Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

As sete escolas da psicanálise

6,034 views

Published on

O resumo da trajetória de Freud na Psicanálise, conceitos estruturados

Published in: Education
  • Login to see the comments

As sete escolas da psicanálise

  1. 1. SIGMUND FREUD Fonte: “Fundamentos psicanalíticos, teoria, técnica e clínica” DAVID E. ZIMERMAN, Ed. Artmed, 1999
  2. 2. Trajetória resumida de Freud  Diploma de médico com 25 anos, na Universidade de Viena, com um longo aprendizado em neurologia, dedicando-se a pesquisas;  Publicou inúmeros trabalhos, dos quais vieram expressivo reconhecimento científico;  Viajou a Paris para conhecer o trabalho de Charcot, com hipnoterapia;  Não sendo bem sucedido nessa área, criou o método de associação livre, que possibilitasse um acesso às repressões inconscientes de suas pacientes histéricas;
  3. 3. Trajetória resumida de Freud  Trocou 284 cartas com seu amigo e médico berlinense Wiess, publicando mais de 300 títulos, entre livros e artigos.  Estudos de Freud:  Historiais clínicos;  Metapsicologia;  Teoria e técnica;  Aplicações da Psicanálise;
  4. 4. Josef Breuer  Josef Breuer  Josef Breuer foi um médico e fisiologista austríaco, cujas obras lançaram as bases da psicanálise. Seu pai, Leopold Breuer, era professor de religião na comunidade judaica de Viena.  Nascimento: 15 de janeiro de 1842, Viena, Áustria  Falecimento: 20 de junho de 1925, Viena, Áustria  Educação: Universidade de Viena  Obra: Estudos sobre a histeria
  5. 5. Estudos de Freud com Breuer  Atendimentos de curto prazo com pacientes portadoras de sistemas histéricos conversivos, como Emmy von Nuccy, Lucy R, Katherina e outras mais.  Elisabeth von R. uma paciente que sofria de violentas dores nas pernas e sentia uma grande dificuldade em andar, não se deixando hipnotizar.  Uma paciente que introduziu o médico no fenômeno da resistência do paciente, chamda de resistência inconsciente;  A memória viva é o verdadeiro código dos conflitos, que transparecem através da linguagem conversiva do corpo;
  6. 6. Elizabeth Von R. Dora
  7. 7. Ana o.
  8. 8. Ana O.  1882; Método da terapia catártica, “cura pela conversa”;  Elisabeth R. e Anna O. impulsionaram a criação da psicanálise científica;  O caso “Dora”, fez com que Freud enfatizasse a arte da interpretação para vencer as resistências dos conflitos reprimidos.  Interrompeu a análise após três meses, porque ele não fora capaz de analisar os múltiplos aspectos transferenciais que estavam subjacentes nos relatos de Dora e que aludiam aos triângulos edípicos com os pais dela e com o casal K;
  9. 9. A análise da fobia de um menino de 05 anos  Experiência psicanalítica de um menino de 05 anos, levada a efeito pelo pai da criança e seu primeiro caso de análise com crianças;  Um menino que apresentava uma fobia, especialmente por cavalos, que comprovou a teoria da “angústia de castração”, em ligação direta com o complexo de Édipo.  O cientista comprovou a existência de “teorias” existentes na mente da criança, com as quais elas tentam decifrar o mistério do nascimento;
  10. 10. COMPLEXO DE ÉDIPO  Complexo de Édipo é um dos conceitos fundamentais de Freud, na Psicanálise. Este conceito refere-se a uma fase no desenvolvimento infantil em que existe uma “disputa” entre a criança e o progenitor do mesmo sexo pelo amor do progenitor do sexo oposto. Complexo de Édipo foi introduzido por Freud na Psicanálise.
  11. 11. COMPLEXO DE CASTRAÇÃO  O complexo de castração tem um lugar fundamental na evolução da sexualidade infantil. Sua estruturação e seus efeitos são diferentes no menino e na menina. O menino teme a castração como a realização de uma ameaça paterna em resposta às suas atividades sexuais (cujo objeto original é a mãe), do que advém a intensa angústia de castração. Na menina, a ausência do pênis é vivenciada como um dano sofrido e que ela procura negar, compensar ou reparar. Em relação ao complexo de Édipo, o complexo de castração também situa-se de maneira diferente em cada sexo: para a menina, a busca do pênis paterno (e seus equivalentes simbólicos, como ter um filho do pai) equivale ao momento de entrada no Édipo, enquanto que, no menino, o surgimento da angústia de castração sinaliza a crise final do Édipo, interditando à criança o objeto materno. A fantasia de castração é encontrada sob diferentes variações: o objeto ameaçado pode ser deslocado (cegueira de Édipo, arrancar os dentes, amputação de uma perna etc), o ato pode ser substituído por outros danos à integridade corporal (acidente, cirurgia, etc.) ou psíquica (loucura como conseqüência da masturbação) e o agente (pai) pode ser substituído (animais). Seus efeitos clínicos vão desde a inveja do pênis, sentimento de inferioridade, tabu da virgindade, algumas fenômenos psicopatológicos presentes no homossexualismo e no fetichismo até à impotência e frigidez.
  12. 12. O pequeno Hans e a fobia por cavalos, análise do inconsciente  “No Caso do Pequeno Hans (FREUD, 1909) este tinha no cavalo o objeto fóbico representante das funções parentais onde o medo de que o cavalo caísse e morresse era uma representação substitutiva de seu desejo inconsciente (insuportável ) de morte contra o pai, figura paradoxalmente amada e admirada. Na fobia a realidade externa é transformada, apropriada pelo sujeito como peça fundamental dessa estrutura de desejos (castração/Édipo) que causa seu sofrimento neurótico.”  Fonte: http://joaorego.com/2014/04/28/o-complexo-de-castracao-e-o- percurso-da-analise/
  13. 13. Teoria da Sexualidade infantil  Um advogado de 29 anos, Paul Lorenz, que apresentava graves sintomas obsessivos desde a infância , com a ideia de que “ratos pudessem ser introduzidos pelo ânus”, além de constantes angústias de que ele poderia provocar tragédias as suas pessoas queridas;

×