Análise dos elementos básicos de visualização de dadosAnalysis of basic elements used for data visualizationPrado, Patrici...
Faces do design           Campos e Silva (2008) levantam uma indagação em seu estudo sobre apersonalidade estética das int...
Carol Holfmann (2010) afirma que o foco do desenvolvimento de uma infografia é“tornar algo compreensível e não apenas fáci...
Adequação dos elementos visuais à informação: a capacidade de passar                        mensagens subliminares, as ima...
Figura 4 - Leis da Gestalt.                                     Fonte: Gomes Filho (2000).            A teoria da Gestalt ...
Figura 5 - Elementos da forma.                                        Fonte: Wong (1998).            Wong (1998) relata a ...
A interpretação desses elementos básicos e o contexto do meio onde se estáinserido ou suporte, segundo Dondis (1997, p.5),...
É o conhecimento de um sujeito corporal, uma vivência corporal. O mundo exterior                       não é uma coleção o...
Figura 8 - Modos de Implantação X Váriáveis Visuais X Niveís de Organização                                    Fonte: SUNA...
Portanto, observa-se que, apenas conhecer a ferramenta e saber como navegar porela pode não ser suficiente para enviar uma...
Fonte: Cairo (2008, pg.21)             Dias e Carvalho, seguindo a mesma concepção de Cairo, propuseram a doisprofissionai...
A abstração é um componente importante para a composição de informações emum mapa. Para exemplificar essa ideia Cairo (200...
Para compreender a abstração em sua plenitude os aspectos da fenomenologiapodem ser significativos, segundo Santaella (198...
Figura 15 - Tríade de Pierce.                Fonte: SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1985     ...
Figura 16 - Desmembramento do signo.                 Fonte: SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1...
Todos esses conceitos são suportes para o desenvolvimento de projetos sugeremvínculos de interação com o usuário, entretan...
Avalia-se a importância desse processo, pois, conforme a analise sobreinteratividade seu comportamento como instrumento qu...
MUNARI, Bruno. Design e Comunicação visual. tradução Daniel Santana, São Paulo:Martins Fontes, 1982 (©1968).QUÉAU, Philipp...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Análise dos elementos básicos de visualização de dados

1,718 views

Published on

Artigo busca explorar os elementos básicos para a composição da visualização de dados para a internet.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,718
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
26
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Análise dos elementos básicos de visualização de dados

  1. 1. Análise dos elementos básicos de visualização de dadosAnalysis of basic elements used for data visualizationPrado, Patricia; Visualização Análise dos elementos básicos de visualização de dados; Facul-dades Barddalprbprado@gmail.comResumo Atualmente a informação on line é apresentada de forma não linear, ou seja, o pró-prio internauta constrói a navegação em busca da informação. Além da liberdade destinada aointernauta constata-se que ele mesmo pode criar sua rede de associações inteligentes interli-gando sua rede de informação particular. Portando, observando essas questões busca-secompreender a abstração, o comportamento da informação visual traduzindo seus sentidossemióticos. Ao focar as especificidades da informação on line essa pesquisa é definida comoqualitativa, de caráter exploratório delineado através de um levantamento bibliográfico. Com oestudo pode-se averiguar os novos conceitos e formatos da visualização de dados.Palavras Chave: visualização de dados; associações inteligentes; linguística.Abstract Currently the online information is presented in a non-linear, other words, the surferbuilds own navigation in search of information. Besides the freedom intended for netizenfinds that he can create his network of associations intelligent interconnecting its network ofprivate information. Porting observing these issues we seek to understand the abstraction, thebehavior of visual semiotic translating your senses. By focusing on the specifics of the information on this research line is defined as aqualitative, exploratory delineated through a literature review. With the study can investigatenew concepts and formats of data visualization.Keywords: data visualization; intelligent associations; linguistic.
  2. 2. Faces do design Campos e Silva (2008) levantam uma indagação em seu estudo sobre apersonalidade estética das interfaces do mundo digital e consideram que há um tempo oconteúdo da web era apenas textual, estruturado com links, hiperlinks que se conectavam comoutro conteúdo textual. Entretanto, a tecnologia avançou oferecendo novos navegadorespermitindo que mais informações fossem disponibilizadas e a velocidade inserida na navegaçãotambém cresceram podendo melhorar e muito a interface. Campos e Silva (2008) afirmam que: As tecnologias surgidas a partir daí permitiram que uma página da web se tornasse tão elaborada quanto uma página de revista ou de jornal impresso. A metáfora de página de livro cedeu lugar à metáfora do conteúdo de publicação diária. A biblioteca acadêmica cedeu lugar à banca de jornal, o jogo de papel e o cartão impresso foram substituídos pelos videogames. (CAMPOS E SILVA: 2008, p.14): Observa-se, portanto, que esse movimento foi um divisor de águas no sentido deferramenta, mas para questões de linguagens estéticas e de interações a apropriação das mídiasanteriores. Hoje, segundo Campos e Silva (2008) a estética de internet na verdade é umaherança de jogos eletrônicos, da mídia impressa jornalística e dos CDs ROM. Esta, por sua vez, ao reunir esses e outros elementos, implementou uma linguagem própria, ao incorporar também a interatividade. O leitor espectador deixou de ser um receptor passivo, podendo agora, até mesmo interferir no conteúdo acessado, seja acrescentando comentários, seja personalizando páginas que, amiúde, altera, gerando conteúdos inéditos, algo que as outras mídias apenas faziam − ou tentavam, indiretamente, fazer – com o uso de duas mídias em paralelo (televisão e telefone, rádio e e-mail etc.). (CAMPOS E SILVA: 2008, p.15) Percebe-se, então, que é nesse ponto que a internet se diferencia e mostra a suaprincipal característica a interação de pessoas por meio de uma interface que pode possibilitar atransição de informações. Podem-se fazer analogias: nas páginas da web se percebe que os ícones possuem uma função análoga à dos sinais de trânsito. Assim como estes têm por finalidade orientar o fluxo de automóveis e pedestres, aqueles têm por função orientar a navegação dos internautas. Mas a analogia poderia parar aí, pois, no meio ‘físico’, os sinais se relacionam com o espaço tridimensional, articulando-se como uma referência e um referente, diversamente do (atual) espaço bidimensional da web. Não há como relacionar elementos nesse espaço da maneira como se costuma fazer no mundo real. (CAMPOS E SILVA: 2008, p.15) Portanto, buscamos compreender melhor esses ícones e símbolos para dar sentido aeles e orientar melhor o fluxo de navegação em uma interface gráfica. Outro objetivo desteestudo é facilitar a descoberta de novos caminhos por parte do usuário, permitindo que asinformações analíticas sejam visualizadas naturalmente.Princípios básicos do design gráfico O design visual pode interpretar informações e transpô-las em conceitos visuaiscomo: cor, forma, contraste, luz entre outros e que permite construir uma composição visualclara e objetiva. Conhecer e examinar, com afinco, os elementos visuais básicos, pode oferecer umaestratégia de composição criativa de uma linguagem visual para qualquer plataforma ousuporte. 2
  3. 3. Carol Holfmann (2010) afirma que o foco do desenvolvimento de uma infografia é“tornar algo compreensível e não apenas fácil de olhar, é função do design gráfico, design deinterface e infografia. Todos têm por objetivo principal transmitir informações e dados.” Nafigura 1, Holfmann constrói um gráfico exemplificando sua visão para a construção de um bominfográfico. Figura 1 - Processo de formação de um infográfico Fonte: abcDesign. Infográficos: da essência ao clichê na era da Informação Digital. Disponível em http://bit.ly/JGB9Mp Em um workshop, no Malofiej 20 International Infographics, Alberto Cairo lançouo desafio da construção de um infográfico, em um prazo muito curto. Cairo concluiu oworkshop impressionado com o resultado e comentou: “observe os desenhos bonitos eas toneladas de canetas e papel sobre as mesas”. Cairo finalizou seu workshop ressaltando aimportância de planejar e compartilhar as ideias antes de tocar um teclado de computador. Figura 2 - Sketch de um infográfico no workshop do Malofiej 20. Fonte: The funcional art: Information Graphics Workshop in Spain. Disponível em http://bit.ly/I4Ri9y Segundo Teixeira (2005, p.5) os quatros itens mais importantes para a composiçãodo infográfico são: “Agrupamento: a proximidade, segundo as leis da percepção, é um forte fator no estabelecimento de uma relação entre os elementos visuais (...). Podemos conduzir nosso leitor. 3
  4. 4. Adequação dos elementos visuais à informação: a capacidade de passar mensagens subliminares, as imagens atuarão como elementos coadjuvantes na leitura e compreensão dos infográficos (...). Toda informação visual quando lida, é analisada e interpretada por um conjunto de parâmetros culturais individualizados na experiência de cada leitor (...). A imagem informa para além da organização racional. Ela busca também a harmonia estética e o ritmo neural. Poluição visual: equilíbrio, contraste e harmonia são inconscientemente buscados pelo leitor. Exploração dos recursos estéticos: formas, cores, ilustrações, fotos, efeitos, tons, composição, harmonia, ritmo e tantos outros - são um conjunto de detalhes voltados à necessidade de beleza do ser humano (...).” Os elementos citados por Teixeira (2005) podem ser analisados à luz das teorias daGestalt que utiliza “pontos, linhas, planos, volumes, cores, sombras, brilhos, texturas, e outrosatributos – isolados ou combinados entre si”. Gomes Filho (2008, p.27). O conceito de unificação, segundo os preceitos da Gestalt, e o agrupamento, citadopor Teixeira, são nomenclaturas diferentes, mas podem ter uma relação. A unificação, citadapela teoria da forma, pode ter uma gama de elementos ou ser apenas um só. Já na visão deTeixeira o agrupamento é a unificação formada por vários elementos. Na figura 3, a teoria, se apresenta verdadeira. No primeiro quadrado composto poroutros quadrados são a harmonia perfeita, todos tem o mesmo tamanho e formam um quadradomaior com a mesma proporção e concorda com outras leis da Gestalt como “proximidade,semelhança, fechamento e boa continuidade”. No segundo quadrado, a continuidade e interrompida pela diferença de cor, causandoum “ruído” ou evidenciando algo específico. Na terceira, o mesmo acontece não se encontra acontinuidade pela falha de alguns quadrados e em outra o circulo não deixa a leitura coerente. Finalmente no último é o caos, pelo movimento dos quadrados e cores se perde aharmonia e continuidade na legibilidade visual. Suassuna referencia-se a harmonia das partes de um todo que assume comounidade e totalidade quando afirma “que consiste na grandeza e na ordem.” (SUASSUNA:2011, p.53) Figura 3 - Unificação. Fonte: Filho (2008, p.31). Na figura 14 são apresentadas as leis mais importantes da teoria Gestaltiana como:semelhança, proximidade, continuidade, pregnância, fechamento sendo empregadas na figuraanterior mostrando seu funcionamento, entre outros. A figura também mostra a conceituaçãosensível da forma, seus aspectos metafísico, lógico, epistemológico, estético e formal. 4
  5. 5. Figura 4 - Leis da Gestalt. Fonte: Gomes Filho (2000). A teoria da Gestalt pode fornecer ao designer o embasamento científico ao sistemade leitura visual, que solidifica as diretrizes para construção de infográficos podendoultrapassar os elementos técnicos, permeando os anseios da forma e tateando o campo estético. A forma, como é descrita na figura 5, é definida por Filho (2000, p.41): “como os limites exteriores da matéria de que é constituído um corpo e que confere a este um feitio, uma configuração. A percepção da forma é o resultado de uma interação entre o objeto físico e o meio de luz agindo como transmissor de informação, condições e imagens que prevalecem no sistema nervoso do observador que é, em parte, determinada pela própria experiência visual.” Wong (1998) divide a forma em quatro grupos básicos: elementos conceituais,elementos visuais, elementos relacionais e elementos práticos. 5
  6. 6. Figura 5 - Elementos da forma. Fonte: Wong (1998). Wong (1998) relata a união dos conceitos da teoria da forma e sugere funções a ela,adaptações que e se apresentam como o principal suporte do mecanismo de estruturação eorganização de um infográfico. Um exemplo prático é oferecido por Munari apenas utilizandoa textura para mostrar o funcionamento da teoria de Wong: Figura 6 - Elementos da forma com textura. Fonte: Bruno Munari (2006, p.11). 6
  7. 7. A interpretação desses elementos básicos e o contexto do meio onde se estáinserido ou suporte, segundo Dondis (1997, p.5), atuam como “cenário para as decisõesrelativas ao design”, estruturando os elementos conforme seus significados. O sistema de elementos organizados sistematicamente pela Gestalt e Wong, seapresentam como refinamentos do que foram percepções humanas em relação aos objetos. Essaestrutura é chamada por Dondis (1997, p.16) de “alfabetismo coerente com regras sintáticasbásicas”. Seguindo as concepções de Dondis (1997) toda a percepção, das definições acima,pode também ser influenciada pela psique formada pelo seu grupo social. Sartre (2009, p.39) comenta que “toda criação imaginativa exige um princípio deunidade” e que toda unidade passa por um processo de desmembramento de “dissociaçãoexterna e interna” sendo que: 1) a seleção tendo em vista a ação; 2) causas afetivas “que governam a atenção”; 3) razões intelectuais, “designando por esse nome a lei de inércia mental ou lei do menor esforço”. As causas externas são as “variações da experiência” que apresenta tal objeto, ora provido, ora privado de certa qualidade: “O que foi associado ora a uma coisa, ora a outra, tende a se dissociar das duas”. Aparentemente uma informação apresentada a um indivíduo ocidental pode serinterpretada de uma forma diferente de um indivíduo oriental, que não tem acesso aos mesmoscostumes, ou seja, um indivíduo que mora no Sul do país tem uma palavra para identificar umobjeto, para o que no Norte a mesma palavra pode significar outra coisa. Um bom exemplo é o símbolo da suástica, figura 7, que traz mensagens com maisde três mil anos, segundo dados do site Brasil Escola, seu nome era “cruz gamada” e eragravada em moedas da antiga Mesopotâmia. Seu primeiro significado nasceu dentro dohinduísmo como “aquilo que traz sorte” e, para os chineses, a suástica representava o número10.000; na maçonaria representação de uma constelação próxima à estrela Ursa Maior; e osbascos representam por meio da suástica a imagem de uma dupla espiral. Porém o significadomais conhecido foi como símbolo do nazismo. Figura 7 - Suástica. Fonte: Brasil Escola. Disponível em http://bit.ly/KBWjLl. Acesso em 21/06/2012 Nesse contexto, Ramos e Zago (2007, p.7) argumentam que: todo ato perceptivo subordina um fenômeno em conceitos visuais [...] é o conhecimento sensorial das formas ou de totalidades organizadas e dotadas de sentido e não a soma de sensações elementares. Sensação e percepção são o mesmo. 7
  8. 8. É o conhecimento de um sujeito corporal, uma vivência corporal. O mundo exterior não é uma coleção ou soma de coisas isoladas. É organizado em formas e estruturas complexas, dotadas de sentido. Aprofundando, percebe-se que os elementos sistematizados ficam a priori dosjuízos empregados pela pessoa que recebe a informação, sendo assim, a percepção “não é umapropriedade do objeto, algo que se encontra no objeto, e sim uma construção do espírito docontemplador colocado diante do objeto” (SUASSUNA: 2011, p.30). Ramos e Zago (2007) concluem que: A percepção é uma relação do sujeito com o mundo exterior e não uma reação fisico fisiológico (empiristas) e nem uma idéia formulada pelo sujeito (intelectualistas). A relação dá sentido ao percebido e aquele que percebe - um não existe sem o outro. Uma experiência é dotada de significação. O percebido é dotado de sentido, faz parte do nosso mundo e de nossas vivências. (RAMOS E ZAGO: 2007, p.7) Portanto, com a percepção definida pretende-se explorá-la com os conceitos decomunicação que, segundo Júnior (2005), não importa o suporte a comunicação se dá de corpopara corpo, cada um interpretando a informação conforme seu conhecimento intrínseco.Visualização da informação com bases de dados Sunagawa (2010) apud Betin (1983) introduz os níveis de organização de umgráfico que são “divididos em quatro propriedades perceptivas ou níveis de organização:associativo, seletivo, ordenado ou quantitativo”. Percebe-se que a autora aprofunda os elementos apresentados pelas leis da Gestalt ede Wong, e converte para uma linguagem infográfica transformando em três níveis deinterpretação como modos de implantação, variáveis visuais e organização visual de dados. Sendo, segundo a Sunagawa (2010), os modos de implantação estão relacionadosaos quesitos visuais, relacionais e práticos dos elementos das formas apresentado por Wong(1998), sendo que os elementos conceituais, de Wong, se relacionam com as variáveis, efinalmente os níveis organizacionais apresentados pela autora. Portanto, Sunagawa (2010) apresenta, na figura 8, um exemplo prático que utilizaos elementos da forma e transforma em visualização de dados. 8
  9. 9. Figura 8 - Modos de Implantação X Váriáveis Visuais X Niveís de Organização Fonte: SUNAGAWA: 2010, p.59. Cairo (2008) articula sobre a implantação dos dados variáveis do Google maps quese tornou uma ferramenta importante para o desenvolvimento de mapas interativos, por ter seucódigo de programação aberto e oferecer possibilidades de manipulação dos dados. Algunssites jornalísticos já estão utilizando recursos oferecidos pelo Google que usa as variáveisvisuais apresentadas por Sunagawa (2010). Na figura 9, o NYT apresenta uma forma interativa os lugares onde realiza, a cadaano, uma inspeção sanitária. Em cada ponto do mapa é apresentado o nome doestabelecimento, o grau de violação e, se clicado, apresenta todo o relatório do local. Alémdisso, tem um sistema de busca na parte superior do infográfico. Percebe-se que as variáveis visuais tornam-se gráficos mostrando o grau dereincidência do estabelecimento nas inspeções, transforma-se informação numérica em dadosvisuais. Figura 9 - Ferramenta do Google aplicado em infográfico do New York Times. Fonte: Interactive Map. Disponível em http://nyti.ms/IrST9z Cairo (2008) afirma que a ferramenta elaborada pela Google, em 2005,condicionará o futuro da infografia na web, pois definem “a hibridação de serviços de diversosprovedores para criar um novo produto.” (CAIRO: 2008, p.7) Continua em sua afirmação deque os dados são recombinados de maneira que responda as necessidades de cada infografia eque oferecem o suporte para a arquitetura da informação e que possam ser compartilhadas,modificadas e distribuídas e por fim utilizando os conceitos de inteligência compartilhada. Após discorrer sobre como os elementos visuais podem auxiliar a compor umainterface que analise dados numéricos transformando em gráficos, apresentados por Sunagawa(2010), prospectando a utilização das ferramentas oferecidas pelo Google Maps, que foiapresentada por Cairo (2008) como uma ferramenta de alta qualidade. Percebe-se que a interface pode ser manipulada conforme os dados inseridos,segundo Cairo (2008) é necessário, uma ferramenta com alto desempenho para administraresses dados graficamente. 9
  10. 10. Portanto, observa-se que, apenas conhecer a ferramenta e saber como navegar porela pode não ser suficiente para enviar uma informação visual.Interpretação da informação Percebe-se que a visualização da informação depende também dos conhecimentosde comunicação, portanto conhecer apenas a aplicabilidade dos elementos da forma pode serinsuficiente na comunicação de uma mensagem. Dondis (1997) acredita que a forma é pode sermodificada ou interpretada de forma diferente por pessoas diferentes. “O resultado final de toda a experiência visual, na natureza e, basicamente, no design, está na interação de polaridades duplas: primeira as forças do conteúdo (mensagem e significado) e da forma (design, meio e ordenação); em segundo lugar, o efeito recíproco da articulação (designer, artista e artesão) e do receptor (público). Em ambos os casos, um não pode se separar do outro. A forma é afetada pelo conteúdo; o conteúdo é afetado pela forma. A mensagem é emitida pelo criador e modificada pelo observador.” (DONDIS: 1997, p.131) Santaella acrescenta de uma forma mais filosófica que: de todas as aparências sensíveis, o homem — na sua inquieta indagação para a compreensão dos fenômenos — desvela significações. E no homem e pelo homem que se opera o processo de alteração dos sinais (qualquer estímulo emitido pelos objetos do mundo) em signos ou linguagens (produtos da consciência). (SANTAELLA: 1985, p.7) Percebe-se que os infográficos podem agregar informações textuais comrepresentações visuais que sofrem influências objetivas e subjetivas. “Compreender aengendrarão do infográfico, suas relações com o interpretante e tornaram evidente seu podersimbólico e de produção de sentido.” (SILVA: 2010, p.10). Dias e Carvalho apud Freitas (2011) afirmam que a visualização de dados é: “uma área da Ciência que tem por objetivo o estudo das principais formas de representações gráficas para apresentação de informações, a fim de contribuir para o entendimento delas, bem como ajudar a percepção do consumidor a fim de deduzir novos conhecimentos baseados no que está sendo apresentado. É uma ciência que combina aspectos de computação gráfica, interação humano-computador, cartografia e mineração de dados.” Toda a visualização de uma informação pode ser abstrata, o que se vê no papel ouna tela de um computador seria uma representação do real, uma interpretação de fatos e dados.Cairo (2008) confirma que “um diagrama é uma representação abstrata de uma realidade.” Ouseja, ele representa números em forma de gráfico podendo assim, ser comparado visualmente. Quanto maior o poder de abstração de uma infografia maior o grau de compreensãode uma informação, veja na figura 11, em um lado um quadro com vários números e, no outroquadro é destacado apenas os números necessários. Figura 11 - Fragmentação e minimalismo na informação. 10
  11. 11. Fonte: Cairo (2008, pg.21) Dias e Carvalho, seguindo a mesma concepção de Cairo, propuseram a doisprofissionais das áreas de matemática e desenvolvedor de games, o teste presente na figura 12,no teste foi proposto quatro formas de visualização de uma informação e depois foiquestionado aos profissionais o que eles identificavam no resultado do desenho e, cada umdeles, interpretou a informação conforme a sua compreensão. Figura 12 - Teste visual. Fonte: CARVALHO e DIAS (2007) 11
  12. 12. A abstração é um componente importante para a composição de informações emum mapa. Para exemplificar essa ideia Cairo (2008) utiliza o mapa do metrô de Londres, nafigura 13, muitos mapas costumavam mostrar o trajeto exato percorrido. Figura 13 - Mapa antigo do metro de Londres. Fonte: The Guardian. Disponível em http://bit.ly/IrIuOs. Acesso em 20/09/2011. Beck utilizou a linguagem e a sintaxe para desenvolver o mesmo mapa do metrô deLondres, figura14, que dispensava a geografia do solo, distância entre as estações, trajeto emuitos outros detalhes que o usuário de metrô não necessita saber. Na realidade o usuárioprecisa saber onde está e para onde quer ir e a partir disso observar um mapa simples. Figura 14 - Plano do metro de Londres por Henry Beck, 1933. Fonte: The Guardian. Disponível em http://bit.ly/IrIuOs. Acesso em 20/09/2011. Cairo (2008) cita outros exemplos como: montanhas e vales em um mapa estáticonão são relevantes para mostrar um roteiro ou uma ilustração é uma representação abstrata deobjetos físicos. 12
  13. 13. Para compreender a abstração em sua plenitude os aspectos da fenomenologiapodem ser significativos, segundo Santaella (1983, p.2), principia em conhecer como o“homem opera no processo de alteração dos sinais (qualquer estímulo emitido pelos objetos domundo) em signos ou linguagens (produtos da consciência).” O termo linguagem se estende,também, a linguagem binária da qual as máquinas se utilizam para se comunicar com ohomem. Sendo assim, o homem se vale de signos para interpretar algum objeto. Percebe-se então, que para o homem entender ou interpretar alguma informação eletem a lógica, os aspectos sensíveis e o social como aliados para formular uma ideia, concepção,compreensão, entre outros. A fenomenologia tem por tarefa “dar a luz as categorias mais gerais, simples,elementares e universais de todo e qualquer fenômeno, isto é, levantar os elementos oucaracterísticas que pertencem a todos os fenômenos e participam de todas as experiências”.(SANTAELLA: 1985, p.7). A concepção de Santaella (1985) sobre os fenômenos são baseados nas teorias dePierce que agiam em três campos: 1) a capacidade contemplativa, isto é, abrir as janelas do espírito e ver o que está diante dos olhos; 2) saber distinguir, discriminar resolutamente diferenças nessas observações; 3) ser capaz de generalizar as observações em classes ou categorias abrangentes (SANTAELLA: 1985, p.7). Para fins científicos Pierce resolveu fixar na terminologia de primeiridade,secundidade e terceridade, por serem palavras livres de outros significados ou associações.Segundo Santaella, baseada na teoria perciania: Primeiridade: é a categoria que dá à experiência sua qualidade distintiva, seu frescor, originalidade irrepetível e liberdade Secundidade: é aquilo que dá à experiência seu caráter factual, de luta e confronto. Ação e reação ainda em nível de binariedade pura, sem o governo da camada mediadora da intencionalidade, razão ou lei. Terceridade: que aproxima um primeiro e um segundo numa síntese intelectual, corresponde à camada de inteligibilidade, ou pensamento em signos, através da qual representamos e interpretamos o mundo (SANTAELLA: 1985, p.11). Para Messa (2005, p.15): A primeiridade refere-se a todo aspecto de qualidade que você vivenciar nessa experiência, a secundidade é a reflexão envolvida nesse processo e a terceiridade é a representação que você fará. Na figura 15 é apresentada, graficamente, a tríade pierceana 13
  14. 14. Figura 15 - Tríade de Pierce. Fonte: SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1985 Perante os fenômenos, ou seja, para conhecer, compreender e reagir a “consciênciaproduz um signo” (SANTAELLA: 1985, p.11), isto é, um pensamento. Observa-se que intenção do signo é representar as formas e simbolizar ideias dapercepção do mundo e das coisas. Para isso existe a necessidade de abstração de imagem, masnão de conteúdo. Como verificado nos exemplos das páginas anteriores. Cabe ressaltar que a semiologia, que posteriormente viria ser semiótica1, “deFerdinand de Saussure, é a ciência com origens na linguística que estuda vida dos signos comoparte da vida social. A relação entre as duas semiologias refere-se à estruturação dopensamento e as leituras das relações significante-significado.” (SUNAGAWA: 2010, p.70) Santaella (1983, p12) assume a idea, originalmente de Pierce, que: “o signo só pode representar seu objeto para um intérprete, e porque representa seu objeto, produz na mente desse intérprete alguma outra coisa (um signo ou quase- signo) que também está relacionada ao objeto não diretamente, mas pela mediação do signo.” Niemeyer considera que a união dos signos constitui a linguagem: O signo tem o papel de mediador entre algo ausente e um interprete presente. Pela articulação dos signos se dá a construção do sentido. Os signos se organizam em códigos, constituindo sistemas de linguagem. Esses sistemas constituem a base de toda e qualquer forma de comunicação. Além da tríade apresentada existem outras explorações de Pierce que é a relação dosigno consigo mesmo, do signo com seu objeto e, finalmente, do signo com seu interpretante,assim podemos observar outra tríade:1 Semiótica. A semelhança e afinidade da Semiologia à Semiótica. Ambas tratam do estudo dos signos esurgiram em momentos muito próximos (início do século XX). A semiologia teve suas origens na Suíça eestendeu seus domínios aos países de língua francesa, enquanto a Semiótica, iniciou-se nos Estados Unidosatravés do filósofo Charles Sanders Peirce (1939-1914). Por força de novas posturas metodológicas, ossemiologistas criaram outro movimento, chamados estruturalismo. Em 1969, o comitê fundador da AssociaçãoInternacional de Estudos Semióticos, resolveu que as duas ciências fossem fundidas, passando a designar-sesomente Semiótica. (SUNAGAWA: 2010, p.70). 14
  15. 15. Figura 16 - Desmembramento do signo. Fonte: SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1985 Esses conceitos discursados podem ser aplicados a estrutura da comunicaçãohumana pode-se dizer, segundo Watzlawick (2011, p.18 e 19): O estudo da comunicação humana pode ser subdividido nas mesmas três áreas de sintaxe, semântica e pragmática para o estudo da semiótica (a teoria geral de sinais e linguagens). [...] a primeira dessas três áreas abrange os problemas de transmissão de informação [...]. O seu interesse reside no problema de código, canais, capacidade, ruído, redundância e outras propriedades estatísticas da linguagem.[...] para que seja perfeitamente possível transmitir séries de simbolos desprovidos de significado se o emissor e o receptor não tivessem antecipadamente concordado sobre sua significação. Nesse sentido, toda a informação compartilhada pressupõe uma convenção semântica. Percebe-se que surge outra tríade considerada o núcleo da teoria da comunicação2: a trilogia emissor-receptor-mensagem – repetindo, assim, muitos séculos depois, o modelo da Retórica de Aristóteles, de acordo com a qual as “provas de persuasão” residem seja “no carácter moral do orador [ethos]”, seja “no modo como se dispõe o ouvinte [pathos]”, seja, finalmente, “no próprio discurso, pelo que este demonstra ou parece demonstrar [logos]. O grande desafio de comunicar uma mensagem com mais precisão é “decodificarelementos e a linguagem proporcionada pelo objeto, sobretudo no campo analógico (alinguagem não-verbal)” (SILVA: 2010, p.11). Ferrara (2004, p. 53) afirma que para o desenvolvimento de projetos em design “over semiótico é uma arma imprescindível ao designer, que incorpora a dimensão cultural àcompetência técnica e isso lhe permite aliar o uso funcional do objeto à sugestão informativade outros valores culturais.” Busca-se a abstração de forma com uma grande quantidade de conceitos einformação e sem ruídos para que os dados sejam interpretados rapidamente, os elementosestéticos funcionam como uma massa de modelar a realização de uma interface.2 História, resumidamente, por Serra (2007, p.78) principais elementos da comunicação, o comunicador(emissor), o conteúdo (da mensagem), o canal, a audiência (o receptor) e os efeitos (sobre os receptores). Outrodesses modelos, formulado por Roman Jakobson nos anos 60, procura descrever a comunicação verbal a partirde seis elementos essenciais, a cada um dos quais corresponde uma determinada função: o destinador (funçãoexpressiva ou emotiva), o destinatário (função apelativa), a mensagem (função poética), o código (funçãometalinguística), o contexto (função referencial) e o contacto (função fática). 15
  16. 16. Todos esses conceitos são suportes para o desenvolvimento de projetos sugeremvínculos de interação com o usuário, entretanto é polido se esclarecer a diferença entre aspalavras, interativa e interação, percebe-se seu uso contínuo sem conhecimento do seusignificado. As duas palavras se diferem pelo sentido de que interativo é indireto e a interação édireta, ou seja: Interação na sociologia: nenhuma ação humana ou social existe separada da interação. (...) designando a influência recíproca dos atos de pessoas ou grupos. (FERNANDES: 2006 p.25). Interação na ciência da computação: ciência da comunicação, interação é definido como a relação entre eventos comunicativos. Essa definição considera “comunicação interpessoal”, “relacionamento humano” e “interação humanos” como sinônimos. O conceito de interação vem de épocas remotas; entretanto, o de interatividade é recente. (FERNANDES: 2006, p.26). O significado da interação vem muito antes da interatividade, pois esta surgiu depoisda disseminação dos computadores pessoais, segundo Fragoso (2001, p.10): Em 1954, propunha-se um programa que permitia desenhar num monitor. Porém, o verdadeiro impulso para uma interatividade nessa área foi dado por Ivan Sutherland, em 1963, com o programa Sketchpad, onde o usuário podia desenhar diretamente no monitor atrás de uma caneta (pen light). A partir disso, ainda nos anos 1960, o termo interatividade foi cunhado como uma derivação do neologismo inglês interactivity. Entretanto, Lévy (1999) sugere que a interação são atividades humanas comarticulação de pensamento e ação entre: pessoas, entidades materiais naturais e artificiais, ideiase representações. É impossível separar o humano de seu ambiente material, assim como dos signos e das imagens por meio dos quais ela atribui sentido à vida e ao mundo. Da mesma forma, não podemos separar o mundo material - e menos ainda sua parte artificial - das ideias por meio das quais os objetos técnicos são concebidos e utilizados, nem dos humanos que os inventam, produzem e utilizam. (LÉVY: 1999, p.22). Segundo as suas definições, Lévy (1999) também assegura que ao procuraraumentar à autonomia as experiências interativas multiplicam as faculdades cognitivas dousuário. Kotler (2010, p. 37) faz um adendo sobre a interatividade no mundo do marketing,afirmando que “a experiência de um produto jamais é isolada. É o acúmulo das experiênciasindividuais do consumidor que cria maior valor para o produto. Quando os consumidoresindividuais experimentam o produto, personalizam a experiência de acordo com necessidades edesejos singulares.” Já Quéau afirma que: “A verdadeira revolução reside, no entanto, naspossibilidades especificas da infografia, notadamente na sua capacidade de interação com oespectador e na sua possibilidade de geração em tempo real, dando assim o sentimento de uma“imersão” na imagem.” Em linhas gerais conclui-se que, para poder haver interação são necessárias duaspessoas conectadas por um dispositivo como, um canal de bate-papo, por exemplo, ou um jogoonline ou em dupla. Para a interatividade a resposta de uma ação vem do mecanismo utilizado,um sistema, uma ferramenta, um dispositivo móvel, ou seja, um jogo que se joga com umcomputador sem a participação de outro ser humano 16
  17. 17. Avalia-se a importância desse processo, pois, conforme a analise sobreinteratividade seu comportamento como instrumento que instiga a curiosidade e a liberdadedentro da navegação de um conteúdo informativo.Conclusão Percebe-se que o papel do design na construção da visualização de uma informação ouna análise de dados é imprescindível para uma comunicação ágil. O aprofundamento dessasquestões auxilia no entendimento da conexão semiológica durante a navegação entre internautae sistema. Sendo que é imprescindível conhecer o internauta e a relevância das informaçõespara ele, podendo assim, abstrair os dados que não são tão importantes para a visualização. As utilidades e a forma de navegar na internet evoluíram e tudo que está disponível écompartilhado por todos. A compreensão de que o internauta não é mais um expectadorpassivo é o princípio para a construção da visualização de dados. O internauta deve estarinserido na percepção do conteúdo, deve ser um construtor dela também. Em linhas gerais, a visualização de dados terá importância ao internauta se ele ajudar aconstruir e formar opinião própria e poder compartilhar com sua rede pessoal de informações.ReferênciasCAIRO, Alberto. Infografia 2.0: Visualización interactiva de información em prensa.Madrid: Alamut, 2008.CAIRO, Alberto. Information Graphics Workshop in Spain. Disponível em:http://www.thefunctionalart.com/2012/03/information-graphics-workshop-in-spain.html.Acesso em 26/04/2012.CAMPOS, Jorge L. SILVA, Wallace V. O design e a representabilidade dos signos dentroda world wide web. Disponível em http://bit.ly/Ljm3gO. Acesso em 21/06/2012.CARVALHO, José O. F., DIAS, Mateus Pereira. A Visualização da Informação e a suacontribuição para a Ciência da Informação. DataGramaZero: Revista de Ciência daInformação: v.8, n.5, out/07.DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. Traduação Jeferson Luis Camargo. SãoPaulo: Martins Fontes, 1997.FILHO, João G. Gestalt do Objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: 2000.KOTLER, Philip. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centradono ser humano. Tradução H. de Barros. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed 34, 1999.MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. Apontamentos por uma metodologiaprojetual. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1983. 17
  18. 18. MUNARI, Bruno. Design e Comunicação visual. tradução Daniel Santana, São Paulo:Martins Fontes, 1982 (©1968).QUÉAU, Philippe. Imagem Máquina: A era das tecnologias do virtual. Trad. HenriGervaiseau. In: PARENTE, André (org.). Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993. 304 p. 91-99p.SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1985.WONG, Wucius. Princípios de forma e desenho. Tradução: Alvamar Helena Lamparelli. SãoPaulo: Martins Fontes, 1998. 18

×