Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Alterações Vocais em Profissionais da Voz: Classificação e Epidemiologia

371 views

Published on

Apresentação feita nas V Jornadas dos Meios Complementares de Diagnóstico em ORL do Centro Hospitalar do Porto - Hospital de Stº António.
Pedro Melo Pestana
19 de Maio de 2017

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Alterações Vocais em Profissionais da Voz: Classificação e Epidemiologia

  1. 1. ALTERAÇÕES VOCAIS EM PROFISSIONAIS DA VOZ: CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA Pedro Melo Pestana Terapeuta da Fala PMP Terapia, Esposende, Portugal ppestana@pmpterapia.pt 19 de Maio de 2017 V JORNADAS DOS MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA EM ORL
  2. 2. Introdução Alteração vocal • Doença profissional; lesão ocupacional • Impacto negativo nas carreiras, na cultura e nos lucros das empresas (Sataloff, 2014) • Para alguns profissionais vocais uma disfonia simples representa uma alteração significativa funcional e da qualidade de vida relacionada com o trabalho (Woo, 2015) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  3. 3. 2011
  4. 4. Classificações da utilização da voz Kaufman e Isaacson 91 I - Profissionais de elite II - Profissionais da voz III - Profissional não vocal IV Não profissional não vocal Vilkman 00 Carga vocal Qualidade vocal Shewell 09 I - Supporters II – Callers III - Transmitters IV - Informers V – Leaders and vendors VI - Interpreters Sataloff 14 Classe 1 Classe 2 Classe 3 Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  5. 5. Classificações do impacto na ocupação • Sataloff 14 – propõe classificação como resposta à pouca especificidade e adequação das existentes WHO International Classification of Impairments, Disabilities and Handicaps; AMA’s Guides to the Evaluation of Permanent Impairment; CIF • Classes de 1 a 5, classificadas de acordo com • Audibility – capacidade de ser ouvido sobre um ruído de fundo • Intelligibilty – capacidade de articular e ligar sons da fala • Functional efficiency – capacidade de produzir e um débito de fala satisfatório • Converter a percentagem da alteração de voz/fala em percentagem de alteração da pessoa como um todo Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  6. 6. Epidemiologia • Prevalência – de quê? • alterações estruturais VS funcionais • diagnosticadas VS self-reported • passado VS presente • Factores de risco (Martins, 2012) • Intrínsecos: estilo de vida, personalidade, características individuais • Extrínsecos: exigência vocal, ruído ambiental, condições acústicas do local, qualidade do ar, factores ergonómicos Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  7. 7. Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  8. 8. • 146.7 millionlives • Disfonia primária ou secundária • 1.3% em 2008 -> 1.7% em 2012 • Mais novos com laringite • Mais velhos com lesões malignas • Neoplasias benignas 2.6x > no sector terciário • Neoplasias malignas 1.4x > na indústria de manufacturação • $900 milhões em laringoscopias Journal of Voice 2017 Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  9. 9. População geral História de disfonia - 29.9% Alterações da voz actuais - 6.6% 1% na população dos EUA Por ano (USA) - $300 milhões (Roy et al, 2005; Cohen et al 2012) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  10. 10. Professores Educadores Presentes – 11%; Passados – 57.7% Portugal – 10%; 57% (no último ano) Risco 5x > do que outros profs vocais Mulheres (38%) > homens (26%) Risco 3x > com + 50 anos; 2x > com +de 20 anos de actividade profissional (Santos et al, 2016; Vaz-Freitas, 2006; Roy et al 2004) Risco: feminino; 1º ciclo; disciplinas não-específicas; muitos alunos; não ter água; personalidade ansiosa; depressão; sinusite; RGE; gritar Proteção: 3º ciclo; Físico-química; sala com ventilação natural Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  11. 11. Cantores Passado:46.09%; I2 = 90.59% Estudantes– 21.76%; Professores – 55.15%; Clássico – 40.53%; Não-clássico – 46.96% Representam 11.5% dos profissionais da voz Teatro musical -51.9% VS Ópera – 40.5% VS CCM – 39.3% (Pestana, Vaz-Freitas e Manso, 2017; Phyland, 1999; Titze 1997) Estilo de canto; nível de conhecimento; movimentos associados ao canto; hábitos; estilo de vida; condições físicas do ambiente (Sataloff 2014; Martins, 2012) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017 2017
  12. 12. Actores Fenda glótica – 62%; hiperfunção – 59%; redução da onda mucosa – 55% 50% com queixas vocais depois de performance Muito frequentes – comportamentos vocais violentos e higiene vocal pobre (D’haeseleer et al, 2017; Lerner et al, 2013) Uso de voz excessivo Performances e ensaios muitas vezes intensos e prolongados Esforço físico da encenação e comportamentos abusivos (eg. grito, choro) Estilo de vida do actor (eg. jantar e deitar tarde) (Zeine & Waltar, 2002; Roy, Ryker, & Bless, 2000; Behlau et al., 2005) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  13. 13. Operadores de call-center Passado– 59% Presente – 27% 2x > probabilidade de mencionar sintomas Rouquidão é o sintoma mais mencionado (Devadas e Rajashekhar, 2013) Uso excessivo da voz; elevada carga horária Temperaturas extremas das salas; ar condicionado Ansiedade; conflitos Sedentarismo (Ferreira et al, 2008; Ferreira et al, 2008; Schneider-Stickleret al, 2011) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  14. 14. Jornalistas Locutores Passado – 34% Sintomas vocais – 66.7% (Cielo e Bazo 2008) Turnos longos e cansativos Estúdios pouco ventilados; reportagens em exteriores com condições adversas Ar condicionado Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  15. 15. Clero 8,6% a 15,9% (Verdolini & Ramig, 2001; Hočevar-Boltežar, 2009) Igrejas com uma má acústica Carga emocional elevada Carga vocal excessiva Falta de treino vocal Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  16. 16. Instrutores Treinadores Passado – 52% Fonoalgia – 68% Afonia – 28% a 44% Nódulos – 8% a 10% (Heidel & Torgerson, 1993; Long et al. 1998) Movimento físico constante em simultâneo com uma voz em esforço Necessidade de motivar os alunos Ruído da música e dos participantes Falta de treino vocal (Wolfe et al., 2002; Newman and Kersner, 1998) Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  17. 17. 2016 5407 sujeitos 1.4x > risco para self-reported 1.6x > risco para self-reported Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  18. 18. 2016 1º instrumento para voz ocupacional? Pedro Melo Pestana - Copyright 2017
  19. 19. ppestana@pmpterapia.pt http://voz.pmpterapia.pt Obrigado!

×