAL TÉCNICO Envie sua pergunta para canaltecnico@perfilnautico.com.br ASSINATURA assinatura@perfilnautico.com.br PERFIL NÁUTICO NA INTERNET www.perfilnautico.com.br 8  PERFILNÁUTICO 370 SUNDANCER® Com a nova fábrica você tem rapidez e segurança na entrega, sem perder o alto A AGOR nível de engenharia náutica e FABRICADA NO BRASIL. Sea Ray uma das marcas mais o atendimento que fazem da admiradas no mundo.
  3. 3. Índice CANAL 12 56 70 126 DO LEITOR NÁUTICO CONSTRUTOR PESCA ESPORTIVA MUNDO NÁUTICO 22 Refeno Nova equipe para um veleiro experiente 26 Aventura pelos Mares do Mundo CAPA 40 Barcos personalizados Conceitos, designs e acessórios para quem deseja uma embarcação única Conhecido antes como “Marejada”, evento ganha em atrações náuticas 32 Ventura 30 anos Em Capitólio (MG), no mês de julho, estaleiro comemorou nova idade 36 Mistralis Desafio Cabo Horn, o ponto mais austral de nosso continente NESTA EDIÇÃO 14 NEWS Novidades do segmento náutico PERFIL 73 Zaffiro 36 81 Zonda 42 89 Prestige 450 97 Ferretti 960 105 Brunswick 116 ESTILO A embarcação do estaleiro italiano Cranchi mais vendida no mundo, agora também no Brasil Um barco design com tecnologia avançada e toda a navegabilidade do melhores veleiros Personalidade e bom gosto 118 Residencial marine Acqua de Ibiúna, um empreendimento arrojado será lançado em setembro 130 Rolex Ilhabela Sailing Week Comemorando 40 anos, Semana de Vela reuniu 140 barcos em julho A mais nova criação do estaleiro francês Jeanneau foi apresentada para os fãs brasileiros 136 ESPORTE Vela, wakeboard, wakeskate e moto aquática 142 MERGULHO Em Dahab, uma pequena cidade egípcia situada na Península do Sinai, entre a África e a Ásia 148 Planeta Água 23 anos de proteção ao golfinhorotador em Fernando de Noronha 150 Gourmet Barrigada de porco com banana e batata-baroa 10  PERFILNÁUTICO O maior modelo do estaleiro, produzido em Cattolica, na Itália, foi lançado mundialmente em junho O estaleiro americano, instalado em Joinville desde novembro de 2012, fabrica modelos da marca Bayliner e Sea Ray
  4. 4. Canal do Leitor CAPA A primeira edição do Nordeste Motorshow foi um sucesso e com certeza as próximas superarão todas as expectativas. Visitei a feira e fiquei impressionado com os barcos lá expostos. Marcos Favaro Ao ler a matéria de capa eu senti falta do meu avô, que, nas horas vagas, amava navegar mar adentro. A emoção que via nos olhos dele ao contar sobre suas aventuras impressionava até quem não era amante da água. Como citado na matéria, o prazer de todo velejador é realmente encarar as situações adversas e sair delas com o prestígio da tarefa cumprida. Os veleiros apresentados são sensacionais. Um mais incrível que o outro. Gustavo Cintra Maravilhosa a retrospectiva dos 40 anos de Rolex Ilhabela Sailing Week. Sou apaixonado pelo mar e já tive a oportunidade, no ano passado, de assistir de perto à Sempre semana de vela em Ilhabela. Eu um guia não sabia que a competição era tão excepcional antiga. Thais Branco com barcos de todos os tipos e gostos. Eu abro a revista e vou direto à seção para A seção Canal Náutico sempre conferir as novidades. traz produtos e informações Raimundo A. Liberato interessantíssimos. É um grande auxílio na hora de trocar algum Parabéns à item para o barco. Na edição 40, Benetti pelos achei bastante curiosa a casa da 140 anos Que saudades que me deu dessa brilhantes, cidade tão linda e acolhedora. Para água. Seria ótimo ter uma filial da empresa alemã aqui no País para que ditaram tendências para o quem ainda não a visitou, não nos proporcionar tal serviço. mundo náutico e colaboraram para perca tempo. Há pontos turísticos Samuel Honbel o crescimento do setor. Ainda há maravilhosos, para todos os muitas milhas a serem navegadas públicos. Quem é mais aventureiro, Parabéns pela Perfil Náutico, e muitos triunfos a comemorar. como mostra a matéria, deve fazer o ótima de conteúdo e imagens. Isabela Catani rafting no Rio Paraibuna. É emoção Continuem! Bons Ventos. Lars Grael garantida! Pablo Cavalcanti - Comodoro da ABVO FALE CONOSCO Para falar com a Perfil Náutico, mande e-mail para: redacao@perfilnautico.com.br ou canaltecnico@perfilnautico.com.br. As mensagens devem ser enviadas à redação e à equipe técnica com identificação do autor, endereço e telefone. Em virtude do espaço disponível, os textos podem ser resumidos ou editados. A revista reserva-se o direito de publicar ou não as colaborações. 12  PERFILNÁUTICO
  5. 5. News NAUTIFESTIVAL EM PORTO ALEGRE Entre os dias 18 e 24 de setembro uma feira náutica vai reunir estaleiros do Sul do Brasil na capital do Rio Grande do Sul. Em sua primeira edição, o NautiFestival vai reunir expositores de embarcações, equipamentos e acessórios náuticos em uma área de 4,5 mil metros quadrados. De acordo com os organizadores, a projeção é atrair 20 mil visitantes e movimentar cerca de dez milhões em negócios. Centro de Eventos da Fiergs O local escolhido para a realização do NautiFestival foi o Centro de Eventos da Fiergs, seguindo as tendências de outros eventos do setor de sucesso como o São Paulo Boat Show, que também acontece no modelo in door. O evento é uma oportunidade para o cliente escolher não só o modelo de embarcação que deseja, mas os detalhes em decoração, acessórios e personalização, deixando então tudo pronto para desfrutar durante o verão. Site oficial da feira: www.nautifestival.com.br BOAT SHOW EM RECIFE VOLVO OCEAN RACE EM MUSEU A capital de Pernambuco também se prepara para a temporada de verão com um salão náutico em setembro. Entre os dias 26 e 29 acontece no Shopping RioMar a segunda edição do Recife Boat Show. Nesse ano a área aumentou em 3 mil metros quadrados, onde deverão estar um total de 50 expositores, muitos deles já confirmados, inclusive do sul e do sudeste do Brasil. O setor náutico deve ocupar 85% dessa área, mas outros segmentos, como imóveis, automóveis, motocicletas e mercado, também estarão presentes. Segundo a organização do evento, em 2012 o Recife Boat Show movimentou cerca de R$ 40 milhões em negócios e cerca de 17 mil pessoas circularam pelo salão. Em 2013 esperam-se 22 mil visitantes e que o volume em negócios chegue a R$ 48 milhões. Para comemorar o 40º aniversário da Volvo Ocean Race, a organização do evento promove a exposição fotográfica “40 Anos, 40 Faces”. Até fevereiro de 2014, os visitantes do museu da Volvo Ocean Race, em Alicante, na Espanha, poderão ver imagens que contam um pouco da aventura, desde a sua estreia em 1973, batizada de Whitbread. O museu é todo interativo e tem, inclusive, um modelo do QG da competição. As fotos da exposição foram cedidas por diversas fontes, como velejadores, fãs, repórteres de mídia, fotógrafos náuticos e até de perfis do Facebook, após uma campanha na página oficial da Volvo Ocean Race. A 12ª edição da volta ao mundo começa em Alicante no dia 4 de outubro de 2014. Site oficial: www.boatshowrecife.com.br 14  PERFILNÁUTICO
  6. 6. News PANDIANI NA PATAGÔNIA CHILENA O velejador brasileiro Beto Pandiani, que há 19 anos realiza expedições pelos mais temidos mares do mundo, ministrará uma palestra em um dos lugares mais intocados e selvagens do planeta: a Patagônia Chilena. A ação faz parte de um roteiro criado pela operadora NS Tour no belíssimo Tierra Patagonia Hotel & Spa e acontecerá no período de 10 a 13 de outubro. Pandiani contará suas vitoriosas experiências a bordo de um catamarã sem cabine, como a travessia Passagem de Drake – de Ushuaia à Antártica e a travessia do Pacífico, de Viña del Mar, no Chile, à Austrália em 71 dias por toda a Polinésia. O Tierra Patagonia conta com 40 apartamentos, todos com vista para as montanhas e para o Lago Sarmiento. Mais informações: www.tierrahotels.com Beto Pandiani ministra palestra FERNANDA OLIVEIRA ALÉM DA DISPUTA A brasileira integra a Comissão de Atletas A Federação Internacional de Vela (ISAF, na sigla em inglês) divulgou os nomes dos velejadores que integrarão a Comissão de Atletas. O grupo é formado por oito pessoas, quatro homens e quatro mulheres, dos quais cinco foram recémeleitos, entre eles a gaúcha Fernanda Oliveira. A velejadora do Clube dos Jangadeiros é a única representante brasileira. A comissão tem entre as suas funções escolher o local do Mundial da ISAF, equipamentos e comitês de oficiais de regata. O primeiro encontro será no final de setembro ou início de outubro, quando os oito integrantes irão eleger um presidente para o mandato de quatro anos. SEGURANÇA DO NAVEGADOR AMADOR A Marinha do Brasil, por meio do Comando do 7º Distrito Naval, promoveu nos dias 17 e 18 de agosto, no Clube Naval de Brasília, o XI Simpósio de Segurança do Navegador Amador. O evento foi voltado para proprietários e comandantes de embarcações de esporte e recreio, profissionais 16  PERFILNÁUTICO do mercado náutico, usuários de marinas, clubes e garagens náuticas e busca disseminar experiências e conhecimentos sobre segurança da navegação. Durante o simpósio foram promovidos debates a respeito das normas que regem a navegação de esporte e recreio, com o intuito de contribuir para o incremento da segurança da navegação e da salvaguarda da vida humana nas águas interiores (lagos e rios).
  7. 7. News ANTÁRTICA A BORDO DO PARATI 2 Roteiros não apenas inusitados, mas por muitos considerados inalcançáveis, agora podem ser visitados por pessoas comuns, que buscam experiências inesquecíveis. Experiências como as de Amyr Klink Há um vasto oceano de viagens que podem ser programadas, inclusive para a Antártica. O navegador Amyr Klink e a Latitudes compartilham do desejo de explorar os mais diversos e exclusivos destinos sob um ponto de vista diferenciado e culturalmente enriquecedor. O navegador e a produtora de viagens unem-se em um projeto que promete dar ao viajante um papel mais ativo e não mais de mero espectador durante expedições na Antártica. Com a chancela Amyr Klink, em setembro deste ano começam as viagens e experiências pela costa brasileira; e em janeiro de 2014, as expedições para a Antártica. Para mais informações acesse: www.amyrklink.com.br e www.latitudes.com.br. MARINECOMPOSITES, UMA EMPRESA BARRACUDA Acaba de nascer uma nova empresa de serviços de engenharia estrutural e processamento de materiais compostos. Trata-se da Marinecomposites, braço da Barracuda Advanced Composites, que herda toda a experiência de mais de 25 anos no desenvolvimento e pesquisa em estruturas em materiais compostos. A nova empresa conta com um grupo de engenheiros especializados em aplicações estruturais em materiais de alta performance. O objetivo da Marinecomposites é a prestação de serviços de projeto estrutural, design 2D e 3D, processamento de materiais, análise de falhas, vistorias e consultoria para os segmentos de transporte, energia, náutica, aeronáutica, construção civil e arquitetura. Para conhecer mais acesse : www.marinecomposites.com.br VÍDEO DE ALUNOS SCHAEFER PREMIADO Os alunos do Projeto Pescar da unidade do estaleiro catarinense Schaefer Yachts venceram o 3º 18  PERFILNÁUTICO Desafio Nacional da Rede Projeto Pescar 2013. A tarefa era elaborar e produzir um documentário sobre o tema “O Profissional do Futuro: desafios e perspectivas”. O vídeo foi escolhido entre outras 36 unidades. O curso de iniciação profissional em produção náutica da unidade Schaefer Yachts está em sua segunda turma e consiste em fornecer capacitação e oportunidades no mercado de trabalho a jovens em situação de vulnerabilidade social da região de Biguaçu (SC). Com 37 anos de história, o Projeto Pescar já atingiu milhares de alunos. O vídeo está disponível no YouTube, com o título “Documentário Projeto Pescar Estaleiro Schaefer Yachts”.
  8. 8. News MAGELLANO 50 PARA BRASILEIROS O iate Magellano, de 50 pés, do grupo italiano Azimut-Benetti, foi exibido pela primeira vez em águas brasileiras no final de julho e começo de agosto no Boutique Boat Show realizado no Guarujá (SP). A novidade, apresentada pela First Yacht, é uma embarcação robusta capaz de navegar por longas horas, graças à autonomia proporcionada por grandes tanques de combustível e a redução do consumo em velocidade baixa e média. O Magellano 50 traz o conceito de “cruzeiro verde”, que conquistou a certificação NMMA (Aprovação Classe CE A) e a certificação “Green Plus” concedida pelo Rina (Registro Naval Italiano). Italiano em águas brasileiras COMO VIVER A BORDO, ATUALIZADO Um livro publicado há quase duas décadas foi relançado e traz novidades. “Como viver a bordo”, do casal Yuri e Vera Sanada, foi lançado em 1996, mas ainda traz informações atuais. Mesmo assim merecia uma versão atualizada, impressa e digital. Yuri e Vera especializaram-se em viagens marítimas e acostumaram-se a passar a vida a bordo. Depois da primeira edição do livro, velejaram muito, por isso, os dois têm muito mais para contar. O livro não é considerado técnico, mas traz dicas preciosas sobre como planejar uma viagem, em veleiros ou lanchas, até a ilha vizinha ou a qualquer parte do mundo. UM DOS MAIS LUXUOSOS DO BRASIL O consultor de hotéis de luxo Fabricio Granito, que já visitou mais de mil hotéis pelo Brasil, está selecionando criteriosamente os 30 mais luxuosos do país para lançar um roteiro superespecial com serviços diferenciados e exclusivos pela operadora de viagem Hotéis de Luxo Brasil. Um dos primeiros selecionados é o Ponta dos Ponta dos Ganchos Resort 20  PERFILNÁUTICO Ganchos Resort. Situado em uma península particular em Governador Celso Ramos (SC), é reconhecido como um dos mais exclusivos do país. Rodeado por uma pitoresca vila de pescadores, em meio à natureza exuberante de Santa Catarina, o empreendimento tem localização privilegiada além de praia e ilha particulares que garantem beleza e mais privacidade aos hóspedes.
  9. 9. MUNDO NÁUTICO REFENO DE TIRAR O FÔLEGO (www.grupocoringa.com. br), Claudemon Silveira, diretor-superintendente da Oops Telecom Ltda. (www. oops.net.br), o simpático casal Eliton e Silvane, donos da loja Barco Novo (www.barconovo. com). Desafio e oportunidade: uma travessia regada a boa vontade e colaboração Por Capitão Pedro Costa Sobrou-nos o árduo desafio de velejar até a paradisíaca Fernando de Noronha, fotografar suas belezas cinematográficas e depois voltar para contar a história. Quem sabe no final o que reste mesmo seja uma grande lição. Mais uma para o comandante passar aos seus netos. Para todos nós passarmos aos leitores e amigos. Que as dimensões continentais de nosso país não sejam pretexto para não nos tratarmos como irmãos em torno de uma paixão ou meta em comum. E que todos saibam que basta um pouco de boa vontade e colaboração de dois ou três empresários, existem ainda empresários com visão empreendedora e que apoiam o nosso esporte, a vela, mesmo não sendo este tão popular de qualquer porte, para que tornemos realidade o que para a maioria das pessoas não passa de um sonho, tão maravilhoso quanto distante. Um pensamento para refletir: “Devíamos avaliar a vida, não pelo quanto respiramos, mas sim pelos momentos de tirar o fôlego que vivemos.” Então vamos lá, estou louco para perder o fôlego. Bons ventos a todos nós. Arena da Refeno em Fernando de Noronha A Refeno 2013, Regata Internacional Recife-Fernando de Noronha será palco de uma história inusitada. O veleiro Filos, um Fast 310 que já competiu em cinco edições da tradicional regata, já estava inscrito para mais uma participação no evento quando seu proprietário, o delegado aposentado da Polícia Federal Pinto de Luna, recebeu a notícia de que um compromisso 22  PERFILNÁUTICO o impediria de correr este ano. Apaixonado pela vela desde o tempo em que foi superintendente da Polícia Federal em São Sebastião (SP), não pensou duas vezes: desprendidamente cedeu o barco para que uma nova tripulação o representasse, conduzindo o Filos em sua já tradicional regata. Coube ao experiente capitão amador Jovito Cabadas Melo, engenheiro residente em Maceió (AL), pescador e vovô coruja nas horas vagas, a missão de rapidamente formar uma tripulação e viabilizar sua participação na prova. O resultado foi uma equipe eclética, formada por velejadores que representaram o Brasil praticamente de norte a sul. Formada a tripulação, restava ainda viabilizar economicamente sua participação na regata, projeto relativamente caro, principalmente pela dispersão geográfica de seus membros. A sorte da equipe foi que, apesar do momento de incertezas que o país atravessa, existem ainda empresários com visão empreendedora e que apoiam o nosso esporte, a vela, mesmo não sendo este tão popular como gostaríamos. É o caso dos senhores José Alexandre dos Santos, proprietário das Indústrias Reunidas Coringa PERFILNÁUTICO  23
  10. 10. MUNDO NÁUTICO REFENO Liderada pelo comandante alagoano Jovito Cabadas Melo, 54 anos, a tripulação contará ainda com as seguintes presenças: Igor Zelada, 29 anos, mestre amador em Búzios (RJ), gerente executivo de uma incorporadora, surfista e fotógrafo nas horas vagas. Marco Antonio Peixoto, 56 anos, engenheiro civil de Juiz de Fora (MG), atualmente a trabalho no Rio de Janeiro, amante do mar e da natureza. Walkir Brito, 41 anos, estatístico a trabalho na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – Firjan, morador de Copacabana, Rio de Janeiro (RJ), fotógrafo e DJ nas horas vagas. Pedro Luiz Costa, 50 anos, capitão amador, morador de Curitiba (PR), supervisor em uma indústria metalúrgica, construtor naval nas horas vagas, além de fotógrafo e escritor. 24  PERFILNÁUTICO
  11. 11. MUNDO NÁUTICO AVENTURA PELOS MARES DO MUNDO Um evento que vai além do entretenimento Veleiro Multi40 da regata Transat Jaques Vabre DE ITAJAÍ PARA O MUNDO Entre 16 de novembro e 1° de dezembro a cidade de Itajaí (SC) vai atrair todas as atenções ao abrigar um grande evento que une náutica, gastronomia, música e negócios Por Amanda Kasecker U ma “Aventura pelos Mares do Mundo” está prestes a acontecer no Brasil, mais precisamente em Santa Catarina. A cidade de Itajaí (SC) vai ser palco de um evento que vai reunir gastronomia, música, 26  PERFILNÁUTICO business e dois eventos náuticos em novembro. Conhecida em anos anteriores como “Marejada”, desta vez o objetivo vai além do entretenimento. “A intenção é transformar a cidade em um polo náutico de excelência, de nível internacional”, destaca o engenheiro Amílcar Gazaniga, presidente do Comitê Central Organizador da Aventura pelos Mares do Mundo. “Dessa forma, Itajaí vem ao encontro de sua vocação original e volta seus olhos para o Rio Itajaí e para o Oceano Atlântico.” A Aventura vai reunir diversas atrações: Regata Transat Jaques Vabre, Expedição Oriente, Festival Gastronômico Internacional, Festival de Música de Itajaí e o World Business Show. O evento ainda contará com a “Vila da Aventura”, área cenográfica que deve remeter os participantes a uma viagem ao redor do mundo, sem que seja necessário sair de Itajaí. Para 2013 o tema escolhido foi “do Atlântico ao Mediterrâneo”, que possibilitará ao visitante percorrer Brasil, França, Portugal, Espanha e Itália em cinco ilhas. “No conjunto, o público terá ao seu alcance uma série de atividades que remetem ao mundo da vela, da arte, da música e da gastronomia, que darão ênfase às tradições e à cultura dos países escolhidos”, acrescenta Gazaniga. O mundo náutico em destaque Dois temas relacionados ao mundo náutico vão dar uma projeção especial ao evento. São a Regata Transat Jacques Vabre e a Expedição Oriente, da Família Schurmann. A regata foi criada em 1993 e é realizada a cada dois anos. Também conhecida como Rota do Café, trata-se de uma regata transatlântica disputada desde a França até um destino produtor de café. “A intenção é transformar a cidade em um polo náutico de excelência” Amílcar Gazaniga PERFILNÁUTICO  27
  12. 12. MUNDO NÁUTICO AVENTURA PELOS MARES DO MUNDO Le Havre, a principal cidade importadora de café na França é sempre o ponto de partida da regata. O ponto de chegada é alterado em cada edição e em 2013 será Itajaí. O evento já passou por cidades como Cartagena, na Colômbia, Salvador, no Brasil, e Puerto Limón, na Costa Rica. Esta será a 11ª edição e contará com cerca de 45 embarcações distribuídas nas classes 40, 50, 60 e 70 pés. “Sentimo-nos orgulhosos da nova orientação escolhida pela Transat e desejamos que esta edição confirme mais uma vez que a regata não é somente uma corrida esportiva, mas também um evento pleno”, comenta Jacques Rosio, presidente da Associação Jacques Vabre. O percurso de 5.935 milhas náuticas começará no dia 3 de novembro com previsão de chegada a Itajaí em 17 do mesmo mês. Desde sua criação, em 93, 147 tripulações já participaram da Regata Transat Jacques Vabre. O outro evento náutico que marca a nova Marejada envolve ninguém menos do que os integrantes da Família Schurmann. Eles voltam ao mar para uma aventura inédita batizada de Expedição Oriente, que vai traçar uma nova rota de volta ao mundo com duração de quase dois anos. Depois de 29 anos de aventuras a bordo de um veleiro, nesta expedição a Família Schurmann – que já tem na bagagem duas voltas ao mundo – vai seguir rotas que os chineses teriam percorrido ao redor do mundo no século 15. Os experientes Schurmanns estão levantando a hipótese de que os navegadores chineses teriam sido os primeiros a contornar o globo. A teoria é apresentada pelo oficial da marinha britânica Gavin Menzies, no livro “1421: o ano em que a China descobriu o mundo”. Jacques Vabre classe 60 pés “a regata não é somente uma corrida esportiva, mas também um evento pleno” JACQUES ROSIO A Expedição Oriente: volta ao mundo com duração de quase dois anos Família Schurmann: prontos para mais uma aventura 28  PERFILNÁUTICO A expedição vai sair da América do Sul para o continente Antártico, onde eles navegam pela primeira vez, e segue para o Pacífico passando por Polinésia, Nova Zelândia e Austrália. Na sequência, os navegadores sobem para Papua Nova-Guiné, Japão, China, Vietnã, Indonésia e África do Sul, de onde retornam ao Brasil. A nova expedição vai ter início em Itajaí, no dia 1° de dezembro, no dia do encerramento do evento Aventura pelos Mares do Mundo. O retorno é previsto na mesma cidade, no dia 29 de novembro de 2015. PERFILNÁUTICO  29
  13. 13. MUNDO NÁUTICO AVENTURA PELOS MARES DO MUNDO Conheça um pouco mais das outras atividades que acontecerão no “Aventura pelos Mares do Mundo” Festival Gastronômico Com o tema “Do Atlântico ao Mediterrâneo”, o festival gastronômico apresenta, nesta edição, as culinárias do Brasil, da França, de Portugal, da Espanha e da Itália. Esses países estarão representados cada um em um pavilhão: O Boteco Brasileiro, o Bistrô Francês, a Tasca Portuguesa, as Tapas Espanholas e a Cantina Italiana. Festival DE MÚSICA Em 2013 chega a sua 16ª edição e traz, além de shows, oficinas e palestras. No total, serão seis shows nacionais, 30 oficinas em diversas modalidades, além de eventos paralelos e o ciclo de palestras. World Business Show Uma feira multissetorial de negócios. Além de uma exposição de produtos, a feira pretende mostrar as potencialidades econômicas do estado para o mercado nacional e internacional. Dentre eles terão destaque os segmentos náutico, de turismo e lazer, entretenimento, pesca, portuário e de construção civil. Ações ambientais Será prioritariamente um evento ecológico. Entre as ações propostas para a Vila da Aventura estão uma regata ecológica, a separação e reciclagem dos resíduos sólidos, o consumo consciente de água e energia elétrica, a quantificação e compensação das emissões de CO2, a utilização apenas de copos ecológicos, a segregação e reciclagem dos resíduos gerados e ecopontos de coleta de pilhas, baterias e óleo vegetal usado. O Caminho da Sustentabilidade será destinado para ações de cunho ambiental, com visitas de alunos guiadas por educadores ambientais, exposição de soluções sustentáveis, teatros e oficinas. O programa deve ainda envolver a comunidade em ações como mutirões de limpeza de praias e rios e plantio de mudas em áreas degradadas. Perspectivas da estrutura do evento 30  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  31
  14. 14. MUNDO NÁUTICO VENTURA 30 ANOS ESTALEIRO VENTURA Uma história de 30 anos marcada POR companheirismo e profissionalismo Por Leo Suzuki V210 Comfort, lançada oficialmente em abril desse ano A emoção guiou o discurso da família Ventura Marine logo no início da cerimônia do evento comemorativo das três décadas. A união e o respeito foram demonstrados em cada palavra e os novos rumos que o estaleiro alça para 2014 certamente são frutos desse companheirismo. Entre os dias 19 e 21 de julho, no Balneário do Lago Hotel, em Capitólio, Minas 32  PERFILNÁUTICO Gerais – onde fica a sede da empresa –, fornecedores, revendedores, autoridades e amigos participaram da os convidados puderam comprovar o desempenho e a navegabilidade da nova V210 Comfort Evento foi realizado no Balneário do Lago Hotel, em Capitólio (MG) confraternização da nova idade. O presidente José Luiz Valente da Motta, que reergueu a empresa a partir de 2003, ressaltou que nesse tempo o nome Ventura foi construído com a ajuda de muitas pessoas. “Tenho a absoluta certeza de que precisamos estar ainda mais juntos e que daremos o melhor de nós para que essa empresa seja cada vez maior e cada vez mais nossa. Para os próximos anos, a Ventura vai seguir com a mesma ética e com o mesmo respeito pelo nosso consumidor e pelo nosso País.” Durante o evento foi inaugurado um galpão de 4 mil metros quadrados onde são construídas as embarcações da linha Premium e a nova sede administrativa da empresa, com mil metros quadrados. Além das novas instalações, os convidados puderam comprovar o desempenho e a navegabilidade da nova V210 Comfort, que foi lançada oficialmente em abril deste ano no Rio Boat Show. Conheça a seguir um pouco sobre a história dessas três décadas e o fortalecimento do estaleiro sob o comando da família Motta. Um veleiro sustentável O estaleiro foi fundado em 1983 com o nome Yachts Alpha. Localizado na cidade de São João de Meriti, Rio de Janeiro, iniciou suas operações com a fabricação de veleiros de 22 e 32 pés. Após parceria com o velejador Amyr Klink, no ano seguinte, o estaleiro começa a ganhar destaque no mercado náutico com a fabricação do primeiro barco a remo a realizar a travessia do Oceano Atlântico. Durante os 30 anos de existência o estaleiro já produziu mais de 20 modelos de embarcações Em 1986, a marca Ventura nasce e a escolha do nome se deu pelo o significado da palavra: sorte, felicidade, destino e fortuna próspera. PERFILNÁUTICO  33
  15. 15. MUNDO NÁUTICO VENTURA 30 ANOS Durante os 30 anos de existência o estaleiro já produziu mais de 20 modelos de embarcações. A primeira lancha de proa aberta fabricada no Brasil foi a Ventura 20, com versões de popa e solário. Em 1988, com a Ventura 23, em três versões (popa, solário e cabinada), a empresa apresenta o primeiro tanque de combustível de plástico no País. o estaleiro fechou parceria em 2013 com o estúdio italiano de design Green Yachts, dirigido pelo designer Mattia Massola Junto com o fortalecimento da marca, consequentemente aumentou a demanda e o estaleiro muda para um galpão de 1,5 mil metros quadrados no bairro da Penha, no Rio de Janeiro. Na infraestrutura foi construída a Ventura 22 Pesca, o primeiro barco insubmergível do Brasil. Em 1994 a Ventura instalouse em prédio próprio de 4 mil metros quadrados, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro. Em 2003, o empresário José Luiz Valente da Motta comprou a empresa e mudou suas instalações para Capitólio, em Minas Gerais – a atual sede. Anos depois, a Ventura apropriou-se de uma sucursal no Amazonas. Desde então, diversos modelos da linha Comfort foram lançados 34  PERFILNÁUTICO V190, lançada em 2004 e, em 2011, após parceria com a Yamaha Motors Company, é apresentada para o mercado a linha Premium com o barco V410 – produzido no Japão e eleito o melhor barco do ano na Ásia – e o V315. de então, seguem o padrão de design sustentável, objetivando melhoria na qualidade de vida a bordo, como controle térmico, acabamentos interiores com baixas emissões de químicos e boa resistência a fungos. Para agregar ainda mais valor à marca, o estaleiro fechou parceria em 2013 com o estúdio italiano de design Green Yachts, dirigido pelo designer Mattia Massola. As embarcações, a partir Para o ano que vem a Ventura Marine promete lançar os modelos V500 e V600 Premium. Nas vésperas do lançamento a Perfil Náutico trará informações em primeira mão. Instalações da fábrica em Capitólio (MG)
  16. 16. MUNDO NÁUTICO VELEIRO MISTRALIS DESAFIO CABO HORN Felipe Caire e o veleiro Mistralis enfrentam o mito e fazem as pazes com o cabo mais temido do mundo Felipe Caire, Marcio Majella, Gabriel Sanches e Jaime Guimarães Por Felipe Aristides Caire P ara quem não conhece, cruzar o Cabo Horn é uma tarefa tão difícil quanto escalar o Everest. É o ponto mais austral de nosso continente e serve como marco divisor das águas dos Oceanos Atlântico e Pacífico. Um ponto temido por todos os velejadores, que representa perigo para todo tipo de embarcação, até mesmo para os grandes petroleiros. Ondas de mais de 15 metros, ventos com força de furacão e correntezas indescritíveis tornam este um desafio para poucos bravos velejadores. 36  PERFILNÁUTICO meu último porto seguro: Puerto Williams. Lá passei o Natal com meu fiel proeiro Marcio Majella e resolvemos que iríamos comemorar nosso réveillon nas geleiras dos canais chilenos. O final do ano estava sendo um dos melhores momentos de toda a viagem, até que na tarde do dia 31 de dezembro, em um acidente quase perco o polegar direito que ficou esmagado na corrente da âncora ao realizar No dia 16 de agosto de 2012, larguei as amarras de meu porto seguro no Rio de Janeiro em busca de um sonho que nasceu aos 17 anos, quando decidi que iria viver minha vida do mar e para o mar. Foram anos de muita dedicação, planejamento, sacrifícios, determinação e força de vontade para que o sonho pudesse ser realizado. O conforto das quentes águas brasileiras ficou para trás em busca do frio, do gelo, da solidão e dos fortes ventos do extremo sul. Saindo do Rio de Janeiro, eu e o Mistralis, fizemos ao longo da costa diversas travessias nas uma manobra de emergência. Fui resgatado pelo helicóptero dos carabineros (bombeiros) chilenos, e esperei cerca de 20 horas uma transferência de avião até a cidade de Punta Arenas, onde fui operado no dia 1° de janeiro. Sofri uma fratura exposta e esmagamento da falange, fraturada em seis pedaços e recomposta por um parafuso que agora une todos os fragmentos. Mesmo depois que o cirurgião foi incisivo em dizer que seriam necessários no mínimo 30 dias de repouso e que se lançar ao mar seria uma loucura com um risco considerável de infecção, no dia 5 de janeiro, eu e meus alunos seguimos para o mar para realizarmos a tão sonhada aventura. Decidi que não poderia mais adiar meu sonho para fechar esse ciclo de 20 anos. Foi maravilhoso ter conseguido vencer e me tornar amigo do meu maior desafio. Amigo, pois fiz as pazes com meu mito, estou em paz comigo mesmo. Eu e o Mistralis conseguimos conquistar o Cabo Horn, o mais temido do mundo. Saímos vitoriosos. Larguei as amarras em busca de um sonho que nasceu aos 17 anos de idade quais levamos nossos alunos para vivenciarem um pouco dessas maravilhas e sensações de estar em mar aberto. Foram cinco meses de muitos obstáculos e desafios, tanto no mar quanto em terra firme, até chegar ao Um ponto temido por todos os velejadores, que representa perigo para todo tipo de embarcação PERFILNÁUTICO  37
  17. 17. MUNDO NÁUTICO VELEIRO MISTRALIS Uma travessia muito dura, ora pela falta de vento, ora pelo excesso de vento contra A travessia em si apresentou as dificuldades esperadas: ondas desencontradas, fortes ventos, muita chuva e temperaturas em torno de dois graus. Foi um misto de emoções, pois no fundo do mar existem centenas de embarcações naufragadas, milhares de bravos navegadores que perderam suas vidas no tempestuoso e implacável Mar do Horn, mas há também uma sensação única de conquista, de alegria, de realização, uma vontade absurda de bater no peito e gritar o mais alto possível: conseguimos! Depois de cruzar o Cabo Horn ainda havia pela frente outro grande desafio, o Estreito de 38  PERFILNÁUTICO Da Isla de Los Estados às Malvinas ou Falklands foram dois dias de uma gostosa velejada. Nas Malvinas decidi ficar quatro dias, pois pela frente teria uma navegação de mil milhas sem nenhuma possibilidade de auxílio. Depois de aproveitar a paradisíaca New Island, das Malvinas, eu e meus alunos fizemos uma travessia de 11 dias até Mar del Plata. Uma travessia muito dura, ora pela falta de vento, ora pelo excesso de vento contra. Árdua no sentido psicológico e tranquila no sentido náutico. Glaciar de Estero Folque e Isla de los Estados Le Maire, um canal que divide a Tierra del Fuego e a Isla de Los Estados. O Estreito tem pouco mais de 15 milhas e recebe todo desnível de águas que existe entre os Oceanos Pacífico e Atlântico (cerca de 5 metros de diferença). Com as mudanças de marés as correntezas alcançam inacreditáveis velocidades de seis nós. Esse fenômeno, aliado aos fortes ventos predominantes, pode formar ondas com mais de 10 metros de altura com cristas e uma força avassaladora. Estávamos preparados, tudo saiu como planejado. Foi a segunda passagem pelo Le Maire. A primeira foi com minha mãe e meu irmão, que também participaram de um trecho desse sonho. Malvinas Ano que vem, depois de ter me apaixonado pelo Cabo Horn, mais um Desafio Mistralis – Cabo Horn. PERFILNÁUTICO  39
  18. 18. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS criando uma experiência única Ambientes náuticos PODEM IR muito além das tradicionais listras azuis e brancas, âncoras e nós de corda. Conceitos, designs e acessórios inovam a cada ano, e a decoração extremamente conservadora já não é mais o caso. Pelo menos quando esse ambiente flutua pela água Por Marcelo Buda 40  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  41
  19. 19. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS A s pessoas são livres para escolher padrões e alternativas que possam expressar seu estilo, sua personalidade, em terra ou no seu barco, do lado de dentro e do lado de fora dele. Para que uma ideia de personalização seja transformada em realidade, conhecimento técnico, bom gosto e criatividade são habilidades necessárias. 42  PERFILNÁUTICO Quem deseja dar a sua cara para a embarcação primeiro deve estar em sintonia com o especialista contratado para realizar tal tarefa. Essa pessoa deve ser criteriosamente escolhida. Certifique-se de que ela será capaz de criar um barco o mais próximo possível do seu ideal. A perfeita realização depende de muitos detalhes e das pessoas envolvidas. Um barco esteticamente bonito, confortável e adaptado às necessidades do proprietário é fruto de muitos cálculos, desenhos, gráficos e planilhas. Isso tudo para que ele não perca a funcionalidade, afinal seu barco até pode ser uma extensão da sua casa, pode até mesmo ser a sua casa, mas ainda seu maior ofício será o de navegar, e com segurança. COM o passar do tempo, é fácil perceber que o barco poderia se adaptar melhor às suas necessidades ou ter um visual mais atraente PERFILNÁUTICO  43
  20. 20. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS Lanchas Evolve: diferentes cores do casco Participar dos detalhes de personalização de um barco é uma experiência muito prazerosa No site dos estaleiros é possível simular itens de personalização 44  PERFILNÁUTICO Projetos personalizados são realizados por pessoas que desejam um barco com características e detalhes especiais. Esse desejo pelo exclusivo pode ser realizado após algumas milhas de navegação, com uma bela reforma no seu velho companheiro. Com o passar do tempo, é fácil perceber que o barco poderia se adaptar melhor às suas necessidades ou ter um visual mais atraente: uma pintura diferente, uma nova decoração, um equipamento novo, modificações para melhorar o desempenho, etc. Com uma boa dose de criatividade, o seu barco usado pode ganhar uma bela repaginada e ficar com cara de novo, mas nada melhor do que realizar a personalização de um barco novinho em folha, dentro do estaleiro, acompanhando passo a passo sua construção. Atentos a essa tendência do mercado, quase todos os estaleiros oferecem itens básicos de personalização, como cores do casco, acessórios, equipamentos e motorização. Mas essas opções podem ir muito mais além, quase até onde a imaginação levar. Participar dos detalhes de personalização de um barco é uma experiência muito prazerosa. E a recompensa maior vem no final: seu barco perfeito, do jeito que você idealizou. PERFILNÁUTICO  45
  21. 21. BARCOS PERSONALIZADOS O empresário Vitor Pereira e sua esposa, a arquiteta Ana Mähler, são bons exemplos da realização do sonho da personalização. “Quando entramos para o mundo náutico nos diziam que nunca se poderia ter tudo que se quer em uma embarcação, mas nossa experiência em customizar uma lancha dentro do próprio estaleiro colocou essa afirmação por água abaixo, pois temos tudo o gostaríamos em um barco”, declara Vitor. Ele e Ana começaram a idealizar o projeto a partir do lançamento do modelo 400 Gran Coupé da Armada Yachts. “Já tínhamos uma lancha Armada de 30 pés, conhecíamos o estaleiro Allan P. Cechelero, gerente de marketing da Way Brasil, fabricante das lanchas Triton, conta que a personalização é um dos diferenciais de mercado dos barcos que levam a marca Triton. “Nosso estaleiro oferece esta comodidade ao cliente e, por isso, fizemos várias adaptações em nosso processo produtivo para ter esta capacidade de customização”, conta Allan. “Até o momento todas as lanchas Triton 345 que vendemos foram personalizadas, nenhuma ficou igual à outra.” Allan comenta ainda que o tipo de personalização mais comum é o da pintura e do modelo e estilo das faixas. “Mas já existem clientes chegando com seus arquitetos para definir um projeto de decoração personalizado, interno e externo.” Com a aproximação cada vez maior do setor náutico com áreas ligadas à decoração de ambientes, a Way Brasil aproveitou a Casa Cor Paraná 2013 para mostrar um modelo da Triton 345 personalizado. Foi a primeira vez em 20 anos que o evento coloca um barco em exposição. A arquiteta Luciana Glock Gusso montou o projeto Espaço Náutico, criando a ideia de marina, com decoração personalizada no interior e no exterior do barco. Fotos: Valterci Santos CAPA Armada 400 Gran Coupé, de Vitor Pereira e Ana Mähler e sabíamos que nossos desejos seriam realizados”, lembra Vitor. Com um prazo de um ano a partir da compra do barco o casal iniciou o projeto e as pesquisas. “Nossa casa flutuante seria uma extensão do nosso apartamento.” Triton 345, participação especial na Casa Cor 46  PERFILNÁUTICO Alterar o projeto inicial do barco pode levar um bom tempo, exige muito esforço e recursos. Por isso, planejamento e paciência são fundamentais. “Mesmo com detalhamentos e projetos entregues ao estaleiro, o acompanhamento e as visitas no andamento da construção do barco foram cruciais para que tudo saísse conforme nosso desejo”, relembra Vitor. “Após a entrega técnica, colocar a embarcação no mar, acionar motores e gerador, ainda foram necessários dois meses de ajustes em acabamento, elétrica e hidráulica. Isso é normal para qualquer barco novo, principalmente nesse em que houve tantas modificações.” Vitor conta ainda que a experiência com a equipe do estaleiro foi excelente, e resume: “Um trabalho em conjunto com grandes resultados.” PERFILNÁUTICO  47
  22. 22. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS Fotos: André Nunes Área de popa ao gosto do proprietário na Intermarine 75 Peças que duram É muito importante saber escolher o estaleiro e o arquiteto que será responsável pelo projeto de personalização do seu barco. Allysson Yamamoto, gerente de marketing da Intermarine, lembra que o principal cuidado a ser tomado na hora da personalização é o de oferecer soluções que atendam à necessidade do cliente, mas que, ao mesmo tempo, reúnam conforto, segurança, durabilidade e beleza. “Quando o cliente escolhe algum material que nunca usamos anteriormente, nós fazemos um teste em nosso laboratório para simular a durabilidade deste item em um ambiente como o do barco, sujeito à maresia e à alta umidade. São feitos testes de resistência, corrosão e aderência, entre outros. Caso o uso do material não se viabilize, estudamos alternativas junto com o cliente.” As necessidades são bastante específicas, mas a grande maioria que opta pela personalização prefere alterar as áreas de convívio social. O tempo que se leva para realizar esse trabalho depende de vários fatores, como o tamanho do barco e o que o cliente deseja. “A personalização é definida na compra do barco, que já é construído customizado”, conta Alysson. “Nós acompanhamos o processo dentro do cronograma para que a entrega do barco seja feita no tempo combinado. Os profissionais de engenharia, design, decoração e da área comercial estão sempre envolvidos em todo o processo.” O segmento de decoração náutica cresce no Brasil no mesmo ritmo que a construção e a importação de barcos. Com a comercialização cada vez maior de barcos grandes, criou-se um mercado específico de design náutico, que conta com os mais diversos tipos de artigos, para os mais variados gostos. Como em uma embarcação o aproveitamento dos espaços é sempre uma preocupação, a decoração planejada contribui para tornar o ambiente mais amplo, proporcionando beleza e conforto. A durabilidade dos materiais escolhidos também deve ser levada em conta. A preferência deve ser por aqueles que resistam à maresia. Prata por exemplo, deve ser descartada. Ficará escura assim que você virar as costas. Opte por produtos inoxidáveis, como alumínio, aço inox, madrepérola, osso e chifre. Louças de vidro também não são recomendáveis. As melhores opções são materiais de acrílico, policarbonato ou melanina. Para um bom vinho, taças de titânio são mais resistentes Peças decorativas devem ser muito bem escolhidas e substituem o vidro ou o cristal com o mesmo requinte. Os objetos de decoração devem ser colados em uma superfície de apoio, por isso a preferência é por aqueles com a base reta. Prefira objetos com formas arredondadas. É necessário cuidado especial com objetos como pratos e copos, por exemplo. Armários planejados devem ter locais específicos e seguros para que nada se mova durante a oscilação do barco. Artigos decorativos como luminárias, carpetes, enxoval de toalhas e persianas também contribuem para o ambiente, promovendo leveza e luminosidade. A designer de interiores Paloma Christiansen, comenta que é importante prezar por um ambiente Prefira objetos com formas arredondadas harmônico e aconchegante, que alie leveza, tranquilidade, conforto, vida e alegria. “Os acessórios são os responsáveis por dar o charme a mais, independentemente do seu estilo”, diz a designer. “Não podem faltar os quadros, as almofadas e objetos que remetam ao mar, fazendo o link do ambiente externo com o interno.” Paloma fala ainda sobre os erros mais frequentes: misturar cores extravagantes e materiais pesados. “Muita informação acaba tirando a leveza e o luxo do ambiente.” Intermarine 75: a luz, natural ou planejada, faz parte da decoração 48  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  49
  23. 23. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS O banheiro merece um capricho especial Desejos próprios A melhor decoração de um barco é aquela que foi planejada para atender às necessidades do proprietário, levando em conta a segurança e o conforto dos tripulantes. Os materiais e objetos devem ser escolhidos a partir do estilo de vida de seu dono. As partes internas e externas devem ser exploradas com igual atenção, de acordo com a sua funcionalidade. Quem gosta de pescar, por exemplo, deve pensar em espaços específicos para guardar todos os equipamentos. O mesmo vale para outras atividades esportivas, como mergulho. Já para aventuras gastronômicas, um espaço gourmet deve ser muito bem pensado. Lembre que, a não ser que você seja o proprietário de um megaiate, inevitavelmente o espaço será reduzido. Mobília As divisões internas de um barco são muito parecidas com as de uma casa: sala, cozinha, quarto, banheiro, etc. A proposta da mobília, porém, é bastante diferente no que diz respeito às medidas. A madeira pode ter uma aplicação de verniz para proteção, o que também pode funcionar bem com a decoração. É preciso tomar cuidado para que os móveis não fiquem posicionados de forma errada. Se em casa Tecidos e almofadas O ambiente externo da embarcação merece cuidados especiais com relação aos tecidos e às almofadas dos sofás e solários. Até pouco tempo o couro sintético era a única alternativa de revestimento, mas hoje existem diversas opções de tecidos resistentes à água, aos raios UVA e à formação de mofo. São tecidos macios e muito parecidos com o algodão, fabricados com processo especial de tingimento que torna as cores mais sólidas e resistentes 50  PERFILNÁUTICO um armário torto já dá uma tremenda dor de cabeça, imagine dentro de um barco. Os cálculos devem ser milimétricos para que os ambientes não fiquem apertados ou com elementos posicionados de forma irregular. Num ambiente compacto, o ideal é que esses cômodos estejam interligados e que a mobília seja planejada com recursos multifuncionais. Com um projeto bem elaborado, com certeza você vai sentir o seu barco como a extensão da sua casa. Móveis planejados e bem posicionados OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Suavidades nos tecidos ao desbotamento. Além do tecido, a costura e a espuma dos estofados também devem ser de boa qualidade para impedir que a umidade acabe molhando o estofado por dentro. A linha de costura deve ser de poliéster e a espuma revestida de plástico. O mercado náutico brasileiro atrai investidores de todo o mundo, gerando grandes oportunidades de negócios. Santa Catarina, o segundo maior estado produtor de barcos de lazer do país, está atento a isso. De acordo com um relatório desenvolvido pelo Sistema de Inteligência Setorial (SIS), do Sebrae (SC), essa é a hora de os pequenos empresários moveleiros investirem no setor e prospectar novos negócios. De acordo com o gerente da unidade de Gestão Estratégica do Sebrae (SC), Marcondes da Silva Cândido, o polo náutico do litoral catarinense é considerado estratégico pelo Programa Nova Economia SC, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico Sustentável. De acordo com relatório desenvolvido pelo SIS, além de móveis sob medida, o ramo moveleiro deve oferecer alternativas para conquistar cada vez mais espaço no mercado náutico, sem esquecer da sustentabilidade. No relatório, a loja para madeira teca Teakstore aparece como exemplo a ser seguido pelos empresários catarinenses. A Teakstore trabalha exclusivamente com matéria-prima fornecida pela empresa Cáceres Florestal, pioneira no plantio produtivo da teca em terras brasileiras. Suas árvores são colhidas adultas, já com 30 anos de idade, e certificadas pelo Forest Stewarship Council (FSC), assegurando uma madeira de bom manejo florestal produzida em conformidade com os princípios e critérios sociais e ambientais da entidade. PERFILNÁUTICO  51
  24. 24. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS Sistemas elétricos Cuidados na customização Jorge Nasseh, vice-presidente da Acobar, explica como altos níveis de customização vêm de encontro à norma brasileira: “A norma NBR 14574, que deve ser lida tanto pelo construtor quanto pelo cliente, aborda os fatores de segurança necessários para que as modificações não produzam falhas catastróficas na estrutura primária de um barco.” Modificações estruturais Barcos fora de série, únicos e exclusivos, os chamados one-off, acabam envolvendo mudanças na sua estrutura interna, para adaptações não representadas nos planos de construção originais. Muitos estaleiros estão aptos a promover as mudanças, pois possuem staff técnico capaz de redimensionar os elementos estruturais para que não ocorram falhas ou delaminações precoces. A adição de cabines, banheiros, arcondicionado e aparelhos elétricos para uso a bordo influenciam o dimensionamento do sistema elétrico, seja ele de corrente contínua ou alternada. A adição de mais bancos de baterias, maior potência de gerador, inversores, capacidade de refrigeração do sistema de ar condicionado e fiação Personalização de uma lancha Armada no estaleiro Motorização e propulsão É muito comum supermotorizar uma embarcação para aumentar sua velocidade ou utilizá-la em estados de mar extremos. A maioria dos barcos é projetada para águas sem ondas. Aumento de potência ou mudança do sistema propulsivo envolve o projeto detalhado de nova estrutura de fundo e espelho de popa. O aumento de potência sem esse detalhamento normalmente acaba comprometendo a vida útil de vários membros estruturais da embarcação. vai aumentar o risco de incêndio a bordo. Muitos quadros elétricos e cabos estão dimensionados para o consumo padrão de energia. Caso não redimensionados, poderá ocorrer sobrecarga nos sistemas, ou seja, eleva-se o risco de incêndio. Excesso de peso Proprietário e construtor tendem a menosprezar o efeito da adição de peso a bordo. Grande parte do problema vem da inexperiência do proprietário em solicitar um arranjo doméstico em uma estrutura que vai precisar navegar. O peso a mais compromete a navegabilidade e a velocidade do barco. Por outro lado, na ânsia de não perder o negócio, muitos construtores acabam por aceitar qualquer tipo de modificação. Barcos fora de série, únicos e exclusivos, os chamados one-off, acabam envolvendo mudanças na sua estrutura interna Tanques de combustível e água Aumento de potência implica mais consumo de combustível e maiores tanques. Em barcos acima de 60 pés, o local para a acomodação dos tanques é sempre limitado e isto inclui um novo projeto para redimensionar o volume dos tanques de modo a oferecer a autonomia desejada pelo cliente. Um megaiate de 55 metros Estudos e cálculos são necessários para alterar o layout original 52  PERFILNÁUTICO Ocean Paradise FB263 do estaleiro Benetti A italiana Benetti vai apresentar ao público do Monaco Yacht Show 2013, no final de setembro, a Ocean Paradise FB263, uma embarcação de 55 metros construída com alumínio e aço e rica em conteúdos inovadores, atendendo às solicitações do proprietário, um jovem empresário de Singapura. Muitos elementos de personalização e detalhes especiais foram incorporados no projeto a pedido do cliente, desde os móveis até o plano de iluminação, que recebeu um intenso estudo pela equipe de design. PERFILNÁUTICO  53
  25. 25. BARCOS PERSONALIZADOS Gigante brasileiro O estaleiro MCP Yachts é reconhecido em todo o mundo por seus grandes e exclusivos iates. O Europa 100, de 30,5 metros de comprimento, ganhou uma versão personalizada, chamada My Red Pearl, construída para um cliente russo. O piano de cauda em um dos salões chama a atenção, ainda mais destacado pelas luzes de estrelas de cristal Swarovski, que transformam a sala num ambiente único. Picchio Boat, desenhado por Christian Grande Além da imaginação Quem ama o mar tem o direito de sonhar. Alguns projetos são tão espetaculares que é difícil acreditar que existam de verdade, alguns deles realmente existem ou existirão um dia. Europa 100 My Red Pearl, da MCP Yachts O designer Christian Grande, por exemplo, apresentou no final de 2012 o projeto de um novo conceito. Batizado como Picchio Boat, incorpora o estilo de vida tranquilo e contemplativo. Christian Grande escolheu um catamarã de 21 metros para transformar um sonho em realidade. No salão central e na cabine principal uma bela surpresa: uma plataforma de vidro revela um observatório com vista para o mar entre os cascos. Ainda mais personalizada Fotos: André Nunes CAPA O modelo 75 é o top da nova linha do estaleiro Intermarine. Agora, além de escolher entre as opções de decoração personalizada e o layout do mobiliário do flybridge, o cliente pode também definir a distribuição de espaço do salão. No projeto original, a cozinha fica atrás do posto de comando, em frente à mesa de jantar. Nesse modelo customizado, a cozinha migrou para a sala de estar dos aposentos da tripulação, na popa do deque inferior. Assim, o já amplo salão ganhou em amplitude com direito a mais uma área de estar. Versão customizada da Intermarire 75 ganhou em espaço no salão Um trawler novinho O projeto de uma reforma total de um trawler de 70 pés, desde o casco até o interior inteiramente personalizado, é um exemplo do serviço de construção de embarcações customizadas do Estaleiro Kalmar. Em projetos como este, em que todo o interior foi remodelado, é necessária a contratação de um arquiteto para desenvolver as soluções de projeto e de decoração. O cliente pode escolher como quer o seu layout interno, o desenho e o acabamento da mobília, o tom da madeira, as cores preferenciais, os modelos de puxadores, o acabamento do piso, o sistema de iluminação e muitos outros detalhes. 54  PERFILNÁUTICO Trawler de 70 pés reformado pelo estaleiro Kalmar Tropical Island Paradise, do estúdio Yacht Island Design Um barco ou uma ilha privada? Essa O novo projeto do estúdio Strand é a dúvida que fica ao se deparar com Craft é duplo: um superiate, o o projeto Tropical Island Paradise, do SC 166, que vem acompanhado estúdio Yacht Island Design. Trata-se de um supercarro. Ambos foram de um iate de 295 pés projetado para desenhados por Eduard Gray. O dar a impressão de ondas quebrando feliz proprietário do SC 166 pode em torno de uma ilha vulcânica. personalizar tudo o que desejar. As A suíte dos proprietários está paredes, por exemplo, podem ser localizada dentro do vulcão, em dois cobertas por um couro Samurai pavimentos, permitindo uma visão especial à prova de bala. O Strand ampla de todo o barco. Segundo o Craft anunciou recentemente seu diretor do estúdio, Rob Mc Pherson, o estaleiro preferencial para estes mercado atual de iates está saturado dois projetos, o Ned Ship. com desenhos muito semelhantes. “Já não estamos limitados pelas restrições de uma forma de casco convencional”, comenta Rob. “Nós gostamos de basear nossos projetos em plataformas flutuantes inovadoras. O que nos liberta para explorar ideias arrojadas e ousadas, que desafiam as normas aceitas SC 166, do estúdio Strand Craft dentro da indústria de iates.” Agora é esperar para ver essas ideias fantásticas flutuando por aí. A imaginação não para. Viva a criatividade! PERFILNÁUTICO  55
  26. 26. Saiba como conservar melhor o motor do seu barco. Motor bem cuidado é sinônimo de melhor desempenho e MENOR consumo de combustível Por Marcelo Buda Um motor mais potente nem sempre é a única forma de melhorar o desempenho da embarcação. Antes de colocar a mão no bolso para comprar um motor novo, vale considerar algumas alternativas que saem mais em conta, e isso também tem tudo a ver com a manutenção. Primeiro verifique o posicionamento do motor, que dever estar de forma adequada para que o barco navegue com a proa erguida e com menor área de contato com a água. A medida deve ser exata para que o motor não levante demais e para que o hélice ventile direito. Preste atenção no hélice, que deve estar em bom estado. Se estiver danificado, em alguns casos pode ser reparado, mas em outros o melhor mesmo é optar pela troca. Ajustar o passo do hélice também é importante, inclusive para não danificar o motor. O eixo de propulsão deve os cuidados com a manutenção do motor são tão importantes quanto as condições do tempo no dia em que se vai navegar estar alinhado com o motor, para reduzir ao máximo a vibração. Outros itens, além do motor, podem comprometer o desempenho e o consumo da embarcação. Casco com cracas é um exemplo. Essas incrustações podem reduzir a velocidade em cerca de 20% do seu potencial. Carga desnecessária é outro exemplo. Quanto mais leve, mais veloz será o barco. Portanto, navegue somente com o essencial e concentre o peso no centro do barco. Isso vale também para os tanques, tanto de combustível como de água doce. Levando em consideração a reserva como medida de segurança, abasteça somente o necessário. Canal Náutico Canal Náutico manutenção de motores Desempenho X consumo Para a melhor navegação o motor precisa estar “redondo” Q uem tem barco sabe, ou deveria saber, que para se aproveitar sem preocupações os dias de lazer, os cuidados com a manutenção do motor são tão importantes quanto as condições do tempo no dia em que se vai navegar. Não adianta ter todo cuidado com a aparência do barco e descuidar de um dos itens fundamentais para evitar situações indesejadas. A revisão periódica do motor é essencial para evitar que o equipamento apresente algum problema ou defeito. 56  PERFILNÁUTICO Mas qual é esse período em que o motor deve ser revisado? Segundo especialistas, o motor deve ir para revisão pelo menos duas vezes por ano, independentemente do tempo que o barco navegou. A experiência nesse caso também faz a diferença. Ficar atento a barulhos estranhos e alterações no desempenho pode antecipar a solução de um problema que, às vezes pequeno, pode dar uma tremenda dor de cabeça se deixado para depois. Portanto, a qualquer suspeita de defeito, um mecânico de confiança deve ser consultado. Quando comparado a um motor de automóvel, o motor náutico é muito mais exigido. A estimativa é que trabalhe com quatro vezes mais esforço e, por isso, consuma em média quatro vezes mais do que um motor de carro. Essa relação pode variar bastante dependendo do tipo ou modelo da embarcação, bem como da motorização utilizada. Proteção do arranque e injeção e engraxamento do eixo do hélice PERFILNÁUTICO  57
  27. 27. Canal Náutico Canal Náutico Abastecimento e lubrificação. Acima, efeito da oxidação ocasionada pelo combustível Manutenção periódica evita dores de cabeça Óleo lubrificante e gasolina No Brasil ainda não há uma gasolina especial para barcos. O álcool é o grande vilão Em seguida vem a premium, depois a aditivada e, por último, a comum. Busque abastecer sempre em postos de confiança, descarte a gasolina que ficou no tanque por mais de dois meses e não misture gasolina nova com gasolina velha. motivo pelo qual a gasolina que sobra no tanque deve ser descartada após esse período. Popa ou centro-rabeta? São quatro os tipos de gasolina à venda no Brasil: podium, premium, aditivada e comum. Teoricamente a mais indicada para barcos é a podium – mais estável e com maior octanagem. De maneira geral, a única opção de motorização para barcos de até 26 pés são os motores de popa. São aqueles que ficam para fora do barco: versáteis, fáceis de serem colocados ou retirados e Outro cuidado que merece atenção especial é quanto ao óleo lubrificante que será utilizado no motor. Mesmo com os cuidados preventivos, a manutenção deve ser realizada para o melhor desempenho e durabilidade. Siga as recomendações do fabricante para evitar problemas mecânicos e perda da garantia. No Brasil ainda não há uma gasolina especial para barcos. O álcool é o grande vilão, já que, 58  PERFILNÁUTICO de acordo com determinação da Agência Nacional de Petróleo (ANP), 25% deste componente está presente na gasolina vendida no país. O álcool faz com que a gasolina absorva água e, mesmo com ajustes nos motores brasileiros adaptados para funcionar com essa mistura, a formação de umidade que acontece dentro do tanque é prejudicial. De acordo com as distribuidoras, a gasolina tem uma vida útil de 60 dias após o adicionamento de álcool, que é feito já na saída da refinaria. Depois disso a gasolina sofre um processo natural de oxidação, considerados de baixo consumo e menor custo de manutenção. Já os motores de centro-rabeta ficam escondidos na casa de máquinas, liberando espaço na plataforma de popa e dando mais estabilidade à embarcação. São mais silenciosos, mais caros, Na prática, a escolha do motor adequado está relacionada com a construção da embarcação mais pesados e necessitam de cuidados especiais de manutenção. Na prática, a escolha do motor adequado está relacionada com a construção da embarcação. Por isso os estaleiros sempre recomendam ao futuro proprietário a melhor motorização a ser utilizada. Formato do casco, comprimento, peso, calado e outros fatores vão interferir no consumo e desempenho dos motores, assim como o local onde se vai navegar e as atividades que serão realizadas com o barco. PERFILNÁUTICO  59
  28. 28. Canal Náutico O adoçamento do motor deve ser realizado por pessoas com experiência Adoçamento de motor Toda vez que o barco for retirado da água salgada, o motor deve ser lavado com água doce. O pessoal de serviço da marina deve ser especializado para realizar esse serviço. Você mesmo pode realizar essa tarefa, 60  PERFILNÁUTICO caso tenha experiência, mas lembre-se de que, se o motor não for adoçado corretamente, a oxidação vai criar um sal de alumínio, que posteriormente, em temperatura alta, vai se transformar em cristal de sal. Isso, na prática, quer dizer que o motor passará a não resfriar como deveria, interferindo na sua vida útil. Formato do casco, comprimento, peso, calado e outros fatores vão interferir no consumo e desempenho dos motores PERFILNÁUTICO  61
  29. 29. www.yamaha-nautica.com.br Alto desempenho, potência e segurança são alguns dos diferenciais do Jetboat 242 da Yamaha, que conta com dois motores de 177 HP, injeção eletrônica, propulsão com jato de água e hélice interno. A bordo, muito mais entretenimento e diversão com o sistema de som exclusivo, compatível com MP3, conexão para iPod e oito alto-falantes. Enquanto ouve suas músicas favoritas, navegue mais tranquilo com o controle de cruzeiro, que regula automaticamente a velocidade, e o computador de bordo do Yamaha Jetboat 242, sinônimo de tecnologia e confiabilidade. SOFISTICAÇÃO PARA poucos O estúdio De Basto Design, do português naturalizado brasileiro Luiz de Basto, vai lançar um projeto inovador junto ao estaleiro americano Hodgdon Yachts. O Onyx 41 é um novo conceito, bonito e elegante. De controles touch screen a monitoramento remoto, o projeto estabelece um novo padrão de aplicações de tecnologia em um Canal Náutico Canal Náutico SISTEMA DE SOM ESPECIAL iate desse porte. Sofisticação suficiente para impressionar, mas ainda há que se considerar o alto nível de luxo a bordo. O Onyx 41 está previsto para ser construído em quantidades limitadas, apenas para os mais exigentes dos proprietários. www.luizdebasto.com trilha sonora garantida Rádio, Toca-CD e entrada para MP3. A trilha sonora está garantida a bordo com o GME GR200, um aparelho compacto e resistente à água, especial para embarcações onde o espaço é limitado. A potência é de 80 watts, com todos os benefícios de recepção de rádio FM estéreo, SW, MW e LW recepção AM. Uma gama completa de acessórios GME, incluindo alto-falantes externos, capas de proteção e um amplificador de potência, também está disponível. LINHA ACQUA Indicado para embarcações de menor porte, o volante náutico Otto da linha Acqua tem estrutura de alumínio e é injetado em PU branco ou preto (como o da foto) com proteção contra raios UV e revestimento antimofo. Com 340 milímetros de diâmetro e aplique central de alumínio, são duas opções de injeção e quatro opções de revestimento. O volante náutico Otto possui design exclusivo da Lotse, com riqueza de detalhes atendendo aos mais altos níveis de exigência do mercado. www.gme.net.au 62  PERFILNÁUTICO HUNTER FISHING Um caiaque especialmente projetado para a pescaria com bastante espaço para todo o equipamento, inclusive com dois porta-varas embutidos. O design do casco foi cuidadosamente planejado para fazer do Hunter Fishing um caiaque muito estável, veloz e fácil de manobrar. O Hunter Fishing tem 3,15 metros de comprimento, 80 centímetros de largura e 36 centímetros de altura. Pesa 18 kg, leva uma pessoa e tem capacidade para 190 kg. Fabricado em polietileno de média densidade com proteção anti UV, é polido com textura antiderrapante e pode ser transportado em cima de qualquer veículo. www.bruddennautica.com.br www.lotse.com.br PERFILNÁUTICO  63
  30. 30. Canal Náutico ÁGUA NA TEMPERATURA CERTA Conhecida pela qualidade de seus guinchos náuticos, a Quick lança agora uma inovadora linha de boilers, de aço inoxidável com 1,5 mm de espessura e isolante térmico de poliuretano altamente resistente aos agentes corrosivos. Possui uma grande superfície de aquecimento no tanque, graças à sua serpentina, também de aço inoxidável, que proporciona um aquecimento muito mais rápido e eficiente, termostato para regulagem de temperatura e válvula de alívio de pressão. www.velamar.com.br INTERRUPTOR INTELIGENTE A alta tecnologia está cada vez mais em pauta quando se fala em decoração. E quem não quer um ambiente que una modernidade e sofisticação ao conforto? A On Eletrônicos lançou o One Touch, um interruptor digital com sistema touch screen e design clean. A instalação é fácil e descomplicada, pois tem um sistema de encaixe que não utiliza parafusos e segue o mesmo padrão de tamanho dos interruptores convencionais. Depois de instalado, basta um único toque para iluminar o ambiente ou apagar a luz. No escuro, o One Touch acende automaticamente um LED de baixa luminosidade que sinaliza sua localização na parede sem gerar incômodo. www.oneletronicos.com.br SEMPRE ÚTIL NO BARCO A nova linha de facas náuticas da Gill Marine é fabricada com aço inoxidável e protegida por uma camada de titânio resistente à umidade e ao sal. Os modelos da imagem vêm acompanhados de um suporte de proteção de plástico com mecanismo de segurança e cinto de couro. Um utensílio muito útil para eventuais consertos e ajustes no barco, fácil de transportar e sempre à mão. www.gillmarine.com 64  PERFILNÁUTICO
  31. 31. Canal Náutico VANGUARD ESTREIA NA BRANCO A Companhia Caetano Branco do Brasil, conhecida pela marca Branco, pertence desde o final de 2012 a Briggs & Stratton Corporation. Agora, acaba de lançar os primeiros produtos após a incorporação pela empresa norte-americana. Os motores Vanguard V-Twin prometem performance, potência e durabilidade acima da média. Segundo o fabricante, sua tecnologia garante a redução do aquecimento do motor, do acúmulo de resíduos, da vibração e do ruído, com modelos disponíveis em 2335 HP de potência bruta (eixo RESPEITO AO MEIO AMBIENTE Os motores Volvo Penta também são referência em respeito ao meio ambiente. Os modelos D3-200/ DPS, D4-300/DPH, D6-400/DPH e D13-800 são fabricados com tecnologia exclusiva da marca para barcos de diferentes portes de 23 a 110 pés e têm como principais características um desempenho esportivo com grande economia de combustível e baixo nível de ruído e de vibrações. O D6-400 DPH, por exemplo, é o motor a diesel mais potente do mundo neste segmento. Com 400 HP e 970 Nm de torque, é totalmente eletrônico, o que permite explorar ao máximo toda a tecnologia do equipamento e da embarcação. www.volvopenta.com 66  PERFILNÁUTICO horizontal) – na foto vemos um Vanguard 35 HP instalado em um barco de pesca e caça. Esses barcos são chamados de Jon Boats, muito populares no sul dos Estados Unidos pela sua capacidade de atravessar pântanos e lamas sem atolar. www.branco.com.br SINALIZAÇÃO COM BAIXO CONSUMO O desenvolvimento da Optolamp para luzes de navegação foi baseado na experiência de longas horas no mar, onde a vida a bordo exige baixo consumo de energia e uma sinalização segura nas condições meteorológicas mais adversas. A luz tricolor de navegação NAV XXI Plus é capaz de manter a iluminação mesmo com o banco de baterias descarregado (abaixo de 10 v) garantindo assim maior segurança. Os circuitos eletrônicos são projetados para que as luzes de LED não produzam interferências em outros aparelhos eletrônicos. www.optolamp.com.br
  32. 32. Canal Náutico OMEGA HOMENAGEIA AMERICA´S CUP Uma edição limitada do Seamaster Diver ETZN foi criada pela Omega em homenagem ao time da Emirates Nova Zelândia e seu embaixador, o capitão Dean Barker, numa conexão da marca com o mar e com a 34ª edição da America´s Cup. O relógio foi apresentado na base da equipe, na baía de São Francisco, nos Estados Unidos. A Omega tem uma grande conexão com o mar, por ser a única empresa que recebeu o certificado de cronômetro marítimo, além da histórica relação com o velejador Peter Blake, com a britânica Elenn MacArthur – única mulher a dar a volta ao mundo em um barco solo —, e com o ecologista e fotógrafo francês Yan Arthus Bertrand. www.omegawatches.com RELÓGIO COM TECNOLOGIA GPS Concebido para marinheiros, o Quatix é um relógio náutico da Garmin de alta precisão com tecnologia GPS, que inclui funcionalidades de navegação estratégica, incluindo cronômetro de corrida em contagem decrescente, linha de partida virtual e assistente de rumo. Também está equipado com barômetro, altímetro de calibração automática, uma bússola de três eixos e sensor de temperatura. Além disso, partilha dados através de tecnologia sem fios com outras aplicações Garmin compatíveis. VOLTA AO MUNDO EM TEMPO REAL www.inmarsat.com www.garmin.com.br Pela quarta vez consecutiva a Inmarsat será parceira oficial da Volvo Ocean Race, agora na corrida 2014-15. A empresa fornecerá equipamentos para os repórteres a bordo durante as regatas, com tecnologia para enviar em tempo real áudios e vídeos. A Inmarsat irá fornecer os serviços de rede e de satélite como o FleetBroadband 500 (FB500), que oferece uma conexão de até 432 kbps para aplicações como e-mail, acesso à internet, cartas eletrônicas em tempo real e relatórios de condições climáticas. O sistema também possui streaming de IP com taxas de até 256 kbps disponíveis sob demanda de conexão garantidos para publicações ao vivo, como streaming de vídeo de alta qualidade. 68  PERFILNÁUTICO
  33. 33. selecionando RESINAS DE INFUSÃO Por Jorge Nasseh U m dos meus maiores clientes tem me ensinado que a propriedade mecânica mais importante em uma resina, ou qualquer outro material composto, é o preço. A regra é simples e clara: “O menor preço vem sempre em primeiro lugar.” Entendo, mas parte disto não é verdade. O objetivo não deve ser o menor preço, e sim o menor custo. Um destes clientes cismou com a resina de infusão. Na sua ótica, tem que ser barata e “andar” rápido dentro do laminado. Apesar de tentar convencê-lo de que existem outros requisitos e de que “andar” rápido pode até ser prejudicial para a construção do barco, ele não me escuta. 70  PERFILNÁUTICO Na verdade ele escuta, mas finge que não. Voltando alguns anos, minha primeira tentativa de infusão foi feita quando não havia resinas específicas disponíveis para este processo O OBJETIVO NÃO DEVE SER O MENOR PREÇO, E SIM O MENOR CUSTO de construção. A resina poliéster era fabricada exclusivamente para laminação manual. Quem se aventurava no processo de infusão usava epóxi, pois não existia, ainda, tecnologia suficiente para usar uma resina que tivesse um geltime abaixo de 45 minutos e que liberava 150° C de temperatura. As resinas epóxi curavam em algumas horas e todo mundo achava que era melhor ter um tempo de trabalho maior para ter certeza que o laminado iria ser preenchido. Em um belo dia cheguei à fábrica e disse a um dos nossos engenheiros europeus que iríamos usar poliéster na infusão. Ele não acreditou, até me ver colocando uns 10 litros de monômero de estireno dentro do tambor da resina. Conseguimos infundir o casco, mas isto não era tudo. Eu sabia, e ele não, que o teste era somente para verificarmos a possibilidade de realizar uma infusão, planejada para três horas em resina epóxi, e feita em 30 minutos com resina poliéster. Pagamos um preço caro pelo teste. Depois que desmoldamos a peça, notamos que vários pontos do laminado estavam ligeiramente brancos, que o teor de fibras estava acima do planejado, que o laminado tinha ficado flexível, a resistência estava baixa e havia marcas das fibras pelo lado externo. Praticamente o laminado não passaria nos testes de resistência. De alguma forma a primeira infusão serviu para aprender com os erros. de qualquer tambor de resina poliéster de laminação tem quase metade de monômero de estireno. A outra metade que sobrou é o tal poliéster. Quanto mais monômero, menor a viscosidade e mais rápido, teoricamente, a resina vai “andar” dentro do laminado. Resinas de baixa viscosidade, com baixo teor de sólidos, que “andam” rápido demais, acabam passando superficialmente pelos filamentos de fibra e acabam deixando-as secas, resultando em baixa resistência à compressão. Então como fabricar uma resina de infusão, que tenha todas as propriedades mecânicas perfeitamente equilibradas e ainda seja economicamente viável? O segredo está em fazer a pré-reação de um poliéster, de boa qualidade, com o monômero de estireno dentro de um reator e não simplesmente pegar uma resina de laminação e diluir em um tanque de mistura. Não resta dúvida que o estireno é bem menos “nobre” do que o poliéster e que diluir com um misturador é muito mais barato do que usar um reator para produzir uma matriz capaz de fabricar por infusão um laminado náutico com um perfeito equilíbrio entre as propriedades físico-químicas. Sendo assim, o barato não sairá caro para ninguém. resinas de baixa viscosidade acabam passando superficialmente pelos filamentos de fibra Talvez eu esteja certo em dizer que a primeira qualidade de uma resina de infusão, aos olhos de um leigo, seja fluir rápido dentro do laminado. Em parte é verdade. E se qualquer um diluir a resina com mais monômero vai conseguir o mesmo efeito. Existe, porém, o outro lado da moeda, a maioria das pessoas sabe ou desconfia que dentro PERFILNÁUTICO  71 Construtor Canal do Construtor Canal do Construtor Canal do Construtor Se você fizer um teste e concluir que o teor de fibras está alto demais, então não é porque você fez bem feito, mas sim porque as fibras não estão impregnadas. O laminado um dia vai quebrar.
  34. 34. ZAFFIRO 36 www.cruisermarine.com.br Índice Nossa seleção da seção Perfil desta edição está caprichada. São quatro barcos de encher os olhos e um estaleiro que é sinônimo de qualidade de produção. A Cruiser Marine traz para o Brasil a produção da Zaffiro 36, um dos barcos mais vendidos no mundo pela italiana Cranchi. A Zonda 42 é uma lancha inovadora. Seu projeto foi criado por amantes da vela e desenvolvido por mãos experientes. A Prestige 450 apresenta como grande diferencial uma bela suíte máster na meia-nau, e seu design tornou-se referência para a linha da marca. E a Ferretti 960 é uma verdadeira mansão flutuante. Impressiona pela sua imponência e por suas linhas externas arrojadas e inovadoras. Para finalizar, traçamos o perfil do estaleiro americano Brunswick. Com fábrica em Joinville desde 2012, caminha a passos largos no Brasil e reserva grandes novidades para 2014. 73 Zaffiro 36 81 Zonda 42 89 Prestige 450 97 Ferretti 960 105 72  PERFILNÁUTICO A embarcação do estaleiro italiano Cranchi mais vendida no mundo, agora também no Brasil Um barco design com tecnologia avançada e toda a navegabilidade dos melhores veleiros A mais nova criação do estaleiro francês Jeanneau foi apresentada para os fãs brasileiros O maior modelo do estaleiro, produzido em Cattolica, na Itália, foi lançado mundialmente em junho Brunswick O estaleiro americano, instalado em Joinville desde novembro de 2012, fabrica modelos da marca Bayliner e Sea Ray A Zaffiro 36 brasileira é fabricada em Manaus A ITÁLIA DENTRO DO BRASIL Está sendo produzida no Brasil a Zaffiro 36, um dos barcos mais vendidos pela italiana Cranchi. A produção é assinada pela Cruiser Marine Por Amanda Kasecker PERFILNÁUTICO  73
  35. 35. ZAFFIRO 36 A embarcação do estaleiro italiano Cantiere Nautico Cranchi mais vendida no mundo agora também pode ser encontrada no Brasil. E sem as altas taxas de importação. A Zaffiro 36 está sendo produzida no Brasil pela Cruiser Marine sob licença da fábrica italiana. Primeiro estaleiro no mundo a ter a autorização para produzir um barco da Cranchi, a Cruiser Marine 74  PERFILNÁUTICO vem fazendo isso desde 2010 e, além da Zaffio 36, atualmente produz outra embarcação italiana: a Smeraldo 40. Seguindo o mesmo conceito de construção e acabamento impecável do estaleiro Cranchi, a Zaffiro 36 brasileira é fabricada em Manaus de acordo com os padrões de fabricação do estaleiro italiano, em uma linha de produção idêntica. Todas as peças, sem exceção, vêm da fábrica na Itália. Com excelente aproveitamento, a Zaffiro 36 destaca-se pela área externa muito bem planejada. Apesar de o barco ter sido lançado na Itália em 1998, no Brasil ele ainda é novidade, com produção iniciada em 2012. “A Zaffiro 36 veio sofrendo atualizações constantes com o passar dos anos”, conta o gerente comercial da Cruiser, Renato Babeto, para explicar a contemporaneidade da embarcação. Até o momento, já foram produzidas e entregues 16 unidades brasileiras. “O público-alvo são clientes que apreciam um acabamento diferenciado, uma construção robusta, alta tecnologia, amplo aproveitamento de espaço, uma navegação excelente”, conta Babeto. “Ou seja, clientes exigentes que conhecem muito bem o produto e sabem o que estão comprando.” PERFILNÁUTICO  75
  36. 36. ZAFFIRO 36 um acabamento diferenciado, uma construção robusta, alta tecnologia e amplo aproveitamento de espaço Área externa ampla e bem planejada Toque de brasilidade A Zaffiro 36 consegue ter um bom aproveitamento interno e externo ao mesmo tempo. Na distribuição interna encontramos duas cabines fechadas com portas, sendo uma na proa com cama de casal e outra com duas camas de solteiro que podem ser transformadas em cama de casal na meia-nau. Além disso, o barco ainda conta com uma sala com sofá – que pode se transformar em cama e aumentar a capacidade do pernoite – e uma cozinha totalmente equipada com fogão cerâmico de duas bocas, geladeira, tampo da pia de Corian, uma pia com 76  PERFILNÁUTICO misturador de água quente e fria. O banheiro também é considerado bem completo. Na área externa, o cockpit possui uma distribuição bem planejada e ampla – um dos fatores que ajudou a conquistar o brasileiro. São dois ambientes integrados: o barco ganhou um espaço gourmet na popa, hoje isto é um item que caiu no gosto do brasileiro PERFILNÁUTICO  77
  37. 37. ZAFFIRO 36 o primeiro contendo o posto de pilotagem e um sofá em L que acomoda até quatro pessoas. Já o segundo ambiente conta com um sofá em U a bombordo (que pode ser convertido em solário) e um móvel a boreste equipado com uma pia com cuba e torneira, geladeira, iglu e lixeira. Na plataforma de popa não poderia faltar o famoso espaço gourmet com churrasqueira, marca registrada das embarcações destinadas aos brasileiros. Segundo Renato, essa foi uma caracterização que a produção brasileira da Zaffiro 36 ganhou. “A plataforma de popa teve um aumento de 60 centímetros em seu comprimento, que dizemos que foi uma tropicalização, e o barco ganhou um espaço gourmet na popa, pois hoje isto é um item que caiu no gosto do brasileiro e se torna primordial na hora da venda.” Em relação ao desempenho, a Zaffiro 36 vem motorizada com dois Volvo Penta D4 EVC/DP-H (2x260 HP – diesel) o que deixa a casa de máquinas com um ótimo espaço para manutenção. Com esta motorização ela atinge uma velocidade de cruzeiro de 32 nós e chega à velocidade máxima de 37 nós. Navegando em velocidade de cruzeiro, a autonomia é de aproximadamente dez horas. “Os escolhidos” Com fábrica situada no polo industrial de Manaus em uma área de 18 mil metros quadrados e planta industrial de 7 mil metros quadrados, a Cruiser Marine é a única empresa fora da Itália que tem a licença para fabricar as embarcações do Cantiere Nautico Cranchi, um estaleiro que tem mais de 138 anos de tradição. Veja mais detalhes de como aconteceu esse processo e o que a Cruiser prevê para os próximos meses na entrevista com o gerente comercial, Renato Babeto. Como se deu essa parceria da Cruiser com a Cranchi? A Cruiser Marine foi fundada exclusivamente para fabricar os barcos da Cranchi no Brasil no ano de 2010. Em janeiro de 2011 a primeira embarcação Cranchi produzida fora da Itália foi entregue a seu proprietário. Até hoje já foram entregues mais de 50 embarcações em território nacional, contando os dois modelos, Zaffiro 36 e Smeraldo 40. Como a Cranchi entrava no Brasil antes da fábrica montada pela Cruiser? A Cranchi tem sua representação no Brasil desde 1995 e quem é a representante da marca para produtos importados até hoje é a International Boats. Todos os modelos da Cranchi fabricados pela Cruiser Marine podem ser importados pela International Boats. Os modelos que a Cranchi produz na Itália vão de 24 a 66 pés. O primeiro modelo a ser fabricado no Brasil foi a Smeraldo 40, depois veio a Zaffiro 36 e hoje está em fase de construção o modelo Endurance 32 – um novo modelo de 32 pés que está na fase final de produção e logo estará navegando pelas águas brasileiras. Renato Babeto Como foi ser escolhido o primeiro local em que os barcos Cranchi seriam produzidos fora da Itália? Não posso dizer que fomos escolhidos, mas que fomos persistentes. Levamos o projeto da Cruiser Marine em 2003 e somente após muita negociação tivemos a autorização de produzir as embarcações no Brasil. O acordo foi feito com base nos padrões italianos, desde a planta da fábrica, com o desenho da linha de montagem e o material para fabricação dos barcos fornecido por eles. O acompanhamento da fabricação e a vistoria dos barcos são feitos pelo senhor Guido Cranchi, antes da saída da fábrica e da entrega ao proprietário. Como o mercado brasileiro reagiu a essas embarcações? A marca no Brasil já era bem conhecida por seu primoroso acabamento, mas com os altíssimos valores dos nossos impostos tornava-se um produto com preço de mercado acima da concorrência nacional. Com a fabricação no Brasil o valor dos nossos produtos tornaram-se competitivos e hoje os clientes podem comprar um produto “importado” com preço de um produto nacional. O mercado reagiu muito bem e as vendas cresceram muito. Ambientes aconchegantes e muito bem distribuídos 78  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  79
  38. 38. ZONDA 42 ZAFFIRO 36 www.zondaboats.com.br Velocidade de cruzeiro de 32 nós e máxima de 37 nós SERVIÇO Cruiser Marine Indústria Náutica SITE: www.cruisermarine.com.br TELEFONE: (11) 5574 7771 Perfil ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Para quem gosta de velocidade e desempenho COMPRIMENTO TOTAL: 11,89m LARGURA MÁXIMA: 3,55 m COMPRIMENTO TOTAL: 11,89 m BOCA: 3,49 m BOCA: 3,49 m ALTURA DA LINHA D’ÁGUA: 3,40 m CALADO COM HÉLICE: 0,87 m PESO COM MOTORES: 6.250 kg CAPACIDADE DE PESSOAS: 12 CAPACIDADE DE CARGA: 1.140 kg Planta Externa LANCHA E VELEIRO MISTURAM-SE CAMAS: 4 A Zonda 42 é um projeto inovador, criado por amantes da vela e desenvolvido por quem tem grande experiência nos processos de produção PROJETO DO CASCO: Aldo Cranchi Por Rafaella Malucelli TANQUE DE COMBUSTÍVEL: 570 L TANQUE DE ÁGUA: 190 L Planta Interna PROJETO: Centro Studi Ricerche Cranchi MOTORIZAÇÃO: Diesel - Volvo Penta 2xD4 EVC / DP-H (2x260HP) 80  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  81
  39. 39. ZONDA 42 U m barco design com tecnologia avançada e toda a navegabilidade do melhores veleiros. Essa é a Zonda 42, a lancha idealizada a várias mãos, inclusive especialistas em vela, e que se tornou objeto de desejo para quem gosta de velocidade e desempenho. Uma popa que remete ao mundo dos veleiros de regata e uma proa muito agressiva e invertida PERFILNÁUTICO  83
  40. 40. ZONDA 42 O estaleiro Zonda Boats é o criador do veleiro HPE 25 – com tecnologia de ponta para competições. Dali, junto com o projeto elaborado pelo designer Javier Soto Acebal para a classe de vela Soto 40 e com a visão do maior vencedor da semana de vela de Ilhabela, o ex-velejador olímpico Eduardo Souza Ramos, nasceu a Zonda 42, um barco único. O modelo segue as mais modernas tendências europeias e foi inspirado nos O estaleiro Zonda Boats é o criador do veleiro de competições HPE 25 italianos da marca Wally. “A primeira vez que eu vi um Wally do estaleiro italiano, era bem maior, tinha uns 70 pés. Fiquei curioso pelas características, proa vertical quase invertida”, relembra Eduardo Souza Ramos. “Em Ilhabela, falando com o Javier Soto, surgiu a conversa sobre o Wally, porque ele já desenhou veleiros para o estaleiro.” Segundo Javier Soto Acebal, o modelo segue o mesmo conceito do modelo Tender da conceituada marca italiana. “Partimos do pensamento de que a lancha seria para um iatista, então todos os primeiros sketches à mão eram com proas, popas, arrufos (sheerlines) de veleiros”, explica Javier Soto. “Decidimos por uma popa que remete ao mundo dos veleiros de regata e uma proa muito agressiva e invertida (muito original naquele momento). O sheerline é invertido e similar ao HPE 25, outro projeto em que trabalhamos com o Eduardo.” A experiência de Javier com lanchas desse tipo, porém, teve um toque real. Quando Eduardo questionou o projetista sobre o barco e pediu que ele construísse um modelo para ele, porém menor, Javier contou que havia construído um parecido como barco suporte para o rei da Espanha. “O Luiz Rosenfeld (hoje sócio da Zonda Boats), depois 14 anos trabalhando junto comigo na Mitsubishi Motors no Brasil, iniciou o projeto de produção do HPE 25”, conta Eduardo Souza Ramos. O modelo segue as mais modernas tendências europeias e foi inspirado nos italianos da marca Wally A lancha é o maior projeto da Zonda Boats 84  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  85
  41. 41. ZONDA 42 “Sugeri a ele arriscar na produção da lancha. Eu financiei o projeto e foi feito. Fiquei cinco anos com o barco. Amei! Supereconômico, supermarinheiro. De todas as lanchas que eu tive foi a única que fiz tanto e me deu zero de problema. Além disso sempre achei o barco lindo, adoro as proas retas e a característica é que ele furava a onda, sem pular, saía do zero e era uma surpresa, não levantava a proa e já decolava.” A Zonda 42 caracteriza-se pela alta performance e pelo design. “Deve ser um objeto de desejo, tem uma estética atraente, deve dar prazer ao dono de observá-la, por possuir desenho contemporâneo e de vanguarda”, empolga-se seu criador, que reforça: “Ele possui uma altíssima performance na água, em todas condições. Vai de 0 a 20 nós em nove segundos, chega ao máximo de 42 nós de velocidade.” O público da Zonda 42 está atento a qualidade, acabamento, sustentabilidade, design e requinte Para Raquel Ramos, sócia da Zonda Boats, a lancha é destinada para um público exigente e já com experiência anterior no setor náutico. “Costumamos dizer que a Zonda 42 é um projeto que foi esculpido. O público da Zonda 42 está atento a qualidade, acabamento, sustentabilidade, design e requinte. Lembrando que esta lancha prioriza a área externa que é onde os convidados passam a maior parte do tempo, além da navegabilidade que é confortável e segura. O estaleiro Zonda Boats não é uma operação de volume, nosso objetivo é desenvolver qualidade de produto e atendimento.” Todo esse foco em design e desempenho vem da influência de Luiz com montadoras de carros importados. “O Luiz Rosenfeld era diretor técnico da Mitsubishi onde os veleiros HPE 25 eram construídos”, conta Raquel. “Ele se desligou da montadora para coordenar os projetos Zonda 42 e HPE 25 em parceria com Eduardo e para isto fundou a Zonda Boats em Indaiatuba.” Atualmente a Zonda Boats produz o HPE 25 (veleiro), o Zonda 32 (inflável) e a Zonda 42 (lancha). Para um público exigente 86  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  87
  42. 42. PRESTIGE 450 ZONDA 42 www.yachtcentergroup.com Altíssima performance na água, em todas condições. Vai de 0 a 20 nós em nove segundos, chega ao máximo de 42 nós de velocidade A lancha é o maior projeto da Zonda Boats e tecnologia e design são pontos de muito destaque na Zonda 42. Certamente a filosofia e a influência forte que Luiz traz da montadora contribuem para qualidade do produto final. “A Zonda Boats trabalha com controle de processo e construção seguindo a mesma lógica da montadora”, conta Raquel Ramos. “O diferencial é que nossos produtos são elaborados com muita qualidade, o processo de construção é por infusão, assim temos produtos com mais durabilidade e mais leves, quando comparados com outros tipos de construção.” SERVIÇO SITE: www.zondaboats.com.br TELEFONE: (19) 3935 5506 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS COMPRIMENTO: 12,80 m BOCA: 3,37 m PESO COM MOTOR: 4.500 kg MOTORIZAÇÃO: 2x - YANMAR, 6 cilindros 4.1 litros turbo / intercooler com 315 HP VELOCIDADE MÁXIMA: 42 nós DE 0 A 20 NÓS: em 9 segundos COMPRIMENTO TOTAL: 12,80 m BOCA: 3,37 m O iate tem 14 metros de comprimento total Planta Externa Vista frontal Perfil Externo Corte Vista Lateral Triunfo francês Além da excelente navegabilidade, SEU design É inovador. Entre muitos diferenciais, apresenta uma bela suíte máster na meia-nau, para deleite do proprietário Por Leo Suzuki 88  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  89
  43. 43. PRESTIGE 450 O País Tropical foi um dos escolhidos para o lançamento da Prestige 450, de 45 pés – a mais nova criação do estaleiro francês Jeanneau, representado nacionalmente pelo Yacht Center Group (YCG). O iate, de 14 metros de comprimento total, foi apresentado em abril deste ano durante o Rio Boat Show. Além da excelente navegabilidade, tratada com prioridade máxima pelo estaleiro e comprovada em test drive aqui no Brasil, a inovação do design está na suíte máster, localizada na meia-nau – quando tradicionalmente fica na proa –, com entrada privativa e independente. O novo estilo trouxe triunfo para o Jeanneau e tornou-se tendência para os modelos futuros da linha Prestige. De acordo com Maurício Barreto, sócio-proprietário do YCG, o modelo 450 é elegante como um iate italiano, tem a destreza de um marinheiro francês e é mais vibrante do que qualquer outro barco em sua categoria. Ao investir em inovações sutis para melhorar a vida a bordo, a Prestige tornou as características técnicas menos visíveis Do projeto à construção, muitos foram os profissionais envolvidos: engenheiros franceses, designers navais italianos, fabricantes de motores norte-americanos e suecos e um arquiteto naval norte-americano. “Durante a idealização do Prestige 450, com intuito de melhorar o desempenho e a qualidade, novas ferramentas do mundo dos automóveis foram integradas às linhas de produção”, revela Barreto. O software de design Cao Catia®, desenvolvido pela francesa Dassault Systèmes, foi exemplo. O programa permitiu que a equipe de design examinasse e ajustasse toda a cadeia de produção com todos os elementos que compõem o iate a motor, desde uma peça grande até o menor parafuso. Tudo em tecnologia 3D. 90  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  91
  44. 44. PRESTIGE 450 Cabine vip e salão com cozinha central Na fábrica, o foco é claro: profissionais trabalham concentrados na qualidade, pois quem desempenha tarefas repetitivas são as máquinas controladas digitalmente, robôs que envernizam e outras tecnologias. “Ao investir em inovações sutis para melhorar a vida a bordo, a Prestige tornou as características técnicas menos visíveis, ao mesmo tempo em que oferece aos proprietários o mesmo 92  PERFILNÁUTICO Mesa e sofá do salão e suíte máster com entrada privativa conforto e facilidade de vida a bordo”, explica Barreto. “O Prestige 450 é ideal para quem procura agilidade, boa navegação, conforto e acabamento.” No layout do 450, duas grandes cabines, de tamanhos idênticos, e dois grandes banheiros, separados. A suíte máster do proprietário possui entrada privativa. No interior, televisor, mesa e armários com grande espaço para armazenamento, além de vista para o mar. A cabine vip, na proa, tem cama king size conversível em duas camas de solteiro e guarda-roupa duplo com gavetas individuais sob a cama. Na área social, salão com mesa que pode ser convertida em cama de casal e cozinha central equipada com fogão, geladeira e armários. O casco do 450 foi projetado para sistemas de propulsão POD, aumentando a eficiência do combustível em até 20%. Além disso, fornece fácil manobrabilidade, redistribui o peso a bordo e reduz ruídos e vibrações. Sua estrutura foi concebida para os motores Volvo D6 IPS 500 e 600 ou Cummins, considerados os melhores fabricantes do mundo na atualidade. PERFILNÁUTICO  93

×