Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

DSF 2012 - Vale

4,090 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

DSF 2012 - Vale

  1. 1. logomarca da sua Vale empresa aqui Projeto 118 Sulfetado
  2. 2. AGENDA• Introdução• O Projeto 118 Sulfetado• Objetivos• Desenvolvimento e Premissas• Resultados Fornecidos• Comparação de Cenários• Estudos Adicionais• Conclusão• Próximos Passos
  3. 3. A VALE– Fundada em 1942. (70 anos)– Mais de 138 mil colaboradores– Atuação em 38 países.
  4. 4. O PROJETO 118 SULFETADO 118 Sulfetado
  5. 5. O PROJETO 118 SULFETADO• Reservas de até 11,36 Mt de minério de cobre e ouro associado• Sinergia com o projeto 118 Oxidado, que é uma lavra a céu aberto• Método de extração “Sublevel Stopping”• Rampa de acesso única para os subníveis inferiores
  6. 6. O PROJETO 118 SULFETADOA Rampa
  7. 7. O PROJETO 118 SULFETADOA Rampa
  8. 8. O PROJETO 118 SULFETADOA Operação CICLO DE OPERAÇÕES PERFURAÇÃO DA FRENTE CARREGAMENTO DE MATERIAL CARREGAMENTO COM TRANSPORTE DE MATERIAL EXPLOSIVOS DESCARREGAMENTO DE MATERIAL DETONAÇÃO ESCOREAMENTO DO TETO
  9. 9. O PROJETO 118 SULFETADOA Operação
  10. 10. O PROJETO 118 SULFETADOTráfego na Rampa Prioridade para caminhões Passing subindo (carregados) bay Caminhões descendo vazios estacionam nos “passing bays” para permitir a passagem dos carregados subindo Veículos operacionais circulam pela rampa com prioridade baixa e velocidade variada, causando perturbação no tráfego dos caminhões. (“veículos perturbantes”)
  11. 11. OBJETIVOSA pergunta do projeto: Uma rampa será suficiente para atender a demanda planejada ?Objetivos:• Determinar se no cenário original de projeto, a rampa única atende a 100% da demanda planejada, ou 120% de um cenário conservador• Determinar a frota de caminhões adequada em quantidade e capacidade, para atender a essa demanda com uma única rampa
  12. 12. APOIO PARAGONTecnologia para apoio à tomada de decisão
  13. 13. APOIO PARAGON Equipes de Projeto• Eng. Fernanda Bastos • MSc. Luiz Augusto G. Franzese• Eng. Silsomar R. B. Pinto • Dr. Marcelo Moretti Fioroni • MSc. Johanna G. Quevedo • Eng. Raquel Carvalho Morais • Prof. Dr. Luiz Ricardo Pinto
  14. 14. DESENVOLVIMENTO E PREMISSAS Identificar a situação mais crítica da rampa Plano de Produção 2000 1900 1.820 Mt/ano 1800 1700 1600 1500 1400 1300Produção (Mt) 1200 1100 1000 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 PP 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Anos
  15. 15. DESENVOLVIMENTO E PREMISSAS Identificar a situação mais crítica da rampaN1 ANO 7 Produção RAMPA 1 Desenvolvimento RAMPA 2N2 S8 S 11 RAMPA 3N3 S7 S 10 S 13 S1 S2 S3 S4 S5 O6 S9 S 12 RAMPA 4N4 S2 S4 S6 S8 S 10 S 13 S 15 S 18 S1 S5 S7 S 11 S 17 Extração Desenvolvimento
  16. 16. DESENVOLVIMENTO E PREMISSASFrota Prevista no CAPEX – Cenário BaseEquipamentos Valor Valor Item Informação Unidade Minério Estéril Quantidade de equipamentos 2 2 Número Pás carregadeiras Tempo de carga de 1 caminhão 9.76 8.4 Min Disponibilidade 85 85 % Número de equipamentos 25 toneladas 0 6 Número Número de equipamentos 40 toneladas 18 0 Número Caminhões Disponibilidade 90 90 % Tempo de descarga 1 1 Min Caminhão Capacidade Minério Estéril TRIA(35, 38,40) TRIA(22,25,27)Velocidade dos Caminhões de Produção (minério) Velocidade média (m/h) Parâmetros Subindo Horizontal Descendo Carregado 6,000 10,000 8,000 Descarregado 12,000 12,000 12,000Velocidade dos Caminhões de Desenvolvimento (estéril) Velocidade média (m/h) Parâmetros Subindo Horizontal Descendo Carregado 6,000 10,000 8,000 Descarregado 12,000 12,000 12,000
  17. 17. DESENVOLVIMENTO E PREMISSASVeículos Operacionais Perturbantes Equipamentos Quantidade Velocidade (Km/h)LHD 5 8Jumbo - Fandril 8 5Cam Explosivo - Plataforma 8 8Pipa 1 8Caminhonete 12 20Comboio 2 8Munck 1 8Scaler 2 6Shotcretera 2 6Total 41 Níveis % N4 <--> N3 55% N3 <--> N2 25% N2 <--> N1 5% N4 <--->Superficie 5% N3 <--->Superficie 5% N2 <--->Superficie 5%
  18. 18. DESENVOLVIMENTO E PREMISSASInterferênciasAtrasos Operacionais Item Tipo Valor Unidade Tempo entre paradas 397.59 min Caminhões Tempo de parada 72.21 minProbabilidade de Conflito no Tráfego Tipo Valor Unidade Caminhões Carregados X Caminhões Vazios 10 % Caminhões x Veículos Perturbantes 13 %Velocidade no Conflito de Tráfego Tipo Sentido Valor Unidade Subindo (4,5.5,6) Km/hRIA( 4000 , 5500 , T 60 Caminhões Carregados X Caminhões Vazios Descendo (8,11.5,12) Km/h TRIA( 8000 , 11500 , 12 Subindo (4,5.5,6) Km/hRIA( 4000 , 5500 , T 60 Caminhões x Veículos Perturbantes Descendo (8,11.5,12) Km/h TRIA( 8000 , 11500 , 12
  19. 19. O MODELO
  20. 20. DESENVOLVIMENTO LondresArequipa - Peru Belo Horizonte (Vale) São Paulo (Paragon)
  21. 21. ANIMAÇÃO
  22. 22. RESULTADOS – CENÁRIO BASEMovimentação total: Cenário Normal sem MotoniveladoraTipo de Movimentação Planejado (T) Simulado (T) % Pilha Minério 1.820.000 1.583.933 87% Pilha Estéril 244.730 208.344 85% Movimentação total 2.064.730 1.792.276 87%
  23. 23. RESULTADOS – CENÁRIO BASENúmero de Viagens Total de viagens Nivel Minério Estéril Nivel 3 28.173 72% Nivel 4 10.896 28% 13.054 100% Total 39.069 100% 13.054 100%Viagens DE VIAGENS MINÉRIO TOTAL com Minério 28% 72% Nivel 3 Nivel 4
  24. 24. RESULTADOS – CENÁRIO BASETempo de Ciclo TEMPO DE CICLO T(h) Minério (h) Estéril (h) 2,50 2,45 2,40 2,34 2,30 2,19 2,20 2,10 2,00 N3 N4
  25. 25. RESULTADOS – CENÁRIO BASEProdutividade Média PRODUTIVIDADE MÉDIA T/H120 113,8410080604020 12,45 14,98 8,15 0 Produção Desenvolvimento Produção Desenvolvimento Caminhão Carregadeira
  26. 26. RESULTADOS – CENÁRIO BASEUtilização Física
  27. 27. RESULTADOS – CENÁRIO BASE Toneladas Movimentadas / Dia Toneladas Movimentadas por Dia6.0015.0014.0013.0012.0011.001 1 1 21 41 61 81 101 121 141 161 181 201 221 241 261 281 301 321 341 361 Minério Estéril Total
  28. 28. RESULTADOS – CENÁRIO BASESimulado Vs. Planejado MOVIMENTAÇÃO TOTAL T Simulado (T) Planejado (T)2.500.000,00 2.064.7302.000.000,00 1.820.000 1.792.276 1.583.9331.500.000,001.000.000,00 500.000,00 208.344 244.730 0,00 Pilha Minério Pilha Estéril Movimentação total
  29. 29. CENÁRIO CONSERVADORCenário conservador:Mesmos parâmetros de entrada do cenárionormal, mas com aumento de 20% na metade material a ser movimentado Cenário Normal Tipo de Movimentação Planejado (T) Pilha Minério 2.184.000 Pilha Estéril 293.676 Movimentação total 2.477.676
  30. 30. RESULTADOS – CENÁRIO CONSERVADORMovimentação total: Cenário ConservadorTipo de Movimentação Planejado (T) Simulado (T) % Pilha Minério 2.184.000 1.583.933 73% Pilha Estéril 293.676 208.344 71% Movimentação total 2.477.676 1.792.276 72%
  31. 31. COMPARAÇÃO DE CENÁRIOS • Cenário Base não alcança a meta planejada • Cenário Conservador de Cenários mais distante Comparação fica ainda100%90%80% 87% 85% 87%70% 73% 71% 72%60%50%40%30%20%10% 0% Pilha Minério Pilha Estéril Movimentação total Cenário Normal Cenário Conservador
  32. 32. ANÁLISE DOS RESULTADOSAnálise:• Simulação dinâmica mostrou formação de filas, não levadas em conta no planejamento determinístico.• Planejamento original considerou um percentual de perdas na operação que se mostrou otimista. O impacto do tráfego da rampa no sistema foi superior ao previsto.
  33. 33. CONCLUSÃO DESTA ETAPAConclusão – A rampa projetada não atende a demanda do cenário base, nem do cenário conservador para o ano 7 de operação da mina.Recomendação – Estudo com redimensionamento do tamanho e capacidade da frota. – Estudo de sistema de sinalização de tráfego mais eficiente.
  34. 34. ESTUDOS ADICIONAIS Estudos Adicionais com frota de maior capacidadeDesenvolvimento 6 caminhões (estéril) Capacidade 30 toneladas Caminhões com capacidade Produção de 50 ou 55 toneladas (minério) Frota a definir
  35. 35. ESTUDOS ADICIONAIS Caminhões de 50 toneladas % da metaFrota Minério Estéril Total 17 112 105 111 18 115 104 113 19 117 103 116 20 120 100 117 Frota de 20 caminhões atende a meta conservadora
  36. 36. ESTUDOS ADICIONAIS Caminhões de 55 toneladas % da metaFrota Minério Estéril Total 17 121 105 119 18 124 103 122 19 126 101 123 20 129 100 125 Frota de 17 caminhões atende a meta conservadora
  37. 37. ESTUDOS ADICIONAIS Estudo do Cenário Base do Ano 5Tipo de Movimentação Planejado (T) Simulado (T) % Pilha Minério 1.820.000,00 1.812.388,60 100% Pilha Estéril 225.460,00 238.406,08 106% Movimentação total 2.045.460,00 2.050.794,68 100% Frota planejada realmente cumpre a meta normal, mas não a conservadora
  38. 38. CONCLUSÃOConclusão – A adoção de uma única rampa no projeto é possível no ano 7 desde que se use uma frota de maior capacidade, tanto para produção como para desenvolvimento. – A seção da rampa deverá ser aumentada para permitir a passagem dos caminhões maiores no ano 7. – No ano 5, a frota planejada alcança a meta normal, mas não a conservadora
  39. 39. PRÓXIMOS PASSOS– Simular o cenário base dos outros anos, para confirmar se o desempenho previsto realmente será alcançado– Dimensionar a frota para os outros anos, caso necessário– Avaliar controle de tráfego com priorização dinâmica, otimizando o uso da rampa e permitindo o uso de uma frota menor
  40. 40. Para mais informaçõesPhone 55 11 3849 8757Fax 55 11 3845 4967contato@paragon.com.brwww.paragon.com.br

×