PerfilNautico42

2,113 views

Published on

Revista Perfil Náutico edição 42

Published in: Automotive
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,113
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
164
Actions
Shares
0
Downloads
29
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PerfilNautico42

  1. 1. MUNDO NÁUTICO: SALÃO DE GÊNOVA, TRAMPOLIM INTERNACIONAL 97 71980 979037 ISSN 1980-9794 00042 R$ 15,90 - Ano 08 - n° 42 - 2013 - www.perfilnautico.com.br IR PARA O MAR VELA E MOTOR PERFIL SESSA MARINE/ intech boating Diferentes propostas para mesmo propósito e mais, NA SEÇÃO PERFIL, NOVIDADES E LANÇAMENTOS: Sea-Doo FS 230 Phoenix Limited Intermarine 75
  2. 2. O Nordeste Motor Show 2014 é o maior evento do setor na Região, e reúne a Emoção e a Velocidade de O MAIOR SALÃO DE VEÍCULOS DO NORDESTE. 2 RODAS, 4 RODAS E NÁUTICO EMOÇÃO E VELOCIDADE EM UM SÓ LUGAR. em um só lugar! A melhor oportunidade de interagir com seu consumidor final e público trade. 10 13 DE� �A� �DE� ABRIL�DE�2014 CENTRO�DE� CONVENÇÕES�DE� PERNAMBUCO� OLINDA-PE� MA DE LATAFOR MELHOR P ÃO DE E EXPOSIÇ NEGÓCIOS MARCA FÍCIO O X BENE HOR CUST NTATO MEL O POR CO NOR CUST ME IMPACTOS HÕES DE DE 10 MIL + EM 2013 GERADOS ES XPOSITOR E 90,3% DE 2013 OS EM SATISFEIT 2RODAS4RODASENÁUTICO ACESSE: WWW.NORDESTEMOTORSHOW.COM.BR FACEBOOK.COM/NORDESTEMOTORSHOW RESERVE JÁ O SEU ESPAÇO Apoio de Mídia Apoios Organização e Promoção Recife / PE | Telefone: ( 81 ) 2122-8182 / ( 81 ) 9488-1848 diego.montenegro@reedalcantara.com.br São Paulo / SP | Telefone: ( 11 ) 3060-5025 nordestemotorshow@reedalcantara.com.br
  3. 3. Editorial Emoção à flor da pele É CONSELHO DIRETOR Aldo Alfredo Malucelli aldo@grupocanal.com.br Carlos Alberto Gomes carlos@grupocanal.com.br José “Juca“ Kolling jose.juca@grupocanal.com.br Luiz Alfredo Malucelli luiz@grupocanal.com.br ViVa seu sonho DEPTO. DE JORNALISMO EDITOR E JORNALISTA RESPONSÁVEL Marcelo Fabiani (Buda) marcelo.buda@grupocanal.com.br formidável voltar no tempo e lembrar como tudo começou, da trajetória percorrida, momentos de pura felicidade. Mas, despedidas não são alegres. São como arremates de uma história, o ponto final de um capítulo. As amarras estão soltas, as velas içadas, o vento a favor. Como recusar convites para novas e inéditas aventuras? Assim me despeço de você, leitor, para navegar por outros mares. Depois de 30 edições na função de editor, a Perfil Náutico número 42 é a minha última cumprindo esse papel. Por isso, antes de comentar sobre os temas abordados nessa edição, quero agradecer a todos, sem exceção, que participaram comigo desse projeto. Com o coração apertado, vamos ao conteúdo da Perfil Náutico n° 42. A reportagem de capa une duas paixões em um mesmo tema: barcos EDIÇÃO DE ARTE E DIAGRAMAÇÃO REVISÃO DRT-PR / 6633 Grupo CANAL (Leonardo Malucelli) João Batista Ribeiro COLABORAM NESSA EDIÇÃO Aline Bassi, Alisson Diniz, Amanda Kasecker, Carolina Schrappe, Christina Amorim, Felipe Caire, Guilherme Aquino, Jorge Nasseh, Kadu Pinheiro, Leo Suzuki, Luiz Alfredo Malucelli, Philip Conolly, Rafaella Malucelli. IMPRESSÃO E ACABAMENTO Gráfica Monalisa DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA FC Comercial Distribuidora Ltda. CENTRAL DE PUBLICIDADE COMERCIAL comercial@grupocanal.com.br (41) 3331 8300 JOSÉ “JUCA” KOLLING jose.juca@grupocanal.com.br a vela e barcos a motor. Não pretendemos fazer comparações entre as duas categorias, diferentes sim, mas sempre com o mesmo propósito: ir para o mar. Destacamos características para que você possa analisar qual é o seu perfil e qual modelo se enquadra melhor em suas necessidades e desejos. O mundo náutico abre um leque de horizontes. Sete velejadores, Cruiser 36 sete amigos, trazem-nos as experiências vividas em um charter pela Polinésia Francesa, nosso correspondente na Europa revela as novidades direto de Gênova, nossos mergulhadores voltaram de Cuba contando histórias incríveis, e nossos turistas de aventura contam o que há de bom Originalidade, conforto na navegação e em Cancún. Já no Brasil, fomos conhecer um hotel marina em Fortaleza, deles, verdadeiras obras de arte que continuarão a fazer parte do meu imaginário. Fomos para Orlando, conhecer a nova linha Spark de motos de lanchas — seis no total. A Intermarine apresenta suas opções de personalização do modelo 75 e a Sessa Marine Brasil, agora oficialmente incorporada a Intech Boating, revela seus planos no país. Viajar, mergulhar, velejar, navegar... Cada experiência dessas é capaz de nos levar bem pertinho do paraíso. O bom da vida é viver, seguir em frente, e se emocionar. características da Sessa C36, que traz em seu layout um inteligente conceito modular, onde através da utilização de uma parede aquáticas da Sea-Doo. O estaleiro FS Yachts ganha destaque com seus modelos 230 e 305. O estaleiro Phoenix apresenta a sua nova linha alto desempenho, essas são algumas das Revista Perfil Náutico Rádio Mix Curitiba - 91,3 MHz 91 Rock Web www.91rock.com.br Artigos assinados não representam necessariamente a opinião da revista. As imagens sem créditos foram fornecidas para divulgação. flexível, é possível dividir a sala criando uma cabine suplementar. Revista Perfil Náutico, ano 8, no 42, é uma publicação da Editoral CANAL/mid, divisão de mídia do Grupo CANAL. Todos os direitos reservados. FALE COM A GENTE redacao@perfilnautico.com.br Bons ventos, boa leitura Marcelo Buda CANAL TÉCNICO Envie sua pergunta para canaltecnico@perfilnautico.com.br ASSINATURA assinatura@perfilnautico.com.br PERFIL NÁUTICO NA INTERNET www.perfilnautico.com.br www.sessamarine.com.br reGatta Yachts: bahia | minas Gerais | sÃo PauLo | rio De Janeiro – www.regattayachts.com.br – (11) 5538 3434 sc Yachts: ParanÁ | santa catarina | rio GranDe Do suL – www.scyachts.com.br – (48) 3222 0052 – (51) 8122 4369 ViLLa nÁutica: brasíLia | GoiÁs – www.villanautica.com.br – (61) 3223 0201 – (62) 3225 8576 c borGes boats: manaus – www.cborges.com.br – (92) 8112 6026 | Direct Jet nÁutica: ParÁ – www.directjet.com.br – (91) 3249 2916 Linha Yacht C68 - C54 - FLY54 - FLY47 - FLY42 - C44 | Linha cruiser C40 - C36 | Linha KeY LarGo KL36 - KL28 Sole - KL27 8  PERFILNÁUTICO iPad Baixe nosso aplicativo E os barcos? Ah, os barcos... A Perfil Náutico jamais se esquecerá Rua Jorge Cury Brahim, 712, Pilarzinho, 82.110-040, Curitiba - PR. Fone (41) 3331 8300 Fax (41) 3331 8305 facebook.com/SessaBrasil um lugar perfeito para você e para seu barco.
  4. 4. Índice CANAL 12 56 58 120 LEITOR construtor náutico pesca esportiva MUNDO NÁUTICO 22 Velejando pela Polinésia Francesa Sete velejadores, sete amigos CAPA 40 Vela e motor Diferentes propostas para mesmo propósito PERFIL 30 Salão de Gênova Desfile de mil embarcações, com uma centena de novidades NESTA EDIÇÃO 14 NEWS Novidades do segmento náutico 66 Sea-Doo 76 FS Yachts 84 Phoenix Boats 94 Intermarine 75 104 Sessa Marine Brasil 112 Hotel Marina Nova linha Spark, leve e colorida Processo artesanal alia design e potência em alto-mar Em Fortaleza, está o Marina Park Hotel 118 estilo Personalidade e bom gosto 124 Esporte — Vitão e Vitinho Pai e filho e a paixão pelo wakeboard 128 esporte — Marcos Ferrari Seis novas lanchas lançadas em 2013 e Carolina Sylvestre Dupla de velejadores comemora boa fase 134 mergulho — cuba Ilha da Juventude, um paraíso redescoberto Oportunidade total de personalização 142 Turismo — Cancún Uma experiência maia 148 Planeta Água Marinas e praias brasileiras com Bandeira Azul 150 Gourmet Bacalhau desfiado e batatas ao murro 10  PERFILNÁUTICO Oficialmente incorporada à Intech Boating
  5. 5. CAPA BARCOS PERSONALIZADOS RESIDENCIAL MARINE Trata-se de uma região serrana onde, estima-se, 45% do total do município é ocupado por florestas nativas e reflorestamentos. Na cidade existe um grande manancial composto de rios, ribeirões, açudes, represas e quedas d’água, com destaque para a Represa de Itupararanga, que proporciona a prática dos mais diversos tipos de esportes náuticos. A represa serve de divisa entre Ibiúna e os municípios de São Roque, Votorantim, Piedade e Mairinque. Estes são elementos que fazem do Acqua de Ibiúna um empreendimento diferenciado. criando uma experiência única os tErrEnos DisPonibilizaDos PoussuEm a Partir DE mil mEtros quaDraDos, E boa PartE DElEs tEm vista Para a rEPrEsa Ambientes náuticos PoDem iR muito Além DAs tRADicionAis listRAs Azuis e bRAncAs, âncoRAs e nós De coRDA. conceitos, Designs e AcessóRios inovAm A cADA Ano, e A DecoRAção extRemAmente conseRvADoRA já não é mAis o cAso. Pelo menos quAnDo esse Ambiente flutuA PelA águA CONDOMÍNIO ACQUA DE IBIÚNA Por Marcelo Buda 118 40 PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO 41 O visual de um barco por si só já é interessante. Dá asas a nossa imaginação e nos faz esquecer dos problemas do dia a dia. Estar no mar é um dos maiores prazeres da vida, navegar por destinos paradisíacos é o melhor calmante que um ser humano pode ter. A imagem de um barco personalizado então é como se fosse a visão dos sonhos. Estou longe de ter um barco como os abordados na matéria, mas dali posso tirar ideias para deixar o meu mais agradável do que já é. Roberto Amorim Corajoso o rapaz do veleiro Mistralis, que mesmo com o dedo quebrado decidiu seguir viagem e realizar o seu sonho. Sem dúvida deve ter sido uma aventura incrível. Não é para qualquer um, tem que gostar muito do mar e do barco. Ernesto Prinda MUNDO NÁUTICO VELEIRO MISTRALIS DESAFIO CABO HORN Felipe Caire e o veleiro Mistralis enFrentaM o Mito e FazeM as pazes CoM o Cabo Mais teMido do Mundo Felipe Caire, Marcio Majella, Gabriel Sanches e Jaime Guimarães Por Felipe aristides caire P ara quem não conhece, cruzar o Cabo Horn é uma tarefa tão difícil quanto escalar o Everest. É o ponto mais austral de nosso continente e serve como marco divisor das águas dos Oceanos Atlântico e Pacífico. Um ponto temido por todos os velejadores, que representa perigo para todo tipo de embarcação, até mesmo para os grandes petroleiros. Ondas de mais de 15 metros, ventos com força de furacão e correntezas indescritíveis tornam este um desafio para poucos bravos velejadores. 36 meu último porto seguro: Puerto Williams. Lá passei o Natal com meu fiel proeiro Marcio Majella e resolvemos que iríamos comemorar nosso réveillon nas geleiras dos canais chilenos. O final do ano estava sendo um dos melhores momentos de toda a viagem, até que na tarde do dia 31 de dezembro, em um acidente quase perco o polegar direito que ficou esmagado na corrente da âncora ao realizar No dia 16 de agosto de 2012, larguei as amarras de meu porto seguro no Rio de Janeiro em busca de um sonho que nasceu aos 17 anos, quando decidi que iria viver minha vida do mar e para o mar. Foram anos de muita dedicação, planejamento, sacrifícios, determinação e força de vontade para que o sonho pudesse ser realizado. O conforto das quentes águas brasileiras ficou para trás em busca do frio, do gelo, da solidão e dos fortes ventos do extremo sul. Saindo do Rio de Janeiro, eu e o Mistralis, fizemos ao longo da costa diversas travessias nas uma manobra de emergência. Fui resgatado pelo helicóptero dos carabineros (bombeiros) chilenos, e esperei cerca de 20 horas uma transferência de avião até a cidade de Punta Arenas, onde fui operado no dia 1° de janeiro. Sofri uma fratura exposta e esmagamento da falange, fraturada em seis pedaços e recomposta por um parafuso que agora une todos os fragmentos. Mesmo depois que o cirurgião foi incisivo em dizer que seriam necessários no mínimo 30 dias de repouso e que se lançar ao mar seria uma loucura com um risco considerável de infecção, no dia 5 de janeiro, eu e meus alunos seguimos para o mar para realizarmos a tão sonhada aventura. Decidi que não poderia mais adiar meu sonho para fechar esse ciclo de 20 anos. Foi maravilhoso ter conseguido vencer e me tornar amigo do meu maior desafio. Amigo, pois fiz as pazes com meu mito, estou em paz comigo mesmo. Eu e o Mistralis conseguimos conquistar o Cabo Horn, o mais temido do mundo. Saímos vitoriosos. Larguei as amarras em busca de um sonho que nasceu aos 17 anos de idade quais levamos nossos alunos para vivenciarem um pouco dessas maravilhas e sensações de estar em mar aberto. Foram cinco meses de muitos obstáculos e desafios, tanto no mar quanto em terra firme, até chegar ao um Ponto temido Por todos os veLejadores, que rePresenta Perigo Para todo tiPo de embarcação PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO 37 Legenda legenda Em IbIúna (SP), um lugar ESPEcIal Para amantES da naturEza, quE PodEm uSufruIr dE uma bEla EStrutura náutIca E um clIma SEmPrE ProPícIo Em qualquEr EStação no ano Por alisson Diniz I biúna, na região sudeste do estado de São Paulo, é um dos 29 municípios paulistas considerados “estâncias turísticas”, por cumprirem pré-requisitos definidos por lei estadual. Nesta cidade com mais de 70 mil habitantes está localizado o Condomínio Acqua de Ibiúna, um empreendimento arrojado e que terá seu lançamento oficial no final de setembro. Além dos fatores naturais, o Condomínio Acqua de Ibiúna conta com uma gama grande de itens de lazer. “Há de se destacar a garagem náutica equipada com oficina, abastecimento e demais compartimentos, tudo isso com isolamento acústico”, explica Alberto Nascimento, um dos sócios e a quem o terreno pertencia. “Além disso, o empreendimento tem um espaço especial dedicado aos amantes do tênis, com quatro quadras tradicionais de saibro, uma de tênis fast e duas de areia de beach tênis.” PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO 119 O Brasil deveria explorar melhor seus rios, lagos e mares. Exemplos como o do Condomínio Acqua Ibiúna deveriam ser seguidos. Precisamos de mais lugares como esse para ancorar e nos divertir com tranquilidade e segurança com nossas famílias. Andressa B. Canneti ROLEX ILHABELA SAILING WEEK ilhabela em festa ZONDA 42 ZAFFIRO 36 www.zondaboats.com.br Rolex Ilhabela SaIlIng Week Recebe gRandeS nomeS da vela em comemoRação aoS 40 anoS Por Rafaella Malucelli Fotos: Carlo Borlengui D ias de sol, ventos muitas vezes desafiadores e ondas que chegaram a dois metros fizeram o cenário da maior regata de oceano da América Latina.Comemorando 40 anos de muita amizade, dedicação e competitividade, a Semana de Vela de Ilhabela reuniu 140 barcos entre 6 e 13 de julho no Yacht Club de Ilhabela. Velocidade de cruzeiro de 32 nós e máxima de 37 nós No total foram 1.200 velejadores divididos entre as classes ORC, HPE, C30, S40, RGS (A, B, C e Cruiser), IRC e Star, e o alto nível das competições atraiu atletas de diferentes países, como os vizinhos Argentina e Uruguai, SERVIÇO Cruiser Marine Indústria Náutica SITE: www.cruisermarine.com.br TELEFONE: (11) 5574 7771 Perfil ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS e os de além-mar Áustria, Portugal e Grã-Bretanha.Essa é a primeira vez que uma equipe inglesa participa do evento. Sob o comando de Richard Adams, a tripulação do bicentenário The Royal Western Yacht Club, fundado em 1827, em Plymouth, alugou um HPE25 para conhecer a classe, atraída pela boa reputação da vela brasileira. “O nível da vela do Brasil é muito forte e fiquei impressionado com o padrão dos atletas locais”, conta o comandante inglês. “Sou um velejador que busca novas opções no Reino Unido e fiquei sabendo da maior regata da América Latina. Decidi, então, fretar um barco e competir.” para quem gosta de velocidade e desempenho COMPRIMENTO TOTAL: 11,89m LARGURA MÁXIMA: 3,55 m COMPRIMENTO TOTAL: 11,89 m BOCA: 3,49 m BOCA: 3,49 m Canal do Leitor CAPA ALTURA DA LINHA D’ÁGUA: 3,40 m CALADO COM HÉLICE: 0,87 m PESO COM MOTORES: 6.250 kg CAPACIDADE DE PESSOAS: 12 CAPACIDADE DE CARGA: 1.140 kg planta Externa 130 LANCHA E VELEIRO MISTURAM-SE CAMAS: 4 A ZondA 42 é um projeto inovAdor, criAdo por AmAntes dA velA e desenvolvido por quem tem grAnde experiênciA nos processos de produção PROJETO DO CASCO: Aldo cranchi Por Rafaella Malucelli TANQUE DE COMBUSTÍVEL: 570 l TANQUE DE ÁGUA: 190 l planta Interna PROJETO: centro studi ricerche cranchi MOTORIZAÇÃO: diesel - volvo penta 2xd4 evc / dp-H (2x260Hp) 80 perFilNÁUTICO perFilNÁUTICO 81 Sensacional o barco Zonda 42 abordado na matéria. Eu sempre gostei de veleiros, por pertencer a uma classe mais romântica da navegação. Mas vendo esse barco me deu até vontade de ter uma lancha. Essa realmente é impecável. PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO Ilhabela é mesmo a capital nacional da vela. É lindo ver a diversidade de embarcações que participam da Semana de Vela. Velejadores de todos os cantos do Brasil e do mundo fazem do litoral paulista um lugar espetacular. Sem falar de sua potência nas águas. Um sonho de consumo. Armindo Sangirve Sergio Handrus FALE CONOSCO Para falar com a Perfil Náutico, mande e-mail para: redacao@perfilnautico.com.br ou canaltecnico@perfilnautico.com.br. As mensagens devem ser enviadas à redação e à equipe técnica com identificação do autor, endereço e telefone. Em virtude do espaço disponível, os textos podem ser resumidos ou editados. A revista reserva-se o direito de publicar ou não as colaborações. 12  PERFILNÁUTICO 131
  6. 6. News VENHA NAVEGAR Segundo dados da Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e seus Implementos (Acobar), o Brasil conta com uma frota de aproximadamente 70 mil barcos. Por outro lado, são apenas 46 mil vagas em marinas regulares. Para dar suporte aos estaleiros que tenham suas vendas prejudicadas por conta desse problema, durante o São Paulo Boat Show foi lançada a campanha Venha Navegar, oferecendo vagas e infraestrutura, gratuitamente por um mês, para quem comprou novas embarcações durante o salão. A parceria foi firmada com a nova marina da BR Marinas no Bracuhy, em Angra dos Reis. Mais informações: www.acobar.com.br BOM EXEMPLO LÁ FORA A D-Marin Marinas Group, uma empresa do Grupo Dogus, está rapidamente se estabelecendo como uma das maiores redes internacionais de marinas do mundo. Com uma rede de dez marinas localizadas em três países mediterrâneos que são bem conhecidos pela beleza de suas costas – Turquia, Grécia Uma das maiores redes de marinas do mundo e Croácia –, ligando alguns FESTIVAL TEDESCO A sexta edição do Festival Náutico da Tedesco aconteceu no início do mês de setembro em Balneário Camboriú. Segundo os organizadores, recebeu um público de 11 mil pessoas nos três dias de feira e gerou negócios em torno de R$ 45 milhões, um acréscimo de 12,5% em relação à edição do ano passado. Entre os principais 14  PERFILNÁUTICO negócios está a venda da maior embarcação da feira, o luxuoso iate Manhattan do estaleiro inglês Sunseeker, de 73 pés. Este ano, o festival contou com a participação de 25 expositores, entre estaleiros nacionais e internacionais. Ao todo estavam expostas 47 embarcações de 17 a 73 pés em vagas secas e molhadas. Além dos iates, serviços náuticos como financiamentos, seguros, rastreamento e transmissão via satélite, som e automação também tiveram seu espaço no evento. dos mais prestigiados destinos navegáveis do mundo no Mediterrâneo Oriental e no Mar Adriático, a D-Marin disponibiliza quase 9 mil vagas para embarcações de todos os tamanhos, estabelecendo novos padrões de serviços e atendimento exclusivo aos clientes em uma infraestrutura invejável.
  7. 7. News o mais inovador Quaranta, um catamarã de 110 pés Na mais recente edição do salão náutico de Cannes um catamarã de 110 pés chamou a atenção. Com 33,7 metros de comprimento, o Quaranta, do estaleiro Curvelle, recebeu o prêmio de iate mais inovador no evento realizado em setembro. Seu grande diferencial são as suas paredes removíveis, que permitem a configuração de até 20 opções diferentes de layout, de acordo com as necessidades do proprietário e da tripulação. O barco foi construído com materiais de compósitos híbridos de carbono, por isso é mais leve e consome menos combustível. DA EUROPA PARA O BRASIL Tem planos de ir para a Europa? Que tal voltar de lá de navio? Isso é possível com os roteiros da MSC Cruzeiros Grand Voyages, que partem do velho continente rumo ao litoral brasileiro. O MSC Preziosa, mais novo navio da frota, realizará um roteiro de 16 noites rumo ao Brasil, saindo de Gênova em 10 de novembro, passando por Barcelona na Espanha, Lisboa em Portugal, Arrecife de Lanzarote e Santa Cruz de Tenerife nas Ilhas Canárias. Ao chegar deste lado do Atlântico: Salvador e Búzios, finalizando seu itinerário em Santos no dia 26 de novembro. Será quando o MSC Preziosa estreia em águas brasileiras, oferecendo cruzeiros de três a oito noites pelas ilhas tropicais e pelo nordeste brasileiro. VOR VOLTA À CIDADE DO CABO A Cidade do Cabo substituirá Recife como a primeira parada da Volvo Ocean Race 2014-15. Com a mudança, o Brasil, que era o país com maior número de paradas, terá apenas Itajaí, em Santa Catarina, na regata de volta ao mundo. Inicialmente, a parada de Pernambuco estava relacionada com a participação de uma 16  PERFILNÁUTICO equipe local para correr a regata. A situação, porém, não evoluiu como o esperado. A Cidade do Cabo é uma rota clássica da Volvo Ocean Race. Os sul-africanos participaram de 10 das 12 edições. O retorno da Cidade do Cabo à rota significa que a regata vai parar, mais uma vez, em todos os cinco continentes.
  8. 8. João Pessoa, na Paraíba, teve um encontro inédito entre os amantes de motos aquáticas. O Jet Tour, promovido pela Sea-Doo, reuniu proprietários de embarcações de todas as marcas para desbravar águas doces e salgadas nos arredores da capital paraibana. A partida foi da Praia do Jacaré, em Cabedelo, depois os pilotos subiram pelo Rio Paraíba, tendo como plano de fundo o cenário de igarapés, chegando até o centro de João Pessoa, na Ponte Varadouro, que dá acesso ao bairro Bayeux. Na ocasião, os interessados puderam também realizar tests drive e experimentar a sensação de pilotar as motos aquáticas da Sea-Doo. NOVA ZELÂNDIA PARA BRASILEIROS O departamento de turismo do governo da Nova Zelândia lançou a edição brasileira do site voltado para os turistas, www.newzealand.com/br, com informações em português. A página destaca opções de destinos e oferece dicas para montar um roteiro único e emocionante. O desenvolvimento da versão brasileira do site faz parte de uma estratégia para aproximar o turismo da Nova Zelândia do mercado brasileiro. O departamento pretende abrir um novo escritório em São Paulo para servir de base para as atividades na América do Sul. VANTAGENS E RESPONSABILIDADES Silvio Ramos é o primeiro velejador da América Latina a receber o título HLR (Honorable Local Representative), da CA (Cruising Association), a associação inglesa de cruzeiristas. O capitão do Matajusi é um dos cerca de 4 mil integrantes da CA, velejadores que contam com privilegiadas informações e grandes responsabilidades, como 18  PERFILNÁUTICO conseguir melhores condições para cruzeiristas internacionais em passagem pelo Brasil, divulgar as boas áreas de cruzeiro pelo país, negociar com autoridades facilidades em documentações de entrada e saída e melhores condições de importação de peças de reposição e localização de prestadores de serviços. O velejador Silvio Ramos Info: (11) 3825-6499 News JET TOUR NA PARAÍBA
  9. 9. Info: (11) 3825-6499 News ACQUA FEST EM IBIÚNa A Perfil Náutico e o condomínio Acqua Ibiúna promoveram nos dias 21 e 22 de setembro um evento náutico para os novos proprietários do condomínio na região da Represa de Itupararanga. Logo na entrada do empreendimento os visitantes puderam conhecer a Ventura 210 Comfort, embarcação que navega muito bem em águas abrigadas como as da represa. O público também pode comprovar a resistência do polietileno, material utilizado na produção da ampla linha da Smart Pier, com barcos, píer flutuante, caiaques e pedalinhos. A empresa Pica Pau Racing levou 20  PERFILNÁUTICO a moto aquática Sky Kawasaki Ultra 300 e uma linha de motocicletas e quadriciclos. Durante o fim de semana, o atleta Vitinho fez demonstrações de wakebord e muitos visitantes foram embarcados nas lanchas Malibu, West Port e Pionner para conhecerem o potencial de navegação. O condomínio Acqua Ibiúna é um empreendimento residencial que oferece uma vaga náutica para cada proprietário, o acesso à represa é muito fácil e está de acordo com a leis ambientais. A Represa de Itupararanga fica próximo da cidade de São Paulo na região de Ibiúna. Em contato com o meio náutico, o público pôde praticar esporte, andar de jet e se divertir dentro das embarcações.
  10. 10. MUNDO NÁUTICO VELEJANDO NA POLINÉSIA FRANCESA Sete velejadores, SETE AMIGOS Para matar a saudade do mar, o destino da equipe foi o Taiti, num charter dos sonhos pela Polinésia Francesa S Por Philip Conolly omos uma equipe de sete velejadores, grandes pescadores do mar azul e, acima de tudo, grandes amigos. Desde 2006 velejamos juntos e realizamos diversos charters em Angra dos Reis, Ilhas Virgens Britânicas, Granada & Granadinas e Bahamas. A tripulação é composta por: André Detoni, Antônio Sérgio Medeiros, Fabiano Becker, Kleber 22  PERFILNÁUTICO Almeida Costa Pinto, Philip Conolly, Ricardo Meneguzzo e Ubiratan Almeida Rayel. Nosso último charter no Caribe foi em 2010 e, por alguns contratempos, passamos quase três anos sem velejar. O grande incentivo para velejar na Polinésia Francesa veio do nosso parceiro Ricardo. “Já que não poderemos velejar nos próximos dois anos, vamos partir para o Taiti em 2013”, sugeriu. No início pareceu fora da nossa realidade, muito longe e muito cara, mas após pesquisas a ideia se concretizou. Em janeiro de 2011 decidimos velejar no Taiti e realizar nosso sonho. A escolha do catamarã Já tínhamos decidido que queríamos um catamarã, veleiro ideal para charters, espaçoso e com muito conforto. Fechamos com o Manavai II, um Leopard 444 da Sunsail, ano Veleiro: embarcação que faz parte da paisagem da Polinésia Francesa 2012, e optamos pelo contrato sem tripulação profissional, classificado internacionalmente como bare boat ou barco vazio. O Manavai II tem quatro suítes, ar-condicionado central em todos os ambientes, uma ampla sala, um cockpit espaçoso na popa e, a grande novidade, outro cockpit na proa. A integração total de todos os ambientes, sala, cozinha e deque no mesmo nível, assegura a confraternização e o conforto da tripulação. O VELEIRO ESCOLHIDO PARA A AVENTURA FOI O CATAMARÃ MANAVAI II, UM LEOPARD 444 DA SUNSAIL, ANO 2012 A viagem Saindo do Brasil, fomos de avião até Santiago, no Chile. Da capital chilena mais um voo de quatro horas e meia até a Ilha de Páscoa e depois seis horas até Papeete, a capital do Taiti. Pernoitamos em Papeete e partimos num voo regional de 45 minutos para a Ilha de Raiatea, onde fica a sede de quatro grandes empresas de charter de veleiros na Mariana Apoiti. Em Raiatea fomos recepcionados pelo transfer do Sunset Beach Motel. Rapidamente passamos num pequeno mercado e compramos queijos, salames, baguetes e vinho, certamente um maravilhoso Bordeaux Francês, o primeiro de muitos...! O happy hour taitiano estava garantido. No dia seguinte, o transfer do hotel entrou na marina Apoiti e estacionou a van exatamente ao lado do nosso Leopard 444. A equipe da empresa recebeu-nos com colares de flores. A primeira impressão do nosso Manavai II foi das melhores. O grande catamarã estava atracado de popa e após o embarque constatamos que tínhamos feito uma grande escolha. O povo taitiano é muito acolhedor e gentil. Eles gostam da nossa música e dos brasileiros. A cerveja local é a Hinano, muito boa. A degustação foi feita pelo Bira, mestre cervejeiro de larga tradição. Ele era responsável pela organização, segurança e abastecimento do cooler com muito gelo. Um dia ele me relatou: “Capitão, estamos com problemas hidráulicos a bordo.” Fiquei preocupado. O que será? No guincho, na bomba d’água? PERFILNÁUTICO  23
  11. 11. MUNDO NÁUTICO VELEJANDO NA POLINÉSIA FRANCESA Era a cerveja que estava acabando! Passaríamos dez dias velejando, mas contratamos o Manavai por 11 dias. Um dia a mais, justamente para a adaptação e preparar o veleiro com calma, sem estresse e ter tempo para o reconhecimento da ilha. Este procedimento é chamado de sleep abord ou durma a bordo. Altamente recomendado para um charter, especialmente depois de uma longa viagem. O início de cruzeiro Zarpamos de Raiatea no final da manhã, com ventos de 22 nós pelo través de bombordo, velas rizadas e muita chuva. Velejamos três horas acompanhando os canais profundos da região lagunar. A cor e as tonalidades da água impressionam. Azul-marinho, quase roxo nos canais que chegam a 40 metros de profundidade, e verdeesmeralda nas áreas rasas. Estes contrastes, somados à qualidade do balizamento, proporcionam uma navegação diurna e muito tranquila. Ancoramos próximo ao Motu ou Ilha de Tautau. Passamos mais dois dias velejando e conhecendo a Ilha de Tahaa. Inicialmente, navegamos dentro da barreira de corais e no final saímos para corricar, ou pescar com iscas artificiais, circundando os arrecifes pelo lado do mar aberto. BORA BORA Acordamos bem cedo, para preparar nossa partida para Bora Bora. Levantamos a âncora logo com o nascer do sol e içamos a vela mestra ainda dentro da grande laguna da Ilha de Tahaa. OS SETE VELEJADORES AMIGOS PARTICIPARAM DE DIVERSAS ATIVIDADES, COMO O JANTAR TEMÁTICO NO RESTAURANTE BLOODY MARY EM BORA BORA, O RECONHECIMENTO DO VELEIRO MANAVAI II NA MARINA APOITI NA ILHA DE RAIATEA E A DESCOBERTA DE PAISAGENS PARADISÍACAS 24  PERFILNÁUTICO Bora Bora, a Pérola do Pacífico, é formada pela grande ilha principal, circundada por um grande anel de corais A brisa de 8 nós ajudou o Manavai II a deslizar silenciosamente para fora da grande barreira de coral que circunda todas as ilhas no Taiti. Um mar de águas cristalinas, calmas e de coloração azul-marinho. Logo na saída da barra a profundidade aumenta rapidamente. Velejamos 25 milhas com ventos de 10 nós pela alheta de boreste até chegar ao paredão de corais. Depois de velejar cinco horas entramos em Bora Bora. A tripulação toda a postos na proa, vibrando e feliz por termos chegado à Pérola do Pacífico. Bora Bora é formada pela grande ilha principal, circundada e protegida por um grande anel de corais de aproximadamente 14 km de diâmetro. Dentro desse atol existem dezenas de motus que formam um cinturão verde. A única entrada ou barra, o Passe Teavanui, fica a sotavento da ilha, ou exatamente do lado calmo e protegido do vento. Desembarcamos no Motu Tupe para conhecer o Lagoonarium. Essa área está repleta de tubarões de todos os tipos e tamanhos, peixes, arraias e tartarugas. A água é cristalina e pode-se observar os peixes com muita facilidade. Pescaria no atol Tupai Após três dias em Bora Bora decidimos conhecer a Ilha de Tupai, totalmente deserta, localizada a 12 milhas náuticas ao norte. Este atol tem aproximadamente 8 quilômetros de diâmetro, com uma grande laguna de cor esmeralda no seu interior. Partimos logo com o nascer do sol. Vento de 18 nós pelo través de bombordo, vela mestra no PERFILNÁUTICO  25
  12. 12. MUNDO NÁUTICO VELEJANDO NA POLINÉSIA FRANCESA segundo riso para assegurar uma velocidade máxima de 6 a 8 nós. Cinco linhas na água e a esperança de pescar um peixe para o tão sonhado sashimi. Depois de duas horas, finalmente a linha da carretilha de boreste cantou. Um som que todo pescador esportivo sonha em ouvir e que libera muita adrenalina. A gritaria a bordo foi geral. O peixe era forte, mergulhava e levava muita linha. Botei o Manavai no vento, recolhemos a genoa e liguei os dois motores, para ter completo domínio sobre as manobras. Nada poderia atrapalhar a luta. Depois de 30 minutos, o peixe bem fisgado ainda briga e já bem próximo ao cat, a linha perdeu o peso e ficou fácil de recolher. A tripulação, antes eufórica e feliz, ficou em silêncio e triste. Um grande predador, possivelmente um tubarão, comeu nosso tão sonhado atum A alimentação reforçada para manter a energia durante a viagem ficou a cargo do chef Ricardo 26  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  27
  13. 13. MUNDO NÁUTICO VELEJANDO NA POLINÉSIA FRANCESA Sedna XF 335 casabrasileira.com.br Esta pescadora ainda vai te levar longe O contraste dos azuis da água, o merecido banho de mar e motus de pequenas ilhas 28  PERFILNÁUTICO e rumamos direto para a Marina Apoiti em Raiatea para entregar o Manavai II. Estávamos muito felizes de completar nosso charter no Taiti. Na volta para o Brasil, aproveitamos a escala na Ilha de Páscoa e ficamos dois dias conhecendo as histórias do povo rapanui e os moais. Valeu cada momento! Nesta viagem, passamos grandes alegrias juntos e voltamos com as nossas amizades fortalecidas. No final, estávamos todos com muitas saudades das nossas esposas e filhos, a quem devemos toda nossa gratidão pelo incentivo e consentimento para a realização dessa aventura. Os sonhos continuam e certamente vamos começar a programar um novo cruzeiro a vela. Aguardem! Para saber mais, acesse: http://issuu.com/philip.conolly/docs Uma embarcação única em seu segmento, espaçosa e confortável em seu interior. *Torres de pesca opcionais. de aproximadamente 12 kg, do qual só restou a cabeça. A mordida foi tão violenta que decepou o atum instantaneamente. Completamos a circum-navegação de Tupai e rumamos de volta para Bora Bora. Gostaríamos muito de ter pernoitado no atol, mas não existiam locais apropriados para fundeio. Ao amanhecer, levantamos a âncora, abrimos apenas a genoa Essa é a Sedna XF 335, voltada para pesca oceânica, com um excelente cockpit em dois níveis, a maior praça de popa do segmento, aerador de iscas vivas, torres de pesca montadas de acordo com sua preferência*, também proporciona conforto para toda família em um passeio de final de semana, com solário, além de uma cabine confortável com sala e cama de casal. Excelente navegabilidade para você ir mais longe Navegando em mar aberto de forma macia e precisa, os dois motores e sua proa elevada favorecem a embarcação, consolidando sua vocação híbrida. XF 335 lancha ideal para você e toda sua família. Venha conhecer as embarcações Sedna no São Paulo Boat Show 2013 • 17 a 22 de outubro • Transamérica Expo Center SÃO PAULO • MIAMI (11) 2524-3333 • 1 (786) 212-1901 www.sednayachts.com.br
  14. 14. MUNDO NÁUTICO SALÃO DE GÊNOVA – desde 2008 –, os estaleiros italianos continuam a manter firme a rota da exportação. No estande do estado brasileiro de Santa Catarina, montado logo na entrada do salão, o projeto “Cidade do Mar”, na foz do Rio Tijucas, a 50 quilômetros de Florianópolis, desperta a atenção de fabricantes estrangeiros que em Gênova conheceram melhor o plano para a construção de marinas privadas e públicas. Os estaleiros que participarem poderão ganhar vantagens na exportação de suas embarcações, hoje taxadas em mais de 100%, que o digam Sessa Marine, Azimut e Ferretti, já presentes no país produzindo O PRODUTO “MADE IN ITALY” REPRESENTA UM PORTO SEGURO, NO QUE DIZ RESPEITO AO ESTILO, AO DESENHO, À POTÊNCIA Gênova, trampolim internacional A apoteose náutica italiana acontece em Gênova. O desfile de mil embarcações, com uma centena de novidades, compõe a quermesse anual do salão náutico, barômetro dos estaleiros europeus e do mercado internacional Por Guilherme Aquino 30  PERFILNÁUTICO alguns modelos de seus catálogos. Os italianos conhecem o peso de seu prestígio no mercado internacional. O produto “made in Italy” representa um porto seguro, no que diz respeito ao estilo, ao desenho, à potência. Não por acaso, o símbolo do salão é o megaiate Chopi Chopi, com 80 metros de comprimento, do estaleiro italiano CRN, e vendido, naturalmente, para um cliente estrangeiro. O gigante tem cinco andares – com um apenas para o uso exclusivo do proprietário – sobre um casco de aço. O valor gira em torno dos 80 milhões de euros. Ancorado numa das marinas da exposição, ele se destacava no cenário como se fosse uma miragem no horizonte. Ali, bem ao lado, outras embarcações de luxo pareciam lanchas de apoio ao colosso que, abaixando o “portal” de popa, cria uma “praia” de 100 metros quadrados na linha d’água. O exagero da sua presença tem como objetivo lançar uma mensagem de otimismo para o mercado, não dentro da garrafa de vidro, mas na forma de um megaiate construído com uma tecnologia de ponta. A 53a edição do Salão Náutico de Gênova foi reduzida de nove para cinco dias, com o objetivo de concentrar um interesse maior, além de economizar nos custos, pois o setor ainda permanece ancorado à crise, com uma queda de 4% em relação ao ano passado. E, com uma redução de pouco mais da metade de encomendas PERFILNÁUTICO  31
  15. 15. MUNDO NÁUTICO SALÃO DE GÊNOVA Assim, com um porta-bandeira desta magnitude, os demais iates unem-se num esforço de acreditar que a luz no fim do túnel seja um raio de sol no crepúsculo de uma tempestade ao largo. O resultado deste otimismo espelha-se no mar calmo do Salão Náutico Gênova. Avanti, com moderação. E eis que surge uma versão de grande autonomia para viagens longas. O novo Magellano 53, do grupo Azimut-Benetti, abraça o ditado italiano “vai piano e arrivi lontano” (vai devagar e chegue longe). Com um metro a mais do que a versão anterior traduzido numa cabine para a tripulação na popa e na concepção de um terraço com 13 metros quadrados, ele abriga dois “quartos” de casal – camarote seria pouco –, sendo uma suíte, além de um outro com beliche. Os dois motores 500 mHP (368 kw) Cummins QSB 8.3 sustentam, com sobra, a filosofia da navegação lenta, da viagem aprazível em estar a caminho sem a pressa de chegar “ontem” ao destino. A velocidade máxima toca os 21 nós, mas este iate, robusto e roliço, de aspecto clássico e ar marinho vintage, se tocado a dez nós pode percorrer mais de duas milhas náuticas. O casco com o sistema Dual Mode garante uma navegação estável e segura em mar de proa. E ele é apenas a ponta do iceberg, pois a frota do Grupo desembarcou em Gênova com 16 iates. Um deles, o Azimut 80, comemora o prêmio World Yachts Trophy, recebido no Salão Náutido de Cannes, o La Plaisance, como o melhor iate na categoria entre 24 e 50 metros. E o Atlantis 50, que se confirma na coleção do estaleiro com um novo modelo coupé. A presença do público foi constante nos cinco dias de evento 32  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  33
  16. 16. MUNDO NÁUTICO SALÃO DE GÊNOVA Fantom 858, do estaleiro austríaco Frauscher O novo Pershing 62, evolução natural dos antecedentes de 56 e 58 pés O concorrente Ferretti – italiano no campo do design e chinês no setor financeiro do grupo – responde ao apresentar um modelo para lá de esportivo. O novo Pershing 62, evolução natural dos antecedentes 56 e 58 pés – e um dos oito de sua gama que vai dos 50 aos 115 pés –, proporciona uma experiência de vida a bordo digna de quem tem o prazer de sentir o mar e o horizonte sendo esquadrinhados pelo casco afiado, velozmente, diante dos olhos. Na versão com três cabines, a vip e a do armador estão localizadas entre o centro e a proa, enquanto que a dos 34  PERFILNÁUTICO hóspedes está na popa, mas pode ser substituída por um living room, depende do gosto do freguês no momento de personalizar o projeto. Na primeira, a cama está em diagonal criando uma zona melhor de circulação e com uma iluminação natural maior, graças às vidraças mais amplas. Elas nascem em ambos os lados a partir de cada escotilha. Na segunda, situada no centro do barco, o leito matrimonial está no meio. O banheiro faz inveja a muitas suítes de luxo. As grandes superfícies envidraçadas, por um lado, deixam a luz natural entrar como a brisa de maresia e, por outro produzem no lado de fora os desenhos arrojados que simbolizam a personalidade forte deste iate que singra a 46,5 nós por hora. Em alta velocidade, desembarca ainda o Fantom 858, uma lancha de apenas oito metros e meio de comprimento e que chega do outro lado da cadeia alpina. O estaleiro austríaco Frauscher criou uma joia náutica, capaz de reforçar o fascínio das lanchas tradicionais. O grande para-brisa sem a moldura de apoio e com a cobertura do pavimento de teca projeta para o futuro a linha que vem desde os premiados 717 e 1017 GT. Thomas Gerzer e Harry Miesbauer tiram da prancheta um casco que permite navegar a mais de 48 nós horários, com elegância e segurança. Tudo movido pela força de 430 cavalos bem presos na popa ao motor de 8,2 litros. Sete pessoas a bordo têm a garantia da diversão e do conforto. E como o mundo está cada vez mais competitivo e acelerado chega da França uma outra lancha capaz de planar a 50 nós horários. O Hornet Tender 1300 é uma lancha de alta perfomance, mas com dimensões mais humanas. O prazer de desfrutar BARCOS DE TODOS OS TAMANHOS E ESTILOS PARA OS MAIS VARIADOS GOSTOS E BOLSOS emoções à flor d’água é permitido apenas em algumas e exclusivas categorias de embarcações. Mas a origem militar desta lancha, usada pela guarda costeira, e o selo de qualidade do luxuoso estaleiro Couach fazem deste tender um objeto do desejo híbrido, mais ou menos como se um motorista quisesse ter na garagem um jipe de guerra, plenamente adaptado para o uso urbano e civil. O tender Hornet, homologado para 12 pessoas, é ideal para os deslocamentos entre ilhas, por exemplo. Com apenas 90 centímetros de calado, ele pode navegar com muita tranquilidade em águas baixas, perto da costa. O casco de Kevlar, fibra de carbono e resina de vidro garante a resistência e a leveza para prestações acima da média. E tudo com o chique “sotaque” francês para desfrutar ao máximo o passeio, deixando de lado, um pouco, o megaiate, ancorado ao largo. PERFILNÁUTICO  35
  17. 17. MUNDO NÁUTICO SALÃO DE GÊNOVA No campo da vela, os veleiros de vanguarda também traçam a rota seguindo os bons ventos de popa que sopram dos mercados emergentes. A rota do navegador genovês Cristóvão Colombo, rumo ao Novo Mundo, ainda é a mais conveniente. Modelos como o Bénéteau Sense 46, o Dufour 410, 320 e 360, do estaleiro Elan, bordejam no Mar Mediterrâneo em busca de uma saída para a estagnação do mercado europeu. Os investimentos em tecnologia e em novos produtos continuam indicando a esperança de dias melhores, ainda que nenhum deles traga de fábrica a nova vela rígida lançada pela Oracle durante aventureira e cara America’s Cup, disputada em Valência e confirmada na final da competição em São Francisco. E como a vela não tem idade, para os saudosistas das primeiras saídas pelo mar ou lagoa, foi realizada uma exposição em homenagem aos cem anos da classe Dingue 12’, criada pelo inglês George Cockshott. Quatro barcos, todos de madeira (mogno ou teca), revelam a maestria dos carpinteiros dos estaleiros Colombo, Lillia, Nauticalodi e Riva. O NOVO MAGELLANO 53, DO GRUPO AZIMUTBENETTI, UM IATE ROBUSTO E ROLIÇO, DE ASPECTO CLÁSSICO E AR MARINHO VINTAGE 36  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  37
  18. 18. MUNDO NÁUTICO SALÃO DE GÊNOVA No meio de tantas embarcações, algumas mais curiosas se sobressaem. Uma delas é uma lancha, tipo tender, com a curiosa forma semelhante à ponta de uma flecha. O estilo da Willy Tender, do estaleiro italiano Mostes, remete aos barcos americanos dos anos 50 e sua capacidade é para seis pessoas distribuídas comodamente em 480 centímetros de comprimento. O design original encaixa-se perfeitamente ao hangar de um iate ou megaiate. Um toque de estilo sofisticado extra para uma lancha de serviço. Já o setor de acessórios impressiona pela quantidade infinita de aplicações, instrumentos e aparelhos de tecnologia de ponta, tudo em nome da segurança e da funcionalidade. Integração e interatividade sobem a bordo e estão na ponta dos dedos. Um sonar da Raymarine varre o fundo do mar com tantos impulsos que é capaz de oferecer uma imagem quase Tender Hornet, ideal para navegar em águas baixas, perto da costa 38  PERFILNÁUTICO tridimensional na tela de alta definição. Outra novidade interessante é um relógio de pulso inteligente. Cada visitante ganha um e o registra na central de bordo. No caso de queda no mar, o dispositivo de segurança, via wireless, ao acionar um alarme automático, suspende a navegação do barco a vinte metros do local do incidente. Mais do que aparelhos geniais, no salão faltou apenas um homem de turbante diante de uma bola de cristal para informar sobre a data do fim da crise.
  19. 19. Capa VELA E MOTOR Diferentes propostas para mesmo propósito Cada projeto de barco, a vela ou a motor, é concebido de forma peculiar, mas para uma só finalidade: ir para o mar Por Marcelo Buda 40  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  41
  20. 20. Capa VELA E MOTOR Comparar veleiros com embarcações motorizadas é algo que realmente não precisa ser feito. Suas diferenças, logo à primeira vista, são óbvias. É como comparar, por exemplo, cães e gatos. Os produtos resultantes dos projetos de veleiros ou de barcos a motor, portanto, parecem pertencer a duas espécies diferentes. Dois tipos de desenhos que nascem das pranchetas dos projetistas, porém, com um só propósito e relação com o mar. Sem dúvida são diferentes, mas sempre com um único e comum objetivo: a navegação. Para quem pretende ampliar seus horizontes deslizando pela água, a decisão entre optar por um barco a vela ou um barco a motor pode ser influenciada por inúmeros fatores, a começar por gosto pessoal, questões culturais, limitações de tempo e financeiras. Mas existem muitas outras. Essa reportagem não tem a menor pretensão de influenciar a decisão do leitor sobre qual dos dois tipos de embarcação é melhor. Afinal, melhor para quem? Embora, aí sim, pertençam a mesma espécie, seres humanos são ainda mais diferentes uns dos outros. O que é melhor para uma pessoa pode não ser o melhor para outra. Se a escolha fosse se resumir a uma só questão, seria: quais Vela e motor: experiências diferentes de navegação, ambas agradáveis 42  PERFILNÁUTICO experiências você deseja ter com sua embarcação? Para iniciantes, um pequeno barco com motor de popa é provavelmente a maneira mais SE A ESCOLHA FOSSE SE RESUMIR A UMA SÓ QUESTÃO, SERIA: QUAIS EXPERIÊNCIAS VOCÊ DESEJA TER COM SUA EMBARCAÇÃO? Lanchas e veleiros de pequeno porte são ideais para os iniciantes rápida e fácil para sair pela água. Não há muito segredo para aprender a pilotar, conduzir uma pequena lancha é operação basicamente simples. Um pequeno barco a vela é outra opção, no entanto, é necessário aprender a velejar. Um dos caminhos é se matricular em uma escola de vela, ou seja, levará algum tempo até que se esteja apto a se aventurar pelo mar. Por outro lado, pequenos veleiros são geralmente mais baratos para comprar e manter se comparados a uma lancha de tamanho similar. O setor náutico, muito favorecido com o avanço tecnológico, a partir dos anos 70 sofreu, praticamente, uma revolução apresentando designs arrojados com a ajuda de computadores, softwares e simuladores. De 40 anos para cá uma nova geração de conceitos ganhou forma. Os barcos antigos e tradicionais ainda navegam e mantêm o seu espaço e prestígio. O estilo clássico, quando preservado ou restaurado, também absorve um UMA NOVA GERAÇÃO DE CONCEITOS GANHOU FORMA, MAS OS BARCOS ANTIGOS AINDA NAVEGAM E MANTÊM O SEU ESPAÇO E PRESTÍGIO público crescente. Este é um setor em que o tradicional e o moderno convivem muito bem juntos, porém a evolução tecnológica, o design e a engenharia deram início a uma avalanche de ideias revolucionárias que estão sendo lançadas e patenteadas o tempo inteiro. O setor náutico transformou-se em um grande laboratório de tendências, design, materiais e estudos. PERFILNÁUTICO  43
  21. 21. Capa VELA E MOTOR Veleiros de cruzeiro são mais confortáveis, os de competição mais velozes Vela ou motor? Se você está mesmo decidido a navegar, a primeira pergunta a ser respondida é: quero uma lancha ou um barco a vela? Um veleiro requer mais conhecimento técnico, balança mais e, em espaços pequenos como baías, é mais lento. Se a questão é velocidade, uma lancha de competição, por exemplo, é diferente e mais cara do que uma lancha de lazer. Trata-se de uma escolha estritamente pessoal. Por isso é importante conhecer um, andar em outro, para formar seu gosto. Descubra o que realmente lhe interessa: e lembre-se de considerar que nenhum barco é capaz de fazer tudo. Todos são projetados para uma categoria específica de navegação. Você não poderá ter um barco que transporte passageiros, navegue em alta velocidade, reboque esquiadores e veleje tranquilamente, tudo ao mesmo tempo. As considerações na hora da escolha de um barco, além da propulsão a vela ou a motor, devem incluir fatores como perfil de utilização, local de navegação, número de tripulantes, dimensões totais, espaços internos, acomodações, desempenho, De médio porte para cima, imponentes por dentro e por fora autonomia, custo inicial e de manutenção, entre outros detalhes. A sua embarcação ideal pode ser um pequeno barco de passeio, um veleiro de cruzeiro ou de competições, uma lancha para esquiar, para pescar ou passear, ou um grande iate; qualquer que seja o tipo ou o tamanho, será necessário pesquisar, selecionar e experimentar para que se possa chegar à melhor escolha. Eliminadas essas questões, o próximo passo é colocar na ponta do lápis o quanto se está disposto a gastar na compra e na manutenção do novo brinquedo e voltar sentir a pura alegria, como a de uma criança que enxerga a vida de uma nova perspectiva. Velocidade é o seu estilo? Você pesquisou, analisou, pensou e decidiu que o seu perfil se encaixa mais com um barco a motor. Agora terá que decidir entre os muitos modelos disponíveis no mercado. Essa escolha vai depender do valor da embarcação, do conforto, da segurança, do consumo e da autonomia, fatores essenciais para uma boa estada a bordo. Uma lancha é uma embarcação rápida, perfeita para quem procura um pouco mais de adrenalina. As pequenas, com aproximadamente seis metros de comprimento, servem para passeios curtos, até a praia ou a ilha mais próxima, são ideais para confraternizar com amigos e família durante o dia. Por outro lado, um iate maior, com uma dimensão acima dos 20 metros, servirá para a família e os amigos numa harmonia mais descontraída, com direito a passeios mais longos, inclusive com pernoites a bordo. É preciso encontrar o limite entre o necessário e o supérfluo, de acordo com suas necessidades e condições financeiras. Barcos a motor, opções para esportes ou com o conforto de uma casa 44  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  45
  22. 22. CAPA VELA E MOTOR Lanchas velozes produzem ondas para wake ou esqui Motores de popa ficam visíveis, atrás do barco As lanchas são barcos rápidos com motores potentes. Mas tudo isso tem um custo e o grande vilão é o consumo de combustível, além da baixa autonomia, fato que limita as travessias mais longas. Quanto maior a lancha, mais potente deve ser o motor. Consequentemente consome mais combustível. Apesar dos avanços tecnológicos, os motores ainda não estão preparados para uma longa vida no ambiente marinho. O mesmo tipo de motor que funciona por anos em um carro tem uma vida útil muito menor na água. Constantemente expostos a umidade, substâncias corrosivas, acúmulo de calor e inúmeras outras forças destrutivas, motores marítimos passam por uma vida dura. O custo de manutenção do motor, em geral, é maior do que qualquer outro item do barco. 46  PERFILNÁUTICO Motores de popa (outboard) São os motores que se podem enxergar. Ficam atrás do barco com um hélice que está debaixo da água. Para fazê-los funcionar, a ignição é dada por uma corda de partida ou por um botão. Quanto mais cavalos, mais velocidade se pode alcançar e mais caro ele vai custar, tanto na compra como na quantidade de combustível utilizado. Motores antigos são quase sempre ineficientes. Podem desperdiçar até 30% de combustível, que será derramado diretamente na água. Você pode limpar, ajustar e fazer a manutenção desses motores mais velhos, mas eles ainda vão causar danos, tanto ao seu bolso como ao meio ambiente. A maioria deles foi projetada em uma época em que o desperdício de combustível no mar era aceitável, hoje não mais. Por isso vale o investimento em um motor novo e moderno, mais eficiente, silencioso e com reduzida emissão de poluentes. MOTORES ANTIGOS SÃO QUASE SEMPRE INEFICIENTES. PODEM DESPERDIÇAR ATÉ 30% DE COMBUSTÍVEL, QUE SERÁ DERRAMADO NA ÁGUA PERFILNÁUTICO  47
  23. 23. Capa CAPA VELA E MOTOR VELA E MOTOR Consumo de combustível Motores inboard geralmente são reservados para barcos maiores Motores internos (inboard) Como seu nome sugere, os motores internos, de centro e centro-rabeta, são escondidos dentro do barco, em muitos casos debaixo de um assento removível ou, em embarcações de maior porte, em um espaço fechado 48  PERFILNÁUTICO dedicado somente para ele. O sistema de propulsão, geralmente um hélice, é ligado ao motor por um eixo que funciona através de um orifício na parte inferior ou traseira do barco. Geralmente reservado para barcos maiores, o motores inboards têm vantagens sobre os motores de popa, quando se trata de preservar o meio ambiente. Uma das características é que toda a combustão e troca de fluidos, tais como combustíveis, lubrificantes e outros materiais tóxicos, ocorre dentro do seu recipiente, onde ela pode ser minimizada ou contida. Motores elétricos Para embarcações de menor porte, uma nova geração de motores elétricos começa a surgir no mercado, em sua maioria da categoria outboard. Avanços na autonomia e na potência fazem alguns motores de popa elétricos altamente competitivos. Além de silenciosos, não produzem emissões e não contaminam a água com combustível ou óleo. As desvantagens são as limitações de utilização dependendo do tamanho da embarcação. Algumas ideias geniais envolvem o desenvolvimento de motores elétrico-híbridos inboards. A expectativa é que num futuro não muito distante esses motores ganhem uma fatia do mercado, diminuindo o impacto ambiental provocado pelos combustíveis derramados na água. A conta não é exata, já que cada embarcação pode apresentar um consumo de combustível bastante diferente em relação a outra. Para termos uma estimativa, barcos de pequeno porte, na faixa de 20 pés, consomem em média 20 litros de combustível por hora navegada. Sendo assim, a cada hora de navegação, considerando que o combustível em questão estaria custando R$ 3,50, o custo para esse passeio seria de R$ 70,00. Uma lancha de 25 pés, pode consumir cerca de 35 litros por hora e o valor do passeio já seria superior a R$ 120,00. O custo vai aumentando de acordo com o tamanho da embarcação e o seu consumo de combustível. Barcos de 28 pés para cima também costumam ter a opção de motores movidos a diesel. Eles custam em média 50% mais que seus similares a gasolina, mas em compensação consomem 50% menos. PERFILNÁUTICO  49
  24. 24. CAPA VELA E MOTOR O veleiro é mais lento do que as lanchas, mas traz outros benefícios Sua emoção é ir devagar? O formato do casco influencia no desempenho e no consumo Casco X motor Se cada tipo de barco se adapta ao perfil das necessidades do usuário, cada motor se encaixa melhor com determinado modelo de casco, que, por sua vez, será projetado de acordo com a função que a embarcação desempenhará e com as condições de navegação em que será utilizada. Há muitos estudos para que se possa melhorar a performance dos barcos em relação ao desenho do casco. Em águas abrigadas e sem ondas, por exemplo, não é tão necessário os grandes ângulos em V. Já no mar aberto, agitado e com ondas, o V do casco auxilia na navegação e na estabilidade. A maioria das lanchas tem o fundo do casco em 50  PERFILNÁUTICO A MAIORIA DAS LANCHAS TEM O FUNDO DO CASCO EM V, QUE PODE VARIAR ENTRE 10 E 25 GRAUS V, que pode variar entre 10 e 25 graus. Outro detalhe importante são os vincos, que têm a finalidade de ajudar na estabilidade, amortecem o impacto das ondas e também ajudam a evitar que a água espirre para dentro do barco molhando os tripulantes. Algumas lanchas ainda apresentam no casco o fundo com formato de degraus, o que também melhora o desempenho, mas, caso a configuração casco e motor não seja a indicada, pode aumentar a passagem de ar abaixo do casco, fazendo com que o funcionamento do hélice do motor seja prejudicado. O veleiro tem como característica principal o mastro da vela no centro do barco. Somente os veleiros regateiros e projetados para competições são concebidos para navegar em alta velocidade. Quem adquirir outro tipo de veleiro está optando por um barco mais lento que, por outro lado, terá inúmeros benefícios. Para os amantes dos barcos a vela não há nada mais prazeroso no mundo que saber aproveitar o melhor vento. É difícil transmitir a emoção envolvida na tomada de decisão ao se conduzir um veleiro. A adrenalina é similar à prática de esportes, mesmo que se esteja apenas passeando numa velocidade tão lenta que pode ser comparada a uma simples caminhada. Muitos não conseguem entender a ideia de cruzar oceanos na velocidade média de apenas seis quilômetros por hora. O que é absurdo para alguns, é algo místico para muitos velejadores. Aprender a navegar pode ser um pouco intimidante no início. Todas as velas e cordas que funcionam ao mesmo tempo parecem confusas, mas apenas por pouco tempo. Ser pego por uma grande rajada será assustador no começo, mas fácil de evitar com um pouco de prática. Mesmo impulsionado pelo vento, todo veleiro de cruzeiro deve contar com um motor como propulsão auxiliar. Ele será muito útil para as manobras e para os momentos em que os ventos não são favoráveis. O fato de ter a vela e o motor é uma segurança, pois na ausência de um se pode contar com o outro. Veleiros tendem a ter um espaço interno um pouco mais apertado quando comparados a lanchas de tamanho similar. Devido à sua forma, nos projetos monocasco, o interior é como um longo corredor. Algumas pessoas consideram esta parte o charme de um veleiro, outros consideram claustrofóbico. Os multicascos, como os catamarãs, são uma exceção e permitem uma ampla área de estar a bordo. Para quem deseja ter muita companhia na água, um catamarã pode ser uma boa opção. É incrível o número de projetos de catamarãs surgindo, prova de sua crescente popularidade, principalmente no exterior. Os monocascos são mais lentos, navegam inclinados, são menores e são projetados como aquele brinquedo de borracha chamado joão-bobo. Se virar, ele desvira sozinho. Um multicasco tem mais espaço, navega bem, mas não é tão seguro como os monocascos.
  25. 25. CAPA VELA E MOTOR cascos Monocasco ou Catamarã? O material utilizado na construção do casco do veleiro é fundamental para ele navegue com segurança. Um casco bem construído, qualquer que seja o material, deve ser capaz de absorver impactos e resistir ao estresse causado pelo permanente movimento em cima da água. Monocasco é o barco com desenho tradicional, com um único casco. As acomodações ficam no piso inferior. Para acomodar uma sala com cozinha e camarotes com banheiro, o barco precisa ter um bom porte. O catamarã tem dois cascos de menor largura unidos entre si através de vigas ou travessas que suportam uma boa área, geralmente o salão central com uma sala e cozinha de boas proporções. Nos cascos estão os camarotes e banheiros. Fibra de Vidro O CATAMARÃ TEM DOIS CASCOS DE MENOR LARGURA UNIDOS ENTRE SI POR VIGAS OU TRAVESSAS Regata ou cruzeiro? Assim como nos barcos a motor, antes de escolher o veleiro é necessário encontrar o que 52  PERFILNÁUTICO realmente se deseja: somente velejar, competir ou viver a bordo. Se o seu ideal é compartilhar o barco com a família, envolva-os em suas ideias desde o início, mas saiba que não dá para ter tudo ao mesmo tempo, alguma coisa será sacrificada e essas decisões devem ser tomadas em conjunto com sua tripulação. Lembre-se que não existe um projeto que agrade aos mesmos estilos de navegar simultaneamente e que se encaixe no perfil de utilização de todos os velejadores. Velejar é um estilo de vida, uma decisão particular, e cada um tem um sonho. Nos veleiros para regatas, o objetivo principal é a velocidade. Como os projetos desses barcos são para competição, o conforto interno inevitavelmente será sacrificado. Por outro lado a experiência da velejada será com muito mais adrenalina e a técnica dos velejadores pode fazer grande diferença. Já nos veleiros de cruzeiro o conforto é levado muito mais em consideração. Vale lembrar que a segurança nunca deve ser deixada de lado. Como conforto e segurança nem sempre andam lado a lado, um bom projeto deve chegar à melhor equação para que a velejada seja a mais prazerosa possível. Para decidir qual veleiro se enquadra mais em seu perfil, a primeira questão a ser respondida é: vou realizar pequenas travessias, competir em regatas ou atravessar oceanos? Um cruzeiro costeiro tem características muito distintas das de um cruzeiro oceânico, portanto seu veleiro deve estar preparado para o tipo de aventura que se deseja vivenciar.Tipos de é o mais popular processo de construção de embarcações de recreio, geralmente desenvolvido por estaleiros com um molde que dará referência para a produção em série. A qualidade do processo construtivo é muito importante. A maior preocupação é a infiltração de água na fibra. Um casco bem construído e bem conservado de fibra de vidro pode durar aproximadamente 20 anos antes de apresentar os primeiros problemas. Casco de aço (acima) e de fibra de vidro (abaixo) Aço São os cascos preferidos de cruzeiristas de longas travessias, especialmente nos países da Europa, por ser muito resistente. A corrosão, que pode pesar no lado negativo, com o advento das proteções epóxis passou a representar um fator controlável. Cascos de aço levam menos tempo para ser construídos e custam menos para manter, mas no Brasil ainda são poucos os construtores que apostam nesse tipo de material, talvez porque estes barcos não costumam ser tão bonitos ou rápidos para os gostos de alguns velejadores. PERFILNÁUTICO  53
  26. 26. CAPA VELA E MOTOR Alumínio Os cascos construídos com alumínio apresentam vantagens e desvantagens em relação aos de aço. São mais leves, mais fáceis de manobrar e exigem menos consumo de combustível, mas por outro lado não são tão resistentes a impactos e os reparos exigem mão de obra especializada, que pode ser mais difícil de encontrar. Para manter uma boa aparência, barcos de alumínio necessitam de pintura nova a cada cinco anos em média. 54  PERFILNÁUTICO Madeira Os veleiros de madeira são pouco comuns hoje em dia, mas mantêm adeptos que preservam suas embarcações clássicas. Carpinteiros navais são cada vez mais raros no mercado, mas os que existem trabalham de forma artesanal, produzindo verdadeiras obrasprimas. Barcos de madeira bem construídos e bem mantidos podem durar mais de cem anos, mas requerem muita atenção e cuidado na manutenção.
  27. 27. MANTENHA EM LUGAR SECO P arece ironia, mas os barcos que construímos e usamos deveriam ser guardados sempre em lugar seco. Por mais bem construídos que sejam, sempre existe algum grau de umidade dentro dos materiais. E não é somente isto. A umidade relativa do ar durante a fabricação é tão nociva quanto a umidade do dia a dia à qual o barco fica exposto. Barcos de madeira sofrem mais, mas, ao contrário da crença geral, os barcos de fibra também estão expostos a problemas semelhantes. O trabalho de construção de um barco em fiberglass é extremamente fácil, mas 56  PERFILNÁUTICO Por Jorge Nasseh investigar o nível de umidade e a resistência residual de um laminado é uma das coisas mais difíceis que existem. Embora a maior parte dos barcos construídos com material de boa qualidade tenha uma boa A UMIDADE RELATIVA DO AR DURANTE A FABRICAÇÃO É TÃO NOCIVA QUANTO A UMIDADE DO DIA A DIA À QUAL O BARCO FICA EXPOSTO resistência à umidade, com o passar do tempo podem apresentar problemas decorrentes da passagem de pequena quantidade de água através do laminado ou mesmo de partes construídas com madeira. Este efeito, associado à variação de temperatura, pode ser fatal. Laminados de fibra e madeira são higroscópicos. Isso significa que o conteúdo de umidade dentro deles vai oscilar em função da umidade relativa do ar, por conta de sua propriedade de absorver mais ou menos água. Quando a umidade do ar aumenta, o teor de umidade da fibra e o teor de umidade da madeira aumentam também. Quando ela diminui, o efeito é o contrário. Esta relação é referida como “Equilíbrio de Umidade” e pode ser prevista com boa precisão. com resina e fibra de vidro, podem reter grande quantidade de umidade. A estrutura molecular de alguns produtos utilizados na construção de um barco possui grande quantidade de células que podem absorver umidade. Com o efeito da temperatura, comum nas regiões tropicais, estes laminados podem apresentar saturação e delaminação, o que induz uma maior passagem de água e um maior grau de saturação até a falha estrutural com o passar do tempo. Por mais que pareça estranho, a maioria dos medidores de umidade que usamos na indústria náutica para a avaliação do teor de umidade nos laminados foi desenvolvida para a medição de umidade em madeira ou papel. Antes de usar um destes medidores, calibre o valor da leitura para um laminado conhecido e completamente seco, analise vários pontos e registre o valor de umidade em diferentes condições de temperatura, de modo a ter uma ideia qualitativa do nível de absorção de água no casco. Daí em diante reze para que seu barco esteja seco, pois caso contrário o custo do reparo não vai compensar o valor do barco. EM GERAL, ACREDITAMOS QUE USANDO UM PRODUTO DE BOA QUALIDADE, SEJA POSSÍVEL SELAR TANTO A FIBRA QUANTO A MADEIRA DE FORMA DEFINITIVA, MAS NÃO É ASSIM QUE FUNCIONA Se você for comprar um barco usado, ou estiver avaliando a venda do seu, e pedir uma verificação de umidade das partes externa e interna, vai se surpreender. Na maioria das vezes a leitura dos medidores vai mostrar alta concentração de umidade e potenciais problemas de delaminação precoce. Se for necessário algum tipo de reparo ou substituição da parte afetada, a situação pode piorar. O reparo pode ser uma boa fração do custo total do barco. Não existe uma solução simples sem uma cirurgia dramática de grandes proporções. No caso específico da utilização de madeiras, seja no casco, seja no interior, elas são altamente porosas e, mesmo revestidas e encapsuladas A madeira sofre mais, mas a fibra também está exposta à umidade PERFILNÁUTICO  57 Construtor Canal do Construtor Em geral acreditamos que usando um produto de boa qualidade seja possível selar tanto a fibra quanto a madeira de forma definitiva, mas não é assim que funciona. Certamente a taxa de troca de umidade vai diminuir, mas não vai parar. Qualquer material tratado vai expandir ou contrair em uma taxa mais lenta do que um produto virgem, até que chegue a uma posição de equilíbrio entre a taxa de umidade interna e a taxa de umidade externa do ar. O ideal seria que todos os materiais (fibras, madeira ou compensado) tivessem uma umidade interna de 6-8%, mas no mundo real estes valores estão sempre acima de 10%. Nos trópicos, onde a umidade é relativamente alta, os valores podem ser superiores a 12 ou 14%.
  28. 28. Canal Náutico A PRÓXIMA GERAÇÃO DE YACHT DESIGN A Schöpfer Yachts, estaleiro fundado em 2008, com sede nos Estados Unidos, tem se dedicado à busca da perfeição estética e tecnológica para iates. O Oculus, um superiate de 250 pés, representa o seu novo conceito de design. Kevin Schöpfer, presidente da Schöpfer Yachts, a partir de esboços desenhados em guardanapos, escolheu a empresa de projetos arquitetônicos Tangram 3DS para que essa ideia ganhasse o computador, através de estudos de design, representações e, finalmente, animações que destacam os detalhes do projeto do iate, o conforto e o estilo extraordinário. Projetado para acomodar 12 pessoas, Oculus é um iate de cruzeiro para longas distâncias. O desing exterior é inspirado na estrutura óssea, ASSINATURA MERCEDEZ-BENZ A Silver Arrows Marine, em conjunto com Mercedes-Benz Style, revelou o projeto final e as especificações do iate “Silver Arrow of the Seas”. Com muitas das características de design dos automóveis da Mercedes-Benz, combinadas com uma nova e radical abordagem estética para a funcionalidade de um barco de luxo, o iate de estreia é chamado ARROW460-Granturismo e será lançado inicialmente com uma exclusiva edição limitada. A Edição 1 do Granturismo dos mares pode ser encomendada diretamente pela Silver Arrows Marine para entrega em 2015. www.silverarrowsmarine.com 58  PERFILNÁUTICO na mandíbula e nos olhos dos grandes peixes oceânicos. A suíte do proprietário está no segundo nível, ligado por uma escada exclusiva ao terceiro pavimento, e generosas plataformas abertas estão na popa e na proa, para uso convenientede todos os tripulantes. www.schopferyachts.com O superiate Paradigma 180, projeto da Pama Architetti Yacht Design, é um esplêndido iate desenhado por Alessandro e Francesco Pannone Malinconico. A dupla procurou eliminar as barreiras físicas que definem espaços e áreas funcionais com grandes espaços abertos, incorporando varandas dobráveis, portas, móveis baixos e superfícies reflexivas de correr, misturando-se os espaços interiores e exteriores com um uso inteligente de iluminação, texturas e vidros. Apresentando comodidades de primeira classe, Canal Náutico COM DIREITO A PISCINA E HELIPONTO o Paradigma 180 terá quatro cabines de hóspedes para oito pessoas — seu andar superior é reservado para a suíte do proprietário —, grandes áreas externas com direito a bar e espaço spa no cockpit, piscina na proa e um heliponto na popa. Com cerca de 60 metros ACESSÓRIOS EXCLUSIVOS de comprimento, a embarcação possui um casco de deslocamento de aço e uma superestrutura de alumínio. Painéis solares no telhado, turbinas eólicas e um motor elétrico auxiliam na redução de emissões. www.pamadesign.it O Picchio Boat é um novo conceito de catamarã concebido e desenhado por Christian Grande. Um iate ideal para interagir com o ambiente natural que o rodeia, graças a uma abordagem de projeto dedicada ao estilo de vida de quem quer aproveitar a viagem e as suas escalas em uma experiência única. Seu layout o torna totalmente “permeável” à luz, aos sons e ao cheiro do mar. Um catamarã que se mistura com a natureza, moldada pelo vento e pela água. Os acessórios que o acompanham compartilham da mesma vocação, a começar pelo bote exclusivo com um arco quadrado e convés de teca, passando pela série de malas feitas de couros finos e cordas, a cadeira de diretor de aço polido e teca, dobrável e facilmente armazenável, chegando até a bicicleta dobrável compacta e rica em estética, um complemento ideal desembarcar do Picchio Boat e explorar novos lugares. www.picchioboat.com PERFILNÁUTICO  59
  29. 29. Canal Náutico FUNDO DO MAR EM ALTA RESOLUÇÃO A sonda de imagens de alta resolução com a tecnologia CHIRP, Dragonfly DownVision da Raymarine, permite ver o mundo por baixo do seu barco com a clareza de uma fotografia. Agora é possível para profissionais ou pescadores de fim de semana detectar o peixe como nunca antes foi feito. A tecnologia CHIRP transmite ao longo de um espectro de frequências de sonda em cada impulso. O resultado é uma maior resolução, tal como as imagens reais de sonda. A Dragonfly foi criada com dois canais discretos de sonda CHIRP. O primeiro é o canal DownVision de ultraelevada resolução e o segundo é o canal de sonda de detecção de peixe de alta resolução. O suporte giratório possui uma base pequena para fixação, o que facilita a montagem em qualquer local a bordo. Também está disponível um kit opcional para montagem embutida. A incomparável sensação de desfrutar o tempo na água Lançamento CAPRI 21 www.marinexpress.com.br IWC RENOVA COM A VOLVO OCEAN RACE A fabricante suíça de relógios IWC Schaffhausen assinou um novo contrato com a Volvo Ocean Race e fará a cronometragem oficial da edição 2014-15 do evento. Da mesma forma que na edição passada, a IWC Schaffhausen não só vai atuar como cronometrista oficial, mas também como patrocinadora da taça IWC Schaffhausen 24 Horas Speed Record Challenge, que premia a equipe que percorrer a maior distância em qualquer período de 24 horas durante cada etapa da regata. Ao fim do evento, a fabricante suíça de relógios irá premiar cada membro da tripulação com um modelo da marca. A IWC também renovou parceria com a equipe de Abu Dhabi, que será comandada por Ian Walker. clipes PORTA-COPOS PARA NÃO DERRAMAR A Multicoisas é uma rede de franquias com um conceito inovador, especializada em soluções para o dia a dia que muito bem podem se adaptar a bordo. O clipe porta-copos, por exemplo, é um suporte que pode ser acoplado na borda da mesa e, desta forma, liberar espaço para pratos, travessas e talheres, num ambiente reduzido como nos barcos, 60  PERFILNÁUTICO onde tudo deve ser muito bem aproveitado. Além disso, os copos permanecerão em segurança, já que o clipe porta-copos evita que ele derrame o líquido. O acessório é confeccionado com plástico de alta qualidade e mola de aço, facilitando o manuseio. www.multicoisas.com.br COM EXCLUSIVIDADE PARA O BRASIL, A AMERICAN BOAT REALIZA SEU SONHO DE POSSUIR UMA CHRIS CRAFT.
  30. 30. Canal Náutico MENOS PESO MAIS POTÊNCIA A Volvo Penta lançou o motor V8-430, de centro-rabeta a gasolina para embarcações de lazer. O modelo alia menor peso a uma maior potência, o que garante alto desempenho e redução no consumo de combustível. O novo V8-430 é baseado no premiado projeto V8-380 lançado no ano passado, porém com modificações que permitiram o aumento da potência. É produzido com tecnologia de temporização de válvula variável, que otimiza o torque a baixas rotações ao mesmo tempo que maximiza o desempenho em altas rotações. www.volvopenta.com.br F40 DA YAMAHA PRODUZIDO EM MANAUS Desde o mês de setembro a Yamaha produz mais um modelo de motor de popa na fábrica em Manaus. Trata-se do F40, de 40 HP de quatro tempos, que antes era comercializado no Brasil via importação. Segundo a empresa, a versão brasileira manterá as mesmas características de ser mais silencioso, econômico e com baixa vibração. O motor F40 foi concebido para ser fácil de instalar e utilizar, mas também oferece uma boa potência e velocidades elevadas, bem como mais impulso e binário a velocidades médias, aliados a um bom nível de economia. Outra vantagem do motor é que, por ser de quatro tempos, emite menos poluentes. www.yamaha-nautica.com.br 62  PERFILNÁUTICO COMPRESSORES DE AR SEGUROS E EFICIENTES Os compressores de ar são muito úteis no ambiente náutico. O Mega Air C-6L da Ferrari, por exemplo, é ideal para pequenos retoques em barcos. Já o modelo Mega Turbo-50L é perfeito para pinturas diversas e serviços de manutenção ou retoques em veleiros, barcos e lanchas, entre outros atributos. Os compressores de ar da Ferrari possuem válvulas de segurança e, para diminuir a vibração, suas bases são de borracha. Esses equipamentos são compactos e fáceis de transportar. www.ferrarinet.com.br 15 ANOS DE INOVAÇÕES. FS Yachts. Desde 1998 fabricando compactas embarcações de luxo. 48 3243.1990 facebook.com/ fsyachtsbrasil
  31. 31. Canal Náutico NAVEGANDO DENTRO E FORA DA ÁGUA O semissubmarino elétrico chamado Ego, projetado pela montadora Raonhaje, promete conquistar os amantes do fundo do mar. Ele tem a proposta de ser, ao mesmo tempo, um minissubmarino e um barco, ou seja, você terá a opção de navegar dentro ou fora da água. Quando o Ego está navegando, o que se vê na superfície são dois barquinhos que navegam lado a lado, mas entre eles, no centro, há um compartimento com acesso para o mundo submerso. O espaço comporta confortavelmente duas pessoas. Segundo o fabricante, o Ego é muito fácil de pilotar, pois é comandado basicamente por um pedal de acelerador e uma direção, como se fosse um carro. barcos nacionais e importados, que navegam em águas brasileiras Índice Os motores são carregados com baterias elétricas que chegam a durar dez horas com uma única carga. Há também inúmeros equipamentos de segurança no painel, como rádio, bússola, profundímetro e controles de monitoramento de bateria. www.raonhaje-ego.com SCHAEFER YACHTS, NOVA TECNOLOGIA NA MONTAGEM Uma mudança que ninguém vê, mas todo mundo sente. Uma das marcas da Schaefer Yachts é a busca da inovação, aliada à melhor qualidade na produção de suas embarcações, que estão entre as mais vendidas no mercado nacional. Por isso, o estaleiro trouxe ao Brasil, de forma pioneira, uma nova tecnologia 64  PERFILNÁUTICO para a montagem dos barcos. A Phantom 400 agora é montada aberta, proporcionando um ganho de cinco dias úteis no prazo de entrega da lancha. Segundo o diretor da Schaefer Yachts, Pedro Phelippe, os processos de montagem e a forma de fixação das peças foram simplificados. “No Brasil, somos os únicos a usar essa tecnologia, que será estendida, aos poucos, a todos os barcos do estaleiro.” A Phantom 400 também teve atualizações no design, com novas janelas e decoração da cozinha. www.schaeferyachts.com.br Normalmente, na seção Perfil, como o nome diz, traçamos o perfil de embarcações de acordo com conversas com os representantes dos estaleiros. Nessa edição fomos mais além. O verão aproxima-se e os lançamentos começam a aparecer, por isso decidimos mostrar mais de uma embarcação em cada reportagem. Começamos com as motos aquáticas da nova linha da Sea-Doo, denominada Spark. Na sequência temos dois modelos da FS Yachts, estaleiro conhecido pelo trabalho refinado em seus barcos. Já a Phoenix Boats lançou em 2013 seis novas lanchas, que você conhecerá mais a seguir. A Intermarine 75 é um só barco, mas permite múltiplas opções de customização. E a Sessa Marine Brasil, agora incorporada oficialmente à Intech Boating, tem muitos planos para 2014. 66 Sea-Doo A nova linha Spark, leve e colorida, quer reacender o prazer de se divertir entre família e amigos 76 FS Yachts 84 Phoenix Boats 94 Intermarine 75 104 Processo artesanal alia design e potência em alto-mar. Conheça as embarcações FS 230 Scappare e FS 305 Elite Seis novas lanchas lançadas em 2013 confirmam planos do estaleiro de ser o maior da América Latina Com design e itens de série diferenciados, um barco com muitas possibilidades de personalização Sessa Marine Brasil Intech Boating confirma oficialmente a união iniciada há dois anos e que ganha ainda mais força no Brasil PERFILNÁUTICO  65
  32. 32. LINHA SPARK SEA-DOO www.sea-doo.com.br Nova linha Sea-Doo Leve e colorida A linha Sea-Doo Spark quer reacender o prazer de se divertir entre família e amigos Por Rafaella Malucelli 66  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  67
  33. 33. LINHA SPARK SEA-DOO V elocidade não é mais o principal objetivo desta linha de motos aquáticas. O princípio de resgatar o lazer na água, tão valorizado quando os primeiros destes veículos surgiram, unido com o que há de mais moderno na tecnologia atual faz da linha Spark da Sea-Doo, apresentada durante o mês de setembro em Orlando, uma ousada estratégia da empresa responsável pela marca, a canadense BRP (Bombardier Recreational Products). A LINHA SPARK FOI APRESENTADA EM SETEMBRO EM ORLANDO, EM UM EVENTO PARA A IMPRENSA PROMOVIDO PELA BRP Leves, econômicas, divertidas e acessíveis Em cinco divertidas cores, os produtos apresentados destacam-se por características como design, sustentabilidade, acessibilidade e, principalmente, economia. O projeto, que é considerado a menina dos olhos da marca, demorou cerca de oito anos para sair do papel. O resultado é fruto de muita pesquisa e paixão de todos os envolvidos, um ambiente que pôde ser sentido na pele pela equipe da Perfil Náutico, convidada pela BRP para acompanhar o lançamento exclusivo para a imprensa em Orlando (EUA). A linha Spark surgiu não apenas para diversificar 68  PERFILNÁUTICO o portfólio de produtos da marca. Segundo o vicepresidente da BRP, Chris Dawson, há muito mais por trás dessa divertida linha. A intenção é ajudar a diminuir o declínio de produtos recreativos aquáticos e reacender o mercado que atingiu certa maturidade. “O Spark chega ao mercado 50% mais leve e 40% mais barato que o concorrente da mesma categoria”, comenta Chris Dawson. “Para nós da BRP, fazer algo diferente está no DNA, que é de buscar coisas novas ou olhar para as mesmas coisas com um olhar diferente. Há alguns anos nós percebemos que a indústria dos PERFILNÁUTICO  69
  34. 34. Canal do Construtor Canal do Construtor LINHA SPARK SEA-DOO produtos aquáticos recreativos precisava de alguma coisa nova, algo para trazer de volta os tempos incríveis que existiam nos anos 90. Eram produtos divertidos, acessíveis. Hoje temos outro tipo de diversão, são máquinas muito poderosas, velozes, mas também são caras, e nós queríamos então mudar isso.” Inovação desde a concepção Com o objetivo de ser acessível para toda a família, isso é, todos poderem dirigir e se divertir, os Sparks pesam 50% menos que as tradicionais motos aquáticas. Com isso não importa a idade, é fácil para todos pilotarem e manobrarem. O design leve e moderno foi possível graças ao desenvolvimento da estrutura chamada Exoskel, uma arquitetura compacta e minimalista feita de Polytec, que é uma mistura otimizada de polipropileno e fibra de vidro desenvolvida pela BRP, projetada especificamente para aplicações em casco e convés de motos aquáticas, tornando a estrutura durável, leve e reciclável. Pilotos profissionais demonstrando a performance A LEVEZA DO PRODUTO VEIO DAS SOLICITAÇÕES DO PÚBLICO DURANTE AS PESQUISAS DE CAMPO DA EMPRESA A leveza do produto veio ao encontro de uma das principais solicitações feitas pelo público durante as pesquisas de campo da empresa: facilidade para rebocar e guardar a moto aquática. Os Sparks podem ser rebocados pela maioria dos carros populares. Chris Dawson comenta que a sustentabilidade está intrínseca em tudo que a empresa realiza hoje. “Na linha Spark temos o motor mais limpo da categoria, com 13 vezes menos emissões de CO², se comparados aos motores dos anos 90 e 2000”, afirma. A família de motores Rotax 900 ACE adotada pela empresa nos Sparks colabora para a leveza da moto aquática e, segundo a BRP, é não apenas o mais compacto e leve do mercado, mas o mais econômico também, apresentando um aproveitamento de combustível cerca de 35% maior do que os demais. O motor é um conjunto 70  PERFILNÁUTICO propulsor de quatro tempos com três cilindros em linha, com iTC™ (Controle de Aceleração Inteligente) e CLSC (Sistema de Arrefecimento em Circuito Fechado). DUAS POTÊNCIAS DE MOTOR DÃO A OPÇÃO PARA QUEM QUER UMA PILOTAGEM MAIS RADICAL opções para todos os gostos Apresentação em noite de gala As possibilidades da linha são inúmeras. Há o modelo para duas pessoas e outro com traseira prolongada em que cabem três pessoas. Duas potências de motor dão a opção para quem quer uma pilotagem mais radical, podendo chegar à velocidade máxima de 65 km/h com o modelo 900 ACE, e 80 km/h com o 900 HO ACE. Para os iniciantes a dica é adquirir o freio e reverso inteligente (iBR) que, de acordo com os técnicos da Sea-Doo, dá aos pilotos a capacidade de parar até 30 metros antes que qualquer outra moto aquática. PERFILNÁUTICO  71
  35. 35. LINHA SPARK SEA-DOO O objetivo do lançamento é chegar a um número maior de famílias MODELOS PERSONALIZADOS COM OPÇÃO DE CINCO CORES E 20 KITS GRÁFICOS DIFERENTES PERFEITO PARA O MERCADO BRASILEIRO Para embelezar e deixar o modelo ainda mais personalizado há cinco cores divertidas – Branco Vanilla, Laranja Crush, Rosa Bubble Gum, Amarelo Pineapple ou Cinza Licorice – que podem ainda ser estilizadas com as 20 opções de kits gráficos oferecidos pela marca. Há ainda uma linha de vestuário e uma série de acessórios com o mesmo design da moto aquática feitas para combinar. Tudo pensado para que a palavra diversão fique sempre em evidência. 72  PERFILNÁUTICO O objetivo de criar um produto de fácil assimilação para todas as idades com um preço muito mais acessível que as demais motos aquáticas do mercado é, segundo o vicepresidente da BRP, Chris Dawson, chegar a um número maior de famílias. Para Dawson, isso vem ao encontro da nova realidade econômica mundial e do aquecimento da economia brasileira. “Além de ser um mercado emergente e aquecido, o que eu mais amo sobre o Brasil é a cultura da água que existe lá, PERFILNÁUTICO  73
  36. 36. LINHA SPARK SEA-DOO as pessoas adoram estar na praia, estar com a família na água de alguma maneira se divertindo e isso se encaixa perfeitamente com a filosofia da Sea-Doo como um todo”, compara Dawson. “Em nossa opinião, nós temos o melhor mix de produtos para pessoas que querem gastar bastante ou pouco dinheiro. A linha Spark abre as portas da diversão aquática para muito mais famílias. Quando pensamos no Spark, o Brasil foi um dos principais mercados para o lançamento da linha. O Spark é o produto de entrada para muitas famílias no mundo da diversão aquática, queremos criar memórias. É sustentável, é divertido e acessível.” A linha Spark chega ao mercado brasileiro em três modelos com os seguintes valores sugeridos pela fábrica: R$ 22.899,00 (ACE 900 NA – dois lugares); R$ 26.119,00 (ACE 900 HO – dois lugares); e R$ 28.879,00 (ACE 900 HO – três lugares). Sobre a BRP A BRP é líder global em projeto, desenvolvimento, fabricação, distribuição e marketing de veículos para esportes motorizados. Distribuído em 105 países, seu portfólio de marcas e produtos inclui motos para neve Ski-Doo e Lynx, motos aquáticas Sea-Doo, veículos para todo terreno e side-by-side Can-Am, roadsters Spyder, motores de popa Evinrude, bem como sistemas de propulsão Rotax. A BRP emprega aproximadamente 6,8 mil pessoas no mundo todo. 74  PERFILNÁUTICO SERVIÇO SEA-DOO SITE: www.sea-doo.com.br
  37. 37. FS 230 www.fsyachts.com.br Obras-primas do FS Yachts Processo artesanal alia design e potência em alto-mar. Conheça as embarcações FS 230 Scappare e FS 305 Elite Por Leo Suzuki 76  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  77
  38. 38. FS 230 O estaleiro FS Yachts é conhecido pelo caprichado trabalho artesanal no processo de construção de suas embarcações que, aliado à alta tecnologia e ao desenvolvimento de designs inovadores, se tornou referência no mercado náutico nacional, inclusive ditando tendências. O modelo FS 230 Scappare, por exemplo, lançado em 2009, é um dos grandes destaques entre os barcos nacionais na categoria de lanchas de pequeno porte, ganhando a preferência de muitos novos proprietários, tanto pela qualidade e desempenho de navegação quanto pelo seu acabamento de primeira linha. A lancha é sucessora da FS 220 High Class, a primeira embarcação brasileira com motor centro-rabeta, que se tornou referência no mercado das pequenas embarcações. O modelo com estofamentos e cores modernas, pintura automotiva e gelcoat abriu caminho para aqueles que, mesmo possuindo um O MODELO FS 230 SCAPPARE, LANÇADO EM 2009, É UM DOS GRANDES DESTAQUES ENTRE OS BARCOS NACIONAIS NA CATEGORIA LANCHAS DE PEQUENO PORTE barco de pequeno porte, gostariam de escolher itens de customização que tornariam sua lancha personalizada de acordo com o seu perfil. A FS 230 foi precursora dos modelos com convés pintado de preto, azul ou vermelho, e a novidade virou tendência no mercado náutico brasileiro. Dentre os diferenciais da lancha, destacam-se o excelente espaço interno com gaiutas e vigias – abertas e ventiladas – e um banheiro privado com pia e torneira, ducha e lixeira e demais itens de série. O banheiro fechado interferiu um pouco no espaço destinado para a cama, mas, segundo a equipe técnica do estaleiro, essa opção de projeto se tornou válida porque menos de 10% das pessoas que navegam na FS 230 Scappare têm o espaço da cama como item prioritário e, por outro lado, o conforto do banheiro torna-se um atrativo diferencial. A embarcação possui um sofá em U na cabine, 78  PERFILNÁUTICO Modelo de proa aberta, FS 230 Sirena, com banheiro fechado na frente do copiloto com estofamento em courvin antimofo com opções das cores areia, caramelo, marrom e terracota. A FS 230, no modelo de proa aberta, foi batizada como FS 230 Sirena. Nessa versão, um banheiro fechado na frente do copiloto faz parte da infraestrutura. As FS 230 são homologadas para dez pessoas e já vêm equipadas com uma geleira revestida em poliuretano no cockpit – ao lado da pia –, escada de acesso ao AS FS 230 CONTAM COM UM GRANDE SOLÁRIO DE POPA E UMA BELA PLATAFORMA DE MERGULHO E SÃO EQUIPADAS COM GELEIRA E ESCADA DE ACESSO AO COCKPIT Banheiro privado e cockpit espaçoso cockpit, um grande solário de popa – acima da tampa do motor – e uma boa plataforma de mergulho, onde se pode instalar uma churrasqueira com tábua de madeira. PERFILNÁUTICO  79
  39. 39. FS 230 A FS 230 abriu caminho para a customização em lanchas de pequeno porte A navegação, tanto do modelo de proa fechada – Scappare –, como no de proa aberta – Sirena –, é estável, com planeio instantâneo que não “empopa”, curto raio de manobra e sistema de desempenho “Step-Vee” no casco. A motorização, na versão padrão, é feita com dois motores Volvo Penta SX N-EV com 225 HP de potência cada um. FS 305 Elite Outro modelo que é destaque do estaleiro é a FS 305 Elite, lançada em 2012. O diferencial da lancha cabinada de médio porte é a entrada de ar negativa no costado, similar à de carros superesportivos, proporcionando aspecto futurista à embarcação. O truque é consequência de um processo de laminação complexo. Outro ponto forte é a cabine. O pé-direito tem 1,90 metro na entrada não comprometendo a circulação das pessoas. Na cabine, um botão no sofá de proa eleva a sua base, tornando-a uma extensão da cama.Na meia-nau, uma sala com dois sofás opostos, que podem ser utilizados como camas para as crianças ou completados, tornando-se uma cama de casal. O banheiro preserva a mesma altura da cabine. A FS 305 Elite vem equipada com um motor a gasolina, centro-rabeta, modelo Volvo Penta V8, de 380 HP de potência. Na versão mais potente são dois motores Volvo Penta com 440 HP cada um. FS Yachts Este ano o estaleiro comemora 15 anos de existência. Em 1998, foi construída a primeira lancha FS em um galpão no Rio Grande do Sul, o modelo FS 185. Nos anos seguintes, foram criados mais três modelos de embarcações: FS 210 Open, FS 210 Cabin e FS 220. Em 2004, o estaleiro inicia sua exportação para Canadá, Eslovênia, Rússia, Angola e Suécia. Em 2005 a linha FS passa a ser fabricada no litoral catarinense em um processo totalmente artesanal, estabelecendo sua identidade no mercado náutico.Com o lançamento das embarcações FS 180, FS 205, FS 215, FS 230 Scappare, FS 230 Sirena e FS 305 Elite, o estaleiro FS Yachts passa a colaborar com a criação de novas tendências de design no mercado náutico mundial. A precisão na produção limitada, a alta tecnologia e a força do acabamento artesanal fazem do estaleiro FS um verdadeiro estúdio de arte e suas lanchas se tornam verdadeiras obras-primas. FS 305 Elite, visual futurista similar ao de carros superesportivos 80  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  81
  40. 40. FS 230 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FS 230 Sirena COMPRIMENTO TOTAL: 7,1 m BOCA MÁXIMA: 2,5 m PESO SEM MOTOR: 850 kg Capacidade de passageiros/dia: 10 Motorização: centro-rabeta, de 135 HP a 260 HP Tanque de água doce: 60 L Tanque de combustível: 150 L Banheiro fechado c/ WC e ducha. FS 230 Scappare COMPRIMENTO TOTAL: 7,1 m BOCA MÁXIMA: 2,5 m PESO SEM MOTOR: 900 kg Capacidade de passageiros/dia: 10 Capacidade de passageiros/noite: 2 Motorização: centro-rabeta, de 135 HP a 260 HP Tanque de água doce: 60 L Tanque de combustível: 150 L FS 305 Elite COMPRIMENTO TOTAL: 9,32 m BOCA MÁXIMA: 2,82 m PESO SEM MOTOR: 3.000 kg Capacidade de passageiros/dia: 12 Capacidade de passageiros/noite: 4 Motorização: centro-rabeta, de 300 HP a 440 HP Tanque de água doce: 100 L Tanque de combustível: 340 L Pé-direito na cabine: 1,86 m Pé-direito no banheiro: 1,86 m SERVIÇO FS Yachts SITE: www.fsyachts.com.br TELEFONE: (48) 3279 7333 82  PERFILNÁUTICO
  41. 41. PHOENIX LANÇAMENTOS www.phoenixboats.com.br Um é pouco, três é bom... seis é suficiente 84  PERFILNÁUTICO A Phoenix Boats lança seis novas lanchas em 2013 e segue planos para ser o maior estaleiro da América Latina Por Amanda Kasecker PERFILNÁUTICO  85
  42. 42. PHOENIX LANÇAMENTOS A Phoenix finaliza o ano de 2013 com uma aposta bastante arrojada: o lançamento de seis novas lanchas. Tudo isso em um único evento, o São Paulo Boat Show, que aconteceu de 17 a 22 de outubro. Cinco delas formam uma nova linha do estaleiro: a Limited, composta pelos modelos 275, 290, 290 open, 360 e 360 open. O sexto lançamento, a 255 Platinum com motor de centrorabeta, já estava nos planos da empresa há tempos. E, por falar em planos, os da Phoenix são ousados: tornar-se o maior estaleiro da América Latina. Quem conta é Pedro Senna, diretor de marketing da empresa. Segundo ele, todos os próximos passos estão calculados para concretizar o objetivo final em um futuro muito próximo. “Há cinco anos começamos a traçar o plano para a Phoenix se tornar o maior estaleiro da América Latina”, revela Pedro. “Ainda não chegamos lá, faltam algumas etapas, já que o nosso plano é para 2015.” Os mais recentes lançamentos fazem parte de um processo chamado “fidelização”. “A Phoenix tem um plano de fidelização de cliente extremamente eficiente, que passa pelas funções da diretoria e pela presença da rede de concessionários junto ao uso da embarcação pelos clientes”, explica o diretor. “Numa marina que seja concessionária Phoenix, por exemplo, a atenção junto ao barco é diferenciada, cada acontecimento com a embarcação é reportado para a fábrica.” Esse conjunto de informações chega sempre à direção da empresa, que é o departamento com poder de decisão imediato. “A cada dia refinamos esse modelo de trânsito entre o cliente e a diretoria da empresa”, fala Pedro. “Isso permite que tenhamos uma infinidade de feedbacks altamente confiávéis, já que vêm do próprio A 255 PLATINUM COM MOTOR CENTRO-RABETA, QUE JÁ ESTAVA NOS PLANOS DA EMPRESA HÁ TEMPOS, FOI APRESENTADA DURANTE O SÃO PAULO BOAT SHOW cliente chegando em quem é capaz de promover investimentos significativos, incluindo a criação de novos modelos na linha de produtos.” Foi justamente assim que esses novos seis barcos foram criados. A Linha Limited começou com a 275. A 275 Limited derivou da 275 Platinum. Muitos clientes dessa lancha demonstraram interesse em ter um novo barco, mas que não fosse maior, já que muitos deles navegavam em locais de baixa profundidade ou em lagos e represas, mas eles queriam migrar para uma lancha melhor, mais completa e mais luxuosa. Seguindo o mesmo raciocínio, clientes pediram para que a 290 Platinum também tivesse uma remodelagem, mas não queriam que passasse de 36 pés. Como as demandas iniciais dos clientes já se mostraram sólidas, de acordo com Pedro Senna, os lançamentos foram totalmente viáveis, com unidades já vendidas antes mesmo de serem expostas ao público. Antes mesmo de ser vista no São Paulo Boat Show, a linha Limited inteira já possuía cinco unidades entregues e inúmeros pedidos. Dentre as seis lanchas que acabaram de sair do forno, duas têm demonstrado um sucesso muito rápido: a 290 Limited e a 360 Limited. “A quantidade de encomendas está acima das expectativas”, comemora o diretor de marketing. Os lançamentos Derivada da 255 Platinum, com motor de popa, nasceu a 255 Platinum com motor de centro-rabeta. A primeira vendeu 250 lanchas em um ano. O projeto da 255 é inteiramente feito na Itália. “A lancha surgiu por encomenda junto ao estúdio que trabalha conosco desde a criação da 230 Plus, a lancha que mudou todos os números para a Phoenix”, explica Senna. A nova 255 apresenta algumas diferenças. 86  PERFILNÁUTICO A nova plataforma de popa valoriza atividades em grupo, desde monitorar as crianças na água até fazer um churrasco. Ela conta ainda com uma das maiores bocas da categoria, proa com duas chaises longues e espaço de convivência para três adultos, solarium de popa com encosto rebatível, bancos ergonômicos ajustáveis e rebatíveis, pia, escadas de proa e de popa, geleiras e uma infinidade de porta-objetos. PERFILNÁUTICO  87
  43. 43. PHOENIX LANÇAMENTOS 275 Limited, espaço interno privilegiado Linha Limited A Phoenix Boats agora tem embarcações premium entre 27 e 36 pés. A linha Phoenix Limited possui cinco modelos: a 275 Limited, a 290 Limited, a 290 Limited Open, a 360 Limited e a 360 Limited Open. Por conta da dinâmica do trânsito de informações com os clientes e concessionários, o estúdio de design recebeu direcionamentos mais concretos, esboços e guidelines feitos no próprio estaleiro. A caçula – 275 Limited Novo design exterior, novos opcionais e acabamento totalmente diferenciado chamam a atenção. Este modelo possui uma das maiores plataformas de popa e também uma das maiores cabines da categoria, com boca de quase três metros, e acomoda três adultos para pernoite. Seu espaço interno é privilegiado e seu design traz diferenciais: bancos com acabamento requintado, teca, pia, cristaleira, banheiro fechado com excelente pé-direito. 88  PERFILNÁUTICO 290 Limited, redistribuição interna da cabine A prática – 290 Limited A partir da 290 Platinum, surgiu a 290 Limited. Algumas mudanças foram fundamentais, como os ajustes no casco que permitem uma navegação ainda mais precisa e adequada aos novos motores de centro disponíveis no mercado. Outro ponto alto da lancha é a redistribuição interna da cabine, com acabamentos diferenciados, armários em diversas opções de cores e aumento no pé-direito, tanto do banheiro quanto das cabines de proa e de meia-nau. A plataforma de popa traz um espaço gourmet escondido sob um banco voltado para a água. O solarium de popa também ganhou novos revestimentos e ainda mais espaço para até três adultos. PERFILNÁUTICO  89

×