Sexualidade Na Adolescência

98,965 views

Published on

Published in: Education
8 Comments
29 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
98,965
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,148
Actions
Shares
0
Downloads
2,905
Comments
8
Likes
29
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sexualidade Na Adolescência

  1. 1. Sexualidade na adolescência Trabalho realizado por: Andreia Ferreira n º 4 Rita Nobre n º 17 Vanessa Lopes n º 22
  2. 2. Escola Secundária Prof. Ruy Luís Gomes <ul><li>Sexualidade na adolescência </li></ul><ul><li>Área de Projecto </li></ul><ul><li>Prof. Maximina Raposo </li></ul>
  3. 3. Objectivos
  4. 4. Sexualidade na adolescência O instinto sexual O instinto sexual é algo que, desde os insectos ao ser humano, aparece, levando a certos comportamentos que só se justificam biologicamente porque tornam possível algo fundamental à vida: a propagação da espécie . Hoje em dia, sobretudo graças às técnicas de contracepção , altamente eficazes aparecidas nos últimos 50 anos, sexo e reprodução já não andam necessariamente juntos .
  5. 5. Sexualidade Frequentemente, a sexualidade , é apenas sentida como uma necessidade básica de satisfazer o nosso corpo . O relacionamento sexual tem assim, na nossa espécie, além da função reprodutiva, dois papéis importantíssimos: a satisfação de um instinto básico , tal como existe nos outros animais , e sobretudo, a criação de laços fortes entre duas pessoas que procuram o prazer mútuo e uma vida em comum .
  6. 6. Segundo a OMS… Sexualidade é « uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; ela influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental ». A sexualidade acompanha-nos desde a infância e sofre modifica ç ões ao longo de toda a nossa vida.
  7. 7. A adolescência A adolescência é uma fase conturbada do crescimento, em que se operam mudanças significativas a todos os níveis. O adolescente vive no cruzamento de dois mundos , o da criança e o do adulto . Os emergentes desejos sexuais e afectivos são, muitas vezes, confundidos, vividos de modo difuso, o que torna ainda mais sinuoso o caminho para a maturidade.
  8. 8. Na adolescência…
  9. 9. A gravidez na adolescência A gravidez na adolescência, como o próprio termo já define, consiste na gravidez de uma adolescente. Apesar da OMS considerar a adolescência como o período de dez a vinte anos, esta varia com os factores culturais. <ul><li>Consequências negativas para a mãe e para o bebé: </li></ul><ul><li>Para uma adoleste: </li></ul><ul><li>interrupção de muitos projectos. </li></ul><ul><li>Para a criança: </li></ul><ul><li>ambiente pouco estimulante, </li></ul><ul><li>possíveis condições de saúde deficientes, </li></ul><ul><li>problemas de comportamento </li></ul><ul><li>probabilidade de ser também no futuro uma mãe adolescente. </li></ul>
  10. 10. A educação sexual pode contribuir para ajudar os adolescentes a tomarem decisões mais adequadas . Alguns estudos demonstram que a educação sexual e o aconselhamento sobre a sexualidade estão associados a uma maior utilização de contraceptivos, menor número de parceiros, início mais tardio da vida sexual, menor probabilidade de gravidez precoce , maior conhecimento sobre fertilidade e prevenção de DST. Estar grávida Ser adolescente
  11. 11. Formas de descobrir a gravidez: <ul><li>Falta de um ou mais períodos menstruais </li></ul><ul><li>Alterações do tamanho e da consistência das glândulas mamárias </li></ul><ul><li>Náuseas (enjoos) e vómitos </li></ul><ul><ul><li>Outros sinais: </li></ul></ul><ul><ul><li>fadiga </li></ul></ul><ul><ul><li>aumento da frequência urinária </li></ul></ul><ul><ul><li>sensações de cheiros estranhos </li></ul></ul>Muitas mães adolescentes entram em depressão por achar que a gravidez significa o fim de sua vida e da sua liberdade.
  12. 12. Muitas mães adolescentes entram em depressão por achar que a gravidez significa o fim de sua vida e da sua liberdade.
  13. 13. Doenças Sexualmente Transmissíveis(DST) As DST também são conhecidas como doenças venéreas . Produzem-se por contágio de uma pessoa para a outra, durante o acto sexual . Quase todas elas são curáveis se se for ao médico. Excepto o SIDA . As doenças sexualmente transmissíveis desde sempre afectaram a Humanidade. Os adolescentes são os mais afectados , devido ao seu comportamento de risco.
  14. 14. Algumas DST…   <ul><li>Sífilis </li></ul><ul><li>SIDA / VIH / HIV </li></ul><ul><li>Pediculose Púbica </li></ul><ul><li>Papiloma v í rus Humano (PHV) </li></ul><ul><li>Herpes genital </li></ul><ul><li>Hepatite B </li></ul><ul><li>Gonorreia </li></ul><ul><li>Clamidia </li></ul>Antigamente era a s í filis que atormentava milhões de seres humanos. Hoje em dia a SIDA e a Hepatite B tornaram-se as mais amea ç adoras doen ç as que o sexo pode transmitir.
  15. 15. Clamídia <ul><li>  </li></ul><ul><li>A Clamídia na mulher é uma micção difícil e dolorosa, corrimento ou hemorragia vaginal e anormal, dor ou hemorragia durante o coito, e irregularidade da menstruação; uns terços são assintomáticos. </li></ul><ul><li>No homem dor testicular, uterite inespecífica ou epididimite. </li></ul><ul><li>A Clamídia provoca dores de barriga e febre. Pode também provocar infertilidade. Pode ser tratada com antibióticos. </li></ul>
  16. 16. Gonorreia <ul><li>A gonorreia e uma doença de causa bacteriana que provoca inflamação no colo do útero, transtornos menstruais e secreção amarelada. </li></ul><ul><li>Pode ser transmitida por roupa interior e toalhas molhadas. </li></ul><ul><li>Uma das mais frequentes doenças sexualmente transmissíveis, (popularmente conhecida por &quot; esquentamento &quot; ) , pode causar Doença Inflamatória Pélvica em cerca de 40% das pessoas não tratadas. Pode também causar infertilidade. </li></ul>
  17. 17. Hepatite B <ul><li>As hepatites são doenças que se traduzem por uma inflamação do fígado, podendo ser causados por vírus, provocando lesões graves ou mesmo a morte. O vírus da hepatite B transmite-se não só por via sexual mas também através da saliva, das lágrimas, do sangue, da urina, das fezes e da mãe através da placenta para o feto. Existe uma vacina, mas não há cura para a doença quando instalada. Pode causar cancro do fígado. </li></ul>
  18. 18. Herpes genital <ul><li>O herpes genital caracteriza-se por uma erupção de pequenas vesículas e bolhas dolorosas na área genital. Na actualidade, não se conhece cura para o herpes genital, mas quanto mais cedo for feito o tratamento mais probabilidades existem de evitar ou reduzir a gravidade da doença. </li></ul><ul><li>  </li></ul>Pediculose Púbica Transmitida por um tipo de piolho específico (Phthirus pubis), esta doença é popularmente conhecida como &quot;chatos&quot;.
  19. 19. Papiloma vírus Humano (PHV) <ul><li>Cerca de 33% das mulheres estão contaminadas com este vírus, que pode causar cancro do colo do útero e do pénis , para além de desconforto e dores intensas a nível genital.   </li></ul>Sífilis É uma pequena ferida ou ulceração firme e dura que ocorre geralmente no pénis, na vagina, no recto ou na boca. Não tratada, pode levar a lesões graves do cérebro e do coração, ou mesmo à morte.
  20. 20. SIDA / VIH / HIV <ul><li>  A SIDA ( S índrome de I muno- D eficiência A dquirida) é uma infecção provocada pelo vírus VIH ( V írus de I munodeficiência H umana). </li></ul><ul><li>O VIH destrói o sistema de defesas do organismo humano que deixa de se poder defender de algumas bactérias, vírus e outros microrganismos, ficando susceptível a infecções oportunistas . Foi chamada &quot;a doença do século&quot;. Actualmente é a 6ª causa de morte entre os jovens na América e na Europa. </li></ul>
  21. 22. Métodos contraceptivos Os métodos contraceptivos são processos que permitem evitar uma gravidez não desejada e tem como objectivo que o espermatozóide não encontre o ovócito II ou que o embrião se implante no útero. Alguns destes métodos servem também para evitar as doenças sexualmente transmissíveis. Existem dois grandes tipos de métodos anticonceptivos: os naturais e os não naturais.
  22. 23. <ul><li>Existem vários métodos contraceptivos: </li></ul><ul><li>Naturais - consiste em calcular o período fértil e, desta forma, evitar que ocorra fecundação. Assim, durante este período, devem evitar se as relações sexuais abstinência periódica </li></ul><ul><li>Não naturais - impedem a gravidez através de dispositivos, de medicamentos com hormonas sintéticas ou de intervenção cirúrgica. Podem classificar-se em mecânicos, químicos e cirúrgicos. </li></ul>
  23. 24. M é todos Naturais Método de Ogino/knauss Método da temperatura Método de BILLINGS
  24. 25. M é todos Não Naturais Barreira Hormonais Cirúrgicos <ul><li>Laquea ç ão das trompas de Fal ó pio </li></ul><ul><li>D.I.U </li></ul><ul><li>Diafragma </li></ul><ul><li>Preservativo </li></ul><ul><li>Feminino </li></ul><ul><li>Masculino </li></ul><ul><li>Espermicida </li></ul><ul><li>Adesivo </li></ul><ul><li>Minip í lula </li></ul><ul><li>Anel vaginal </li></ul><ul><li>Implante subcutâneo </li></ul><ul><li>Contraceptivos inject á veis </li></ul><ul><li>P í lula combinada </li></ul><ul><li>Vasectomia </li></ul><ul><li>Contracepção de emergência </li></ul><ul><li>Pílula do dia seguinte </li></ul>
  25. 27. http://www.youtube.com/watch?v=deuERjwXjbo http://www.youtube.com/watch?v=qqbQEm0Mp_c&feature=related
  26. 28. Bibliografia <ul><li>http://mulher.sapo.pt/articles/sexualidade/curiosidades/783759.html </li></ul><ul><li>http://abrasuca.home.sapo.pt/ </li></ul><ul><li>http://www.clubedospais.pt/page.php?id=876 </li></ul><ul><li>http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt/action/2/cnt_id/654/ </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Gravidez_na_adolesc%C3%AAncia </li></ul><ul><li>http://www.minsaude.pt/portal/conteudos/informacoes+uteis/gravidez+e+sexualidade/gravideznaadolescencia.htm </li></ul><ul><li>Marek, Sands Phipps; Enfermagem Médico-cirúrgica Volume III ; Capitulo 36 a 53; Lusociência </li></ul><ul><li>Bull David; Tudo o que uma rapariga deve saber - Um abc do bem-estar em todas as situações; Temas e debates </li></ul><ul><li>Antunes, Cristina; Bispo, Manuela; Guindeira, Paula; Novo Descobrir a Terra 9; Areal Editores </li></ul>
  27. 29. Conclusão Com este trabalho aprendemos que é muito importante, especialmente na nossa idade, estarmos bem informados quantos as doen ç as sexualmente trans í sseis e aos m é todos anti- conceptivos para prevenir uma gravidez indesejada. Aprendemos tamb é m que uma gravidez indesejada pode provocar muitos dist ú rbios tanto nas raparigas como nos rapares e que estes dist ú rbios podem ser transmitidos para o bebe que no futuro tem tendência a repetir-se. O nosso maior problema foi a falta de tempo que nos estragou num pouco os planos. Esperamos que tenham gostado e que tenham aprendido muitas coisas novas.
  28. 30. Fim

×