Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PEDAGÓGICA NAS ETSUSETSUS-SERGIPEAprendentes- Sergipe: Soraya Dantas, Monica Fraga, Anto...
INTRODUÇÃO     Foi consenso entre o grupo em defender a hipótese de que veiculam muitasreportagens que expõem os serviços ...
AÇÕES POSITIVAS DESENVOLVIDASPELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE-SUS
Durante evento no Rio, Diretora da OMS destaca importância do SUS e                                    dereforma social no...
Sergipe: agentes comunitários            capacitados      No dia 1º de março de 2012, a Escola Técnica do SUS em Sergipe(E...
Soropositivos aprovam tratamento oferecido pelo SUS em SESUS destaca o Brasil como referência no tratamento gratuito contr...
Política Nacional de Saúde Bucal:     O Programa Brasil Sorridente- essa política-,significou um marco na mudança do foco ...
Ministério vai investir R$ 505 milhões em unidades contra o câncer do SUSOs recursos serão aplicados em infraestrutura (R$...
Comentário: O Ministério da Saúde tem investido na melhoria de qualidade de vida de seus usuários. A oncologia éum setor d...
PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DAMORTALIDADE MATERNA E NEONATAL      O Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e N...
Rede Cegonha tem investimentos previstos de R$ 9 bilhões até 201428 de março de 2011 | 18h 50Agência BrasilBrasília - Ao l...
Gestante e parceiro sexual poderão fazer teste rápido de HIV e sífilisno SUSExames de sangue serão feitos no pré-natal; di...
ETSUS em campo por uma saúde integral aluno em focoRet-SUS nº 42, março2011Em Sergipe, futuros técnicos em saúde bucal ela...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Mural sus

637 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Mural sus

  1. 1. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PEDAGÓGICA NAS ETSUSETSUS-SERGIPEAprendentes- Sergipe: Soraya Dantas, Monica Fraga, Antonia Simone Fontes, Elaine Lima, Valdelíria Carvalho, Paloma Mendonça, Daniele Castro, Rosyanne Mendes e Ingrid Ferreri Atividade 3: Mural “Um SUS para valer” SUSO é a pauta positiva
  2. 2. INTRODUÇÃO Foi consenso entre o grupo em defender a hipótese de que veiculam muitasreportagens que expõem os serviços ofertados pelo Sistema Único de Saúde em suas falhas,sejam elas de diversas naturezas e dimensões. Disso nós não queremos tratar. Nãoentendemos, por sua vez, que essa atitude seria negar que existem, de fato, falhas nosistema. Claro que existem! Entendemos, porém, diante da complexidade que a saúde nos exige, é também, difícila produção de pautas positivas, principalmente se não tivermos a dimensão de todo oprocesso pelo qual se forma, a cada dia, o sistema de saúde mais eficiente do mundo e,principalmente, diante de interesses adversos a sua sustentabilidade e eficiência. É novo ainda e toda mudança requer uma temporalidade necessária para servivenciada em sua plenitude. Mas de que plenitude falamos? Falamos não daquelaidealizada, mas daquela almejada e que se apresenta e depende da criação de nóstrabalhadores da saúde, de nós usuários do sistema, da gestão, do controle social, enfim, detodos que imprimem, cotidianamente, a marca nesta construção. Apresentaremos a seguir extratos de notícias sobre a Saúde em nosso país a partir danossa perspectiva.
  3. 3. AÇÕES POSITIVAS DESENVOLVIDASPELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE-SUS
  4. 4. Durante evento no Rio, Diretora da OMS destaca importância do SUS e dereforma social no Brasi l20 de outubro de 2011 Fonte: Site Oficial das Nações Unidas no Brasil - www.onu.org.br / Disponível: http://www.onu.org.br/durante-evento-no-rio-diretora-da-oms-destaca-importancia-do-sus-e-de-reforma-social-no-brasil/ A diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, declarou que o Brasil é opaís ideal para sediar a primeira Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da saúde(CMDSS), destacando a importância do Sistema Único de Saúde (SUS) e do histórico de luta edesenvolvimento de ações relacionadas aos Determinantes Sociais da Saúde. Durante seu discurso no primeiro dia de evento, na quarta-feira (20/10), a Diretora Geralafirmou que o Brasil reconhece que a saúde é muito mais do que uma questão biomédica, referindo-se à política social do governo Lula, que resultou na retirada de 35 milhões de brasileiros da miséria.Chan declarou que 2011 é um ano para ser festejado, pois é o 25º aniversário da Carta de Ottawa e oano dos levantes populacionais, principalmente pelos jovens dos países do Oriente Médio. Elalembrou que os especialistas avaliaram que a juventude em particular está lutando por igualdade,destacando que “os sistemas de saúde estão bem posicionados para mudar as diferenças sociais”. As doenças crônicas também foram foco de atenção do discurso da Diretora Geral, frisando a questão da ameaça relativa ao crescimento das doenças crônicas não transmissíveis. Segundo Chan, a prevenção é a principal ação contra essas Comentário: O SUS, apesar das inegáveis doenças, que geram gastos catastróficos aos governos. dificuldades que enfrenta, representa Margaret Chan apontou os setores econômicos que induzem aos maus importante contributo ao desenvolvimento do hábitos como forças poderosas, citando a obesidade infantil como exemplo, Brasil, não só no que se refere à saúde da afirmando que isto não é uma falha no nível individual, mas sim nos níveis população, mas, sobretudo, fortalecendo a políticos mais altos. “A nossa população pode reagir. Treine-as para não se política social de redução das desigualdades curvarem. Ensinem a seus filhos como fazer isso”, declarou. Tomando como sociais no país. As razões de informações como exemplo as conquistas obtidas a partir da adoção da Convenção-Quadro para esta serem tão pouco divulgadas nas grandes redução do tabagismo por alguns países, como o Brasil, ela frisou que “podemos mídias ou veículos de comunicação de massa é ensinar a um cão velho novos truques”. algo sobre o que devemos refletir, buscando Apresentaremos a seguir extratos de notícias sobre a Saúde uma compreensão do assunto pautada em em nosso país a partir da nossa perspectiva. conscientização sobre a temática, em oposição a posturas meramente críticas e pouco aprofundadas.
  5. 5. Sergipe: agentes comunitários capacitados No dia 1º de março de 2012, a Escola Técnica do SUS em Sergipe(ETSUS-SE) realizou o encerramento da Qualificação Profissional Básicados Agentes Comunitários de Saúde do município de Muribeca, localizadoa 72 quilômetros de Aracaju, capital do estado. Com um total de 400horas, foram capacitados 18 profissionais. A secretária municipal deSaúde, Indira Conserva, conta que a parceria entre o estado e o municípiopossibilitou a formação destes alunos. “No decorrer do curso, podemosperceber que a parceria com a Fundação Estadual de Saúde (Funesa)trouxe melhorias à formação desses profissionais”, salientou.Entre osanos de 2006 e 2012, a ETSUS Sergipe já qualificou 2.549 profissionais. Em2010 e 2011, 3.668 agentes comunitários de saúde participaram decursos sobre prevenção da mortalidade materna neonatal e sobre álcool eoutras drogas. Comentário: Com a criação do PACS, em 1991, foi possívelcontar com a participação efetiva destes profissionais na área da saúde,proporcionando a efetivação da acessibilidade do usuário a unidade desaúde mais próxima. É importante destacar que estudos demonstram que sistemas desaúde que se organizam a partir da atenção primária apresentammelhores resultados.
  6. 6. Soropositivos aprovam tratamento oferecido pelo SUS em SESUS destaca o Brasil como referência no tratamento gratuito contra HIV. Medicamentos antirretrovirais são disponibilizados para tratamento da Aids. 20/03/2012 11h02 - Atualizado em 28/03/2012 15h36 O investimento do SUS (Sistema Único de Saúde) na prevenção da Aids, ampliação da testagem e acesso ao tratamento antirretroviral, além da capacitação dos profissionais de saúde tem destacado a saúde pública do Brasil como um referência mundial. Por ser gratuito e considerado pelos usuários de boa qualidade, o Brasil tem recebido cada vez mais pacientes para se tratar nos principais hospitais públicos. Atualmente cerca de 800 estrangeiros portadores do vírus HIV são acolhidos pelos brasileiros. Em países desenvolvidos, além de pagar pelo atendimento, o coquetel de remédios que permite uma vida praticamente normal ao portador do vírus é pago, em custos que superaram US$ 2 mil mensais. No Brasil o medicamento e o teste são disponibilizados gratuitamente em todos os postos de saúde. Já em clínicas particulares são cobrados, em média R$ 150. O Sistema Único de Saúde disponibiliza 20 medicamentos antirretrovirais diferentes para o tratamento da Aids. Comentário: Participei de um encontro de pessoas vivendo com HIV aqui em Sergipe e em contato com algumas dessas pessoas elas relataram que realmente tem vivido com mais qualidade graças ao tratamento, além de estarem buscando informações sobre como amenizar os efeitos da medicação e sobre os seus direitos enquanto cidadãos soropositivos, o que tem contribuindo para enfrentar o preconceito, ainda muito presente em nossa sociedade. (Rosyanne Mendes)
  7. 7. Política Nacional de Saúde Bucal: O Programa Brasil Sorridente- essa política-,significou um marco na mudança do foco daatenção emsaúde bucal, visando avançar namelhoria da organização do sistema de saúdecomo um todo e propondoum modelo que dêconta da universalidade, integralidade e equidade,princípios tão caros a quem lutoupelaimplantação do Sistema Único de Saúde no Brasil. REDES INTEGRADAS DE ATENÇÃO À SAÚDE
  8. 8. Ministério vai investir R$ 505 milhões em unidades contra o câncer do SUSOs recursos serão aplicados em infraestrutura (R$ 325 milhões) e na comprade aceleradores lineares.JornaldaCidade.Net*O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse hoje (18/04/2012) que a pasta vai investir cerca de R$ 505 milhões narede de unidades oncológicas do Sistema Único de Saúde (SUS). Os recursos serão aplicados em infraestrutura (R$ 325milhões) e na compra de aceleradores lineares, equipamentos usados para radioterapia (R$ 180 milhões).A previsão, de acordo com o ministério, é que nos próximos cinco anos sejam adquiridos 80 aceleradores lineares,expandindo o acesso ao tratamento para mais 28.800 pacientes ao ano.Padilha explicou que a produção nacional desse tipo de equipamento só será possível com a futura instalação de umafábrica no país, programada para entrar em atividade apenas em 2015.“Hoje não existe nenhuma fábrica que produza acelerador linear no nosso país e [há] pouquíssimos fornecedoresmundiais – na verdade, apenas dois grandes e outros de menor escala”, disse. “Isso fará com que a produção deequipamentos também seja cada vez mais sustentável, gere inovação tecnológica e empregos no nosso país”, completouPadilha. As obras e os novos equipamentos devem ampliar tecnologicamente 48 unidades oncológicas que já oferecem radioterapia, além de criar mais 32 serviços. O objetivo, de acordo com o ministro, é reduzir a desigualdade no acesso aos serviços de radioterapia, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste e no interior do Sul, do Sudeste e do Centro-Oeste. Atualmente, 135 dos 269 hospitais habilitados em alta complexidade em oncologia no SUS oferecem serviços de radioterapia. Há ainda 13 serviços fora de hospitais. Ao todo, a rede pública responde por 75% de todos os serviços no país voltados para essa área. Apenas este ano, foram identificados 260 mil casos de câncer em mulheres, dos quais 27% são de mama e de colo do útero. O combate a esses dois tipos de câncer é considerado prioridade pela pasta.
  9. 9. Comentário: O Ministério da Saúde tem investido na melhoria de qualidade de vida de seus usuários. A oncologia éum setor da Saúde que vem recebendo investimentos. Saber que 75% da população, de todas as classes sociais, ébeneficiada pelo programa, isto traz conforto e segurança para seus usuários e familiares na continuidade dotratamento. Assim como a distribuição de medicamentos para diversas patologias.
  10. 10. PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DAMORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal tempor objetivo articular os atores sociais, historicamente mobilizados em torno damelhoria da qualidade de vida de mulheres e crianças, na luta contra oselevados índices de mortalidade materna e neonatal no Brasil.Lançado pela Presidência da República em 08 de março de 2004, o Pacto foiaprovado na Comissão Intergestores Tripartite (CIT) e no Conselho Nacional deSaúde (CNS), e já conta com a adesão das 27 unidades federadas, pactuadasem seminários realizados em articulação com as secretarias estaduais emunicipais de saúde, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde(CONASS), o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde(CONASEMS), a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SEPM), aSecretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e aSecretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH), entre outras instituiçõesgovernamentais e da sociedade civil.Comentário: Escolhi o tema da redução da mortalidade materno infantil , porque a mesma, a meu ver , tem tido uma melhor atenção dos gestores eprofissionais e devido ao fato de ter presenciado , enquanto profissional da ESFnos interiores de Sergipe, muitas vezes o descaso com a gestante ou recémnascido. Os pré-natais que não eram feitos, as doenças que não eramconstatadas, os óbitos ( tanto de mães como de seu bebês) que pareciamnaturais , mas poderiam ser evitados, com um pouco mais de atenção ecuidado.
  11. 11. Rede Cegonha tem investimentos previstos de R$ 9 bilhões até 201428 de março de 2011 | 18h 50Agência BrasilBrasília - Ao lançar nesta segunda-feira, 28, um programa de atenção às gestantes e aos bebês, o Rede Cegonha, a presidente DilmaRousseff afirmou que é na área de saúde que a desigualdade social é mais "perversa". Dilma lembrou o compromisso que assumiu durante acampanha eleitoral de melhorar o atendimento público de saúde no país. "Não vamos compactuar com a miséria e a pobreza, não tem um lugar onde a desigualdade é mais perversa do que na área desaúde", disse em cerimônia em Belo Horizonte. A presidente lembrou que durante a campanha eleitoral assumiu o compromisso de melhoraro Sistema Único de Saúde (SUS). "Temos que fazer nesse quatro anos um enorme esforço para continuar ampliando o acesso à saúde etransformar o SUS em um sistema de alta qualidade que assuma responsabilidades diante de cada brasileiro. É um desafio e estamos aquipara enfrentar desafios", afirmou. O Rede Cegonha tem investimentos previstos de R$ 9 bilhões até 2014 para ampliar a rede de assistências às gestantes e aos bebês nabusca de reduzir a mortalidade infantil e materna. Ligada ao SUS, a Rede Cegonha trabalhará em conjunto com os estados e municípios. Com o programa, as unidades de saúde receberão recursos para fazer teste rápido de gravidez. A futura mãe terá vale-transportepara comparecer a todas a consultas pré-natal e exames. Aquelas que comparecerem integralmente terão direito a um vale táxi para ir para amaternidade. O programa busca também ampliar de quatro para seis o número de consultas recomendadas às gestantes. Atualmente, quase90% das mulheres brasileiras fazem as quatro consultas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde. O SUS recomenda 20 tipos de exames às gestantes. Com o Rede Cegonha, além desses exames, a intenção é que 100% delas façam ultrassom. Se tiver uma gravidez de risco, mais nove tipos de exames complementares poderão ser pedidos. O Rede Cegonha vai possibilitar que a gestante conheça previamente a maternidade onde terá o bebê e tenha direito a um acompanhante durante a internação. Serão ainda criadas as casas da gestante e do bebê ligadas às maternidades de alto risco. A mulher poderá ficar nesses locais antes e depois do parto, caso precise de observação, mas não tenha indicação de ficar internada. Em relação à criança, a Rede Cegonha vai atuar nos dois primeiros anos de vida e prevê também campanhas de aleitamento materno e de incentivo ao parto normal. O cronograma de implantação das ações dá prioridade às regiões da Amazônia Legal e ao Nordeste, que têm os mais altos índices de mortalidade materna e infantil, e às regiões metropolitanas, que concentram maior número de gestantes.
  12. 12. Gestante e parceiro sexual poderão fazer teste rápido de HIV e sífilisno SUSExames de sangue serão feitos no pré-natal; diagnosticar e tratar doenças o mais rápido possível durante agravidez podem impedir a transmissão para o bebê13 de janeiro de 2012 | 19h 51Agência Brasil Gestantes e seus parceiros sexuais, como marido ou namorado, poderão fazer teste rápido para odiagnóstico de HIV e sífilis na rede básica de saúde pública, conforme portaria do Ministério da Saúdepublicada nesta sexta, 13, no Diário Oficial da União. De acordo com a portaria, os testes de sangue serão feitos durante o pré-natal pelo programa RedeCegonha. O resultado sai em menos de 30 minutos. Diagnosticar e tratar essas doenças o mais rápidopossível durante a gravidez é importante para impedir a transmissão para o bebê. De 2000 a 2009, foram identificadas 54.218 gestantes com o vírus da aids no país, de acordo com oMinistério da Saúde. Apesar da média nacional ter caído de 5,4 casos para 3 casos por 100 mil habitantesem crianças com menos de 5 anos de idade no período, houve aumento da incidência da doença nas crianças nas regiões Norte e Nordeste. Nessa faixa etária, a principal forma de transmissão é a vertical, de mãe para filho na gestação. A testagem é indicada nos primeiros três meses, mas pode ser feita até na hora do parto. Com o tratamento médico, a chance do bebê contrair a doença cai para menos de 1%. Quando não há tratamento, a taxa de risco chega a 20%. As recomendações são o uso de antirretrovirais, parto de cesárea e não amamentar. O Brasil quer diminuir para 2% a transmissão vertical da aids até 2015. Cerca de 12 mil casos de sífilis congênita, também transmitida de mãe para filho, são registrados por ano. A infecção provoca má-formação do feto, aborto ou morte da criança. O indicado é fazer o teste nos primeiro trimestre de gestação e repeti-lo no último mês e antes do parto, já na maternidade. O tratamento da mãe e do bebê é a base de penicilina. Os parceiros sexuais também devem se tratar para evitar uma nova infecção da parceira.
  13. 13. ETSUS em campo por uma saúde integral aluno em focoRet-SUS nº 42, março2011Em Sergipe, futuros técnicos em saúde bucal elaboram projetos de intervenção Para marcar o encerramento do primeiro módulo do curso Técnico em Saúde Bucal, em dezembro passado, cerca de30 alunos da Escola Técnica de Saúde do SUS em Sergipe elaboraram projetos de intervenção em Saúde Bucal para seremimplementados nas Unidades de Saúde da Família (USFs) da capital do estado, Aracaju. Foram abordados quatro temas esua interface com a saúde bucal: ‘Pré-natal Odontológico: Garantia de Sorrisos’; ‘Vitamina “A” Mais: a Odontologia vaiajudar’; ‘Imunização Completa Prevenção em Saúde – Alcance de Metas em Hepatite B, Difteria e Tétano: Ações dePromoção em Saúde da Odontologia’; e ‘Citologia Oncótica como Alternativa de Prevenção: Interface com a SaúdeBucal’. Os projetos foram divulgados para as equipes da Estratégia Saúde da Família e Conselhos Locais de Saúde (CLS)de quatro unidades básicas: USF Augusto Franco, USF Onézimo Pinto, USF Osvaldo Leite e USF Marx Carvalho. Comentário: O Curso Técnico em Saúde Bucal representa a entrada da ETSUS-SE na realização de Cursos Técnicos, evem trazendo para os alunos-trabalhadores um novo e rico olhar ao trabalho por ele realizado, fazendo-o se percebercomo parte importante deste processo, agora embasado em um conhecimento da construção dos princípios e valores quese é proposto na linha do cuidado em que atua.(Soraya Dantas) Ano V - Nº. 42 - março 2011

×