Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação do estudo de caso eass

809 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Apresentação do estudo de caso eass

  1. 1. ELÍSIO ALEXANDRE SOARES DOS SANTOS (O Líder) 1Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  2. 2. A HISTÓRIA PESSOAL • Nasceu no Porto a 23 de Setembro de 1934. Estudou no Porto no Colégio Almeida Garrett, depois em Lisboa no Liceu D. João de Castro e na Faculdade de Direito. • No 3º ano de faculdade dois acontecimentos marcaram a sua vida. Foi-lhe feito um convite para ser Manager Trainee da Unilever (empresa de margarinas e sabão) e reprovou à disciplina de Direito Constitucional. • Fascinado com a oportunidade de estudar no estrangeiro, em 1957 foi para a Alemanha, onde estagiou, em Maio de 1958 foi para a Irlanda e 6 meses depois seguiu para França; neste período esteve sempre ligado ao Marketing da Unilever. • Em 1960 voltou a Portugal para ser Gestor de Marketing dos detergente; 3 anos mais tarde partiu para o Brasil para desempenhar as funções de Deputy-marketing-director. • Em Janeiro de 1968, regressou definitivamente a Portugal, para ocupar o lugar de Administrador Delegado do Grupo Jerónimo Martins que era do pai, Elísio Alexandre dos Santos, que morreu com um ataque cardíaco, quando o visitava em S. Paulo. • Apareceu em 1998 e 1999 na lista da revista Forbes, como um dos homens mais ricos da Europa. • Criou, em 2009, juntamente com a família, a Fundação Francisco Manuel do Santos, em memória do seu avô (o comerciante que em 1921 comprou a Jerónimo Martins), com o objectivo de promover o estudo, o conhecimento, a informação e o debate público, visando o desenvolvimento da sociedade, melhoramento das instituições públicas e o reforço dos direitos dos cidadãos. • O Líder tem como lema de vida: “Evitar problemas, aprender com a experiência”. 2 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  3. 3. A HISTÓRIA DA JERÓNIMO MARTINS • Em 1792, um jovem Galego, Jerónimo Martins, abriu uma modesta loja no Chiado. A sua “tenda”, como lhe chamavam, vendia um pouco de tudo: enchidos, trigo, milho, velas, vinho, vassouras, etc. • Ao fim de 5 anos já era o principal fornecedor da alta sociedade de Lisboa e mesmo da Realeza, pois vendia produtos de superior qualidade. • Em 1878, um dos netos de Jerónimo Martins, amante do jogo e da noite, entra em negócios “paralelos”, fazendo a loja cair numa dramática crise. Contudo, o seu meio-irmão lançou-se com “unhas e dentes”, em defesa da sua loja, vendeu tudo o que tinha e renegociou todas as dívidas. • Em 1881, João António Martins, já tinha recuperado a sua “honra” e pago todas as dívidas, a loja “volta a ostentar as apetecidas iguarias de sempre”. Foi o ultimo Martins à “testa” da “tenda” do Chiado, antes de morrer, sem descendência, entregou a loja aos empregados mais especializados e a um “velho” amigo que manteve a designação Jerónimo Martins. • Em 1918, embora florescente na aparência, a empresa não estava a aguentar a autêntica revolução económica provocada pela I Guerra Mundial e, pela segunda vez na sua já longa história, defrontava-se com uma situação praticamente de falência. Todavia, e em 1921, a solução viria do Norte do País, de homens que tinham “partido do nada” e erguido a pulso as suas carreiras. Os Grandes Armazéns Reunidos, uma Sociedade, criada no Porto, em 1920, veio em socorro de Jerónimo Martins. • Nasceu assim a empresa com o nome Estabelecimentos Jerónimo Martins & Filho. Os sócios eram vários, mas logo se entendeu que apenas dois estavam ao “leme” : Francisco Manuel dos Santos (avô materno do Líder) e Elysio Pereira do Vale. • Foi assim que a família do actual presidente - a Família Soares dos Santos, oriunda do Norte - cruza os seus destinos com a Jerónimo Martins. 3 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  4. 4. A HISTÓRIA DA JERÓNIMO MARTINS • A Jerónimo Martins marcou o ano de 1930, por ser a primeira empresa a pagar o Subsídio de Natal e a criar uma cantina para os seus trabalhadores. • Elísio Alexandre dos Santos (pai do Líder) assumiu, em 1935, um lugar na gerência da empresa, depois de casar com a filha de Francisco Manuel dos Santos. • Os anos da II Guerra Mundial foram de grande carência de todo o tipo de produtos, entre os quais a margarina, que passara entretanto à categoria de imprescindível. Isso levou a empresa a decidir alargar a sua actividade à área industrial, numa sociedade para a criação da Fima - Fábrica Imperial de Margarina, Lda. • Em 1950, o Grupo reforçou a sociedade com a Unilever - joint venture já existente desde 1944 - através da compra da Lever (sabões e detergentes). • Francisco Manuel dos Santos morreu em 1953, e, assim, Elísio Alexandre dos Santos assumiu, depois de 10 anos de experiência, a liderança do Grupo, mas continuando com o estatuto de mero empregado; só mais tarde, com as partilhas, fica com 1,8%, percentagem crucial, pois permitia-lhe atribuir a maioria num impasse, tanto aos Vales como aos Santos. • Em 1959, a Olá foi adquirida, juntamente com a Unilever, e logo depois a Iglo. • Em Janeiro de 1968, o Líder, regressou definitivamente a Portugal, para ocupar o lugar de Administrador Delegado do Grupo Jerónimo Martins que era do pai, Elísio Alexandre dos Santos, que morreu com um ataque cardíaco, quando o visitava em S. Paulo. 4 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  5. 5. O CONTRIBUTO DO LÍDER PARA AS EMPRESAS • Profissionalmente, a “vida” do Líder começou em 1957, com a ida para a Unilever, na Alemanha, seguiram-se estadias na Irlanda, em França e no Brasil, até 1968, altura em que regressou a Portugal para finalmente assumir os negócios da família. • Os desafios iniciais do Líder: a renovação dos quadros (aposentação de trabalhadores, que trabalharam toda vida no Grupo) e os problemas sociopolíticos desencadeados pelo 25 de Abril de 1974. • Passada a “tempestade”, o Líder inquietou-se com o desequilíbrio provocado na sociedade (joint venture), pela tentativa de controlo por parte da Unilever da esfera da produção, e arriscou a distribuição como estratégia de contrapeso. • Consequentemente, em 1980, deu um enorme “salto em frente”, com a criação de uma empresa de supermercados, que viria a dar origem, em 1985, a uma sociedade (joint venture) com o segundo maior retalhista belga, Delhaize "Le Lion", tendo como plano de fundo o mercado comum. Dessa sociedade nasceram os Supermercados Pingo Doce. • Em 1985, paralelamente a outras grandes decisões, foi criada a Jerónimo Martins Distribuição, representando e colocando no mercado marcas bem conhecidas, como a Idal/Heinz, a Rowntree/Perugina, a Kellogg's, a Calvin Klein e a Bahlsen. No mesmo ano, a tradicional empresa de quase 200 anos, assumiu o papel de “Holding” (Sociedade Gestora de Participações Sociais). • Em 1987, o Grupo adquiriu, aos retalhistas brasileiros da Supa, 15 supermercados da cadeia Pão de Açúcar, provocando, assim, o crescimento das lojas Pingo Doce. Foi um período de verdadeiro crescimento, pois ainda adquiriu o Recheio, empresa de Cash & Carry. • Em 1989 , 70 décadas depois, a família Soares dos Santos comprou à família Vale a sua parte no Grupo.5 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  6. 6. O CONTRIBUTO DO LÍDER PARA AS EMPRESAS • De 1989 a 2009 (20 anos), o Grupo, através de algumas joint ventures, cresceu quantitativamente mas também qualitativamente, fortalecendo a sua projecção nacional e internacional: – A Fima comprou, a Victor Guedes, a empresa produtora do azeite GALLO; – Fez “nascer” uma nova cadeia de retalho especializada nos “bombomnerries” - a HUSSEL; – Adquiriu o hipercash Arminho (compra necessária para desenvolver a actividade do Grupo na área da distribuição por grosso); – Aumentou a actividade na área da distribuição por grosso, através da joint-venture com a inglesa Booker Plc (o maior grossista de produtos alimentares da Grã-Bretanha) e com a empresa holandesa Royal Ahold (uma das maiores empresas no mundo do retalho alimentar); – Fima adquiriu a Sá & Brás (produtores do azeite Condestável) tornando-se “líder” nacional neste sector; – No Retalho, conjuntamente com a Ahold, comprou 53 supermercados Inô, 3 hipermercados Feira Nova e 8 Cash & Carries (marcando a expansão aos centros urbanos do norte); – Foram adquiridas 45 lojas das Cadeias Invictos e Mordomos e 46 estabelecimentos à Modelo (significativas para a expansão ao Norte e Centro do país); – Concretizou-se a expansão para as Ilhas, com a compra da Lidosol na Madeira; – Efectivou a expansão para a Polónia, adquirindo uma rede de Cash & Carries polacos com a insígnia Eurocash; – Em associação com o Banco Comercial Português (BCP), iniciou a actividade de “In Store Banking”, uma acção inovadora no campo da banca: "lojas" Expresso Atlântico foram instaladas dentro das próprias lojas do Pingo Doce e Feira Nova; – O Grupo adquiriu, também, a Vidago, Melgaço & Pedras Salgadas e Companhias Associadas, produtores e distribuidores da marca “líder” de águas engarrafadas, e lançou no mercado a água "7 Fontes"; 6 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  7. 7. – Na Polónia, a "Operação Joaninha" conquistou o mercado Polaco com a aquisição da cadeia Biedronka; – A Fima, através da compra da Bestfoods Portugal - Produtos Alimentares, S.A., integrou um novo conjunto de marcas alimentares de referência, nomeadamente a Knorr, a Maizena e a Alsa; – Na área da Indústria, assinala-se, em 2006, a alienação do negócio de ultracongelados, Iglo e Olá, e a decisão de criação de uma única Companhia, Unilever Jerónimo Martins; – Este dinamismo do Grupo, visível em todas as suas áreas de negócio, estendeu-se como habitualmente, às suas políticas de Responsabilidade Social: criação do programa de combate à má nutrição infantil na Polónia, problema que afectava quase 3 milhões de crianças e jovens polacos; implementou o projecto "Aprender e Evoluir", cujo objectivo foi formar e certificar 11.500 colaboradores; – O período de 2008 a 2009, ficou marcado pela forte expansão, caracterizado pela aquisição das operações Plus, em Portugal e na Polónia, as quais foram integradas no Pingo Doce e na Biedronka (na Polónia já abriu mais de 1000 lojas); – O Grupo Jerónimo Martins, iniciou, continua e continuará a prosseguir a sua estratégia de consolidação e crescimento, baseando-se nos mesmos valores de rigor, transparência e inovação que sempre nortearam o seu percurso ao longo de mais de dois séculos de existência. Um “caminho” só possível de trilhar graças ao profissionalismo e empenho de todos - “contagiados” pelo seu líder Soares dos Santos - que, diariamente, contribuem para o dinamismo e rigor deste que é um dos maiores grupos empresariais portugueses.7 O CONTRIBUTO DO LÍDER PARA AS EMPRESAS Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  8. 8. O CONTRIBUTO DO LÍDER PARA A SOCIEDADE • Criou, em 2009, juntamente com a família, a Fundação Francisco Manuel dos Santos, em memória do seu avô materno (pois foi o comerciante, que em 1921, comprou as lojas Jerónimo Martins e deu início, como já sabem, ao que se viria a tornar num dos maiores grupos de distribuição nacionais). A fundação tem como objectivo promover o estudo, o conhecimento, a informação e o debate público, procurando assim contribuir para o desenvolvimento da sociedade, o melhoramento das instituições públicas e o reforço dos direitos dos cidadãos. A mesma já iniciou diverso projectos, designadamente, e o mais mediático, o PORDATA - Base de Dados de Portugal Contemporâneo. • Aceitou, em Setembro de 2009, ser o presidente do Conselho Geral da Universidade de Aveiro. Eleito por unanimidade, irá liderar, nos próximos quatro anos, um dos órgãos de governo da Universidade – constituído por 19 representantes – a quem compete, entre outras responsabilidades, a eleição do Reitor e a aprovação das linhas estratégicas da Universidade. • No seu discurso, aquando da nomeação, disse, entre outras coisas, que aceitou o convite para: “(…) tentar contribuir para uma sociedade mais activa e mais bem preparada (...)” e, provando ser, de facto, um Visionário, acrescentou: “A Universidade pretenderá ser uma instituição de ensino superior da cidade, do distrito, do país ou internacional? Se quer ser internacional há que fazer parcerias e as receitas não podem depender do Ministério. Há que criar uma dinâmica que venha gerar receitas para que a Universidade possa ser independente8 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  9. 9. A abordagem teórica da Liderança com a qual o Líder se identifica melhor • Em nossa perspectiva, e após a exaustiva análise às Abordagens Teóricas da Liderança estudadas, a Liderança Autêntica é a abordagem com a qual o Líder Soares dos Santos se identifica melhor. • A Liderança Autêntica (Goffee, R. & Jones, G.; 2006) é uma abordagem “actual”, que surge baseada nos seguintes pressupostos: - Sabe-se “muito pouco” sobre Liderança; - Não existem características universais da Liderança; - As organizações são contextos que matam a Liderança (diminuem os efeitos do processo de influência); - A Liderança é situacional (contingencial), relacional e não hierárquica; - Alguns princípios são, no entanto, generalizáveis, por exemplo, os liderados procuram líderes autênticos; - É necessária autenticidade: pelo triunfo do individualismo; pela necessidade de regulação moral das relações meramente instrumentais; pela degradação do trabalho; pelo aumento do nepotismo e cinismo; pela turbulência e mudança da vida moderna e pelo aumento da “Má Liderança”; - Um líder autêntico: revela consistência entre as palavras e os actos; mostra comportamentos consistentes, mesmo quando exerce diferentes papeis; evidencia um “real self” (por exemplo, trata os seus subordinados como trata o seu superior) e demonstra conforto consigo próprio. 9 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  10. 10. • Assim sendo, recorrendo ao modelo defendido pelos autores (como ser/é um Líder Autêntico), demonstraremos as razões que “defendem” a nossa opinião, as quais foram baseadas nos contributos do Líder para o Grupo Jerónimo Martins e para a Sociedade, bem como na recente entrevista ao mesmo (em Março de 2010), no programa televisivo "Negócios da semana", da SIC Notícias: • 1. “Be Yourself – More – with Skill” (sê tu mesmo, mas usa o que tens de especial e diferente para melhor liderares): - Revela conformidade entre as palavras e os actos: “(…) Os 6 escalões de quadros da empresa têm a mesma política salarial, uma parte fixa e uma parte variável que é sempre entregue se cumprirem os objectivos e a empresa obtiver lucro” (citação da entrevista anteriormente referida); - Mostra comportamentos consistentes, mesmo quando exerce diferentes papeis, evidenciando um “real self”: “o empresário tem que assumir, face à crise que o País atravessa, os custos necessários para evitar o desemprego e, se inevitável, reduzir as nossas margens em troco de ter as pessoas a trabalhar (…)” (citação da entrevista); - Demonstra conforto consigo próprio: “(…) não conseguiria ser político, porque adoro a actividade da Jerónimo Martins, é uma empresa a que estou ligado por paixão (…)” (citação da entrevista); • 2. “Know and Show Yourself – Enough” (conhece-te e mostra-te o suficiente no contexto): é notório que o Líder demonstra conhecer os seus pontos fortes e fracos, soube complementar-se para fortalecer os pontos fracos e aproveita-se dos seus pontos fortes para liderar com eficácia (por exemplo, não pede mais aos seus liderados do que aquilo que ele próprio consegue fazer). “(…) veja-se o exemplo da Polónia, foi necessário um enorme investimento na formação das pessoas (…); (…) os lucros da Jerónimo Martins advém, naturalmente, dos anos e anos de investimento em formação nos quadros da empresa (…)” (citações da entrevista). 10 A abordagem teórica da Liderança com a qual o Líder se identifica melhor Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  11. 11. • 3. “Take Personal Risks” (aceitar e estar preparado para os eventuais riscos): assumir os riscos associados à Liderança significa interessar-se, o suficiente, para liderar; a Liderança é para um propósito e os líderes autênticos interessam-se por essa missão, interessam-se tanto que se expõem, revelando os seus verdadeiros “eus” e interessar-se implica vulnerabilidade e risco pessoal, implica dar aos liderados o que precisam e nem sempre o que querem, implica fazer coisas que são difíceis e que não se querem fazer; interessar-se suscita respeito; assumir a liderança do Grupo Jerónimo Martins foi, é e será, de facto, um arriscado e complexo desafio: “(…) adoro a actividade da Jerónimo Martins, é uma empresa a que estou ligado por paixão, porque vem do meu avô e a nossa responsabilidade como herdeiros é transmitir às novas gerações uma empresa com mais valor do que aquela que recebemos (…)” (citação da entrevista); • 4. “Read – and Rewrite – the Context” (ler e reinterpretar o contexto): a Liderança não ocorre num “vazio social”, isto é, dela se espera a percepção do contexto e, dessa apreensão, encetar e influenciar as mudanças necessárias “(…) Passada a tempestade, Soares dos Santos inquietou-se com o desequilíbrio provocado na sociedade (joint-venture) pela tentativa de controlo por parte da Unilever da esfera da produção, e arriscou a distribuição como estratégia de contrapeso; consequentemente, em 1980, deu um enorme “salto em frente”, com a criação de uma empresa de supermercados que viria a dar origem em 1985 a uma sociedade (joint venture) com o segundo maior retalhista belga, Delhaize "Le Lion", tendo como plano de fundo o mercado comum. Dessa sociedade nasceram os Supermercados Pingo Doce (…)” (frase do capítulo 2 do relatório do estudo de caso); 11 A abordagem teórica da Liderança com a qual o Líder se identifica melhor Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  12. 12. • 5. “Remain Authentic – but conform Enough” (mantém-te autêntico, mas com suficiente conformidade e adaptação): os Líderes Autênticos, permanecem autênticos, porém, se essencial, usam as suas diferenças intrínsecas para se conformarem/adaptarem e fazerem as mudanças percebidas como necessárias (adaptam- se/entranham-se à organização, sem perder identidade/autenticidade); devem também saber que “batalhas ganhar” e quais as “lutas” desnecessárias: “(…) Em 2004, foi concluída a alienação do Eurocash (…), focando a actividade do Grupo na Polónia no formato de sucesso em que opera a Biedronka. O rigor e profissionalismo patentes na reestruturação realizada permitiram o regresso aos resultados positivos (…)” (frase do capítulo 2 do relatório do estudo de caso); • 6. “Manage Social Distance” (gerir a proximidade/distância com os colaboradores): a relação entre Soares dos Santos e os seus liderados desenvolve-se em “proximidade”, tratando os mesmos com elevado respeito e consideração, porém, exige deles o mesmo “(…) os colaboradores da Jerónimo Martins sabem que as reuniões começam, sempre, à hora marcada e com a presença de todos os intervenientes, pois numa empresa tem que haver disciplina, e um País também tem que a ter, o horário de trabalho tem que ser cumprido, temos de ter respeito uns pelos outros (…)” (citação da entrevista); • 7. “Communicate – with Care” (comunicar adequadamente): percebe-se, claramente, que Soares dos Santos tem especial atenção com o “modo adequado” de comunicar, pois exige que a disseminação da informação pelos colaboradores seja “transparente” e objectiva; através da continua formação, pretende que a informação seja devidamente apreendia e assim todos saberão exactamente o que o Grupo espera deles, “O Grupo continuou, também, a assumir responsabilidades sociais em 2007, tendo-se associado ao projecto "Aprender e Evoluir", cujo objectivo foi formar e certificar 11.500 colaboradores (…)” (frase do capítulo 2 do relatório do estudo de caso); 12 A abordagem teórica da Liderança com a qual o Líder se identifica melhor Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  13. 13. • 8. “Authentic Followership” (“Seguidança” autêntica): a Liderança será, de facto, extraordinária, se houver uma “Seguidança” excepcional, isto é, sem “medos” os liderados devem manifestar a sua opinião, complementar as fraquezas do líder com o desenvolvimento das suas competências, “ajuda-lo” a cumprir os objectivos traçados; Soares dos Santos sabe que só assim será possível que o Grupo Jerónimo Martins perdure, “(…) É necessário pelo menos 8 anos para que um investimento comece a ter retorno, veja-se o exemplo da Polónia, foi necessário um enorme investimento na formação das pessoas (…), mas, actualmente, somos a empresa do sector de negócio que mais vende nesse país, 60% do resultado da Jerónimo Martins advém desse país; os lucros da Jerónimo Martins advêm, naturalmente, dos anos e anos de investimento em formação nos quadros da empresa (…)” (citação da entrevista); • 9. “The Price and Prize of Leadership” (o “prémio” e o “prejuízo” da Liderança): a liderança de Soares dos Santos foi, e é, uma miscelânea de risco e prejuízo pessoal (já afirmou várias vezes que não tem tempo para Eventos Sociais e que, da dedicação absoluta ao Grupo, sobra pouco tempo para a família), porém, sente que “valeu a pena”, pois afirma que já cumpriu um dos mais importantes desígnios da sua vida “(…) adoro a actividade da Jerónimo Martins, é uma empresa a que estou ligado por paixão, porque vem do meu avô e a nossa responsabilidade como herdeiros é transmitir às novas gerações uma empresa com mais valor do que aquela que recebemos (…)” (citação da entrevista). 13 A abordagem teórica da Liderança com a qual o Líder se identifica melhor Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas
  14. 14. BIBLIOGRAFIA • Jesuíno, J.C. (2005), “Processos de liderança”, 4.ª Edição, Lisboa: Livros Horizonte. • Goffee, R. & Jones, G. (2006), “Why Should Anyone be Led by You? What it Takes to be an Authentic Leader”, Boston: Harvard Business Press. • House, R.J.; Hanges, P.; Javidan, M.; Dorfman, P.W.; Gupta, V. (2004). “Culture, leadership, and organizations. The GLOBE study of 62 societies.” London: Sage Publications, Inc. • Rego, A. (1998). “Liderança nas Organizações – teoria e prática.” Universidade de Aveiro. • Fernandes, Filipe (2003), “Fortunas & Negócios”, Alfragide: Oficina do Livro. • Pinto, Luísa Helena Ferreira (2010), Slides das aulas da unidade curricular de Liderança, Faculdade de Economia do Porto. • Site do Grupo Jerónimo Martins, http://www.jeronimomartins.com/pt/grupo/quem_somos.html, acedido em 8 de Maio de 2010. • Site da Fundação Francisco Manuel dos Santos, http://www.ffms.pt/, acedido em 8 de Maio de 2010. • Link do vídeo da entrevista, em 11/03/2010, a Alexandre Soares dos Santos, Presidente do Conselho de Administração do grupo Jerónimo Martins ao "Negócios da Semana" da SIC Notícias, http://sic.sapo.pt/online/video/informacao/Negocios+da+Semana/2010/3/soares-dos-santos-11-03- 2010-01147.htm, acedido em 16 de Maio de 2010. 14 Disciplina de Liderança Ricardo Lourenço e Pedro Falhas

×