Trabalho de antropologia

6,266 views

Published on

Trabalho de Antropologia.

Published in: Travel, Technology
1 Comment
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
6,266
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
22
Actions
Shares
0
Downloads
65
Comments
1
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Trabalho de antropologia

  1. 1. Trabalho de Antropologia Faculdade Castro Alves
  2. 2. Faculdade Castro Alves <ul><li>Aminadab </li></ul><ul><li>Jamile Cruz </li></ul><ul><li>Juliana Santos </li></ul><ul><li>Liziane Plácido </li></ul><ul><li>Márcia Manuela </li></ul><ul><li>Rafaela Santana </li></ul><ul><li>Rebeca Meneses </li></ul><ul><li>Paloma Valverde </li></ul><ul><li>Tatiana Mendes </li></ul>Psicologia (Primeiro Semestre) Matéria: Antropologia Filosófica Professor: Fabiano Alunos:
  3. 3. Mitos Gregos <ul><li>Aquiles era filho de Tétis (a ninfa marinha, e não a deusa do oceano) e de Peleu, rei dos mirmidões da Tessália. </li></ul><ul><li>Ao nascer, a mãe o mergulhou no Estige, o rio infernal, para torná-lo invulnerável. Mas a água não lhe chegou ao calcanhar, pelo qual ela o segurava, e que assim se tornou seu ponto fraco - o proverbial &quot;calcanhar de Aquiles&quot;. </li></ul>Aquiles <ul><li>Filho de Zeus, senhor dos deuses, e de Alcmena, mulher de Anfitrião, Hércules (Heracles para os gregos) foi concebido para tornar-se grande herói. </li></ul><ul><li>Hera, esposa de Zeus, enciumada com o nascimento de Hércules, pois desejava elevar o primo Euristeu ao trono da Grécia, enviou duas serpentes para matá-lo no berço, mas o herói, com sua força prodigiosa, </li></ul><ul><li>destruiu-as. </li></ul><ul><li>Casado com Mégara, uma das princesas reais, Hércules matou-a, e aos três filhos, num acesso de fúria provocado por Hera. </li></ul>Hercules
  4. 4. Mitos Gregos Ulisses <ul><li>A ele deveu-se, segundo relatos posteriores à Ilíada, o ardil do cavalo de madeira que permitiu aos gregos penetrar em Tróia e obter a vitória. </li></ul><ul><li>Terminado o conflito, Ulisses iniciou o regresso a Ítaca, mas um temporal afastou-o com suas naves da frota. Começaram assim os vinte anos de aventuras pelo Mediterrâneo que constitui o argumento da Odisséia. </li></ul>
  5. 5. Pré-Socráticos <ul><li>Período em que o interesse filosófico é voltado para o mundo da natureza; Explica racionalmente as origens e as mudanças dos seres humanos; Nega que o mundo tenha surgido do nada; </li></ul><ul><li>A physis (o elemento primordial eterno) é a Natureza eterna e e perene transformação, de onde tudo brota e para onde tudo retorna. É invidível para os olhos do corpo, visível somente para o olho do espírito (para o pensamento). </li></ul><ul><li>Nascer, morrer, mudar de qualidade ou de quantidade – chama-se movimento e o mundo está em movimento permanente. </li></ul><ul><li>O movimento do mundo (devir) mostra que toda mudança é passagem de um estado a seu contrário: dia-noite, claro-escuro, etc.; </li></ul><ul><li>Cada filósofo escolheu diferentes physis, com seus motivos e razões para dizer qual era o princípio eterno e imutável que está na origem da Natureza e suas transformações; </li></ul><ul><li>Tales: o princípio era a água ou o úmido; Anaximandro: considera que era o ilimitado sem qualidades definidas; Anaxímenes: que era o ar ou o frio; Heráclito: afirmou que era o fogo; Leucipo e Demócrito: que era os átomos. </li></ul>
  6. 6. Sofistas <ul><li>Os sofistas foram os primeiros filósofos da era socrática, eles se opunham a filosofia socrática afirmando que eles ensinaram coisas contraditórias e erradas que não era útil as cidades, substituía a natureza que era a principal objeto de reflexão pela arte de utilizar recursos lógico-racionais. </li></ul><ul><li>Os sofistas ensinavam as pessoas a utilizarem técnicas para defender sua própria linha de pensamentos, suas opiniões, para que assim conseguissem seu espaço. </li></ul><ul><li>Ignoravam as teorias dos filósofos, eram chamados de cépticos e considerados como intolerante a Verdade e o amor pela sabedoria. </li></ul><ul><li>Os principais sofistas foram , Górgias, Hípias, Isócrates, Pródico, Crítias,Antifonte e Trasímaco, sendo que destes, Protágoras, Górgias e Isócratesque prezavam pela evolução do espírito e sua capacidade de expressão. </li></ul><ul><li>O que popularizou mais os sofistas foi a abertura da filosofia para todas as pessoas deixando de ser exclusividade dos seres intelectuais. </li></ul>
  7. 7. Sócrates <ul><li>Um filósofo ateniense, nasci 470 ou 469 a.c, um dos mais importantes filósofos ocidentais e fundador da atual filosofia ocidental. </li></ul><ul><li>Sócrates sempre dizia que sua sabedoria era limitada à sua própria ignorância (só sei que nada sei). Ele acreditava que os atos errados eram consequências da própria ignorância. Nunca proclamou ser sábio. A intenção de Sócrates era levar as pessoas a se sentirem ignorantes de tanto perguntar. Ele se concentrava no problema Homem. </li></ul><ul><li>Dedicava-se ao que chama de parto das idéias: Maiêutica (levar ou induzir uma pessoa, por ela própria, ou seja, por seu próprio raciocínio, ao conhecimento ou a solução de sua dúvida). </li></ul><ul><li>Sócrates era diferente dos sofistas, pois não cobrava nada por suas aulas, e a prova disse era sua pobreza, ele valorizou a descoberta do homem feita pelos sofistas orientando-a para os valores universais, segundo a vida real do pensamento grego. </li></ul><ul><li>As fontes mais importantes de informação sobre Sócrates são Platão, Xenofonte e Aristóteles. Pois Sócrates, nada deixou em seu nome. </li></ul>
  8. 8. Platão <ul><li>Foi um filósofo e matemático do período clássico da Grécia Antiga, nascido em Atenas no ano de 384/347 A.C autor de diversos diálogos filosóficos e fundador da Academia em Atenas, a primeira instituição de educação superior do mundo ocidental. </li></ul><ul><li>Juntamente com seu mentor, Sócrates, e seu pupilo, Aristóteles, Platão ajudou a construir os alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental. </li></ul><ul><li>Como escritor, teve notoriedade quando publicou seus “Diálogos Socráticos”, foram 35 diálogos e 13 cartas, os quais são creditados tradicionalmente a ele, embora alguns estudiosos tenham colocado em dúvida a autenticidade de algumas dessas obras. </li></ul><ul><li>Platão defendia o que ele chamava de “Teoria das idéias”, acreditava que o homem estava em contato com duas realidades: a inteligível e a sensível. Para ele, o conhecimento que nos vem do sentido é imperfeito, explica também, que antes mesmo de nascer entramos em contato como o “mundo das idéias”, mas, ao unir-se ao corpo esquecemos tudo, pois para ele o corpo é o obstáculo do conhecimento, porém aos poucos, segundo ele, ao ver um objeto repetidas vezes, uma pessoa se lembra da idéia daquele objeto que viu. </li></ul><ul><li>Como seu mestre Sócrates, Platão busca descobrir as verdades essenciais das coisas. As coisas devem ter outro fundamento, além do físico, e a forma de buscar estas realidades vem do conhecimento, não das coisas, mas além das coisas. </li></ul>
  9. 9. Aristóteles <ul><li>Filósofo grego, nascido em Estagira em 384 A.C. </li></ul><ul><li>Juntamente com Platão e Sócrates, Aristóteles é visto como uma das figuras mais importantes e um dos fundadores da filosofia ocidental. </li></ul><ul><li>Aluno de Platão, seus escritos abordam diversos assuntos como a física, a metafísica, a poesia, o teatro, a música, a lógica, a retórica, o governo, a ética, a biologia e a zoologia. </li></ul><ul><li>Aristóteles, diferentemente de Platão defendia a existência de um único mundo, o que vivemos. Para ele o conhecimento devia ser procurado no mundo material e real. </li></ul><ul><li>Após a morte de Platão, fundou o Liceu de Atenas. Ao contrário da academia de Platão, o Liceu privilegiava as ciências naturais, o qual abrangia praticamente todo o conhecimento da época. </li></ul>
  10. 10. Mito da Caverna <ul><li>No mito da caverna, Platão escreve sobre a condição humana em que vivemos. Relata explicitamente a condição triste em que vivia a humanidade. </li></ul><ul><li>Trancados em um lugar onde era difícil os movimentos, pois ficavam acorrentados. Só tinham como vista, um feixe que vinha do exterior da caverna. </li></ul><ul><li>Todos viviam presos desde seu nascimento. Sem saber que no exterior, existia vida. </li></ul><ul><li>Considera-se então o 'Mito da Caverna' uma metáfora da filosofia, pois para eles estamos destinados a ver sombras em nossa frente e tomá-las como verdadeira. </li></ul>
  11. 11. Santo Agostinho <ul><li>Durante a Idade Média os pensadores cristãos perceberam a necessidade de aprofundar uma fé que estava amadurecendo, com o intuito de harmonizá-la com as exigências do pensamento filosófico. </li></ul><ul><li>Com isso Agostinho se destacou entre os séculos IV e V tentando a harmonização de duas esferas; &quot;a fé&quot; e &quot;a razão&quot;. O pensamento de Agostinho reconhecia a importância do conhecimento, mas defendia uma subordinação maior da razão em relação à fé, por crer que esta última venha restaurar a condição decaída da razão humana. </li></ul><ul><li>Uma de suas obras que mostra como o homem é dependente da misericórdia divina para conseguir a salvação espiritual é, Confissões que é um livro autobiográfico escrito entre os anos 397-398. </li></ul><ul><li>Agostinho, como pensador e teólogo, influenciou por muito tempo a história de pensamento ocidental e deixou claro que a filosofia e a teologia andam juntas mostrando isso em suas obras: Da Verdadeira Religião, A Cidade de Deus, Da Trindade, Da Mentira </li></ul>
  12. 12. São Tomás de Aquino <ul><li>Influenciado por Aristóteles, a primeira questão de que se ocupa São Tomás de Aquino - na Suma Teológica, sua obra máxima - é a das relações entre a ciência e a fé, a filosofia e a teologia.  </li></ul><ul><li>A partir dele, a Igreja tem uma Teologia (fundada na revelação) e uma Filosofia (baseada no exercício da razão humana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão unidas em sua orientação comum rumo a Deus. </li></ul><ul><li>Mostrou que o homem, por ser racional, conhece a lei natural e está plenamente capacitado para saber que “se deve fazer o bem e evitar o mal”. </li></ul><ul><li>Ao lado de uma cultura invejável e de uma inteligência admirável Tomás de Aquino deixou o exemplo de uma grande humildade e foi considerado o mais sábio dos santos. </li></ul>
  13. 13. Renascença <ul><li>A renascença ocorre no período do renascimento, das letras e das artes como um todo, esse movimento ocorre na Itália no inicio do século 14, mais so se populariza no século 16 influenciando todos os países europeus. O termo renascença so passa a ser utilizado no século 15 , para iniciar o retorno da cultura aos padrões clássicos. </li></ul><ul><li>O homem passou a ser o parâmetro do mundo, a visão humana era quê, Deus, de maneira geral era o ponto de partida para todas as discussões do universo. </li></ul><ul><li>No campo da ciência, foi uma época muito fértil para história da humanidade. Galileu Galilei, mesmo perseguido pela Igreja, afirmava não ser a Terra o centro de todo o universo, a invenção da bússola, os avanços da tecnologia de navegação. Sendo a era das grandes descobertas e invenções. </li></ul><ul><li>Leonardo da Vinci, foi aquele que melhor personificou os padrões do homem renascentista, tendo sido pintor, escultor, arquiteto e cientista o gênio da Renascença. </li></ul>
  14. 14. Empirismo <ul><li>O empirismo é a teoria do conhecimento relacionado ao pensamento filosófico, que se faz experientes a origem de todas as idéias. Ao longo da historia da filosofia os pensadores abordam questões da experiências ao invés do intelectual. </li></ul><ul><li>Alguns filósofos normalmente associados com o empirismo são: Aristóteles, Tomás de Aquino, Francis Bacon, Thomas Hobbes, John Locke, George Berkeley, David Hume e John Stuart Mill. </li></ul><ul><li>Embora no geral seja relacionado com a teoria do conhecimento, o empirismo, ao longo da história da filosofia, teve implicações na lógica, filosofia da linguagem, filosofia política, teologia, ética, dentre outros ramos. </li></ul><ul><li>Seus principais filósofos empirista foram : John Locke , filósofo inglês que defendia o empirismo britânico, e influenciou diversos filósofos. </li></ul><ul><li>Com a experiência e formas de idéias em nossa mente. O irlandês George Berkeley defendia a hipótese que o que conhecemos do mundo não é o que o mundo realmente é, podemos perceber o mundo através dos sentidos, mas não </li></ul><ul><li>conhecê-lo de verdade. </li></ul><ul><li>Já David Hume natural de Edimburgo, Escócia, ele afirma que só existe o que percebemos. Todas as relações que fazemos entre o que conhecemos não são conhecimentos verdadeiros. </li></ul>
  15. 15. Racionalismo <ul><li>O racionalismo é baseado nos princípios da busca da certeza e da demonstração, sustentados por conhecimentos que não vêm da experiência e são elaborados somente pela razão (Acredita-se que a razão é o única fonte de origem do conhecimento). </li></ul><ul><li>Afirma que toda existência tem uma causa inteligível, mesmo que não possa ser demonstrada (Ex: A origem do universo). </li></ul><ul><li>Privilegia a razão como via de acesso ao conhecimento. Considerando a dedução como método superior de investigação filosófica. </li></ul><ul><li>René Descartes, Spinoza e Leibniz introduziram o racionalismo na filosofia moderna. </li></ul><ul><li>Segundo Descartes, tanto a experiência como a imaginação são fontes de idéias. Idéias essas duvidosas, porque não servem para o Homem conhecer. </li></ul><ul><li>Para ele as idéias que provém da experiência apresentam-se de modo confuso. As que provém da imaginação,não correspondiam a nada de real. E que para se conhecer o homem, só deve confiar nas idéias inatas que são originárias da razão, fazendo parte da estrutura racional do homem. Estas idéias sendo colocadas na alma por Deus, e por isso, as únicas que se prestam a um verdadeiro conhecimento por terem a garantia divina. </li></ul><ul><li>Fazendo da evidência das idéias inatas a base do raciocínio, e servindo-se do processo dedutivo, o Homem chega a todos os conhecimentos, prescindindo de qualquer contributo da experiência. </li></ul>
  16. 16. Referências <ul><li>*Filosofando, Introdução à Filosofia, Maria Lúcia de Arruda Aranha, Maria Helena Pires Martins. </li></ul><ul><li>*Ed. Moderna </li></ul><ul><li>http://www.mundodosfilosofos.com.br/aquino2.htm </li></ul><ul><li>http://www.mundodosfilosofos.com.br/agostinho.htm </li></ul><ul><li>www.infoescola.com ›  Filosofia   </li></ul><ul><li>www.mundoeducacao.com.br ›  Filosofia </li></ul><ul><li>www. racionalismo -cristao.org.br/ </li></ul><ul><li>www.usp.br/fau/docentes/.../c.../index.html </li></ul><ul><li>pt.wikipedia.org/wiki/ Racionalismo </li></ul><ul><li>www.philosophy.pro.br/ racionalismo _empirismo_02htm.htm </li></ul><ul><li>www.infoescola.com ›  Filosofia </li></ul><ul><li>www.mundoeducacao.com.br ›  Filosofia </li></ul><ul><li>www.trigueiros.com.br/filosofia/ sofistas .htm  </li></ul><ul><li>www.webartigos.com/... SOFISTAS /pagina1.html </li></ul><ul><li>www.coladaweb.com ›  Filosofia   </li></ul><ul><li>pt.shvoong.com ›  Artes & Humanidades   </li></ul>

×