1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa

2,353 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,353
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
611
Actions
Shares
0
Downloads
31
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

1294586040 a bandeira_e_o_hinoaaa

  1. 1. A Bandeira e o HinoSímbolos de Portugal
  2. 2. Símbolos de PortugalA Bandeira e o Hino são símbolos dePortugal. As pessoas sabem-no mas nemsempre compreendem porque motivo seemocionam tanto quando, em certasocasiões, vêem flutuar ao vento a bandeiraportuguesa e ouvem o hino nacional.Toda a gente vibra porque o sentimento depertencer a um povo se torna, de súbito,muito forte e envolvente .
  3. 3. Símbolos de PortugalNo mastro não sobe apenas um rectângulo depano às cores. Também lá vão batalhas e lendas,viagens, momentos de glória, crenças, sonhos,grandes decisões, as etapas sucessivas dopercurso de uma nação com mais de oitocentosanos de história. E o hino surgiu num momentoespecial, como afirmação dessa longa caminhadaatravés dos séculos.A bandeira e o hino transportam consigo aHistória de Portugal.
  4. 4. As Bandeiras MedievaisNa Idade Média as bandeiras tinham um papelimportantíssimo na guerra porque serviam para orientaros combatentes. Quando os exércitos se envolviam nabatalha os soldados precisavam de m ponto de referênciapara saberem onde estavam os seus chefes e os seuscompanheiros. Esse sinal era a bandeira flutuando bem àvista de todos. Por isso o cargo de Porta-Bandeira tinha amaior importância
  5. 5. A Forma das BandeirasSó a bandeira do rei podia ser quadrada echamava-se estandarte. As outras, fossem degrandes senhores, das cidades ou dos gruposprofissionais, eram rectangulares,triangulares ou farpadas na ponta echamavam-se pendões.
  6. 6. A Bandeira ao longo da HistóriaPortugal tornou-se um paísindependente em 1143Ao longo de oitocentos anos de históriaa bandeira foi-se modificando, mas asalterações não surgiram por acaso. Surgiram sempre por motivos concretos que é interessante conhecer. Vamos a isso!
  7. 7. A Bandeira de D. Afonso HenriquesNa Idade Média não havia distinção entre ossímbolos do rei e os símbolos do país quegovernava. A bandeira de D. Afonso Henriquesera também a bandeira de Portugal e, segundo atradição, tinha uma cruz azul sobre fundobranco, mas não se sabe ao certo se realmenteera assim. Conhecem-se no entanto os selos de D.Afonso Henriques porque ficaram estampadosem documentos que chegaram aos nossos dias.Todos incluíam uma cruz.
  8. 8. Selos de D. Afonso Henriques
  9. 9. A Bandeira de D. Afonso Henriques D. Afonso Henriques 1143-1185
  10. 10. A Bandeira de D. Afonso HenriquesPortanto esta É branca efoi a nossa tem a cruz deprimeira cristo em azulbandeira.Pode ter sido diferente mas esta é a recordadapela lenda da batalha de Ourique , onde Jesus teráaparecido ao próprio D. Afonso e Henriques e dito: In hoc signo vinces
  11. 11. A Bandeira de D. SanchoNão chegou aos nossos dias nenhuma bandeirade D. Sancho I mas é possível reconstituí-la apartir dos selos e das moedas do seu tempo.Tinha fundo branco com cinco escudetes azuispolvilhados de besantes (discos de metal)prateados em número variávelD. Sancho preferiu cinco escudos azuis,dispostos em cruz e apontados para o centrocravejados de besantes.
  12. 12. A Bandeira de D. Sancho ISegundo a tradição os escudetes dispostos em forma decruz representavam as cinco chagas de Cristo ou oscinco reis mouros que o seu pai, Afonso Henriques, teriavencido na Batalha de Ourique. Trata-se no entanto deuma interpretação lendária pois não há documentossobre o assunto.
  13. 13. A Bandeira de D. Sancho I Escudetes e besantesD. Sancho e os reis que lhe sucederamcontinuaram as guerras da conquista e asbandeiras que hasteavam eram uma homenagem aD. Afonso Henriques e aos ferimentos que estesofrera na importante e decisiva batalha deourique.
  14. 14. A Bandeira de D. Sancho IReis que usaram esta bandeiraD. Sancho I –1185-1211D. Afonso II –1211-1223II –D. Sancho1223-1248
  15. 15. A Bandeira de D. Afonso IIIO rei D. Sancho II não conseguiu governar e opaís mergulhou numa verdadeira anarquia.Ninguém respeitava as leis e bandosarmados assaltavam constantementecastelos, povoações, igrejas e conventos.As pessoas cansadas da confusão, chamaramo príncipe Afonso que vivia em França epediram-lhe que tomasse as rédeas dogoverno.
  16. 16. A Bandeira de D. Afonso IIIEle aceitou o repto, mas foinecessário lutar, porque apesar detudo houve portugueses que semantiveram fiéis a D. Sancho II.Ora não faria sentido que os doisirmãos se defrontassem no campode batalha sob a mesma bandeira.
  17. 17. A Bandeira de D. Afonso IIIPor isso D. Afonso III acrescentou àbandeira real uma bordadura vermelhacom castelos a ouro. Segundo a tradição,estes seriam os castelos conquistados aosmouros pelo seu bisavô, D. AfonsoHenriques, mas alguns historiadoresconsideram que D. Afonso III se limitou ausar o símbolo do brasão da mãe que eraprincesa de Castela.
  18. 18. A Bandeira de D. Afonso IIIDepois de ganhar a guerra e de subir aotrono, D. Afonso III manteve a sua bandeira.A partir deste reinado fixou-se para sempreaquilo que se tornou o núcleo da bandeiranacional: cinco escudetes azuis, com cincobesantes brancos e uma faixa vermelha comcastelos.
  19. 19. A Bandeira de D. Afonso III Uma Faixa com CastelosO seu casamento com D. Beatriz de castelainfluenciou assim a introdução de de umaborda vermelha castelada a ouro. O factode ter sido d. Afonso III quem conquistoudefinitivamente o Algarve levou à convicçãode que os castelos representavam o ditoterritório.
  20. 20. A Bandeira de D. Afonso III Uma Faixa com CastelosReis que usaram esta bandeiraD. Afonso III – 1248-1279D. Dinis – 1279-1325D. Afonso IV –1325-1357D. Fernando –1367-1383
  21. 21. A Cruz de AvisD. João, mestre de Avis, era filho bastardo do rei D. PedroI e segundo as leis da época não tinha direito a subir aotrono.Mas depois da revolução de 1383-1385 os portuguesesescolheram-no para reinar.Assumiu o governo como D. João I e iniciou a dinastia deavis.Manteve a bandeira dos seus antepassados masintroduziu-lhe uma modificação…
  22. 22. A Cruz de Avis…a cruz da ordem militar de Avis, a verde.Dessa cruz só aparecem os remates quetêm a forma de flor- de- lis
  23. 23. A Cruz de AvisReis que usaram esta bandeiraD. João I –1383-1433D. Duarte –1433-1438D. Afonso V –1438-1481
  24. 24. A Bandeira de D. João II A Coroa realD. João II, homem dominador, de fortepersonalidade, tomou muitas medidas parareforçar o poder real e marcou profundamente ahistória de Portugal. Alterar a bandeira foitambém uma forma de afirmar a sua autoridade.
  25. 25. A Bandeira de D. João II A Coroa RealOs símbolos tomaram a forma de escudo, terminado emcunha.Desapareceu a Cruz de Avis. As quinas viravam-se todaspara baixo tomando a posição que ainda hoje ocupam.A esse núcleo acrescentou-se uma coroa e o conjuntopassou a aplicar-se em fundo branco
  26. 26. A Bandeira de D. João II A Coroa RealAs armas reais fixaram-se sobre o fundo branco.Tinham ao centro o escudo, com uma bordadurade vermelho carregada de castelos em ouro,sobre o qual foi colocada uma coroa real aberta
  27. 27. A Bandeira de D. João II A Coroa RealNo tempo de D. Manuel I – 1495-1521) a esfera armilartornou-se um dos mais importantes símbolos do país e porvezes foi incluída na bandeira.A esfera armilar era o símbolo de D. Manuel e dapresença portuguesa no mundo.Lembra por isso os Descobrimentos.
  28. 28. A Coroa RealReis que usaram esta bandeira D. João II – 1481- 1495 D. Manuel I – 1495- 1521 D. João III – 1521-1557
  29. 29. A Coroa Imperial
  30. 30. A Coroa ImperialO Rei D. Sebastião – 1557-1578 subiu ao tronocom apenas três anos de idade e foi educado nosonho de fazer grandes conquistas no norte deÁfrica, recuperar terras que se tinham perdidono reinado anterior e alargar o impérioportuguês. Compreende-se pois que dentrodesses sonhos de grandeza a coroa real quefigurava na bandeira fosse substituída por umacoroa imperial.
  31. 31. A Coroa ImperialQuando o cardeal D. Henrique morreu levantou-se um problema complicado de resolver: o reinão deixara filhos e segundo as leis da sucessãodevia subir ao trono o parente mais próximo.Ora, este era Filipe II, rei de Espanha. Muitosportugueses reagiram e houve lutas porque nãoqueriam ser governados por um estrangeiro.Mas Filipe II soube fazer valer os seus direitos einiciou a dinastia filipina que durou 60 anos.
  32. 32. A Coroa ImperialDurante esse período Portugalesteve unido à Espanha masmanteve a sua bandeira porquecontinuou a ser considerado umreino com leis próprias. E abandeira não sofreu alterações.
  33. 33. A Coroa Imperial Reis que usaram esta bandeiraD. Sebastião –1557-1578 Henrique –Cardeal D.1578-1580 Espanha –Filipe II de1581-1598 Espanha –Filipe III de1598-1621Filipe IV de Espanha –1621-1640
  34. 34. A Bandeira da RestauraçãoNo dia 1 de Dezembro de 1640, depois de muitas revoltasfracassadas e de longos preparativos, os portuguesesexpulsaram os espanhóis e restauraram a independêncianacional. Subiu ao trono D. João, duque de Bragança queera descendente da família real portuguesa. Iniciou-seassim a Dinastia de Bragança e o rei assumiu o governocomo D. João IV.
  35. 35. A Bandeira da RestauraçãoCom a restauração a bandeira foiligeiramente modificada, ficando oescudo com a ponta redonda, noformato dito português.
  36. 36. A Bandeira da RestauraçãoReis que usaram esta bandeiraD. João IV – D. João V –1640-1656 1706-1750D. Afonso VI – D. José I – 1750-1656-1683 1777D. Pedro II – D. Maria –
  37. 37. Esfera armilar sobre fundo azulEm 1808, a família real teve que fugir para defender otrono das invasões francesas. O local escolhido para orefúgio foi o Brasil, que nessa altura era uma colóniaportuguesa. D. João VI elevou o Brasil à categoria de ReinoUnido ao de Portugal.Para Representar uma nova realidade alterou-se abandeira: incluiu-se a esfera armilar sobre fundo azul ( oque se considerou símbolo do Brasil)
  38. 38. Esfera armilar sobre fundo azulRei que usou esta bandeiraD. João VI – 1816-1826
  39. 39. A Guerra Civil Duas BandeirasNo Século XIX, surgiram pela primeira vezdois partidos políticos com ideias muitodiferentes sobre a forma de governar: Os Absolutistas Os Liberais
  40. 40. A Guerra Civil As duas bandeirasOs AbsolutistasQueriam que tudo continuasse àmaneira antiga ou seja, o rei deveriamanter os três poderes: Governar,fazer leis e ser o juiz supremo.
  41. 41. A Guerra Civil As duas bandeirasOs LiberaisPropunham mudanças profundas. Queriam umadivisão de poderes: o rei governava (Poderexecutivo), o parlamento fazia as leis (poderlegislativo) e os Tribunais julgavam os crimes(poder judicial). Queriam também que homenseleitos pelo povo definissem uma lei geral para opaís – a constituição – a que todos tinham deobedecer, incluindo o rei.
  42. 42. A Guerra Civil As duas bandeirasDurante o reinado de D. João VI – 1816-1826– houve vários conflitos entre estes doispartidos. Triunfaram os LiberaisE o rei aceitou a Constituição. Mas quandomorreu levantou-se um problema de sucessãocomplicado: O príncipe mais velho, D. Pedro, eraliberal. Não podia, no entanto, subir ao tronoporque declarara a independência do Brasiltornando-se imperador.
  43. 43. A Guerra Civil As duas bandeirasHavia um príncipe mais novo, D. Miguel, queestava disponível, só que era absolutista e osliberais não o aceitavam. O País dividiu-se.D. Pedro acabou por abdicar do trono do Brasil afavor do filho e regressou a Portugal. Estalou entãouma violenta guerra civil, que durou dois anos –1832 a 1834.Ora, os exércitos não podiam defrontar-se sob amesma bandeira.
  44. 44. A Guerra Civil As duas bandeirasOs absolutistas que tanto defendiam atradição usaram a bandeira anterior àindependência do Brasil
  45. 45. A Guerra Civil As duas bandeirasOs liberais criaram uma bandeira nova. Omodelo foi imaginado quando o exército deD. Pedro se encontrava na ilha terceira doarquipélago dos Açores.
  46. 46. O Fundo Azul e BrancoNa bandeira imaginada para o exército de D. Pedro IVmodificou-se a feitio da coroa e o fundo passou a ser azule branco. Estas cores tornaram-se símbolo das ideiasliberais. Como estes, os liberais, venceram a guerra civil, asua bandeira manteve-se e permaneceu idêntica até aofinal da monarquia
  47. 47. O Fundo azul e Branco E assim se manteve esta bandeira até ao final da Monarquia PortuguesaReis que usaram esta bandeiraD. Pedro IV -1826D. Maria II –1834-1853
  48. 48. O Fundo Azul e Branco A última Bandeira da monarquiaReis que usaram esta bandeiraD. Pedro V –1853-1861 D.Luís – 1861- 1889
  49. 49. O Fundo Azul e Branco A última bandeira da monarquia D. Carlos – 1889-1908D. Manuel II – 1908-1910
  50. 50. As ideias Republicanas O símbolo da república é uma figura feminina com um barrete vermelho. O barrete frígio.
  51. 51. As ideias RepublicanasQuando a monarquia se tornou liberal, passou a haverpartidos políticos legais. Cada um tinha opiniões sobre amelhor maneira de desenvolver o país e queria ganhar aseleições para poder governar. No entanto estes partidos nãopunham em causa a figura do rei. Eram partidos monárquicos.No final do séc. XIX surgiu o Partido Republicano quepretendia uma alteração radical: abolir a monarquia eimplantar a república. Considerava que o chefe máximo deum país devia ser escolhido e eleito pelo povo e defendiamuitas outras ideias igualmente revolucionárias. Durantevários anos o partido republicano apresentou-se às eleiçõeslado a lado com os partidos monárquicos.Não ganhava mas ía divulgando as suas ideias.
  52. 52. As ideias republicanasAlguns grupos republicanos estavam convencidos que,com o decorrer do tempo, os portugueses acabariampor votar na mudança. Outros consideravam que sóera possível abolir a monarquia e implantar arepública com uma revolução, mas esse projecto tinhaque ser discutido em segredo pois quem falasseabertamente no assunto ía preso. Desenvolveram-senessa época várias sociedades secretas como aMaçonaria e a carbonaria onde se conspirava contra amonarquia e se faziam planos de revolução.
  53. 53. As ideias Republicanas Tentativas de RevoluçãoA 31 de janeiro de 1891 houve uma primeirarevolta republicana no Porto, mas foireprimida e os participantes foram presos.Mais tarde, em 1907, fez-se outra tentativaem Lisboa que também falhou. Apesar dosfracassos as novas ideias não morreram, pelocontrário, a República foi ganhando cada vezmais adeptos
  54. 54. A RepúblicaEm Outubro de 1910 Depois de vários meses de preparação houve uma revolução em Lisboa e desta vez com êxito. ÀS 9 horas da manhã do dia 5 de OutubroProclamava-se a República na varanda da Câmara Municipal de Lisboa. Saírammilhares de pessoas para a rua a festejar, a notícia espalhou-se rapidamente pelopaís e a mudança tornou-se um facto consumado. As leis do novo regime aboliram osprivilégios por nascimento e procuraram maior liberdade e mais justiça social. AForma de governo Republicano permite que qualquer português que se distingapelas suas qualidades e seja eleito se torne o Presidente da República.
  55. 55. O Verde e VermelhoUma mudança tão profunda da Monarquia á República – exigia quese escolhesse outra bandeira nacional. Mas que cores se deviamusar?E que símbolos? O novo governo não perdeu tempo e logo a 15 de Outubro reuniu um grupo de pessoas de prestígio para que elaborassem o projecto de uma nova bandeira. Desse grupo faziam parte: o pintor Columbano Bordalo Pinheiro, o jornalista João Chagas; o escritor Abel Acácio de Almeida Botelho; o capitão de Artilharia José Afonso Pala e o primeiro-tenente António ladislau Parreira. Naturalmente inspiraram-se nas bandeiras dos centros republicanos e das sociedades secretas que tinham contribuído para o êxito da revolução.
  56. 56. O Vermelho e o verde Primeira bandeira da causa republicana em Portugal. Foi usada na revolução do 31 de Janeiro de 1891
  57. 57. O Vermelho e o verde Bandeira da socidade secreta “carbonária”
  58. 58. O Vermelho e o Verde Bandeira do centro republicano Fernando Botto machado. Quando se implantou a república foi hasteada porque ainda não havia a nova bandeira
  59. 59. O Vermelho e o Verde Primeira proposta apresentada pela comissão encarregue de estudar a bandeira nacional.
  60. 60. O Vermelho e o VerdePara justificar os motivos da escolha, elaboraram um relatório. OsMotivos, justificações apresentados, em resumo, eram osseguintes: As cores O Vermelho “cor combativa e quente, é a cor da conquista e do riso. Uma cor cantante, ardente, alegre. Lembra o sangue e incita à vitória”. O Verde, “cor de esperança e do relâmpago, significa uma mudança representativa na vida do país.
  61. 61. O Vermelho e o Verde Os símbolosA esfera armilar Lembra os Descobrimentos portugueses que é a fase mais brilhante da nossa história, portanto deve aparecer na bandeira
  62. 62. O Vermelho e o verde Os símbolosA faixa com sete castelos Também deve permanecer porque representa a independência nacional
  63. 63. O vermelho e o verde Os SímbolosO escudo com as quinas Deve continuar na bandeira como homenagem à bravura e aos feitos dos portugueses que lutaram pela independência
  64. 64. O Vermelho e o VerdeO governo aceitou a proposta mas fez algumas alterações: mudou a posição relativa e adimensão das cores, eliminou a estrela e modificou um pouco o escudo e a esferaarmilar. A bandeira nacional acabou por ficar assim. Bandeira nacional aprovada pelo Governo em 29 de Novembro de 1910 e homologada pela Assembleia Constituinte em 11 de Junho de 1911.
  65. 65. Outras PropostasA escolha da bandeira provocou grandesdiscussões e houve gente que imaginou outrosmodelos. Muitos desses modelos forampublicados em jornais, revistas, postais e numalmanaque da época. Proposta de Guerra Junqueiro Guerra Junqueiro insistiu muito para que se mantivesse o azul e branco. dIzia que não eram as cores do rei mas da “alma nacional” e portanto não deviam ser abolidas
  66. 66. Outras PropostasProposta de Joaquim Augusto Fernandes “Sobre fundo de candura cinco traços de heroísmo e esperança. Em cima, junto à haste, o céu estrelado da nossa fantasia. A lua ostenta um sonho dourado, já realizado – a História de Portugal representada pela esfera armilar e pelo escudo. As dez estrelas maiores são os dez cantos dos lusíadas. As quatro mais pequenas representam a obra dos portugueses na África, Ásia, América e Oceania.
  67. 67. Outras Propostas Proposta de Jacinto Rosiers
  68. 68. Outras Propostas
  69. 69. A Festa da BandeiraOs Republicanos quiseram deixar claro que o facto deterem implantado um novo regime não significavauma ruptura com a história de Portugal. Muito pelocontrário, a construção do país fora longa e passarpor muitas etapas. Esta era mais uma querepresentava o progresso. Por isso escolheram o dia 1de dezembro, data em que se comemora aRestauração da Independência, para ser também odia da Bandeira nacional. Assim, a 1 de Dezembro de1910, organizou-se um cortejo em Lisboa. Apesar domau tempo, a população saiu à rua para festejar anova bandeira verde e vermelha.
  70. 70. Características da Bandeira A bandeira portuguesa tem que obedecer aoA forma modelo oficial. Tem que ser rectangular e pode ser feita de muitos tamanhos, desde que se respeitem as proporções entre o comprimento e a altura: o comprimento é igual a uma vez e meia a altura A cor verde ocupa dois quintos do espaço eAs cores fica do lado do mastro. A cor vermelha ocupa três quintos do espaço.
  71. 71. Características da BandeiraO escudo coloca-se sobre a união entre asduas coresO aspectoA bandeira deve apresentar-se sempreimpecável. Quando as cores começam adesbotoar ou, se por qualquer motivo fordanificada, tem que ser imediatamentesubstituída por uma nova. Caso contrário osímbolo nacional perde a dignidade
  72. 72. Hastear e arrear a BandeiraA bandeira portuguesa pode ser hasteada emqualquer lugar, cantado que sejam respeitadasdeterminadas regras.Onde estiver um português pode içar a suabandeira. A bandeira é hasteada todos os dias em edifícios públicos que são sede de órgãos de soberania. Aos domingos e feriados deve ser hasteada nos edifícios públicos como , por exemplo, escolas, quartéis e monumentos nacionais
  73. 73. Posição entre outrasEm território nacional, a bandeira portuguesa tem sempre lugar de honra.Se forem em número ímpar é o do meio.Se forem em número par, é o primeiro à direita do ponto centralSe forem muitas e não estiverem em linha recta , o lugar de honra é o primeiro dadireita. Se forem só duas, é o da direita
  74. 74. Notas finaisEm países estrangeiros , a bandeira portuguesa também tem direito ao lugar dehonra, nas embaixadas de Portugal, porque uma embaixada é considerada territórionacional.Honras militares – A bandeira tem direito a honras militares. Sempre que éhasteada ou arreada faz-se uma cerimónia Além disso, tem lugar de destaque em circunstâncias especiais como, por exemplo, formaturas, escoltas de honra a cavalo ou motorizadas.
  75. 75. Notas Finais Outras bandeiras oficiaisDepois de aprovada a Bandeira nacional, definiram-se outras bandeiras oficiais Bandeira Militar
  76. 76. Notas Finais Outras Bandeiras Bandeira da Assemblei a da República
  77. 77. Notas Finais Outras bandeiras Estandart e do President e da República
  78. 78. OS HINOS

×