Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola

5,000 views

Published on

Apresentado no curso de Pedagogia do cefet/pa.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Pedagogia Aula0117022009 Funo Social Escola

  1. 1. INSTITUTO FEDERAL DO PARÁ – IF/PA Curso de Graduação em Pedagógia Disciplina: A Função Social da Escola Prof. Haroldo de Vasconcelos Bentes Mestrando em Educação Profissional e Tecnológica - UnB Belém-PA, fevereiro/2009
  2. 2. <ul><li>APPLE, Michael W. Ideologia e currículo . Tradução Vinicius Figueira. – 3. ed. – Artmed, Porto Alegre, 2006, 288 p.; 23 cm. Obra : Ideologia e Currículo </li></ul><ul><li>“ Qualquer análise das maneiras pelas quais o poder desigual é reproduzido e discutido na sociedade não pode deixar de levar em conta a educação ” (Prefácio à edição de 25ª aniversário – terceira edição. APPLE, 2006). </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Conteúdo Programático </li></ul><ul><li>Plano de ensino – e-mail: turma?? </li></ul><ul><li>Metodologia </li></ul><ul><li>Matriz metodológica : das categorias conceituais mais amplas, para a práxis (teoria-prática). </li></ul><ul><li>Pesquisa bibliográfica </li></ul><ul><li>Leitura e análise de textos </li></ul><ul><li>Visualização de slides </li></ul><ul><li>Discussão de conteúdos específicos </li></ul><ul><li>Aula expositiva </li></ul><ul><li>Trabalhos individual e em grupos </li></ul>
  4. 4. Objetivos <ul><li>OBJETIVO GERAL : Compreender a Função Social da Escola proporcionando o estudo dos fundamentos da função social da escola e do homem que se quer formar, visando uma convivência solidária, na perspectiva de uma sociedade autônomo, solidária e democraticamente </li></ul>
  5. 5. Objetivos Específicos <ul><li>Compreender os fatores que compõem a dinâmica que envolve a escola e sua função social. </li></ul><ul><li>Contextualizar a atual sociedade do conhecimento, a partir de um contexto globalizado, o papel das tecnologias e seus desdobramentos na formação do cidadão-trabalhador. </li></ul><ul><li>Discutir o papel da Instituição escola, a partir do conceito de democracia, poder e gestão participativa. </li></ul><ul><li>Compreender os diversos conceitos de cultura numa perspectiva histórico-dialética, no cenário de uma sociedade contraditória (capitalista). </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Iniciando nossa conversa </li></ul><ul><li>* Spencer fez a seguinte pergunta: </li></ul><ul><li>“ Qual é o conhecimento de maior valor?” </li></ul><ul><li>**Apple responde: </li></ul><ul><li>Não é “apenas” uma questão educacional, mas inerentemente ideológica e política. </li></ul><ul><li>*+** Citações no prefácio à segunda edição, Ideologia e Currículo, APPLE, 2006, p. 21 </li></ul>
  7. 7. Qual é aFunção Social da Escola? <ul><li>-Quando se pensa na função social da escola e pergunta-se para que ela serve, a primeira que nos vem à mente é: a escola serve para ensinar. Mas ensinar a quem? O que ensinar? Como ensinar? </li></ul>
  8. 8. Reflexão! <ul><li>E esta é a principal função da escola: formar cidadãos críticos e bem informados, em condições de compreender e atuar no mundo em que vive. </li></ul>
  9. 9. Reflexão! <ul><li>E assim sobrevive a educação brasileira: as crianças aprendem. E aprendem tão bem que se tornam incapazes de pensar coisas diferentes. Mas como criticar os professores se eles são frutos da mesma educação que estão repassando hoje? </li></ul>
  10. 10. Repensar! <ul><li>Eis aí a prova de que parte dos profissionais da educação estão despreparados, não sabem como agir, sentem-se inseguros em sala de aula. E, por não saberem como agir, simplesmente repetem tudo o que foi feito com eles. Até percebem que o tempo passou e que a escola não é mais a mesma, mas não sabem como fazer para que o conteúdo que é ensinado na escola tenha significado para o aluno. </li></ul>
  11. 11. Processando! <ul><li>Segundo Lúcia Moysés (2001, p.34), isso ocorre porque “os conteúdo programáticos que fazem parte dos currículos aproximam-se muito da cultura das elites do que da do povo”. E se for analisado, percebe-se que essa é uma grande verdade. O que se fala na escola, não é aquilo que o aluno vivencia, e isso não tem significado algum para ele. </li></ul>
  12. 12. Comparando! <ul><li>Já Gentili e Alencar (2001, p.99), “Melhor do que falar em natureza humana, portanto, é falar em condição humana. Somos filhos do tempo, da cultura e... dos processos educativos que as sociedades criam e recriam”. Pensando nessa afirmação, questiona-se: que tipo de cidadão está sendo formado nas escolas? </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A escola como instituição </li></ul><ul><li>As formas do conhecimento </li></ul><ul><li>O próprio educador </li></ul><ul><li>Palavra-chave “Situado”, contextualizar conhecimento que ensinamos; relações sociais na sala de aula, escola como mecanismo e nós que trabalhamos nessas instituições. </li></ul><ul><li>As escolas não apenas “produzem pessoas”; também “produzem conhecimento” (Raymond Williams, p. 40). </li></ul><ul><li>Análise escolar fundamental: conceitos de ideologia; hegemonia e tradição seletiva (controle e organização da vida social). </li></ul>
  14. 14. Escola – aparelho ideológico do Estado <ul><li>Althusser (1971), a escola fornece à formação social capitalista dois dos mas importantes elementos para a reprodução de sua força de trabalho: </li></ul><ul><li>1 – a reprodução das habilidades, e a </li></ul><ul><li>2 – reprodução de sua submissão às regras da ordem estabelecida. </li></ul><ul><li>Poulantzas (1973, além do caráter ideológico, inculcar a ideologia dominante, exerce o papel repressivo, por padrões de comportamentos predeterminados. </li></ul><ul><li>Gramsci (CARNOY, 1986 - Educação, Economia e Estado), os intelectuais orgânicos reforçam a dominação burguesa, mais existem aqueles que são fiés a classe trabalhadora. Esses devem realizar a consciência política. </li></ul>
  15. 15. A estrutura dos aparelhos ideológicos <ul><li>O próprio Estado e sua estrutura; administrativa-burocrática. </li></ul><ul><li>Os aparelhos repressivos; exército, polícia, escola, etc.. </li></ul><ul><li>Sistema produtivo; encabeçado pela classe dominante, via discurso ideológico. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Neutralidade e Justiça: análise comportamental; modelo sistêmico de gestão e Justiça da visa social (maximização da igualdade econômica, social e educacional). </li></ul><ul><li>Análise: despolitização, os problemas são neutros, a escola neutra pode orientar a instrumentação neutra dos educadores. </li></ul><ul><li>Bourdieu “capital cultural” ; Apple “ análise relacional” e Gramsci “ sentimentos saturados e procedimentos intelectuais neutros” (p. 44). </li></ul><ul><li>Contraponto: “ [...] as nossas questões educacionais são, na raiz, éticas, econômicas e políticas [...]” ( Apple, 2006, p. 46). </li></ul>
  17. 17. <ul><li>A intelectualidade educacional e o ato de “situar” </li></ul><ul><li>“ [...] os fatos sobre a sociedade são aqueles que raramente são debatidos [...] (Louis Wirth, 1936, apud Apple, p. 47). </li></ul><ul><li>“ [...] não devemos aceitar as ilusões de uma época [...] (Marx, apud Apple, p. 47). </li></ul><ul><li>“ O investigador (educador) deve situar suas atividades em um âmbito maior de conflito econômico, ideológico e social (Apple, p. 47). </li></ul><ul><li>Proposição pedagógico-política: “ [...] o estudo crítico da relação entre as ideologias e o pensamento e a prática educacional, as hipóteses do senso comum que orientam nossa área já tecnicamente dominada” (idem). </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Respostas proativas do educador: </li></ul><ul><li>Como as escolas funcionam? </li></ul><ul><li>Sensibilidade presente e histórica da escola? </li></ul><ul><li>Distribuição da cultura, pela presença ou ausência do poder? </li></ul><ul><li>O foco da questão: A política educacional liberal – ética de sucesso individual baseada no “mérito”. </li></ul><ul><li>Sobre a natureza da ideologia: legitimação, poder e argumentação </li></ul><ul><li>racionalizações/justificações </li></ul><ul><li>Programas políticas e movimentos sociais mais amplos </li></ul><ul><li>Visões de mundo e perspectivas abrangentes </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Sobre o problema do conhecimento de alto status </li></ul><ul><li>Young , [...] quem está no poder tentará definir o status do conhecimento [...] . Processo hegemônico. </li></ul><ul><li>Currículos centrados nas disciplinas – status alto “estratificação” </li></ul><ul><li>Currículos integrados – status baixo “integração” </li></ul><ul><li>Hegemonia e reprodução, [...] A lógica do desequilíbrio cultural e econômico (p. 75), “ [...] falta público para a mudança [...] (p. 76). </li></ul>
  20. 20. <ul><li>3. A economia e o controle no dia-a-dia da vida escolar </li></ul><ul><li>Estabilidade ideológica e econômica, internalização do senso comum. </li></ul><ul><li>Escolarização e capital cultural, a questão do conhecimento “legítimo” (p. 83). </li></ul><ul><li>- O que é escola? De quem são os significados coletados e distribuídos por meio dos currículos abertos e ocultos nas escolas? </li></ul><ul><li>Instituições que incorporam tradições coletivas e intenções humanas [...] (p. 84). [...] formas de conhecimento que implicam noções de poder e de recursos e controle econômicos (idem). </li></ul><ul><li>Para além de um humanismo retórico: “[...] a educação é, em suas implicações, um processo político” (Sharp e Green, 1975, apud Apple, p. 98). </li></ul>
  21. 21. <ul><li>8. Para além da reprodução ideológica </li></ul><ul><li>De quem é o capital cultural, aberto e oculto, colocado “dentro” do currículo escolar? (p. 212). </li></ul><ul><li>De quem são os princípios de justiça social engastados no conteúdo da escolarização? </li></ul><ul><li>Deriva de uma história determinada e de uma realidade econômica e política determinada. </li></ul><ul><li>Como realizar o contraponto crítico? </li></ul><ul><li>Desvelando a relação ideologia e cultura , entre poder e conhecimento. A classe dominante não é uniforme nos interesses, lutam em blocos pelo poder e influência política; meios de comunicação, acadêmica, escola, pelo “grande pluralismo norte-americano”, que encobre desigualdades entre o topo e a base da pirâmide social (p. 214/215). </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Os Paradigmas da Educação Contemporânea </li></ul><ul><li>A liberdade, diálogo com outros significados; </li></ul><ul><li>A democracia, de político ao econômico; </li></ul><ul><li>O individualismo do mercado, desejo inconsciente de comunidade; </li></ul><ul><li>A crítica social, principal ato de patriotismo (p. 235). </li></ul><ul><li>A democracia densa, dissenso como uma forma de compromisso patriótico. </li></ul><ul><li>O global e o local, ligação dinâmica </li></ul><ul><li>Prática educadora; buscar nos contraditórios, munição ao debate democrático, por meio de pedagogias adequadas que afastem o “fervor patriótico” e interrompam os projetos hegemônicos neoliberais e/o conservadores. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>A relação entre política da direita e a educação? </li></ul><ul><li>discussão sobre a educação politécnica numa perspectiva para todos (p. 259); </li></ul><ul><li>educação politécnica crítica e criativa que combine “coração, cabeça e mãos”, sabendo que não é um ideal neoliberal; </li></ul><ul><li>os riscos ideológicos dos livros-texto. </li></ul><ul><li>Sobre a política de certificação nacional para professores </li></ul><ul><li>o movimento do capital global, o sistema de impostos (p. 263); </li></ul><ul><li>a questão da certificação; conhecer a matéria; aulas criativas e críticas, social e educacionalmente. E os recursos? </li></ul><ul><li>a regionalização dos recursos, o poder de controlar as metas, os meios e conteúdos da educação, pela direita neoliberal e conservadora (p. 264). </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Para nossa reflexão prática: </li></ul><ul><li>Como a experiência norte-americana pode auxiliar na nossa práxis educadora, desde que respeitadas as nossas contingências históricas e formação cultural sincrética? </li></ul><ul><li>Quais as variáveis determinantes das políticas educacionais; o Estado, a ideologia? O poder e a hegemonia? Qual o nosso papel como sujeitos coletivos de massas? </li></ul><ul><li>A história é o motor dos acontecimentos, ou somos nós que escolhemos os caminhos? Quem fez, faz e poderá fazer a história, pelo viés da educação? </li></ul>
  25. 25. Bibliografia APPLE, Michael W. Ideologia e currículo. Tradução Vinicius Figueira. – 3. ed. – Artmed, Porto Alegre, 2006, 288 p.; 23 cm. Texto : A função social da escola: ensinar . Ronivaldo de Oliveira e Sheila Delgado Soares. Site: http://www.unoescxxe.edu.br/unoesc/publicacoes - acesso 16/02/2009 , 17h CARNOY, Martin. Educação, Economia e Estado. Cortez, São Paulo, 1986 BRANDAO , Carlos Rodrigues. O que é educação . Brasiliense: São Paulo, 2006. CORAGIO, José Luis. Desenvolvimento humano e educação , O papel das ONGs latino-americanas na iniciativa da Educação para todos. 2ª ed. Cortez: São Paulo, 1999 NEVES, Maria Aparecida Mamede, et al. O fracasso escolar e a busca de soluções alternativas: a experiência do NOAP. Vozes: Petrópolis - RJ, 1993. NUÑEZ, Carlos Hurtado. Educar para transformar, transformar para educar: comunicação e educação popular. Vozes: Petrópolis - Rio de Janeiro, 1992

×