Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevereiro de 2016

85 views

Published on

Edição de Fevereiro de 2016 do Jornal Folha de São Pedro, o Jornal da Paróquia de São Pedro.

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevereiro de 2016

  1. 1. Estamos em fevereiro e logo no segundo dia do mês celebramos um evento da vida de Nossa Senhora: con- forme a lei mosaica, ela se apresenta ao templo com o seu Filho para ser purifi- cada. Prossegue também o Ano Santo da Misericórdia. Vamos unir essas duas motivações, refletindo numa oração quetocamuitoo nosso coração,semper- dersua forçateologal. Salve Rainha, Mãe da Misericórdia. São belíssimas essas primeiras palavras da curta prece constantemente usada por nós para saudar a nossa Mãe. É o poder da rainha que até pode ser capaz de criar certa distância, porém suaviza- do pelavirtudedamisericórdia,queatin- ge profundamente o coração humano. Assim, a soberania de Mãe de Deus não é a imagem do poder que às vezes ate- moriza, mas o retrato da mãe que sem- pre acolhe, compreende, perdoa e se doa. Vida, doçura e esperança nossa. Que magnífica trilogia! É tudo que o homem deseja na sua jornada pelo mundo, nem sempre atapetada por pétalas de rosas. Estamos numa sociedade de inseguran- ça e ameaças ao precioso dom da vida. O mundo atual é de muita agressivida- de. Em toda parte indelicadeza e grosse- ria. Nesse cenário hostil, temos dificul- dade em sonhar com uma comunidade fraterna e acolhedora. Mas, se Maria é a estrela que clareia, há no horizonte a expectativadapaz. A vós bradamos os degredados filhos de Eva, a vós suspiramos, gemen- do e chorando neste vale de lágrimas. O filho confessa a sua situação de exilado e sofredor nesta terra. Na verdade, somos nela peregrinos, porque a nossa definitiva morada não está aqui. Essas palavrassão sombrias,todavianãodesa- nimam se nós nos sentimos seguros nas mãos de Deus e no coração maternal de Maria. Eia, pois, advogada nossa, esses olhos misericordiosos a nós volvei! O pedido é de quem acredita que o olhar doce e protetor da Virgem se compade- ce com as nossas necessidades. Ela que presenciou os problemas humanos, está atentaparaeles. E depois deste desterro mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre. Aí está a súplica maior dessa oração. A grande importância da vida das pessoas no tempo é ser um caminho para o encontro com Deus e a contemplação da sua face por toda a eternidade. Esse Deus se encarnou, isto é, fez-se carne humananoventrevirginaldeMaria. Ó clemente, ó piedosa, ó doce sem- pre virgem Maria. Tudo que antes foi dito, aqui está repetido, concluindo a Salve Rainha, oração humilde, mas plena de confiança no amor e na força daImaculada. Rogai por nós, santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. A Salve Rainha chega ao clí- maxdos seus apelosatravésdedois dog- mas marianos que proclamam Maria como Mãe de Deus e Medianeira de todasas graças. Todos nós, paroquianos, paroquia- nas e leitores do Folha de São Pedro somos filhos amorosos de Maria e esta- mos empenhados em acompanhar com entusiasmo e piedade o Ano Santo da Misericórdia. Que muitas vezes e com filial ternura, nossos lábios pronunciem esta joia de oração. Como Mãe da mise- ricórdia, ela nos ajudará a sermos mise- ricordiosos para com nossos irmãos, e assim dignos de tudo que Jesus prome- teu à humanidade salva pelo sacrifício dasuaVida. Padre Aderbal Galvão de Sousa Zélia Vianna nos fala sobre o acróstico do Papa Francisco, que é norteado pela palavra Misericórdia. Página 2 Conheça e participe da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016. Páginas 4, 5, 7 e 8 Dr. Getúlio Machado chama atenção para os cuidados com a saúde no verão. Página 7
  2. 2. O Papa Francisco não se cansa de pedir que nos deixe- mos surpreender por Deus. Mas é também ele que, no intuito de nos ajudar a viver “frutuosamente” o Jubileu da Misericórdia, surpreende-nos apresentando alguns princípios básicos em forma de acróstico (gênero literá- rio que atribui um significado, uma frase, um conceito ou um princípio para cada letra de uma determinada pala- vra). MISERICÓRDIA foi obviamente a palavra esco- lhida para nortear o acróstico, e a cada letra dessa palavra Franciscoatribuiduas virtudes. LetraM –MissionariedadeePastoreio. Como tantas vezes tem dito o Papa Francisco, a Igreja não é um Clube de amigos, nem uma agremiação de pes- soas religiosas, nem uma piedosa ONG.AIgreja Católica é uma instituição fundada por Jesus Cristo que tem como característicaaMissionariedade. Em seu Evangelho, Lucas narra que, além dos doze apóstolos, Jesus preparou e enviou 72 discípulos (núme- ro de nações existentes na terra naquele tempo) com a missão de anunciar o Reino de Deus a todas as nações: “Ide, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo, ensinan- do-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28, 19- 20). Missão é, portanto, um encargo, uma função especí- fica que se confere a alguém. No âmbito da Igreja católi- ca, essa incumbência consiste em propagar a mensagem do Evangelhoatodasascriaturas. O ponto de partida para a compreensão e vivência da missão é o Batismo, sacramento do qual brota toda a vida cristã e que nos introduz na Igreja, a grande família de Deus na terra. Através do Batismo somos enxertados no Corpo Místico de Cristo e assumimos sua identidade de profeta, rei e sacerdote. É por isso que podemos afirmar com segurança que se a Missionariedade é a carteira de identidade da Igreja, o Batismo é a carteira de identidade do cristão. Mas não basta ter consciência disso. Precisa- mos ir além e compreender que, para que a evangelização dê frutos e frutos que permaneçam, precisamos passar da missão para a Missionariedade, assumindo juntos – clero e laicato – o mandato que herdamos dos primeiros discípulos, sem perder de vista que o núcleo central da missionariedade é o testemunho. Na Igreja primitiva, o testemunho de amor e solidariedade entre os cristãos foi causa de conversão de muitos pagãos: “Vejam como eles se amam!”(Cf.Atos 2e4). Pastoreio é o ato de pastorear, isto é, conduzir, dirigir, guiar, cuidar do rebanho, e recorda o Cristo Pastor no Evangelho de João, e a belíssima figura do Cristo carre- gandosobre os ombros aovelhaquesedesgarroudoreba- nho. Não basta saber dizer e saber fazer, porque é o modo como vivemos e comunicamos, é o cuidado, o compro- misso, a compaixão que colocamos naquilo que dizemos efazemosquevaidarsentidoeautenticidadeànossa mis- sionariedadeeaonosso pastoreio. Uma singela história que li recentemente conta que, certodia,umaprofessoraperguntouaos alunosqualo sig- nificado da palavra ternura. Um garoto respondeu: Se eu estivesse com fome e alguém me desse um pedaço de pão, isso seria bondade. Mas se passasse geleia no pão, isso seriaternura. ASagrada Escritura narra que o Bom Samaritano não se deu por satisfeito depois que desceu do cavalo e cui- dou das feridas do homem caído na estrada. Colocou-o na sua montaria, levou-o para a estalagem, providenciou o necessário para o seu restabelecimento. E voltou para saber notícias dele. Em Caná, Maria não apenas esponta- neamente tomou providências a fim de que os noivos não ficassem envergonhados com a falta de vinho, porém, mesmo sabendo que uma espada de dor transpassaria sua alma, apressou o início da missão do Seu Filho. O pai não esperou que o filho pródigo viesse até ele. Mesmo velho e alquebrado, pressuroso correu ao seu encontro e resti- tui-lhe as honras de filho e membro da família. E Jesus, o Bom Pastor, não se contentou em conduzir o rebanho a salvo até o redil. Ele deixou as 99 ovelhas no curral e, mesmo correndo o risco de se ferir, enfrentou os espinhe- irosparasalvaraovelhaperdidaeferida. Acredito que as pessoas estão cansadas de pastores quedãopão,masseesquecemdageleia;quegritam,ame- açam, pregam castigos, ditam regras e realizam cultos imponentes, porém vazios. Ninguém acredita mais em missionários que trabalham pelo Reino, mas não dão tes- temunhodoamordeDeus. Diante desse nosso mundo anêmico por falta de amor e misericórdia, o Papa Francisco faz um comovido e elo- quenteapelo:SejamMissionáriosdaTernuradeDeus! zelia.vianna@yahoo.com.br Zélia Vianna
  3. 3. FESTADE NOSSASENHORADAS CANDEIAS E DA APRESENTAÇÃO DEJESUS: 2 defevereiro. DIADESÃO BRÁS: 3defevereiro. SEMANADO CARNAVAL: Funcionamento das igrejas: Matriz de São Pedro e Nossa Senhora da Conceição da Lapa estarão fechadas de 5 a 9 de fevereiro; as igrejas Senhor Bom Jesus dos Aflitos e Nossa Senhora do Rosárioestarãofechadasde5a10 defevereiro. QUARTA-FEIRADE CINZAS: 10 de fevereiro, missa às 10h, 12h, 15h e 17h, na Igreja de São Pedro; e às 18h15, na IgrejaNossa SenhoradaConceiçãodaLapa. FESTA DE NOSSA SENHORA DE LOURDES: 11 de fevereiro, missa às 9h, na Igreja Nossa Senhora do Rosário, com a Unção dos Enfermos. Aqueles que desejarem a Unção deverão inscrever-se na secretaria paroquialcomantecedência. HORA SANTA E MISSA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS: 12 de fevereiro, Hora santa às 9h e missa às 10h, naIgrejadeSãoPedro. VIA SACRA: 12, 19 e 26 de fevereiro, às 11h e 16h, na Igreja de São Pedro; e às 15h30 na Igreja Senhor Bom Jesus dosAflitos. RETIRO DA QUARESMA: 13 de fevereiro, das 8h30 às 11h30, naIgrejaNossa SenhoradaConceiçãodaLapa. MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS DOADORES DOS BAZARES DA PARÓQUIA: 14 de fevereiro, às 12h, naIgrejadeSãoPedro. REUNIÃO DA PASTORAL DA VISITAÇÃO AOS DOENTES E IDOSOS: 16 de fevereiro, às 16h, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. GRUPO DE ORAÇÃO NOSSA SENHORA DO CENÁCULO: 17 e 24 de fevereiro, às 8h, na Igreja Nossa SenhoradaConceiçãodaLapa. ANIVERSÁRIO DE ORDENAÇÃO DE PADRE GILMAR: 19 defevereiro. MEMÓRIA DE MADRE JOANA ANGÉLICA: 19 de fevereiro, missa às 18h15, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. REUNIÃO DO CONSELHO PASTORAL: 20 de fevereiro, das 14h30 às 17h, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. PREPARAÇÃO DE PAIS E PADRINHOS PARA O BATISMO DE CRIANÇAS: 20 de fevereiro, das 15h às 17h, naIgrejadeSãoPedro. BATISMO DE CRIANÇAS: 21 de fevereiro, às 9h, na IgrejadeSãoPedro. CÁTEDRADESÃO PEDRO: 22 defevereiro. REUNIÃO DOS ANUNCIADORES DA PALAVRA: 23 defevereiro,às15h30,naIgrejadeSãoPedro. R E U N I Ã O D O S M O N I T O R E S D A S COMUNIDADES BÍBLICAS: 23 de fevereiro, às 17h30, naIgrejadeSãoPedro. REUNIÃO DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO: 26 de fevereiro, às 14h30, na Igreja Nossa Senhora da ConceiçãodaLapa. CAMINHADAPENITENCIAL: 28 de fevereiro, saindo às 6h30, da Igreja Nossa Senhora da Conceição da Praia à Basílicado SenhordoBonfim. 02, 09, 16, 23 e 30: Grupo de Oração Nossa Senhora do Cenáculo; 03: Adoração ao Santíssimo Sacramento na Igreja de São Raimundo; 04: Hora Santa e missa do Sagrado Coração de Jesus; 04, 11 e 18: Via Sacra; 04: 24 horas de oração para o Senhor; 05: Unção dos Enfermos; 05: Encontro dos Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística; 05 e 19: Preparação de pais e padrinhos para o batismo de crianças; 06 e 20: Batismo de crianças; 08: Festa de São João de Deus e Dia Internacional da Mulher; 08: Reunião da Pastoral da Visitação a Idosos e Doentes; 09: Reunião da Comissão da Festa de São Pedro; 12: Dia dos Bibliotecários; 12: Reunião da Equipe de Recepção e Atendimento; 13: Aniversário de eleição do Papa Francisco; 13: Missa em ação de graças pelos doadores dos bazares paroquiais; 14: Festa de Santo Antônio de Categeró; 15: Reunião dos Monitores das Comunidades Bíblicas; 19: Festa de São José; 20: Domingo de Ramos – início da Semana Santa; 21: Aniversário de ordenação sacerdotal de Padre Áureo; 23: Dia de oração e súplica pela misericórdia; 24: Quinta-feira Santa – Adoração ao Santíssimo Sacramento e missa da Ceia do Senhor; 25: Sexta-feira Santa – Adoração ao Santíssimo Sacramento e Liturgia da Paixão; 26: Sábado Santo – Vigília da Páscoa; 27: Domingo da Páscoa; 29: Aniversário da Cidade do Salvador – 467 anos; 29: Reunião dos Anunciadores da Palavra; 30: Aniversário de ordenação episcopal de Dom Estevam; ARTIGOS RELIGIOSOS Visite as nossas lojinhas de artigos religiosos nas igrejas de São Pedro (Praça da Piedade, 11) e Nossa Senhora do Rosário (Av. Sete de Setembro, 819 - Rosário)
  4. 4. ACampanha da Fraternidade deste ano aborda o tema: “Casa comum, nossa responsabilidade” e propõe um olhar mais amoroso para o planeta e para a natureza, criando assim uma consciência fraterna e lembrando que nossos recursos são limitados e precisamos cuidar bem deles para queassimpossamos viverbem. Uma das novidades da campanha é a parceria com a Misereor – entidade episcopal da Igreja Católica da Ale- manha que trabalha na cooperação para o desenvolvimen- to na Ásia, África e América Latina. Essa campanha está emsintonia,também,como Conselho Mundialdas Igrejas e com a encíclica do papa Francisco, “Laudato Si”. Inte- gram a Comissão da Campanha da Fraternidade Ecumêni- ca deste ano as Igrejas CatólicaApostólica Romana, Evan- gélica de Confissão Luterana no Brasil, Episcopal Angli- cana do Brasil, Presbiteriana Unida do Brasil, Sirian Orto- doxa deAntioquia, Centro Ecumênico de Serviços à Evan- gelização e Educação Popular, Visão Mundial,Aliança de BatistasdoBrasileDiretoriadoConic. OBJETIVO O objetivo principal da iniciativa é chamar atenção para a questão do saneamento básico no Brasil e sua importância para garantir desenvolvimento, saúde inte- gralequalidadedevidaparatodos. TEXTO-BASE As reflexões sobre o saneamento básico contidas no texto-base demonstram que esse é um direito humano fundamental e, como todos os outros direitos, requer a união de esforços entre sociedade civil e poder público no planejamento e na prestação de serviços e de cuidados. Por isso é uma Campanha Ecumênica, pois a questão do sane- amento afeta não apenas católicos, mas todas as pessoas, independentedaféqueprofessem. O abastecimento de água potável, o esgoto sanitário, a limpeza urbana, o manejo de resíduos sólidos, o controle de meios transmissores de doenças e a drenagem de águas pluviais são medidas necessárias para que todas as pessoas possam ter saúde e vida dignas. Por isso, há que se ter em mente que “justiça ambiental” é parte integrante da “justi- çasocial”. O texto-base está organizado a partir do método ver, julgareagir VER: NOSSA TRISTE REALIDADE As escolhas das atitudes para a preservação da vida no planeta Terra devem ser orientadas por critérios coerentes com o propósito de mais justiça e paz.Tais escolhas devem contribuir para a superação das desigualdades e das agres- sões à criação. Por isso, hoje, as preocupações e conse- quentes ações no âmbitodo saneamentopassam a incorpo- rar não só questões de ordem sanitária, mas também de justiça social e ambiental. É, portanto, necessária e urgen- te que as ações para a preservação ambiental busquem também construir a justiça, principalmente para os peque- nos epobres. Estudos estimamquemorreumacriançaacada3minu- tos por não ter acesso a água potável, por falta de redes de esgoto e por falta de higiene. Crianças com diarreia comem menos e são menos capazes de absorver os nutri- entes dos alimentos, o que as torna ainda mais suscetíveis a doenças relacionadas com bactérias. O problema se agra- va, pois as crianças mais vulneráveis à diarreia aguda tam- bém não têm acesso a serviços de saúde capazes de salvá- las. Se 100% da população tivesse acesso à coleta de esgo- tos sanitários haveria uma redução em termos absolutos de 74,6 milinternações. Os últimos dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (SNIS – base 2013) mostram que pouco mais de 82% da população brasileira têm aces- so à água tratada. Mais de 100 milhões de pessoas no país ainda não possuem coleta de esgotos e apenas 39% destes esgotos sãotratados,sendodespejadosdiariamenteoequi- valente a mais de 5 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamentonanatureza. Alguns dadosmundiaissobre osaneamento: – Na América Latina, as pessoas têm mais acessos aos celularesqueaosbanheiros. – 120 milhões de latino-americanos não têm acesso aos banheiros. Alguns dadosdoBrasilsobre saneamento: – O Brasil está entre os 20 países do mundo nos quais as pessoas têmmenosacessoaosbanheiros. – Cada brasileiro gera em média 1 quilo de resíduos sólidos diariamente. Só a cidade de São Paulo gera entre 12 a14miltoneladasdiáriasderesíduos sólidos. – As 13 maiores cidades do país são responsáveis por 31,9% de todos os resíduos sólidos no ambiente urbano brasileiro. Para onde vão todos esses resíduos? Segundo a Pesqui- sa Nacional de Saneamento Básico 2008, do IBGE, divul- gada em 2010, apenas 27,7% do lixo produzido no Brasil são levados para aterros sanitários, local monitorado em conformidade com a legislação ambiental, de modo a que nem os resíduos nem seus efluentes líquidos e gasosos venham a causar danos à saúde pública ou ao meio ambi- ente; 50,8% são levados para os lixões; e 21,5% são leva- dos paraaterroscontrolados. Um dado alarmante é que aAmérica do Norte e a Euro- pa mandam seus resíduos sólidos para a África e, infeliz- mente, também para o Brasil. Em 2009 e 2010 portos bra- sileiros receberam cargas de resíduos (LIXO) domicilia- resehospitalares. SANEAMENTO BÁSICO PARAALÉMDACIDADE Se a situação já é precária no meio urbano, no meio rural brasileiro é ainda mais absurda. Apenas 42% das moradiasruraisdispõemdeáguacanalizadaparauso CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade” LEMA: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24).
  5. 5. doméstico. Os outros 58% usam água de outras fontes, porém, sem nenhum tipo de tratamento. Muitas habitações rurais são tão precárias que sequer dispõem de banheiros ou fossas. Todos estes números revelam a falta de dignidade à vida das pessoas que vivem nas áreas rurais. São 7,6 milhões (25% da população rural do Brasil) que vivem em extrema pobreza. SANEAMENTO BÁSICO E ÁGUA POTÁVEL, UMA RELAÇÃO VITAL A água é o recurso mais abundante no planeta Terra, porém, apenas 0,007% estão disponíveis para o consumo humano. O restante é constituído por águas salgadas, gelei- ras e águas subterrâneas de difícil captação. O Brasil é privi- legiado em recursos hídricos, com 12% da água doce do mundo. Entretanto, a escassez de água potável, que é hoje um problema crônico em diversas regiões do mundo, está gerandoalertastambémno nosso país. No Brasil a maior parte da água doce está concentrada na região Norte, a menos populosa, enquanto que as regiões Nordeste e Sudeste, com alta população, dispõem de pouca água. Num futuro próximo, a busca pela água será capaz de provocar disputas internacionais. Apesar da constatação da falta da água, o Brasil é considerado o campeão de desperdí- cio de água no mundo – a média de desperdício da água potá- velnos sistemasdedistribuiçãochegaa37%. JULGAR: A PALAVRA DE DEUS NOS ILUMINA ABíblia é uma revelação progressiva.Antes mesmo que Jesus fizesse a plena revelação do DeusAmor e Misericordi- oso, os profetas já anunciavam aspectos importantes da caridade e da justiça, fundamentos do Reino de Deus. O bem comum, desejado por Deus, é o grande objetivo das Sagra- das Escrituras. Da adesão ao projeto do Reino de Deus e, portanto,o compromissocomaconstruçãodo bemcomumé quedependeasalvaçãoindividual. Quando falamos do bem comum, não podemos restringi- lo somente à relação dos seres humanos entre si, mas tam- bém destes com a natureza, que deve ser cuidada com grati- dão e respeito. E o uso da natureza e de todos os bens materi- ais deve acontecer de forma justa e voltada para a construção de uma coletividade com mais igualdade, ao invés de serem utilizadosparasuprir aganânciadealguns. A escolha do texto de Amós “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24) não é por acaso. Amós fundamenta sua prega- çãoproféticanumadenúnciasocialaguda,chamandoaaten- ção para um progresso econômico que não se traduzia em igualdade e justiça para todos. Sua denúncia aponta para uma situação de caos social, onde as relações afetivas esta- vam rompendo-se (Amós 2,6-8). Com suas denúncias, Amós revela que a fé em Deus estava sendo manipulada pela religião oficial (Amós 4,4-5). Deus quer justiça e dignidade paratodos.NãoapenasparaIsraeleJudá(Amós 9,7-8). Amós ainda denuncia o culto vazio, repleto de louvores e oferendas a Deus, mas que não faz com que as pessoas prati- quem a justiça. Não são grandes oferendas que agradam a Deus, mas sim a prática do direito e da justiça (Amós 5,21- 25). Esse tema também é tratado pelos profetas Isaías, Oséi- as e Miquéias (cf. Isaías 32,18; Oséias 6,6). Na Bíblia há vários relatos que já anunciam a necessidade de manter limpa a natureza e o cuidado com o líquido precioso: (Êxodo 18, 13-27). (Deuteronômio 23,13-14). (Levítico 11,36; Êxodo 15,23-25; 2 Reis 2,19-22). (Levítico 19,25; Deutero- nômio 20,19; Juízes 4,4-5). (Deuteronômio 23, 25; 24, 14- 15.19-22, conformeTiago5,1-6). (Levítico25, 2-7). AGIR: ALGUMAS ATITUDES QUE PODEMOS ASSUMIR NA SUA CASA – A água é usada com economia? Você sabe se o esgoto coletado de sua casa é tratado?Você se inco- moda e denuncia quando vê um vazamento de água em sua rua? Quando sai de um cômodo iluminado, tem o costume de apagar a lâmpada? Qual o destino que você dá ao óleo de cozinhaquenãopodeserreutilizado? NO SEU BAIRRO – Há rededeáguaencanada?Há cole- ta regular do lixo? Há o costume de cobrar das autoridades providênciasprópriasdopoderpúblico? NASUACIDADE –Aágua é de qualidade? Há estações de tratamento do esgoto? Existem cooperativas populares de reciclagem dos resíduos sólidos? Quando há aprovação de projeto de construção de um imóvel, o esgoto é levado em consideração? UM GESTO CONCRETO PESSOAL PARAA QUARESMA Temos uma proposta emocionante: cuidar da Casa Comum que Deus nos deu e fazer dela um lugar saudável, no qual a fraternidade e a justiça corram como rios de água viva. Que Deus nos ajude a viver com alegria e responsabili- dade essa bonita missão! Como sinal desse compromisso, propomos que durante a Quaresma realizemos o esforço de evitar o consumismo e o desperdício dos alimentos. Que façamos um dia de jejum, doando aos mais pobres o que não consumimosnessedia. Tudo o que fizermos precisa ser impulsionado pela graça de Deus, que ilumina nosso discernimento, fortalece nossa disposição, não nos deixa desistir do amor fraterno e fará nosso trabalho produzir frutos melhores e mais permanen- tes. Portanto, orando e celebrando, entreguemos a Deus o serviço que queremos prestar, para que Deus sempre nos inspire a caminhar a seu lado na preservação do bonito e saudávelambientequenos ofereceunacriação. Fonte: CNBB, Subsídios para a Campanha da Fraternidade Ecumênica-2016 CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA TEMA: “Casa comum, nossa responsabilidade” LEMA: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Amós 5,24).
  6. 6. 01-URSULINA F. BARBOSA DE SOUZA 02-JOÃO PAULO ALMEIDA 02-M.ª CÉLIA CONCEIÇÃO GONZALEZ 02-M.ª PUREZA SANTOS 03-ANA CLÁUDIA MENDONÇA VITTI 04-HOSANA FREIRE MACHADO CUNHA 04-M.ª DA GRAÇA LIMA 04-M.ª ERIVAM DE OLIVEIRA 04-M.ª TEREZA SANTOS 04-UBEREANÃ CORTÊS UMBELINO 05-ALTAÍDES DE OLIVEIRA 05-DIÓGENES SOUZA DÓREA 05-EDSON RODRIGUES DOS SANTOS 05-ILKA MÁRCIA SANTOS PINTO 05-M.ª NEUDES AFONSO OLIVEIRA 06-M.ª DALVA OLIVEIRA NASCIMENTO 06-VALQUÍRIAANSELMO DA COSTA 07-M.ª AZEVEDO DA COSTA 07-M.ª GEORGINA BARBOSA 07-VICTÓRIA NUNES CANTALINO SOUZA 08-ANTÔNIO CARLOS DE ARAÚJO GUEDES 08-JOEL SANTOS DE OLIVEIRA 09-ALCIANNE DA ROCHA CAMPOS 09-EDNÁ SALES UMBELINO 09-LUCAS VEIGA DA SILVA 10-HELENAARAÚJO MOREIRA 10-JAILSON ANTÔNIO DOS SANTOS 10-RITA MARIA H. N. DE ANDRADE 10-ROSEMEIRE DOS S. SACRAMENTO 11-JOÃOZITO FÉLIX DE FARIAS 11-M.ª DE LOURDES M. DE SOUZA 12-ANDRÉ LUIZ O. DE SOUZA 12-M.ª DE LOURDES BORGES 13-ÁLVARO PORTELA FIGUEIREDO 13-BENIGNA NUNES DE SOUZA 13-ENEDINA DA SILVA 13-NEIDE M. FRANÇA DAMASCENO 13-VERIDIANA MACAMBYRA FERREIRA 14-CELESTINA SOUZA SANTOS 14-MAURA ROSA DOS SANTOS 14-RICARDO V. PASSOS CONCEIÇÃO 14-WANDAA. BONFIM DOS SANTOS 15-AURELINA DE MELO NASCIMENTO 15-GILBERTO RODRIGUES MACIEL 15-JOSÉ TRINDADE DOS COSTA LAGE 15-JOSELITA S. DE FREITAS SAMPAIO 15-LAÍS DO ESPÍRITO SANTO PEREIRA 15-M.ª BERNADETE BATISTA DE JESUS 15-PAULO ALVES DE BRITO FILHO 16-ANTONINA ROSA BRITO DE SOUZA 16-ARLETE OLIVEIRA BRAGA 16-LILIAN PINHEIRO FIGUEIREDO 16-M.ª DAS GRAÇAS NERY SARDINHA 16-SÉRGIO LUIS S. LACERDA SILVA FILHO 17-LAURICÉLIA BENIGNA MENDES 17-VICTOR MANUEL REYES MARTINEZ 18-DENISE SOARES DE OLIVEIRA 18-EGRON CÍCERO DOS SANTOS 18-REINALDO LOPES DA CUNHA 18-ROSALVO SANT'ANA SOUZA FILHO 19-M.ª ALDENORA MIRANDA CUNHA 19-M.ª DE LOURDES BACELAR SILVA 20-ADRIANA CRISTINA B. DOS SANTOS 20-RAYMUNDA NONATO S. FRANÇA 21-ALBERTO RAMON DE SOUZA 21-DENISE DE SÁ OLIVEIRA 21-LEANDRO SOARES SOUZA 21-MARINALVA PEREIRA 21-MILENA MARTA O. FERNANDES 22-FELIPE RABELO DOS SANTOS 22-ISABEL TEIXEIRA MOREIRA 22-JOSEFA CARVALHO BEZERRA 22-ROSEANE DOS SANTOS E SANTOS 23-MARGARIDA M.ª ZACARIAS PASSOS 23-ROSA MARIA LIMA PLÁCIDO 24-DANIELE QUEIROZ DÓREA 24-THAMYRES PEREIRA LIMA 25-CIBELE MARIA LISBOA DE OLIVEIRA 25-EDNA SANTOS 25-JOSELITA COSTA DE ALMEIDA 25-LUIZ CARNEIRO RIBEIRO MACHADO 25-M.ª RAIMUNDAALMEIDA SILVA 25-MARACILDES ROCHA E SILVA 25-M.ª JOSÉ MENDES DOS SANTOS 26-ÍRIS PEREIRA SALIM LATIFF 26-WANDIRA BARROS CRUZ 27-GENÁZIO PEREIRA DA SILVA 27-KAREN M. DA SILVA MOITINHO 27-KARINA M. DA SILVA MOITINHO 27-KARINE COELHO DA SILVA 27-SIZILDAALMEIDA DE SOUZA 27-TEREZINHA DE JESUS C. BRANCO 27-VANDERLITA SANTOS DO ROSÁRIO 28-CARMITA PIRES 28-M.ª JOSÉ RODRIGUES MACIEL 28-M.ª JILVÂNIA BARRETO DE SOUSA 28-M.ª RITA DO ROSÁRIO SANTOS 28-NAILZA RAMOS DA SILVA 28-PAULO HENRIQUE ALVES DOS SANTOS 28-VALDELICE B.CARVALHO MASCARENHAS A você, meu irmão, minha irmã, que assume esta Paróquia como dizimista e se compromete com o trabalho pastoral, parabéns! Como presente do seu aniversário, a comunidade paroquial estará unida a você, seus amigos e familiares, nesse dia tão especial, para celebrar esta data. Venha participar, nesse dia, da Santa Missa, às 8h, na Igreja de São Pedro. PARÓQUIA DE SÃO PEDRO MOVIMENTO FINANCEIRO DEZEMBRO/2015 RECEITAS Dízimo 40.302,80 Espórtulas de Missas (líquido) 3.958,00 Taxas: Casamento 560,00 Taxas: Batizados 440,00 Taxas: Certidões 140,00 Coletas Ordinárias 7.631,30 Coleta especial para Evangelização 1.713,00 Aluguel de Apto. Paroquial 1.200,00 Donativos 2.329,00 Bazar / Aluguéis de Salas (líquido) 7.955,00 Renda do Café de São Pedro 8.842,42 Rendimento bancário 3.084,16 TOTAL ............................................... 78.155,68 DESPESAS Côngrua + 13.º 5.600,00 Manutenção do Culto /Templo 6.098,27 Taxa da Cúria 4.526,08 Repasse à CNBB de coleta especial para Evangelização 1.713,00 Salários + 13.º 26.828,48 Encargos Sociais + 13.º 19.495,30 Vale Transporte 1.830,00 Vale Refeição 7.363,50 Água/Luz/Telefone 3.496,42 Correios 1.391,05 Materiais de Escritório 200,78 Manutenção de programa SGCP 97,50 Pastorais / Evangelização 7.956,38 Ajuda Pastoral: Mulheres marginalizadas 788,00 Ajuda Pastoral: Moradores de rua 1.000,00 Ajuda Social: 1.400,00 Aquisição de equipamentos 1.458,80 Despesas bancárias 57,60 TOTAL ............................................. 91.301,16 SALDO DO MÊS negativo 13.145,48 O dízimo é um compromisso. Ele representa a nossa vontade de colaborar, de verdade, com o Projeto Divino neste mundo. SEJA DIZIMISTA! INSCREVA-SE NA SECRETARIA PAROQUIAL!
  7. 7. yvettealemosmaral@gmail.com Durante o verão são muito comuns consequências nega- tivas no organismo humano devido ao excesso de calor. A falta de hidratação adequada e comida em demasia têm sido causa de transtornos, que levam a mal-estar, diarreia, desi- dratação. Os cuidados devem ser redobrados para idosos e crian- ças,pois elessão maissensíveisàs mudançasclimáticas. Alguns conselhosúteisduranteoperíododemaiorcalor: * Sempre que possível, evite sair nos horários em que o sol estiver a pino, das 10h às 16h. Prefira sair de manhãzinha ou aoentardecer. * Use filtrosolarsempre. * Evite ficar exposto ao sol nos horários de maior calor. Procurecaminharpelasombra. * Prefira uma alimentação leve, com frutas, verduras e saladas. * Mantenha-se hidratado: procure beber água a cada hora. Não espere a sede reclamar. Lembre-se que idosos dificilmentesentemsede. * Evite excesso de bebidas alcoólicas, pois elas desidra- tamo organismo. * Facilite a transpiração: use roupas folgadas, de tecidos leves e claros. É aconselhável o uso de chapéus e bonés e óculosescuros. * Para se refrescar nos momentos mais críticos, procure, se puder, um ambiente público (shopping, biblioteca) com ar-condicionado. Mesmo que você não permaneça no local por muito tempo, essa providência vai ajudar a manter seu corpo mais fresco quando você tiver que retornar para o calor. *Aágua é um excelente meio de aliviar o calor. De acor- do com suas possibilidades, lave rosto, nuca, braços e mãos, tome uma ducha fria, mergulhe na piscina ou tome um banho demar. * Tenha um cuidado ainda maior com bebês, crianças, pessoas maiores de 65 anos e doentes, especialmente cardía- cos ehipertensos. ATENÇÃO COM SUA SAÚDE NO VERÃO CONVERSANDO SOBRE SAÚDE Yvette Amaral Novamente em destaque a Campa- nha da Fraternidade, cada ano mais inserida na realidade. Nada mais atual do que os ataques à natureza quem cor- rem por conta da irresponsabilidade do homem. A CNBB protesta, lançando a CF/2016. “Casa comum, nossa res- ponsabilidade” é o seu tema; “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24) é o lema para motivar a par- ticipação na campanha. É a quarta vez que se realiza uma Campanha da Fra- ternidadededimensãoecumênica.Jus- tifica-se porque a agressão ao meio ambiente não é um problema do Brasil nem do catolicismo. É de ordem uni- versal para qualquer hemisfério, conti- nente, país, etnia ou religião. Uns mais, outros menos, todos têm contri- buído para a Terra hoje ser menos sau- dávelemaisagressivaàvida. Felizmente,aIgreja,fielàsuavoca- ção profética, continua atenta aos males sociais, considerando-se com- prometida com o resgate do bem comum. No momento, um dos peca- dos que mais atentam contra os princí- pios cristãos é a destruição das matas, a poluição da atmosfera e a insalubri- dadedaságuas.Há muitotempo,oalar- me foi dado e pedido um SOS. Conti- nuamos surdos a tais apelos e indife- rentes a um mal tão nefasto para a nossa mãe Gaia. Na verdade, a solução para os vários tipos de poluição não é simples. Envolve uma série de provi- dências, incluindo uma mudança na filosofia de vida muito arraigada na civilização ocidental que põe no 'ter' o seu maior objetivo. Age subliminar- mente o neoliberalismo que defende a economiadelivremercado,geraocon- sumismo e sublinha que cada um é livre para enriquecer, sem nenhum ras- treamentodo governo.O lucroéodivi- sor de água dos atos humanos, que são bons ou maus conforme favoreçam ou não os cofres pessoais. Os homens se mostram dominados pelo individualis- mo que desconhece as necessidades dos outros e age sempre em seu pró- priointeresse. Daí podermos afirmar que o com- bate à degradação do meio ambiente passa forçosamente pela educação. Nenhuma campanha ecológica frutifi- ca se não formarmos os homens para a solidariedade e partilha. Enquanto não se enxergar no outro um irmão, falha- rão todas as tentativas, inclusive as de viés mundial como a COP-21, realiza- da no ano passado. As mudanças no comportamento pessoal não ocorrem com um decreto, mas decorrem de valores como a justiça, o respeito ao direito alheio e à dignidade humana. Temos que voltar aoAntigo Testamen- to, recuar ao Gênesis e refletir no pro- jeto da Criação. Neste está bem claro que Deus não fez o mundo para alguns, mas destinou a todos os bens da terra. Mandou o homem dominá-lo, porém impôs uma restrição: proibiu que ele tocasse no fruto da árvore da vida, que é a parte do outro no mosaico do uni- verso. Só educando para a comunida- de, surgirão pessoas que cheguem um dia na janela da sua residência, olhem o exterior e com carinho proclamem: “Eis a Casa comum cuja preservação é responsabilidadedetodos”. Dr. Getúlio Tanajura Machado gemachado@bol.com.br - tel. 71-3328-5633
  8. 8. Informativo da Paróquia de São Pedro Praça da Piedade, 11 - São Pedro - CEP: 40.060-300 - Salvador - Bahia - Brasil - Fone: (55)(0*71) 3329-3280 Site: www.paroquiadesaopedro.org - E-mail: padreaderbal@ig.com.br Direção e Coordenação: Padre Aderbal Galvão de Sousa Diagramação e Revisão: Equipe da Pastoral da Comunicação Colaboração: Getúlio Machado, Yvette Amaral e Zélia Vianna Ilustrações: Internet, Getúlio Machado Impressão: Gráfica e Editora Polikron - E-mail: florisvaldo.vitale@yahoo.com.br Expediente: Jornalista responsável: Maria Alcina Pipolo - MTb/DRT/BA 915 Tiragem: 10 mil exemplares Distribuição Gratuita Arquidiocese de São Salvador da Bahia - Brasil O autor do cartaz para a Campa- nha da Fraternidade Ecumênica – CFE2016, Anderson Augusto de Souza Pereira, inspirou-se no Livro do profetaAmós, capítulo cinco, versícu- lo 24: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24), que traduz em imagens o chamamento que a campa- nha requer que é o Cuidado da Casa Comum. Assumir a responsabilidade com a Casa Comum exige uma profunda mudança no estilo de vida e nos valo- res que orientam nossa ação. Nosso modelo de sociedade está baseado no consumo e na aparência. Para suprir essas necessidades, sacrificamos a Casa Comum, que é o espaço em que habitamos. Nem sempre estamos atentos para atitudes simples, por exemplo, o des- carte correto do lixo, ligar nossas casas às redes de esgoto, cuidar da água, entre outras. A falta desses cuidados fere a Criação, de forma que, no lugar de flores, jardins e frutos diversos, vemos esgoto a céu aberto, rios poluí- dos e monoculturas. A diversidade da criaçãodeDeus desaparece. A terra alegre fica triste. No entan- to, a fé em Jesus Cristo nos anima a assumirmos o cuidado com a Casa Comum como resposta ao amor incon- dicional que Deus oferece a cada um e cada uma de nós. Assumir esse com- promisso reacende a esperança de um novo céu e uma nova terra onde habi- tamajustiçaeodireito. É isso que expressa o rosto da mulher em destaque no cartaz. Quere- mos que as mudanças dos paradigmas e valores que nos orientam nessa soci- edade de consumo transformem o rio poluído em água cristalina e habitado por muitos peixes; a terra seca em uma terra renovada e abundante. Com essa transformação, poderemos dançar e celebrar a esperança de que o projeto da Casa Comum não terá fim, mas continuaráporgeraçõesegerações. ORAÇÃO Deus da vida, da justiça e do amor, Tu fizeste com ternura o nosso planeta, morada de todas as espécies e povos. Dá-nos assumir, na força da fé e em irmandade ecumênica, a corresponsabilidade na construção de um mundo sustentável e justo, para todos. No seguimento de Jesus, com a alegria do Evangelho e com a opção pelos pobres. Amém! 01 – Eis, ó meu povo, o tempo favorável da conversão que te faz mais feliz; da construção de um mundo sustentável, “CasaComum”éteuSenhorquemdiz: Refrão: Quero ver, como fonte o direito a brotar, a gestar tempo novo: e a justiça, qual rio em seu leito, dar mais vidapravidado povo. 02 – Eu te carrego sobre as minhas asas, te fiz a terra com mãos de ternura; vem, povo meu, cuidar da nossa casa! Eu sonho verde,o ar,aáguapura. 03 – Te dei um mundo de beleza e cores, tu me devolves esgoto e fumaça. Criei sementes de remédio e flores; semeiaslixopelastuaspraças. 04 – Justiça e paz, saúde e amor têm pressa; mas, não te esqueças, há uma condição: o saneamento de um lugar começaporsanearo própriocoração. 05 – Eu sonho ver o pobre, o excluído sentar-se à mesa da fraternidade; governo e povo trabalhando unidos na construçãodanovasociedade. HINO

×