Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Extremo Oriente Economia

29,065 views

Published on

  • Be the first to comment

Extremo Oriente Economia

  1. 1. Aspectos sócio-econômicos Extremo Oriente
  2. 2. China - Potência econômica <ul><li>A Economia da República Popular da China é a quarta maior economia do mundo em termos de produto interno bruto - depois apenas dos Estados Unidos da América, do Japão e da Alemanha; </li></ul><ul><li>70 % do produto interno bruto é derivado do setor secundário e terciário. A economia do setor público é dominado por cerca de 200 empresas estatais grandes atuando nas áreas de utilidade pública e indústria pesada; </li></ul><ul><li>Por seu volume a China participa com 13% da economia mundial e 21% da população do planeta. Já é a maior produtora de alimentos e manufaturas do globo, perdendo apenas no valor mundial para os EUA na mineração e no setor de serviços. </li></ul><ul><li>A China apresenta um dos maiores índices de crescimento econômico do mundo (10% ao ano). </li></ul>
  3. 3. Fatores do desenvolvimento econômico <ul><li>forte centralização da política nas mãos do partido comunista; </li></ul><ul><li>mão-de-obra abundante e barata; </li></ul><ul><li>vastos recursos minerais; </li></ul><ul><li>taxa de poupança do país, que está em torno de 30% do PNB, contribuindo para os maciços investimentos em bens fixos. </li></ul>Problemas <ul><li>crescente falta de mão-de-obra qualificada; </li></ul><ul><li>aumento da dependência de recursos energéticos externos; </li></ul><ul><li>instabilidade política criada pelo enfraquecimento do controle central do partido comunista. </li></ul>
  4. 4. China - agricultura <ul><li>60% da população se dedica à agricultura, que visa o atendimento do mercado interno. </li></ul><ul><li>Produz aproximadamente 450 milhões de toneladas de grãos, e quase meio bilhão de suínos, é o maior produtor de arroz, hortifrutigranjeiros, trigo e o segundo em milho . </li></ul>
  5. 6. China - Indústria <ul><li>No setor industrial a China ultrapassou seus maiores concorrentes se tornando a maior potência industrial do mundo Idade Contemporânea contemporâneo, em alguns setores de ponta como computador es, eletrodomésticos e aço a China já é de longe o maior produtor e consumidor mundial. </li></ul><ul><li>Na mineração, o país se tornou o maior produtor de carvão com mais de 1,7 bilhão de toneladas aumentando em muito também a produção de petróleo e ferro (1º do mundo). </li></ul>
  6. 8. ZEE’S: Zonas Econômicas Especiais A Zona Econômica Especial é uma região geográfica de um país que apresenta uma legislação de direito econômico e direito tributário diferente do resto do país para atrair capital (investimentos) interno e estrangeiro e incentivar o desenvolvimento econômico da região. As ZEE’s constituem o principal mecanismo de abertura da economia chinesa. Foram criadas na segunda metade da década de 70 junto ao litoral ocidental da China.
  7. 10. Base de formação e consolidação das ZEE’s <ul><li>Abertura de mercado ao capital estrangeiro, mas também com forte participação estatal. </li></ul><ul><li>Proximidades das áreas portuárias e urbanas. </li></ul><ul><li>Produção industrial diversificada e voltada especialmente para as exportações. </li></ul><ul><li>Foram apoiadas por um conjunto de infra-estrutura que permitissem a entrada do capital financeiro. </li></ul><ul><li>Mão-de-obra barata e abundante. </li></ul><ul><li>Assumem o modelo econômico Híbrido: Economia Socialista de Mercado. </li></ul>
  8. 11. China – densidade demográfica Apesar da sua enormidade territorial, a China não tem sua população distribuída igualitariamente pelo seu território, que possui muitas áreas voltadas para a agricultura, tendo uma baixa taxa de urbanização: de cada 10 chineses, apenas 3 vivem em cidades. Essa distribuição da população no território influencia também na disposição territorial de suas metrópoles e pólos econômicos,sendo as áreas mais ocupadas do país as planícies do leste e do sudeste, consideradas como centro dinâmico da China. AMPLIAR
  9. 13. China etnológica Com uma imensa mistura de etnias, a China sofre com a xenofobia entre elas e seus inúmeros conflitos. Os han , chineses legítimos são aproximadamente 90% da população, chegando a não utilizarem o gentílico “chinês” para o restante da população. AMPLIAR
  10. 15. <ul><li>Mesmo sendo um pequeno arquipélago constituído por mais de 3 mil ilhas, [das quais se destacam Honshu, Hokkaido, Kyushu e Shikoku], </li></ul><ul><li>que sofre constantemente com agressões naturais e depois de ter sido arrasado na segunda guerra mundial por bombas atômicas, esse país é a segunda maior potência econômica do mundo desse início de século XXI. </li></ul><ul><li>85% do seu território é de montanhas de origem vulcânica e quase não possui riquezas minerais no seu subsolo, sendo a pesca um dos pilares da sua economia. </li></ul>Japão AMPLIAR
  11. 17. Fatores físicos
  12. 18. Japão - demografia Como característica peculiar, o fato de ter um território extremamente limitado tendo 40% da sua população ocupando apenas 1% do seu território, a sua densidade demográfica é uma das maiores do mundo: 341 habitantes por quilômetro quadrado, chegando ao absurdo de 4 mil habitantes nessa mesma área nas grandes cidades, alcançando mais de 80% de taxa de urbanização.
  13. 20. Japão – História econômica Excetuando algumas relações comerciais com a Europa desde o século XVI, o Japão esteve isolado do mundo até a metade do século XIX. Tinha uma economia feudal e agrícola baseada na rizicultura, herança cultural, com a população mantida sob o controle de autoridades arbitrárias, os xoguns. A partir da década de 1860 o Japão passou a ter uma autoridade não xogum, dissolvendo o sistema feudal e investindo pesadamente em educação, o que possibilitou sua industrialização. Seu crescimento levou o país a tentar expandir sua área, com invasões à Manchúria e à Indochina, sendo barrado pelo massacre das bombas atômicas na II Guerra.
  14. 21. Japão – Milagre da recuperação econômica Depois de ser arrasado pelas bombas na II Guerra mundial, tendo sido arrasado, o Japão assinou acordo com EUA, firmando parceria, tendo deste ajuda na sua reestruturação. Nas três décadas seguintes, houve grande crescimento econômico movido pela exportação de produtos de alta tecnologia. Japão e os tigres asiáticos Acordos e alianças comerciais, tecnológicos e econômicos e a abertura do mercado mundial para os produtos orientais tornou o Japão pólo irradiador de desenvolvimento no continente, incentivando assim outros países da região.
  15. 22. Japão – potência econômica Problema: relevo montanhoso e a pequena extensão do seu território; Solução: técnicas agrícolas modernas e recursos tecnológicos, obtendo alta produtividade com boa qualidade. Principais produtos agrícolas: arroz e a produção de chá, de algodão, de soja e de trigo também se destacam. Paradoxo: Apesar da elevada produção agrícola, o Japão não é auto-suficiente; Força econômica: atividade industrial . Zaibatsus: conjunto de empresas [tanto produtivo quanto financeiro] que controlam a economia do país. Combinatos: Complexos industriais portuários. Agrupamentos de vários estabelecimentos industriais com produções complementares em uma mesa região econômica e sob uma única organização administrativa
  16. 24. Aeroporto de Kobe
  17. 25. Aeroportos de Kansai e Cyubu
  18. 26. <ul><li>A expressão Tigres Asiáticos é usada para se referir ao bloco econômico formado por Hong Kong, Cingapura, Coréia do Sul e Taiwan (Formosa). </li></ul><ul><li>Na década de 60 eram relativamente pobres e possuíam certos indicadores sociais semelhantes aos de países africanos. </li></ul><ul><li>A partir da década de 80, o perfil econômico dos Tigres Asiáticos começou a mudar significativamente; desta forma, passaram a apresentar grandes taxas de crescimento e uma rápida industrialização. </li></ul>Tigres Asiáticos
  19. 27. <ul><li>Reforma agrária: </li></ul><ul><li>Promoção do direito de propriedade e a igualdade entre os trabalhadores rurais; </li></ul><ul><li>Oferta de subsídios à agricultura; </li></ul><ul><li>Para corresponder aos interesses dos investidores externos: </li></ul><ul><li>Investimento pesado nos seus sistemas educacionais: qualificação de mão-de-obra. </li></ul>Tigres Asiáticos Singapura Taiwan Coréia do Sul
  20. 28. Fatores de Desenvolvimento <ul><li>Investimento de capital estrangeiro, principalmente norte-americano e japonês; localização estratégica para fortalecer o capitalismo contra o socialismo; </li></ul><ul><li>Exploração da força de trabalho, relativamente barata, que compensava a falta de matérias-primas - as férias são muito reduzidas, a jornada de trabalho elevada e a previdência social restrita; </li></ul><ul><li>Distribuição mais equilibrada de renda em relação a outros países capitalistas; </li></ul><ul><li>Estados altamente centralizados e ditatoriais; </li></ul><ul><li>Economias voltadas fundamentalmente para o mercado externo; </li></ul><ul><li>Ética confucionista - estabelece um modelo socioeconômico que enfatiza o equilíbrio social, a consciência de grupo, a hierarquia, a disciplina e o nacionalismo. </li></ul>Contras As críticas em relação à esses modelos se concentram justamente no caráter exportador adotado, uma vez que isso faz com que tais economias se tornem extremamente dependentes da saúde econômica dos países compradores dos produtos exportados. 
  21. 29. Educação – um diferencial no desenvolvimento da Coréia do Sul
  22. 31. Tigres Asiáticos atualmente
  23. 32. APEC <ul><li>A República Popular da China e o Japão fazem parte da APEC (Asia-Pacific Economic Cooperation), um bloco econômico que tem por objetivo transformar o Pacífico numa área de livre comércio e que engloba economias asiáticas, americanas e da Oceania. </li></ul>AMPLIAR
  24. 34. Referências <ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Economia_da_Rep%C3%BAblica_Popular_da_China </li></ul><ul><li>http://www.brasilescola.com/geografia/tigres-asiaticos.htm </li></ul><ul><li>LINHARES, Francisco. Geografia contextualizada – ensino fundamental. 9º ano. Editora Construir,2006. </li></ul>

×