Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Março de 2017

104 views

Published on

Edição de Março de 2017 do Folha de São Pedro, o jornal da Paróquia de São

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Março de 2017

  1. 1. Vivemos o tempo da Quaresma e, anualmente, é lançada pela Con- ferência Nacional dos Bispos do Brasil(CNBB) aCampanhadaFra- ternidade, cujo tema este ano é: “Fraternidade: Biomas brasileiros e defesa da vida”, com o lema inspirado no livro do Gênesis: “Cultivar e guar- daracriação”(Gn 2,15). A expressão bioma vem do grego e quer dizer: um conjunto de vida animal, vegetal,mineralqueseasse- melham entre si (bios = vida; oma= massa, grupo). No Brasil foram cataloga- dos pelo Instituto Brasilei- ro de Geografia e Estatísti- ca (IBGE) seis biomas: Mata Atlântica, Floresta Amazônica, Cerrado, Pan- tanal,CaatingaePampa. Tomando a introdução do texto-base preparado pela CNBB, apresento aos leitores deste jornal alguns pontos para reflexão: Os biomas brasileiros sofrem interferências negativas desde a chegada dos primeiros colonizado- res ao Brasil, logo após Pero Vaz de Caminha ter escrito para o rei de Portugal afirmando que as “águas são muitas, infinitas. Em tal manei- ra graciosa (a terra) que, querendo- a aproveitar, dar-se-á nela tudo; por causa das águas que tem”. Os colo- nizadores começaram a extração do pau-brasil usando, no início, a mão de obra escrava de indígenas e mais tarde dos africanos. Hoje, após mais de 500 anos daquela car- ta, o que restou da beleza natural descritaporPeroVazdeCaminha? AIgreja Católica, há algum tem- po, tem sido voz profética a respei- to da questão ecológica. Neste iní- cio do terceiro milênio, ter uma população de mais de 200 milhões de brasileiros, sendo mais de 160 milhões vivendo em cidades gera sérias preocupações. O impacto dessa concentração popu- lacionalsobreomeioambi- ente produz problemas que põem em risco as riquezas dos biomas brasileiros. O Papa Francisco, na sua carta encíclica Laudato Si', apresenta propostas ecoló- gicas, entrelaçando todas as dimensões do ser huma- no comanatureza. À luz da fé, interrogue- mo-nos durante essa Cam- panha da Fraternidade sobre o significado dos desafios apresentados pela situação atual dos biomas e dos povos quenelesvivem. Como resposta concreta, conclamo você, paroquiano, leitor do Folha de São Pedro, a reforçar seu compromisso com a biodiversi- dade, o solo, a água, a vegetação e a fauna. Vamo-nos unir no propósito de cumprir o mandato divino, res- peitando a criação que Deus nos deuparacultivá-laeguardá-la. Padre Aderbal Galvão de Sousa Toda a vida de Maria foi uma autêntica Quaresma, afirma Zélia Vianna em seu artigo na página 2 Conheça os objetivos, o hino, a oração e o cartaz da Campanha da Fraternidade 2017. Leia nas páginas 4, 5 e 8 Como atua um bom líder? Como se dá a verdadeira liderança? Yvette Amaral responde a essas perguntas na página 7
  2. 2. A Quaresma tem início na Quarta-feira de Cinzas e termina na quarta-feira da Semana Santa. Com o rito da imposição das cinzas em nossa fronte nós nos prepara- mos para celebrar os mistérios da Paixão, Morte e Res- surreição de Jesus. É um tempo forte de revisão e mudança de vida, de sacrifício, de escuta da Palavra de Deus e de gestos concretos de amor ao próximo por causa de Deus, concretizados em esmola e atos de cari- dade. Em virtude de Maria ter sido concebida sem pecado, muitos não conseguem entender como pode ela ser um exemplo vivo para quem se reconhece pecador e quer levar a sério o convite que a Igreja nos faz nesta Quarta- feira de Cinzas: “Convertam-se e acreditem na Boa Notícia”(Mc 1,15). Embora a Quaresma, tal como é vivenciada hoje, só tenha surgido no século IV, as práticas quaresmais (je- jum, oração e esmola) eram conhecidas por quase todas as antigas religiões. A lei mosaica mandava o judeu jejuar, rezaredaresmolas. Os evangelistas escre- vem que, embora nem sem- pre compreendesse tudo, Maria “escutava tudo, obser- vava tudo e guardava todas as coisas no coração”. Por isso permito-me achar que ela nunca esqueceu as palavras proferidas pelo velho profeta Simeão no dia que foi aoTemplo para oferecer a Deus seu menino recém-nascido: “Esse menino vai ser causa de queda e elevação de muitos em Israel. Quanto a você, uma espada há de atravessar-lhe a alma” (Lc 2, 37-38). Educada pelos pais, judeus devotos, penso tam- bém que foi através da oração, do jejum e dos atos de caridade que ela se fortaleceu espiritualmente e se pre- parou para a espada que lhe transpassaria a alma. Por isso, ouso afirmar que toda sua vida foi uma autêntica Quaresma. Maria era uma mulher orante. Ao contrário de nós, que falamos muito, ouvimos muito a voz do mundo, mas não encontramos tempo para escutar a Palavra de Deus, ela sabia fazer silêncio e foi no silêncio que aprendeu a escutá-Lo. Como todo Israel, sabia da pro- messa de um Messias que viria para libertar e salvar seu povo, mas desconhecia os planos de Deus a seu respei- to. Filha de pais judeus e devotos, Maria conhecia bem as Escrituras e estava familiarizada com o jeito de falar e de agir de Deus e de seus profetas, por isso não lhe foi difícil reconhecer em Gabriel um mensageiro do Altís- simo. O grande problema era que estava prometida em casamento a um homem chamado José. Mas como fazer a vontade de seu Deus era tudo que importava àquela mocinha, ela abdicou dos seus projetos para fazer seus os planos e sonhos de Deus, mesmo sem saber para onde isso a levaria. Fiel e obediente Àquele que era o Senhor de sua vida, sentiu-se totalmente segu- ra e não relutou nem pediu quaisquer garantias. Porque sabia que naquele Deus podia confiar, livremente res- pondeu: “Eis a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo tuapalavra”. Se a oração é o caminho para o diálogo, reconcilia- ção e encontro com Deus, o jejum aponta para um encontro com nosso eu mais profundo, vez que é uma forma de nos conhecermos e nos educarmos para não ser- mos escravos de nossos sen- tidos, porém senhores de nós mesmos. Maria tinha cons- ciência que jejuar não era apenas deixar de comer ou comer menos: “Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? – diz o Senhor Deus: É romper as cadeias injustas, desfazer as correntes do jugo, mandar embora livres os oprimidos e quebrar toda espécie de jugo” (Is 58,6). De caridade quem bem pode falar é Maria, que, para a salvação da humanidade, ofereceu tudo,inclusiveoseu próprioFilho. Hoje, tendo como referência não uma lei, mas a pes- soa de Jesus Cristo, somos chamados a praticar e dar sentido a esses três exercícios espirituais (oração, jejum esmola), que não encerram um fim em si mesmos mas se projetam numa tríplice caminhada. Pela oração nós nos voltamosparaDeus, nós O louvamospor tudoo que Ele é e dEle recebemos, reconhecemos nossa pequenez e nosso pecado e, humildemente, pedimos perdão por nossa infidelidade e desamor. Através do jejum nós tri- lhamos a estrada que nos conduz a nós mesmos e nos ensina que somos senhores da nossa vontade e por isso podemos dominar nossos instintos e desejos puramente carnais que o mundo oferece. A esmola sinaliza uma abertura para o outro, um desejo fraterno de partilhar tudo com todos, especialmente com os mais pobres e abandonados. Que, nesse tempo quaresmal, Maria, mãe e mestra, tome-nospelamãoenos leveaJesus. zelia.vianna@yahoo.com.br Zélia Vianna
  3. 3. QUARTA-FEIRA DE CINZAS Dia 1.º de março, haverá missa às 10h, 12h, 15h, 17h e 18h, na Igreja de São Pedro; e às 18h15, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. VIA SACRA Durante todo o período da Quaresma, haverá aVia Sacra, às sextas-feiras, às 11h e 16h, na Igreja de São Pedro; e às 15h30, naIgrejaSenhor BomJesus dosAflitos. PREPARAÇÃO DE PAIS E PADRINHOS PARA O BASTIMO DE CRIANÇAS Acontece nos próximos dias 4 e 18 de março e 1.º de abril, das 14h às 18h, na Igreja Nossa Senhora da Conceição daLapa. RETIRO PARAA QUARESMA Dia 4 de março, das 8h30 às 11h30, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. ENCONTRO PARA INSCRIÇÕES PARA CATEQUESE Em 11 de março próximo, das 14h30 às 17h, na Igreja Nossa Senhora da Conceição da Lapa, haverá um Encontro para inscrições de crianças e adultos que queiram participar dacatequeseparoquial. FESTA DE SANTO ANTÔNIO DE CATEGERÓ Dia 14 de março, missa às 7h, 8h, 10h, 12h, 15h, 17h e 18h, naIgrejadeSão Pedro. ENCONTRO COM AS FAMÍLIAS DAS CRIANÇAS DA CATEQUESE Dia 18 de março, às 9h, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. CAMINHADA PENITENCIAL Será realizada no 3.º domingo da Quaresma, dia 19 de março, a partir das 6h, a Caminhada Penitencial, da Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia até a Colina Sagrada. MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS DOADORES DO BAZAR Dia 19 de março, às 7h30, 9h30 e 11h30, na Igreja de São Pedro. ANIVERSÁRIO DE ORDENAÇÃO SACERDOTAL DE PADRE ÁUREO No próximo dia 21 de março, Padre Áureo completa 35 anos de ordenação sacerdotal.Amissa festiva será às 18h, na IgrejadeSão Pedro. INÍCIO DA CATEQUESE DE CRIANÇAS Dia 25 de março, às 9h, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS DIZIMISTAS DA PARÓQUIA Dia 26 de março, às 7h30, 9h30 e 11h30, na Igreja de São Pedro. ANIVERSÁRIO DA CIDADE DO SALVADOR 468 ANOS 29demarço. ANIVERSÁRIO DE ORDENAÇÃO EPISCOPAL DE DOM ESTEVAM 30 de março. PROGRAMAÇÃO PARAA SEMANA SANTA 9 de abril – Domingo de Ramos – Caminhada do Campo Grande à Praça Municipal, às 7h. 13 de abril – Quinta-feira Santa – Missa dos Santos Óleos (Terreiro de Jesus); Missa da Ceia do Senhor, às 17h, na Igreja de São Pedro. 14 de abril – Sexta-feira Santa – Liturgia da Paixão, às 17h, na Igreja de São Pedro. 15 de abril – Sábado Santo – Vigília Pascal, às 18h, na Igreja de São Pedro. 16 de abril – Domingo de Páscoa – Missa às 7h30, 9h30 e 11h30, na Igreja de São Pedro. Em 11 de fevereiro último, foi celebrada a missa solene da Festa de Nossa Senhora de Lourdes, na Igreja Nossa Senhora do Rosário.Amissa foi precedida pela Oração do Terço em torno da gruta de Nossa Senhora de Lourdes, que fica no fundo da igreja. Na missa, nosso pároco, padre Aderbal Galvão de Sousa, ministrou os sacramentos do Batismo, Crisma e Eucaristia à jovem Gabriela Maciel de Melo, preparada pela equipe de Catequese da nossa Paróquia,coordenadaporJandiraCampos. FESTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES
  4. 4. ACampanha da Fraternidade deste ano tem como tema: “Fraternidade: Biomas Brasileiros e defesa da vida” e comolema:“Cultivareguardaracriação”(Gn 2,15). Objetivogeral: Cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasi- leiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vidaeaculturados povos àluzdo Evangelho. Objetivosespecíficos: · Aprofundar o conhecimento de cada bioma, de suas belezas, de seus significados e importância para a vida no planeta, particularmente para o povobrasileiro; · Conhecermelhorenos comprometercomaspopu- lações originárias, reconhecer seus direitos, sua pertença ao povo brasileiro, respeitando sua histó- ria, suas culturas, seus territórios e seu modo espe- cíficodeviver; · Reforçar o compromisso com a biodiversidade, os solos, as águas, nossas paisagens e o clima variado ericoqueabrangeo chamadoterritóriobrasileiro; · Compreender o impacto das grandes concentra- ções populacionais sobre o bioma em que se inse- re; · Manter a articulação com outras igrejas, organiza- ções da sociedade civil, centros de pesquisa e todas as pessoas de boa vontade que querem a preservação das riquezas naturais e o bem-estar do povobrasileiro; · Comprometer as autoridades públicas para assu- mir a responsabilidade sobre o meio ambiente e a defesadesses povos; · Contribuir para a construção de um novo paradig- ma econômico ecológico que atenda às necessida- des de todas as pessoas e famílias, respeitando a natureza; · Compreender o desafio da conversão ecológica a que nos chama o Papa Francisco na carta encíclica Laudato Si' e sua relação com o espírito quares- mal. No texto-baseéusado o métodoVER-JULGAR-AGIR O traça o panorama dos seis biomas brasileiros:VER Mata Atlântica, Floresta Amazônica, Caatinga, Pantanal, Cerrado e Pampa, mostrando suas características naturais, sociopolíticas e a contribuição da Igreja ao longo da histó- ria. O bioma Amazônia é marcado pela maior hidrografia de água doce do mundo, a bacia amazônica. Seu principal rio, o Amazonas, lança no Oceano Atlântico cerca de 175 milhões de litros d´água a cada segundo, levando nas águas materiais orgânicos e sedimentos que geram, no oceano, biodiversidade marinha, colaborando para a temperatura do planeta.Também há o rio aéreo (evapotranspiração) que leva água em forma de vapor pelas regiões Centro-Oeste, Sul,Sudestedo Brasil. Há décadas os conflitos pelo território desse bioma geram mortes. Os conflitos e a violência contra os trabalha- dores do campo se concentram de forma expressiva na Amazônia, para onde avança o capital tanto nacional como internacional. O manejo florestal passou a ser uma ativida- de na qual foram inúmeras as denúncias de trabalho escra- vo. Aexpropriação privada de grandes áreas de terra conti- nua sendo a principal causa de desmatamento.Apecuária é a principal atividade implantada nas áreas recentemente desmatadas. A construção de grandes hidrelétricas e ativi- dades de mineração são responsáveis por boa parte dos danosambientaisesociaisnascomunidades. A Igreja Católica, na Amazônia Legal, vive e cresce no enraizamento, na sabedoria tradicional e na piedade popu- lar que, durante séculos, mantêm viva a fé e a espiritualida- de do povo da floresta. Diversos leigos, sacerdotes, religio- sos e religiosas derramaram seu sangue em nome da dimensão sóciotransformadora da fé, cuja defesa dessas populações e do meio ambiente foram seu principal esfor- ço. O bioma Caatinga apresenta uma grande riqueza de ambientes e espécies, que não é encontrada em nenhum outro bioma. A seca, a luminosidade e o calor característi- cos de áreas tropicais resultam numa vegetação de savana estépica, espinhosa e decidual (quando as folhas caem em determinada época). Há também áreas serranas, brejos e outrostiposdebolsãoclimáticomaisameno. Esse bioma está sujeito a dois períodos secos anuais: um de longo período de estiagem, seguido de chuvas inter- mitentes, e um de seca curta seguido de chuvas torrenciais (quepodemfaltarduranteanos). Esse bioma tem sido agredido pelas queimadas e pelo desmatamento para plantio de culturas que raramente se adaptam adequadamente, como é o caso do ciclo do algo- dão. Outras causas do desmatamento são o gado bovino solto nas caatingas e a geração de madeira para a indústria de gesso e para as carvoarias. O desmatamento gera a desertificação provocada pela economia irresponsável e predadora. As festas de São João, rodas de São Gonçalo, celebra- ções da Quaresma e Semana Santa são marcas da religiosi- dade popular da caatinga. Padre Ibiapina, um cearense, aproveitou-se dessa religiosidade popular para implantar várias resoluções dos problemas do povo.Ainda no século XIX ele concretizou a captação da água das chuvas nas cisternas nas casas da Caridade, onde se acolhiam enfer- mos,mulheresgrávidaseviajantes. Seguiramos passos doreligiosocearenseopadreCíce
  5. 5. ro e muitos de seus discípulos, que souberam acolher o povo liberto da escravidão e remanescentes indígenas, fundando comunidades como Caldeirão no Crato (CE) e Canudos(BA). Atualmente se observa que a vida de fé das comunida- des cristãs nesse bioma é marcada pela piedade popular, que se caracteriza pela devoção e pelas romarias nos expressivos santuários da região, como Bom Jesus da Lapa (BA), Santuário Frei Damião (PB), Santuário de São Fran- cisco, em Canindé (CE), entre outros. Não podemos deixar de citar que experiências da ação evangelizadora como a Campanha da Fraternidade e as Comunidades Eclesiais de Base(CEBs)surgiramnaregiãoNordeste. O bioma Cerrado alimenta as três maiores bacias da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que resulta em elevado potencial aquífero e gran- de biodiversidade. Esse bioma abriga mais de 6,5 mil espé- ciesdeplantasjácatalogadas. Embora o Cerrado não produza água, ele acumula as águas das chuvas em seu subsolo poroso, principalmente as vindas dos “rios aéreos” amazônicos. Assim, os biomas Amazônico e Cerrado se unem perfeitamente para a produ- çãoedistribuiçãodaáguaparaoBrasil. AIgreja Católica está empenhada na aprovação da Pro- posta de Emenda Constitucional – PEC 115/150 –, que inclui o Cerrado e a Caatinga como patrimônios nacionais. Também produz material popular para ativar a consciência dapreservaçãoambientaljuntoàscomunidades. A Mata Atlântica abrangia uma área equivalente a 1.315.460 quilômetros quadrados e estendia-se original- mente por 17 estados. Hoje restam 8,5% de remanescentes florestais. Atualmente, somados todos os fragmentos de floresta acima de três hectares, temos 12,5% da sua área original. Apressão sobre a MataAtlântica é histórica e, ao longo do tempo, muda de aspecto e aumenta em intensidade. Começa com a extração do pau-brasil, passa por vários ciclos econômicos de cana-de-açúcar, café, ouro e fumo.A devastação total da araucária ocorreu a partir do século XX com a intensa exploração da agricultura e agropecuária, assimcomoaexpansãourbanadesordenada. Com a chegada dos primeiros missionários jesuítas, padres Manoel da Nóbrega, José deAnchieta e outros, deu- se início ao processo de aldeamento, a construção de con- ventos e colégios. Também outras ordens religiosas e con- gregaçõesderamasuacontribuição:os franciscanos,bene- ditinos,carmelitas,entreoutras. Não podemos deixar de lembrar também das pastorais sociais com atuação nos diversos seguimentos da socieda- de, defendendo a vida nas várias instâncias em que ela é ameaçadapelomodeloeconômicoemdesenvolvimento. O bioma Pantanal é caracterizado por inundações de longaduração(devidoaosolo poucopermeável),queocor- remanualmentenaplanícieeprovocamalteraçõesnoambi- ente, na vida silvestre e no cotidiano das populações locais. A vegetação predominante é a savana. A cobertura vegetal original de áreas que circundam o Pantanal foi em grande parte substituída por lavouras e pastagens, num processo quejárepercutenaPlaníciedoPantanal. Para a Igreja Católica, o bioma Pantanal não representa somente um santuário ecológico onde se preservam espé- cies, mas sim um lugar onde o ser humano faz uma profun- da experiência de Deus, da natureza e do outro. Atuam na região com expressivo empenho o Conselho Indigenista Missionário, Cáritas, Pastoral da Criança, Pastoral da Saú- de, (CEBs), etc. Essas ações da Igreja na região do Panta- nal dedicam especial atenção aos povos originários, ribei- rinhosepantaneiros. O bioma Pampa está presente, no Brasil, somente no Rio Grande do Sul, ocupando 63% do território do Estado. Ele constitui os pampas sul-americanos, que se estendem pelo Uruguai e pela Argentina e, internacionalmente, são classificados de Estepe. O pampa é marcado por clima chuvoso, sem período seco regular e com frentes polares e temperaturasnegativasno inverno. A Igreja está presente na região desde a primeira evan- gelização, mas com características muito próprias. Foi ali que os missionários jesuítas fundaram “As Missões dos Sete Povos”. Nos últimos anos, seja pela presença das Pas- torais Sociais, das Semanas Sociais, das Campanhas da Fraternidade, das CEBs, muito se valoriza a agricultura familiar, os territórios das comunidades tradicionais e os remanescentesindígenas. O toma como exemplo a Sagrada Escritura,JULGAR que não se preocupa diretamente com os biomas, contudo oferece elementos que iluminam a temática a partir do projeto de Deus nela apresentado.Tal projeto inicia-se pela criação e organização do mundo. E conhece uma ruptura por causado pecado.Seu verdadeirosignificadoé revelado emCristoJesus. O dessa Campanha da Fraternidade está emAGIR sintonia com a Doutrina Social da Igreja, principalmente com a encíclica Laudato Si' e com a Campanha da Fraterni- dade Ecumênica de 2016. Elas indicam a necessidade da conversão pessoal e social dos cristãos e não cristãos para cultivar e cuidar da criação.Aencíclica Laudato Si' propõe aecologiaintegralcomocondiçãoparaavidado planeta. A Campanha da Fraternidade desse ano também está em sintonia com a celebração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Sob as bênçãos de Maria, rogamos a Deus para nos encorajar a fim de que possamos fazer ecoar nosso grito à sociedade brasileiraeaomundoqueos biomaspedemsocorro. COLETANACIONALDASOLIDARIEDADE ACNBB conclama a todos para participarem da Coleta Nacional da Solidariedade, no próximo dia 9 de abril, Domingo de Ramos. Os recursos arrecadados serão desti- nados preferencialmente a projetos que atendam aos obje- tivospropostos poressaCampanhadaFraternidade.
  6. 6. 01-M.ª HELOÍSAAGUIAR PIRES 01-M.ª ROSA BAHIANO PEDRAL SAMPAIO 01-Mª CRISTINA LE PINTO 02-ESMERALDA DOS SANTOS 02-GUILHERME C. MATOS DE BARROS 02-IVONE SANTANA SANTOS 02-LÊDA LUSTOSA NETAANDRADE 02-LÚCIO CLÁUDIO SILVA PIRES 02-M.ª DA SOLEDADE MARQUES MARIANO 02-THEREZA MOTTA DA FONSECA 03-GUIOMAR BISPO DOS SANTOS 03-LIONILA I. N. DE OLIVEIRA 03-LUIZ CURCINO SILVA 03-MAÍRA LUIZA SILVA DE FREITAS 03-MARINA SANTOS DE MENEZES 03-SANDRA SUELY BAHIA TEIXEIRA 04-CLÁUDIO DOS SANTOS MATOS 04-EDMILSON DOS ANJOS 04-MARGARIDA Mª COUTINHO FONSECA 05-M.ª AMÉLIA GONÇALVES DA SILVA 05-M.ª DE LOURDES RAMOS DE FREITAS 05-M.ª ROMILDES DOS REIS 05-ORDÉLIA RAMOS DA SILVA 06-CÉLIA M.ª LIBÓRIO CASTELLO BRANCO 06-DORALICE ALVES DA CRUZ 06-GILCÉLIA JESUS DA SILVA 06-JOÃO MELO DOS SANTOS 06-M.ª NILDA OLIVEIRA SILVA 07-CLÁUDIO TRINDADE DE MELO 07-ECLÉA SANTOS DO COUTO 08-LUIZA DE FÁTIMA DA CUNHA 08-M.ª LEITE ALVES DE OLIVEIRA 08-SABINO JOSÉ SOARES 09-RUTH CARNEIRO DE OLIVEIRA 09-WALDO PEREIRA DE CARVALHO 10-ÁLVARO CLEMENTE NETO 10-BENEDITA BARBOSA MATOS 10-DJANIR LEMOS BASTOS 10-GERALDO PEDRAL SAMPAIO 10-JOSÉ NEVES DA COSTA 10-M.ª DE LOURDES FERREIRA DA SILVA 10-ZENAIDE ELESBÃO DOS SANTOS 11-ANTÔNIO ROSENDO SACRAMENTO 11-FIRMINA RIBEIRO DE ALMEIDA 11-INA MÁRCIA DE OLIVEIRA 11-MARIA SANTOS DE SOUZA 11-ZAIDA MIRANDA DE SÁ 12-MARLENE P. DE MOURA MONTEIRO 12-MARTINIANA DE JESUS SANTOS 12-VANDERLICE A. M. DE FREITAS 13-ANA LUIZA DIAS DE OLIVEIRA 13-ANDRÉ LUIZ VIANA DIAS DOS SANTOS 14-M.ª DAS GRAÇAS MOREIRA DE JESUS 14-MONICK S. DAANUNCIAÇÃO SILVA 15-ANA MARIA DE MACEDO 15-HAYDÉE ANTUNES FRANÇA 15-JANILDA DE SANTANA NASCIMENTO 16-ISABEL CRISTINA D. DE JESUS 16-RITA DE CÁSSIA ROSÁRIO CONCEIÇÃO 16-RITA FRANÇA 17-M.ª DA PURIFICAÇÃO P. COUTINHO 17-SOLANGE M.ª O. SENA MOREIRA 18-CONSTANÇA BARBOSA LEMOS 18-M.ª DE LOURDES DA CUNHA 18-M.ª LIMA PEREGRINO DE CARVALHO 18-NIVALDO COSTA DOS SANTOS JÚNIOR 19-GÉRSON CARDOSO DOS SANTOS 19-JOSELITA M. BATISTA DE OLIVEIRA 19-M.ª AUXILIADORA CHÉ DE MIRANDA 19-M.ª JOSÉ NERI ANDRADE 19-M.ª JOSÉ NASCIMENTO SANTOS 20-FÁBIO SANTOS DE ALMEIDA 20-LUCIENE SANTOS DA CRUZ 20-MARCOS ANTÔNIO C. DE ARAÚJO 20-MARIANA QUADROS ANDRADE 20-OSWALNITA DE SOUZA TEIXEIRA 20-SÉRVULO ASSIS DE SOUZA 21-CLÁUDIA SOARES VIEIRA 21-ELIEDISON SILVA DOS SANTOS 21-LUIS ALBERTO OLIVEIRA RIBEIRO 21-MARLIETE M.ª MATOS MEIRA DA SILVA 22-IVANY LIMA DOS SANTOS 23-M.ª DA GLÓRIA BAHIANO P SAMPAIO 23-ONEIDA IRMA F. DA CUNHA BARBOSA 23-VALDELICE FREITAS DOS SANTOS 24-DOMINGAS Mª MENDES BOAVENTURA 24-M.ª DE FÁTIMA DA CUNHA 24-NELSON SANTOS SOUZA MAIA 24-NIVALDINA JOSÉ CARDOSO 24-OSMAR GOMES DE CARVALHO 24-ZEZILDA CONCEIÇÃO REIS 26-FRANCISCO JAQUELINO S. DOS SANTOS 26-M.ª NILZA CALAZANS SILVA 27-ANGELITA SOUZA LEAL 27-FRANCISCO ROBERTO VITTI 27-Mª JOSÉ PINTO DE JESUS 27-NILSON ROSA BARROS 27-SÍLVIO FÉLIX DE CERQUEIRA 27-VALDECIR ALBERTO CASSANEI 27-VANDREGISILA DE OLIVEIRAATHAYDE 28-AIDÊE PEREIRA DA SILVA 28-ELEN GREICE MELO AMORIM 28-FÁTIMA MARIA DE SOUZA MATOS 28-GIRLENE DOS SANTOS DA SILVA 28-IZABEL CRISTINA S.SANTANA FERREIRA 28-NEIANE SOUZA BOMFIM 29-ANA CRISTINA PEREIRA DOS SANTOS 29-JOSÉ ANTÔNIO MOTA DA SILVA 29-LEDA MARIA MOREIRA 29-LUCIENE NASCIMENTO MOURA 29-M.ª VITÓRIA TEIXEIRA DE S. FREITAS 30-MARLENE SOLEDADE TEIXEIRA 30-MAURÍCIO JOSÉ CHAGAS DE JESUS 31-LUIZ CARLOS DE SOUZA 31-VAGNER APARECIDO ALVES CABRAL A você, meu irmão, minha irmã, que assume esta Paróquia como dizimista e se compromete com o trabalho pastoral, parabéns! Como presente do seu aniversário, a comunidade paroquial estará unida a você, seus amigos e familiares, neste dia tão especial, para celebrar esta data. Venha participar, nesse dia, da Santa Missa, nos domingos e feriados, às 7h30; e de segunda-feira a sábado, às 8h, na Igreja de São Pedro. PARÓQUIA DE SÃO PEDRO MOVIMENTO FINANCEIRO JANEIRO/2017 RECEITAS Espórtulas de missas ............................... 4.874,00 Espórtulas de batizados .............................. 200,00 Espórtulas de matrimônios .......................... 635,00 Dízimos .................................................. 35.048,00 Coletas ordinárias .................................. 9.691,55 Taxas de certidões ...................................... 35,00 Donativos ............................................... 4.500,00 Rendimento do bazar ............................. 8.364,00 Rendimento do restaurante .................... 6.219,76 Aluguéis ................................................ 1.200,00 Rendimento de aplicações bancárias ..... 1.189,95 TOTAL ............................................... 71.957,26 DESPESAS Manutenção e conservação .................... 5.084,76 Material litúrgico ................................. 3.581,88 Promoção humana/formação ........... 3.050,00 Ajuda pastoral a moradores de rua .......... 1.000,00 Ajuda pastoral a mulheres marginalizadas 937,00 Ajuda social ............................................. 2.500,00 Salários .............................................. 17.321,14 Vale refeição ......................................... 6.154,56 Vale transporte ......................................... 1.792,80 Encargos sociais ...... ......................... 11.485,36 Côngrua ao pároco ....................... 3.000,00 Material de informática ............................ 600,40 Correios .................................................. 1.169,30 Água, energia e telefonia ................. 3.924,78 Serviços contábeis ................................... 775,78 Tarifa bancária ............................................... 68,40 Taxa do programa SGCP ....................... 97,50 Repasse de taxa à Cúria ........................ 4.075,70 Impostos e taxas municipais ............ ....... 654,92 TOTAL ............................................. 67.274,28 SALDO DO MÊS .................................4.682,98 Ser dizimista é ser corresponsável pela Igreja, é um dom, um compromisso, uma expressão de amor, uma atitude do coração, uma manifestação de fé, um investimento no Reino. SEJA DIZIMISTA INSCREVA-SE NA SECRETARIA PAROQUIAL
  7. 7. Cada momento histórico tem seus modismos, inclusi- ve palavras que às vezes são desenterradas e usadas com novas significações ou surgem, aumentando os dicioná- rios. Liderança é uma delas. Sempre existiu, mas atual- menteéusadacommuitainsistência. Perguntaram a Nélson Mandela quais são as caracte- rísticas de um bom líder. Ele responde: “Aquele que serve ao povo”. Se a interrogação fosse feita a um especialista em relações humanas ou setor congênere, uma lista de qualidades seria apresentada, demonstrando a importân- cia do assunto. Um dos grandes líderes da humanidade no seu tempo resolve a indagação com apenas cinco pala- vras. Aquestão da liderança é muito estudada, e a pessoa do líder, desenhadacomdetalhes.Palestras,seminários,cur- sos acontecem para ajudar a formação dos responsáveis pela condução dos grupos e dos povos. Hoje é mais enfa- tizado o fenômeno da liderança do que o líder, conforme a tendência atual de se valorizar mais o grupo do que o che- fe. O pensamento de Mandela, que liderou a luta pela igualdade, considera que a disponibilidade para servir ao povo é o pré-requisito de um líder. Isso deveria ser colo- cado, em destaque, na Praça dos Três Poderes. Os que para lá vão, como chefe de Estado, legislador ou juiz, pre- cisam ter consciência de que o poder não é uma fonte de privilégios, porém uma agenda de serviços a serem exe- cutados para o bem comum. Não é a vaquinha mansa para sugar o leite, mas o desafio constante a pessoas que ven- ceram a disputa para beneficiar o povo. Se os ocupantes dos cargos do Palácio do Planalto, da Câmara e do Sena- do Federais entendessem tal missão, as campanhas elei- torais seriam menos vergonhosas, e os planos de governo se pautariam pelos cânones da ética e do civismo. Não se precisaria de Lava-Jato porque a seriedade e a honestida- de definiriam os passos do processo. As trocas e as pro- messas não são aceitas por quem busca o poder para ser- vir, quem pretende ser ministro (aquele que serve) para distribuirajustiçaecolaborarcomahistóriadopaís. A todo instante, grita-se por mudança. De fato preci- samos de muitas modificações na macroestrutura da soci- edade, como na intimidade do coração humano. E qual- quer mudança tem seu apoio na educação. Se a popula- ção, sobretudo as crianças e adolescentes não são desper- tados paraa vocaçãode servir, as mudançasserão inefica- zes, apenas propostas que se agitam no ar, sem raízes para mantê-las firmes quando as dificuldades surgirem, e o sacrifíciofornecessário. Estamos na Quaresma, tempo de mudança e conver- são.Aproveitemos da rica liturgia desse tempo e da gran- de proposta da Igreja – a Campanha da Fraternidade – para revermos nosso posicionamento diante do serviço. Aquele que viveu, foi crucificado, morreu e ressuscitou para nossa salvação, confessou que não veio para ser ser- vido,masparaservir. Yvette Amaral yvettealemosmaral@gmail.com A principal fonte de energia para o organismo é a gli- cose proveniente da dieta, notadamente da metabolização dos carboidratos. Pode ser armazenada sob a forma de glicogênio para utilização após um período de jejum pro- longado. A manutenção da concentração no sangue da glicose depende da interação entre diferentes vias de sinalização das enzimas nos diferentes tecidos, além do funciona- mento correto dos processos de quebra e formação da glicose. Para que haja integração de todo esse processo, háanecessidadedeumsistemaendógenofuncionante. A glicemia é controlada principalmente pela insulina, hormônio polipeptídico produzido pelas células beta do pâncreas. Quando há um quadro de hipoglicemia, diver- sos mecanismos compensatórios entram em ação, visan- do ao restabelecimento dos níveis no sangue adequados de glicose. Ocorre supressão da liberação da insulina e peptídeo C, aumento da produção e liberação dos hormô- nios contrarreguladores.As consequências são a diminui- ção do consumo muscular da glicose, seguida de estímulo paraproduçãodeglicosepeloorganismo. São várias as causas da hipoglicemia: hipoglicemia de jejum, hipoglicemia pós-alimentar, hipoglicemia pelo excesso de insulina, como também as hipoglicemias cau- sadas por doenças de base, por exemplo, erros inatos do metabolismo, aumento congênito da insulina, doenças graves, doenças pancreáticas, hipoglicemia secundária a cirurgia de redução do estômago, entre outras. A causa mais comum em adultos é o uso de medicamentos para reduzir a glicemia em pessoas diabéticas. Outra causa importanteéoconsumoexcessivodebebidasalcoólicas. O quadro da hipoglicemia se manifesta com sintomas de sensação de fome, suor excessivo, palpitações, tremo- res, náuseas, vômitos, fadiga, confusão mental, perda do nível de consciência e até mesmo coma. Aos primeiros sintomas de hipoglicemia deve ser feito o teste de admi- nistração de glicose. Pacientes diabéticos devem evitar tomar medicamentos sem se alimentar. Os episódios de hipoglicemia devem ser relatados pelo paciente na con- sultamédica. HIPOGLICEMIA Dr. Getúlio Tanajura Machado gemachado@bol.com.br - tel. 71-3328-5633
  8. 8. Informativo da Paróquia de São Pedro Praça da Piedade, 11 - São Pedro - CEP: 40.060-300 - Salvador - Bahia - Brasil Site: www.paroquiadesaopedro.org - E-mail: padreaderbal@bol.com.br Direção e Coordenação: Padre Aderbal Galvão de Sousa Diagramação e Revisão: Equipe da Pastoral da Comunicação Colaboração: Getúlio Machado, Yvette Amaral e Zélia Vianna Ilustrações: Getúlio Machado e internet Jornalista responsável: Maria Alcina Pipolo - MTb/DRT/BA 915 Tiragem: 10 mil exemplares Distribuição Gratuita Arquidiocese de São Salvador da Bahia - Brasil REFRÃO – Da Amazônia até os Pampas, do Cerrado aos Manguezais, chegue a ti o nosso canto pela vida e pelapaz! 1- Louvado seja, ó Senhor, pela mãe terra, que nos acolhe, nos alegra e dá o pão. Queremos ser os teus parceiros na tarefadecultivaro bemguardaracriação. 2- Vendo a riqueza dos biomas que criaste, feliz disseste: tudo é belo, tudo é bom! E pra cuidar a tua obra nos chamasteapreservarecultivartãograndedom. 3- Por toda a costa do país espalhas vida. São muitos rostos – da Caatinga ao Pantanal – negros e índios, camponeses gente linda, lutando juntos por um mundo maisigual. 4- Senhor, agora nos conduzes ao deserto e então nos falas com carinho ao coração pra nos mostrar que somos tãodiversos,masumsó Deus nos fazpulsaro coração. 5- Se contemplamos essa mãe com reverência, não com olhares de ganância ou ambição, o consumismo, o desperdício, a indiferença se tornam luta, compromisso e proteção. 6- Que entre nós cresça uma nova ecologia onde a pessoa, a natureza, a vida enfim possam cantar na mais perfeita sinfoniaaoCriadorquefazdaterraoseu jardim. Expediente: Fone: (71) 3329-3280 Letra Pe. José Antônio de Oliveira Música: Wanderson Luis Freitas da Silva

×